Gigante norueguesa da área de produção de salmão em cativeiro pune Cargill por ligações com desmatamento na Amazônia

desmatamento

Em uma matéria assinada pela jornalista Rachel Mutter no site especializado “Intrafish“, a gigante do setor da produção de salmão em cativeiro, a norueguesa Grieg Seafood informou que excluiu uma subsidiária da multinacional estadunidense Cargill de sua lista de fornecedores por supostas ligações com o desmatamento ilegal no cerrado e na Amazônia brasileiros.

intrafish

A matéria informa ainda que a decisão está vinculada aos R$ 558 milhões em títulos verdes (green bonds) recém-captados pela Grieg Seafood. Trata-se de títulos emitidos para financiar projetos sustentáveis e voltados à mitigação do processo de mudanças climáticas. Com a medida, a Cargill Aqua Nutrition ficou excluída das fornecedoras para compras com esses papéis, usados para financiar a compra de rações inovadoras que melhorem o bem-estar e a saúde dos peixes.

Em declaração à Rachel Mutter, a gerente de comunicação global da Grieg Seafood, afirmou que “O desmatamento precisa parar porque estamos em uma crise climática e porque precisamos proteger a biodiversidade.”

Essa desdobramento na Noruega não chega a ser surpreendente, na medida em que ainda em 2018, a organização não-governamental Norway Rainforest Foundation publicou um relatório intitulado “Salmon on soy beans — Deforestation and land conflict in Brazil” (Salmão em soja – Desmatamento e conflito de terras no Brasil) onde uma série de denúncias são feitas sobre a produção de soja em áreas recentemente desmatadas na Amazônia brasileira.

report

Como de lá para cá, sob a batuta do improbo Ricardo Salles, o Brasil literalmente soltou a boiada para dentro das florestas amazônicas, não deveria surpreender ninguém que ações concretas estejam sendo tomadas não apenas contra quem desmata, mas também contra as empresas multinacionais que controlam o mercado global de grãos, a começar pela Cargill.

O interessante é que ontem (01/07) recebi uma nota da assessoria de comunicação da Cargill não apenas dando conta dos esforços da empresa para controlar a origem dos seus produtos, mas também para “transformar sua cadeia de suprimentos para ser livre de desmatamento, protegendo a vegetação nativa além das florestas“. Ao que tudo indica, a Cargill já está tentando responder às crescentes críticas vindas até de grandes clientes de que não está fazendo o suficiente para impedir que haja um avanço do desmatamento em todas as regiões em que adquire seus grãos, a começar pela Amazônia.  Agora, com essa decisão da Grieg Seafood, é provável que a Cargill seja obrigada a ser ainda mais diligente do que diz estar sendo.

E nessa confusão toda como fica o Brasil que se prepara para presenciar uma estação de incêndios amazônicos maior do que os que aconteceram em 2019? Eu repetiria apenas o meu prognóstico de que cedo ou tarde (talvez mais cedo do que tarde), o nosso país será alvo de um intenso bloqueio econômico, pois, como mostra um relatório recém liberado pela própria Cargill, a destruição das florestas tropicais não é necessariamente sinônimo de mais negócios. Aliás, muito pelo contrário, conservação dos biomas tropicais está cada vez mais se tornando uma espécie de mantra corporativo. 

E se o governo Bolsonaro acha que vai enganar o resto do mundo sobre o que está de fato sendo permitido na Amazônia, melhor pensar de novo.

Acesso grátis ao Atlas do agronegócio transgênico no Cone Sul

Monoculturas, resistência e propostas dos povos

atlas

A introdução da soja transgênica no Cone Sul (e, quase simultaneamente, do milho transgênico) significou a imposição maciça de monoculturas em um vasto território, avançando a grande velocidade, como nunca havia acontecido na história da agricultura. Ao mesmo tempo, cresceu o uso do principal herbicida associado a essas culturas: o glifosato. Esse crescimento teve conseqüências dramáticas na saúde dos habitantes das comunidades próximas às produções, bem como nos solos e na biodiversidade. 

Neste atlas, desenvolvemos diferentes aspectos de um modelo que envolve a concentração de terras e a criminalização dos camponeses, a destruição de ecossistemas e economias regionais, o controle oligopolista do mercado por um punhado de empresas e o impacto do agronegócio nos corpos de mulheres.

Também abordamos as resistências, propostas e alternativas que surgem de dois modelos disputados: um que, baseado na agricultura industrial, tenta transformar a agricultura e nossos alimentos em uma mercadoria. Ao contrário de outro, que, com a ajuda de organizações camponesas, povos indígenas e agricultores familiares, busca recuperar a produção de alimentos saudáveis ​​para garantir o direito à alimentação, de mãos dadas com um modelo camponês de produção agroecológica.

Faça o download do ATLAS EM FOLHA ÚNICA Aqui!
FAÇA O DOWNLOAD DO ATLAS EM FOLHA DUPLA:  Aqui!

fecho

Este material foi publicado originalmente em Espanhol pela Alianza Biodiversidad [Aqui!].

Motosserras e cadeias de suprimentos: Como grandes empresas de carne e soja podem parar o desmatamento na Amazônia

Eles não cortam árvores da Amazônia, mas seus fornecedores cortam

pasto queimando

As emissões mundiais de dióxido de carbono podem cair 7% este ano devido a bloqueios em resposta à pandemia, segundo a revista Nature Climate Change. O Brasil é uma exceção gritante. Suas emissões aumentarão de 10 a 20% a partir de 2018, quando foram medidas pela última vez, diz o Observatório do Clima, um consórcio de equipamentos de pesquisa. O culpado é o desmatamento. Nos primeiros quatro meses de 2020, foram estimados 1.202 quilômetros quadrados (464 milhas quadradas) na Amazônia brasileira, 55% a mais do que no mesmo período de 2019, que foi o pior ano de uma década. Em agosto, quando os fazendeiros atearam fogo em áreas limpas para prepará-los para pastar, as chamas fugitivas poderiam superar os que chocaram o mundo no ano passado. Os cientistas dizem que a perda de árvores está chegando a um “ponto de inflexão”, após o que as árvores secam e morrem, liberando bilhões de toneladas de carbono na atmosfera.

Ambientalistas culpam o presidente populista do Brasil, Jair Bolsonaro, pela catástrofe. Ele é favorável à desregulamentação para permitir a extração de madeira, mineração e agricultura na floresta e enfraqueceu a aplicação das leis ambientais. Menos atenção foi dada ao papel de grandes empresas como a JBS e a Cargill, intermediárias globais de carne bovina e soja, os produtos que impulsionam o desmatamento (veja Detalhes gráficos).

soja desmata

Grandes empresas do agronegócio compram a maior parte da produção de soja em municípios onde muitas árvores foram cortadas ilegalmente

As empresas não cortam árvores. Em vez disso, são intermediários em cadeias de suprimentos complexas que lidam com soja e carne bovina produzida em terras desmatadas. O processo começa quando os especuladores, que tendem a operar fora da lei, compram ou capturam terras, vendem a madeira, colocam gado para pastar por vários anos e depois a vendem para um produtor de soja. As terras na Amazônia são cinco a dez vezes mais valiosas quando desmatadas, diz  o pesquisador Daniel Nepstad. Não derrubar árvores teria um grande custo de oportunidade. Em 2009, Nepstad estimou que o custo (em termos de produção perdida de carne bovina e soja) seria de US $ 275 bilhões em 30 anos, cerca de 16% do PIB desse ano.

Sob pressão da opinião pública, as grandes empresas tentaram controlar o problema. Em 2009, um relatório contundente do Greenpeace levou JBS, Marfrig e Minerva, gigantes da carne que, juntos, controlam dois terços das exportações brasileiras, a se comprometer a parar de comprar de fornecedores que desmatam ilegalmente. (O código florestal permite que os proprietários limpem 20% de suas terras.) A JBS, que é originária de uma área na Amazônia maior que a Alemanha, diz que bloqueou 9.000 fornecedores, usando satélites para detectar a limpeza. Negociantes de soja como Cargill e Bunge usam esses sistemas para fazer cumprir um acordo de desmatamento zero para a região desde 2008, quando empresas de varejo como McDonald’s e Tesco disseram que não comprariam mais soja amazônica colhida em terras desmatadas.

the economist graph

Esses acordos contribuíram para um declínio acentuado na taxa de perda de árvores até 2012 (ver gráfico). Antes da “Moratória da Soja”, 30% dos novos campos na Amazônia envolviam a derrubada de florestas. Nos oito anos após a assinatura, 99% da expansão da soja ocorreu em terras já sem árvores. Mas, alerta André Vasconcelos, da Trase, uma organização de pesquisa que acompanha as cadeias de suprimentos de commodities, o frenesi do desmatamento sob Bolsonaro pode reverter essa tendência.

A onda de desmatamento mostra que os acordos têm um calcanhar de Aquiles, diz Nepstad. As grandes empresas ainda não estão exercendo o controle que poderiam sobre todos os seus fornecedores. E mesmo se o fizessem, grandes quantidades de soja e, principalmente, carne bovina, são comercializadas por empresas menores, com incentivos mais fracos para convencer os agricultores a mudar o comportamento.

O problema é especialmente grave na pecuária, responsável por aproximadamente 80% do desmatamento na Amazônia, quase todo ilegal. “As vacas se movimentam”, explica Paulo Pianez, da Marfrig. Todas as fazendas de engorda compradas pelos grandes frigoríficos têm, em média, 23 de seus próprios fornecedores, diz Holly Gibbs, da Universidade de Wisconsin. O monitoramento atual não abrange os pecuaristas que criam e pastam gado, por isso perdem 85 a 90% do desmatamento. Fazendas de engorda desonestas também podem “lavar” o gado, movendo-o para fazendas legais – talvez próprias – antes de vendê-las. Um novo relatório do Greenpeace alega que, por meio desse mecanismo, a Marfrig e a Minerva acabaram vendendo carne bovina de fazendas que desmataram uma reserva protegida da Amazônia na fronteira entre o Brasil e a Bolívia. Eles disseram que não sabiam de nenhuma ilegalidade.

