Degradação na Amazônia é maior que o desmatamento

desmatamentoO acúmulo de distúrbios na floresta (como queimadas e extração de madeira) causa a degradação da Amazônia, que entre 1992 e 2014 superou o desmatamento em termos de área afetada. Crédito da imagem: Bruno Kelly / Amazônia Real , sob licença Creative Commons 2.0

  • Embora o foco seja o desmatamento, a degradação da Amazônia é um grande risco
  • Autores alertam que ambos os fenômenos afetam 30 por cento do bioma
  • Menos atenção à degradação pode ser porque é mais difícil de medir do que o desmatamento
Por: Washington Castilhos

Mais de um milhão de quilômetros quadrados podem ter sido destruídos na Amazônia brasileira não só pelo desmatamento, mas pela degradação, fenômeno menos conhecido, mas que entre 1992 e 2014 superou o desmatamento em termos de área afetada, apurou um estudo.

Enquanto a degradação destruiu 330.427 quilômetros quadrados do bioma, 308.311 quilômetros quadrados foram desmatados neste período.

Os dados, publicados em estudo da revista Science , chamam a atenção para uma equação preocupante: somando a estimativa oficial de 20 por cento do desmatamento com a taxa de degradação de 10 por cento medida pelos autores, há apenas um máximo de 70 por cento da floresta preservada.

Esse cálculo sugere que mais de um de seus mais de cinco milhões de quilômetros quadrados de floresta já foi afetado.

“Toda a narrativa foi construída sobre o desmatamento. Não desmatar não significa que a floresta está sendo deixada intacta. Muita atenção tem sido dada ao desmatamento, enquanto o ritmo de degradação pode estar ocorrendo muito mais rapidamente “, alertou Marcos Pedlowski, geógrafo da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, no Rio de Janeiro, e um dos autores do estudo. 

“Muita atenção tem sido dada ao desmatamento, enquanto a taxa de degradação pode estar ocorrendo muito mais rapidamente.”

Marcos Pedlowski, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Brasil

Pedlowski explicou por telefone ao SciDev.Net que desmatamento e degradação não são necessariamente fenômenos coexistentes.

Provocado pela expansão da agricultura e da mineração , entre outros fatores, o desmatamento se refere à conversão total das florestas para outro tipo de uso do solo. Por sua vez, a degradação ocorre quando o acúmulo de distúrbios na floresta (queimadas e extração de madeira, por exemplo) altera todo o ecossistema e o funcionamento da floresta, afetando sua capacidade de armazenar carbono e água.

Esses distúrbios têm consequências ambientais importantes, incluindo a liberação de gases de efeito estufa, mudanças no balanço hídrico, perda de biodiversidade e aumento na incidência de doenças infecciosas.

No artigo, os pesquisadores destacam que, no período de 22 anos em que comparam um fenômeno a outro, a área degradada ultrapassou a área desmatada porque o desmatamento tem recebido maior atenção dos órgãos de controle e em desenvolvimento.

Eles também enfatizam que o desmatamento é mais fácil de medir. O desafio no monitoramento da degradação, observam os autores, é que ela ocorre dentro das florestas, então o dossel da floresta – o dossel superior da floresta, composto de copas de árvores – torna difícil a detecção de satélite.

Portanto, “a degradação é mais difícil de confirmar” porque “visualmente pode parecer normal”, disse Pedlowski. “Muitas madeireiras, por exemplo, usam estratégias para esconder a área perturbada. Nem tudo é óbvio ”, acrescentou.

Para estimar a área calculada, 1.200 imagens de satélite foram analisadas. Mas como o sensoriamento remoto não é absoluto, os cientistas foram a campo validar as informações do satélite.

Considerando que as medidas não são exatas, os especialistas acreditam que a área associada à degradação pode ser pelo menos igual à área desmatada, tornando os índices comparáveis. Como resultado, a taxa de destruição pode chegar a cerca de 40% e a soma da degradação com o desmatamento pode chegar a um milhão de metros quadrados.

Em particular, o trabalho mostra um alto índice de degradação em áreas protegidas e reservas indígenas .

“Considerando que a Amazônia representa 60% do território brasileiro, é uma área colossal”, alertou o físico Paulo Artaxo, da Universidade de São Paulo (USP), que não participou da investigação , alertou por telefone o SciDev.Net .

“O estudo é importante porque mostra que o bioma está sendo mais afetado do que revelam os números oficiais projetados pelo Inpe [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais], e a perda de carbono é muito maior do que o estimado”, acrescenta Artaxo, que trabalhou na NASA e é membro do Painel Intergovernamental para Mudanças Climáticas (IPCC).

Os pesquisadores acreditam que entender o que está acontecendo na Amazônia exige considerar todas as formas de degradação que podem ser prejudiciais à floresta, e não apenas o desmatamento.

“As estruturas de controle precisam funcionar tanto para um fenômeno quanto para outro. O governo brasileiro não pode continuar dizendo que 80% da floresta ainda está intacta, quando na verdade é muito menos ”, concluiu Pedlowski.

fecho
Este texto foi originalmente publicado em espanhol pela SciDev.Net [Aqui!].

A Amazônia degradada já é maior que a desmatada


A área de selva alterada por extração de madeira ou fogo superou a desmatada nas últimas décadas

fogo amazoniaDepois de degradadas, as porções remanescentes de floresta ficam ainda mais expostas a incêndios, como o ocorrido próximo a Novo Progresso, no Pará, em agosto passado.ANDRE PENNER / AP

Por Miguel Ángel Criado para o El País

Há florestas que deixam de sê-lo mesmo sem desaparecer. É o que adverte um grupo de cientistas sobre o estado da região amazônica. Seu amplo desmatamento é bem conhecido, mas igualmente dramática (e mais complexa de medir) é a degradação do que resta. Com dados de mais de duas décadas, os pesquisadores comprovaram que a porção de floresta empobrecida já é maior que a desaparecida.

Com base em dados de satélite reunidos desde 1992, o grupo de pesquisadores mediu o impacto humano sobre a Amazônia. O mais fácil é calcular quanto da vegetação desapareceu para que suas terras fossem destinadas a outra coisa, em sua maioria a pastagem. Segundo o estudo publicado na revista Science, entre 1992 e 2014 desapareceram 308.311 km². A curva do desmatamento foi ascendente ano após ano, até atingir o pico em 2003, quando foram perdidos 29.000 km² ―uma superfície quase equivalente à da Catalunha ou a 75% do Estado do Rio de Janeiro. Seja pela pressão internacional ou pela ação política interna, o ritmo diminuiu até o patamar dos 6.000 km² perdidos anualmente desde 2014.

