GNA adere ao Programa de Monitoramento de Tartarugas Marinhas

Iniciativa da empresa vai colaborar para a conservação das espécies na região do Porto do Açu

Divulgação GNA_ monitoramento tartaruga 2

A GNA – Gás Natural Açu, joint venture formada pela Prumo Logística, bp, Siemens e SPIC Brasil aderiu ao Programa de Monitoramento de Tartarugas Marinhas (PMTM), realizado no Porto do Açu. Ao longo de mais de 13 anos de atividades, o projeto já realizou mais de cem ações de solturas e garantiu o nascimento de mais de 1 milhão de filhotes.  A participação reforça o compromisso da GNA com a sustentabilidade, educação ambiental e conservação da biodiversidade, principalmente na região de Campos dos Goytacazes e São João da Barra, onde a empresa está construindo o maior parque termelétrico a gás natural da América Latina.

Um dos principais objetivos do Programa é identificar, monitorar e proteger os ninhos e os filhotes de tartarugas, durante o período reprodutivo, que vai de setembro a março. O monitoramento é realizado desde o Pontal de Atafona, em São João da Barra, até a Barra do Furado, em Campos, totalizando 62 km de faixa de areia. Além disso, o PMTM faz o monitoramento diário de eventos não reprodutivos, tratamento veterinário de animais debilitados e visa conscientizar as comunidades locais, especialmente pescadores e familiares, sobre a importância da conservação das tartarugas marinhas.

Compromisso com o meio ambiente

 Desde o início de suas obras, a GNA tem realizado inúmeras iniciativas para a mitigação de impactos e conservação do meio ambiente. Um dos marcos foi a mudança na cor da embarcação FSRU BW MAGNA. “Logo no início do projeto, recebemos a informação de que a cor da FSRU poderia prejudicar o senso de orientação das tartarugas fêmeas, impactando diretamente na desova. Então, não medimos esforços e mudamos a sua cor de verde claro para azul marinho visando diminuir a quantidade de luz refletida na água”, acrescenta João Teixeira, Gerente Geral de Sustentabilidade da GNA.

Outro marco importante para a conservação das tartarugas é o Programa de Fotomitigação desenvolvido pela GNA com objetivo de reduzir os impactos da iluminação do empreendimento na faixa de areia onde ocorre a desova. O controle dessa iluminação contribui para diminuição de possíveis impactos na desova de fêmeas adultas e, principalmente, para que os filhotes não se desorientem em relação ao mar, no momento do nascimento.

O Programa de Monitoramento de Tartarugas Marinhas já conta com a participação das empresas Porto do Açu Operações, Açu Petróleo e Ferroport. A região do Porto do Açu é procurada, principalmente, pela espécie Caretta carettatambém conhecida como tartaruga cabeçuda, para desova. Segundo especialistas, a região norte fluminense é de extrema importância para a essa espécie, pois a temperatura da areia (fator que determina o sexo desses animais) favorece o nascimento de filhotes machos, impactando globalmente na manutenção da população das tartarugas.

 A GNA

A GNA está construindo em São João da Barra, no interior do Rio de Janeiro, o maior Parque Termelétrico a gás da América Latina.  O projeto compreende a implantação de duas térmicas movidas a gás natural (GNA I e GNA II) que, em conjunto, alcançarão 3 GW de capacidade instalada. Juntas, elas irão gerar energia suficiente para atender cerca de 14 milhões de residências. Além das térmicas, o projeto compreende um Terminal de Regaseificação de GNL (Gás Natural Liquefeito), de 28 milhões de metros cúbicos/dia e duas Linhas de Transmissão (345 kV e 500 kV).

Qual é a sustentabilidade que a Prumo quer?

A simpática assessoria de imprensa me enviou, e coloco abaixo, uma nota sobre a liberação de 50 tartarugas (!!) na Praia de Atafona, e de atividades de educação ambiental sobre a Toninha no Espaço da Ciência que existe em São João da Barra.

Afora a imprecisão temporal de afirmar que a Prumo Logística realiza esse trabalho desde 2008, o que não é verdade já que a empresa nem existia até a crise agônica que consumiu o Grupo EBX de Eike Batista em 2013, tenho que notar a ironia que é, por um lado, disseminar ações de sustentabilidade ambiental e, por outro, contratar um “expert” para produzir um relatório cientificamente questionável para se eximir de qualquer responsabilidade sobre o processo erosivo que hoje abala parte da costa litorânea nas áreas de influência direta e indireta do Porto do Açu.

Essa postura me leva a pensar se há um mínimo de sentido de propagandear essa ação de mitigação usando as simpáticas tartarugas como bandeira para uma suposta responsabilidade ambiental corporativa, enquanto milhares de famílias vivem abandonadas no sobressalto causados pelos vários impactos (erosão, salinização, desapropriação de terras) trazidos pela instalação do Porto do Açu. 

Afinal, o que vem primeiro na sustentabilidade que a Prumo Logística nos vende: as pessoas, as tartarugas ou a necessidade de valorizar suas ações?

Prumo realiza soltura de tartarugas marinhas

Exibindo DSC04489.jpg

A Prumo realizou nesta quinta-feira (22) a soltura de cerca de 50 filhotes de tartarugas marinhas na praia de Atafona. A ação foi realizada pela equipe da Gerência Socioambiental da Prumo que desenvolve o programa de monitoramento de tartarugas marinhas na região. Cerca de 60 crianças e adolescentes, que integram o projeto Botinho, acompanharam a soltura e receberam informações sobre a forma de vida e preservação desta espécie ameaçada de extinção.

Como parte dessa ação de educação ambiental, o grupo participou ainda de palestra no Espaço da Ciência, em Atafona, sobre a Toninha, uma espécie de golfinho também ameaçada de extinção. Eles receberam dicas de preservação e informações sobre as ameaças a esses animais, como redes de pesca e o lixo no mar. O encontro também informou sobre fotopoluição nas praias e seu impacto às tartarugas.

Desde 2008, a Prumo realiza o programa de monitoramento de tartarugas marinhas com atendimento a diretrizes técnicas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) – Tamar e do Instituto Estadual do Ambiente (INEA). Diariamente, 11 moradores locais que participam como monitores percorrem 62 km de praia, entre Atafona e Barra do Furado, registrando qualquer ocorrência relativa às tartarugas marinhas, coletando dados e gerando um conjunto de informações importantes para o manejo e preservação desta espécie.

FONTE: Assessoria de Imprensa da Prumo Logística