O desmatamento causado pela soja afeta mais diretamente o Cerrado, a savana tropical que fica localizada a sudeste da floresta tropical. No Mato Grosso, estado que atravessa a Amazônia e o cerrado, 27% do desmatamento entre 2012 e 2017 ocorreu em fazendas de soja, de acordo com um novo relatório da Imaflora e do Instituto Centro de Vida (ICV), institutos de pesquisa brasileiros e Trase . O estado fornece um terço das importações de soja da UE do Brasil. Noventa e cinco por cento da clareira nas fazendas de soja eram ilegais. Um terço ocorreu na Amazônia, revelando uma lacuna na moratória da soja. Como abrange apenas as terras onde a soja é plantada, um agricultor que ilegalmente limpa outra parte de sua fazenda – digamos, para gado – pode continuar vendendo para comerciantes, que esmagam e exportam a soja.

André Nassar, da Abiove, um órgão de lobby da indústria da soja, destaca que a área de novos campos de soja plantados em áreas desmatadas no cerrado caiu: de 215.000 hectares por ano em 2000-06 para 79.000 hectares em 2013-18 . O setor deve distinguir o desmatamento legal do ilegal, diz ele – não faz monitoramento anual no Cerrado -, mas fazendas em embarque são de responsabilidade do governo. No entanto, a Bunge e a Cargill prometeram obter somente terras que não foram desmatadas, legal ou ilegalmente. Eles perderam o prazo de 2020, mas planejam ter sucesso em 2025 e 2030, respectivamente.

Talvez as empresas se moveriam mais rápido se sentissem mais pressão de clientes e investidores. Uma das razões pelas quais os gigantes da soja parecem mais sérios do que os produtores de carne para reduzir o desmatamento, diz Maria Lettini, da FAIRR, uma rede de investidores preocupados com a sustentabilidade, é que a maior parte da soja é exportada. A União Europeia é o segundo destino depois da China. Mas as empresas lutam para que as pessoas paguem mais por uma “mercadoria oculta”, diz Juliana Lopes, da Amaggi, uma gigante brasileira da soja. “Você sabe que suas roupas são feitas de algodão e seu chocolate é de cacau”, diz ela. Mas poucas pessoas pagam mais por frango feito com soja sustentável, o que explica por que apenas 2-3% é certificado como livre de desmatamento. Rotular melhor poderia ajudar, diz ela.

Em contrapartida, quatro quintos da carne brasileira são consumidos no Brasil. As exportações vão principalmente para a China, Rússia e Oriente Médio, onde alimentar pessoas é uma prioridade mais alta do que salvar árvores. Os investidores, por sua vez, vêem as empresas de carne bovina como negócios não-sexy, com margens finas. Eles não exigiram grandes esforços para reduzir o desmatamento, diz João Paulo Dibo, da Rio Bravo Investimentos, gerente de ativos em São Paulo. Sexy ou não, os produtores de carne estão indo bem. Enquanto os preços das ações no Brasil caíram 18% este ano, a Marfrig viu seu preço subir 27% e o Minerva recuperou o que perdeu no início da pandemia. A jbs, a maior frigorífica do mundo, disse que 2019 foi o ano mais lucrativo de todos os tempos.

Morgan Stanley, Itaú e Santander se recusaram a discutir empresas de soja e carne com o The Economist. Um novo relatório de 58 páginas do Itaú recomenda investir na JBS, Marfrig e Minerva. (Ele não contém a palavra “desmatamento”.) Isso reflete “miopia” no momento em que o investimento em indústria sustentável está se expandindo rapidamente, diz Fabio Alperowitch, da Fama Investimentos. É um dos 230 fundos com mais de US$ 16 trilhões em ativos que assinaram uma carta após os incêndios do ano passado pedindo às empresas que parem o desmatamento. A BlackRock, um dos dez principais acionistas da JBS, não assinou, apesar de estar desinvestindo do carvão.

A turbulência econômica torna improvável que as empresas gastem muito no combate ao desmatamento, diz Marcello Brito, da Associação Brasileira do Agronegócio. “Os acionistas não querem isso”, diz ele.

Apesar desse desânimo, as empresas dizem que estão progredindo. Os frigoríficos afirmam que estão trabalhando para cumprir sua promessa, feita em 2009, de expandir o rastreamento para fornecedores indiretos. Uma idéia é usar licenças de trânsito de animais, que rastreiam as vacinas à medida que o gado é passado entre fazendeiros, para sinalizar o desmatamento. Mas o Ministério da Agricultura ainda não concordou. o Frigorífico Minerva está considerando usar uma ferramenta desenvolvida pela Universidade de Wisconsin, chamada Visipec, para mapear fornecedores, identificar regiões com alto desmatamento e priorizar fornecedores em outras áreas. O Minerva obtém 30% de sua carne bovina através da criação de ciclo completo, o que pode garantir que é livre de desmatamento. As restrições comerciais podem realmente beneficiar as principais empresas, diz seu diretor de sustentabilidade, Taciano Custodio. “Estamos melhor posicionados para nos adaptarmos.”

Mas a mudança dos três principais frigoríficos não garante uma redução no desmatamento, porque eles representam menos da metade do mercado. “Quando bloqueamos um fornecedor, ele pode atravessar a rua e vender para outro matadouro”, diz Márcio Nappo, da JBS. O progresso de toda a indústria exigirá melhor aplicação e incentivos para os pecuaristas. “Temos que tornar a produção sustentável como um todo”, diz Pianez.

Esse sentimento é ecoado na indústria da soja, onde reprimir o desmatamento é logisticamente simples, mas politicamente difícil. Segundo o estudo de Mato Grosso, 80% do desmatamento ilegal ocorreu em 400 fazendas, 2% do total. Eles são “frutos baixos” para a ação, diz Vasconcelos. Mas dois anos de negociações sobre a expansão da moratória para o cerrado pararam. De acordo com os produtores de soja, as empresas multinacionais falharam em arrecadar US$ 250 milhões para lançar um fundo para compensar os agricultores que retêm florestas. “Eles exigem, exigem, exigem, mas não oferecem nada em troca”, reclama Ricardo Arioli.

A Cargill diz que gastará US$ 30 milhões em maneiras de parar o desmatamento em todo o setor. Marfrig e Amaggi estão apoiando uma iniciativa lançada pelo governo de Mato Grosso em 2015 para reduzir o desmatamento por meio de uma “abordagem da paisagem”. Fernando Sampaio, diretor do comitê, que inclui ONGs e empresas, diz que os municípios que reduzem o desmatamento receberão assistência técnica e crédito e mais negócios das grandes empresas, incentivando outras a seguir. Mas embora a taxa de desmatamento no estado entre agosto de 2018 e julho de 2019 tenha diminuído 4% em relação ao ano anterior, a iniciativa parece estar muito aquém de sua meta de acabar com o desmatamento ilegal até 2020: 85% dos 1.685 km2 desmatados foram feitos de forma ilegal.

Entre os maiores obstáculos ao progresso está a falta de cooperação do governo federal. Em um vídeo de uma reunião de gabinete divulgada em abril pelo Supremo Tribunal Federal, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, pediu ao governo que “empurre” a desregulamentação enquanto as pessoas se distraem com a pandemia. Uma mudança de regra na Fundação Nacional do Indio permite que os proprietários reivindiquem pedaços de territórios indígenas que aguardam demarcação oficial. Até a moratória da soja na Amazônia parece instável. Aprosoja, um lobby dos produtores, ameaçou abandoná-lo (porque proíbe o desmatamento legal). A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, chamou isso de “absurdo”.

Reduzir o desmatamento exigirá consenso sobre questões complicadas, como o destino de dezenas de milhares de colonos pobres em terras públicas na Amazônia, onde metade do desmatamento ocorre. No entanto, ambientalistas dizem que o projeto de “regularização fundiária” atualmente no Congresso também concederia títulos para grandes áreas desmatadas a “grileiros”, enviando a mensagem de que uma nova limpeza também pode ser aprovada. Uma versão anterior do projeto foi rejeitada em 20 de maio, depois que os supermercados britânicos ameaçaram boicotar produtos brasileiros.

Embora ainda fracos, esses ruídos estão ficando mais altos. Eles acrescentam ao argumento de que as empresas devem fazer mudanças não apenas por razões éticas, mas também por razões comerciais. Os supermercados podem acelerar as coisas dizendo aos consumidores de onde vêm a carne e a soja. A integração de agricultores e pecuaristas exigirá o equilíbrio certo de pressão e incentivos. As empresas têm alavancagem, insiste Gibbs. Há uma década, depois da JBS, a Marfrig e a Minerva se comprometeram a eliminar os fornecedores que desmataram, mais de 30 outras empresas de carne bovina assinaram acordos semelhantes. “Se você conseguisse que uma grande empresa desse o primeiro passo, outras seguiriam”,  ela prevê. ■

______________________

Este artigo foi originalmente escrito em inglês e publicado pela revista “The Economist” [Aqui!].

TV alemã mostra “A conexão da soja”

die soja

Com cerca de 25 milhões de animais anualmente, a Alemanha é o quinto maior criador de porcos do mundo. Como as plantas forrageiras produzidas aqui na Alemanha são insuficientes, os engordadores alemães intensivos dependem de ração animal contendo proteínas do exterior, soja da América, especialmente do Brasil. O farelo de soja da soja transgênica é o produto agrícola importado mais importante na Alemanha e na União Européia.

Soja brasileira como ração

soja 1Destruição da floresta tropical para cultivo de soja na região amazônica do Brasil.

Mais de 80% disso é destinado à produção de carne – para que os porcos da Baixa Saxônia ganhem peso o mais rápido possível. Os repórteres Gesine Enwaldt e Eberhard Rühle percorreram a trilha da soja, desde o criador de suínos da Baixa Saxônia até o seu local de produção no Brasil. As redes de varejo não são transparentes, ninguém sabe exatamente em que condições a soja foi produzida. Os comerciantes de ração confiam nas informações fornecidas pelos produtores de soja do Brasil.

