Seis em dez casos de intoxicação por agrotóxicos no RS acontecem em casa

agrotóxicosFOTO: IBADAH MIMPI / UNSPLASH

bori conteudo

Pesquisadoras da Escola de Saúde Pública e do Centro Estadual de Vigilância em Saúde, em Porto Alegre, ao analisar 3.122 casos suspeitos de intoxicação  por agrotóxicos notificados no Rio Grande do Sul entre 2011 e 2018, mostram que o cenário mais comum de contaminação acontece de forma acidental, em 40% dos casos, e na própria residência do trabalhador, em 59% dos casos. Seis em cada dez casos notificados estão relacionados à produção agrícola do estado. O estudo foi publicado em 7 de dezembro na revista “Epidemiologia e Serviços de Saúde”

Na maioria dos casos, as notificações foram de homens (63,7%), brancos (86,9%) com baixo nível de escolaridade. Apenas 4,3% haviam cursado ou completado o ensino superior. Embora a faixa etária mais atingida tenha sido de 20 a 29 anos (20,3%), a maioria (60,6%) das intoxicações suspeitas foi notificada a partir dos 30 anos. Em 82% dos casos, a intoxicação foi do tipo aguda, quando há apenas um evento de exposição do indivíduo à substância tóxica em 24 horas. O diagnóstico da intoxicação foi feito por meio de avaliação clínica em 61% dos casos notificados.

O fato de quase seis entre dez notificações terem ocorrido por contato na própria residência, superando o ambiente de trabalho (33,7), não surpreendeu as autoras. “Esse dado levanta as hipóteses da existência de problemas no armazenamento e de descumprimento da distância mínima recomendada entre a lavoura e a casa. Além disso, no ambiente domiciliar se utilizam também inseticidas, raticidas e produtos destinados ao tratamento de piolhos e outros parasitas, aumentando ainda mais o risco de intoxicação”, observa a sanitarista da Escola de Saúde Pública do Rio Grande do Sul, Amanda Brito de Freitas, que assina a autoria do estudo ao lado da sanitarista Vanda Garibotti. 

Como evitar intoxicações 

A contaminação acidental (40%) foi o principal motivo de intoxicação. Mais do que isso, registrou o dobro da contaminação por uso habitual (20%) e supera também o uso ambiental e tentativa de suicídio. As principais motivações associadas com esses acidentes são o armazenamento em local de fácil acesso, manejo inadequado destas substâncias (incluindo também a reutilização das embalagens) e falta de equipamento de proteção individual (EPI). 

A orientação técnica e a fiscalização nestes casos são fundamentais para evitar os riscos à segurança e à saúde dos trabalhadores rurais. Na agricultura, explica Amanda Freitas, o objetivo do uso do EPI é evitar os riscos químicos que podem levar às intoxicações de forma aguda e crônica, em decorrência da utilização de agrotóxicos. As atividades de pulverização (42%) e diluição (18%) foram as de maior exposição ao agrotóxico. 

“É importante que o empregador proporcione capacitação aos trabalhadores com orientação quanto ao risco à saúde inerente à utilização desses produtos, quanto aos locais adequados de armazenamento e forma correta de manuseio e aplicação, de acordo com os rótulos e as bulas do fabricante; assim como o uso correto da vestimenta adequada incluindo: calças e camisas compridas, que cubram toda a pele, botas, luvas, avental, óculos de segurança ou viseira de proteção, chapéu ou capuz com máscara. Além disso, é importante orientar também sobre as recomendações quanto à manutenção, lavagem, descarte e armazenamento destes EPIs”, detalha.

As autoras vislumbram que o estudo seja utilizado como subsídio para o planejamento das ações da vigilância em saúde e políticas públicas para a proteção da saúde da população. Ela também concluem que é necessário avançar na identificação dos casos de intoxicação por meio do desenvolvimento de novos métodos diagnósticos a partir de biomarcadores e melhor qualidade da coleta de dados. 

fecho

Este texto foi originalmente publicado pela Agência Bori [Aqui!].

Estudo mostra que uso de agrotóxicos afetou sistema imunológico de agricultores gaúchos

The food scientist checks the potato for chemicals and pesticides. Study quality of soil and crop. Growing organic vegetables. Eco-friendly products. Pomology. Agriculture and farming. GMO test.

The food scientist checks the potato for chemicals and pesticides. Study quality of soil and crop. Growing organic vegetables. Eco-friendly products. Pomology. Agriculture and farming. GMO test.

