No enfrentamento da pandemia, os trânsfugas da esquerda são aliados preferenciais do negacionismo

Tránsfugas

Em meio ao debate sobre a volta às aulas presenciais, em meio ao agravamento da disseminação da variante “ômicron” que é considerada como mais nociva às crianças e não vacinados, tenho visto posicionamentos vindos de dentro das fileiras acadêmicas que se assemelham muito ao que vejo saindo do interior da redes de robôs negacionistas que comandam a sabotagem contra os esforços para acabar com a pandemia da COVID-19 no Brasil.

Entre as pérolas ditas por esses “intelectuais” é uma que equivale  a ação dos sindicatos docentes que cobram a cobertura vacinal de docentes e estudantes como condição para a volta às aulas presenciais como um exemplo de preguiça sindical.  Além disso, como cobertura desse “bolo” ainda aparecem frases de efeito como “já passou a hora de voltarmos às aulas presenciais” que, não raramente, são ditas por profissionais cuja presença em sala de aula é, digamos, rara.

Como alguns desses membros das fileiras acadêmicas já tiveram alguma pretensão de serem de “esquerda”,  não posso deixar de considerar que muitos dessas figuras estão jogando o papel de trânsfugas em meio a uma guerra contra um vírus assassino, apenas para explicitar a sua ojeriza ao papel dos sindicatos na defesa da segurança de seus membros, mesmo que discursivamente adotem um tom crítico do status quo. Nesse sentido,  essas figuras acabam ocupando por opção própria o papel de colunas preferenciais de sustentação do negacionismo oficialista que continua jogando pesado contra o acesso às vacinas contra a COVID-19, seja pela disseminação de propagandas pagas com o dinheiro público para disseminar o medo e a negação, seja pela demora na compra e disseminação das mesmas.

A questão é que em minha experiência de mais de duas décadas como docente de uma universidade pública,  já vi várias vezes, esses mesmos trânsfugas ocupando a cabeça das filas que se formam para auferir os direitos conquistados pelas lutas organizadas pelos sindicatos e pelos “membros preguiçosos” da sua própria categoria. Penso que seria mais coerente que depois combater a ação organizada dos sindicatos, se negassem a receber o fruto das lutas organizadas por eles.  Entretanto, a partir do que vivenciei no meu próprio sindicato, parece mais fácil que esses trânsfugas, mesmo após atrasarem as mensalidades sindicais, continuem se refestelando com os frutos  da luta alheia.

Então qual é o moral da história? É que os pós-pandemia demandará um devido ajuste de contas com aqueles que escondidos pelo verniz acadêmico estão atuando para desmantelar os instrumentos de resistência da classe trabalhadora brasileira. Sem esse ajuste me parece que continuaremos a ter que conviver não apenas com os bolsonaristas raiz, mas com um séquito de ex-esquerdistas que com seus discursos bonitos dão sustentação ao Bolsonarismo.

Sujo, perigoso, humilhante: A revolta na mão-de-obra barata

Um novo movimento sindical está se formando entre os funcionários das empresas americanas de Internet

amazon 0Manifestantes em Los Angeles apóiam os esforços sindicais dos trabalhadores da Amazon no Alabama. © Lucy Nicholson/Reuters

Por Heike Buchter para o Die Zeit 

Um banco de parque em Manhattan é o escritório de Miguel. É aqui que o mensageiro da bicicleta recebe seus pedidos. O homem de 34 anos é da Guatemala e não quer revelar seu sobrenome por medo das autoridades de imigração. Ele é um dos 80.000 fornecedores que entregam refeições em Nova York. Os clientes são aplicativos de smartphone, como DoorDash, GrubHub ou Postmates.

Nos dias bons, Miguel ganha até $ 100. Nos dias ruins, o pai de dois filhos espera em vão que seu smartphone toque, anunciando um pedido. “Os aplicativos dizem que somos nossos próprios patrões, mas eles governam nossas vidas”, diz ele. Para não estar mais indefeso à mercê deles, ele se juntou ao Los Deliveristas Unidos. Um grupo de mensageiros fundou a organização no outono para chamar a atenção para suas necessidades.