No estado brasileiro de Mato Grosso, a paisagem é particularmente sombria: ao longo de centenas de quilômetros de monoculturas de soja no horizonte, que só podem ser obtidas produtivamente com o uso de milhões de toneladas de fertilizantes artificiais e pesticidas. Sobre o que quase ninguém ousa falar: as anormalidades em recém-nascidos e o câncer estão aumentando.

Destruição da floresta tropical para cultivo de soja

soja 2

Colheita de soja no estado de Mato Grosso, a principal região produtora de soja do Brasil.

É quase impossível responder à questão de quanta floresta tropical foi desmatada para nossa alimentação animal. A ONG sueca Trase tenta tornar as rotas comerciais da soja mais transparentes com uma combinação de diferentes conjuntos de dados. EmOs principais comerciantes de soja estão destacados no Anuário Trase . Aqui você pode ver quanto desmatamento por hectare está associado a uma tonelada de soja dos diferentes estados brasileiros – e para onde essa soja é entregue.

Por exemplo, 1.500 hectares de desmatamento em 2017 estão associados a entregas de soja do estado brasileiro da Bahia que vão diretamente para a Alemanha. E as operações de corte e queima haviam se multiplicado novamente em 2020. A soja que chega à Alemanha de outros países europeus não está incluída no Trase. Os dados terminam nos portos europeus – o comércio intra-europeu não é levado em consideração por lá.Um estudo da agência holandesa de sustentabilidade Profundo tenta lançar luz sobre a distribuição na Europa.

Consequências devastadoras também para os povos indígenas

soja 3

Membros do povo Kaiowá perto da cidade de Dourados, no Brasil. Eles foram expulsos à força de suas terras pelos fazendeiros de soja.

A área contaminada por agrotóxicos continua a avançar em direção à região amazônica ano após ano.  O ano de 2019 foi o pior ano de corte e queima em uma década. Os povos indígenas são expulsos pela força. Eles dizem que não apenas suas áreas protegidas estão em risco, mas suas vidas também estão . E tudo isso para que nossos porcos da Baixa Saxônia ganhem peso o mais rápido possível?

Os comerciantes de ração da Baixa Saxônia  estão mudando para  usar menos soja. Reine Gesine Enwaldt aprendeu com Neuland-Schweinemäster que também é possível  criar seus animais sem a soja. Ele alimenta seus animais com proteínas locais e mantém menos animais.

_________________________

Este artigo foi inicialmente publicado pela Norddeutscher Rundfunk [Aqui!].

Hegemonia chinesa e alta presença de agrotóxicos banidos caracterizam primeira rodada de liberações de 2020

agrotóxicos

Já comentei anteriormente a liberação de 16 agrotóxicos por meio do Ato No 13 de 2020 da Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/Secretaria de Defesa Agropecuária (Mapa).  Mas como houve no mesmo dia, a promulgação do  Ato No 12, resolvi analisar a lista de 32 produtos que tiveram sua comercialização liberada por essa publicação.

Pois bem, a primeira coisa notável é que todos os 32 produtos (dos quais 2 são hormônios vegetais) são produtos técnicos, os quais passarão por outras etapas de preparo até serem colocadas no mercado.   Acrescido a isso, está o fato de que empresas localizadas na China respondem a 87,5% dos fabricantes primários, e basicamente os únicos, de todos os produtos técnicos liberados pelo Ato No 12 (ver gráfico abaixo).

origem país

Não bastasse essa clara predominância chinesa, pude notar que apenas três empresas chinesas fornecem 65% dos produtos aprovados, o que configura uma clara concentração nos fornecedores, o que poderá ter implicações sérias para os importadores brasileiros, tanto em termos de oferta como de preço dessas substâncias.

Além disso, no tocante ao status na União Europeia, 37,5% dos produtos aprovados contém ingredientes ativos que estão proibidos pelo bloco (ver figura abaixo).

status eu

Há ainda que destacar que o famigerado Fipronil, apontado como um dos agrotóxicos responsáveis pelo extermínio de abelhas no Brasil, teve 8 produtos liberados pelo Ato No 12, e curiosamente 6 deles com submissão realizada pela mesma empresa, a AllierBrasil Agro Ltda., sediada na cidade de São Paulo, e que tem como única fornecedora a empresa chinesa Lianyungang Avilive Chemical Co., Ltd.

Trocando em miúdos, a se considerar as características apontadas acima, o que vemos é um aprofundamento da influência da indústria chinesa no fornecimento de agrotóxicos (muitos deles banidos em outras partes do mundo) para saciar as necessidades de consumo do latifúndio agroexportador. Por outro lado, a China é a principal parceira comercial brasileira na aquisição de commodities agrícolas como a soja (que curiosamente responde por mais de 50% do consumo de agrotóxicos no Brasil. Resta saber quem está ganhando mais dinheiro com essa parceria envenenada. De cara, me parece que não é o Brasil que, na prática, acaba ficando com um enorme passivo ambiental e social por causa da parceria.

Quem desejar a conhecer a lista completa dos 32 agrotóxicos liberados pelo Ato No 12 de 2020, basta clicar [Aqui!]

Soja, milho e algodão tornam o Brasil líder mundial em consumo de agrotóxicos altamente perigosos

Investigação revela quase dois terços das vendas de agrotóxicos altamente perigosos no Brasil foram impulsionadas pela soja usada para alimentação animal, em meio a temores de problemas saúde e mortes em massa de abelhas

silosUm silo de soja no “Anel da Soja”, um trecho de plantações, instalações de processamento e centros de distribuição no estado da Bahia, na região do Cerrado no Brasil. Foto: Victor Moriyama / Greenpeace

Por Crispin Dowler

As vastas monoculturas de soja, milho e algodão do Brasil o transformaram no mercado mais importante do mundo para agrotóxicos altamente perigosos, (HHPs) segundo uma investigação conjunta da Unearthed e da ONG suíça Public Eye.

Essa foi uma das principais conclusões de uma análise de mais de US $ 20 bilhões em dados de vendas de agroquímicos, cobrindo compras em mais de 40 países de produtos líderes nos mercados de pesticidas mais valiosos.

A análise das vendas de 2018 constatou que o Brasil – lar de até 20% da biodiversidade restante do mundoé o maior consumidor de agrotóxicos classificados como seriamente perigosos para a saúde ou o meio ambiente. Esses riscos incluíam toxicidade aguda para seres humanos, riscos de exposição crônica, como câncer ou falha reprodutiva, alta persistência no ambiente e alta toxicidade para as abelhas.

Quase dois terços desses gastos brasileiros com HHPs foram para as vastas monoculturas de soja do país, cultivadas para atender à demanda global de ração animal para galinhas, porcos, vacas e peixes.

“Onda catastrófica”

As descobertas foram feitas após a recente visita do relator especial da ONU ao Brasil, alertando para uma “epidemia de envenenamento por agrotóxicos” no país e acusando seu governo de desencadear “uma onda catastrófica de agrotóxicos, desmatamento e mineração tóxicos que envenenarão gerações”.

Em seu primeiro ano no cargo, o presidente brasileiro de extrema direita e aliado do agronegócio, Jair Bolsonaro, avançou medidas para relaxar seus já fracos controles sobre agrotóxicos e permitiu um aumento acentuado no desmatamento da floresta amazônica.

No início deste mês, o candidato ao Prêmio Nobel e o líder indígena brasileiro de renome mundial, Raoni Metuktire, pediu ao governo do Reino Unido que imponha duras regras comerciais sobre as importações de soja para alimentação animal.

Em uma reunião com o ministro internacional do meio ambiente e florestas, Zac Goldsmith, o chefe Raoni alertou que o cultivo de soja no Brasil havia se expandido rapidamente no ano passado com o incentivo do governo Bolsonaro – tudo usando “enormes quantidades de agrotóxicos” e uma “grande parte “em reservas indígenas”“.

Um documento informativo para a reunião visto pela Unearthed pedia ao Reino Unido que “aplicasse tarifas e regras comerciais fortes sobre agrotóxicos na soja da região amazônica” e “proibisse a soja cultivada ilegalmente em territórios indígenas”.

Em 2018, o Reino Unido importou 449.867 toneladas de soja do Brasil e 59.104 toneladas de farelo de soja triturado, de acordo com a Mesa Redonda sobre Soja Sustentável.

Brazilian Indigenous Groups Lobby British PM To Condemn BolsonaroDavi Kopenawa Yanomami, Raoni Metuktire e Megaron Txucarramae conversam com a mídia do lado de fora da Número 10 Downing Street depois de entregar uma petição no início de fevereiro deste ano, pedindo ao primeiro-ministro Boris Johnson que condene as “tentativas do presidente Jair Bolsonaro de destruir nossas terras e vidas”. Foto: Peter Summers / Getty

CropLife no Brasil

A Public Eye, uma ONG que investiga violações de direitos humanos por empresas suíças, e a Unearthed trabalharam juntas para vasculhar um enorme conjunto de dados de US $ 23,3 bilhões em vendas de agroquímicos para vendas de HHPs.

A análise, dos dados obtidos da principal empresa de inteligência do agronegócio Phillips McDougall, identificou vendas de US $ 9,9 bilhões em pesticidas listados na lista de HHPs de 2019 da Pesticide Action Network.

Mais de um quinto dessas vendas de HHPs – US $ 2,2 bilhões – ocorreram apenas no Brasil, tornando-o o maior consumidor de agrotóxicos altamente perigosos do mundo. Os dados de Phillips McDougall cobrem menos da metade do mercado total de agroquímicos no Brasil, portanto o valor em dólar real do comércio de HHPs no Brasil provavelmente deve ser mais do que o dobro desse valor.

As cinco maiores empresas de agroquímicos do mundo – Syngenta, Bayer, BASF, Corteva e FMC – responderam por quatro quintos de todas as vendas de agrotóxicos do Brasil no banco de dados e três quartos das vendas de HHPs no país.

