Pesquisadores denunciam situação crítica em 2ª Marcha Pela Ciência no Brasil

Imagem relacionada

“O orçamento para ciência, tecnologia e educação que está delineado para o ano que vem é dramático. Agora, mais do que nunca, temos que nos mobilizar”, declarou o presidente da SBPC, Ildeu de Castro Moreira

Por Daniela Klebis – Jornal da Ciência

Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, São Luís (MA) e Porto Alegre (RS) realizaram no sábado, 2 de setembro, a 2ª Marcha Pela Ciência no Brasil.  O evento, organizado pela Campanha Conhecimento Sem Cortes para acontecer inicialmente na capital carioca e depois ganhou adesão de mais cidades, teve como objetivo alertar a população sobre a gravidade dos cortes orçamentários que vêm impossibilitando o desenvolvimento de pesquisas vitais para o desenvolvimento do País e poderão comprometer a formação dos futuros cientistas.

Com apoio da SBPC, as marchas marcam o início de um grande movimento nacional em defesa da ciência, da tecnologia e da educação diante dos graves contingenciamentos neste ano e da previsão de cortes ainda mais impactantes para as áreas na Proposta de Lei Orçamentária de 2018 (PLOA 2018). Exemplo disso é que na proposta apresentada pelo governo na última quinta-feira, 31, as dotações de CT&I relacionadas ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) foram eliminadas, o que deixa projetos como o Sirius, do CNPEM, e o Reator Multipropósito, sem garantia nenhuma de recursos.

O presidente das SBPC, Ildeu de Castro Moreira, afirma que os movimentos terão continuidade nas próximas semanas, com ações junto ao Congresso Nacional, na expectativa de reverter os cortes previstos para 2018 e recuperar o que foi contingenciado em 2017.

“O orçamento para ciência, tecnologia e educação que está delineado para o ano que vem é dramático: estão desenhando valores extremamente baixos, que não mantêm a ciência brasileira. Houve cortes muito significativos, já tivemos esse ano um contingenciamento brutal, da ordem de 45%, e estamos fazendo uma campanha muito grande para repor esses recursos”, disse ele, durante a Marcha no Rio de Janeiro, realizada em frente ao Museu do Amanhã.

Moreira alerta que os cortes terão impactos profundos nas atividades do CNPq, da Capes, da Finep, bem como em todos os projetos e bolsas de pesquisa, na formação dos jovens e no funcionamento das universidades públicas. Ele destaca que a SBPC e suas mais de 130 associações científicas afiliadas, organizações de CT&I, a Academia Brasileira de Ciências (ABC), vêm fazendo uma grande campanha nacional, juntamente à população e ao governo, com manifestos constantemente encaminhados ao presidente da República, aos ministros, deputados e senadores. “Agora, mais do que nunca, temos que nos mobilizar mais e mais, para atuarmos com força e conseguirmos reverter esse cenário”, disse.

Alerta à população

Reunidos em frente ao Museu do Amanhã, pesquisadores, alunos e professores das Universidades Estadual e Federal do Rio de Janeiro – UERJ, UFRJ -, de institutos,  representantes de associações e deputados mobilizaram cerca de mil pessoas entre os participantes da Marcha e a população que passava por ali e parava para participar das atividades. Haviam estandes das instituições, música e discursos para informar a população sobre a gravidade da situação de penúria que a ciência brasileira enfrenta hoje por consequência das políticas de cortes do governo.

“Estamos aqui para denunciar os 40 bilhões cortados da ciência. Uma situação gravíssima para quem pensa o Brasil do presente e o Brasil do futuro. Não sei se teremos esse futuro com esse governo”, disse a deputada Jandira Feghali, em divulgação ao vivo da Marcha em seu Facebook.

Ela entrevistou o deputado Celso Pansera, que também participou da manifestação no Rio de Janeiro: “O governo precisa entender que tem que apartar o orçamento da ciência e da educação, porque sem isso não tem como sair da recessão”, declarou Pansera.

A presidente da Associação Nacional de Pós-graduandos, Tamara Naiz, discursou no palanque levantado na Praça Mauá, em frente ao Museu do Amanhã e ressaltou a importância da participação dos pesquisadores brasileiros na manifestação.

“Hoje sentimos uma grande sensação de insegurança com o nosso futuro. A gente sente como se tivesse vivendo uma desconstrução do nosso futuro. E é por isso que é importante que a gente esteja atento e forte pensando qual vai ser o amanhã. O amanhã da ciência brasileira, mas, também, o amanhã do nosso país. A bolsa de pesquisa é uma necessidade para o país que precisa se desenvolver em novos patamares, que precisa atrair muita gente para desenvolver sua ciência”, disse, ressaltando a insegurança dos pesquisadores que vivem agora em constante ameaça de cortes no financiamento de seus trabalhos.

Naiz foi enfática ao destacar à plateia a necessidade de todos se envolverem na luta em defesa da ciência brasileira. “A gente sabe que a ciência e a educação têm muito potencial para desenvolver o País. Elas geram conhecimento, riqueza, geram oportunidades, e devem estar a serviço do bem estar do nosso povo”.