Um novo movimento trabalhista

Após décadas de declínio dos sindicatos industriais da América, um novo movimento trabalhista varreu o país. Embora apenas um terço dos trabalhadores pesquisados ​​expressasse interesse em se filiar a um sindicato em meados da década de 1990, era quase a metade em 2017, de acordo com um estudo do MIT. Organizam-se grupos profissionais muito diferentes: entregadores de pizza e engenheiros do Google, funcionários do depósito da Amazon e programadores de videogame, ajudantes domésticas e animadores. 

Por um lado, há a mão-de-obra barata da nova economia de gig . Pessoas como o mensageiro de bicicletas Miguel, que lutam por condições de trabalho dignas e remuneração justa.

Por outro lado, existem os trabalhadores do conhecimento altamente pagos que por muito tempo não acharam necessário se unir. Corporações como o Google os mimavam com salários extravagantes e todos os tipos de comodidades, de massagens a máquinas de pinball. A geração mais jovem desses funcionários está preocupada com as grandes questões sociais. Eles exigem proteção contra assédio sexual e discriminação no local de trabalho e mais voz nas empresas.

Os ativistas trabalham pelos vencedores da crise da coroa

Os novos ativistas têm uma coisa em comum: quase todos trabalham para empresas que estão entre as vencedoras da crise do coronavírus. O Google registrou vendas recordes nos últimos três meses do ano passado, a Amazon dobrou seus lucros para US $ 21 bilhões em 2020 e o aplicativo de entrega DoorDash, que se tornou público em dezembro, prontamente atingiu um valor de mercado que ultrapassou o de muitas redes de restaurantes.

Mas sem mão de obra barata, o modelo de negócios de muitas empresas de tecnologia não funcionaria. São eles que embalam os pacotes nos centros de logística dos varejistas de e-commerce ou entregam os alimentos que os clientes pedem nas plataformas online. A pandemia literalmente explodiu a demanda em metrópoles como Nova York : para restaurantes e bares que permaneceram fechados, os serviços de entrega e seus mensageiros se tornaram vitais.

amazon 1

Centro de distribuição da Amazon em Bessemer, Alabama © Patrick T. Fallon / AFP / Getty Images

São principalmente os imigrantes da América Latina que assumem os chamados empregos 3-D nos EUA . Os três Ds significam sujo, perigoso, degradante – sujo, perigoso e humilhante.

Isso também se aplica ao trabalho dos fornecedores. A preocupação mais urgente deles: como geralmente não têm permissão para entrar nos restaurantes, os mensageiros não têm acesso aos banheiros. Por serem oficialmente autônomos, eles devem cuidar de sua segurança por si próprios. Alguns operadores de aplicativos agora estão distribuindo máscaras de proteção, mas apenas de forma limitada e mediante solicitação. Os motoristas de entrega estão indefesos de qualquer maneira. Em 2020, houve centenas de assaltos à mão armada em Nova York em que suas e-bikes foram roubadas. “Somos considerados trabalhadores sistemicamente importantes, mas não somos tratados como humanos”, diz o motorista de correio Gustavo Ajche, que, como Miguel, vem da Guatemala.

Por muito tempo, os sindicatos tradicionais deram pouca atenção às preocupações dos trabalhadores de baixa renda. Muitos migrantes estão no país ilegalmente. Como os trabalhadores de baixa renda costumam mudar de emprego, eram considerados desorganizáveis. E eram vistos como uma ameaça à clientela sindical clássica – trabalhadores com carteira assinada.

Mas agora o novo movimento trabalhista está recebendo apoio das mais altas autoridades. “Todo funcionário tem direito a um sindicato”, disse o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em um discurso no início de março. Biden alertou os empregadores para não intimidar seus trabalhadores e impedir movimentos sindicais.

Embora Biden não tenha mencionado nenhum nome, ele provavelmente se referia ao grupo Amazon , que emprega mais de 900.000 pessoas em 800 localidades apenas nos Estados Unidos. Mas, ao contrário dos centros de logística alemães, por exemplo, ainda não foi possível fundar um sindicato de empresas lá.

