Minas Gerais sob o espectro do Tsulama: agora a ameaça de rompimento é em Nova Lima

WhatsApp Image 2019-02-16 at 20.44.05

Barragens B3/B4 da Vale que ameaçam romper em Nova Lima estocam pelo menos 3 milhões de metros cúbicos de rejeitos e poderiam inundar a cidade completamente.

O rompimento do sistema de represas da Vale em Brumadinho no dia 25 de janeiro parece ter iniciado um tenebroso período onde diversas barragens da mega mineradora privatizada por Fernando Henrique Cardoso (todas a montante de áreas habitadas) ameaçam romper. 

Para quem não está conseguindo acompanhar todas essas ameaças de novos Tsulamas por causa da forma da Vale gerenciar seus depósitos de rejeitos, depois do caso de Brumadinho, seguiu-se o de Barão de Cocais no dia 08 de fevereiro, o que causou a remoção imediata de pelo menos 500 pessoas.

Neste sábado (16/02) as sirenes foram acionadas para alertar os moradores de um distrito do município de Nova Lima por causa de uma nova ameaça de rompimento, agora de duas barragens no sistema da mina Mar Azul, também da Vale, localizadas a 25 km de Belo Horizonte.

As evidências apontam que há uma espécie de espectro rondando todo o estado de Minas Gerais em função de décadas de negligência das mineradoras e cumplicidade de diferentes gestões do governo de Minas Gerais. Agora, com muitos reservatórios chegando a um ponto de rompimento, as consequências sociais, econômicas e ambientais poderão ser colossais.

Um colaborador deste blog que entende do riscado quando a coisa se trata de barragens, já analiou as imagens de satélite relacionadas ao sistema de barragens em Nova Lima e verificou que ali ocorrem problemas de erosão e infiltração pelo menos de 2010. Ainda que essa análise seja ainda superficial dado o período exíguo que se teve para analisar as imagens, os padrões identificados são semelhantes aos que apareceram em sequência nos casos de Mariana e Brumadinho, e estão dando todos os indícios de que podem se repetir em Barão de Cocais e Nova Lima. 

No caso de Nova Lima, o rompimento teria consequências drásticas para a cidade de Belo Horizonte e sua área metropolitana cujo abastecimento já foi atingido pela contaminação do Rio Paraopeba e poderia ser ainda mais afetado se houver o rompimento na mina do Mar Azul porque isto afetaria o Rio das Velhas, que representa incríveis da captação do Sistema Integrado da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RNBH) e 74% de Belo Horizonte.

Agora, a pergunta que fica é a seguinte: será que o autolicenciamento que está sendo preparado pelo governo Bolsonaro para ser executado pelas próprias mineradoras vai dar jeito nas várias bombas de tempo que está prontas para se autodetonar em Minas Gerais e outros estados brasileiros?

 

Investidores “com consciência socioambinetal” e não governos são o pior pesadelo das mineradoras

brumadinho 1

Uma matéria assinada pelos jornalistas Henry Sanderson e Neil Hume e publicada pelo Financial Times sinaliza que as grandes mineradoras estão tendo que se defrontar com uma situação inédita e que as pressiona para que saiam do seu histórico padrão “sujo” de atividades para um que seja mais sustentável e menos agressivo ao ambiente e aos povos que estejam tradicionalmente nos territórios onde a mineração ocorre.

ft

Essa novidade é que não são governos que repentinamente tenham decidido afrontar as mineradoras em vez de lavar as mãos em relação às consequências negativas que a mineração traz.  O que a matéria de  Sanderson e Hume traz de novidade é que a pressão sobre as mineradoras está vindo de grupos de investidores que priorizam empresas com melhor gestão ambiental para investir.  Assim, quanto pior for o passivo socioambiental das empresas, menor será a atratibilidade que terão para este tipo de investidor.

A matéria aponta ainda que o Tsulama da Vale em Brumadinho acabou piorando ainda o ambiente para a operação da empresa nas bolsas mundiais. Segundo Anderson e Hume, após o colapso das barragens no Córrego do Feijão, a Vale foi imediatamente rebaixada pela Sustainalytics, uma influente agência de classificação focada em métricas de ESG e removida de um importante índice de sustentabilidade no Brasil. Com isso, mais de US $ 13 bilhões foram eliminados pelo valor de mercado da Vale desde o desastre.