Mais difícil de calcular ―e de medir as consequências― é a degradação da floresta remanescente. Entre uma vegetação intocada e outra que deu lugar a pastagens, há um amplo leque de paisagens florestais mais ou menos empobrecidos. A degradação pode assumir distintas formas: uma menor densidade de árvores, uma perda de continuidade entre florestas cada vez menores e mais isoladas ou a queima de sub-bosque, entre outras. Uma série de algoritmos considerou as variações de refletância da luz de cada paisagem para determinar o grau de alteração.

“Uma floresta degradada é aquela que foi alterada de forma significativa ou que sofreu o impacto das atividades humanas. Continua contando com um dossel arbóreo, mas com biomassa reduzida”, explica David Skole, pesquisador do Observatório Global de Serviços ao Ecossistema da Universidade Estatal de Michigan (EUA) e coautor do estudo. “Um bom exemplo de degradação florestal é quando a floresta é submetida ao desmatamento seletivo, cortando-se algumas árvores e deixando-se outras.” Nas zonas desmatadas, a degradação se concentra nos limites entre a floresta e a terra nua. “Essas árvores que sobrevivem nas bordas dos terrenos desmatados são afetadas por mudanças no microclima. E há provas de que, no longo prazo, sofrem um colapso em sua biomassa. É o que chamamos de efeito-limite”.

matricardi et col

 

Os autores do estudo estimam que a porção da floresta amazônica degradada já superou os 337.000 km². Ou seja, a superfície empobrecida excede a afetada pelo desmatamento. E se este provoca o desaparecimento da floresta e de todas as funções associadas, o empobrecimento também tem suas consequências: liberação de gases do efeito estufa, alteração do equilíbrio da água e dos nutrientes, queda da biodiversidade e surgimento de doenças infecciosas.

São quatro os agentes degradantes principais: corte mais ou menos seletivo, incêndios, efeito-limite ou fragmentação e isolamento de porções de floresta. Até 2003, auge do desmatamento, estes dois últimos agentes foram os protagonistas. Desde então, porém, o desmatamento e o fogo têm sido mais importantes.

“Nos anos anteriores, o desmatamento e a degradação geralmente ocorriam no mesmo espaço”, afirma Skole. Como se fosse uma condição prévia ou um estado precedente, “o que levou muitos a verem a degradação como um atalho para o desmatamento, não uma interferência diferente a ser considerada, medida e gerenciada. Demonstramos que agora existe degradação, sobretudo por corte ilegal, que é uma perturbação espacialmente diferente”. De fato, mais da metade das áreas degradadas pelas derrubadas, por exemplo, mantiveram-se nesse estado praticamente durante as duas décadas englobadas pelo estudo.

Raúl Sánchez, pesquisador florestal da Universidade Pablo de Olavide (Espanha), diz que “até agora colocávamos no mesmo saco o desmatamento e a degradação, e este trabalho mostra que não é assim.” O que ele não esperava eram as dimensões do problema ―mesmo com o patamar de 2014. “Este ano, o fator principal tem sido o incêndio de baixa intensidade, primeiro passo para a degradação”, afirma.

fecho

Este artigo foi inicialmente publicado pelo jornal El País [Aqui!].

Amazônia: estudo sobre degradação indica que o ponto de inflexão provavelmente já foi excedido

Na nova edição do jornal científico “Science”, os cientistas calcularam com base nos dados do Landsat que enquanto entre 1992 e 2014 os números de desmatamento na Amazônia se estendiam a 308.311 km², as áreas degradadas na Amazônia no mesmo período já chegavam a 337.427 km² .

degrad 1

Por Christian.russau@fdcl.org

Há muito que se fazem advertências sobre o iminente ponto de inflexão da Amazônia, o momento em que 20-25% da floresta amazônica já terão sido desmatados.  Em função disso, os ecossistemas amazônicos ameaçam “virar” e um processo imparável de desertificação e secas sistemicamente crescentes seria o resultado. Até agora, os governantes têm estado de olho no número de cientistas que se dedicam a avaliar os processos de limpar, desmatar e cortar e queimar. Este é de fato um indicador extremamente importante, principalmente em vista do rápido aumento dos cortes e queimadas na Amazônia desde que o presidente da extrema direita Jair Bolsonaro assumiu o cargo. 

Mas agora, em um novo estudo, os cientistas estão chamando a atenção para um fenômeno até então negligenciado: o das áreas já degradadas da Amazônia. Na nova edição do jornal científico Science, os cientistas: Eraldo Aparecido Trondoli Matricardi, David Lewis Skole Olívia Bueno Costa, Marcos Antonio Pedlowski, Jay Howard Samek e Eder Pereira Miguel,1 apresentam valores calculados a partir de imagem de satélite Landsat e mostram que, durante os valores de desmatamento na Amazônia é de 308.311 km² ,  e que no mesmo período a área degradada foi de km² 337.427.

degradação 1

Com base nesses números , o professor universitário Marcos Pedlowski afirmou em entrevista ao KoBra que a afirmação “20% da Amazônia” foi “apenas apurada”, “80%” estão intactas, portanto não é sustentável. “Com base em nosso novo levantamento – mesmo com uma interpretação conservadora” podemos dizer que “pelo menos cerca de 30% da Amazônia já foi desmatada e degradada.” Em razão do anterior desconsiderar em grande parte a importância das áreas degradadas da Amazônia, essa parcela poderia ser menor estimativa conservadora – já levou ao fato de que apenas 65% da Amazônia são considerados intactos, disse Pedlowski em entrevista ao KoBra.

Pontos de inflexão na Amazônia e o fim iminente dos Rios Voadores Amazônia e o que isso significa para as metrópoles de milhões no sul e sudeste do país no futuro

Segundo os cientistas Thomas E. Lovejoy e Carlos Nobre 2, a Amazônia está à beira de um ponto de inflexão, a partir do qual não há mais volta: “Acreditamos que sinergias negativas entre desmatamento, mudanças climáticas e uso generalizado do fogo sugerem que isso O sistema amazônico irá tombar para ecossistemas não florestais no leste, sul e centro da Amazônia no caso de desmatamento de 20-25%. “

Para entender o que significaria se a paisagem da floresta tropical amazônica se tornasse uma savana seca, o conceito de rios voadores deve ser explicado.