“Ninguém deve arriscar a vida vendendo brinquedos sexuais e cosméticos”

Chris Smalls assumiu a empresa de qualquer maneira. O jovem de 31 anos trabalhou para a Amazon por quase cinco anos. Mais recentemente, ele foi chefe do Centro de Logística em Staten Island, em Nova York. Quando a pandemia se espalhou na primavera passada, ele se preocupou com sua saúde e a de seus colegas, as medidas de proteção da Amazon lhe pareceram inadequadas. Quando soube que um funcionário tinha resultado positivo no teste, foi o suficiente para ele: “Ninguém deve arriscar a vida para mandar brinquedos sexuais e cosméticos.” Smalls organizou uma breve paralisação no trabalho.

Um pouco mais tarde, ele foi mandado para casa e colocado em quarentena. “Ninguém mais, nenhum dos meus funcionários, nem mesmo o colega com quem dirigia para trabalhar no carro”, diz ele. Quando Smalls protestou em frente ao armazém, veio a demissão. Ele violou os requisitos de quarentena e colocou em risco a saúde de outros funcionários, de acordo com a Amazon.

Mas documentos internos sugerem o que os executivos da Amazon pensavam de Smalls: em um relatório que vazou para a mídia, um advogado da Amazon descreveu Smalls como “nem inteligente nem articulado” e sugeriu que ele fosse publicamente retratado como o rosto do movimento sindical, para possivelmente desacreditar . A empresa não comenta isso.

Recentemente, Smalls entrou em seu carro e dirigiu 16 horas até o Alabama para encorajar os funcionários da Amazon em Bessemer. Nas últimas semanas, os funcionários de um centro de logística local votaram pela criação de um sindicato de empresas. O resultado é esperado nos dias de hoje. 

No Alabama, também, os funcionários da Amazon estão reclamando da pressão da gerência. Em fevereiro, a mídia local noticiou que a Amazon fez com que a administração distrital de Bessemer encurtasse a fase vermelha dos semáforos em frente ao centro de logística. Isso torna difícil para os representantes sindicais de varejo se dirigirem aos trabalhadores em seus carros. Amazon explicou que esta foi apenas uma medida para equalizar o tráfego na mudança de turno.

Os funcionários do Google mantiveram suas reuniões em segredo por meses

Por medo de ser demitido, o engenheiro de software Andrew Gainer-Dewar e seus colegas do Google mantiveram suas reuniões em segredo por meses. Somente quando seu grupo cresceu para 200 membros, eles anunciaram a fundação do Sindicato dos Trabalhadores do Alfabeto (UTA). Alphabet é o nome da empresa-mãe do Google. Andrew Gainer-Dewar inicialmente tinha pouco em comum com o fornecedor Miguel ou com o trabalhador da Amazon Chris Smalls. O homem de 35 anos está programando no escritório em casa. Caso contrário, ele trabalha no escritório do Google em Cambridge, Massachusetts. Lá, o Google não só paga a ele um salário generoso, mas também as contas de seu café da manhã em cafés próximos ou de seu almoço. 

No entanto, as coisas estão fermentando entre os funcionários. Em 2018 , mais de 20.000 funcionários do Google protestaram contra as negociações da empresa com Andy Rubin. O gerente teria forçado um subordinado a fazer sexo oral, o que ele negou. Rubin teve que sair, mas recebeu uma indenização de milhões. A resistência surgiu entre os funcionários do Google contra as ordens da autoridade de imigração ICE. Ela é responsável pela prisão e deportação de imigrantes ilegais. Em um comunicado, o Google admitiu erros ao lidar com um funcionário, mas estava determinado a criar um ambiente de trabalho em que cada funcionário se sentisse valorizado.

Na Gainer-Dewar, isso desencadeou um repensar. Ficou claro para ele: para ser ouvido, você precisa se unir. Em primeiro lugar para a UTA está a proteção dos funcionários da Alphabet – mas também a promoção da solidariedade, da democracia e da justiça social, como diz no site. Mas os ativistas têm um problema: até 50% dos funcionários que trabalham para o Google são contratados por subcontratados e agências de empregos temporários. No entanto, de acordo com a legislação trabalhista dos EUA, apenas sindicatos permanentes estão autorizados a negociar coletivamente. Para também representar empregados de subcontratados, a AWU se restringe a ser uma representação dita minoritária com poderes limitados.