Na figura abaixo, o gráfico da extrema esquerda mostra um particularmente revelador do “padrão Vale” de fazer negócios (que é mostrado abaixo) é muito pior em termos de emissões, efluentes e rejeitos do que os praticados pela Anglo American e pela Glencore.

poluir lucra

Esse padrão “sujo” até agora compensava, mas com o crescimento exponencial no número de fundos socialmente conscientes está colocando em risco a performance das ações.

A matéria traz uma série de declarações de investidores que refletem as péssimas consequências que os Tsulamas de Mariana e Brumadinho tiveram sobre a imagem da Vale junto a este tipo de investidores. Segundo um deles “eu não me importo com o quão barato isso fica, a Vale agora é ininvestível, “o fato de haver prédios de escritórios e uma cantina de funcionários nas proximidades da represa é simplesmente imperdoável. É como se nada tivesse sido aprendido com o desastre anterior “.

Como se vê, a Vale como reincidente de Tsulamas agora terá de repensar suas práticas não por causa da “autoregulação” que o governo Bolsonaro quer adotar, mas por causa de uma mudança no perfil de uma parcela diferenciada dos que se interessam por investir em ações.  Por isso, qualquer propensão a apoiar a liberação total da poluição no Brasil acabará tendo consequências bem diferentes das pretendidas.

Quem desejar ler a matéria do Financial Times na íntegra, basta clicar [Aqui!].

Brumadinho Pós-Mariana: Lições Não Aprendidas: vídeo completo do evento

 

Bombeiros-resgate-Brumadinho-868x644

Bombeiros atuam no resgate de vítimas no Tsulama da Vale em Brumadinho (MG).

O vídeo do evento “Brumadinho Pós-Mariana: Lições Não Aprendidas”, realizado pelo grupo de pesquisa Meio Ambiente e Sociedade (IEA/USP) em 14 de fevereiro já está disponível. O evento contou com a participação do Prof. Dr. Bruno Milanez (PoEMAS/UFJF).

Fonte: PoEMAS [Aqui!]

Brumadinho, desastre anunciado, Santa Barbara, uma possibilidade

dam_road-3000
Por Frederico Lopes Freire*
A lição não foi aprendida, se em Mariana pode ser alegado algum desconhecimento ou desatenção pelo ineditismo, isto não se aplica a Brumadinho.
Versões sobre o ocorrido surgem diariamente, todas com foco em liquefação. Para haver liquefação obviamente é necessária a presença de líquido.
A observação simples de imagens disponíveis no Google Earth, em ordem cronológica a partir de 2011, até a última em 2018, são claras para qualquer observador mais atento, seja um especialista ou não.

imagem 3
Imagem 03 – datada de 30 de julho de 2011
O escoamento das águas superficiais é claramente indicado pelas cotas de nível do interior da barragem, as setas indicando o fluxo em direção a dois pontos de drenagem (cotas 912 e 913).
Estas águas tem origem na precipitação pluvial no local e em encostas montanhosas na parte posterior da barragem, sendo visível na cota 948 um ponto de entrada de águas. Certamente não é o único, mas este é possivelmente alimentado por uma nascente ou córrego. Podemos observar também as cotas do perímetro da barragem e de alguns pontos do seu talude.
A mancha escura provocada pela presença e fluxo das águas superficiais é claramente visível.

imagem 4
Imagem 04 – datada de 03 de setembro de 2012
Serviços de terraplanagem e outros não identificáveis estão sendo executados.
Canteiro de obras pode ser visto no talude da barragem. Os pontos de escoamento de águas da imagem anterior (03) foram desativados, e uma inversão da declividade a partir da barragem, indica o fluxo das águas superficiais na direção de uma área interna em torno da cota 912.
Cotas de perímetro inalteradas. No lado direito da imagem, cota 941, nova entrada de águas superficiais partindo da estrada adjacente, pode ser observada. O mesmo ocorre na extremidade oposta da barragem na cota 945.
Não são mais visíveis pontos de escoamento das águas superficiais. A mancha produzida pelo acúmulo de águas superficiais fica restrita a metade superior da área da barragem.

