COP26: Poder da mobilização popular entregará o que os poluidores históricos se esquivam em fazer

cop-26 mobilização

GLASGOW – Pela primeira vez na história, a necessidade de abandonar os combustíveis fósseis foi reconhecida formalmente nas negociações sobre o clima. Isso ocorre após décadas de pressão e liderança de grupos da sociedade civil e das comunidades que estão na linha de frente da crise climática – e dos apelos de instituições relevantes como a Agência Internacional de Energia (IEA) e o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

O Acordo de Glasgow “solicita às partes” que acelerem a transição para sistemas de energia de baixa emissão, incluindo esforços para eliminar a energia a carvão e subsídios “ineficientes” para os combustíveis fósseis. Para os ativistas, isso é um passo significativo, mas não o suficiente.

Há seis anos, a comunidade internacional se comprometeu a limitar o aquecimento global “bem abaixo de 2 °C” e o mais próximo possível de 1,5 °C. Desde então, fomos lembrados a todo instante por secas, incêndios, inundações, ondas de calor e tempestades que um mundo a 1,2 °C já impacta a vida de centenas de milhões de pessoas. Mais uma vez, o movimento pela justiça climática aponta que os poluidores históricos, responsáveis pela crise do clima, se recusam a assumir a liderança na ação climática.

Joseph Sikulu, diretor administrativo da 350.org para o Pacífico:

“A COP26 foi considerada a COP mais excludente de todos os tempos, mas fizemos nossas vozes serem ouvidas. Nós, a sociedade civil, ao lado de negociadores das ilhas do Pacífico e de outros Estados vulneráveis, fomos firmes nas negociações. O lobby dos combustíveis fósseis e a falta de liderança dos poluidores históricos são os principais motivos pelos quais ainda não vemos os bilhões em recursos necessários para nos adaptarmos às mudanças climáticas – nem os fundos para pagar o que foi perdido. É uma luta árdua. É uma luta árdua quando nossos negociadores são superados pela quantidade de lobistas em uma proporção de 12 para 1. É uma luta árdua quando o governo do Reino Unido torna quase impossível e inseguro para a sociedade civil participar das negociações sobre o clima. Mas 1,5 °C não é uma opção. É uma necessidade absoluta, e esse horizonte deve orientar cada decisão tomada por todos os países, instituições internacionais e autoridades locais.”

Cansin Leylim, diretora associada de Campanhas Globais da 350.org:

“A menção aos combustíveis fósseis no acordo de Glasgow é resultado de décadas de mobilizações e campanhas – apesar dos esforços contrários do lobby dos combustíveis fósseis. As coisas estão começando a se mover na direção certa, mas precisamos acelerar. Para isso, o lobby dos combustíveis fósseis deve ser excluído das negociações climáticas da ONU: poluidores do lado de fora, o povo do lado de dentro. As COPs deveriam ser organizadas dessa forma. Precisamos pressionar para desmantelar todas as soluções falsas: os amortecedores, os créditos, as compensações, todas as lacunas que foram criadas nessas decisões. Precisamos exigir a ambição de fazer o que é ditado pela ciência do clima. O desafio agora é garantir que esses compromissos sejam implementados de modo mais amplo e rápido. Hoje, como nas últimas décadas, a verdadeira liderança reside no movimento climático.”

Namrata Chowdhary, chefe de Engajamento Público da 350.org:

“Anúncios significativos foram feitos nesta COP – sobre a eliminação progressiva do carvão, os subsídios aos combustíveis fósseis e a redução do uso de petróleo e gás. Pela primeira vez em 27 anos de negociações, o acordo final da COP menciona inclusive os combustíveis fósseis. É um pequeno passo, mas significativo. Há esperança, e a esperança está nas pessoas, no movimento climático. Na sexta-feira, o poder da mobilização popular brilhou na COP26: a Plenária do Povo demonstrou o quão vivo, forte, diverso, porém unido, é o movimento climático. A COP26 não conseguiu entregar um acordo ambicioso, mas estamos convencidos de que nós, as pessoas, já começamos a mudança de que precisamos. As COPs ocupam só duas das 52 semanas de um ano. Nas outras 50, precisamos agir. E essas semanas começam hoje. Nós do movimento pela justiça climática estamos empenhados em agir de forma coerente com o que pensamos. Somos a única opção, somos nós que mantemos a meta de 1,5 °C viva.”

Ilan Zugman, diretor administrativo da 350.org para a América Latina:

“A COP26 confirmou a força da sociedade civil e a falta de vontade política de muitos dos países mais ricos em contribuir de fato para a justiça climática. Além do marco da menção à limitação dos combustíveis fósseis, o movimento climático conquistou demandas como a questão das perdas e danos e o financiamento da adaptação climática dos países pobres, colocando esses pontos no centro das discussões globais. Mas os governos não avançaram como deveriam nesses aspectos e inclusive incluíram pontos potencialmente perigosos na questão dos mercados de carbono, o que pode acabar agravando a situação dos povos indígenas. As comunidades mais afetadas pela crise climática e que menos contribuíram para o aquecimento global serão, mais uma vez, aquelas que vão seguir pressionando por uma transição justa em nível global”.

Poluidores ricos

Relatório da Oxfam: Os ricos são muito mais prejudiciais ao clima do que os pobres

brinquedos de luxoBrinquedos de luxo e pecado climático. Foto: dpa / Victoria Jones

De acordo com um estudo, o percentual mais rico da população mundial lança na atmosfera mais de duas vezes mais emissões de dióxido de carbono, que prejudicam o clima, do que a metade mais pobre da humanidade. Isso emerge de um relatório que a organização de desenvolvimento Oxfam publicou antes do debate geral da 75ª Assembleia Geral da ONU em Nova York, que começou na terça-feira. A Oxfam pediu que os ricos reduzam seu consumo de CO2, invistam mais em infraestrutura pública e reconstruam a economia de maneira favorável ao clima.

O relatório enfoca os anos de 1990 a 2015, que são importantes para a política climática e nos quais as emissões dobraram em todo o mundo. Os dez por cento mais ricos (630 milhões) foram responsáveis ​​por mais da metade (52 por cento) das emissões de CO2 durante este tempo, informou a Oxfam. O percentual mais rico (63 milhões) sozinho consumiu 15%, enquanto a metade mais pobre da população mundial era responsável por apenas 7%.

As consequências catastróficas da crise climática já se fazem sentir em muitos lugares. “Responsável por isso é uma política que se concentra em incentivos ao consumo, promete crescimento contínuo e divide economicamente o mundo em vencedores e perdedores”, disse Ellen Ehmke, especialista em desigualdade social da Oxfam Alemanha. “Os mais pobres pagam o preço pelo frenesi de consumo de uma minoria rica.”

Na Alemanha, de acordo com a Oxfam, os dez por cento mais ricos ou 8,3 milhões de pessoas são responsáveis ​​por 26 por cento das emissões alemãs de CO2 no período examinado. Com 41,5 milhões de pessoas, a metade mais pobre da população alemã, cinco vezes maior, consumia apenas um pouco mais a 29%. Uma alavanca na luta contra as mudanças climáticas é o tráfego, especialmente o tráfego aéreo. A Oxfam é particularmente crítica em relação aos SUVs urbanos, que foram o segundo maior gerador de emissões entre 2010 e 2018.

“Temos que resolver juntos as crises de clima e desigualdade”, disse Ehmke. As emissões excessivas de CO2 dos mais ricos são às custas de todos e devem ser restringidas. “Impostos para SUVs que prejudicam o clima e voos frequentes seriam um primeiro passo.” Dpa / nd

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pela Neues Deutschland [Aqui!].