Dossiê revela série de violações socioambientais das operações da Hidrovias do Brasil no Pará

Documento publicado pelo Inesc, elaborado com base em denúncias de moradores, revela que a empresa não cumpre com as medidas para mitigar os impactos negativos de suas operações na região de Itaituba. Hidrovias tem dentre seus principais investidores a IFC, braço de investimentos do Banco Mundial para o setor privado.

Estação de transbordo e carregamento de barcaças - HBSA - Estrutural Zortea

Enquanto a soja passa: impactos da empresa Hidrovias do Brasil em Itaituba – revela que a empresa de logística Hidrovias do Brasil tem descumprido sistematicamente uma série de medidas que deveriam ser adotadas para mitigação dos impactos negativos de suas operações na região de Itaituba, no Pará, que se transformou nos últimos anos em um importante centro de transporte da cadeia global de fornecimento de commodities ao ligar a rodovia BR-163 com o Rio Tapajós, é que conclui um estudo divulgado pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) publicado nesta terça-feira , 23/02.

dossie

Durante a alta safra da soja, cerca de 1500 caminhões transitam diariamente em Miritituba, distrito de Itaituba, onde vivem 15 mil pessoas. O território é peça fundamental na reestruturação da Amazônia brasileira como caminho para a exportação de grãos do Mato Grosso para o Atlântico, com destino para a China, União Europeia e outros países. Atualmente, pelo menos 41 novos portos estão planejados ou em construção para os principais rios da região.

Na região, já foram construídos diversos empreendimentos, como hidrelétricas, hidrovias, garimpos e minas. Desde 2013, pelo menos 10 portos industriais – a maioria ligados ao agronegócio – foram construídos ao redor da cidade de Itaituba. Em Miritituba existem cinco Estações de Transbordo de Carga (ETC), instalações portuárias privadas que escoam os grãos pelos rios Tapajós e Amazonas até os portos Pará e do Amapá. O dossiê analisa os efeitos dos portos na região, com foco na empresa de logística Hidrovias do Brasil (HDB).

A instituição tem entre seus acionistas a Corporação Financeira Internacional (International Finance Corporation – IFC), braço de investimentos do Banco Mundial para o setor privado. A IFC, que é um banco multilateral de desenvolvimento, exigiu que a Hidrovias do Brasil, para receber o investimento, cumprisse com os Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental (PDs), um conjunto de medidas necessárias para impedir, diminuir ou mitigar os efeitos socioambientais negativos da sua atuação na região. 

No entanto, o dossiê do Inesc evidencia que a política socioambiental, aparentemente rigorosa da IFC, não está sendo cumprida pela Hidrovias do Brasil. O relatório produzido por meio de denúncias de moradores de Itaituba e Miritituba, representantes de movimentos sociais, lideranças indígenas, entre outros, analisa detalhadamente cada meta de sustentabilidade que deveria estar sendo executada pela Hidrovias do Brasil e aponta falhas na vistoria da instituição financeira investidora. 

“A Hidrovias do Brasil foi financiada por um banco que tem uma política socioambiental, à princípio, robusta, que envolve um monitoramento da empresa para ter certeza que, se estão previstos impactos negativos, deverão ser mitigados ou compensados. Existem instâncias que podemos apelar ao banco, para que monitore a empresa e faça estas políticas de fato serem cumpridas. Portanto, este dossiê é um primeiro passo para que a IFC retome o monitoramento da Hidrovias do Brasil e a faça cumprir a política socioambiental da própria instituição”, afirma Livi Gerbase, assessora política do Inesc e autora do estudo.

Um exemplo é a construção do desvio para que os caminhões contornem Miritituba ao invés de cortá-la, obra prometida pela Hidrovias do Brasil ao Banco e que não saiu do papel. Para além do trânsito e do aumento do número de acidentes, os 1500 caminhões geram poluição no ar e deixam parte da soja espalhada por toda a cidade, causando graves danos à saúde da população e interferência na fauna e na flora local. Um morador de Miritituba resume a sensação de viver entre o tráfego intenso: “aqui a gente disputa com as carretas, e o menor é quem tem que correr”. 

O aumento dos índices de violência, comércio ilegal de drogas e prostituição, trazidos com a multidão de caminhoneiros que chega diariamente, são outros impactos sofridos pela população local e ainda pouco mapeados pelos órgãos competentes. 

Moradores de Miritituba revelam, ainda, outras violações da parte da Hidrovias do Brasil e outras empresas portuárias na região, como a proibição da pesca em lugares tradicionalmente acessados pelos pescadores devido a utilização de cordões de isolamento como medidas de segurança por cinco portos instalados lado a lado. Além disso, pescadores também denunciam que a soja que cai nos rios, ao serem transportadas pelas barcaças, está sendo encontrada na barriga dos peixes. 

Indígenas do povo Munduruku também sofrem com as operações da Hidrovias na região que alegou, em seu relatório à IFC, não haver comunidades indígenas e tradicionais afetadas pela construção da sua ETC. A realidade é outra. Duas aldeias urbanas nas margens do Tapajós convivem diariamente com os portos e seus efeitos: Praia do Índio e Praia do Mangue. Para os Munduruku, porém, toda a população indígena do Médio Tapajós sente os efeitos do projeto, pois os impactos se espalham pela rede de parentesco que liga essas comunidades, afetando outros territórios indígenas da região, que possui 868 habitantes indígenas, de acordo com dados oficiais em 2019. Apesar disso, não houve consulta prévia, livre e informada aos povos indígenas, tanto da Hidrovias do Brasil quanto dos outros portos instalados na região, uma clara violação da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho, um acordo do qual o Brasil é signatário. 

dossie 2

Por fim, outra reclamação grave dos moradores é quanto à participação dos mesmos nos espaços de diálogos com a empresa. Eles relatam que reuniões acontecem em caráter meramente formal com os impactados, onde eles não são de fato ouvidos. “Ouvir a população é só com audiência pública de carta marcada. Na verdade, da população eles só querem a assinatura na ata ali, e o projeto todo já está sendo pronto e  implementado”, explica Josenaldo Luna de Castro, membro do Conselho Gestor de Fiscalização dos Empreendimentos e Investimentos no Distrito de Miritituba (CONGEFIMI). O conselho foi criado em 2018 para ser uma ferramenta de monitoramento da atuação de empresas como a Hidrovias do Brasil na região. 

Enquanto viola os direitos da população local e comunidades tradicionais, a Hidrovias do Brasil, com o sucesso de seus investimentos na Amazônia, completou em 2020 uma oferta pública inicial (IPO) de ações, arrecadando 600 milhões de dólares. Conforme reportagem publicada pelo site Mongabay, em novembro do ano passado, em um prospecto fornecido no seu IPO, a Hidrovias do Brasil descreveu seu porto de Itaituba, que não teve consulta dos Munduruku, como um ativo chave da empresa. A empresa também advertiu aos investidores que as regulamentações ambientais poderiam restringir severamente sua capacidade de fazer negócios e que suas operações logísticas poderiam “resultar em danos ao meio ambiente e a comunidades indígenas e quilombolas, cuja extensão e custos de reparação não são possíveis de estimar”.

BNP Paribas anuncia que vai parar de financiar que produzem ou compram carne em áreas desmatadas na Amazônia após 2008

Image result for bnp paribas deforestation amazon

Por  Sudip Kar-Gupta e Matthieu Protard; Edição de Kirsten Donovan para a Reuters

PARIS, 15 de fevereiro (Reuters) – O maior banco francês, o BNP Paribas, afirmou nesta segunda-feira que não financiará mais clientes que produzem ou compram carne bovina ou soja de terras na Amazônia desmatadas ou convertidas depois de 2008.

O BNP, que traçou uma política de combate ao desmatamento na Amazônia e no Cerrado, também disse que incentivaria seus clientes a não produzir ou comprar carne ou soja do Cerrado em terras desmatadas ou convertidas após 1º de janeiro de 2020.

O banco, o maior credor cotado da França, disse que só fornecerá produtos ou serviços financeiros a empresas – produtores, condicionadores de carne e comerciantes – que adotem uma estratégia de atingir o desmatamento zero em suas cadeias de produção e fornecimento até 2025, o mais tardar.

“As instituições financeiras expostas ao setor agrícola no Brasil devem contribuir para esse combate ao desmatamento”, disse o BNP Paribas em nota.

Bancos europeus como o Credit Suisse, o banco holandês ING e o BNP Paribas se comprometeram no mês passado a interromper o financiamento do comércio de petróleo bruto do Equador após pressão de ativistas que visam proteger a floresta amazônica.

Líderes indígenas que lutam para impedir a exploração de petróleo em seu território disseram que o papel dos bancos os tornou cúmplices em derramamentos de óleo, violações de direitos à terra e destruição da floresta tropical pela indústria petrolífera do Equador. 

(Reportagem de Sudip Kar-Gupta e Matthieu Protard; Edição de Kirsten Donovan)

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pela agência Reuters [Aqui!]

Política ambiental brasileira causa exclusão da Cargill, Bunge e ADM de fundos do Danske Bank

pantanal-queimada

Responsável por € 237 bilhões ( cerca de R$1,5 trilhão), o Danske Bank excluiu de dois de seus fundos as gigantes Cargill, Bunge e ADM, que operam no comércio de commodities agrícolas, em especial soja. A causa é o acelerado desmatamento de áreas florestadas na Amazônia, no Cerrado e no Pantanal.

“Apesar dos compromissos das empresas [com políticas de proteção ambiental], a taxa anual de desmatamento das florestas tropicais da Amazônia continua em um ritmo alarmante”, afirmou Erik Eliasson, o diretor de investimento sustentável do Danske Bank, ao jornal Folha de S.Paulo.

A decisão foi baseada em dados de iniciativas de monitoramento de cadeias de commodities feitos pela ONG americana Mighty Earth, da pesquisa Chain Reaction, da iniciativa Trase. Os estudos estão em curso desde 2018 e apontam que  mais de 36 mil alertas de incêndio foram registrados nas proximidades dos silos da Cargill, Bunge e ADM em 2020 no Brasil. Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) – que são rechaçados pelo governo – apontam que em novembro de 2020 o desmatamento atingiu seu nível mais alto desde 2008.

“Até que haja uma agenda política mais forte e planos de ação e compromissos concretos para proteger as florestas tropicais, as empresas que compram na região provavelmente estarão expostas e contribuindo para o desmatamento das florestas, independentemente de quão fortes práticas de manejo possam ter. Por sua vez, essas empresas podem ser afetadas por graves riscos de reputação e diminuição da demanda do consumidor”, concluiu Eliasson à Folha.

Cargill, ADM e Bunge alegaram respeitar a lei, que adotam voluntariamente a moratória da soja, que tenta conter o cultivo em áreas desmatadas recentemente, além de se valerem de políticas de monitoramento da cadeia e transparência. Com atuação em mais de 70 países, as três empresas somaram faturamento bruto conjunto de quase US$ 220 bilhões em 2019.

fecho

Este artigo foi inicialmente publicado pelo site especializado “Money Report” [Aqui!].

