Grandes redes alemãs de supermercados protestam contra Jair Bolsonaro

Grandes redes de supermercados como Edeka e Lidl protestam contra o desmatamento na Amazônia. Isso também aumenta a pressão sobre o governo federal alemão

Brände im Amazonas-Gebiet in Brasilien

As queimadas na Amazônia brasileira também são quentes para redes de supermercados. Fonte: dpa

BRUXELAS taz | Grandes redes de supermercados como Edeka e Lidl estão protestando contra o desmatamento na Amazônia no Brasil e estão comprometidas com “cadeias de abastecimento sem desmatamento”.  Essas redes também conclamam o governo federal da Alemanha a trabalhar para acabar com a superexploração e pressionar o presidente Jair Bolsonaro. “Tendo em vista o aumento da demanda global por soja e os impactos na região amazônica , compartilhamos suas preocupações”, disse uma carta de Lidl à MEP Verde Anna Cavazzini que estava à disposição do taz. Prefira a soja da UE e incentive a mudança para um cultivo de soja mais sustentável no Brasil.

O grupo Edeka também aderiu à iniciativa da soja. Eles também contam com “alternativas sustentáveis ​​de manejo florestal responsável” para produtos e embalagens de madeira e papel. O chefe da Edeka, Markus Mosa, continuará a campanha por “cadeias de abastecimento sustentáveis ​​e, portanto, sem desmatamento.

Isso aumenta a pressão sobre o governo da Alemanha para repensar seu rumo em relação ao Brasil. A chanceler Angela Merkel (CDU) se retirou em referência ao desmatamento do Acordo de Livre Comércio da UE com o Mercosul, que também inclui o Brasil. Mas ela  ainda não desistiu do negócio. Há também uma disputa sobre a criação de uma lei da cadeia de suprimentos. A economia enfrenta a seca e a responsabilidade civil. O vice-grupo parlamentar da União, Carsten Linnemann (CDU), levantou as preocupações e pediu que a lei fosse aplicada ao nível da União Europeia. Espera-se uma apresentação de Bruxelas no próximo ano. Você não pode esperar tanto tempo, diz Cavazzini. “Acredito que as regras europeias vinculativas que garantem cadeias de abastecimento sem desmatamento são centrais”, explicou ela, “mas até chegarmos tão longe, mesmo grandes jogadores, como supermercados, devem usar seu poder de mercado e proibir produtos que acompanham o desmatamento de suas prateleiras. “

Isso já é uma prática comum no Reino Unido. Redes de supermercados britânicas como Tesco e Sainsbury até ameaçaram o Brasil com um boicote.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal Taz.de [Aqui!].

Em 24 horas, Campanha “Boicote Bolsonaro” já ultrapasou 228 mil assinaturas

bolsonaro

Ontem publiquei uma postagem falando sobre a campanha “Boicote Bolsonaro” que está sendo realizada para pressionar grandes cadeias de supermercados da Alemanha para que parem de comprar produtos agrícolas brasileiros por causa das ações de desmantelamento da governança ambiental pelo governo Bolsonaro e pelo seu ministro (ou seria anti-ministro?) do Meio Ambiente, o improbo Ricardo Salles. 

No momento que postei a informação, a campanha tinha exatos 16.168 aderentes e buscava alcançar um objetivo relativamente modesto de  100.000 signatários. Pois bem, 24 horas depois da minha primeira postagem, o total de aderentes ao “Boicote Bolsonaro” já se aproxima de 230 mil aderentes, com o objetivo de se chegar a 275.000 signatários, objetivo esse que deverá ser elevado ao longo do dia, pois será facilmente alcançado no ritmo que as adesões estão se dando (ver imagem abaixo).

boicote bolsonaro 2

Qual é o moral da história então?  Enquanto o Brasil fica sendo distraído por ações e atos exdrúxulos de membros do governo Bolsonaro que só fazem acelerar a difusão da pandemia da COVID-19,  o resto do mundo não só está prestando atenção no que está contecendo por aqui, mas como também ações estão sendo tomadas para punir o descompromisso ambiental que está causando um desastre de grandes proporções na Amazônia.

Nesse caso, o castigo está vindo mais rápido do que o cavalo com que o presidente Jair Bolsonaro adentrou uma manifestação pelo fechamento do congresso nacional e do STF no dia 31 de maio. E depois que o castigo chegar, não adianta chorar sobre a floresta calcinada.