Muitos dos HHPs mais vendidos por essas empresas no Brasil são proibidos em seus países de origem.

Eles incluem os inseticidas neonicotinóides da Bayer e da Syngenta, proibidos permanentemente para uso ao ar livre na União Europeia em 2018 devido à sua toxicidade para as abelhas.

Eles também incluem o Paraquat da Syngenta, um dos agrotóxicos mais perigosos do mundo e suspeito de causar o Mal de Parkinson.

Esses gigantes agroquímicos compõem a maior parte dos membros da Croplife International, um grupo de lobby poderoso e bem financiado. A organização argumenta que seus membros só deixam HHPs no mercado em locais onde o risco pode ser gerenciado.

Mas o relator especial das Nações Unidas sobre produtos tóxicos, Baskut Tuncak, rejeitou a ideia de que era possível usar agrotóxicos perigosos com segurança no Brasil.

“A dura realidade é que o Brasil não possui nem os sistemas de governança nem a capacidade financeira e técnica no momento para fornecer uma garantia razoável de que eles serão usados com segurança”, disse ele à Unearthed e à Public Eye.

“O governo simplesmente não pode monitorar o que acontece em centenas de milhares de propriedades agrícolas existentes no Brasil”.

“Em vez de elevar os padrões de governança para impedir a exposição humana e o colapso da biodiversidade, o governo tornou a situação mais difícil com mudanças recentes e propostas recorrentes a tornariam ainda pior.”

Soya Production in the Cerrado Region, Brazil Cerrado Brasileiro e Produção de SojaPlantações de soja se alastram no município de Riachão das Neves, na região do Cerrado. A área faz parte do “Anel de Soja” do Brasil. Foto: Marizilda Cruppe / Greenpeace

Tuncak, um especialista independente da ONU em direitos humanos e substâncias perigosas, divulgou resultados preliminares de sua visita ao Brasil em dezembro.

Ele disse à Unearthed e Public Eye que os impactos à saúde do uso de agrotóxicos no Brasil eram “predominantes”. “Por exemplo, as comunidades estão sendo expostas regularmente a agrotóxicos por pulverização aérea, incluindo casas e escolas, sofrendo sintomas de envenenamento agudo e, sem dúvida, efeitos crônicos para muitos também”.

Ele acrescentou que “um grande número de afetados” parecia ser “comunidades afro-brasileiras e indígenas minoritárias”.

Larissa Bombardi, professora do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo, disse à Unearthed que a enorme quantidade gasta em pesticidas e HHPs para soja foi parcialmente impulsionada pela enorme quantidade de terra destinada a essa monocultura.

O Brasil agora tem mais terras transformadas em soja do que a superfície da Alemanha. No ano passado, as plantações de soja no Brasil se espalharam em um milhão de hectares, para um recorde de 36,9 milhões de hectares, segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. O Brasil deve ultrapassar os EUA este ano como o principal produtor mundial de soja.

Além disso, a professora Bombardi disse que mais de 90% da soja cultivada foi geneticamente modificada para ser resistente a herbicidas como o glifosato, permitindo que eles sejam pulverizados com mais intensidade sem danificar a colheita.

O glifosato, que foi rotulado como “provável cancerígeno para seres humanos” pela Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer (IARC) em 2015, foi de longe o HHP mais vendido pelo grupo CropLife no Brasil, com as vendas da Bayer e da Syngenta representando cerca de 24% dos produtos da CropLife. HHP liderando as vendas de produtos.

A Bayer Crop Science, que dominou o mercado global de glifosato com a aquisição da Monsanto em 2018, nega que o produto químico seja cancerígeno.

Beehives in the Cerrado Biome, Brazil Comunidades e cultura do CerradoColméias pertencentes a uma comunidade que vive no bioma Cerrado. Nossa investigação encontrou pelo menos 19 produtos químicos vendidos pelas empresas CropLife no Brasil que são classificados como altamente tóxicos para as abelhas pela EPA dos EUA. Foto: Marizilda Cruppe / Greenpeace

O segundo agrotóxico altamente tóxicos (HHPs) vendido pelas empresas CropLife no Brasil foi o tiametoxam, da Syngenta, com sede na Suíça, um inseticida neonicotinóide que foi permanentemente banido do uso externo na UE em 2018.

Uma publicação de 2019 da Organização Mundial da Saúde e da Organização para a Agricultura e Alimentação sobre HHPs alertou que havia um “corpo de evidências que cresce rapidamente” de que “os níveis existentes de contaminação ambiental” por neonicotinóides “estão causando efeitos adversos em larga escala nas abelhas e outros insetos benéficos”.

A professora Bombardi disse que era “muito preocupante” o governo Bolsonaro ter autorizado novos produtos neonicotinóides, mesmo quando proibidos em outros lugares. Segundo ela, as abelhas agem como um “termômetro” para medir a saúde de outras populações de insetos, porque a “atividade econômica” da produção de mel significava que mantivemos um melhor controle das mortes de abelhas.

“A biodiversidade depende da existência de insetos. Portanto, se as abelhas estão morrendo, o mesmo ocorre com os outros insetos polinizadores. Portanto, há um risco tremendo para a diminuição da biodiversidade.”

Cerca de três quartos das culturas alimentares do mundo dependem pelo menos em parte da polinização por insetos. Os cientistas alertam que um número crescente de espécies de polinizadores está sendo levado à extinção.

No ano passado, as mortes em massa de abelhas no Brasil chegaram às manchetes mundiais, com os apicultores relatando a morte de mais de meio bilhão de abelhas em três meses.

Além dos neonicotinóides tiamethoxam e imidaclopride, fabricados pela Syngenta e Bayer, respectivamente, a investigação encontrou pelo menos 17 outros produtos químicos vendidos pelas empresas CropLife no Brasil que são classificados como altamente tóxicos para as abelhas pela Agência de Proteção Ambiental dos EUA.

Entre eles estavam o clorfenapir e o fipronil – outro produto químico que está associado a mortes em massa de abelhas – agrotóxicos que são fabricados pela gigante alemã de produtos químicos BASF.

 US $ 10 bilhões por ano

O mercado global total de agrotóxicos agrícolas em 2018 é estimado em torno de US$ 57,6 bilhões.

Os dados da Phillips McDougall obtidos pela Public Eye e Unearthed cobrem US$ 23,3 bilhões em vendas globais, ou cerca de 40% do total. A parcela dessas vendas atribuíveis ao Brasil é de US $ 4,2 bilhões, o que novamente representa cerca de 40% do mercado real do país. Estima-se que as vendas totais de agrotóxicos no Brasil estejam bem acima de US $ 10 bilhões por ano, tornando-se o maior gastador do mundo em agroquímicos.

Os dados são coletados dividindo o mercado de agrotóxicos do Brasil por culturas e tipos de pragas e identificando todos os “segmentos” do mercado que valem mais de US $ 10 milhões. Pesquisadores de mercado da Phillips McDougall, em seguida, coletam dados de vendas dos produtos mais vendidos nesses segmentos.

Isso significa que os dados não cobrem culturas menores – como frutas cítricas – e não cobrem o total de gastos com agrotóxicos em qualquer cultura. No entanto, mostra em detalhes os principais agroquímicos para as culturas que são os maiores mercados de pesticidas.

A análise desses dados nos principais agrotóxicos do Brasil revelou que mais da metade dos gastos (US $ 2,2 bilhões) foram destinados a HHPs.

As plantações de soja foram o destino da grande maioria desses agrotóxicos altamente tóxicos ou prejudiciais ao meio ambiente, representando quase dois terços (US $ 1,3 bilhão) dos gastos em HHPs. Os próximos maiores mercados brasileiros de HHPs foram o milho, a US $ 372 milhões (17%), seguido pelo algodão, a US $ 223 milhões (10%).

Praticamente nenhum desses agrotóxicos perigosos intensivos usa alimentos produzidos diretamente para os brasileiros. Globalmente, cerca de três quartos da soja são usados ​​como ração animal. Da mesma forma, apenas cerca de 2% do milho do Brasil é usado para consumo humano, com a grande maioria usada como alimento animal doméstico ou exportada.

Soya Transport Trucks in Bahia State, Brazil Cerrado Brasileiro e Produção de SojaNas margens da rodovia federal BR-242, no município de Luís Eduardo Magalhães, dezenas de caminhões de transporte aguardam o carregamento de soja. Foto: Marizilda Cruppe / Greenpeace

Três quartos de todos os gastos com HHPs no Brasil que foram identificados na investigação – US $ 1,6 bilhão – se destinaram para as cinco principais empresas da CropLife International.

Identificamos 38 HHPs diferentes vendidos no Brasil por essas empresas – todos sediados na Europa ou nos EUA – em 2018. Entre os principais produtos vendidos pelo grupo, estava a atrazina da Syngenta – um herbicida banido há muito tempo na União Europeia que “causou estragos no mercado. vidas sexuais de sapos“- e o ciproconazol, classificado pela UE como uma toxina reprodutiva da categoria 1b, presume-se capaz de causar defeitos congênitos em nascituros”.

Um porta-voz da Bayer Crop Science, agora um importante fornecedor de glifosato no Brasil e no mundo, disse que o herbicida não deve ser classificado como um pesticida altamente perigoso, simplesmente devido à sua classificação na IARC como um “provável carcinogênico humano”.

Ele acrescentou que “os principais reguladores de saúde em todo o mundo” – incluindo a Agência de Proteção Ambiental dos EUA e a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar – “concluíram repetidamente que nossos produtos à base de glifosato podem ser usados com segurança conforme as instruções e que o glifosato não é cancerígeno”.

Questionado sobre como a Bayer poderia justificar ganhar tanto com a venda de produtos químicos proibidos ou restritos na UE, ele respondeu que “a agricultura é muito diferente de região para região devido a diferentes climas, pragas, doenças e culturas”.

“No Brasil, por exemplo, os agricultores precisam gerenciar pragas, como ferrugem asiática da soja ou pressão de insetos que não existem na Europa”, continuou ele. “Como empresa de inovação, a Bayer está comprometida em desenvolver produtos específicos que atendam aos nossos altos padrões de segurança e às necessidades dos agricultores”.