Novo título verde da Amaggi levanta questões sobre compromisso com o fim do desmatamento

amaggi

O trader de commodities brasileiro Grupo Amaggi lançou recentemente um título verde para expandir sua presença no mercado de soja do país. O título verde de US $ 750 milhões da empresa alocará dois terços dos recursos para novos esquemas, como iniciativas de energia limpa, e o restante para refinanciar dívidas para projetos que incluem a compra e processamento de soja certificada. O Grupo Amaggi, de propriedade privada, é um grande exportador de soja do Brasil. Seu CEO é Blairo Maggi, ex-ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do ex-presidente Michel Temer. Os críticos dizem que suas ações como empresário e funcionário do governo levaram à perda generalizada de florestas no Brasil.

Embora o título verde seja um sinal de progresso na construção de políticas que levem à sustentabilidade ambiental, a Amaggi ainda não concordou com uma data limite de 2020 para o desmatamento no Cerrado. No final do ano passado, os signatários do Manifesto do  Cerrado , que inclui 160 empresas e investidores que têm exposição ao mercado de soja, pediram aos principais comerciantes de soja que concordassem com a data limite de 2020 para a compra de soja no bioma Cerrado. Os investidores e as empresas também pressionaram os comerciantes a implementarem um sistema vigoroso de rastreabilidade e monitoramento, baseado nos   princípios da Accountability Framework Initiative (AFI), para mostrar a aderência à data limite.

Ao não concordar com uma data limite, a Amaggi corre o risco de ver reduzido o interesse dos investidores em seu título verde recém-lançado. A Amaggi tem o compromisso de desmatamento zero, mas não cobre o desmatamento legal e seu sistema de implementação é considerado insuficiente para mitigar totalmente os riscos. A Amaggi, que comercializa por conta própria e como parte de joint ventures como Amaggi LD (uma JV com Louis Dreyfus e Zen-Noh), é uma grande compradora de soja dos desmatadores SLC Agrícola e BrasilAgro. Durante o verão de 2020, a Amaggi viu 4.203 incêndios em suas regiões de abastecimento, um ligeiro aumento em relação ao mesmo período de 2019, de acordo com a Chain Reaction Research.

As ONGs e os investidores provavelmente questionarão o quanto a empresa melhorará sua sustentabilidade com este novo título verde e se ela se comprometerá a estar totalmente livre do desmatamento. Finnwatch, uma ONG finlandesadivulgou um relatório no final de janeiro alertando sobre a exposição ao risco de desmatamento para investidores e empresas na Escandinávia que fazem negócios com Denofa , uma exportadora de soja de propriedade da Amaggi, observando a falta de eficácia geral em conter o desmatamento no Brasil . Outros comerciantes viram reações de compradores devido a preocupações com o desmatamento. A Nestlé cortou as compras da Cargill em 2019, enquanto a Grieg Seafood disse no ano passado, que não usaria os recursos de seu título verde para comprar soja da Cargill. Os fornecedores brasileiros de soja para a indústria de salmão, CJ Selecta, Caramuru e Imcopa,  anunciaram  compromissos com a data limite de agosto de 2020 para evitar que o desmatamento entre em suas cadeias de abastecimento, pressionando os principais comerciantes do Brasil – Amaggi, LDC, ADM , Bunge, Cargill, Viterra e COFCO.

Como as políticas atuais de desmatamento dos principais comerciantes de soja podem ser insuficientes para mitigar totalmente o risco de desmatamento, eles podem enfrentar risco de receita, risco de financiamento e risco de reputação. A probabilidade de regulamentações e leis mais rígidas no Reino Unido e na UE pode trazer riscos de acesso ao mercado para os comerciantes. A possibilidade do acordo comercial UE-Mercosul desmoronar por  questões climáticas pode exacerbar os riscos. Dada a influência dos comerciantes no mercado, eles têm sido alvo de campanhas de ONGs, investidores ativistas e empresas de bens de consumo. Com os comerciantes altamente ativos no Cerrado e seus volumes de exportação de soja aumentando, um acordo com uma data limite para 2020 poderia trazer mudanças em grande escala e enviar fortes sinais aos fornecedores para interromper o desmatamento. Até que isso aconteça, os críticos provavelmente olharão para ações como o título verde da Amaggi com suspeita.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em inglês pela Chain Reaction Research [Aqui!].

Agrotóxico usado na Guerra do Vietnã está destruindo videiras na Campanha Gaúcha

agrotoxico bbcMaior parte dos pesticidas considerados prejudiciais à saúde e ao meio ambiente é vendidos a países pobres ou emergentes. Getty Images

Por Evanildo da Silveira, de Vera Cruz (RS) para a BBC News Brasil

Há cerca de 15 anos, a Campanha gaúcha — a metade sul do Rio Grande do Sul — começou a entrar na lista das regiões produtoras de uvas e vinhos finos do mundo. Entre 2000 e 2015 sua participação no mercado nacional cresceu de 12%, para 20%. Mas a produção de vinho na região está ameaçada. Usado nas plantações de soja, o agrotóxico 2,4-D tem contaminado as videiras vizinhas, causando grandes prejuízo aos vitivinicultores — e levando muitos deles a desistir da atividade.

É o caso de Jacenir Freitas Soares, que tem sete hectares de vinhedo das uvas Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc no munícipio de Lavras do Sul, a 322 km de Porto Alegre. “Antes da chegada da soja na região — e com ela, o 2,4-D — , eu colhia 24 toneladas da primeira e 40 da segunda”, conta. “No ano passado, a queda da produção foi de cerca de 50%. Colhi 13,5 toneladas de Sauvignon e 20,3 de Franc. Assim não vai dar para continuar. Em 2022, vou cortar as parreiras e parar de produzir.”

O agrotóxico, quando aplicado de forma incorreta ou em condições atmosféricas inadequadas, é levado pelo vento (fenômeno chamado de deriva) e pode chegar a 20 ou 30 km de distância do ponto de origem. Com a deriva, ele atinge os vinhedos vizinhos, causando a queda da produção de uvas e, consequentemente, de vinho. Tecnicamente chamado de ácido diclorofenoxiacético, ele é um herbicida hormonal (que mimetiza alguns hormônios das plantas) desenvolvido na década de 1940.

Esse químico se tornou mais conhecido, no entanto, durante a Guerra do Vietnã (1959-1975, com a participação dos Estados Unidos a partir de 1965), quando associado ao 2,4,5-T ou ácido 2,4,5-triclorofenoxiacético. Essa combinação era usada para produzir o famoso agente laranja, empregado pelo Exército americano para desfolhar as matas daquele país e facilitar a localização de soldados inimigos.

Hoje, o 2,4-D é utilizado nas lavouras de soja antes do plantio para eliminar as plantas consideradas pragas para a cultura.

Fumigação de uma plantação de soja no BrasilCRÉDITO,AFP, Grandes culturas de soja e milho transformaram o Brasil no principal comprador de agrotóxicos do mundo

Três fatores em três momentos diferentes deram origem ao problema de contaminação com o 2,4-D, segundo o agrônomo Aldo Merotto Junior, da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

“O primeiro foi a expansão de áreas cultivadas no sistema de plantio direto (um sistema de manejo do solo), no final dos anos 90”, conta. “Até então, o herbicida 2,4-D era usado na cultura do trigo e, no inverno, em áreas cultivadas em plantio direto para aplicações em pré-semeadura, nas regiões que estavam iniciando o uso desta tecnologia (Planalto do Rio Grande do Sul e Sudoeste do Paraná).”

No final da década de 1990, o plantio direto se difundiu para outras áreas da região sul do Brasil, e assim passou a estar próximo de culturas sensíveis ao 2,4-D, como as videiras, quando então os danos passaram a acontecer com mais frequência.

“O segundo fato foi o surgimento de plantas daninhas resistentes ao herbicida glifosato (muito usado nas lavouras de soja) e a necessidade de maior utilização do 2,4-D”, explica Merotto. “Isto ocorreu de forma mais intensa a partir de 2010.”

O terceiro fator, diz, foi a recente e grande expansão da cultura da soja na Campanha gaúcha, a partir de 2015.

De acordo com o agrônomo Norton Victor Sampaio, professor dos cursos de Enologia e Agronegócio da Universidade Federal do Pampa (Unipampa), os primeiros casos de 2,4-D danificando vinículas foram registrados nas regiões de Napa Valley e Santa Helena, no Estado da Califórnia, nos Estados Unidos.

“Mas aqui na nossa região foi em 2016, 2017 que começaram a aparecer os estragos, e a partir de 2018, ficaram mais intensos e começaram realmente a causar danos seríssimos”, afirma Sampaio

Substitutivo do glifosato

A Cooperativa São José, de Jaguari, a 411 km de Porto Alegre, também tem tido prejuízos desde 2013, afirma o técnico em vitivinicultura (produção de uva e vinho), Alexandre Maia.

A cooperativa tem 58 produtores associados e capacidade de produção e armazenamento de 1,6 milhão de litros de vinho, mas a queda de produtividade desde então chegou a 40% na média — atingindo 70% em algumas propriedades, diz Maia.

O problema começou, afirma, quando a buva, uma erva daninha da soja, adquiriu resistência ao herbicida glifosato. “O 2,4-D foi então integrado ao manejo de pré-plantio da soja para substituit o glifosato, pois seu princípio ativo controla as pragas de folhas largas (como a buva)”, explica.

De acordo com Maia, o 2,4-D atinge o sistema vegetativo das videiras, causando graves danos nas brotações e fazendo com que as plantas parem de se desenvolver. Ele leva ao fechamento nas folhas novas, diminuindo o vigor e assim o potencial produtivo dos vinhedos. Em casos mais graves, causa morte das plantas e sua erradicação. “Os prejuízos vêm aumentando ano a ano”, conta.

GlifosatoCRÉDITO,AFP . O 2,4-D começou a ser usado em substituição ao glifosato

Os pesquisadores da Unipampa calcularam os prejuízos dos produtores em dinheiro. “Para 2019, concluímos que foi de R$ 100 milhões, e em 2020 de R$ 200 milhões, somente na viticultura”, revela Sampaio.

Mas esse número pode aumentar, diz Sampaio, já que não se sabe como vai ser o comportamento futuro dos vinhedos que estão já no terceiro ano seguido de forte impacto do 2,4-D. “Pode ser que até que eles sejam perdidos”, diz. “Já existem vários produtores que estão desistindo, eliminando suas videiras, porque o custo de produção, do trabalho e da mão de obra é bastante alto, e o prejuízo vem se aprofundando cada vez mais.”

Sampaio diz que é preciso levar em conta também que o problema afeta toda uma cadeia produtiva que está se instalando na região. “Há prejuízos não só da produção de uva, mas em toda a cadeia produtiva, como trabalho, mão de obra, a uva que não vai para a vinícola, a vinícola que não produz o vinho, o mercado que não trabalha”, explica Sampaio. “Ou seja, todos os elos da cadeia produtiva somados com certeza contabilizariam bem mais que esses R$ 200 milhões aqui na região da Campanha do Rio Grande do Sul.”