Um estudo que acaba de ser publicado pela revista Environmental Science and Pollution Research traz resultados preocupantes sobre os impactos trazidos um coquetel de agrotóxicos sobre o sistema imunológico dos agricultores familiares que o utilizam.  Um questionário foi elaborado para coletar dados como informações sociodemográficas dos participantes, hábitos e condições de saúde, dados ocupacionais e de manejo de pesticidas e percepção de risco. Um aspecto inovador da pesquisa foi o uso de biomarcadores para estabelecer potenciais mudanças no sistema imunológico dos agricultores em função da exposição intensiva e continuada a agrotóxicos altamente tóxicos.

O artigo intitulado “Exposição ocupacional de trabalhadores rurais a agrotóxicos em região produtora de hortaliças do Brasil” é de autoria de pesquisadores ligados a três instituições de ensino superior gaúchas conduziram o estudo na principal área de produção de batata do Rio Grande do Sul e detectaram o uso de  agrotóxicos pertencentes a grupos químicos como piretróides (inseticidas), triazóis e etileno-bis-ditiocarbamatos (fungicidas) e bipiridílios (herbicidas) (ver figura abaixo).

rs potato

Os agrotóxicos identificados como sendo os mais utilizados na área estudada já foram documentados na literatura científica como estando associados ao surgimento de várias doenças por meio da exposição cumulativa devido à sua neurotoxicidade e sua capacidade de induzir o estresse oxidativo. No caso especíico do herbicida Paraquat, o mesmo pode participar ativamente dos mecanismos de indução do estresse oxidativo por meio do consumo de NADP, o que aumenta consideravelmente a concentração de ROS, precursores de lipoperoxidação e níveis de malondialdeído (MDA), conhecidos por causar distúrbios no metabolismo celular . Outros estudos experimentais também sugeriram que piretróides sintéticos e etileno-bis-ditiocarbamatos podem atuar como desreguladores endócrinos  e os etileno-bis-ditiocarbamatos também podem levar à toxicidade crônica da tireóide. Finalmente, os fungicidas triazólicos têm efeitos de interferência hormonal e, acima de tudo, são altamente tóxicos para os humanos devido à clastogênese (i.e., mutação gênica).

É interessante notar que mais de 100 agrotóxicos (na verdade, o site da ANVISA mostra que o total oficial chega a 124) estão autorizados para uso apenas nessa cultura em todo o território brasileiro.

As mudanças observadas no organismo dos agricultores incluíram o aumento dos níveis de TBARS e da proteína carbonilada, e a diminuição do nível de GSH. Também foi observada uma diminuição da atividade enzimática de BuChE, SOD, CAT, GR e GPx, bem como expressão irregular dos biomarcadores imunológicos IL-8 e IL-10. Os autores apontam que todos esses sinais indicam uma a perda iminente da função dos mecanismos de defesa, tanto antioxidantes quanto imunológicos, que podem desencadear efeitos adversos no sistema imunológico desses indivíduos.

Os autores concluíram que os agricultores familiares estudados estão expostos a múltiplos agrotóxicos e podem apresentar alterações bioquímicas e imunológicas em seus organismos.  Porém,  foi observado a presença de um alto desconhecimento e baixa percepção dos riscos à saúde causados ​​pelos agrotóxicos, bem como a falta de orientação para o manuseio correto dos agrotóxicos e, principalmente, o uso inadequado de EPIs. Tais aspectos indicam que estes agricultores familiares vivem em alto grau de vulnerabilidade, não só pela possibilidade de desenvolver doenças crônicas associadas à intoxicação, mas também pela maior probabilidade de sofrer acidentes de trabalho, como intoxicações agudas.

A Ford alça voo do Brasil (por Olívio Dutra)

olivioOlívio Dutra. Foto: Guilherme Santos/Sul21

Por Olívio Dutra (*)

O desenvolvimento econômico e material com menor custo para si e maior aporte de subsídios e recursos públicos para expansão de seus negócios, norteiam o planejamento estratégico das empresas transnacionais, em especial as do setor automobilístico. A sua instalação, em um território ou país no globo, é uma decisão de mercado, avaliada por satélites e importa-se pouco com impactos sociais, econômicos, ambientais e culturais, tanto quando de sua aterrissagem como quando de sua decolagem.

Assim pretendia agir a Ford há 20 anos no RS. Encontrou resistência do Governo da Frente Popular, que se instalava, à essa lógica perversa. Orquestrou, com suas influências políticas e sua generosa conta publicitária, uma oposição insidiosa ao novo governo. Pretendia sequer prestar contas do dinheiro público já recebido. Não logrou o intento. Perdeu, inclusive, no Judiciário. O resto da história é sabido.