O diretor de assuntos regulatórios internacionais da CropLife International, Christoph Neumann, disse à Unearthed que alguns dos ingredientes ativos da lista de pesticidas altamente perigosos da PAN International foram incluídos com base em critérios que não atendem às diretrizes da FAO e da OMS. “Os critérios citados pelo PAN geralmente são critérios ambientais que não foram acordados ou ainda endossados pela Reunião Conjunta da FAO / OMS sobre Gerenciamento de Pesticidas (JMPM)”, disse ele. “Os membros da CropLife International reconhecem o risco ambiental na avaliação de todos os pesticidas.”

Ele acrescentou que entre os 19 HHPs da CropLife mais vendidos, identificados na investigação da Unearthed e da Public Eye, todos foram registrados para uso em “pelo menos um país da OCDE” e 12 foram registrados para uso na UE.

Reportagem adicional de Lucy Jordan

_____________________________________________

Esta reportagem foi originalmente publicada em inglês pela Unearthed/Greenpeace [Aqui!].

A China quer comida. O Brasil paga o preço.

Os esforços nacionais da China para fortalecer a segurança alimentar têm um impacto muito além das fronteiras de um único país.

desmatamento 1Um agricultor brasileiro limpa o chão para impedir que o fogo atinja sua propriedade CRISTINA DE MIDDEL / MAGNUM PHOTO

Este artigo é uma colaboração entre o The Atlantic e o Pulitzer Center.

Por Melissa Chan e Heriberto Araújo

A Amazônia tende a evocar uma visão edênica – de uma terra misteriosa e impenetrável, grávida de feras de onças a sucuris, ricas em flora não descoberta. Mas parte disso é incongruente com essa reputação, onde grandes caminhões de plataforma passam por postos de gasolina em ruínas e cobertos de sujeira, e onde as terras antes cheias de árvores e a promessa de aventura na selva se transformaram em pastagem de gado ou campo de soja.

Estamos viajando por uma estrada, que por falta de imaginação, é chamada de BR-163. Acesse o Google Maps e aumente o zoom para o estado de Mato Grosso e encontre o fio fino da estrada que atravessa o estado. Ramificando-se, existem linhas marrons perpendiculares, todas elas  desmatadas, cortando e contrastando com a floresta verde escura. Essa rodovia é onde a agricultura e a selva amazônica se encontram.

A floresta tropical aqui no Brasil foi progressivamente vítima da demanda global por soja e carne bovina. E o maior cliente do país para ambos é a China. A história da Amazônia se enredou não apenas com a história da fraca proteção do Brasil em sua fronteira florestal, mas também com a ascensão dessa nova superpotência e sua estratégia de segurança alimentar. A soja é o elo fraco da China, a principal commodity de alimentos de que precisa no mundo exterior. O país importa a safra, que costuma usar para alimentar seus porcos, e as empresas estatais chinesas também investem diretamente na cadeia de suprimentos do Brasil, para que o país sul-americano possa aumentar suas próprias exportações. Essa crescente fome de soja incentivou os garimpeiros brasileiros a manter o ritmo arrasando a selva intocada, acelerando o desmatamento.

Essa dinâmica destaca algumas das tensões inerentes ao desafio de combater as mudanças climáticas. A classe média da China tem uma fome crescente de carne, levando a um aumento na demanda por soja. Para um país que se comprometeu a honrar o Acordo de Paris, as medidas de segurança alimentar da China são contrárias aos seus esforços ambientais, embora o acordo climático vise reduzir as emissões nacionais de carbono, ele não responde pelas atividades e responsabilidades dos signatários de outros países. E o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, argumenta que o país deve priorizar o crescimento econômico, mesmo que isso acarrete o custo de destruir a maior floresta tropical do planeta.

sinop

Sinop, um próspero município de 140.000 habitantes no norte de Mato Grosso e um centro de agricultura industrial, simboliza essa transformação. O local está em um estágio de desenvolvimento desfavorável – o Burger King realizou sua grande inauguração aqui recentemente e o McDonald’s está a caminho – mas também é uma economia avançada com comunidades  fechadas com casas milionárias que mostram desenhos modernos da metade do século. Junto com a soja e o gado, uma cidade extensa deslocou a floresta exuberante, com a cidade se encontrando com ela, e os moradores se orgulham disso.

“Somos campeões da soja e do gado”, vangloria-se Daniel Brolese. “A demanda da China é o que tranquiliza os agricultores daqui”. Brolese, vice-prefeito de assuntos econômicos, nos conduz pelas ruas, apontando quadras particulares de tênis e vôlei de praia. Nas calçadas, carros de luxo, de um Corvette Stingray a um Porsche Cayenne. Periodicamente, ele faz uma pausa na turnê para se concentrar em um novo projeto que, segundo ele, catapultará Sinop ainda mais e ajudará a impulsionar mais exportações para a China. “Ferrogrão”, diz ele, “não é questão importante para o desenvolvimento”.

Ele está se referindo a uma ferrovia com a qual os produtores sonham há muito: Ferrogrão – o “trem de grãos” – em português – transportaria soja do interior da Amazônia para seus portos fluviais ao longo do rio Tapajós e depois para o Oceano Atlântico. Há muito desejado pelos agronegócios e autoridades daqui, o projeto nunca teve o capital político e financeiro necessário do governo federal para avançar – os oponentes argumentaram que isso custou muito e beneficiou muito poucos. Mas duas coisas se juntaram que podem finalmente tornar Ferrogrão uma realidade: a eleição de Bolsonaro e a China.

O primeiro ano no poder de Bolsonaro foi caracterizado por recompensas por alguns de seus maiores patrocinadores de campanhas na Big Ag. Como Donald Trump, o líder populista brasileiro chegou ao poder em parte com o apoio do lobby agrícola, e Bolsonaro parece ver o meio ambiente principalmente como um recurso, apontando para a hipocrisia das próprias histórias dos países desenvolvidos para justificar sua estratégia na Amazônia. Ele desmantelou as leis de proteção ambiental, substituiu dezenas de funcionários do Ministério do Meio Ambiente por companheiros políticos e cortou drasticamente o orçamento para a aplicação da lei na selva. Ele acusou os grupos indígenas que estão trabalhando para preservar a Amazônia de manter reféns a prosperidade econômica em geral. As tribos que conhecemos ao longo de nossa jornada nos disseram que estavam se preparando para a batalha. Aos olhos dos ambientalistas, a presidência de Bolsonaro literalmente alimentou o desmatamento – eles culpam a permissividade do laissez-faire pelos incêndios extraordinários do verão passado. Em dezembro, houve um aumento de 183% na taxa de desmatamento em comparação com o mesmo mês do ano anterior.

Em uma das exibições mais tangíveis de suas prioridades, Bolsonaro enviou o exército à Amazônia para concluir a construção da BR-163, uma vez uma estrada de terra congestionada e lamacenta. Em um país acostumado a esperar incessantemente pelas promessas do governo, Bolsonaro concluiu o trabalho em poucos meses. Para as pessoas daqui, foi um marco: “Bolsonaro é o melhor presidente!”  diz o nosso motorista enquanto ele cruza a estrada recém-pavimentada em alta velocidade.

A BR-163 também está exatamente onde a China vê uma oportunidade para sua Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI). A estratégia global de desenvolvimento de infraestrutura prevê uma rede internacional de ferrovias, portos, oleodutos e outros megaprojetos que conectam a economia de Pequim ao mundo. Apoiados por financiamento de bancos estatais chineses, mais de 60 países se comprometeram ou manifestaram interesse em participar. O Brasil já possui dois acordos designados pelo BRI, ambos na Amazônia: um sistema de transmissão de alta tensão para distribuir energia da barragem de Belo Monte e uma expansão do porto de São Luís. Ferrogrão pode ser o terceiro.

Correndo de forma paralela à BR-163, o projeto ferroviário reduziria os custos de transporte em 40% e afastaria as semanas das datas de entrega, tornando o Brasil mais competitivo contra seu principal rival de soja, os Estados Unidos. Mas a um custo estimado de US $ 3,1 bilhões, o Brasil tem lutado para encontrar investidores. O governo Bolsonaro agora diz que tem o dinheiro, sugerindo que parte seria do fundo soberano da Arábia Saudita e também da China, que prometeu US$ 100 bilhões para projetos de infraestrutura e agronegócios brasileiros durante uma reunião de novembro do grupo BRICS – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Além disso, as empresas estatais chinesas, que têm projetos semelhantes em partes da África e Ásia, demonstraram interesse em Ferrogrão, com três delas indicando que concorriam a contratos de construção ferroviária. O Brasil planeja iniciar o processo de leilão este ano.

A marca do capitalismo estatal de Pequim significa que a China possui uma estratégia nacional para todos os setores, e seu plano quinquenal mais recente enfatiza a obtenção de “auto-suficiência básica” em grãos e “segurança alimentar absoluta”. Embora a China tenha conseguido melhorar a produção doméstica de arroz, trigo e outros produtos básicos, ainda depende de importações de soja para alimentar sua população de suínos, que inclui metade dos suínos do mundo. Os chineses adoram carne de porco. É a carne preferida deles, do dim sum de siu mai e da carne de porco agridoce ao leitão assado inteiro – tanto que o Partido Comunista Chinês mantém uma reserva estratégica de suínos, semelhante à Reserva Estratégica de Petróleo dos EUA, até garantir um suprimento constante. A escassez de carne de porco como resultado da peste suína do ano passado, que levou a um abate em massa, colocou Pequim na defensiva.

Se a China pudesse, plantaria sua própria soja. O grão rico em proteínas é fundamental para engordar os porcos, mas são necessárias cerca de 1.500 toneladas de água para produzir uma tonelada de soja, e o país tem fontes inadequadas de água para suprir a necessidade. A China “nunca será auto-suficiente em soja”, diz Michael Cordonnier, presidente da Soybean & Corn Advisor, uma empresa de consultoria em Illinois. “Não há como eles produzirem o suficiente para atender sua demanda.”