Sem indenização

Para piorar, os produtores de uva e vinho têm dificuldade para conseguir indenização dos prejuízos. É muito difícil identificar a lavoura de soja de onde veio o agrotóxico, explicam. As vinícolas estão rodeadas de lavouras de soja e é impossível determinar de qual delas veio o 2,4-D, que pode viajar pela deriva até 30 km.

“Além disso, há a morosidade da Justiça”, diz Soares. “Há muitas ações pedindo indenização, mas o processo é muito demorado.”

No dia 16 de dezembro do ano passado, a Associação dos Produtores de Vinhos Finos da Campanha Gaúcha e a Associação Gaúcha dos Produtores de Maçã (Agapomi) (cultura que também vem sendo prejudicada pela deriva do 2,4-D), entraram com uma ação civil pública contra o governo do Rio Grande do Sul, solicitando a suspensão temporária do uso agrotóxico em todo o Estado.

Elas querem que o herbicida fique proibido “até que sejam delimitadas zonas de exclusão, ou seja, implementado o efetivo monitoramento e fiscalização da aplicação do 2,4-D, para evitar a deriva em culturas sensíveis”. Como a ação ainda não foi julgada, os representantes das duas associações, por recomendação de seus advogados, não quiseram dar entrevista à BBC Brasil.

Cacho sem bagas por causa do 2,4-D

CRÉDITO,JACENIR FREITAS SOARES. O 2,4-D causa problemas nas videiras, como aparecimento de cachos sem bagas

Apesar dos problemas, a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR) do Rio Grande do Sul afirma que “a situação está melhorando”. No final do ano passado, o órgão divulgou um relatório com dados de um levantamento, realizado por seus técnicos de agosto a dezembro, referente à safra de uva de verão 2020/2021. Segundo o documento, houve redução de 25,89% (de 88% para 62,34%) nas amostras de vinhedos contaminadas por 2,4-D, em relação à safra anterior. O número de propriedades atingidas também diminuiu, de 110, em 2019, para 89, em 2020.

De acordo com Rafael Friedrich de Lima, chefe da Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários da SEAPDR, a secretaria tem recebido denúncias e coletado material vegetal para verificar quais compostos estão presentes na deriva. “A SEAPDR realiza também a fiscalização do cumprimento das normas legais”, afirma. “Sempre que os fiscais estaduais agropecuários constatam alguma irregularidade é lavrado auto de infração, que vai gerar processo administrativo, podendo acabar em multa.”

O vice-diretor da Associação dos Produtores de Soja do Rio Grande do Sul (Aprosoja-RS), Luís Fernando Marasca Fucks, reconhece que a contaminação das videiras pelo 2,4-D “tem acontecido”. Mas ele afirma que ela aconteceu devido ao manejo incorreto do agrotóxico.

De acordo com ele, nem todos os produtores usam técnicas e equipamentos apropriados e eficientes. “Mesmo os aparelhos mais simples dispõem de tecnologias de bico adequados, de adjuvantes (substâncias que tornam as gotículas do agrotóxico mais pesadas, evitando que elas sejam elevadas pelo vento) e boas práticas de aplicação”, afirma.

“Mas elas (as regras) não são obedecidas por alguns poucos produtores de soja e aplicadores do produto. Então, ocorre a deriva, que é uma situação que acontece com qualquer produto se não forem seguidas as recomendações para a pulverização.”

Ele afirma que, entre as práticas corretas, está a observância das melhores horas do dia para a aplicação: as que têm as menores temperaturas possíveis. O recomendado é pulverizar o herbicida de manhã cedo ou mais à noite, quando as temperaturas são mais baixas a umidade relativa do ar é maior. “Isso evita a deriva e a evaporação das gotículas menores, quando elas não atingem o solo, ficam em suspensão no ar e evaporam. E aí qualquer brisa as leva para áreas vizinhas”, explica Fucks.

Flores de videira queimadas por causa do agrotóxicoO herbicida queima flores de videiras. CRÉDITO,JACENIR FREITAS SOARES

Segundo Domingos Velho Lopes, presidente do Conselho Superior da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), foram organizados cursos de treinamento para capacitar produtores e aplicadores para fazerem a pulverização correta. “Em 2018, foi criado um grupo de trabalho para tratar do problema do 2,4-D, liderado pelo Ministério Público do Estado, junto com a SEAPDR e entidades representativas do setor agropecuário gaúcho”, conta.

O grupo constatou que nos anos de 2018, 2019 e 2020 houve problemas de deriva do herbicida que afetaram algumas propriedades do Rio Grande do Sul com culturas sensíveis, como uva, maçã e noz, por exemplo. “Foi verificado que o problema era o equipamento de pulverização ou fatores climáticos não ideais”, explica Lopes. “Para resolver isso, foram elaboradas as três instruções normativas que estabelecem regras para a aplicação.”

O grupo de trabalho também descobriu que a contaminação de videiras e outras culturas sensíveis ao agrotóxico se concentrava em 24 municípios. “Então foi feito em todos eles um treinamento forte de orientação, não só dos aplicadores, mas também do produtor rural”, assegura Lopes. “Este é o norte, a boa capacitação, para que sejam respeitadas as condições climáticas e as técnicas de boas práticas agronômicas, para que a aplicação seja feita dentro das normas.”

Lopes diz que é um “problema pontual”. “Se pensarmos que temos 6 milhões de litros de 2,4-D aplicados no Estado, numa média de 1 a 1,5 litro por hectare, teremos entre 4 milhões e 5 milhões de hectares com o herbicida”, afirma. “Se temos cerca de 80 resultados positivos de contaminação isso quer dizer que é quase insignificante. Claro que para quem sofreu a deriva isso é um problema gravíssimo. E quem executou mal a aplicação vai ter problema grave, porque não pode desrespeitar as regras de pulverização.”

“(O problema) deve ser muito bem analisado e o que o grupo de trabalho está fazendo está surtindo efeito”, diz. “Tenho certeza que no momento que a vida voltar ao normal e os cursos de treinamento forem intensificados, os resultados vão ser cada vez melhores.”

Soares, o produtor de Lavras do Sul, não está confiante nisso. “Formei o vinhedo em 2000 e 2001, com mudas clonadas compradas na Itália e na África do Sul”, conta. “Investi R$ 68 mil e o vizinho com dois baldes de 2,4-D gastou menos de R$ 500 e derrubou quase todo a carga [produção] das videiras. Eles contabilizam lucros com a soja e eu somo prejuízo na uva.”

Ele diz que na época em que plantou o vinhedo, não havia lavoura de soja na região e seus vizinhos usavam as terras para a pecuária. “Hoje minha propriedade está cercada pela nova cultura — o produtor mais próximo fica a 50 metros”, diz. “Com o vento, a deriva do 2,4-D atinge pelo menos 20 km. Não dá para continuar, pois os custos são altos e o retorno financeiro pequeno.”

“Vou trabalhar nessa safra e na de 2022, porque tenho as minhas dívidas que o agrotóxico me deixou de herança. É com aperto no coração que terei que acabar com as videiras, que tinha plantado para deixar para minha filha e meus netos.”

fecho

Este artigo foi inicialmente publicado pela BBC Brasil [Aqui!  ].

Soja brasileira: como a indústria finlandesa de carne e ração combate o desmatamento?

Relatório produzido pela ONG finlandesa Finnwatch examina o uso da soja brasileira em empresas de carnes e rações que operam na Finlândia. Este documento foi produzido com financiamento coletivo coletado em 2019
finwatch

baixar PDF 

1. Introdução

Nos últimos anos, o Brasil ganhou as manchetes com incêndios florestais generalizados e mudanças no uso da terra no país. O presidente brasileiro Jair Bolsonaro prometeu acelerar ainda mais o uso das florestas do país para fins comerciais. Vários especialistas estimam que o Brasil não cumprirá suas metas de combate ao desmatamento estabelecidas no contexto do Acordo Internacional do Clima de Paris. A soja é um dos produtos agrícolas mais significativos que aceleram o desmatamento no Brasil, importada pela Europa principalmente para a alimentação animal.

O desmatamento se refere à conversão de áreas florestais em, por exemplo, terras aráveis, pastagens ou terrenos para construção. O desmatamento desempenha um papel negativo fundamental na aceleração do aquecimento global e da perda de biodiversidade. Quando uma floresta é destruída, o carbono ligado à vegetação e ao solo é liberado na atmosfera. No caso de desmatamento, o sumidouro de carbono biológico que retém o carbono da atmosfera também é geralmente perdido ou significativamente reduzido, e a biodiversidade é reduzida à medida que há perda de habitat de espécies. O desmatamento e outras mudanças no uso da terra respondem por 13% de todas as emissões antropogênicas de gases de efeito estufa.

De acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), reduzir o desmatamento e a degradação florestal é uma das opções mais eficazes e eficientes para mitigar as mudanças climáticas e tem o potencial de proporcionar grandes benefícios de adaptação global. Em particular, o IPCC enfatiza a necessidade de proteger as florestas tropicais.

Este relatório examina o uso da soja brasileira em empresas de carnes e rações que operam na Finlândia. O relatório examina a adequação das práticas de responsabilidade corporativa, especialmente no combate ao desmatamento causado pela soja.

Cerca de metade da soja brasileira é produzida na região do Cerrado, onde as florestas e outros habitats são desmatados. Foto: Christoph Diewald , CC BY-NC-ND

2.  O desmatamento está acelerando no Brasil

O Brasil ganhou as manchetes nos últimos anos com a súbita aceleração do desmatamento no país. As mudanças têm suas raízes na mudança da situação política no Brasil. Jair Bolsonaro, que iniciou sua presidência no Brasil no início de 2019, prometeu acelerar ainda mais a exploração econômica das florestas. As atividades de Bolsonaro dificultaram a suspensão do desmatamento por meio de políticas oficiais do governo e mudanças no clima geral. Bolsonaro nomeou um Ministro do Meio Ambiente que minimizou a gravidade da mudança climática, reduziu significativamente o orçamento do Ministério do Meio Ambiente para o controle ambiental e reduziu o número de autoridades que controlam a extração ilegal de madeira e as sanções para a extração ilegal. O presidente também atacou ONGs ambientalistas em seus discursos, e até encorajou a extração ilegal de madeira. Isso tem levado a um aumento da cultura de impunidade no Brasil, segundo organizações de direitos humanos .

A floresta amazônica tem recebido mais atenção, a maior parte da qual, cerca de 60 por cento, está localizada no norte do Brasil. No entanto, o desmatamento continuou não apenas na floresta amazônica, mas também no Cerrado no Brasil central, onde a pressão do uso da terra também aumentou, em parte devido à proteção da Amazônia.