Sem ciência, sem avanço

Em São Paulo, a Marcha Pela Ciência se concentrou em frente ao MASP e, com apoio da Polícia Militar, que se prontificou a parar o trânsito e escoltar os manifestantes, a Marcha seguiu pela Avenida Paulista, por cerca de 1km, até o prédio do escritório da Presidência da República na cidade.  Os cartazes e o coro que entoava “Se para a ciência não avança o Brasil” chamaram a atenção dos carros e pedestres, que paravam para assistir à manifestação.

Ao final, o grupo de cerca de 200 manifestantes bradou em uníssono o manifesto da Marcha: “Nós, pesquisadores brasileiros, estamos na rua, pela ciência brasileira. Estamos aqui para denunciar o desmonte da ciência que vem acontecendo por falta de verbas. Estamos aqui para dizer que sem ciência, o Brasil não avança. Sem ciência, não há remédio, não há alimentação, não há transporte público. A ciência não pode ser considerada gasto. Ciência é investimento. Investimento para retomada do desenvolvimento brasileiro. Sem ciência não há amanhã”.

A tesoureira da SBPC, Lucile Floeter Winter, destacou a importância desse tipo de manifestação de conscientizar toda a sociedade para o papel que a ciência tem no cotidiano das pessoas e no desenvolvimento do País. “É um movimento que é importante. Estamos lutando por liberdade, por independência, por soberania nacional e para conscientizar todo mundo que todo dia a ciência está na vida de cada um”, afirmou.

Uma das organizadoras do evento, a bióloga da USP, Nathalie Cella, falou da importância dos cientistas se juntarem às manifestações. “Estamos nesse ano com ¼ dos recursos que tínhamos em 2010, a expectativa é que isso caia e que a gente não tenha nem bolsas para os nossos estudantes, e que mais laboratórios se fechem. Precisamos agora sair dos nossos laboratórios para tentar continuar a ter ciência. Precisamos começar a pensar em política científica, criar coragem e investir nosso tempo nisso”, alertou.

Apesar da participação pequena, considerando o tamanho da população de pesquisadores e universitários em São Paulo, o divulgador científico Roberto Takata, que também atuou na organização do evento, acredita que esta segunda Marcha teve um impacto maior do que o esperado.  “Considerando que organizamos em quatro dias, conseguimos, somente na base do gogó, ter mais impacto com a caminhada pela Avenida Paulista. Mesmo sem esperar muito impacto dessa vez, acabou saindo bem maior do que esperado”, disse.

“É um movimento que tem demonstrado resistência em defesa da ciência brasileira”, descreveu Vinícius Soares, secretário-geral da ANPG, em São Paulo. “O que está acontecendo no País é realmente um desmonte de tudo aquilo que a gente conquistou a duras penas. Sem ciência, teríamos uma epidemia descontrolada de zika vírus. Se o Brasil não olhar a ciência como investimento, ficar olhando sempre como gasto e cortar sempre que tem crise, não vamos conseguir avançar para nenhum lugar. A ciência é o que nos dará o norte para retomarmos o crescimento do País”, disse.

A Marcha paulista contou com grande participação dos pesquisadores dos Institutos de Pesquisa do Estado de São Paulo. “O sucateamento está acontecendo com a ciência, nos institutos do governo e nas universidades. Pertenço a um dos 18 institutos do Estado de São Paulo, e todos nós estamos brigando para que a ciência tenha uma postura de engrandecimento, porque sem ciência, a gente não vive”,  declarou Maria Margarida de Melo, pesquisadora aposentada do Instituto de Botânica. Segundo ela, a situação é crítica nos três institutos da Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo.

Elaine Viana Martins, assistente técnica de pesquisa do Instituto Geológico, disse que a participação na Marcha é a luta para garantir o futuro dos filhos e netos desta geração. “Vim para mostrar a importância da pesquisa científica, não só para o Estado do São Paulo, como para o País. Sem pesquisa séria, nada se faz. É importante que os pesquisadores pensem na carreira, na pesquisa. Estamos aqui lutando por todos. Sem nos manifestarmos, não teremos chances”, afirmou.

Processo de engajamento

Segundo o secretário regional da SBPC no Rio Grande do Sul, José Vicente Tavares, essa segunda Marcha Pela Ciência é parte de um processo de engajamento de toda a comunidade científica e sociedade com a política científica nacional que deve continuar e tomar corpo, especialmente pelas redes sociais. “O momento político é crítico. Por isso, além do número de participantes presentes à manifestação, foi importante ver a repercussão. Há um processo de comunicação que continua pelas redes sociais e nas instituições”, afirmou. Em Porto Alegre, a Marcha foi realizada no Parque da Redenção, com concentração no Monumento do Expedicionário e reuniu cerca de 100 pessoas, entre representantes da SBPC, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), do sindicato dos professores municipais, entre outros, além de deputados. Os participantes fizeram pronunciamentos, divulgando a situação grave que os cortes deixaram sobre as instituições.