Então o país deve comprá-lo. Antes de Trump lançar sua guerra comercial contra Pequim, a China dependia da soja americana. O recente acordo comercial colocará as vendas de soja de volta nos trilhos – mas entre Trump e Bolsonaro, os chineses agora veem este último como um parceiro mais preferível e confiável. Acordo ou não, Pequim está mudando para o Brasil, onde agora compra de 70 a 80% de sua soja. A maior empresa de processamento de alimentos da China possui 7.500 funcionários no país sul-americano, com planos de expansão adicional.

Tecnicamente, o cultivo de soja não deve impulsionar o desmatamento da Amazônia, por causa da “moratória da soja“, um acordo intermediado entre o Greenpeace, o governo brasileiro e os agronegócios há mais de uma década atrás, quando os compradores se comprometeram a não comprar soja cultivada em terras desmatadas. . Por um tempo, o pacto levou a uma queda significativa na taxa de desmatamento.

Mas os garimpeiros aproveitaram o fraco estado de direito e a aplicação de políticas ambientais para encontrar uma maneira criativa de continuar lucrando: primeiro eles derrubavam árvores para dar lugar ao gado e, depois de alguns anos usando os campos como pastagens, eles os converteria para cultivar soja. A rigor, a terra não seria mais “recém-colhida” e a moratória da soja se manteria. Mesmo os agronegócios comprometidos com a moratória lutam com a responsabilidade ao coletar informações. A criação de gado agora é oficialmente o maior motor do desmatamento na Amazônia, tanto porque existe uma demanda internacional crescente genuína por carne bovina quanto porque os desenvolvedores estão planejando um eventual desenvolvimento da soja.

retouched/Q.C.  CWL

8200 ScannerUma floresta em pé no Brasil cercada por terras desmatadas para agricultura e produção de soja. Fotos de Alex Webb / Magnum

Mesmo que o governo e os produtores brasileiros aumentem a produção de soja, eles ainda precisarão superar gargalos logísticos. É por isso que a Ferrogrão é crucial. O trem abriria uma nova rota de transporte do norte, terminando ao longo do Tapajós, um afluente do rio Amazonas. Isso permitiria a expansão e movimentação de 40 milhões de toneladas adicionais de safras para a China, Europa e outros mercados até 2050. Juntamente com a revisão do porto de São Luís e outros cinco principais portos novos ou em expansão, o objetivo do O “Arco do Norte”, como a rota é conhecida aqui, é aproveitar o poder do sistema do rio Amazonas, o maior do mundo. O ministro da Infraestrutura do Brasil, Tarcísio Gomes de Freitas, que considerou Ferrogrão um divisor de águas para o agronegócio, nos disse que não havia motivo para preocupação, que a nova infraestrutura pode ser “sustentável” e será construída “sem derrubar uma única árvore”.

Ainda assim, o plano ambicioso preocupa ambientalistas e tribos indígenas que vivem em reservas da Amazônia. O caminho da Ferrogrão também atravessaria um parque nacional. Dados oficiais mostram que, embora a taxa de desmatamento tenha diminuído em alguns anos, o quadro geral é de uma diminuição contínua da Amazônia. Erradicar a extração ilegal de madeira na Amazônia até 2030, uma promessa feita anteriormente pelo Brasil para combater as mudanças climáticas, agora parece uma promessa precária sob o governo Bolsonaro.

A China não é o único ator nessa situação. O agronegócio  brasileiro opera  há muito tempo na Amazônia, e a gigante agrícola americana Cargill administra seus maiores fora dos EUA ali e quer ver a Ferrogrão construída. O chefe de operações portuárias da empresa, Clythio Backx Van Buggenhout, nos disse que a ferrovia seria “um grande salto em frente na logística do agronegócio”.

Mas a China ainda é o maior parceiro comercial do Brasil, comprando não apenas a maioria de sua soja, mas também metade de suas exportações de carne bovina. Em conjunto com a estratégia de segurança alimentar de Pequim e seus planos de infraestrutura, seu grande impacto na Amazônia merece cuidadoso exame e contabilidade. Até agora, a China ficou em silêncio, inclusive durante os incêndios do verão passado. Quando perguntado sobre o papel da China na destruição da Amazônia, por mais indireta que seja, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores Geng Shuang disse apenas: “A correlação é nova para mim”. A embaixada chinesa no Brasil não respondeu aos nossos pedidos de comentários.

Com tantos jogadores poderosos, os defensores da linha de frente da Amazônia parecem insignificantes e impotentes em comparação.

Dôto Takakire é um deles. Líder da tribo indígena Kayapó, um grupo com status especial protegido e propriedade de uma faixa da Amazônia perto do caminho projetado de Ferrogrão, ele passou a maior parte de sua vida lutando contra invasões no território de seu povo. Ele acredita que Pequim é o único jogador com influência real sobre Bolsonaro. “A China deveria parar com isso”, diz Dôto. “A China deveria dizer a Bolsonaro: ‘Só compraremos se você respeitar o que foi preservado nas reservas indígenas e na floresta amazônica, conforme estabelecido por lei'”.

E se a China não? “Não vamos parar de lutar”, diz ele.

Em todo o mundo, ambientalistas e governos dedicados ao combate à emergência climática podem torcer por esses cruzados. No entanto, falar com ele no coração da Amazônia apenas ressalta o quão distante e abstrata a comunidade global se sente e o quão solitário e pequeno ele e seu povo são quando enfrentam os gigantes da Amazônia.

Renata Magnenti e Yun Jiang contribuíram com reportagem.

 ————————————–

MELISSA CHAN é uma repórter focada em questões transnacionais, geralmente envolvendo a influência da China além de suas fronteiras. Sediada na cidade de Nova York e Berlim, ela é colaboradora do Global Reporting Center e trabalhou anteriormente para a Al Jazeera English e Al Jazeera America.  

HERIBERTO ARAÚJO reporta principalmente na América do Sul, com foco especial na floresta amazônica. Anteriormente baseado em Pequim e no Rio de Janeiro, ele é autor de três livros sobre a expansão global da China, incluindo o “Exército Silencioso da China”.

___________________________________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado em inglês pela revista “The Atlantic” [Aqui!].

Nestlé suspende compra de soja oriunda de desmatamentos na Amazônia

cargillNestlé suspendeu a aquisição de soja vendida pela Cargill como demonstração de que está comprometida com o combate ao desmatamento na Amazônia

A soja brasileira começou o ano sob o aviso da Federação Russa de que suas compras seriam suspensas caso o latifúndio agro-exportador não diminuísse o nível de resíduos do agrotóxico glifosato. Agora, nos estertores de 2019, o “The Wall Street Journal” (TWSJ) informa através de um artigo assinado pelo jornalista Jacob Bunge que a Nestlé informou à Cargill, corporação que controla parte significativa das exportações brasileiras de soja, que irá suspender as aquisições da principal commodity agrícola brasileira de áreas desmatadas na Amazônia.

wsj nestle

O artigo do TWSJ lembra que outras corporações multinacionais estão colocando obstáculos na compra de outras commodities brasileiras por causa da origem da produção em áreas desmatadas na Amazônia. Um dos casos mais expressivos foi o da Hennes&Mauritz que suspendeu a compra de couro brasileiro em julho até que os exportadores brasileiros demonstrem que seus produtos não são oriundos de áreas desmatadas na Amazônia.

É interessante notar que a Nestlé está sendo agora obrigada a adquirir soja produzida pelos EUA para substituir a produção oriunda da Amazônia, em que pese os custos mais elevados da produção estadunidense. Este fato demonstra que mesmo grandes corporações que possuem alta capilaridade e clara dominância no comércio mundial de alimentos estão optando por se afastar da produção brasileira por causa das questões sócio-ambientais que estão associadas ao avanço da franja de desmatamento para o interior de áreas até agora intocadas da Amazônia brasileira.

A importância e o peso econômico da Nestlé deverá gerar uma pressão adicional não apenas sobre outros grandes compradores da soja brasileira, mas de fornecedores que também são altamente dominantes na circulação de commodities agrícolas como é o caso da própria Cargill que está sendo alvo da Nestlé neste momento.

É importante notar que essa decisão da Nestlé foi ignorada pela mídia corporativa brasileira que continua “passando o pano” para a destruição acelerada dos biomas amazônicos que está sendo promovida pelo governo Bolsonaro e pelos governos estaduais dos estados da região. Entretanto, os barões do agronegócio (que até assinam o TWSJ) sabem  que terão de agir para não sofrerem um grande boicote já em 2020. Nesse sentido, apesar de todos os problemas que cercam a Nestlé, há que se reconhecer a importância de sua decisão.  Que o exemplo frutifique rapidamente em 2020!

Desmatamento na Amazônia vai ultrapassar os 10 mil km²

Estudo revela que incêndios foram causados por aumento da destruição da floresta. Medo de represálias leva alguns cientistas a não assinarem o documento

Queima-1Incêndios florestais na Amazônia, praga que se repete anualmente, estáão em ritmo acelerado em 2019 com aumento de grilagem e desmatamento (Foto Marizilda Cruppe/Greenpeace)

Por Marizilda Cruppe para o Projeto Colabora

Poderia ser mais um artigo científico, fundamental para ajudar a sociedade a entender as recentes queimadas que acometeram a floresta amazônica. Não fosse um detalhe: a frase que encerra os agradecimentos finais. “Alguns colaboradores declinaram da autoria para manter o anonimato. Lamentamos que isso seja necessário e agradecemos a eles por sua importante contribuição.”

Tão grave quanto a projeção de que o desmatamento deve ultrapassar os dez mil quilômetros quadrados, a maior taxa registrada desde 2008, é ver cientistas precisarem esconder suas identidades por questões de segurança, com medo de represálias do governo.