O termo rios voadores foi cunhado pelo meteorologista do Instituto Brasileiro de Pesquisas Espaciais INPE e membro do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas do IPCC, José Antonio Marengo Orsini. 3 Marengo e seus mais de 50 colegas de oito países tinham 700 balões, equipados com sensores, lançados na Amazônia em 2002-2003 e, portanto, eram capazes de entender as correntes de ar predominantes por temporada. O resultado: nos meses de verão, as nuvens formadas por evaporação na Amazônia derivam para o oeste a uma altura de menos de três mil metros e a uma velocidade média de 50 km / h, onde são bloqueadas nos Andes e então desviadas para sul / sudeste – antes de chover sobre o sudeste e sul do Brasil, sobre o Uruguai, Paraguai e norte da Argentina. “Essas correntes são como rios voadores que carregam umidade de norte para sul”, explicou José Marengo na época. Sua colega de pesquisa Carolina Vera, da Universidade de Buenos Aires acrescentou: “Principalmente no verão, quando essas correntes de ar são uma das principais causas das fortes chuvas”. Porque as nuvens que se deslocam para o sul aumentam a umidade lá, de acordo com os pesquisadores de Marengo já em 2003, em 20-30%, em alguns casos até 60%.

Antonio Nobre, do INPE, instituto nacional de pesquisa em questões espaciais, declarou em 2009 5A conexão entre a escassez de água no sul e o desmatamento da Amazônia é diferente: na Amazônia, 20 bilhões de toneladas de água evaporam todos os dias. Para efeito de comparação: o maior rio do mundo, o Amazonas, injeta 19 bilhões de toneladas de água no Atlântico todos os dias. Na floresta amazônica, a folhagem multifacetada da flora, atingindo até 40 metros de altura, oferece de oito a dez vezes a superfície potencial de evaporação em um metro quadrado de solo da floresta tropical. Enquanto uma árvore pode evaporar até 300 litros de água por dia, a taxa para pastagens é de apenas um oitavo desse valor, segundo Nobre. O termo rios voadores, portanto, significa o processo de evaporação diária para nuvens de 20 bilhões de toneladas de água através da folhagem amazônica, 50% dos quais chove novamente na Amazônia e puxa dez bilhões de toneladas para o oeste e são bloqueados nos Andes de seis mil metros de altura e empurrados para o sul de lá e chovem sobre a área de influência da Grande São Paulo. Se a evaporação na Amazônia for reduzida por meio da valorização, ou seja, desmatamento da região e conversão pela agricultura industrial, isso também reduz as chuvas para a bacia hidrográfica de São Paulo.

Nos últimos 40 anos, uma média de três milhões de árvores por dia foram derrubadas na Amazônia. A partir disso, o número assustador de 2.000 árvores por minuto ou um total de 42 bilhões de árvores é calculado. 6 Se os rios da Amazônia secam, o sul e o sudeste do Brasil com suas metrópoles de milhões, o norte da Argentina, bem como o Uruguai e o Paraguai, ficam em terra seca.

 1 Veja https://science.sciencemag.org/content/369/6509/1378

3 Revista pesquisa, Fapesp, agosto de 2005, http://revistapesquisa.fapesp.br/2005/08/01/o-mapa-dos-ventos/ Acessado em 4 de agosto de 2015

4 Revista pesquisa, Fapesp, agosto de 2005, http://revistapesquisa.fapesp.br/2005/08/01/o-mapa-dos-ventos/ Acessado em 4 de agosto de 2015

5 Daniela Chiaretti: “Sem chuva da Amazônia, SP vira deserto. Entrevista com Antonio Nobre, pesquisador do Inpe”, Valor Econômico, 12 de janeiro de 2009

6 Antonio Donato Nobre: ​​”O Futuro Climático da Amazônia. Relatório de Avaliação Científica”, São José dos Campos – SP, Edição ARA, CCST-INPE e INPA, p.30, http://www.ccst.inpe.br/ wp-content / uploads / 2014/10 / Futuro-Climatico-da-Amazonia.pdf Acessado em 12 de agosto de 2015

fecho

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pela Kooperation Brasilien [Aqui!].

Na Amazônia, degradação florestal está ultrapassando o desmatamento total

the conversation

O desmatamento na Amazônia brasileira aumentou abruptamente nos últimos dois anos, após ter apresentado uma trajetória de queda por mais de uma década. Com o presidente do país, Jair Bolsonaro, notoriamente entusiasmado com a expansão para a floresta tropical, novos dados de desmatamento regularmente chegam às manchetes globais .

Mas o que menos pessoas percebem é que mesmo as florestas que não foram desmatadas, ou totalmente “desmatadas”, raramente ficam intocadas. Na verdade, apenas 20% das florestas tropicais do mundo são classificadas como intactas . O restante foi afetado por extração de madeira, mineração, incêndios ou pela expansão de estradas ou outras atividades humanas. E tudo isso pode acontecer sem ser detectado pelos satélites que monitoram o desmatamento.

Essas florestas são conhecidas como “degradadas” e constituem uma fração cada vez maior das paisagens florestais remanescentes do mundo. A degradação é um grande desafio ambiental e social. Perturbações associadas à exploração madeireira, incêndio e fragmentação do habitat são uma fonte significativa de emissões de CO₂ e podem transformar as florestas de sumidouros de carbono em fontes, onde o carbono emitido quando as árvores queimam ou se decompõem supera o carbono retirado da atmosfera à medida que crescem.

A degradação da floresta também é uma grande ameaça à biodiversidade e tem demonstrado aumentar o risco de transmissão de doenças infecciosas emergentes . E, apesar de tudo isso, continuamos sem ferramentas adequadas para monitorar a degradação florestal na escala necessária.

degrad 1Degradado – mas não desmatado. CIFOR / flickr , CC BY-NC-SA

A principal razão pela qual a degradação florestal é difícil de monitorar é que é difícil ver do espaço. O lançamento do programa Landsat da Nasa na década de 1970 revelou – talvez pela primeira vez – a verdadeira extensão do impacto que os humanos tiveram nas florestas do mundo. Hoje, os satélites nos permitem rastrear as frentes de desmatamento em tempo real em qualquer lugar do mundo. Mas embora seja fácil detectar onde as florestas estão sendo derrubadas e convertidas em fazendas ou plantações, capturar a degradação florestal não é tão simples. Uma floresta degradada ainda é uma floresta, pois por definição ela retém pelo menos parte de sua copa. Portanto, embora florestas antigas e madeireiras possam parecer muito diferentes no solo, vistas de cima podem ser difíceis de distinguir em um mar de verde.