“Esse tipo de manifestação é fundamental nesse momento para esclarecer a sociedade do tanto que a juventude será afetada. É preciso mostrar para a população que sem verbas não teremos universidades”, comentou Luiz Alves Ferreira, secretário regional da SBPC no Maranhão. Em São Luís, uma van levou alunos, pesquisadores e professores da UFMA à Praça da Lagoa, onde foi montado um telescópio, músicos se apresentaram e os organizadores distribuíram um manifesto público pela ciência à população que passava pela praça no sábado.  “Imprimimos 400 manifestos, e todos foram entregues”, comemorou Ferreira. O documento, produzido pela SBPC-MA junto com o Laboratório de Divulgação Científica Ilha da Ciência, em parceria com a Associação dos Professores da Universidade Federal do Maranhão (Apruma) e o Centro de Cultura Negra do Maranhão (CCN/MA), alerta que os cortes para CT&I comprometem a educação, ciência e tecnologia e inovação, saúde e outras políticas públicas (leia o manifesto aqui).

“No sábado, essa manifestação em São Luís atingiu cerca de mil pessoas. Nosso objetivo é continuar com essas manifestações”, confirmou Ferreira.

Em Brasília, a Marcha foi convocada pela Secretaria Regional da SBPC no Distrito Federal  e contou com a participação de cerca de 60 pessoas, conforme conta a conselheira da SBPC, Fernanda Sobral. A manifestação teve participação da ANPG, de funcionários do CNPq, da reitoria e pesquisadores da UnB, entre outros. “Falamos sobre os cortes e as previsões ainda piores para 2018. Como início, foi bom. O papel dessa primeira fase de manifestações foi demonstrar a gravidade da situação. Os pesquisadores falaram sobre os impactos sociais que a interrupção de seus projetos pode causar, foi muito informativo”, comentou, acrescentando que o movimento foi o início de uma série de mobilizações que devem ser realizadas daqui para frente.

FONTE: http://jcnoticias.jornaldaciencia.org.br/1-pesquisadores-denunciam-situacao-critica-em-2a-marcha-pela-ciencia-no-brasil/

 

Em carta aberta, entidades pedem resolução urgente da crise na CT&I e no Ensino Superior

Resultado de imagem para fuga de cerebros crise
A SBPC, juntamente a outras 8 entidades representativas das comunidades científica, tecnológica e acadêmica brasileiras e dos sistemas estaduais de ciência e inovação enviaram o documento ao presidente da República hoje. “Vivemos o risco de sofrer uma grande diáspora científica”, alertam na carta.
 

“É muito grave a situação da ciência e tecnologia e das universidades públicas no País”, afirmam a SBPC e outras 8 entidades representativas das comunidades científica, tecnológica e acadêmica brasileiras e dos sistemas estaduais de ciência e inovação, em carta ao presidente da República, Michel Temer, enviada nesta terça-feira, 29 de agosto. O documento descreve a crítica situação da CT&I e da Educação Superior no Brasil e pede a resolução urgente dos problemas apontados.

A carta traz um alerta ao presidente e demais autoridades governamentais, bem como aos parlamentares e toda a população brasileira sobre os riscos que a enorme redução, de quase 50%, dos recursos para ciência, tecnologia, inovação e para a educação superior pública traz para o País. O documento ressalta, entre outros pontos, que universidades e institutos de pesquisa encontram-se em estado de penúria, com o sucateamento de laboratórios e unidades de pesquisa, a diminuição e mesmo a possibilidade de interrupção na concessão de bolsas, a proibição de novos concursos e a ausência de recursos essenciais para a pesquisa científica e tecnológica.

“Vivemos o risco de sofrer uma grande diáspora científica, com a evasão de cérebros altamente qualificados, formados com recursos públicos, para países mais avançados que veem na C&T um instrumento essencial para o desenvolvimento econômico e para o bem-estar social”, advertem as entidades, e acrescentam que o investimento em CT&I é essencial para garantir o aumento do PIB em períodos de recessão econômica.

Juntamente à SBPC, assinam a carta a Academia Brasileira de Ciências (ABC), a Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica e Inovação (Abipti), a Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (Abruem), a Associação Nacional dos Dirigentes de Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), o Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de Ciência e Tecnologia (Consecti), o Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia (Fortec) e o Fórum Nacional de Secretários Municipais da Área de Ciência e Tecnologia.

Confira a carta abaixo, na íntegra:

CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA REPÚBLICA

 Excelentíssimo Senhor

Presidente MICHEL TEMER

Presidência da República

Brasília, DF

 

Assunto: Situação dos recursos para a Ciência, Tecnologia e Inovação e para a Educação Superior.