A Ford agora está alçando voo para outras paragens, fora do Brasil, depois de ter torcido por um novo governo federal que flexibilizasse as leis trabalhistas, previdenciárias, enfraquecesse os sindicatos, desregulamentasse normas de controle público, etc.

A estratégia é a mesma, os discursos de seus, às vezes, discretos outras nem sempre, declarados apoiadores, é que são diferentes segundo as conveniências das políticas dos governantes com os quais se alinham.

Mais um momento semelhante aquele da condenação da Ford a ressarcir o Estado do Rio Grande do Sul por quebra unilateral de contrato, para lembrar de pessoas importantes que mantiveram paciência, coesão e firmeza na sustentação da política da Frente Popular de respeito à coisa pública, ao dinheiro público e na afirmação e prática de um governo democrático, participativo e republicano sob o qual o RS se desenvolveu social e economicamente acima da média nacional do período: Miguel Rossetto, ZECA MORAES (in memoriam) e sua equipe, Paulo Torelli, Guaracy Cunha, Flávio Koutzii, Sérgio Kapron e outros(as).

(*) Olívio Dutra foi governador do Rio Grande do Sul de 1999 a 2002

fecho

Este artigo foi publicado originalmente pelo site Sul21 [Aqui!].

Ação conjunta encontra agrotóxicos proibidos e contrabandeados em lavouras de arroz no RS

garrafasFoto: Divulgação MPRS

Da Redação do Sul 21

A Comissão de Fiscalização e Controle do Fórum Gaúcho de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos, coordenada pelo Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente, realizou, entre os dias 30 de setembro a 4 de outubro, operação conjunta para fiscalizar o uso de hidróxido de fentina, comercializado no Brasil com o nome de Mertin 400, em lavouras de arroz pré-germinado na região de Santa Maria e da 4ª Colônia (municípios de Restinga Seca, Agudo e Dona Francisca).

Foram encontrados, nos locais visitados, produtos vencidos, contrabandeados (Hidróxico de fentina e metil metsulfurom), além do próprio Mertin. Foi realizada coleta de água, solo, sementes e animais mortos por suposto envenenamento. Também foram recolhidas embalagens vazias descartadas indevidamente.

morteAnimais mortos também foram recolhidos na área. Foto: MPRS/Divulgação

Em março de 2017, a pedido da Promotoria de Justiça do Meio Ambiente de Porto Alegre em ação civil pública, a Justiça proibiu o uso do agrotóxico Mertin 400 em lavouras de arroz irrigado no território do Rio Grande do Sul. Na decisão, a Justiça justificou a proibição devido ao “evidenciado risco ao meio ambiente e à própria saúde humana, vez que o Mertin 400 está sendo indevidamente usado na cultura de arroz irrigado desde 2013”.

Foram fiscalizadas pelo Ibama vinte propriedades e lavrados nove autos de infração, totalizando quase R$ 50 mil; três termos de embargo e três termos de apreensão e depósito; além de duas notificações.

A equipe da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, que atuou em Mata, Santa Maria, Formigueiro e Cacequi, emitiu oito termos de fiscalização, dois termos aditivos, dois autos de apreensão e depósito e três autos de infração.

*Com informações do MPRS

_____________________________________________

Este artigo foi inicialmente publicado pelo portal Sul 21 [Aqui!].

Estudo alerta para relação entre agrotóxicos e alteração no sangue de agricultores

Pesquisa realizada pela Ensp em Farroupilha (RS) sugere que a exposição crônica a pesticidas poderia reduzir o número de diferentes glóbulos brancos

aspersão

Por Agência Fiocruz

O Brasil é campeão mundial de uso de agrotóxicos, sendo que, em 2019, sua liberação foi significativa. Uma pesquisa da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) sugere que a exposição crônica a pesticidas de organoclorados (CO) e certos pesticidas não persistentes poderia levar à redução no número de diferentes glóbulos brancos de população agrícola de Farroupilha-RS.

Segundo a pesquisa, cerca da metade da população em foco relata mais de vinte e cinco anos de trabalho agrícola, 55% tinham misturado ou aplicado pesticidas há mais de dez anos, e 37% tinham pesticidas mistos / aplicados com uma frequência média maior ou igual a 60 dias por ano. “As classes de pesticidas mais usadas pelos agricultores, na época da entrevista, eram herbicidas e fungicidas, e um terço dos entrevistados estava usando dois ou mais pesticidas, simultaneamente.

