Tsulama da Vale em Brumadinho aparece na capa do The New York Times

IMG-20190210-WA0041.jpg

O jornal estadunidense colocou o Tsulama da Vale na sua edição deste domingo (10/02) numa ampla reportagem assinada pelos jornalistas Shasta Darlington, James Glanz, Manuela Andreoni, Matthew Bloch, Sergio Peçanha, Anjali Singhvi e Troy Griggs sob o título de “A Tidal Wave of Mud” (que pode ser traduzido como um “Maremoto de Lama” (ou simplesmente como chamo “Tsulama”).

A reportagem prima por oferecer uma série de gráficos e imagens que mostram em detalhe as estruturas que colapsaram em Brumadinho (MG) e dos seus impactos imediatos sobre o meio ambiente e sobre a população que vivia no entorno dos reservatórios de rejeitos da Vale (ver imagens abaixo).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Mas além de abordar em riqueza de detalhes o que ocorreu em Brumadinho, a reportagem do “The New York Times”  falou também das ameaças iminentes em outras dezenas de cidades brasileiras onde existem reservatórios semelhantes aos que romperam em Mariana e Brumadinho.

Segundo a reportagem, a ameaça iminente da ocorrência de novos Tsulamas já surgiu em Barão de Cocais onde a Vale teve que tomar a “medida preventiva” de remover cerca de 500 pessoas de suas casas, explicando que tinha iniciado o seu plano de emergência após uma empresa de consultoria, a Walm, ter se recusado  a atestar a estabilidade da barragem.

A reportagem introduz a fala do prefeito de Barão de Cocais,  Dúcio dos Santos, de que “Nós não sabíamos que a represa era perigosa.”, e acrecentou que “o verdadeiro risco de barragens no Brasil – e em outros lugares – é em grande parte desconhecido.

Uma informação importante que parece ter se perdido nas que foram produzidas pela mídia corporativa brasileira é de que “assim como em Brumadinho, as barragens acima das áreas já evacuadas de Barão de Cocais e de Itatiaiuçu, são barragens a montante, e que há um total de 88 represas a montante em todo o Brasil, e todas, com exceção de quatro, têm a mesma classificação de segurança que a estrutura em colapso – ou pior – de acordo com registros oficiais”.  Segundo o The New York Times, algumas dessas barragens mal classificadas residem diretamente em áreas povoadas. Pelo menos 28 destas barragens de rejeitos estão diretamente para cima de cidades ou vilas, e podem ameaçá-los se falharem.(ver abaixo alguns dos exemplos compilados pela equipe do “The New York Times” que mostram os casos de Conselho Lafaiete, Crixás, Igarapé, Itaquaquecetuba, João Monlevade e Nova Lima).

mapa nyt

A reportagem ressalta ainda a força das mineradoras em Minas Gerais cuja economia estaria “viciada em mineração” e, por isso, totalmente nas mãos das mineradoras que contam com o beneplácito dos governos para continuar sua atuação sem maiores controles.  O caso de Mariana é apontado como um exemplo de como a indignação que seguiu ao colapso da barragem da Samarco fez pouco para melhorar a situação de controle das atividades das mineradoras. Aliás, como bem apontou o geógrafo e professor da UFMG,  Klemens Laschefski, Depois do Tsulama Mariana, o sistema de licenciamento ficou mais flexível”.

O impacto do amplo conteúdo desta reportagem deverá ir além dos leitores do “The New York Times” e deverá ter repercussões sobre o mercado de ações na Bolsa de Nova York. É que, apesar de já haver amplo conhecimento sobre os danos sociais e ambientais gerados pelas atividades de mineração, pouco é conhecido sobre como a mesma se dá no Brasil, e dos riscos iminentes de novos Tsulamas ocorrerem em represas a montante.

Vai ser interessante ver como se comportará o governo Bolsonaro frente às inevitáveis consequências desta reportagem, especialmente no que se preparava para a sacramentação do autolicenciamento como ferramenta principal de liberação de empreendimentos com impactos sobre o meio ambiente. Como já disse em uma entrevista à Rede Brasil Atual, o Tsulama da Vale em Brumadinho deixou o rei nu. Vamos ver agora como ele se comporta.

Quem desejar ler a matéria do “The New York Times” na íntegra, basta clicar [Aqui!]

New York Times produz matéria sobre como indústria de alimentos viciou o Brasil em junk food

junk food

O jornal estadunidense “The New York Times” publicou ontem uma esclarecedora matéria sobre a ação da indústria dos alimentos processados para literalmente viciar a população brasileira em alimentos processados, com um título igualmente esclarecedor “Como a Grande Indústria Viciou o Brasil em Junk Food”.  Como mostram os jornalistas Andrew Jacobs e Matt Richtel, os efeitos desta ação premeditada de empresas como a Nestlé, Coca Cola, Pepsi Cola e a McDonald´s tem sido a ocorrência de um nível sem precedentes de aumento do nível de obesidade e todas as condições que a ela estão relacionadas, incluindo hipertensão arterial e diabetes.

Como a matéria foi preparada de forma meticulosa e está rica em informações, a minha sugestão é que todos acessem a versão em português (a matéria foi publicada em inglês, espanhol e português). Para tanto, basta clicar no link que está no final desta postagem [1].

Mas posto abaixo algumas das imagens publicadas na reportagem, as quais demonstram que segmentos mais pobres da população brasileira estão entre os alvos preferenciais dessa ação da indústria dos alimentos processados.

Este slideshow necessita de JavaScript.


[1] https://www.nytimes.com/2017/09/16/health/brasil-junk-food.html