imagem 5
Imagem 05 – Datada de 23 de agosto de 2014.
Não há alteração nas cotas de perímetro ou existência de atividades visíveis. A mancha produzida pelo acúmulo de águas superficiais se expande em direção a barragem.

imagem 6
Imagem 06 – datada de 16 de agosto de 2015.
Não há alteração nas cotas e nem existência de atividades visíveis. A tonalidade da mancha produzida pelo acúmulo de águas superficiais se acentua, e ocupa agora toda a área da barragem.

imagem 7
Imagem 07 – datada de 10 de junho de 2017
Não há alteração nas cotas e nem atividades visíveis. A tonalidade da mancha produzida pelo acúmulo de águas superficiais se acentua cada vez mais, ocupando toda a área da barragem. Não há drenagem visível, o rejeito continua sendo impregnado por água.

imagem 8
Imagem 08 – datada de 21 de julho de 2018- última imagem disponível
Não há alteração de cotas ou atividades visíveis. A mancha produzida pelo acúmulo de umidade torna difícil identificar o tipo de superfície aparente.
O espaço de tempo entre a imagem 04, datada de 03 de setembro de 2012, quando foram eliminados os pontos de escoamento de águas superficiais, e a imagem atual, é de 2.146 dias, ou aproximadamente 6 anos. Devemos acrescentar mais 188 dias decorridos até o rompimento da barragem.

imagem 10
Imagem 10 – com base na última imagem disponível ( 21/07/2018).
Indica uma bacia de contribuição de águas pluviais de aproximadamente 90 hectares para a barragem 1, apenas no trecho até a estrada acima.
Em todo o período de tempo analisado, nenhuma atividade relacionada com drenagem de águas superficiais pôde ser observada.
Não há liquefação sem a presença de líquido.
Olhos experientes teriam constatado que algo precisava ser feito com relação a drenagem local, independentemente de instrumentos de monitoramento. Não seria tão dispendiosa uma drenagem de perímetro, direcionando as águas afluentes para outro local.
É preciso aprender com os erros, para não repeti-los. É preciso dar valor aos profissionais experientes, sejam de nível superior ou simples operários.
Exigem-se títulos e diplomas teóricos para os professores universitários, eles são avaliados pela variedade e quantidade destes. Despreza-se a experiência e a prática. Jovens aprendem a confiar somente na tecnologia cada vez mais sofisticada, perdem a capacidade de avaliar e tomar decisões que não sejam corroboradas pelos instrumentos. Todavia, piezometros não tomam decisões, indicam decisões a serem tomadas.
Que as lições sejam aprendidas, pois muitos outros incidentes deste tipo estão pendentes, alguns muitíssimo mais graves como no caso de minerações auríferas, onde contaminação por cianureto, uma das mais perigosas substancias conhecidas, está presente.

O perigo ronda Santa Bárbara: o gigantesco reservatório da AngloGold Ashanti guarda o equivalente 13 bilhões de litros de rejeitos contaminados com cianeto

Informações recebidas através de vídeo gravado em 18 de março de 2018, e enviado pela médica veterinária Sara Xavier, moradora da cidade de Santa Bárbara chamando a atenção para a barragem localizada na comunidade de Carrapato. A quantidade de rejeito de mineração de ouro acumulada no local é de cerca de 13.000.000 de m3, ou 13 bilhões de litros, contaminados com cianeto, ou cianureto de potássio. Com cerca de 40 m de altura e 500 m de extensão, a barragem usa o mesmo sistema construtivo de Mariana e Brumadinho, utilizando alteamentos sucessivos.


Usado para a separação do ouro de outros metais e resíduos, o cianeto é uma das substâncias mais perigosas conhecidas, podendo uma pitada matar um ser humano em segundos. Os danos para qualquer tipo de vida, vegetal ou animal, é imensurável num caso de vazamento da lama.
A mineração pertence a empresa AngloGold Ashanti, Sul Africana com capital americano segundo a Dra. Xavier, que ainda informa não haver qualquer tipo de informações ou treinamento fornecidos a população.
É fácil constatar nas imagens a grande quantidade de líquido recobrindo o depósito. No caso de um rompimento o caminho da lama atingirá a jusante o rio Piracicaba em Minas Gerais, ou seja, a bacia do Rio Doce.