A soja é um dos produtos agrícolas mais significativos que aceleram o desmatamento no Brasil. A soja é produzida no Brasil nas regiões da Amazônia e do Cerrado. A situação em termos de desmatamento é particularmente grave na biomassa do Cerrado, onde quase metade da vegetação original já foi destruída. Desde 2001, a área plantada com soja no Cerrado cresceu quase 11 milhões de hectares. Ao mesmo tempo, 28 milhões de hectares de vegetação natural foram desmatados para outros usos na área .

A pressão pelo uso da terra no Cerrado se deve em parte a um acordo de moratória da soja assinado em 2006 entre o governo brasileiro, a indústria e ONGs, que reduziu a exploração madeireira na Amazônia. A pressão pelo desmatamento mudou para o Cerrado, onde um acordo semelhante ainda não existe e onde a própria legislação florestal do Brasil exige áreas protegidas significativamente menores na Amazônia.

A produção de soja na Amazônia e no Cerrado também está associada ao desmatamento ilegal. Cerca de 20% da soja importada dessas áreas para a UE inclui soja de áreas colhidas ilegalmente. Em 2015, cerca de 13% da soja brasileira foi produzida na Amazônia e 48% no Cerrado.

Em 2017, cerca de 40 milhões de toneladas de soja foram consumidas na Europa. Cerca de 31 milhões de toneladas de soja são importadas pela Europa, principalmente da Argentina, Brasil e Estados Unidos . Com o acordo de 2018 com os Estados Unidos, as importações de matérias-primas derivadas da soja dos Estados Unidos para a UE aumentaram recentemente, mas a soja do Brasil ainda representa cerca de um quinto de todas as importações .

A maior parte, cerca de três quartos, da soja importada pela União Europeia é usada como ração animal. Na UE, 29% da ração da soja é usada para a produção de suínos, 22% para a produção de ovos e 37% para a produção de frangos. A avicultura (produção de frango e ovo) também é a maior consumidora de soja na Finlândia. Além disso, a soja é usada na alimentação de peixes de criação. O uso da soja na alimentação do gado, por outro lado, foi quase totalmente interrompido na Finlândia.

As empresas mais importantes para o mercado europeu de soja estão localizadas na Holanda, onde os maiores players nos setores de carne bovina, pecuária e alimentos dependem da importação de soja. Essas empresas representam cerca de 7% do PIB holandês. Os maiores participantes do negócio de rações na Europa são as empresas holandesas ForFarmers, Nutreco (empresa-mãe SHV Holdings NV) e De Heus 1 . O comércio internacional de soja é dominado pelos gigantes internacionais de commodities Archer Daniels Midland (ADM), Amaggi, Bunge, Cargill, COFCO e Louis Dreyfus Company (LDC).

A região de savana tropical do Cerrado é o segundo maior dos grandes ecossistemas do Brasil. Cerca de metade da soja brasileira é produzida na região do Cerrado. Foto: Brazil Travel, CC BY-SA 4.0

3. Relatório sobre o uso da soja brasileira na indústria finlandesa de carne e ração

A Finnwatch pesquisou o uso da soja brasileira na Finlândia e enviou perguntas sobre a soja e sua responsabilidade a açougueiros domésticos e empresas de ração. Dos açougueiros, HKScan, Atria, Snellman e Pouttu , os maiores açougueiros domésticos, foram selecionados para a pesquisa . Berner, Hankkija, Feedex, Lantmännen Agro, Satarehu, Agrox, Rehux e Nordic Soya operando na Finlândia receberam uma pesquisa de empresas de ração.

As empresas foram questionadas sobre a origem da soja que adquirem, os subcontratados que fornecem a soja e o controle da responsabilidade relacionada à matéria-prima da soja, principalmente no que diz respeito ao combate ao desmatamento. Todas as empresas selecionadas para a pesquisa responderam ao Finnwatch, mas houve grandes diferenças em sua transparência.

HKScan é Ruokatalo, que opera na Finlândia, Suécia, Dinamarca e países Bálticos, e cujas marcas de consumo na Finlândia incluem HK, Kariniemi e Via. Na cadeia de gado HKScan, a ração não contém soja, mas na Finlândia a participação da soja na ração para suínos é de cerca de 5% e na produção de frango de 15 %.

A HKScan está empenhada em usar soja produzida de forma responsável em toda a sua cadeia de produção na Finlândia e na Suécia. Cerca de 20% da soja nos alimentos compostos usados ​​pelos produtores de carne da HKScan na Finlândia vem do Brasil. HKScan é membro da Mesa Redonda sobre Soja Responsável (RTRS), que promove o cultivo responsável de soja e obtém certificações com base em créditos RTRS (ver Capítulo 4) para soja usada em misturas de ração animal na Finlândia.

Não se sabe a porcentagem exata de soja usada na ração na Suécia, mas a soja brasileira é usada em pequenas quantidades, segundo a empresa. Na Suécia, as fábricas de rações são responsáveis ​​pela certificação da soja. A HKScan declara que aceita as seguintes certificações sob a iniciativa sueca de responsabilidade da soja Soja Dialogen: RTRS, ProTerra, Donau Soya e UE-orgânica. Segundo a empresa, a maior parte da soja usada na Suécia é certificada pela RTRS ou ProTerra, outras certificações são usadas em pequenas quantidades.

Na Dinamarca, a empresa não rastreia a origem da soja para ração usada por seus produtores, mas no Báltico, toda a soja usada pelos produtores de carne da HKScan vem do Brasil. O relatório anual da HKScan para 2018 afirma que a empresa decidiu adiar a introdução da soja responsável na Dinamarca e nos países bálticos. O motivo foi a demanda de mercado fraca ou inexistente combinada com o fraco desempenho financeiro da empresa. No momento em que este artigo foi escrito, HKScan disse à Finnwatch que agora está mudando para soja certificada na Dinamarca. No momento em que este artigo foi escrito, a empresa juntou-se à Danish Dansk Alliance for Ansvarlig Soja Group no verão de 2020, e comprometeu-se a passar a usar soja com certificação de responsabilidade na Dinamarca até 2025.

HKScan diz que promover o cultivo responsável da soja é importante para ela como parte do desenvolvimento da produção sustentável de carne, parte da qual é o combate ao desmatamento. A empresa não rastreia a origem da soja até o nível da fazenda.

3.2 Atria 

Atria é uma empresa de carnes e alimentos que opera nos países nórdicos, Estônia e Rússia. Nas granjas de frangos da Atria, o farelo de soja é responsável por 11% da ração usada. Na cadeia de suínos da Atria, a ração com soja é responsável por cerca de 3%.

Atria afirma que está trabalhando para reduzir ainda mais o consumo de soja e para substituí-la por fontes de proteína domésticas . No que diz respeito ao uso de soja, a Atria está comprometida com o uso de soja certificada pela RTRS ou ProTerra produzida de forma responsável, tanto na alimentação animal quanto na alimentação. Além disso, o Atria usa pequenas quantidades de conservante alimentar, geralmente como ingrediente em misturas de especiarias individuais. A soja para alimentos chega às fábricas da Atria por meio de fornecedores de especiarias. Segundo a empresa, sua origem é principalmente Europa ou América do Norte.

Além das certificações de soja, a Atria exige que seus parceiros de negócios cumpram o Código de Conduta do Fornecedor da Atria . A implementação do Código de Conduta é monitorada com base no risco.

A Atria diz que seu feed A-feed para produção de rações sempre usa soja certificada com créditos RTRS, certificada pelo ProTerra ou atendendo aos mesmos critérios. A-Rehu compra anualmente aproximadamente 5.000 toneladas de farelo de soja brasileiro não GM certificado pelo ProTerra. A farinha de soja é adquirida por meio de uma subcontratada norueguesa e a Atria não divulga o nome da subcontratada ao público. Cerca de 15.000 toneladas de farelo de soja geneticamente modificado certificado com créditos RTRS são entregues à empresa por meio de intermediários por ano. Os produtores desse farelo de soja na Europa são a ADM e a Bunge, e a soja que utilizam como matéria-prima pode vir do Brasil ou da América do Norte. A soja com certificação RTRS não pode ser rastreada até o nível da fazenda. A soja certificada pelo ProTerra, por outro lado, é rastreável até o nível da fazenda, mas a Atria não solicitou informações sobre a origem exata da soja. Atria diz que o uso de soja na alimentação A caiu quase pela metade nos últimos cinco anos, e a quantidade de soja usada continuará diminuindo.

Na Rússia, a subsidiária da Atria também utiliza carnes de origem brasileira em sua produção. Segundo a empresa, o principal motivo para isso é a pouca disponibilidade de carne bovina dos operadores locais, bem como o preço e a qualidade da matéria-prima. A carne suína também foi importada em pequenas quantidades do Brasil no início de 2020. Segundo a empresa, as quantidades de carne adquiridas pela Atria Rússia são pequenas na escala de todo o Grupo Atria, A carne importada do Brasil representa menos de 1,5% de toda a carne processada. Atria não fornece informações mais detalhadas sobre a origem da carne brasileira adquirida pela Atria Rússia. A empresa invoca sua ética comercial de que não pode terceirizar informações de subcontratação em nome de seus fornecedores. A certificação da responsabilidade da carne brasileira utilizada é baseada nas declarações dos próprios fornecedores. Os produtos cárneos comercializados pela Atria Rússia não são importados para o mercado finlandês.

3.3 Snellman

O Snellman Group está focado na produção de alimentos, que inclui, por exemplo, produção primária de carne e fabricação de produtos cárneos. Figell Oy, uma subsidiária da Lihanjalostus Oy da Snellman, adquire ração completa e suplementar contendo soja para suas próprias unidades de criação de porcos em Kauhava e Jämsä. Caso contrário, a Snellman Meat Processing não compra ou distribui ração contendo soja aos produtores.

A ração usada pelas unidades de suínos da Figen é comprada da Hankkija Oy. O teor de soja da ração consumida pelos porcos é de cerca de 6%, e a soja é de origem brasileira. A empresa não tem informações sobre em quais fazendas no Brasil a soja é cultivada, mas a soja que utiliza é certificada pelo ProTerra.

A cadeia de produção de carne bovina usada nos produtos cárneos da Snellman é livre de soja, o que significa que os produtores de gado contratados não podem usar ração contendo soja na alimentação do gado. A soja pode ser usada na cadeia de valor da carne suína da Snellman, mas a empresa tem um objetivo estratégico de reduzir seu uso.

Os produtores de carne suína da Snellman adquirem ração principalmente de Hankkija Oy, Feedex Ab e Rehux Oy, com quem a Snellman tem acordos separados sobre rações adequadas para produção livre de OGM. Na compra de ração, a soja brasileira é certificada pelo ProTerra. O farelo de soja não transgênico utilizado pelo fornecedor é feito de soja brasileira da Europa (fabricada pela luxemburguesa Sodrugestvo). A farinha de soja é certificada pelo ProTerra. A Rehux Oy adquire produtos de soja da Nordic Soya Oy, dos quais cerca de 8% da soja processada é de origem brasileira e certificada pelo ProTerra, o restante são grãos norte-americanos ou europeus. O farelo de soja não transgênico usado pela Oy Feedex Ab é feito de soja brasileira. Feedex compra farelo de soja por meio da Berner Oy.