Detetives de degradação

Novas pesquisas publicadas na revista Science por uma equipe de pesquisadores brasileiros e norte-americanos liderada por Eraldo Matricardi deu um passo importante para enfrentar esse desafio. Ao combinar mais de 20 anos de dados de satélite com extensas observações de campo, eles treinaram um algoritmo de computador para mapear as mudanças na degradação florestal ao longo do tempo em toda a Amazônia brasileira. O trabalho deles revela que 337.427 km² de floresta foram degradados em toda a Amazônia brasileira entre 1992 e 2014, uma área maior do que o vizinho Equador. Durante o mesmo período, a degradação superou o desmatamento, que contribuiu para a perda de mais 308.311 km² de floresta.

Os pesquisadores deram um passo além e usaram os dados para separar a contribuição relativa de diferentes fatores de degradação florestal, incluindo extração de madeira, incêndios e fragmentação florestal. O que esses mapas revelam é que, embora as taxas gerais de degradação em toda a Amazônia brasileira tenham diminuído desde a década de 1990 – em linha com a diminuição do desmatamento e da fragmentação de habitat associada – as taxas de extração seletiva e incêndios florestais quase dobraram. Em particular, nos últimos 15 anos, a exploração madeireira se expandiu para o oeste em uma nova fronteira que até recentemente era considerada remota demais para estar em risco.

degrad 2

Ao colocar a degradação florestal no mapa, Matricardi e colegas não apenas revelaram a verdadeira extensão do problema, mas também geraram os dados básicos necessários para orientar a ação. A restauração de florestas degradadas é fundamental para vários esforços internacionais ambiciosos para conter a mudança climática e a perda de biodiversidade, como o esquema da ONU para pagar aos países em desenvolvimento para manter suas florestas intactas . Se for permitida a recuperação, as florestas degradadas, particularmente aquelas nos trópicos, têm o potencial de sequestrar e armazenar grandes quantidades de CO₂ da atmosfera – ainda mais do que suas contrapartes intactas .

Simplesmente permitir que as florestas se regenerem naturalmente pode ser uma estratégia muito eficaz, já que os estoques de biomassa geralmente se recuperam em décadas . Em outros casos, a restauração ativa pode ser uma opção preferível para acelerar a recuperação. Outro estudo recente, também publicado na revista Science, mostrou como o plantio de árvores e o corte de lianas (grandes trepadeiras lenhosas comuns nos trópicos) podem aumentar as taxas de recuperação de biomassa em até 50% nas florestas tropicais do sudeste asiático. Mas a restauração ativa tem um custo que, em muitos casos, excede os preços que são pagos para compensar a emissão de CO₂ no mercado voluntário de carbono. Se quisermos implementar com sucesso a restauração do ecossistema em uma escala global, governos, empresas e até mesmo indivíduos precisam pensar cuidadosamente sobre como eles valorizam a natureza.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo site “The Conversation” [Aqui!].

Science mostra que há mais degradação florestal do que desmatamento na Amazônia brasileira entre 1992 e 2014

carne 3

O artigo intitulado “Long-term forest degradation surpasses deforestation in the Brazilian Amazon” que foi publicado hoje na revista Science, e que tem como primeiro autor o professor Eraldo Matricardi do Departamento de Engenharia Florestal da UNB, demonstra que o processo de degradação florestal na Amazônia brasileira afetou uma área maior do que o desmatamento no período de 1992 a 2014.

matricardi et el 2020

O artigo mostra que a área da Amazônia brasileira afetada pela degradação florestal – onde a biomassa da floresta é perdida, mas não completamente convertida para outro uso – é maior do que a área afetada pelo desmatamento. De acordo com os resultados do estudo publicado hoje pela Science, entre 1992 e 2014, a área total de floresta degradada foi de 337.427 quilômetros quadrados, ante 308.311 quilômetros quadrados que foram  desmatados.

Estes resultados têm implicações para as emissões globais de gases de efeito estufa e perda de espécies, entre outros fatores. A degradação florestal é mais difícil de medir e monitorar do que o desmatamento, embora várias iniciativas ambientais internacionais, como a Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, apontem a restauração de florestas degradadas como um foco principal.

Atividades que causam degradação florestal, tais como queimadas, extração seletiva de madeira e fragmentação florestal podem ser difíceis de detectar sob um dossel florestal existente. A análise das imagens de satélite feitas pela equipe liderada por Eraldo Matricardi mostram casos onde a degradação persistiu e voltou a ocorrer ao longo do período de 25 anos. Esse é um resultado “bom e ruim”, pois apesar da floresta não ter sido completamente nesses locais, houve uma inevitável perda dos serviços ambientais (ver abaixo a progressão temporal dos diferentes tipos de degradação florestal na Amazônia brasileira ao longo do período estudado).

degradação

Durante o período coberto pelo estudo, as políticas brasileiras contribuíram para a redução do desmatamento, processo que se caracteriza pela conversão das florestas é para um uso inteiramente novo,  tais como pastagem, observaram os pesquisadores. Mas, de 2006 a 2010, a taxa média anual de degradação florestal por extração e queima era quase igual às taxas de desmatamento, e em 2014 as taxas de degradação haviam excedido as taxas de desmatamento.

Uma consequência deste estudo será a necessidade de ser fazer uma mudança na narrativa na situação da cobertura florestal amazônica, especialmente no ponto em que se diz que ainda existem 80% de florestas intocadas na Amazônia brasileira. É que usando formas conservadoras de estimativas, este estudo chegou a um cálculo de que algo em torno de 10% da área da Amazônia brasileira possui a presença de alterações significativas causadas por diferentes formas de degradação florestal.

Quem desejar  acessar este artigo no site da Science, basta clicar [Aqui!].

Maçãs podres com colete branco

Um estudo examina a proporção das exportações de soja e carne do Brasil para a UE que vêm de áreas desmatadas ilegalmente.

tratores soja

Por Norbert Suchanek para o “Neues Deutschland”

O estudo “As maçãs podres da agricultura brasileira”, realizado por uma dezena de cientistas do Brasil, dos Estados Unidos e da Alemanha, ganhou recentemente as manchetes em todo o mundo. De acordo com a pesquisa publicada na revista Science, apenas um quinto das exportações anuais de soja e carne do Brasil para a União Europeia (UE) vêm de áreas anteriormente desmatadas da floresta amazônica e do cerrado. Em troca, a equipe de pesquisa certifica que a maioria das exportações e 80% dos negócios agrícolas no Brasil são “limpos”.