 Senhor Presidente,

É muito grave a situação da ciência e tecnologia e das universidades públicas no País. O contingenciamento de recursos para o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações – MCTIC, em 2017, incidindo sobre orçamentos já muito reduzidos em relação aos de anos anteriores, produziu uma drástica diminuição nas verbas para a CT&I. Essa redução de recursos, que ocorreu também no orçamento das universidades públicas federais, ameaça seriamente a própria sobrevivência da ciência brasileira, bem como o futuro do País e sua soberania. Nós, entidades representativas das comunidades científica, tecnológica e acadêmica brasileiras e dos sistemas estaduais de ciência e inovação, por meio desta carta aberta, vimos alertar Vossa Excelência, assim como as demais autoridades governamentais, os parlamentares e a população brasileira, sobre os graves riscos que essa enorme redução nos recursos para a CT&I e para a educação superior pública traz para o País.

O investimento em CT&I é essencial para garantir o aumento do PIB em períodos de recessão econômica. Essa tem sido a política de caráter anticíclico adotada por países que se destacam no cenário econômico mundial, como os do G7 — EUA, Alemanha, UK, Japão, França, Itália e Canadá —, dado o retorno alcançado por este investimento sob a forma de desenvolvimento econômico, melhoria da qualidade de vida, liderança global e riqueza para esses países.

É notável o retorno que o investimento em C&T já proporcionou ao Brasil, apesar de ele ter sido bastante inferior ao aporte de países mais desenvolvidos. A invenção, em laboratórios de universidades públicas e da EMBRAPA, de um processo no qual a fixação do nitrogênio pelas plantas é feita por meio de bactérias permitiu a eliminação dos adubos nitrogenados na cultura da soja e multiplicou por quatro a sua produtividade, economizando hoje cerca de 15 bilhões de reais por ano para o País. A colaboração entre a Petrobras e laboratórios em universidades brasileiras é responsável pela exploração de petróleo em águas profundas e pelo êxito do Pré-Sal, que hoje abarca 47% da produção brasileira de petróleo. O Brasil não teria empresas de forte protagonismo internacional, como a EMBRAER, a EMBRACO e a WEG, se não tivéssemos universidades públicas formando quadros profissionais de qualidade e colaborando com estas iniciativas inovadoras. A ciência desenvolvida nas instituições de C&T nacionais é também essencial para a melhoria da qualidade de vida dos brasileiros. Ela beneficiou a saúde pública, contribuindo para o enfrentamento de epidemias emergentes e para o aumento da expectativa de vida dos brasileiros, atualmente cerca de quatro anos em cada década.  A recente descoberta da ligação entre o vírus zika e a microcefalia só foi possível graças ao trabalho pioneiro de pesquisadores brasileiros.

Foram elementos essenciais para esse rol de sucessos o progresso da pós-graduação, com 16.000 doutores formados por ano, e o aumento significativo na produtividade científica, ocupando o Brasil o 13º lugar entre os países de maior produção científica, à frente de nações como Holanda, Rússia, Suíça, México e Argentina.  Tal cenário decorreu de investimentos continuados nas universidades e institutos de pesquisa, em particular do CNPq, da Capes e da Finep, bem como das fundações estaduais de amparo à pesquisa. Não faltam novos desafios, como o desenvolvimento de uma biotecnologia baseada na biodiversidade brasileira, com a produção de novos fármacos, a busca de energias alternativas, a agregação de valor aos minerais presentes no território nacional, o progresso das atividades espaciais, a melhoria da educação básica, as inovações sociais para a inclusão e para a redução de desigualdades. Todos eles com grande potencial de retorno para o desenvolvimento econômico e social do País.

Esse panorama virtuoso e promissor, motivo de orgulho para os brasileiros, está, no entanto, ameaçado de extinção. O contingenciamento em 44% dos recursos para o MCTIC reduziu o orçamento de custeio e capital (OCC) do setor de C&T desse Ministério para 2,5 bilhões de reais, ou seja, cerca de 25% do OCC de 2010, corrigido pela inflação. Essa redução nos recursos para a CT&I se estendeu para outras áreas de governo e se propagou, em um efeito cascata de redução de financiamento, para muitas secretarias e fundações estaduais de amparo à pesquisa, e para instituições estaduais e municipais de ensino superior. Não é surpreendente, portanto, que vivamos uma situação crítica, na qual muitas universidades e institutos de pesquisa encontram-se em estado de penúria, com o sucateamento de laboratórios e unidades de pesquisa, a diminuição e mesmo a possibilidade de interrupção na concessão de bolsas, a proibição de novos concursos e a ausência de recursos essenciais para a pesquisa científica e tecnológica.

Um exemplo evidente é a situação extremamente preocupante do CNPq, que ainda luta por recursos para o cumprimento de seus compromissos em 2017, aí incluídos o pagamento de quase 100 mil bolsistas de Iniciação Científica, de Pós-Graduação e de Pesquisa. Igualmente crítica é a possibilidade, já delineada na PLOA, de que os recursos orçamentários para 2018 sejam mantidos no patamar extremamente baixo daqueles dispendidos em 2017, o que levará novamente o CNPq a uma situação crítica em meados do ano próximo. O Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – FNDCT, que tem desempenhado um papel fundamental no apoio às instituições de ensino e pesquisa e às empresas inovadoras, foi também severamente atingido. Em 2017, apenas uma pequena parcela dos recursos arrecadados para o FNDCT foi disponibilizada no apoio a atividades de CT&I não reembolsáveis. Nas previsões orçamentárias para 2018, tais recursos serão da ordem de 750 milhões de reais, um valor muito abaixo do total a ser arrecadado, aproximadamente 4,5 bilhões de reais.