Frederico Lopes Freire é Arquiteto, possuindo ampla experiência profissional no Brasil e nos EUA, e atualmente vive no município de Colatina, norte do estado do Espírito Santo.

Tsulama da Vale em Brumadinho aparece na capa do The New York Times

IMG-20190210-WA0041.jpg

O jornal estadunidense colocou o Tsulama da Vale na sua edição deste domingo (10/02) numa ampla reportagem assinada pelos jornalistas Shasta Darlington, James Glanz, Manuela Andreoni, Matthew Bloch, Sergio Peçanha, Anjali Singhvi e Troy Griggs sob o título de “A Tidal Wave of Mud” (que pode ser traduzido como um “Maremoto de Lama” (ou simplesmente como chamo “Tsulama”).

A reportagem prima por oferecer uma série de gráficos e imagens que mostram em detalhe as estruturas que colapsaram em Brumadinho (MG) e dos seus impactos imediatos sobre o meio ambiente e sobre a população que vivia no entorno dos reservatórios de rejeitos da Vale (ver imagens abaixo).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Mas além de abordar em riqueza de detalhes o que ocorreu em Brumadinho, a reportagem do “The New York Times”  falou também das ameaças iminentes em outras dezenas de cidades brasileiras onde existem reservatórios semelhantes aos que romperam em Mariana e Brumadinho.

Segundo a reportagem, a ameaça iminente da ocorrência de novos Tsulamas já surgiu em Barão de Cocais onde a Vale teve que tomar a “medida preventiva” de remover cerca de 500 pessoas de suas casas, explicando que tinha iniciado o seu plano de emergência após uma empresa de consultoria, a Walm, ter se recusado  a atestar a estabilidade da barragem.

A reportagem introduz a fala do prefeito de Barão de Cocais,  Dúcio dos Santos, de que “Nós não sabíamos que a represa era perigosa.”, e acrecentou que “o verdadeiro risco de barragens no Brasil – e em outros lugares – é em grande parte desconhecido.

Uma informação importante que parece ter se perdido nas que foram produzidas pela mídia corporativa brasileira é de que “assim como em Brumadinho, as barragens acima das áreas já evacuadas de Barão de Cocais e de Itatiaiuçu, são barragens a montante, e que há um total de 88 represas a montante em todo o Brasil, e todas, com exceção de quatro, têm a mesma classificação de segurança que a estrutura em colapso – ou pior – de acordo com registros oficiais”.  Segundo o The New York Times, algumas dessas barragens mal classificadas residem diretamente em áreas povoadas. Pelo menos 28 destas barragens de rejeitos estão diretamente para cima de cidades ou vilas, e podem ameaçá-los se falharem.(ver abaixo alguns dos exemplos compilados pela equipe do “The New York Times” que mostram os casos de Conselho Lafaiete, Crixás, Igarapé, Itaquaquecetuba, João Monlevade e Nova Lima).

mapa nyt

A reportagem ressalta ainda a força das mineradoras em Minas Gerais cuja economia estaria “viciada em mineração” e, por isso, totalmente nas mãos das mineradoras que contam com o beneplácito dos governos para continuar sua atuação sem maiores controles.  O caso de Mariana é apontado como um exemplo de como a indignação que seguiu ao colapso da barragem da Samarco fez pouco para melhorar a situação de controle das atividades das mineradoras. Aliás, como bem apontou o geógrafo e professor da UFMG,  Klemens Laschefski, Depois do Tsulama Mariana, o sistema de licenciamento ficou mais flexível”.

O impacto do amplo conteúdo desta reportagem deverá ir além dos leitores do “The New York Times” e deverá ter repercussões sobre o mercado de ações na Bolsa de Nova York. É que, apesar de já haver amplo conhecimento sobre os danos sociais e ambientais gerados pelas atividades de mineração, pouco é conhecido sobre como a mesma se dá no Brasil, e dos riscos iminentes de novos Tsulamas ocorrerem em represas a montante.

Vai ser interessante ver como se comportará o governo Bolsonaro frente às inevitáveis consequências desta reportagem, especialmente no que se preparava para a sacramentação do autolicenciamento como ferramenta principal de liberação de empreendimentos com impactos sobre o meio ambiente. Como já disse em uma entrevista à Rede Brasil Atual, o Tsulama da Vale em Brumadinho deixou o rei nu. Vamos ver agora como ele se comporta.