“Até agora, o agronegócio e o governo brasileiro afirmam que não podem monitorar toda a cadeia produtiva ou distinguir entre desmatamento legal e ilegal. Isso não é mais possível «, explica o autor principal do estudo, Raoni Rajão, da Universidade Federal de Minas Gerais. A equipe internacional de pesquisa desenvolveu um software especial que usa mapas e dados disponíveis gratuitamente para diferenciar entre o desmatamento legal e ilegal para a produção de soja e carne e, assim, separar as “maçãs podres das maçãs boas” no agronegócio brasileiro.

Esta avaliação por computador – o trabalho de pesquisa apoiado pelo Conselho Brasileiro de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, a Fundação Alexander von Humboldt e o Ministério Federal de Educação e Pesquisa – chega à conclusão de que 20 por cento da soja e pelo menos 17 por cento das exportações de carne bovina da Amazônia e do Cerrado para a UE originam-se do desmatamento não autorizado. Por outro lado, os pesquisadores certificam que a maioria das fazendas no Brasil produz “sem desmatamento”.

Mas esse resultado tem um vazio problemático: a equipe internacional de cientistas só considerou o desmatamento depois de 2008. O desmatamento consideravelmente maior dos anos anteriores foi deixado de fora.

“Nos concentramos no desmatamento ilegal e legal a partir de 2008 porque essas áreas desmatadas (e seus donos) não se beneficiaram com as anistias”, confirma o diretor de pesquisa Raoni Rajão. De fato, em 2008 o governo Lula da Silva legalizou por lei toda a extração ilegal de madeira até então, transformando as “maçãs podres” em boas.

De acordo com dados oficiais, o maior desmatamento na Amazônia ocorreu nos anos de 1988 a 2008, com picos de quase 30.000 quilômetros quadrados em 1995 e quase 28.000 quilômetros quadrados em 2004. De 2008 a 2017, no entanto, as taxas anuais de desmatamento foram consistentemente abaixo de 8.000 quilômetros quadrados . A situação é parecida com o cerrado, vítima da expansão da soja desde 1970. Aqui, também, as maiores clareiras registradas ocorreram de 2001 a 2008, com picos de quase 30.000 quilômetros quadrados anuais de 2001 a 2004. De 2008, a destruição anual do cerrado permaneceu em média em torno de 10.000 quilômetros quadrados.

Outra captura do estudo é a própria Lei Florestal Brasileira, com sua definição de desmatamento legal e ilegal. De acordo com o “Código Florestal”, os proprietários de terras estão legalmente autorizados a limpar até 80 por cento da área na região do Cerrado e até 20 por cento na região amazônica. O restante da floresta deve ser protegido como uma chamada reserva florestal.

Até o momento, porém, ninguém foi capaz de provar que as milhares de reservas florestais não contíguas que resultam dela são ecologicamente sensíveis e viáveis ​​a longo prazo. Raoni Rajão: »Este é realmente um debate importante sobre conectividade florestal e biodiversidade. No entanto, não incluímos esta análise em nosso estudo. “

Toda a região da Mata Atlântica no sul dos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná também não foi considerada pelos pesquisadores, embora esta seja uma das principais áreas de cultivo de soja desde a década de 1940 e onde foram registrados neste ano os maiores incêndios florestais em décadas . O estudo também não inclui na avaliação o desmatamento indireto e o deslocamento de terras desencadeados pelo agronegócio. Colegas de pesquisa como Philip Fearnside, do Instituto de Pesquisas da Amazônia (INPA), sediado em Manaus, há muito provaram que a construção de estradas e portos para o transporte e exportação da colheita da soja e das metades do gado resulta em um desmatamento considerável.

Assim, a afirmação final de Raoni Rajão e sua equipe de cientistas, “O Brasil certamente tem todos os elementos para fornecer ao mundo uma agricultura sustentável que combata as mudanças climáticas e proteja as regiões com a maior biodiversidade do mundo”, fica em terreno instável.

fecho

Este artigo foi publicado originalmente em alemão pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

‘As maçãs podres do agronegócio’: pesquisadores defendem estudo da Science com críticas à produção brasileira

Para grupo, não há como ocultar a gravidade do desmatamento ilegal, do descumprimento explícito do Código Florestal e das invasões de terras públicas no Brasil

desmatamentoEstudo avalia que em Mato Grosso, somente 3% dos imóveis possuíam de fato uma autorização para desmatar (Marcelo Camargo/ABr)

Um grupo de cientistas do Brasil se uniu para escrever uma carta em defesa do estudo liderado pelo pesquisador Raoni Rajão, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), publicado em julho na revista Science. O estudo, intitulado As maçãs podres do agronegócio, na tradução em português, levantou que pelo menos 17% da carne e 20% da soja produzidas nos biomas Amazônia e Cerrado e exportadas para a União Europeia estariam “potencialmente contaminadas” com o desmatamento ilegal.

A pesquisa despertou forte polêmica, sendo questionada por vários segmentos do agronegócio, entre entidades de produtores, representantes do governo e consultores. Essa reação, entretanto é “contraproducente”, de acordo com a carta assinada por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), da Universidade de Brasília (UnB), da Universidade Católica de Louvain, na Bélgica, além da Fundação Florestal do Estado de São Paulo (SMA-FF) e também pelo climatologista Carlos Afonso Nobre, que já atuou no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e colaborou com o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC).

Para eles, “não há como ocultar a gravidade do desmatamento ilegal, do descumprimento explícito do Código Florestal, das invasões de terras públicas e protegidas, da apropriação de recursos naturais, dos incêndios criminosos, entre outros problemas associados ao mau uso da terra sob a ótica equivocada de expansão crescente e contínua das fronteiras de produção agropecuária. Tais problemas demandam soluções para as quais a Ciência pode, mais uma vez, ser uma importante aliada dos produtores rurais”.

De acordo com os cientistas signatários do documento, a reação do agronegócio ao estudo “despreza as contribuições científicas passadas e atuais para a eficiência e a sustentabilidade da agropecuária”. Além disso, assinalam que “vale lembrar que o Brasil só é uma potência agropecuária hoje, em grande parte, devido aos avanços científicos e tecnológicos”. Ainda segundo o documento, todos os avanços no setor agropecuário – inclusive os ligados à sustentabilidade – foram conquistados com “ciência robusta e ancorada em pesquisas sérias e auditadas”.

Desta forma, reafirmem, a pesquisa liderada pelo professor Rajão e publicada na Science seguiu os mesmos e sérios preceitos. “Como é a prática nessa revista, o estudo passou por um rigoroso escrutínio de vários editores e revisores”, lembram os cientistas, que continuam: “Eles auditaram a metodologia usada, os resultados obtidos e avaliaram se as afirmações contidas no artigo estavam sustentadas na ciência, na realidade de campo e nas análises feitas pelos pesquisadores”.