Os autores do estudo Camila Piccoli, Rosalina Koifman e Sérgio Koifman (in memoriam), da Ensp, Cleber Cremonese, do Centro Universitário da Serra Gaúcha, e Carmen Freire, do Institute of Biomedical Research of Granada, Espanha, relatam que 56% dos participantes do estudo eram do sexo masculino, sendo a idade média dos participantes de 42 anos, e 87% deles (92% dos homens e 81% das mulheres) estavam diretamente envolvidos nas atividades agrícolas. Os participantes que não faziam parte dessas atividades eram parentes de fazendeiros que viviam em fazendas (filhos, filhas, esposas e outros não diretamente envolvidos em atividades de campo). Quase todos os participantes eram brancos (99,3%). Em relação à história médica, apenas um indivíduo relatou história de doença hematológica, enquanto 4 homens e 2 mulheres tinham história familiar de doença hematológica em primeiro grau.

Conforme o estudo, o herbicida glifosato e paraquat são os mais comuns já utilizados pelos agricultores, enquanto o mancozebe (um fungicida ditiocarbamato) e o sulfato de cobre são os fungicidas mais utilizados. “Fungicidas e ditiocarbamatos são as classes de pesticidas que apresentam o maior número de anos de exposição ao longo da vida, ou seja, utilizados por mais de vinte anos em mais de 40% dos indivíduos do estudo.”

A pesquisa menciona que a exposição humana a pesticidas tem sido associada a vários efeitos prejudiciais à saúde, incluindo desordens endócrinas, defeitos congênitos, efeitos neurológicos, hepáticos, respiratórios, imunológicos e câncer. “Essa ampla gama de resultados adversos sugere que os pesticidas exercem efeitos tóxicos sobre a saúde humana por meio de vários mecanismos de ação.” A esse respeito, completa o estudo, dados experimentais disponíveis indicam que muitos pesticidas também podem possuir propriedades hematotóxicas, levando à hematopoiese deprimida.

Também foi descrito, pelos pesquisadores, que as populações agrícolas nos países em desenvolvimento estão expostas a quantidades crescentes de misturas de pesticidas em altas concentrações e frequência, incluindo pesticidas severamente restringidos e proibidos nos países industrializados.

Eles citam uma pesquisa realizada entre 2012 e 2013 em trabalhadores rurais e suas famílias em Farroupilha, cidade com 69 mil habitantes, localizada na Serra Gaúcha, no Estado do Rio Grande do Sul. De acordo com ela, ocorreram associações de exposição cumulativa a pesticidas, especialmente herbicidas e fungicidas ditiocarbamatos, com efeitos semelhantes aos do hipotireoidismo e pior qualidade espermática em trabalhadores agrícolas do sexo masculino na Serra Gaúcha, uma região agrícola familiar no sul do Brasil.

Com base na hipótese de que tanto os agrotóxicos persistentes como os não persistentes possam ter a capacidade de causar distúrbios hematológicos em humanos, os pesquisadores buscaram avaliar a relação das práticas de trabalho agrícola, uso de agrotóxicos não persistentes e níveis séricos de agrotóxicos com parâmetros hematológicos em residentes da fazenda na região.

A população agrícola da região está envolvida em atividades relacionadas ao plantio, poda e colheita de ameixas, pêssegos, uvas e kiwis. Assumindo uma taxa de participação de cerca de 90% e pelo menos três adultos por domicílio, 90 residências foram selecionadas, aleatoriamente, da lista de domicílios rurais do Secretaria Municipal de Agricultura para atingir o tamanho amostral estimado. Todas as pessoas com idade entre 18 e 69 anos morando nos domicílios selecionados foram convidadas a participar do estudo, representando o total de 301 pessoas.

Acesse o artigo , publicado na revista Ciência & Saúde Coletiva, de junho de 2019.

_________________________________________________

Este artigo foi publicado originalmente pela Agência Fiocruz [Aqui!].

 

Marketing acadêmico: lançamento do livro “O Horizonte Vermelho” pela editora Sulina

horizonte

O livro O Horizonte Vermelho: o impacto da Revolução Russa no movimento operário do Rio Grande do Sul (1917-1920) vem a público em um momento em que o estudo e a reflexão sobre a história do movimento operário se tornam um exercício cada vez mais importante e necessário.

Neste ano, no qual se completam cem anos das greves de 1917 no Brasil e da Revolução Russa, Frederico Duarte Bartz disponibiliza este trabalho para contribuir com os debates acadêmicos sobre aquele período agitado da história da classe operária, e para difundir, entre o maior número de pessoas, o conhecimento sobre aqueles trabalhadores e trabalhadoras que se mobilizaram em prol da Revolução Social.

A memória e a história das lutas que se desenvolveram na década de 1910 surgem como um importante legado para todos aqueles que se interessam pelo processo de construção da classe trabalhadora e se solidarizam com suas reivindicações.

Quem desejar adquirir esta obra, basta clicar Aqui!