Quem desejar ler a matéria do “The New York Times” na íntegra, basta clicar [Aqui!]

Virando a Vale do Avesso

Como eu já observei em várias ocasiões neste blog, a atual situação do Brasil demanda que haja um processo de organização política de sindicatos, organizações direitos humanos e do movimento ambientalista para fazer frente ao desmanche das estruturas do Estado brasileiro que foram criadas para dar um mínimo de equilíbrio a muitos aspectos que atingem a todos os brasileiros.

O exemplo recente do Tsulama da Vale em Brumadinho, que é uma repetição daquilo que já havia ocorrido em Mariana, está servindo como um ponto de apoio para iniciativas que não só debatem a tragédia, mas como estão voltadas para criar mecanismos de organização social para impedir que novos casos se repitam.

É nessa via do debate pró-ativo que se insere o “debate ação” que ocorrerá na sede do Sindicato dos Engenheiros do Rio de Janeiro no dia 14 de fevereiro no período de 18 a 21 horas (ver cartaz abaixo).

IMG-20190210-WA0036.jpg

Quem puder participar deste evento certamente sairá de lá somente com uma boa ideia do tamanho dos desafios colocados, mas também de como desenvolver os necessários mecanismos de superação dos mesmos.

O Tsulama de Brumadinho é um caso explícito de crime corporativo da Vale

vale brumadinho

Indiferença e insensibilidade dos dirigentes Vale aos riscos causaram morte e destruição em Brumadinho.

A busca pelos mortos causados pelo Tsulama da Vale em Brumadinho ainda não terminou, mas o número de mortos já alcançou 150. Além disso, as primeiras análises da situação do Rio Paraopeba mostram que até onde o Tsulama já chegou o cenário é de devastação completa.

Enquanto isso, as primeiras investigações realizdas pela Polícia Federal descobriram que o perigo de ruptura das barragens em Brumadinho já era conhecido pela Vale há pelo menos 48 horas, e os dirigentes da empresa decidiram dar de ombros para a iminência de mais este incidente de graves proporções em suas operações de mineração em Minas Gerais produzido pelo jornalismo da Rede Globo (ver vídeo abaixo).

Somando as três informações que eu dei acima, não há outra definição para o comportamento dos dirigentes da Vale em relação ao Tsulama de Brumadinho do que de crime corporativo. É que definitivamente o problema afetando as estruturas das represas de rejeitos era conhecido e, mesmo assim, os dirigentes da empresa se comportaram de forma irresponsável e impiedosa ao manter suas operações no Córrego do Feijão como se nada de perigoso estivessem ameaçando a vida de centenas de seus empregados e da população de Brumadinho.

O crime corporativo da Vale fica ainda mais hediondo quando se descobre que um estudo feito por um engenheiro geotécnico que trabalha há mais de 20 anos para a Vale já apontava, em 2010, para a possibilidade de liquefação na barragem de Brumadinho. Na dissertação de mestrado defendida por Washington Pirete da Silva na Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop) em 2010, a principal conclusão foi de que os rejeitos presentes na estrutura constituem materiais que tendiam a exibir “susceptibilidade potencial a mecanismos de liquefação“.  Além disso, Washington Pirete da Silva apontou ainda que “em função de alguns procedimentos operacionais inadequados realizados nesta barragem” seria recomendável aumentar o nível de segurança da barragem.Em outras palavras, o risco era conhecido pela Vale há quase 10 anos e ainda assim os dirigentes da empresa continuaram aumentando o tamanho da represa.

Como o atual cenário político do Brasil aponta para uma opção clara por parte do governo Bolsonaro de ignorar as responsabilidades da Vale no caso de Brumadinho, insistindo em manter a ladainha de que a saída para as atividades de mineração é aumentar o nível de autocontrole por parte de empresas como a Vale e a Anglo American, o caso para fazer face aos riscos instalados na forma de barragens de rejeitos em todo o território nacional terá de passar pelo fortalecimento dos movimentos sociais que há muito tempo fazem o enfrentamento político com as mineradores e seus lobbistas dentro do parlamento brasileiro.