Ainda de acordo com a carta, as conclusões do estudo publicado na Science “convergem com as de muitos artigos científicos e de levantamentos regulares de dados oficiais feitos no Brasil”. E ainda “são conservadores” em relação à área de fato ilegalmente desmatada no País para a expansão do agronegócio. Segundo os cientistas, o estudo do professor Rajão olha para desmatamentos “comprovadamente ilegais”, e “qualifica provavelmente menos propriedades ilegais do que uma análise mais direcionada apontaria”.

Neste ponto, os pesquisadores discordam de críticas de consultorias do agronegócio, que argumentaram, ao rebater o estudo, que a ilegalidade de áreas desmatadas está “superestimada”, ao deixar de incluir nas análises algumas premissas, “como as autorizações de supressão (florestal) concedidas pelos Estados”. “É importante esclarecer que os números mostrados por este estudo na Science são conservadores”, reafirma a carta. “Por exemplo, visto a ausência de dados de autorizações de supressão de vegetação para todos os Estados, o estudo considerou todos os desmatamentos que respeitam as regras da reserva legal como ‘potencialmente legais’.”

Sob este aspecto, a carta menciona que o estudo avalia que em Mato Grosso – um dos poucos Estados que dispõem de dados -, por exemplo, somente 3% dos imóveis possuíam de fato uma autorização para desmatar, o que tornaria legal a retirada da floresta. “Ou seja, muito do desmatamento que o estudo considerou como ‘potencialmente legal’ na verdade tende a ser ilegal por não ter autorização, como mostra este exemplo do Mato Grosso”, dizem os pesquisadores.

Outro argumento utilizado pelos consultores do agronegócio e que não é factível, conforme a carta agora publicada pelos cientistas, é o de que as propriedades qualificadas no estudo do professor Rajão como “ilegais” poderiam estar compensando passivos florestais em suas propriedades em outras áreas, dentro do mesmo bioma. “Não poderiam, pois, de acordo com o Código Florestal a compensação não pode ser usada para viabilizar novos desmatamentos em propriedades que já tenham passivos”, dizem os pesquisadores.

Um dos signatários da carta, o pesquisador em Sustentabilidade de Cadeias Produtivas na Universidade Católica de Louvain, Tiago N. P. Dos Reis, lembra ainda que o mecanismo de compensação ambiental só pode ser feito em propriedades que desmataram antes do marco temporal definido pelo Código Florestal, de julho de 2008.

“Depois desta data o Código não permite o uso do mecanismo de compensação”, diz. Daí o argumento dos consultores não ser fundamentado, opina ele, reforçando o “conservadorismo” do estudo do professor Rajão. “O estudo publicado na Science foi conservador porque considerou de fato ilegais apenas aqueles produtores que já tinham passivo ambiental (antes de julho de 2008) e mesmo assim continuaram desmatando, ou seja, continuaram atuando na ilegalidade”, explica Reis. “Já para aqueles que tinham ativo florestal e excedente de reserva legal e desmataram depois de julho de 2008, o estudo não considerou como ‘ilegais’, embora eles possam ter desmatado ilegalmente caso o tenham feito sem autorização, o que é muito provável, mas que o estudo desconsiderou.”

Assim, na carta, os pesquisadores são enfáticos (apesar de repetirem que os números de propriedades ilegais do estudo de Rajão serem subestimados): “Logo, as propriedades que o estudo classifica como ‘ilegais’ são indiscutivelmente ilegais, e muitos desmatamentos que o estudo considera como ‘legais’ são potencialmente ilegais. O argumento da superestimativa, portanto está equivocado”.

A carta defende, ainda, que a crítica honesta ao estudo “é essencial para o progresso do conhecimento científico” e que Raoni Rajão e equipe usaram “dados públicos, metodologia aberta, transparente e replicável”. “Todos os resultados do artigo estão disponíveis e acessíveis para avaliação na própria revista Science e no site do Centro de Sensoriamento Remoto da UFMG”, dizem. “Dessa forma, é possível checar as premissas e auditar os dados e cálculos realizados.”

Adicionalmente, os cientistas lembram que “as críticas feitas à boa ciência por parte minoritária do agronegócio, sem argumentos robustos e embasamento, representam uma tentativa de usar o conhecimento científico somente quando for conveniente ou quando esses conhecimentos confirmam suas percepções e visões de mundo” dizem. “No entanto, cabe esclarecer que a Ciência não funciona assim.” E acrescentam: “Confrontar achados científicos com especulações e inverdades pode parecer uma resposta fácil, mas só nos mantém mais afastados das soluções reais e necessárias”.

Por fim, sentenciam que “não há trilha viável” para o agronegócio brasileiro se não forem equacionados seus equívocos e inconsistências legais, ambientais e sociais”. E dizem ainda que “uma grande parte do agronegócio está buscando se adequar de forma responsável às demandas da sociedade por sustentabilidade. Esta parte encontrará apoio no bom conhecimento científico”.

Os pesquisadores que assinam o documento são a professora titular da UnB em Ecologia de Ecossistemas, Mercedes Bustamante; o pesquisador em sustentabilidade de cadeias produtivas na Universidade Católica de Louvain, Bélgica, Tiago N. P. Dos Reis; o pesquisador Gerd Sparovek, coordenador do Laboratório de Geoprocessamento e Inteligência Estratégica e Espacial da USP e presidente da Fundação Florestal do Estado de São Paulo; o professor de Sistemática e Ecologia da Esalq/USP, Ricardo Ribeiro Rodrigues; o pesquisador e climatologista Carlos Afonso Nobre, que teve atuação no Inpe e no IPCC;.

A íntegra da carta pode ser lida [Aqui!

fecho

Este texto foi inicialmente publicado no “Portal Dom Total” [Aqui!]

