Caminhoneiros fazem paralisação no Porto de Santos

Entre as reivindicações, está a redução do ICMS sobre o diesel

greve-porto-de-santos

Por Adamo Bazani

Caminhoneiros realizam uma paralisação no Porto de Santos desde zero hora desta segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020.

O ato ocorre mesmo com um liminar da Justiça proibindo o fechamento dos terminais portuários.

O juiz federal Roberto da Silva Oliveira determinou multa de R$ 200 mil por dia ao Sindicam (Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários Autônomos).

Entre as reivindicações da categoria, está a redução do ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços do óleo diesel.

A paralisação é parcial e por 24 horas.

Alguns veículos estão acessando o Porto, mas o grupo em paralisação tenta convencer os outros caminhoneiros.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

____________________________________

O texto desta postagem foi inicialmente publicado pelo “Diário do Transporte” [Aqui!] .

Dragagens e suas consequências: a experiência do Porto de Santos

A realização da audiência pública em São João da Barra na próxima 4a. feira (27/01) teve até agora pouca ou nenhuma divulgação na mídia corporativa, e poucos além dos leitores assíduos deste blog sabem que a mesma ocorrerá.

A minha leitura rápida do Relatório de Impacto Ambiental preparado a pedido da Prumo Logística Global indica que para a equipe técnica que fez a construção de cenários futuros pós-dragagem do Terminal 1 do Porto do Açu não é de se esperar mudanças significativas sobre a Praia do Açu, ponto que hoje já é consumido por um processo de erosão.

A aceitação acrítica dos cenários preparados pela “Masterplan Consultoria de Projetos e Meio Ambiente” é preocupante porque, além de negar a ocorrência de mudanças drásticas associadas ao processo de dragagem, os mesmos isentam o Porto do Açu como fator causal da erosão que já está em curso na Praia do Açu.

É que não me parece ser lógico que a alteração da geomorfologia costeira que será causada por essa dragagem não tenha impactos fortes sobre a direção e velocidade das correntes que atuam no litoral próximo aos terminais do Porto do Açu. 

Não bastasse a minha desconfiança, coloco abaixo matérias que discorrem sobre as consequências e as disputas resultantes do processo de dragagem do Porto de Santos que acelerou o processo de erosão nas praias da principal cidade da Baixada Santista. Como frequentei aquelas praias durante a minha juventude, posso afirmar que, pelo fato de ser um ambiente bem mais circunscrito do que o existente no litoral sanjoanense, o exemplo dessa erosão deveria servir como um sério alerta para as autoridades municipais e estaduais. 

A par das disputas na justiça entre o Ministério Público Federal (MPF) e os empreendedores, é importante levar em conta o que disse em entrevista ao jornal “A TRIBUNA” que circula principalmente na cidade Santos, o pesquisador da Universidade Federal Fluminense , André Belém, sobre as versões para as causas da erosão que estava consumindo a faixa das praias santistas:

“Quando algum cientista estudar o caso sem ter tido nenhum relacionamento comercial com a dragagem, ai sim, poderemos talvez acreditar em alguma tese”.

A minha reação a esta frase do Prof. André Belém, é a seguinte: e não é?

Mas voltando à proposta da dragagem do Porto do Açu, eu digo às autoridades e habitantes de São João da Barra: olhem o que aconteceu em Santos para depois não acreditarem que tudo é culpa da natureza!