Em julgamento realizado em Munique, TÜV Sud se exime e apenas manda condolências aos atingidos de Brumadinho

Diante do Tribunal Regional de Munique, a TÜV Süd não vê responsabilidade legal pelos 270 mortos após o rompimento da barragem no Brasil.

BELO HORIZONTE MG 24 02 2019 PROTEST AGAINST VALE IN BH Protestors petitioned for justice duri

Em Belo Horizonte, manifestantes exigem justiça para as vítimas de Brumadinho, Brasil, fevereiro de 2019

Por Patrick Guyton para o “Die Tageszeitung”

“Aconteceu um terrível acidente”, disse Florian Stork, consultor jurídico chefe da TÜV Süd. No grande tribunal de Munique na instalação correcional de Stadelheim, ele expressou suas condolências aos parentes e disse: “Não queremos questionar o sofrimento de forma alguma.” E ainda: a empresa de testes alemã não vê “nenhuma responsabilidade legal” pela catástrofe de 25 de janeiro de 2019.

O rompimento da barragem de uma mina de minério de ferro provocou um grande deslizamento de terra em Brumadinho, Brasil, que destruiu partes do local, deixando 270 pessoas mortas . Poucos meses antes, a barragem havia sido examinada pelo braço da TÜV brasileira e certificada como segura.

Na terça-feira, representantes de Brumadinho, no estado de Minas Gerais, e advogados da TÜV sentaram-se frente a frente em um caso-teste. Novo território legal está sendo negociado no processo: uma empresa pode ser responsabilizada por infrações ambientais cometidas na Alemanha por sua subsidiária no exterior?

Avimar Barcelos, o prefeito de Brumadinho, viajou a Munique para o julgamento. Assim como dois irmãos e o marido da engenheira Izabela Barroso – que morreu no deslizamento. “Ninguém pode trazer Izabela de volta”, disse o prefeito de Brumadinho no tribunal.

“Eles deveriam vir”

“Mas estou indignado que a TÜV se recuse a assumir a responsabilidade.” Barcelos, um homem mais jovem, diz que a sua comunidade ainda está em grande parte destruída. Apenas 30 por cento da lama tóxica foi removida. “Eles deveriam vir e ver o que fizeram.”

A juíza presidente do tribunal regional, Ingrid Henn, tentou chegar a uma negociação de compromisso em que ambos os lados concordam com os valores de compensação. O advogado Jan Erik Spangenberg, que representa os demandantes, estava basicamente preparado para isso.

Para a comunidade, é necessário o equivalente a 70.000 euros, para os familiares dos mortos entre 15.000 e 30.000 euros por pessoa. A TÜV Süd poderia facilmente fazer isso. No entanto: Spangenberg afirma representar mais 1200 parentes.  A empresa poderá vir a ter de desembolsar um bilhão de euros em compensação – o que muito  até para a TÜV .

Mas também há o operador da mina que é o responsável. É o mega-mineradora brasileira Vale. Durante a negociação, a TÜV assumiu a posição de que seu relatório estava “correto”, disse o advogado da empresa Philipp Hanfland.

Sem denominador comum

Não há “evidências de comportamento abusivo” e nenhum “vínculo causal”. O representante das vítimas, no entanto, referiu-se a e-mails nos quais representantes da Vale teriam pressionado a TÜV a produzir um relatório positivo. E citou detalhes técnicos que devem comprovar que os testes não foram realizados de maneira adequada.

Também não havia um denominador comum quando se tratava de saber se o Grupo Vale, a TÜV ou ambos são obrigados a pagar indenizações. 5,8 bilhões de euros estão na sala, o que o grupo Vale teria prometido. A maior parte das compensações vai para a construção de estradas, que por sua vez são usadas principalmente pelas empresas de mineração, criticou o advogado da vítima Spangenberg.

“Ninguém recebeu qualquer tipo de indenização  para os parentes mortos.” O advogado da TÜV, Hanfland, contradisse: O pagamento está sendo preparado, o dinheiro deve fluir no próximo ano, “uma soma gigantesca”. E também para os parentes. Os demandantes duvidaram disso. Spangenberg afirmou que “Você teria que esperar anos e décadas.”

Em Munique, este foi o primeiro e, ao mesmo tempo, o último dia do julgamento. O juiz disse que as duas partes deveriam agora responder a várias questões por escrito. O pessoal de Brumadinho e da TÜV tem que esperar um pouco pelo julgamento que está marcado para 1º de fevereiro de 2022.

compass

Este texto foi inicialmente escrito em alemão e publicado pelo jornal  “Die Tageszeitung” [Aqui!].