Pesquisador protocola pedido de impeachment de Jair Bolsonaro com base em artigo publicado na Science

bolsonaro tosse

Um pedido de impeachment do presidente Jair Bolsonaro foi protocolado na manhã desta segunda-feira (20/04) junto à Câmara Federal, tendo com base resultados de um artigo publicado no dia 17 de Abril de 202 pela prestigiosa revista científica Science (ver imagem abaixo). 

science

O autor deste pedido de impeachment é um dos autores do trabalho, o doutorando Lucas Ferrante do Programa de ECologia do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa).  No ofício por meio do qual protocolou o pedido de impeachment do presidente Bolsonaro, Ferrante aponta que o artigo publicado pela Science aponta que ” a medida que a doença de coronavírus do 2019 (COVID-19) se espalha pelo Brasil, o Presidente Jair Bolsonaro negou repetidamente a gravidade da pandemia e  transmitiu informações enganosas e mensagens mistas sobre como responder, defendo o uso de hidroxicloroquina e o fim da quarentena. As evidências científicas atuais contradizem essas informações, e o discurso do Presidente coloca a população em risco.

impeach bolsonaro

Ferrante lembra que o artigo ainda diz que “ na escala nacional o Brasil deve manter uma quarentena nacional para mitigar o impacto da doença. Medidas favorecidas pelo presidente do Brasil, como isolamento vertical ou uma quebra parcial do isolamento, entram em conflito com as recomendações da Organização Mundial da Saúde e com estudos científicos, colocando em risco toda a população do Brasil. A eficácia da hidroxicloroquina não é confirmada, embora seus riscos sejam.

Em seu ofício à Câmara de Deputados, Lucas Ferrante lembra que “com base nessas informações publicadas no maior periódico do mundo torna-se claro que o Presidente da República Jair Messias Bolsonaro vem cometendo crime de responsabilidade
contra a saúde pública colocando todo o povo brasileiro em risco eminente“.

Ainda que não se saiba o destino que será dado a esse pedido de impeachment, o fato é que temos diante de nós uma novidade: em vez de um documento preparado por advogados como foi o caso do impeachment de Dilma Rousseff. Tampouco o pedido está sendo apresentado por um partido político ou representante dele. Em vez disso, o que temos agora são alegações iniciais baseadas em um artigo científico que passou pelo crivo rígido dos editores da Science, simplesmente a maior revista científica do planeta. Um aspecto interessante é que ocorre em face de um presidente que é conhecido por desdenhar do conhecimento científico e por ter um ministro da Educação, o insuperável Abraham Weintraub, que fez do seu ofício principal trabalhar para precarizar as universidades e institutos federais. Se isso não for um tipo de ironia suprema, eu não sei o que seria.

 

No Brasil, ‘idiotas úteis’ protestam contra cortes nas verbas da pesquisa e da educação

educação 1

Por Herton Escobar para a revista Science

Milhares de cientistas, educadores e estudantes lotaram as ruas do Brasil nesta semana para protestar contra cortes no financiamento da educação e da pesquisa. Marchas ocorreram na última quarta-feira em todas as capitais do país e em mais de 200 outras cidades, segundo relatos da mídia. Várias universidades públicas, e até mesmo algumas instituições privadas não diretamente afetadas pelos cortes orçamentários, cancelaram as aulas para permitir que funcionários e estudantes participassem das manifestações.

“Eu nunca tinha visto nada dessa magnitude”, diz Fabricio Santos, professor de genética e evolução da Universidade Federal de Minas Gerais, que se juntou a um protesto na cidade de Belo Horizonte. “Foi uma lição de democracia e descontentamento”.

Embora não haja contagem oficial, os organizadores estimaram que as marchas atraíram centenas de milhares de pessoas em grandes cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. As manifestações foram originalmente convocadas por sindicatos, que estão protestando contra mudanças na previdência social e pensão do Brasil. sistemas propostos pela administração do Presidente Jair Bolsonaro.

Em um esforço para enfrentar as lutas econômicas, Bolsonaro anunciou recentemente uma série de medidas de contenção fiscal, incluindo a retenção de 42% do orçamento de investimento do Ministério da Ciência e Tecnologia e cerca de 25% do financiamento do Ministério da Educação para as universidades federais. As autoridades também congelaram mais de 3.000 bolsas de estudo destinadas a apoiar pesquisas de pós-graduação.  O governo federal sinalizou que liberará esses fundos se a legislatura do Brasil aprovar as mudanças nos programas sociais, o que, segundo autoridades do governo Bolsonaro, é fundamental para colocar as finanças do país em ordem.

Embora os governos anteriores tenham tomado medidas semelhantes, o clamor desta vez foi alimentado por uma série de políticas controversas avançadas por Bolsonaro, bem como por comentários inflamatórios que ele e seus nomeados fizeram. Ontem, por exemplo, Bolsonaro disse a repórteres que os manifestantes eram “idiotas úteis” e “imbecis” que estavam sendo manipulados por uma “minoria smarthead” que controla as universidades federais. E o ministro da educação Abraham Weintraub provocou controvérsia ao ameaçar reduzir o financiamento para as universidades que “promoveram raquetes” em vez de melhorar seu desempenho acadêmico.

Funcionários da universidade também estão alarmados com um decreto, publicado na quarta-feira, que dá à administração de Bolsonaro novos poderes para controlar a seleção de administradores seniores no sistema universitário federal. “É inacreditável o que está acontecendo”, diz Santos. “É uma reversão completa do princípio da autonomia acadêmica”.

O congelamento de bolsas de estudo para estudantes de pós-graduação, anunciado na semana passada, motivou os pesquisadores a participar das marchas, diz Nathalie Cella, bioquímica da Universidade de São Paulo que ajudou a organizar a Marcha pela Ciência em abril de 2017. Os estudantes de pós-graduação são uma importante força de trabalho científico nas universidades públicas do Brasil, ela observa, que produzem mais de 90% da produção científica do país. Cella diz: “Muitas pessoas terão que abandonar suas pesquisas se essa situação não for revertida”.

____________________

Este artigo foi publicado originalmente em inglês pela revista Science [Aqui!]

 

602 cientistas pedem que Europa condicione importações do Brasil a cumprimento de compromissos ambientais

A edição de sexta-feira (26) da revista Science traz uma carta assinada por 602 cientistas de instituições europeias pedindo para que a União Europeia (UE), segundo maior parceiro comercial do Brasil, condicione a compra de insumos brasileiros ao cumprimento de compromissos ambientais.

bbc -0

Por

Em linhas gerais, o documento faz três recomendações para que os europeus continuem consumindo produtos brasileiros, todas baseadas em princípios de sustentabilidade. Pede que sejam respeitados os direitos humanos, que o rastreamento da origem dos produtos seja aperfeiçoado e que seja implementado um processo participativo que ateste a preocupação ambiental da produção – com a inclusão de cientistas, formuladores de políticas públicas, comunidades locais e povos indígenas.

O grupo de cientistas tem representantes de todos os 28 países-membros da UE. O teor da carta ecoa preocupações da Comissão Europeia – órgão politicamente independente que defende os interesses do conjunto de países do bloco político-econômico – que há cerca de quatro anos vem estudando como suas relações comerciais impactam o clima mundial.

bbc 0

AFP. Amazônia perdeu 50 mil km² de matas nos últimos 7 anos

Pesquisador de questões de uso do solo, políticas de mitigação climática, combate ao desmatamento e cadeias produtivas, o brasileiro Tiago Reis, da Universidade Católica de Louvain, é um dos autores da carta.