Essa falta de recursos põe em risco, ainda, o funcionamento dos institutos de pesquisa do MCTIC e de outros ministérios, instituições fortemente estratégicas, estranguladas a ponto de terem sua existência ameaçada, alijando o estado brasileiro de instrumentos essenciais para qualquer movimento de recuperação da economia nacional. O financiamento reduzido e parcial dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs), contrastando com a afirmação do governo federal de que eles seriam prioritários na área da CT&I, terá também um impacto profundamente negativo para a ciência brasileira e para sua necessária internacionalização.   

É também muito grave a situação das universidades públicas federais, um sistema de 63 instituições, 320 campi e mais de um milhão de alunos, responsável por 57% dos programas de pós-graduação no País e por parte expressiva da produção científica e tecnológica nacional, além da formação de recursos humanos altamente qualificados em todos os campos do saber. Com cortes sucessivos em seus orçamentos e o contingenciamento dos recursos de 2017, da ordem de 55% do orçamento de investimento e 25% do orçamento de custeio, as universidades públicas federais estão impossibilitadas de concluir obras iniciadas, cumprir compromissos relacionados à sua manutenção e executar programas importantes para o seu desenvolvimento acadêmico e científico. A diminuição de recursos da Capes, delineada para 2018, é também motivo de grande preocupação haja vista o papel essencial desempenhado por esta agência para a pós-graduação e para a educação básica do País.  

A queda no financiamento das instituições e dos programas de pesquisa, assim como a ameaça de proibição de novos concursos públicos, contribuem para o empobrecimento e sucateamento das universidades e institutos de pesquisa pelo esvaziamento de seu quadro qualificado e pela total desmotivação e insegurança que gera nos jovens que pretendem seguir a carreira de pesquisa. Vivemos o risco de sofrer uma grande diáspora científica, com a evasão de cérebros altamente qualificados, formados com recursos públicos, para países mais avançados que veem na C&T um instrumento essencial para o desenvolvimento econômico e para o bem-estar social.

Alertamos, assim, para a necessidade urgente de reversão desse cenário, por meio do descontingenciamento, ainda em 2017, dos recursos destinados ao MCTIC com a recomposição do seu orçamento anteriormente previsto, o que implica o aporte de 2,2 bilhões de reais. É igualmente indispensável a garantia de um orçamento adequado para a ciência e tecnologia, em 2018, e a alocação de recursos condizentes para as universidades públicas federais e para a Capes. Essas são condições essenciais para um projeto de nação que se preocupe com a um desenvolvimento sustentável, que conduza à melhoria das condições de vida dos brasileiros e que assegure a soberania da nação.

Na expectativa de uma resolução urgente dos problemas aqui apontados, subscrevemo-nos.

Atenciosamente,

Academia Brasileira de Ciências (ABC), Luiz Davidovich

Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica e Inovação (Abipti), Júlio Cesar Felix

Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (Abruem), Aldo Nelson Bona

Associação Nacional dos Dirigentes de Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Emmanuel Zagury Tourinho

Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), Maria Zaira Turchi

Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de Ciência e Tecnologia (Consecti), Francilene Procopio Garcia

Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia (Fortec), Cristina Quintella

Fórum Nacional de Secretários Municipais da Área de Ciência e Tecnologia, André Gomyde Porto

Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Ildeu de Castro Moreira.

FONTE: http://portal.sbpcnet.org.br/noticias/em-carta-aberta-entidades-pedem-resolucao-urgente-da-crise-na-cti-e-no-ensino-superior/

A súplica do presidente de honra da SBPC:   Não destruam a ciência como este governo está fazendo

sérgio mascarenhas

A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) está realizando a sua 69ª Reunião Anual no campus da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Ontem, o seu presidente de honra, o físico e químico Sérgio Mascarenhas, proferiu uma conferência especial sobre o estado da ciência, em especial a brasileira, nesta presente conjuntura histórica tão marcada pelos discursos e práticas governamentais anti-ciência.

Abaixo publico uma matéria assinada pela jornalista Daniela Klebis , do Jornal da Ciência,  que sintetiza a fala do professor Sérgio Mascarenhas, e na qual fica clara a sua preocupação com o futuro da ciência brasileira.

 “Não destruam a ciência como este governo está fazendo”

Por Daniela Klebis – Jornal da Ciência

O passado, o presente e o futuro da ciência foram contados pelo presidente de honra da SBPC, Sérgio Mascarenhas, em conferência especial da 69ª Reunião Anual da SBPC, nesta quarta-feira, 19.

