Carga perigosa: o degelo de solos permafrost na região do Himalaia intensifica os processos de erosão

himalaiaÁgua derretida e remanescentes da geleira Gangjiaquba aterrissam no Yangtze. Foto: Yinjun Zhou

Por Thomas Berger para o Neues Deutschland 

O sistema duplo de rios do Ganges e Brahmaputra, que serpenteia pelo Nepal e norte da Índia até Bangladesh, o poderoso Mekong com seus inúmeros países que fazem fronteira com a China no sudeste da Ásia ao sul do Vietnã, dentro da China o rio Amarelo (Huang He) e o Yangtze e o Tarim é o maior rio da Ásia Central, mais o Indo, no oeste – há vários cursos de água poderosos que se originam do extenso Himalaia. Por centenas, até milhares de anos, as pessoas se adaptaram à quantidade de água que esses rios transportam, muitas vezes com estações diferentes. Mas não se trata apenas de água pura: sedimentos dos mais variados tipos também seguem seu caminho – alguns deles apenas do tamanho de partículas de poeira (a chamada carga suspensa) até pequenos seixos, outros podem ser descritos como escombros. Às vezes, eles cobrem vários milhares de quilômetros: a Baía de Bengala, para a qual fluem os deltas do Ganges e do Brahmaputra, é considerada o maior depósito de sedimentos do mundo. Este material tem como ponto de partida o “teto do mundo”. E embora a carga original nas terras altas do Tibete seja relativamente idêntica em tamanho de grão,

Um estudo que foi publicado na revista científica “Science” (DOI: 10.1126 / science.abi9649) tem como alvo o aumento notável do escoamento de sedimentos. Estes já estão aumentando consideravelmente na meta de 1,5 grau, que também está sendo definida como o nível mais alto na conferência climática mundial COP-26 que ocorreu em Glasgow, Escócia. Pode ser ainda mais perigoso se o aumento da temperatura no final do século estiver próximo de 3 graus. Os cientistas da Universidade Nacional de Cingapura, da Universidade de Colorado Boulder, da Universidade de Potsdam e do Instituto de Pesquisa Científica do Rio Changjiang estão soando o alarme com as descobertas coletadas.  

Atualmente, de acordo com os dados do estudo, são transportados cerca de 1,94 gigatoneladas de sedimentos por ano para jusante. A faixa de flutuação relativamente alta deste valor (± 0,8 gigatoneladas) ilustra como é difícil resumir o fenômeno em números razoavelmente sólidos. No entanto, a tendência ameaçadora é clara: no cenário de 3 graus, as previsões chegam a um aumento para 5,18 gigatoneladas por ano, ou seja, mais de duas vezes e meia. Mesmo os leigos podem entender que isso não pode ficar sem consequências graves.

Descongelamentos mais frequentes devido às mudanças climáticas causa o aumento de distúrbios no solo permafrost e aumento da erosão. Resultado: as massas de água lavam cada vez mais sedimentos das regiões montanhosas. Depois de avaliar os dados dos últimos 60 anos, a equipe chegou à conclusão de que um aquecimento de 1 grau Celsius resulta em um escoamento de sedimentos 32 % maior (± 10%). Por outro lado, porém, quanto mais intacta a cobertura glaciar de uma área de origem, menor será sua suscetibilidade aos processos de erosão. Além disso, não é de forma alguma apenas material inofensivo que está cada vez mais sendo lavado da área central das altas montanhas: Fósforo e metais pesados ​​como cromo, arsênico ou chumbo podem colocar em risco a qualidade da água mais a jusante – um risco para humanos, bem como a agricultura e os ecossistemas aquáticos, é avisado.

Embora dependa da composição específica, em outros casos, o principal problema é  o aumento da massa dos sedimentos. Eles são depositados em reservatórios, por exemplo, reduzindo sua capacidade de armazenamento. Como o fundo devido aos depósitos sobe muito mais rápido do que o normal e planejado durante a construção, a quantidade de água armazenada diminui ao contrário. “O potencial hidrelétrico no Nepal e no Butão atualmente excede seu consumo de eletricidade”, diz o estudo – que pode mudar rapidamente com os depósitos. Isso já pode ser observado com mais clareza do que no sul do Himalaia, no rio Yangtze, a região mais importante da China para o uso de energia hidrelétrica. »O aumento do escoamento de sedimentos terá um efeito negativo nos projetos hidrelétricos existentes e planejados,

Até agora pouco explorado e, portanto, um tópico importante para pesquisas futuras, é o aumento da liberação de carbono orgânico dos solos permafrost nas altas montanhas. Supondo uma parcela de um a três por cento carregada na água, essa quantidade de material poderia somar 50 a 150 megatons por ano em 2050 abaixo do aquecimento máximo observado. E com a deposição de cada vez mais sedimentos nos vales dos rios, havia a ameaça de mais quebra de margens e, mais a jusante, inundações muito mais incalculáveis, segundo outro sinal de alarme.

blue compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

Desastre continuado em Brumadinho: pesquisa mostra potencial toxicogenético na água e sedimentos do Rio Paraopeba após rompimento de barragem da Vale

brumadinho

Um estudo realizado por uma equipe de pesquisadores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) acaba de ter publicado um artigo na revista  “Science of the Total Environment “  onde são apresentados os resultados de um estudo que avaliou o potencial toxicogenético da água e sedimento do rio Paraopeba, cinco dias após o rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Vale em Brumadinho (MG) em janeiro de 2019, pelo teste Allium cepa.