A Snellman também comercializa produtos de frango para os quais adquire carne de aves domésticas. De acordo com a empresa, seus fornecedores de aves responderam que a soja certificada ProTerra e RTRS é usada na alimentação. Snellman não tem mais informações sobre isso. rastreabilidade da soja até o nível da fazenda

3.4 Pouttu

A Pouttu é uma empresa que fabrica diversos produtos à base de carne e vegetais na Finlândia, com uma fábrica localizada em Kannus. A própria Pouttu não compra matéria-prima de origem brasileira. A Pouttu adquire a carne que usa em seus produtos de açougues nacionais e da UE. A soja brasileira pode ter sido usada na produção de carne.

O Pouttu não impõe requisitos de responsabilidade sobre a soja que é usada na produção da carne que compra

3,5 Agrox

Agrox é uma fábrica de rações finlandesa localizada em Mynämäki. A Agrox diz que compra o farelo de soja que usa da Finlândia, mas não quer que seu subcontratante doméstico se torne público por razões comerciais.

Mais de 90% da soja usada pela empresa vem de fora do Brasil. A soja brasileira adquirida é certificada com créditos RTRS e, além disso, a Agrox recebeu uma declaração por escrito da subcontratada americana ADM de que a soja do Brasil não provém de áreas de risco. A Agrox forneceu à Finnwatch as informações que recebeu da ADM sobre o monitoramento da responsabilidade da soja. A ADM está envolvida nas principais iniciativas de responsabilidade existentes na indústria e assinou, por exemplo, o Acordo de Moratória da Soja na Amazônia (para o Acordo do Cerrado, ver Capítulo 5). De acordo com a empresa, ela consegue rastrear todas as suas compras diretas no nível da fazenda e constatou que menos de 0,5% de suas compras vêm de fontes indiretas por meio do Soft Commodities Forum (SCF) 30 áreas de risco identificadas pelo

No Brasil, o cultivo da soja é uma ameaça em especial para o bioma Cerrado, onde metade da vegetação original foi destruída. Foto: Victor Moriyama, CC-BY-NC-ND 2.0

3.6 Fornecedores

A Hankkija Oy, parte do Danish Agro Group, vende maquinário agrícola, bem como produtos agrícolas, de alimentação e cuidado de animais, jardinagem e produtos para cavalos e animais de estimação. O fornecedor utiliza farelo de soja brasileiro, certificado pelo ProTerra, na produção de ração para suínos e aves. O fornecedor não divulga ao público as quantidades de soja adquiridas. A aquisição de soja é feita pela empresa de aquisição do Grupo DLA Agro, que adquire farelo de soja da empresa luxemburguesa Sodrugestvo. A farinha de soja que chega ao fornecedor foi prensada na fábrica da Sodrugestvo na Rússia.

Em 2019, o farelo de soja brasileiro representou cerca de um quarto de todo o farelo de soja usado pelo fornecedor na fabricação de rações. Além da certificação ProTerra, a soja deve atender aos requisitos de responsabilidade da FEFAC, a associação europeia da indústria de rações . O farelo de soja é rastreável até o nível da fazenda, mas o Fornecedor não solicitou informações específicas do lote sobre a origem exata da soja.

Na prática, os requisitos de responsabilidade da FEFAC não vão além da certificação ProTerra. O ProTerra é um dos muitos esquemas de responsabilidade da soja que a FECAF considera atender aos seus requisitos. Veja FEFAF, Combate ao desmatamento ; ITC, padrões ou programas em conformidade com as diretrizes FEFAC , (referenciado em 4.1.2021

3.7 Soja Nórdica

Nordic Soya é um produtor finlandês de proteína vegetal cujos principais produtos são concentrado de proteína de soja (SPC), farelo de soja, óleo de soja e farelo de colza higienizado. A empresa afirma que pretende expandir sua base de matéria-prima de soja para outras proteínas vegetais. Um exemplo disso é o feijão doméstico, a partir do qual a Nordic Soya processa farinha de feijão adequado para misturas de ração animal.

A Nordic Soya foi a única empresa selecionada na pesquisa da Finnwatch que não disse de onde vêm as matérias-primas que adquiriu. Segundo a empresa, não está preparada para abrir “matérias cobertas por segredos comerciais, como matérias-primas e fornecedores de matérias-primas”. A empresa afirma que seu princípio básico é se esforçar para atender às necessidades de seus clientes e “vender-lhes os ingredientes de ração que desejam comprar”. No entanto, os clientes da empresa declararam que adquirem a matéria-prima da soja de origem brasileira por meio da Nordic Soya (ver, por exemplo, seção 3.3).

O principal produto da Nordic Soya, o concentrado de proteína de soja, é amplamente utilizado na alimentação de peixes, especialmente na Noruega. No ano passado, a empresa diz que mudou de uma matéria-prima de soja produzida de forma sustentável, totalmente europeia, certificada pelo ProTerra ou EuropeSoya no concentrado de proteína de soja vendido no mercado de ração para peixes. A decisão foi influenciada pelo desejo dos produtores noruegueses de ração para peixes de avançar para a soja europeia produzida de forma responsável 32 . A Nordic Soya diz que deseja se envolver na promoção da produção europeia e sustentável de soja e é membro do ProTerra e da EuropeSoya.

3.8 Satarehu

Satarehu é uma fábrica de rações localizada em Vampula, que produz rações compostas para aves. A Satarehu usa farelo de soja na ração que comercializa, que compra principalmente da ADM e, em menor escala, da Nordic Soya e Berner. A ADM informou Satarehu que 85% da soja que usa vêm da América do Norte. Satarehu não sabe exatamente a origem da soja no farelo de soja que compra. Toda a soja contida na ração vendida pela empresa foi comprada com um certificado RTRS (o comprador dos créditos RTRS é HKScan, que adquire os créditos em nome de seus produtores contratados) ou com o certificado ProTerra ou a soja não é de origem sul-americana.

3.9 Lantmännen Agro

A Lantmännen Agro Oy, membro do Grupo Sueco Lantmännen, que comercializa rações e outros produtos agrícolas, disse à Finnwatch que não adquire produtos ou matérias-primas de origem brasileira. No entanto, a empresa apenas respondeu no que diz respeito a si própria, uma vez que todo o Grupo Lantmännen não recolhe nem partilha dados de compra de forma coordenada.

3.10 Rehux

A Rehux, fabricante de ração para suínos e frangos, diz que não importa o farelo ou a polpa de soja que usa, mas adquire produtos à base de soja da Berner e Nordic Soya. A empresa diz que prefere soja europeia ou americana sempre que possível, mas se não estiver disponível, compra ProTerra ou soja brasileira com certificação RTRS. A certificação RTRS é baseada em créditos RTRS.

3,11 Berner

Berner é um grupo diversificado que fabrica, comercializa e distribui uma ampla gama de diferentes produtos e matérias-primas. A Berner adquire e encaminha soja da Denofa, do Grupo Amaggi. A origem da soja é o Brasil. Em 2020, 4.500 toneladas de soja foram adquiridas e foi certificado pelo ProTerra. Por meio da certificação do ProTerra, é possível rastrear a soja em nível de fazenda, mas isso ainda não foi feito na Berner.

A Berner também importa soja Kikkoman para a Finlândia, que é feita com soja do Brasil, Canadá ou Estados Unidos. A soja brasileira é certificada pelo ProTerra.

3.12 Feedex

A Feedex fabrica e vende ração para fazendas. A Feedex não importa a soja que ela mesma usa, mas afirma que compra da Berner pequenos lotes de soja brasileira certificada pelo ProTerra. Através da certificação ProTerra, a soja pode ser rastreada até o nível da fazenda, mas a Feedex não solicitou informações sobre a origem exata da soja.

Tabela 1: Resumo das divisões da soja e controle de responsabilidade da soja das empresas que operam na Finlândia

Companhia

A soja brasileira é usada na cadeia de valor da empresa?

Como é monitorada a responsabilidade da soja brasileira?

De qual subcontratado a soja brasileira é comprada?

A soja brasileira é rastreada / rastreável até o nível da fazenda?

HKScan

Sim, na alimentação de porcos e galinhas

Na Finlândia, RTRS-Krediitit, na Suécia também outras certificações. A Dinamarca está em processo de mudança para as certificações. As certificações não são usadas no Báltico.

Vários subcontratados, na Finlândia, por ex. Satarehu

Não

Atria / A-rehu

Sim, na alimentação de porcos e galinhas

Créditos RTRS, Certificação ProTerra (Segregação)

Farelo de soja brasileiro certificado pelo ProTerra através de um subcontratado norueguês. Em. o nome do subcontratado não é divulgado ao público. O farelo de soja brasileiro geneticamente modificado certificado com créditos RTRS é adquirido da ADM e da Bunge.

A soja com certificação RTRS não é rastreável. A soja certificada pelo ProTerra pode ser rastreada até o nível da fazenda, mas a Atria não solicitou informações sobre a origem exata da soja.

Snellman /
Figen Oy

sim

Certificação ProTerra (segregação)

A ração usada pelas unidades de suínos da Figen é comprada da Hankkija Oy.

Os produtores de suínos da Snellman adquirem ração principalmente de Hankkija Oy, Feedex Ab e Rehux Oy.

A soja certificada pelo ProTerra pode ser rastreada até o nível da fazenda, mas Snellman não solicitou informações sobre a origem exata da soja.

Pouttu

Não compre matérias-primas de origem brasileira. Obtém carne de açougueiros domésticos e da UE. A soja brasileira pode ter sido usada na produção de carne.

Não impõe requisitos de responsabilidade sobre a soja usada na produção de carne.

Não rastreia a origem da soja usada na produção de carne.

Agrox

sim

RTRS-Credits, controle de responsabilidade do próprio subcontratado

Da ADM

A própria Agrox não rastreou suas compras de soja nas fazendas. No entanto, o subcontratado da Agrox, ADM, diz que é capaz de rastrear todas as suas compras diretas no nível da fazenda.

Fornecedor

sim

Certificação ProTerra (segregação)

A aquisição de soja é realizada pela empresa de aquisição do Grupo DLA Agro, que adquire farelo de soja da Sodrugestvo.

O farelo de soja certificado pelo ProTerra pode ser rastreado até o nível da fazenda, mas o Fornecedor não solicitou informações específicas do lote sobre a origem exata da soja.

Soja Nórdica

A empresa não divulga segredos comerciais

Sem informação

Sem informação

Sem informação

Satarehu

sim

Créditos RTRS e Certificação ProTerra (Segregação). A RTRS-Krediitit compra o HKScan em nome de seus próprios produtores contratados.

Da ADM e, em menor grau, da Nordic Soya e Berner

A soja certificada pelo ProTerra pode ser rastreada até o nível da fazenda, mas Satarehu não solicitou informações sobre a origem exata da soja.