Aos 89 anos de idade, e 70 deles dedicados à atividade científica, a história do físico e químico Sérgio Mascarenhas é amalgamada com a história da ciência brasileira. E em sua conferência na manhã desta quarta-feira, 19, na 69ª Reunião Anual da SBPC, o pesquisador, convidado para levar a plateia em uma viagem pela história dos grandes cientistas do mundo, não poderia deixar de fazer seu apelo nesse momento tão grave: “não destruam a ciência como este governo está fazendo”.

Presidente de honra da SBPC, Mascarenhas foi protagonista no desenvolvimento da ciência do País. Ele foi um dos fundadores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e do Centro Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Instrumentação Agropecuária da Embrapa (Embrapa Instrumentação). Também criou o Instituto de Física e Química da USP de São Carlos e o primeiro curso de Engenharia de Materiais da América Latina, na UFSCar. Foi professor convidado das mais prestigiosas universidades do mundo, como Harvard, Princeton e o MIT. E a lista de prêmios que já recebeu é imensa: de Comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico, Prêmio de Mérito Científico, na classe de Grã Cruz, a Prêmio Conrado Wessel de Ciência e Cultura 2006, entre tantos outros.

Uma história incrível de um intelectual que sempre com muita lucidez está a olhar para o futuro, como Junus, o deus de duas faces romano, que representa a dualidade, os começos e as passagens, ponto inicial da conferência intitulada De Leibniz à Era Digital do Século XXI. “Em sua imagem, a face do homem olha para o passado e a face da mulher olha para o futuro. E é olhando para o passado que a gente constrói o futuro”, disse ele, sugerindo, todo tempo, a leitura de grandes clássicos – porém, em suas versões digitais. “Hoje em dia, quem não lê livro digital está por fora. Eu posso carregar uma centena de livros comigo em meu tablet”.

A história dos grandes cientistas e das grandes revoluções científicas foi se construindo ao longo de séculos de muito estudo, muitas dúvidas e muita incompletude. Mascarenhas passa por Galileu Galilei, o gênio que revolucionou a ciência e a forma como hoje vemos o mundo. Morreu no mesmo ano em que nasceu Isaac Newton, em 1642. “Uma generosidade do universo”. O criador da teoria da gravitação sabia que não compreendia sua criação por completo, mas resolveu o problema de explicar a movimentação da lua. “Newton introduziu na ciência uma coisa muito ruim, que foi o determinismo absoluto”. Mas Karl Popper, séculos depois, contestou o princípio da verificabilidade, e trouxe para ciência a ideia da falseabilidade.

Retornando à época de Newton, passamos pela história de Gottfried Wilhem Leibniz, matemático, político, historiador, filósofo que descreveu o primeiro sistema binário de numeração. Os estudos de Leibniz, segundo o físico brasileiro, preparam o caminho para a criação do computador, séculos mais tarde. Ele também ficou conhecido por sua teoria das mônadas – outro conceito científico extremamente complexo que ainda não é totalmente compreendido. “A cabeça dele era um vulcão em atividade”, comenta.

Mascarenhas perpassa ainda Faraday, Darwin, Freud, Bertrand Russel, Godel e Ludwig Boltzmann, físico austríaco que desenvolveu o conceito de entropia e explicou a direção do tempo: “Foi com ele que aprendemos que o tempo é irreversível”.

E, décadas mais tarde, todo esse conhecimento edificado por séculos desemboca na revolução da informática que vivemos hoje. A invenção do transistor, em 1947, no Bell Labs, no Vale do Silício, nos Estados Unidos, foi a pedra fundamental de todos os produtos digitais que conhecemos hoje. “Isso foi mais importante que a bomba atômica”, considera.

Consciente de que o tempo só nos faz caminhar para frente, Mascarenhas conta que vislumbra um futuro para a ciência como o que foi desenhado por Charles Percy Snow, cientista e autor do livro “Duas Culturas e a Revolução Científica”. Nesse tempo, não muito distante, está a criação de uma chamada “terceira cultura”, fruto da união entre a ciência e o humanismo. “Isso é o que realmente precisamos: de uma ciência e arte, ciência e empreendedorismo”.

Essa seria a união que vai ser capaz de solucionar os problemas do futuro. E, como concluiu o vice-presidente da SBPC, Ildeu de Castro Moreira, que assume hoje a presidência da instituição, Sérgio Mascarenhas é um exemplo dessa convergência entre humanismo e ciência. E é este o conselho final do sábio cientista: “O futuro da ciência brasileira está nas crianças da favela, na solução da desigualdade. O futuro da ciência está na compaixão”.

FONTE: http://portal.sbpcnet.org.br/noticias/nao-destruam-a-ciencia-como-este-governo-esta-fazendo/

Brasil de Temer & Meirelles no ritmo da “fuga de cérebros”

fuga_cerebro3

Enquanto a atenção da maioria dos brasileiros está corretamente colocada sobre os devastadores efeitos das anti-reformas que estão sendo realizadas pelo governo “de facto” de Michel Temer na previdência social e nos direitos trabalhistas, outro desmanche está ocorrendo de forma mais silenciosa, mas que poderá efeitos igualmente devastadores sobre o futuro do Brasil.