Em entrevista à BBC News Brasil, ele afirmou que a publicação do texto tem como objetivo mostrar às instituições europeias que a comunidade científica entende a questão como “prioritária e extremamente relevante”.

“A iniciativa é importante, sobretudo neste momento em que sabemos que a Comissão Europeia está estudando o assunto e formulando uma proposta de regulação para a questão da ‘importação do desmatamento'”, disse o cientista.

O artigo foi divulgado nesta quinta-feira. Procurado pela reportagem da BBC News Brasil, o Ministério do Meio Ambiente ainda não respondeu ao pedido de entrevista sobre o tema.

Sustentabilidade e direitos humanos

“Exortamos a União Europeia a fazer negociações comerciais com o Brasil sob as condições: a defesa da Declaração das Nações Unidas sobre os direitos dos povos indígenas; a melhora dos procedimentos para rastrear commodities no que concerne ao desmatamento e aos conflitos indígenas; e a consulta e obtenção do consentimento de povos indígenas e comunidades locais para definir estrita, social e ambientalmente os critérios para as commodities negociadas”, diz a carta veiculada no periódico científico.

bbc 1

THIAGO FORESTI. Exportações para a UE representaram 17,56% do total do Brasil em 2018

A carta ressalta que a UE comprou mais de 3 bilhões de euros de ferro do Brasil em 2017 – “a despeito de perigosos padrões de segurança e do extenso desmatamento impulsionado pela mineração” – e, em 2011, importou carne bovina de pecuária brasileira associada a um desmatamento de “mais de 300 campos de futebol por dia”.

Segundo dados do Ministério da Economia, as exportações para a UE representaram 17,56% do total do Brasil em 2018 – um total de mais de US$ 42 bilhões, com superávit de US$ 7,3 bilhões. A exportação de carne responde por cerca de US$ 500 milhões deste total, minério de ferro soma quase US$ 2,9 bilhões e cobre, US$ 1,5 bilhão.

De acordo com dados divulgados em novembro pelo ministérios do Meio Ambiente e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, a Amazônia enfrenta índices recordes de desmatamento.

Os sistemas do Projeto de Monitoramento do Desmatamento da Amazônia Legal por Satélite (Prodes) registraram um aumento de 13,7% do desmatamento em relação aos 12 meses anteriores – o maior número registrado em dez anos. Isso significa que, no período, foram suprimidos 7.900 quilômetros quadrados de floresta amazônica, o equivalente a mais de cinco vezes a área do município de São Paulo.

A principal vilã é a pecuária. Estudo realizado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) em 2016 apontou que 80% do desmatamento do Brasil se deve à conversão de áreas florestais em pastagens.

Atividades de mineração respondem por 7% dos tais danos ambientais.

Principal autora do texto, a bióloga especialista em conservação ambiental Laura Kehoe, pesquisadora da Universidade de Oxford, acredita que, como forte parceria comercial, a Europa é corresponsável pelo desmatamento brasileiro.

“Queremos que a União Europeia pare de ‘importar o desmatamento’ e se torne um líder mundial em comércio sustentável”, disse ela. “Nós protegemos florestas e direitos humanos ‘em casa’, por que temos regras diferentes para nossas importações?”

“É crucial que a União Europeia defina critérios para o comércio sustentável com seus principais parceiros, inclusive as partes mais afetadas, neste caso as comunidades locais brasileiras”, afirmou a bióloga conservacionista Malika Virah-Sawmy, pesquisadora da Universidade Humboldt de Berlim.

bbc 2

THIAGO FORESTI. “Queremos que a União Europeia pare de ‘importar o desmatamento’ e se torne um líder mundial em comércio sustentável”, defende bióloga Laura Kehoe

A carta dos cientistas apresenta preocupações, mas a aplicação dos tais compromissos como condições para tratativas comerciais depende de regras a serem criadas pela Comissão Europeia. Se o órgão acatar as sugestões, será preciso definir de que maneira o Brasil – e outros parceiros comerciais da UE – precisaram criar organismos e estabelecer as métricas para o cumprimento das exigências.

Medidas do governo Bolsonaro

De acordo com o brasileiro Tiago Reis, foram dois meses de articulação entre os cientistas europeus para que a carta fosse consolidada e os signatários, reunidos.

“Criamos o texto acompanhando a evolução do novo governo brasileiro. Estávamos preocupados com as promessas de campanha, mas quando essas promessas passaram a ser concretizadas, com edição de decretos, decidimos que precisávamos fazer algo”, disse ele.

“Existe, hoje, um discurso no Brasil que promove a invasão de terras protegidas e o desmatamento. Isso gerou sinais de alerta na comunidade científica internacional.”

A carta publicada pela Science ainda afirma que o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) trabalha “para desmantelar as políticas anti-desmatamento” e ameaça “direitos indígenas e áreas naturais”. Além de ser assinada pelos 602 cientistas europeus, a carta tem o apoio de duas entidades brasileiras, que juntas representam 300 povos indígenas: a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira e a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil.

bbc 3

THIAGO FORESTI. Em Mato Grosso, floresta amazônica dá lugar a pastagens

Logo no dia 2 de janeiro, primeiro dia útil do mandato, Bolsonaro publicou decretos transferindo órgãos de controle ambiental para outras pastas, reduzindo a atuação do Ministério do Meio Ambiente.

O Serviço Florestal Brasileiro, por exemplo, foi realocado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – pasta comandada por Tereza Cristina, ligada à bancada ruralista. Outros três órgãos foram cedidos para o Ministério do Desenvolvimento Regional.

A incumbência de demarcar terras índigenas, antes sob responsabilidade da Fundação Nacional do Índio (Funai), também foi transferida para o Ministério da Agricultura. A própria Funai foi remanejada. Antes vinculada ao Ministério da Justiça, acabou subordinada ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, comandado por Damares Alves.

Mais recentemente, funcionários do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) têm sido alvo de exonerações.

Na semana passada, o Ibama arquivou processos contra a produção de soja em áreas protegidas em Santa Catarina. E o próprio presidente Bolsonaro, via redes sociais, desautorizou no início deste mês operação em andamento contra a exploração ilegal de madeira em Rondônia.

_____________________________

Este artigo foi inicialmente publicado pela  BBC News Brasil [Aqui!]