Lantmännen
Agro Oy

Não compre matérias-primas de origem brasileira. No entanto, a resposta aplica-se apenas à própria empresa, não a todo o Grupo Lantmännen.

Rehux

Sim, se europeu ou americano não estiver disponível

Certificação ProTerra (Segregação) ou Créditos RTRS

De Berner ou Nordic Soya

A soja certificada pelo ProTerra pode ser rastreada até o nível da fazenda, mas Rehux não solicitou informações sobre a origem exata da soja.

Berner

sim

Certificação ProTerra (segregação)

Denofalta, faz parte do grupo Amaggi

A farinha de soja certificada pelo ProTerra pode ser rastreada até o nível da fazenda, mas Berner não solicitou informações específicas do lote sobre a origem exata da soja.

Feedex

sim

Certificação ProTerra (segregação)

De Berner

A farinha de soja certificada pelo ProTerra pode ser rastreada até o nível da fazenda, mas a Feedex não solicitou informações específicas do lote sobre a origem exata da soja.

4. Certificações de responsabilidade da soja usadas por empresas que operam na Finlândia

Em sua certificação de responsabilidade, os frigoríficos finlandeses e empresas da indústria de rações favorecem as certificações de responsabilidade líderes mais comuns do mercado, cujos critérios para a produção carecem de desmatamento e corte da vegetação original. As mais comumente usadas são as certificações RTRS e ProTerra.

Muitas das empresas que operam na Finlândia e que compram soja abrangidas por este relatório contam com a certificação RTRS para atestar a responsabilidade da soja. A Mesa Redonda da Associação de Soja Responsável (RTRS) é uma organização fundada na Suíça em 2006 com o objetivo de aumentar a produção, o comércio e o uso da soja produzida de forma responsável. A RTRS mantém a certificação de responsabilidade RTRS da soja em todo o mundo.

A certificação RTRS é baseada no padrão RTRS para produção de soja responsável, que é atualizado a cada quatro anos. A versão válida atual do padrão foi aprovada em 2017 e a próxima atualização está prevista para 2021.

A norma é construída em torno de cinco princípios relacionados a 1) conformidade com a lei e boas práticas comerciais, 2) condições de trabalho responsáveis, 3) relações responsáveis ​​com as partes interessadas locais, 4) responsabilidade ambiental e 5) boas práticas agrícolas. Além disso, Diretrizes Nacionais de Interpretação mais detalhadas para a aplicação da norma foram desenvolvidas para cada país produtor, incluindo o Brasil.

Em termos de combate ao desmatamento, o elemento mais importante da RTRS é a proibição do desmatamento, que se limitará a maio de 2009. Isso significa que a soja certificada não deve ser produzida em fazendas onde a natureza de floresta nativa crítica para a biodiversidade, áreas úmidas, florestas costeiras ou vegetação de encostas íngremes foram desmatadas desde maio de 2009.

De acordo com diversos relatórios de avaliação, a RTRS é uma das certificações mais ambiciosas em termos de combate ao desmatamento. Na comparação de 2019 de sistemas de certificação preparados pela consultoria Profundo com foco em pesquisa de sustentabilidade, apenas o sistema ISCC Plus alemão ficou à frente da RTRS.

Uma empresa que compra soja pode obter soja certificada RTRS de muitas maneiras diferentes: por meio de créditos RTRS, por meio de um sistema de balanço de massa ou segregado. O uso de créditos RTRS é uma compra separada de certificados. De acordo com o esquema de crédito, os usuários finais da soja compram certificados de produtores certificados pela RTRS e, assim, fornecem apoio financeiro aos produtores RTRS. A soja adquirida pelo próprio não é rastreável e o comprador e o produtor certificado não têm outra relação comercial além dos certificados. Conclui-se que não há requisitos de certificação ou controle de produção para os próprios grãos de soja comercializados e, portanto, também pode vir de fazendas onde os requisitos da RTRS não são cumpridos.

A segunda que ocorre no mercado finlandês de certificação de sustentabilidade de terceiros para soja é a Proter, que tem como foco os produtos não geneticamente modificados, ou seja, os chamados. Certificação de soja livre de OGM. A liberdade de OGM requer o tratamento separado da soja e, portanto, a soja certificada pelo ProTerra é freqüentemente mais rastreável até o nível da fazenda do que a soja certificada pela RTRS. Os requisitos do ProTerra são em muitos aspectos semelhantes aos requisitos do padrão RTRS. No ProTerra, a proibição do desmatamento é mais rígida do que o padrão RTRS, com a chamada data de corte de 2008. No entanto, para alguns outros critérios ambientais, o esquema de certificação do ProTerra foi avaliado como mais fraco do que o RTRS.

Do ponto de vista do desmatamento, o maior problema das certificações de soja não são tanto os critérios dos sistemas mais ambiciosos do mercado como RTRS e ProTerra, mas o fato de que a quantidade de soja certificada adquirida é insignificante. Das terras com cultivo de soja, apenas cerca de 2 milhões de hectares são cobertos por certificações. Essa área representa cerca de 1,6% da área total de soja. Além disso, a certificação da soja comprada, principalmente por meio de uma comercialização de crédito separada da comercialização física, pode, ao mesmo tempo, dar suporte e viabilizar o comércio convencional que causa o desmatamento.

Pelos motivos mencionados acima, a certificação da soja por si só não é mais suficiente e, além disso, deve-se garantir que os subcontratados se comprometam com um dia de corte para evitar o desmatamento em toda a produção de soja. Isso é discutido com mais detalhes no próximo capítulo.

A RTRS não inclui a exigência de que as áreas de alto valor de conservação em uma fazenda certificada sejam avaliadas por uma parte externa. Profundo, 2019, Definindo o padrão para soja livre de desmatamento na Europa – Uma referência para avaliar a adequação de sistemas de padrões voluntários , p. 18.

5. Novas soluções para combater o desmatamento causado pela soja

As certificações de responsabilidade da soja têm sido uma solução fraca para os problemas ambientais da produção de soja, especialmente no que diz respeito ao desmatamento e à destruição de ecossistemas naturais, já que a participação da soja certificada no total da soja permanece insignificante. Ao mesmo tempo, o desmatamento e outras mudanças no uso da terra causados ​​pelo cultivo da soja permaneceram insustentáveis, especialmente na biomassa do Cerrado. Vários grandes compradores europeus descreveram a situação no Brasil como fora de controle e apelaram ao setor da soja para tomar medidas urgentes para remediar a situação, instando a indústria a se comprometer com o chamado GTC (Grupo de Trabalho do Cerrado, Grupo de Trabalho da Soja do Cerrado) .

No Brasil, indústria e ONGs vêm negociando há quatro anos um acordo GTC que interromperia o desmatamento e o desmatamento de ecossistemas naturais na biomassa do Cerrado. O acordo seria uma reminiscência do acordo de moratória da soja na Amazônia, que produziu bons resultados. Sob o acordo, os comerciantes de soja se comprometeriam a comprar soja apenas de fazendas onde nenhum novo ecossistema será eliminado do cultivo de soja após uma data mutuamente acordada (a chamada data limite) O monitoramento do acordo seria feito por imagens de satélite das fazendas de soja e pela auditoria das compras das empresas compradoras. O acordo é baseado no Quadro de Responsabilidade, desenvolvido em cooperação entre organizações e sistemas de certificação e publicado em 2019. A Estrutura de Responsabilidade contém padrões, definições e diretrizes para agricultura e silvicultura responsáveis, e é baseada não apenas nas opiniões das organizações envolvidas, mas também em padrões internacionais, como os Princípios Orientadores da ONU, as Convenções da OIT, a Declaração de Nova York sobre Florestas e as Metas de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas .

Um novo acordo foi negociado entre as partes do denominado grupo de trabalho GTC. No entanto, exatamente quando o acordo concluído deveria ser anunciado no início de 2020, empresas brasileiras e internacionais que comercializavam soja, inesperadamente, desistiram de assinar o acordo.

Compromissos estão sendo feitos internacionalmente, segundo os quais, no futuro, os compradores internacionais só poderão negociar com empresas que tenham celebrado um acordo GTC. Já foram assinados compromissos na Suíça, Áustria, Alemanha e França. Ainda não foram assumidos compromissos na Finlândia.

Até o momento, o número de empresas que comercializam a soja brasileira ainda é pequeno. Caramuru, Imcopa e Selecta estão incluídos . Uma frente unida dos atores europeus em apoio ao acordo é, portanto, essencial para a sua entrada em vigor. o em 22.1.2021)

6.  Resumo

O desmatamento no Brasil continua. No que diz respeito ao cultivo da soja, a situação é aguda, principalmente no grande ecossistema do Cerrado.

Na Finlândia, a soja brasileira ainda é amplamente utilizada na alimentação de porcos e galinhas. Nove das 12 empresas de carnes e rações que responderam à pesquisa da Finnwatch confirmaram que suas cadeias de valor incluem a soja brasileira. A Lantmännen Agro Oy não compra soja do Brasil, mas forneceu à Finnwatch informações apenas sobre suas próprias operações, não sobre todo o Grupo Lantmännen. Pouttu não compra matéria-prima de soja em si, mas a soja brasileira usada como ração em suas cadeias de valor provavelmente virá por meio da compra de carne. Um grande player na indústria de rações, a Nordic Soya, foi a única empresa que não forneceu à Finnwatch informações sobre a origem da soja que comprou. A empresa declarou publicamente que busca o reconhecimento como produtora de proteína responsável. A transparência das atividades não contribui para esse objetivo. Os clientes da empresa disseram que adquirem a matéria-prima da soja de origem brasileira por meio da Nordic Soya.

Todas as empresas que compram soja brasileira na Finlândia usam soja certificada pela RTRS ou ProTerra. Cinco das empresas respondentes contam com créditos RTRS para certificação de responsabilidade da soja. O uso de créditos RTRS é uma compra separada de certificados, onde a soja adquirida não é rastreável e o comprador não sabe de onde a soja vem (ver Capítulo 4). Conclui-se que a soja física usada como ração pode não atender a nenhum requisito de certificação e sua produção não foi controlada.

Nenhuma das empresas respondentes que usam soja brasileira em sua cadeia de valor rastreou a soja brasileira que compraram até sua fazenda. Todas as empresas que compram soja segregada certificada pelo ProTerra teoricamente teriam a capacidade de rastrear a soja, mas não o fizeram.

Grande parte das compras de empresas que operam na Finlândia vem de resíduos internacionais de soja. As empresas internacionais de matérias-primas das quais as casas de carne e rações que operam na Finlândia compram suas matérias-primas de soja são Denofa (Amaggi), ADM, Bunge e Sodrugestvo. Nenhum desses subcontratados de soja usados ​​por empresas finlandesas ainda entrou em um acordo GTC para proteger a biomassa do Cerrado. Dos participantes da lista, Bunge e Sodrugestvo são considerados fracos em suas práticas de responsabilidade corporativa em várias comparações.