Falo aqui dos efeitos devastadores que os cortes orçamentários na área de Ciência e Tecnologia já estão tendo no interior das universidades e centros de pesquisas brasileiros (ver figura abaixo).

financiamento

De maneira objetiva, os números mostram que o governo Temer, sob os auspícios do ministro/banqueiro Henrique Meirelles, está impondo um recuo de financiamento que joga a ciência brasileira para trás em pelo menos uma década, justamente em um momento em que estávamos dando passos importantes na consolidação de várias áreas de pesquisa, incluindo a biotecnologia e das doenças tropicais.

Uma consequência dessa escassez de verbas é que o Brasil está se tornando um centro dispersor de pesquisadores qualificados, o que por si só representa uma perda gigantesca de investimentos e de recursos humanos estratégicos que foram realizados nas últimas décadas.

Para que se tenha uma ideia da diferença de tratamento que está sendo dado ao investimento em ciência e tecnologia, a China está trilhando o caminho totalmente oposto ao escolhido pelo governo Temer e recebendo pesquisadores de todas as partes do mundo para fortalecer suas instituições de pesquisa. Mas obviamente muitos países vão querer atrair pesquisadores brasileiros e suas habilidades, a começar pelos EUA e os membros da União Europeia.

A situação está se tornando tão alarmante que o Valor Econômico publicou hoje um artigo da autoria da jornalista Lígia Guimarães que mostra de forma bem cuidadosa o cenário desastroso que está se desenhando no horizonte da ciência nacional (Aqui!).

Se confirmado esse cenário de desmanche da ciência nacional, o efeito mais direto será uma profunda regressão da capacidade brasileira de formular saídas estratégicas para problemas sociais, econômicos e ambientais que estão se avolumando no horizonte. E com isso estará assegurada a nossa dependência científica e tecnológica em face dos países do capitalismo central.

Rio de Janeiro também terá Marcha Pela Ciência

CIENCIA

“Seria muito importante que atividades similares, ligadas à Marcha pela Ciência, ocorressem por todo o País, nos diversos estados e nas instituições de pesquisa e ensino”, dizem organizadores da mobilização no RJ, que conta com o apoio da SBPC

Além de São Paulo e Natal, a cidade do Rio de Janeiro anunciou que também realizará a “Marcha pela Ciência”, evento internacional que acontece no dia 22 de abril em mais de 300 cidades pelo mundo. Em reunião organizada pela Associação dos Docentes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ADUFRJ), com apoio da SBPC e da Fiocruz, foi definido que, além da Marcha no dia 22/4, serão realizadas atividades complementares durante a semana, de 23 a 28 de abril. “Seria muito importante que atividades similares, ligadas à Marcha pela Ciência, ocorressem por todo o País nos diversos estados e nas instituições de pesquisa e ensino”, dizem os organizadores da mobilização do Rio. “Convidamos todas as pessoas interessadas, bem como as entidades científicas, educacionais e demais setores da sociedade civil a se juntarem a este movimento”, acrescentam.

Além de destacar a integração desta ação com a Marcha pela Ciência internacional e seus propósitos, a atividade terá o mote “Conhecimento sem cortes”, com o objetivo de denunciar e criticar os enormes cortes que ocorreram nos recursos para C&T (no País e no Rio de Janeiro), e também em outras áreas como educação, meio ambiente, cultura etc. “Utilizaremos tesouras, pequenas e grandes (de papelão), para simbolizar os cortes (organizando um ‘tesouraço’) e, ao final da atividade, as tesouras serão descartadas em um grande recipiente”, contam.

No dia 22/04, sábado, será realizada uma atividade pública, às 10h, em frente do Museu Nacional (na Quinta da Boa Vista), um prédio simbólico da ciência no Brasil.

A intenção é que sejam realizadas, ainda, atividades ao longo da semana (de 23/4 a 27/4) em instituições de pesquisa, como a Fiocruz e as unidades do MCTI no Rio de Janeiro, e em universidades, como a UERJ, a UFF, a UFRJ e a Unirio. Elas serão organizadas por cada instituição, convergindo para uma participação integrada, no dia 28/4, nas atividades do movimento nacional contra os cortes e o desmonte das políticas sociais.

Os organizadores pretendem, em todas as atividades, utilizar o símbolo comum da Marcha pela Ciência no Brasil, assim como a palavra de ordem “Conhecimento sem cortes”. Um folder explicativo sobre a Marcha pela Ciência no Brasil e os impactos dos cortes do governo será distribuído nestas atividades. A ADUFRJ dará apoio logístico ao ato do dia 22, na produção de faixas, cartazes e material de divulgação, que poderão também ser usados nos outros atos, caso seja do interesse das instituições.

“Uma sugestão que pode ser facilmente replicada em outras cidades do País, gerando uma unidade que pode render boas imagens de divulgação, é escolher um prédio simbólico da ciência no Brasil (ou na região), como será feito no Rio de Janeiro, e realizar uma atividade que utilize as tesouras e a palavra de ordem comum ‘Conhecimento sem Cortes’”, sugerem os organizadores cariocas.