“É chocante. Fiquei indignado de ver que isso tenha sido necessário” desabafa o inglês Jos Barlow, professor das universidades de Oxford e Lavras,  que liderou o estudo divulgado ontem, e que pesquisa as emissões de carbono na Floresta Amazônica brasileira há tempo suficiente para ter passado por quatro presidentes. Está no quinto. “Nunca vi nada parecido no Brasil. O país está seguindo as estratégias da extrema-direita. Não demite, mas torna a vida dos cientistas insuportável”.

Em março deste ano, Barlow assinou, com mais seis cientistas, um editorial no Jornal de Ecologia Aplicada da Sociedade Ecológica Britânica, fundada em 1913, que falava de países onde a influência científica e as liberdades acadêmica e pessoal foram comprometidas. O Brasil foi citado como um país com a liberdade acadêmica comprometida por medidas adotadas pelo governo Bolsonaro, como a extinção de órgãos que lideravam discussões internacionais sobre mudanças climáticas e de departamentos do Ministério do Meio Ambiente que tratavam do desmatamento.

Soja e fragmento de floresta em Belterra.

Foto Marizilda Cruppe/DivulgacãoAs plantações de soja estão entre os vilões do desmatamento na Amazônia. Foto Marizilda Cruppe/Rede Amazônia Sustentável

“Desmatamento e fogo andam de mãos dadas”

O artigo Clarifying Amazonia’s burning crisis (Esclarecendo a crise das queimadas na Amazônia) foi publicado ontem pelo periódico inglês Global Change Biology (versão original aqui), um dos maiores do mundo na área de meio ambiente. Os cientistas identificaram os diferentes tipos de incêndios, os agentes causadores e potencializadores e examinaram as possíveis soluções. O estudo se refere ao período de agosto deste ano quando ocorreu um pico de queimadas diretamente ligadas ao desmatamento. Erika Berenguer, cientista sênior das universidades de Oxford e Lancaster, pesquisa emissões de carbono na Amazônia há mais de uma década. Ela comenta sobre o principal resultado:

“Mostramos nesse estudo que os incêndios de 2019 são um reflexo do aumento do desmatamento, já que desmatamento e fogo andam de mãos dadas. Depois da floresta derrubada, ela continua existindo, só que no chão, morta. É aí que os invasores entram com o fogo, transformam tudo em cinzas para que a agricultura possa chegar”.

Para a brasileira radicada na Inglaterra o Brasil sabe como diminuir o desmatamento e tem essa capacidade “porque de 2004 a 2012 o desmatamento caiu 80%.” Ela lamenta que “pela primeira vez em dez anos o desmatamento pode chegar a dez mil quilômetros quadrados, o que parecia impensável que o Brasil voltasse a fazer.” E arremata “o país sabe o que e como fazer, o que falta é vontade política.”

São vários os agentes causadores apontados pelo estudo como governança fraca, rebanhos enormes e mal administrados, comércio ilegal de madeira e mudanças climáticas. Uma frouxidão do governo pode levar ao aumento do desmatamento que por sua vez é um gatilho para incêndios. As mudanças climáticas tornam as florestas mais quentes e secas e, por isso, mais propensas a incêndios fora do controle. Cada tipo de incêndio traz impactos diferentes. Um incêndio em área aberta pode matar o gado e acabar com plantações, enquanto incêndios florestais, mesmo de baixa intensidade, podem matar metade das árvores.

O estudo avaliou as alegações do governo Bolsonaro de que os incêndios de agosto eram “normais” e “abaixo da média histórica”. Os cientistas compararam dados públicos sobre queimadas e desmatamento e constataram que os incêndios deste ano foram os maiores desde 2010. E, se comparados ao mesmo período de 2018, os incêndios foram quase três vezes maiores.

Os cientistas apontam no estudo caminhos para a prevenção dos incêndios florestais que exigiriam ações do governo no combate ao desmatamento e ao comércio ilegal de madeira, pois mudanças no microclima tornam as florestas mais inflamáveis. Outra ação seria o monitoramento da intensidade da seca e o risco de incêndios com o apoio de brigadas de incêndio locais.

A taxa anual de desmatamento do período que compreende agosto de 2018 a julho de 2019 será divulgada na segunda-feira e os números do PRODES são ansiosamente aguardados porque os monitoramentos do Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE) apontam para o maior desmatamento dos últimos 11 anos.

*Marizilda Cruppe tentou ser engenheira, piloto de avião e se encontrou mesmo no fotojornalismo. Trabalhou no Jornal O Globo um bom tempo até se tornar fotógrafa independente. Gosta de contar histórias sobre direitos humanos, gênero, desigualdade social, saúde e meio-ambiente. Fotógrafa para organizações humanitárias e ambientais. Em 2016 deu a partida na criação da YVY Mulheres da Imagem, uma iniciativa que envolve mulheres de todas as regiões do Brasil. Desde 2015 é nômade e vai onde a Fotografia a leva. Usa seu celular para fotografar as camas onde dorme nessa vida sem casa – já são 130 e contando!

___________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado pelo Projeto Colabora [Aqui!].

Amazon Watch: o que acontece quando a floresta desaparece?

Em um local remoto onde a maior floresta tropical do mundo confina com terras desmatadas para a agricultura, cientistas brasileiros e americanos estão atentos a um ponto crítico – o momento em que a Amazônia deixa de ser um sumidouro de carbono e se transforma em uma fonte de emissões de carbono.

yale 4A fronteira entre a Fazenda Tanguro e a floresta amazônica no Mato Grosso, Brasil. CORTESIA DE CHRIS LINDER

Por Fred Pearce* para o Yale 360

O contraste é impressionante. De um lado de uma trilha estreita, encontra-se a floresta úmida, fresca e úmida, estendendo-se a noroeste por centenas de quilômetros através da quase intacta reserva indígena do Xingu. Do outro lado, está quente, o solo nu sendo preparado para plantar soja em uma fazenda do tamanho de 14 Manhattans. Isso, diz meu guia, o cientista de sistemas terrestres Michael Coe, é a linha de frente do desmatamento na Amazônia – onde a floresta tropical encontra o agronegócio, mas também onde um ecossistema da floresta tropical está sendo degradado em pastagens de savana.

É também “o laboratório perfeito” para explorar como as florestas interagem com o clima e como isso muda quando a floresta desaparece, diz Coe, do Centro de Pesquisa Woods Hole, em Massachusetts. E é aí que os cientistas brasileiros e americanos estão vigiando o ponto de inflexão previsto há muito tempo – o momento em que a Amazônia, a maior floresta tropical do mundo, inicia um processo de degradação descontrolada, quando tantas florestas foram perdidas que a transição para a savana é perdida. irreversível. Esse será o momento em que a Amazônia deixará de ser um sumidouro de carbono que ajudará a proteger o planeta das mudanças climáticas e se transformará em uma fonte global de emissões de carbono.

Estamos na Fazenda Tanguro, no estado brasileiro de Mato Grosso, uma das maiores fazendas de soja do mundo. A 16 horas de ônibus de Brasília, a fazenda fica na bacia do rio Xingu, um dos maiores afluentes do rio Amazonas. Há um século, quando a área ainda era uma selva remota, o excêntrico explorador britânico Percy Fawcett desapareceu aqui enquanto procurava a suposta “Cidade Perdida de Z” e onde cerca de 100 pessoas morreram procurando resgatá-lo.

Talvez nunca tenha havido uma “cidade perdida”. Mas a cidade local de Canarana está repleta de silos de grãos, bares e franquias da John Deere, atendendo às grandes fazendas. Uma dos maiores, a Fazenda Tanguro, foi parcialmente desmatada para o plantio de pastos na década de 1980 e convertida em cultivo a partir de 2003 pela corporação Amaggi, o maior conglomerado agrícola de soja do mundo. Hoje, metade é composta por fragmentos de floresta; o restante consiste em campos gigantes que cultivam soja, milho e, a partir deste ano, algodão.

Graças a um acordo fechado em uma reunião casual entre o pesquisador de Woods Hole, Dan Nepstad, e o CEO da empresa e então governador do estado, Blairo Maggi, pesquisadores e colegas americanos do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) monitoram a floresta desde 2004 e pesquisam como o clima está mudando dentro e ao redor dele.

E após os incêndios generalizados estabelecidos este ano nas margens da Amazônia – quebrando uma série de 15 anos durante os quais o desmatamento foi dramaticamente reduzido – lugares como esse estão na linha de frente, pois a Amazônia enfrenta sua crise mais fundamental, com as temperaturas subindo, estações secas se prolongando e árvores da floresta tropical sendo substituídas por espécies de savana.

Mais de um terço da Bacia do Xingu, uma região maior que o Estado de Nova York, está desmatada. Restos de cobertura de árvores são tudo o que permanece fora da reserva indígena do Xingu, ainda densamente florestada, em seu coração. Sou mostrado por Coe e Divino Silvério, filho de um fazendeiro local. cujo trabalho de pesquisa na estação lhe rendeu um doutorado e uma série de artigos científicos conceituados. “Temos mais de uma década de dados aqui. Em nenhum outro lugar nos trópicos há isso ”, diz Coe.

yale 3Tanguro é uma das maiores fazendas do Mato Grosso. No total, mais de um terço da Bacia do Xingu foi desmatado, grande parte para o cultivo de soja. CORTESIA DE MICHAEL COE

O que eles estão vendo é alarmante.

O desmatamento está aumentando drasticamente as temperaturas locais. O ar sobre a fazenda é em média 5 graus Celsius mais quente do que na reserva florestal sobre a cerca: 34 graus C, em vez de 29 graus C. A diferença sobe para impressionantes 10 graus no final da estação seca, diz Coe.

E a estação seca está aumentando. Em toda a bacia do Xingu e na região sul da Amazônia, conhecida como “arco do desmatamento”, dura quase quatro semanas a mais do que meio século atrás.

Por que essas grandes mudanças? As respostas não estão nas mudanças climáticas globais, mas no impacto do desmatamento, diz Coe. Antigamente, as árvores da floresta agiam como bombas de água, reciclando a maior parte da água da chuva, que bombeavam do subsolo e liberavam na atmosfera os poros de suas folhas, um processo conhecido como transpiração.