O modelo para isso foram os ladrões de fast-food que lutam por um salário mínimo de 15 dólares a hora. Mesmo que essa meta tenha sido alcançada até agora apenas em alguns estados, mais de 20 milhões de trabalhadores devem salários melhores ao movimento “Luta por US $ 15”. Os ativistas transformaram sua preocupação aparentemente sem esperança em uma questão social – e assim colocaram empresas e representantes sob pressão. Assim como no apogeu dos sindicatos americanos.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “Die Zeit” [Aqui!].

A condenação de Lula finalmente acabará com as manifestações alegóricas que paralisam a classe trabalhadora e a juventude?

Ricardo Stuckert

Como um observador privilegiado da situação política brasileira desde 2003 já que vivo e trabalho no Rio de Janeiro (estado que concentrou todos os males e graças do Neodesenvolvimentismo lulista), vi o paulatino abandono das táticas tradicionais de luta da classe trabalhadora e da juventude e o aparecimento do que venho chamando de “manifestações alegóricas”.  Tais manifestações não passam de showmícios onde oradores ou cantores (dependendo da ocasião) se revezam para estabelecer um ambiente de completa esterilização da disposição de luta.

Vimos bem os efeitos dessas alegorias nas seguidas derrotas que foram impostas aos trabalhadores brasileiros nos últimos anos.  Casos exemplares das manifestações alegóricas que resultaram fragorosas foram o impeachment da presidente Dilma Rousseff e a aprovação da malfadada reforma trabalhista. Em ambos os casos,  trabalhadores e jovens responderam ao chamado para a luta apenas para serem transformados em “sitting ducks” para as forças reacionárias do congresso nacional passaram por cima do estado democrático e dos direitos dos trabalhadores.

Eu atribuo a essa forma de manifestação até a condenação por unanimidade do ex-presidente Lula pelos desembargadores do TRF4. Mais uma vez, viu-se a aceitação pacífica de um jogo de cartas marcadas que visa apenas e unicamente aplicar um golpe de exceção na candidatura de Lula para as eleições de 2018. Um dos resultados mais lamentáveis dessas derrotas auto aplicadas é a desmoralização dos militantes e a sua transformação em vítimas da violência estatal.

Agora com a condenação de Lula e determinação de que ele seja preso, a minha expectativa é de que, finalmente, sindicatos e movimentos sociais desistam de fingir que estão enfrentando a agenda ultraneoliberal que está sendo aplicada no Brasil sem que haja qualquer reação próxima daquela que está acontecendo em outros países, a começar pela Argentina.  Neste sentido, é inaceitável que até o momento as principais sindicais brasileiras não tenham movido uma palha para realizar uma ampla greve geral que impeça que o presidente “de facto” Michel Temer passe seu trator neoliberal sobre o direitos previdenciários dos brasileiros.

E antes que alguma liderança destes movimentos e sindicatos alegóricos apareça para dizer que estamos diante de um refluxo de massas no mundo inteiro, quero lembrar que no pequeno Nepal o Partido Comunista e seus aliados venceram as eleições parlamentares e provinciais, alcançando uma maioria de quase dois terços [1]. E o caso do Nepal não é único, pois existem focos de enfrentamento em diversos países que tentam enfrentar medidas semelhantes às que foram impostas por Michel Temer, a começar pela França.

A questão a ser encarada de frente é que as grandes corporações financeiras que hoje controlam a economia mundial estão impondo um sistema que deixará pouco mais do que migalhas para os trabalhadores do campo e da cidade. Continuar fingindo que tudo se resolverá com uma eleição presidencial que se dará num clima de exceção política será um erro histórico que terá graves proporções.

Por isso é que digo:  que as manifestações alegóricas extintas e que a classe trabalhadora e a juventude brasileira assumam o grau de proeminência que nunca deveriam ter deixado de ter.  E o quanto antes isto ocorrer, menos derrotas ocorrerão. 


[1] https://pcb.org.br/portal2/18221/comunistas-vencem-as-eleicoes-gerais-no-nepal

Onda de greves na Alemanha: A desintegração do “modelo alemão”

O país está a viver uma “ampla erosão das normas salariais formais e informais que por várias décadas mantiveram a paz no capitalismo alemão”, afirma o sociólogo económico Wolfgang Streeck, sublinhando que a vaga de paralisações “é mais do que um episódio conjuntural: é outra faceta da desintegração inexorável do que costumava ser o ‘modelo alemão’”.