No Brasil, juntamente ao Rio de Janeiro, a marcha acontece no dia 22 de abril em São Paulo, partindo às 14h do Largo da Batata, e em Natal (RN), com concentração na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Todas as atividades da Marcha pela Ciência no Brasil, os contatos dos organizadores nas diversas instituições e cidades e outras informações estarão sendo noticiadas no grupo do Facebook Marcha pela Ciência no Brasil”. “É importante que todos o utilizem para divulgar as atividades em sua região”, solicita a comissão organizadora da manifestação.

SBPC convoca toda a comunidade científica

Na última quinta-feira (30/3), a SBPC divulgou uma carta de sua presidente, Helena Nader, convocando toda a comunidade científica a participar da Marcha. Na carta, Nader reitera que este é um evento mundial, que tem como objetivo chamar a atenção de estudantes, professores, cientistas e pesquisadores, governantes e tomadores de decisão, bom como toda a sociedade, sobre a necessidade de apoiar e preservar as instituições e a comunidade científica de todo o planeta.

“Esse apoio torna-se fundamental em um momento em que a atividade científica para o bem de todos sofre várias ameaças, como mudanças em políticas públicas, redução e desvio de verbas e financiamentos públicos, partidarização política da ciência e, o que mais assusta, a tomada de decisões políticas que não levam em consideração as evidências científicas”, destaca Nader, na carta.

“Esperamos, ainda, que as sociedades científicas também convidem seus associados e amigos a participar do evento, que deverá dar início a um grande movimento planetário pela ciência como um bem comum de toda a humanidade”, conclui.

Organizada por cientistas e entusiastas que reivindicam maior reconhecimento da sociedade e dos governantes, a mobilização teve início nos Estados Unidos e já ultrapassa a marca de 300 marchas satélites em diversos países, envolvendo instituições de ponta em ciência e educação.

Jornal da Ciência

FONTE: http://jcnoticias.jornaldaciencia.org.br/1-rio-de-janeiro-tambem-tera-marcha-pela-ciencia-no-brasil/

Governo Temer corta orçamento pela metade e coloca em grave risco a sobrevivência da ciência brasileira

cortes

A revista Nature publicou ontem um artigo assinado pelo jornalista Cláudio Angelo, coordenador de comunicação do Observatório do Clima, onde são apresentados dados sobre o corte de quase 50% do orçamento destinado ao financiamento de projetos científicos pelo governo “de facto” de Michel Temer ( Aqui!  ).

A figura abaixo que aparece na referida matéria mostra o aprofundamento de um ritmo de esvaziamento dos cofres das agências federais, mas que desemboca no menor orçamento para a área da ciência nos últimos 12 anos!

MCTIC2-budget

As consequências deste verdadeiro ataque ao desenvolvimento científico e tecnológico são muitas, pois o enxugamento orçamentário terá efeitos drásticos sobre o andamento de projetos estratégicos, bem como diminuirá o nível de formação de recursos humanos. Apenas estes dois fatores somados já deverão causar um profundo e duradouro retrocesso na capacidade brasileira de responder a uma série de desafios emergentes, começando, por exemplo, pelo retorno de doenças como a febre amarela.

Entretanto, o que este corte radical num orçamento que já vinha encolhendo deverá trazer como efeito colateral é a perda da capacidade ainda incipiente de gerar dinamismo a partir de tecnologia própria, aumentando ainda mais a nossa pesada dependência em conhecimento produzido fora do território nacional.

Entretanto, é preciso notar que se colocarmos a situação do financiamento da ciência dentro do projeto já esboçado pelo governo “de facto” de Michel Temer, há um perfeito encaixe. Afinal, um governo que avança um processo radical de terceirização do trabalho e quer impor um dos sistemas de pensões e aposentadorias mais draconianos do planeta não pode ter mesmo nenhum compromisso com o desenvolvimento científico.  Convenhamos que não haja porque Michel Temer ou o seu ministro/banqueiro Henrique Meirelles fazerem diferente. Aliás, é preciso lembrar que essa tesourada radical no orçamento da ciência e tecnologia objetiva pura e simplesmente injetar mais dinheiro no sistema de especulação financeira. Em outras palavras, deixa-se a ciência à mingua por um lado e, por outro, se colcoa ainda mais recursos públicos no sistema de especulação rentista.

O problema até aqui é que as reações a estes cortes continua sendo mínimo, e mesmo os posicionamentos expressos pela Academia Brasileira de Ciências (ABC) e pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) foram meramente protocolares, pois não expressam de forma objetiva o tipo de desorganização que a falta de investimentos causará na ciência brasileira.

Toda essa situação deveria, ou deverá causar uma forte resposta de toda a comunidade científica brasileira. Denunciar o caráter obscurantista e retrógrado desses cortes é uma tarefa que toda a comunidade científica tem a obrigação de realizar. Ou é isso ou o caminho do aeroporto, ao menos para aqueles que ainda são jovens o suficiente para rumarem para o exterior.