A transpiração requer grandes quantidades de energia, extraídas da radiação solar. “Todo metro quadrado de floresta remove o equivalente ao calor de cerca de duas lâmpadas de 60 watts que queimam 14 horas por dia”, calculou Coe em um estudo. Então, esfria o ar da floresta intacta. Mas tire a floresta e o ar fica instantaneamente muito mais quente.

A transpiração de uma típica grande árvore amazônica também libera cerca de 500 litros de água por dia na atmosfera. A umidade cria nuvens e chuva que sustentam a floresta. Três quartos da chuva que cai nas partes florestadas da Bacia do Xingu são reciclados de volta ao ar dessa maneira. Mas essa proporção cai para 50% ou menos se as árvores forem substituídas por pastagens ou áreas de cultivo.

Atualmente, a Amazônia ainda gera cerca de metade de suas próprias chuvas, com alguma chuva soprando nos ventos alísios do Oceano Atlântico caindo e transpirando de volta para o ar cinco ou seis vezes enquanto atravessa a vasta bacia. Mas o desmatamento reduziu a reciclagem anual de umidade na Bacia do Xingu em 35 quilômetros cúbicos nas últimas duas décadas, segundo Silvério.

Assim, o desmatamento cria o que Coe chama de “uma mudança gigante no balanço de água e energia. O clima muda. ”A selva permanentemente úmida é substituída por um clima mais quente e seco, com demônios de poeira substituindo árvores transpirantes.

A mudança é especialmente importante no final da estação seca. Tocando a água no subsolo, as árvores continuam transpirando mesmo depois de meses sem chuva. De fato, graças à energia do sol implacável, elas transpiram ainda mais na estação seca do que na estação chuvosa. Pesquisas em Tanguro confirmaram que isso é vital para o término da estação seca, porque fornece a primeira umidade para que as chuvas sejam retomadas, diz Coe.

À medida que o clima muda, o mesmo acontece com a vegetação. O aumento da temperatura e uma estação seca mais longa, ambos causados ​​pela perda de árvores, criam estresse hídrico que inverte os ecossistemas da floresta tropical para a savana.

Uma longa estação seca também torna as florestas mais suscetíveis a incêndios. E os incêndios, por sua vez, aceleram a mudança na vegetação. Como Coe coloca: “O fogo é a maneira da natureza começar de novo”. E agora, quando começa aqui, muda para as espécies de savana.

yale 2Incêndios experimentais na Fazenda Tanguro permitem que os cientistas estudem como a floresta amazônica responde e se recupera após os incêndios. CORTESIA DO WHRC E DO IPAM

A combinação de temperaturas crescentes, estações secas mais longas e mais incêndios está impulsionando a “savanização” das florestas – um processo previsto pela primeira vez em 1991 pelo preeminente cientista climático brasileiro Carlos Nobre. “Quando a estação seca se prolonga por mais de quatro meses, a floresta tropical se transforma em savana”, ele me disse quando nos encontramos em sua cidade natal fora de São Paulo após minha visita a Tanguro.

Por muitos anos, isso foi apenas uma previsão dos modelos climáticos. Mas, afirma Paulo Moutinho, cientista sênior do IPAM e membro do Woods Hole, “nossos estudos sobre incêndio em Tanguro foram os primeiros a testar o modelo de savanização de Nobre em campo. Estamos demonstrando o que Nobre previu – que o fogo transforma a floresta tropical em savana, acelerando a invasão de árvores de cerrado. ”Silvério supervisionou um inventário detalhado de milhares de árvores nas áreas florestadas da Fazenda Tanguro. O segundo censo, atualmente em andamento, encontrou um declínio no número de espécies nos últimos quatro anos. As grandes árvores da floresta tropical, em particular, estão sendo substituídas por espécies pioneiras de rápido crescimento, muitas mais conhecidas nas regiões de savana.

Parcelas experimentais em Tanguro, nas quais pedaços de floresta são submetidos a queimadas, mostram como os incêndios, as savanas e as ervas se movem para substituir a floresta perdida. As gramíneas, em particular, são mais inflamáveis; portanto, o próximo incêndio queima mais ferozmente que o primeiro.

Os gerentes da Fazenda Tanguro tentam seguir o Código Florestal do governo, que exige que plantem espécies nativas de árvores da floresta tropical em terras próximas a rios que foram ilegalmente derrubados pelos pecuaristas que os precederam. Mas o novo clima da savana significa que as mudas da floresta tropical não crescerão, diz Coe. “Provavelmente as espécies de savana cresceriam, mas o código diz que você precisa restaurar o que havia antes.” Então, em vez disso, a empresa deixa essas áreas ribeirinhas cercadas na esperança de que as espécies nativas encontrem uma maneira de retornar. Ninguém está prendendo a respiração.

Nobre argumentou em 2007 que poderia chegar a um ponto em que a savanização é imparável em grandes áreas da Amazônia. Ele disse que o ponto de inflexão pode ocorrer se 40% da floresta for perdida. Mais recentemente, ele alertou que, com o aumento global das temperaturas em segundo plano, esse limite poderia estar muito mais próximo – com perda de 20 a 25%. Com cientistas do governo brasileiro estimando a perda atual em 19,7%, o dia do juízo final pode estar próximo.

Alguns dos principais pesquisadores brasileiros entrevistados para este artigo questionaram se existe um único ponto de inflexão que se aplica a toda a Amazônia. Poderia ser um processo mais gradual. O norte e o oeste mais primitivos poderiam sobreviver. Mas outras regiões do sul e leste, incluindo Mato Grosso, já superaram a perda de 25%. E em Tanguro, a aceleração da savanização parece estar ocorrendo agora.

Isso é importante para o planeta como um todo. Pois, diz Jose Marengo, diretor de pesquisa do Centro Nacional de Monitoramento e Aviso Prévio de Desastres Naturais do Brasil, a mudança da floresta tropical para a savana mudará a Amazônia de sua posição atual como uma pia para cerca de um bilhão de toneladas de dióxido de carbono atmosférico por ano, em uma fonte de CO2. “Isso significaria adeus a Paris”, diz ele, referindo-se ao acordo de Paris de 2015 que visa manter o aquecimento global abaixo de 2 graus.

Uma pesquisadora me disse que acredita que a troca já aconteceu. Seu estudo ainda não foi concluído, mas pode produzir algumas descobertas interessantes no próximo ano.

Para os cientistas brasileiros que lutam para salvar a Amazônia, a tragédia é que eles estão vendo décadas de trabalho que estabeleceram a importância da floresta para o Brasil e o mundo aparentemente desfeitos nos meses desde que Jair Bolsonaro assumiu o cargo de presidente do Brasil em janeiro. Ele efetivamente deu uma luz verde para o desmatamento. Isso reverteu um declínio no desmatamento de mais de 75% desde 2004, logo após a ativista ambiental Marina Silva se tornar a ministra do Meio Ambiente do país. Ela introduziu uma moratória na venda de carne bovina ou soja de terras recentemente desmatadas e policiou a Amazônia com monitoramento por satélite em tempo real da destruição da floresta.

Bolsonaro diz que o Brasil não pode permitir que seu desenvolvimento econômico seja prejudicado por restrições impostas por estrangeiros à derrubada de florestas para agricultura. Isso é bobagem, diz a maioria dos cientistas de seu país. A maior parte do desmatamento é realizada ilegalmente por especuladores que capturam terras florestais estatais. “Eles cortam e queimam as árvores. Depois, plantam gado e esperam uma anistia para legalizar sua anexação, para depois venderem ”, diz Moutinho.

yale 1A reserva indígena do Xingu, uma das poucas áreas remanescentes em grande parte intactas da floresta. CORTESIA DO WHRC E DO IPAM

Não se trata de desenvolvimento econômico, diz Moutinho. É sobre tolerar a criminalidade. O desenvolvimento econômico genuíno envolveria o uso mais intensivo de terras já desmatadas. De fato, diz Nobre, o país poderia aumentar a produção de carne e soja e ainda devolver a terra para a regeneração natural da floresta. “Se você dobrar a intensidade do gado, o que é totalmente viável, poderá liberar mais de meio milhão de quilômetros quadrados para a restauração da floresta”, ele me disse.

Tais políticas progressistas agora são apoiadas por muitos grandes agronegócios, diz Nobre. Eles temem que o desmatamento continuado possa trazer boicotes ao consumidor internacional de carne bovina, soja e outros produtos. Mas ainda não está claro se o governo continuará apoiando especuladores de terras ou ouvindo uma aliança emergente de ambientalistas e agronegócios.

Com um ponto de inflexão se aproximando, as apostas são imensamente altas para a Amazônia e o planeta. As florestas e grande parte de sua biodiversidade poderiam, com a assistência certa, ainda se recuperar. Mesmo os enormes campos de soja em Tanguro não são tão inanimados quanto se poderia esperar. Altos pássaros que não voam voam por aí à procura de sementes. Faixas e excrementos de anta estão por toda parte. Os tatus escavam nas margens. E até vi uma onça-pintada passeando por uma trilha a apenas 20 metros de um campo esperando para ser plantada com soja.

Mas no caminho de volta a Canarana, a poucos quilômetros do portão da fazenda, Silvério e eu encontramos os restos enegrecidos de uma floresta nativa. Ele havia sido engolido pelas chamas após um incêndio para limpar a vegetação no pasto apenas uma semana antes de se espalhar pela estrada. Foi deliberado ou acidental? Aqui na fronteira selvagem do Brasil, ninguém sabia – ou estava dizendo.

* Fred Pearce é um autor freelancer e jornalista baseado no Reino Unido. Ele é um colaborador do Yale Environment 360 e é autor de vários livros, incluindo The Land Grabbers, Earth Then and Now: imagens surpreendentes do mundo em mudança e The Climate Files : A batalha pela verdade sobre o aquecimento global.

________________________________________________

Esta reportagem foi originalmente publicada em inglês pelo Yale 360 que é produzido pela Yale School of Forestry and Environmental Studies [Aqui! ].