Algumas das respostas das empresas sugerem que a responsabilidade não é necessariamente um valor absoluto, mas está fortemente ligada à demanda do mercado. Por exemplo, o HKScan não usa soja certificada no Báltico. Já a subsidiária da Atria adquire carne brasileira para o mercado russo, cuja procedência exata a empresa não fornece. A carne brasileira também é um produto de alto risco do ponto de vista do desmatamento.

Em um resumo do mercado finlandês de soja examinado neste estudo, pode-se afirmar que uma parte significativa das empresas que usam ou comercializam soja na Finlândia contam com o comércio de certificado para certificação de responsabilidade. Além disso, compram soja de empresas que não firmaram acordo para evitar o desmatamento no Cerrado. Por isso, pode-se considerar muito provável que a soja utilizada para a produção de carne na Finlândia contribua para o desmatamento do Brasil e a destruição de ecossistemas naturais. Também é possível que parte da soja usada na Finlândia venha de áreas colhidas ilegalmente.

7.  Recomendações
Para empresas
  • O acordo GTC abordaria o desmatamento que ameaça o bioma Cerrado. As empresas que operam na Finlândia usando soja brasileira devem cooperar em questões de responsabilidade corporativa e se juntar à frente de compradores europeus para apoiar o acordo GTC. Em todas as empresas compradoras, toda a cadeia da soja deve se comprometer a comprar soja no futuro apenas de fornecedores de matéria-prima que façam parte do acordo GTC.
  • As empresas devem apresentar certificações de soja que permitam a rastreabilidade física da soja adquirida. Contar apenas com os créditos da RTRS não é uma forma suficiente de garantir a sustentabilidade social ou ecológica da soja comprada. As empresas devem garantir a sustentabilidade ecológica das matérias-primas em suas cadeias de valor, planejando suas aquisições de acordo com os padrões estabelecidos pelo Quadro de Responsabilidade.
  • As empresas devem continuar a investir na aquisição e processamento de proteínas vegetais mais ecologicamente sustentáveis ​​e geograficamente mais próximas. Os operadores do setor alimentar precisam aumentar o fornecimento de produtos de proteína vegetal ecologicamente sustentáveis.
Para cidadãos
  • Toda exploração de recursos naturais geralmente tem um impacto direto ou indireto sobre o uso de florestas e outros ecossistemas. A proteção das florestas e da biodiversidade, portanto, não é apenas uma questão de deixar certas áreas intocadas, mas também, na medida do possível, da necessidade de reduzir o uso de matérias-primas. A soja é importada do Brasil para a Europa principalmente para alimentação animal. Reduzir o consumo de carne e adotar uma dieta vegetariana é a melhor maneira de garantir que os próprios hábitos de consumo não contribuam para o desmatamento no Brasil e em outros países.
  • No caso de compra de carne, devem ser selecionados produtos para os quais a empresa possa indicar de onde vem a ração utilizada e como tem sido monitorada sua responsabilidade. No futuro, os produtos cárneos só devem ser comprados de empresas que se comprometeram não apenas com o acordo de moratória da soja na Amazônia, mas também com o acordo GTC, que está ausente no desmatamento do Cerrado.

Para tomadores de decisão

  • A Finlândia não deve aceitar o acordo comercial de baixa sustentabilidade do Mercosul negociado com o Brasil em sua forma atual. A nível da UE, as negociações futuras com o Brasil também não devem ser retomadas até que este tenha assumido um compromisso credível de implementar os compromissos assumidos no Acordo de Paris.
  • A União Europeia deve definir a União Europeia produzir um rehusoijalle requisitos de durabilidade e exige todas as formas de poder de mercado na rejeição de desmatamento União soijalta de certificação ou outros controles de terceiros credíveis para evitar o desmatamento.
  • Tanto na Finlândia quanto na União Européia, a preparação de legislação de responsabilidade corporativa baseada no dever de cuidado deve continuar. A Comissão Europeia deve também preparar uma proposta legislativa de combate ao desmatamento nas cadeias de valor das empresas, em linha com a resolução aprovada pelo Parlamento Europeu em outubro de 2020 47 .
  • Os contratos públicos devem promover resolutamente a transição para uma dieta vegetariana. Ao comprar carne, os requisitos devem ser definidos para a responsabilidade da soja usada como ração: a ração de soja deve ser certificada e rastreável às instalações de produção.

fecho

Este relatório foi escrito originalmente em finlândes e publicado pela ONG Finnwatch [Aqui!].

Soja da Amazônia não é “livre de desmatamento”

Abiove e Ministério da Agricultura divulgam informação falsa após ameaça do presidente francês

pulverizadoraMáquina pulveriza agrotóxico sobre plantação de soja na Amazônia Foto: © Bruno Kelly / Greenpeace

20% da soja dos biomas Amazônia e Cerrado foi produzida em imóveis rurais que desmataram, aponta estudo

Em resposta ao presidente da França, Emmanuel Macron, que ameaçou boicotar a soja brasileira em razão do desmatamento da Amazônia, a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) afirmou em nota nesta terça-feira (12/01) que “a soja produzida no bioma Amazônia no Brasil é livre de desmatamento desde 2008 graças à Moratória da Soja, iniciativa internacionalmente reconhecida que monitora, identifica e bloqueia a aquisição de soja produzida em área desmatada no bioma, garantindo risco zero do envio de soja de área desmatada (legal ou ilegal) deste bioma para mercados internacionais”.

No mesmo tom, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) afirmou, em nota divulgada no dia seguinte, que “a soja brasileira não exporta desmatamento”.

A Moratória da Soja, uma iniciativa de ONGs ambientais com participação da Abiove e da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), tem de fato contribuído para reduzir a pressão sobre a floresta amazônica, mas isso não significa soja “livre” de desmatamento, nem que há “risco zero” de exportação de soja de áreas desmatadas no bioma ou que “a soja brasileira não exporta desmatamento”.

Segundo pesquisa publicada recentemente na Science, uma das mais importantes revistas científicas, cerca 20% da soja dos biomas Amazônia e Cerrado exportada para a União Europeia foi produzida em imóveis rurais que desmataram entre 2008 e 2018, desrespeitando o código florestal. O levantamento foi feito com base em informações declaradas no Cadastro Ambiental Rural (CAR) e dados de exportação de soja.

Além disso, o estudo indica que 0,5 milhão de tonelada de soja da Amazônia é exportada para países europeus, contra 1,4 milhão de tonelada do Cerrado, embora esse bioma seja cinco vezes menor que a Amazônia. Isso reforça um problema que vem se agravando: o desmatamento no Cerrado, que em 2020 aumentou 13%segundo o Inpe, totalizando quase 50% de eliminação da vegetação nativa do bioma.

A manifestação da Abiove ocorreu logo após Macron afirmar, no Twitter, que “continuar a depender da soja brasileira seria o mesmo que apoiar o desmatamento da Amazônia”. Em seguida, ele completou: “Somos coerentes com nossas ambições ecológicas, estamos lutando para produzir soja na Europa”. O presidente francês tem mantido posição contrária ao acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul, sob alegação de que o Brasil precisa cumprir o Acordo de Paris e reduzir o desmatamento, gerando pressão sobre o governo Bolsonaro e acenando para agricultores locais.

Em 2019, o Brasil produziu 114 Mton de soja, das quais 28 Mton no bioma Amazônia e 40 Mton na Amazônia Legal (o que inclui o Cerrado de MT, MA e TO), aponta o professor da UFMG Raoni Rajão, um dos autores do estudo da Science, com dados do IBGE. Ou seja, a região é responsável por 25% a 35% da produção nacional, dependendo da definição territorial utilizada.

A exemplo da moratória da soja na Amazônia, ONGs têm pressionado as indústrias por um acordo para o Cerrado, com o objetivo de barrar a expansão da soja sobre a vegetação nativa. No entanto, após um longo período de tratativas, nenhum resultado concreto foi atingido. O governo, que participava dos grupos de trabalho e endossava a iniciativa voluntária, retirou-se das negociações na gestão Bolsonaro, sinalizando o desinteresse pelo combate ao desmatamento.

A moratória da soja começou a funcionar a partir de 2006, após forte pressão de ONGs sobre compradores internacionais, com o argumento de que eles estimulavam o desmatamento na Amazônia ao produzir a oleaginosa.

Para resolver o embate foi criado um grupo de trabalho e pactuado, entre as ONGs e a Abiove, que as indústrias não comprariam mais soja de produtores cuja área para produção no bioma Amazônia tenha sido desmatada após 2008, mesmo com autorização.

Foi criado um sistema de monitoramento privado com imagens de satélite nos principais municípios produtores de soja, que identifica quem descumpre as regras e bloqueia a compra por parte das indústrias.

De acordo com o último relatório sobre a moratória, divulgado em abril de 2020 (safra 2018/2019) pelo Grupo de Trabalho da Soja, 1,8% dos produtores de soja no bioma Amazônia estariam em desacordo, ou seja, desmataram após 2008. O documento também considera que após a implementação do acordo houve uma redução de 4,6 vezes da taxa média de desmatamento na Amazônia, atribuindo parte desse resultado à iniciativa. No entanto, segundo dados do Inpe, o desmatamento na Amazônia aumentou 34,5% em 2019 e 8,5% em 2018.

Na quinta-feira (14/1), Bolsonaro atacou o presidente francês, classificando suas declarações de “politicalha” e “campanha contra o Brasil”: “(…) Quanto de floresta tem a França? Porque eles falam tanto em reflorestamento, em dar dinheiro pra nós. Não tem que dar dinheiro pra nós, não, nós vamos dar mudas de árvores para você replantar, reflorestar aí (…)”. Ao contrário do Brasil, a França tem recuperado suas florestas desde o início da revolução industrial: em 1800 elas cobriam menos de 15% do território, hoje se aproximam dos 30%, mostrou o professor da UFMG.

fecho

Este texto foi inicialmente publicado pelo site Fakebook.eco [Aqui!].

Desmatamento na Amazônia, Emmanuel Macron, e o boicote às commodities agrícolas brasileiras

“Depender da soja brasileira é endossar desmatamento na Amazônia”, diz Macron

Presidente francês volta a criticar o desflorestamento no Brasil e diz que Europa deve investir mais no cultivo local de soja para ser “coerente” com suas ambições ecológicas.

macron

Macron é uma das vozes mais críticas à política ambiental do governo Bolsonaro

O presidente da França, Emmanuel Macron, voltou a criticar o desmatamento na Amazônia nesta terça-feira (12/01), afirmando que a Europa precisa investir mais no cultivo de soja em seu território, senão estará “endossando” o desflorestamento em terras brasileiras.

“Continuar dependendo da soja brasileira é endossar o desmatamento da Amazônia”, escreveu Macron em postagem no Twitter. “Somos coerentes com as nossas ambições ecológicas, estamos lutando para produzir soja na Europa!”, completou.