Foto der_dennis/Flickr

“Este ano, a maior economia da Europa está prestes a bater um novo recorde de greves, com todos os trabalhadores – desde os maquinistas aos professores de jardins de infância e creches e trabalhadores dos correios – a promoverem paralisações nos últimos tempos. Esta onda de greves é mais do que um episódio conjuntural: é outra faceta da desintegração inexorável do que costumava ser o ‘modelo alemão’”, assinala Wolfgang Streeck num artigo publicado no Guardian.

“Os sindicatos das prósperas indústrias de exportação não são os únicos que estão em greve nos dias de hoje”, refere o sociólogo económico, exemplificando com as paralisações nos serviços domésticos, especialmente no setor público, que aparentam “ter vindo para ficar”.

Lembrando que “a concorrência internacional já não é apenas sobre a quota de mercado, mas também sobre o emprego”, o que veio, por exemplo, condicionar a ação dos sindicatos metalúrgicos, Wolfgang Streeck assinala que a contestação deslocou-se para os serviços, já que, neste caso, “a exportação do trabalho é mais difícil”.

O sociólogo refere também que “os empregadores públicos, na prossecução da consolidação orçamental, romperam o peculiar regime de contratação coletiva do setor público da Alemanha” que assegurava, no essencial, os mesmos aumentos salariais anuais para todos os trabalhadores. Por outro lado, Wolfgang Streeck aponta que várias ocupações – incluindo a dos maquinistas, professores e trabalhadores dos correios – deixaram de ser reguladas pela legislação específica da Função Pública.

“Além disso, a privatização progressiva dos serviços públicos, combinada com o desemprego e a de-sindicalização que veio com o mesmo, colocou cada vez mais os salários do sector público sob concorrência, levando a problemas até então desconhecidos para os sindicatos, desencadeados por aquilo que rapidamente se estava a tornar num sistema de dois níveis salariais”, avança.

Outro desenvolvimento que, segundo o sociólogo, contribuiu para o conflito laboral tem a ver com o surgimento de novas ocupações, especialmente as relacionadas com a educação dos filhos e cuidados com os idosos. Estes trabalhadores são mal pagos e precários, não obstante “a retórica do Governo sobre a indispensabilidade e a virtude moral do seu trabalho”, vinca Wolfgang Streeck.

A somar a estes fatores surge a forma como o patronato se serve do progresso tecnológico para exercer pressão sobre ocupações anteriormente privilegiadas, como pilotos de avião, controladores de tráfego aéreo e maquinistas, pondo em causa direitos já conquistados.

“Tudo isto resulta numa ampla erosão das normas salariais formais e informais que por várias décadas mantiveram a paz no capitalismo alemão”, salienta o sociólogo económico alemão.

A par da deterioração das condições de trabalho, da perda de rendimentos e dos cortes nos serviços públicos e prestações sociais a que é sujeita a maioria das famílias, os salários dos gestores de topo crescem “especialmente, mas não exclusivamente, na área financeira”, refere Streeck, que assinala um aumento das desigualdades salariais.

“O sistema de fixação dos salários alemã está a aproximar-se de uma condição de ausência de normas, semelhante ao que a Grã-Bretanha experimentou na década de 1970. À época, o sociólogo John Goldthorpe Oxford diagnosticou um estado de anomia laboral: uma ausência fundamental de consenso sobre os princípios legítimos de distribuição entre capital e trabalho, bem como entre grupos de trabalhadores”, afirma.

Segundo Wolfgang Streeck, “o governo alemão, com o seu ministro do Trabalho social-democrata, está a tentar suprimir a vaga de conflitos laborais reduzindo o direito de organização e de greve, ilegalizando as greves de sindicatos setoriais – como os maquinistas”.

“Mas isso irá falhar, muito provavelmente no Tribunal Constitucional e, certamente, na prática, num mundo em que a estrutura das empresas e sectores não é mais favorável ao sindicalismo que se baseia na doutrina ‘um local de trabalho, um sindicato’, e onde os maquinistas, pilotos e outros vão sentir-se no direito de se defender, se necessário, entrando em greve, diga a lei o que disser”, remata.

FONTE: http://www.esquerda.net/artigo/onda-de-greves-na-alemanha-desintegracao-do-modelo-alemao/37180?utm_source=dlvr.it&utm_medium=facebook