Amostras de água coletadas em locais mais próximos à barragem desmoronada causaram uma frequência maior de danos genéticos e menor taxa de divisão celular em comparação com o local a montante. Nos sedimentos foi observada uma diminuição da taxa de divisão celular e a ocorrência de danos genéticos nos pontos de coleta mais próximos à barragem.

figura 3

A frequência de aberrações e o índice mitótico em células de A. cepa expostas a sedimentos foram negativamente associados aos níveis da maioria dos elementos nas frações total e biodisponível.  Além disso, também foi observada uma associação negativa entre algumas concentrações de metais na água total e dissolvida com o índice mitótico.  Já os efeitos genotóxicos foram positivamente correlacionados com as concentrações da maioria dos metais.

Em geral, os resultados desse estudo demonstram o potencial dos rejeitos que escaparam da barragem rompida em Brumadinho para causar efeitos citogenotóxicos devido às maiores concentrações de metais liberados na coluna d’água e nos sedimentos.

Resultados reforçam necessidade de monitoramento de longo prazo na bacia do Rio Paraopeba

Segundo o professor Carlos Eduardo de Rezende, professor titular do Laboratório de Ciências Ambientais (LCA) da Uenf, este artigo é o primeiro estudo que demonstra o potencial toxicogenético dos rejeitos lançados no Rio Paraopeba. O Prof. Rezende aponta que estes resultados reforçam a necessidade de um monitoramento de longo prazo da bacia hidrográfica do Rio Paraopeba devido ao avanço da pluma de rejeitos que está ocorrendo ao longo do tempo.

E o mistério do potencial tóxico da lama da Samarco foi solucionado!

Ontem fiz uma postagem sobre uma discussão que estava ocorrendo em torno da toxidade ou não da lama que está dentro da calha do Rio Doce após o rompimento da barragem de rejeitos da Mineradora Samarco em Mariana (Aqui!). Até ali a pendenga se dava porque a Samarco e sua corporação mãe . a Vale, afirmavam categoricamente que não havia contaminantes com potencial tóxico no material que está fluindo do Rio Doce para o mar em Regência.

Pois bem, a polêmica sobre se o tsunami de lama trouxe riscos tóxicos foi resolvido hoje com a divulgação de diferentes análises que foram feitas nos sedimentos e na água do Rio Doce, e as evidências apontam para a presença de metais pesados no material coletado após o dia 05 de Novembro quando ocorreu o incidente em Bento Rodrigues. Como mostram as imagens abaixo, até a Vale agora reconhece que há um nível alto de metais pesados e outros elementos potencialmente contaminantes nas águas e nos sedimentos analisados.

toxico 1lama toxica 2 lama toxica 3 

Nesse reconhecimento da Vale existem duas “pegadinhas”. A primeira é que a Vale só reconhece a presença de metais pesados ou não na água e nos sedimentos do Rio Doce quando isto se tornou inevitável após a divulgação de diferentes análises como é o caso da que foi realizada pelo Instituto Mineiro de Gestão de Águas (Igam) (Aqui!).  Já a segunda pegadinha que é bem esperta é a de jogar a culpa da presença dos contaminantes sobre autores desconhecidos que cometeram o “crime” num passado indefinido, sobrando ainda para a Natureza (essa eterna culpada). 

O mais interessante é que repetindo outras corporações flagradas em situações complicadas, a Vale anunciou que vai estabelecer “voluntariamente” um fundo para recuperar o Rio Doce (Aqui!). Difícil mesmo vai ser convencer a população das áreas atingidas que essa promessa é genuína, e não apenas uma tática de procrastinação frente às inevitáveis ações que a empresa vai sofrer na justiça por pessoas e municípios que foram prejudicados com o derrame desse material que agora sabe tem sim potencial tóxico.

Em uma aparente reação a esse anúncio, o  Ministério Público do Espírito Santo recomendou nsta 6a. feira que a população não use a água captada do Rio Doce. Além disso, o MPES entrou com ação de busca e apreensão dos laudos que atestam a qualidade da água em Colatina e estava aguardando o resultado das análises dos documentos para decidir se proíbe a captação ou não (Aqui!).

Um aspecto final é o fato de que a partir desse reconhecimento os dirigentes da ONU que foram desmentidos em suas afirmações sobre a toxidade do material despejado no Rio Doce quase certamente vão voltar á carga, jogando ainda mais lama na reputação da  Vale e da BHP Billiton.