COP26: Poder da mobilização popular entregará o que os poluidores históricos se esquivam em fazer

cop-26 mobilização

GLASGOW – Pela primeira vez na história, a necessidade de abandonar os combustíveis fósseis foi reconhecida formalmente nas negociações sobre o clima. Isso ocorre após décadas de pressão e liderança de grupos da sociedade civil e das comunidades que estão na linha de frente da crise climática – e dos apelos de instituições relevantes como a Agência Internacional de Energia (IEA) e o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

O Acordo de Glasgow “solicita às partes” que acelerem a transição para sistemas de energia de baixa emissão, incluindo esforços para eliminar a energia a carvão e subsídios “ineficientes” para os combustíveis fósseis. Para os ativistas, isso é um passo significativo, mas não o suficiente.

Há seis anos, a comunidade internacional se comprometeu a limitar o aquecimento global “bem abaixo de 2 °C” e o mais próximo possível de 1,5 °C. Desde então, fomos lembrados a todo instante por secas, incêndios, inundações, ondas de calor e tempestades que um mundo a 1,2 °C já impacta a vida de centenas de milhões de pessoas. Mais uma vez, o movimento pela justiça climática aponta que os poluidores históricos, responsáveis pela crise do clima, se recusam a assumir a liderança na ação climática.

Joseph Sikulu, diretor administrativo da 350.org para o Pacífico:

“A COP26 foi considerada a COP mais excludente de todos os tempos, mas fizemos nossas vozes serem ouvidas. Nós, a sociedade civil, ao lado de negociadores das ilhas do Pacífico e de outros Estados vulneráveis, fomos firmes nas negociações. O lobby dos combustíveis fósseis e a falta de liderança dos poluidores históricos são os principais motivos pelos quais ainda não vemos os bilhões em recursos necessários para nos adaptarmos às mudanças climáticas – nem os fundos para pagar o que foi perdido. É uma luta árdua. É uma luta árdua quando nossos negociadores são superados pela quantidade de lobistas em uma proporção de 12 para 1. É uma luta árdua quando o governo do Reino Unido torna quase impossível e inseguro para a sociedade civil participar das negociações sobre o clima. Mas 1,5 °C não é uma opção. É uma necessidade absoluta, e esse horizonte deve orientar cada decisão tomada por todos os países, instituições internacionais e autoridades locais.”

Cansin Leylim, diretora associada de Campanhas Globais da 350.org:

“A menção aos combustíveis fósseis no acordo de Glasgow é resultado de décadas de mobilizações e campanhas – apesar dos esforços contrários do lobby dos combustíveis fósseis. As coisas estão começando a se mover na direção certa, mas precisamos acelerar. Para isso, o lobby dos combustíveis fósseis deve ser excluído das negociações climáticas da ONU: poluidores do lado de fora, o povo do lado de dentro. As COPs deveriam ser organizadas dessa forma. Precisamos pressionar para desmantelar todas as soluções falsas: os amortecedores, os créditos, as compensações, todas as lacunas que foram criadas nessas decisões. Precisamos exigir a ambição de fazer o que é ditado pela ciência do clima. O desafio agora é garantir que esses compromissos sejam implementados de modo mais amplo e rápido. Hoje, como nas últimas décadas, a verdadeira liderança reside no movimento climático.”

Namrata Chowdhary, chefe de Engajamento Público da 350.org:

“Anúncios significativos foram feitos nesta COP – sobre a eliminação progressiva do carvão, os subsídios aos combustíveis fósseis e a redução do uso de petróleo e gás. Pela primeira vez em 27 anos de negociações, o acordo final da COP menciona inclusive os combustíveis fósseis. É um pequeno passo, mas significativo. Há esperança, e a esperança está nas pessoas, no movimento climático. Na sexta-feira, o poder da mobilização popular brilhou na COP26: a Plenária do Povo demonstrou o quão vivo, forte, diverso, porém unido, é o movimento climático. A COP26 não conseguiu entregar um acordo ambicioso, mas estamos convencidos de que nós, as pessoas, já começamos a mudança de que precisamos. As COPs ocupam só duas das 52 semanas de um ano. Nas outras 50, precisamos agir. E essas semanas começam hoje. Nós do movimento pela justiça climática estamos empenhados em agir de forma coerente com o que pensamos. Somos a única opção, somos nós que mantemos a meta de 1,5 °C viva.”

Ilan Zugman, diretor administrativo da 350.org para a América Latina:

“A COP26 confirmou a força da sociedade civil e a falta de vontade política de muitos dos países mais ricos em contribuir de fato para a justiça climática. Além do marco da menção à limitação dos combustíveis fósseis, o movimento climático conquistou demandas como a questão das perdas e danos e o financiamento da adaptação climática dos países pobres, colocando esses pontos no centro das discussões globais. Mas os governos não avançaram como deveriam nesses aspectos e inclusive incluíram pontos potencialmente perigosos na questão dos mercados de carbono, o que pode acabar agravando a situação dos povos indígenas. As comunidades mais afetadas pela crise climática e que menos contribuíram para o aquecimento global serão, mais uma vez, aquelas que vão seguir pressionando por uma transição justa em nível global”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s