O texto acompanha um vídeo de 30 segundos, em que o presidente francês destaca que, “quando importamos a soja produzida a um ritmo rápido a partir da floresta destruída no Brasil, nós não somos coerentes” com as ambições ecológicas europeias.

“Nós precisamos da soja brasileira para viver? Então nós vamos produzir soja europeia ou equivalente”, acrescenta ele no vídeo, após uma visita a agricultores orgânicos na cidade de Tilly nesta terça-feira.

A publicação vem um dia depois da One Planet Summit, uma cúpula liderada por Macron com a participação de chefes de Estado, empresários e representantes de organizações não governamentais, dedicada à preservação da biodiversidade.

Críticas à política ambiental

O aumento do desmatamento na Amazônia e em outros biomas brasileiros nos últimos dois anos gerou uma onda de indignação internacional, com Macron sendo uma das vozes mais críticas à política ambiental do presidente Jair Bolsonaro.

Os líderes francês e brasileiro chegaram a trocar farpas públicas. Em 2019, Macron disse que as queimadas no Brasil – cujas imagens correram o mundo e aumentaram a pressão sobre o governo brasileiro – eram uma “crise global” e precisavam ser discutidas “com urgência” pelo G7.

À época, a posição de Macron irritou Bolsonaro, que reagiu afirmando que a postura do francês evocava “mentalidade colonialista descabida no século 21”. Membros do governo Bolsonaro e filhos do presidente chegaram a xingar Macron nas redes sociais, e o próprio presidente fez um insulto machista à primeira-dama francesa, Brigitte Macron.

A situação do meio ambiente no Brasil levou inclusive alguns países europeus a ameaçarem não ratificar o acordo de livre-comércio assinado entre a União Europeia (UE) e o Mercosul, que ainda precisa ser confirmado pelos parlamentos de ambas as partes.

Em agosto de 2020, a chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, se uniu a Macron como voz crítica ao acordo. Por meio de seu porta-voz, ela disse ter “sérias dúvidas” sobre a implementação do pacto comercial devido ao aumento do desmatamento na Amazônia.

Segundo o porta-voz, Berlim observa “com grande preocupação” o desmatamento e as queimadas na região. “Nesse sentido, surgem sérias dúvidas sobre se, no momento, uma implementação do acordo pode ser garantida dentro do espírito pretendido. Vemos isso com ceticismo”, alertou.

Em 2019, primeiro ano do governo Bolsonaro, o desmatamento na Amazônia cresceu 85%, atingindo 9.165 quilômetros quadrados, o maior nível registrado no bioma desde 2016, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Europa importadora de soja

A Europa é uma grande importadora de soja da América Latina, principalmente do Brasil. O cultivo e a importação de soja para ser usada, por exemplo, como ração para pecuária e biocombustível têm sido fortemente criticados por impulsionar o desflorestamento.

Um relatório apresentado na semana passada em Berlim, intitulado Fleischatlas 2021 (“Atlas da carne 2021”), apontou que 50% dos produtos agrícolas enviados do Brasil à União Europeia, especialmente soja, carne bovina e café, são produto do desmatamento.

Já entre os países europeus, a França é o maior produtor de soja. Em 2020, o governo francês anunciou um plano para aumentar a produção local do grão, visando reduzir a dependência das importações, uma vez que o país continua comprando soja de outros países, sobretudo do Brasil – o que já gerou protestos de organizações ambientalistas como o Greenpeace.

Varejistas franceses também anunciaram que, a partir de 2021, não mais comprariam soja brasileira que tivesse sido cultivada em áreas desmatadas.

EK/dpa/lusa/ots

fecho

Este artigo foi publicado pela Deutsche Welle [Aqui!].

De volta para o futuro: ciclos de commodities e a concorrência da soja africana no mercado chinês

sojaA commodity da vez. Foto: Pixabay.

Por André Albuquerque Sant’Anna e Carlos Eduardo Frickmann Young

Todo país tem seus mitos fundadores. No nosso caso, o mito da abundância de recursos naturais se confunde com a própria identidade nacional. Afinal, somos os “brasileiros” – aqueles que extraíram o pau-brasil até o limite de sua quase extinção na Mata Atlântica¹.

Somos também a terra do “se plantando, tudo dá”. Diante da crença em tanta benevolência divina, não é de se estranhar que na literatura nacional desponte como herói o preguiçoso Macunaíma. Como se a complementar a extensão de terras, não houvesse o sangue e suor dos escravos, indígenas nativos e africanos sequestrados.

Voltando a “Macunaíma, o herói sem nenhum caráter”, o livro traz o lema “pouca saúde, muita saúva, os males do Brasil são”. Chama a atenção que Mario de Andrade, participante do movimento modernista, concordasse com a ideia de Brasil como celeiro. Afinal, bastaria nos livrar das saúvas para que nossa agricultura mostrasse toda sua pujança. Ora, esse diagnóstico não deve surpreender, uma vez que o escritor cresceu em São Paulo, no auge do café.

Àquela época, o Brasil – e, sobretudo, São Paulo – vivia um boom econômico com o café. No entanto, assim como já vivera com a borracha, o algodão e a cana, esse ciclo se esgotou. Como se não houvesse aprendizado, a cada ciclo, o país expandiu a produção agrícola utilizando mais terra, sem compromisso com inovações que aumentassem a produtividade. Deitados em berço esplêndido, agricultores aproveitavam o virtual monopólio na produção mundial para auferir renda.

No entanto, as leis da economia vigoram: se há lucro econômico excessivo, haverá entrada de concorrentes no mercado. Como ocorrido antes, com o declínio dos engenhos litorâneos pela concorrência das plantações de cana de açúcar no Caribe, e como sucedeu de forma concomitante à expansão do café, com os seringais do Sudeste Asiático interrompendo a “era de ouro” da borracha amazônica.

Isso tudo serve de algum aprendizado? Pelo visto, é como a lição difícil que o aluno prefere ignorar, torcendo para que não caia na prova. Mas a história sempre se repete, como tragédia, farsa ou mero enfado, e o problema sempre volta à tona.

Na última semana de outubro, uma notícia passou quase despercebida do noticiário econômico: a China fechou acordo para importar soja da Tanzânia. O Ministério da Economia se apressou para afirmar que a diversificação de compradores por parte da China não afetaria o Brasil. De fato, no curto prazo, as exportações de soja da Tanzânia não representam grande perigo para os produtores brasileiros. Mas, e no longo prazo? Uma análise adequada deve fugir da miopia de só olhar para apenas alguns poucos meses à frente.

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) produz informações sobre aptidão do solo para produção de soja. O Mapa 1 é baseado nas informações da FAO e considera a produtividade potencial na produção de soja pela aptidão do solo com alto nível de insumos (mecanização, aplicação de fertilizantes e agrotóxicos). As áreas mais claras representam as regiões com produtividade potencial mais alta para o cultivo da soja, incluindo as regiões Sul e Centro-Oeste do Brasil. Os principais países competidores do Brasil nesse mercado global também estão nessa condição: Estados Unidos e Argentina. Como no Brasil, esses países conjugam alta produtividade potencial, investimentos e grande extensão de terras.

Mapa 1 – Produtividade potencial de soja com mecanização e utilização de fertilizantes e agrotóxicos. Fonte: FAO-GAEZ.

Porém, outras partes do planeta também possuem elevado potencial, mas ainda não desenvolveram o cultivo. O Mapa 2 mostra as áreas com maior produção efetiva de soja, e fica evidente que a África é a principal parte do mundo com largas extensões de terra com alto potencial de produção, mas com baixo aproveitamento produtivo. E isso não passou despercebido pela China.

Mapa 2 – Produção efetiva de soja, em 2018. Fonte: Our World in Data.

Deve-se recordar que a China criou, em 2013, a iniciativa conhecida como Belt and Road, pela qual realiza investimentos em infraestrutura em diversos países do mundo, sobretudo na Ásia e África. Nesse sentido, deve-se compreender a recente demanda chinesa pela soja tanzaniana como um passo geopolítico com vistas a garantir o suprimento futuro de soja a partir da África, sem depender da produção sul-americana.

A crescente reticência do atual governo brasileiro em relação ao seu principal parceiro comercial possivelmente ratificou a motivação para a China diversificar seus fornecedores de matérias primas. Esse movimento não deve se restringir à soja, e tende a afetar outras commodities que hoje dinamizam a balança comercial brasileira.

Como em um filme de roteiro previsível, corremos o risco de rever o mesmo final dessa história: a concorrência de outros países derruba o preço das commodities, a atividade entra em estagnação, mas a vegetação nativa destruída nesse processo jamais se recupera. Alteram-se os protagonistas (borracha, café, soja), mas o final é sempre o mesmo: boom de crescimento associado à depleção de recursos naturais, com o mesmo triste fim de alta desigualdade.

Não custa lembrar, o agro é pop e o pop não poupa ninguém.

Nota

[1] Uma divertida discussão sobre as possíveis da origem do nome “Brasil”, incluindo a mítica ilha de Hy Brazil e a história da extração de pau-brasil, é apresentada por Eduardo Bueno em https://www.youtube.com/watch?v=XPnOYnxU7lw

Foto de destaque: Colheitadeira em plantação de soja. Crédito: Charles Echer/Pixabay.

Autores

*André Albuquerque Sant’Anna é Pesquisador do Centro de Estudos sobre Desigualdade e Desenvolvimento (CEDE/UFF ) e do Grupo de Economia do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (GEMA/UFRJ).

**Carlos Eduardo Frickmann Young é economista, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

fecho

Este texto foi originalmente pelo site ((o))eco [Aqui!].

Agricultura afogada em veneno: Atlas do Espaço Rural mostra avanço do uso de agrotóxicos em todas as regiões brasileiras

Trator-jogando-pesticidas-ciclovivo-696x405

A 2a. edição do “Atlas do Espaço Rural” que acaba de ser publicado pelo IBGE mostra o avanço do uso de agrotóxicos em todas as regiões brasileiras. Segundo os dados levantados pelas equipes de pesquisa que produziram o Atlas, a proporção de estabelecimentos que admitiram usar agrotóxicos aumentou 22,9% nos últimos 11 anos, passando de 27,0% em 2006 para 33,1% em 2017. A publicação informa ainda que o aumento ocorreu em todas as grandes regiões, com o Centro-Oeste apresentando a maior elevação em pontos percentuais (13,3) em comparação a 2006 (ver figura abaixo).

grafico-agro2

Há que se salientar que, apesar do avanço no Centro-Oeste, a região Sul continua sendo aquela com maior uso proporcional de agrotóxicos, muito em parte pela forte presença de diversas monoculturas, especialmente as de soja e de plantio de árvores para exploração industrial (ver figura abaixo).

agrotoxicos 2006 2017

As principais consequências desse avanço no uso de agrotóxicos é a contaminação de ecossistemas e dos usuários e consumidores dos alimentos que são obtidos a partir de um modelo fortemente dependente do uso de venenos agrícolas cada vez mais perigosos, muitos deles banidos em outras partes do mundo.