Agência de Proteção Ambiental dos EUA bane 12 agrotóxicos por serem considerados prejudiciais para as abelhas

bees

Um voluntário examina colmeias de abelhas para atividades de rainha como parte de uma colaboração entre o Zoológico de Cincinnati e a TwoHoneys Bee Co., em Mason, Ohio. (AP Photo / John Minchillo, Arquivo)

Por Dino Grandoni para o “The Washington Post”

A Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) está retirando do mercado estadunidense 12 produtos contendo agrotóxicos conhecidos como sendo tóxicos para um animal chave para o sistema alimentar norte-americano – a abelha.

A agência anunciou na segunda-feira (20/05) que cancelou os registros de 12 produtos que matam pragas com compostos pertencentes a uma classe de substâncias químicas conhecidas como neonicotinóides, como parte de um acordo legal.

Durante anos, os apicultores e conversadores da vida silvestre expressaram preocupação de que o uso difundido de neonicotinóides, como os produtos químicos são comumente chamados, está pondo em perigo as abelhas selvagens e domesticadas cruciais para a polinização das plantações comerciais de frutas, nozes e vegetais.

A ação do governo Trump foi uma boa notícia para alguns ambientalistas. “Certamente, temos um caminho a percorrer”, disse George Kimbrell, diretor jurídico do grupo de defesa sem fins lucrativos Center for Food Safety, cujo processo provocou a ação da EPA. “Mas é um primeiro passo importante para reconhecer o dano que causam.”

A EPA retirou outros neonicotinóides do mercado antes, disse o porta-voz da agência, John Konkus, em um e-mail. Mas observadores próximos da agência dizem que tais ações são raras.

“Para a EPA retirar do mercado um agrotóxico previamente registrado é um passo muito importante”, disse Mark Winston, professor de apicultura e insetos sociais da Simon Fraser University em Vancouver, B.C. “Não é algo que eles fazem com muita frequência.”.

A decisão segue cinco anos de litígio em que os apicultores e ambientalistas pressionaram a EPA para montar uma resposta ao uso de neonicotinóides como reguladores na Europa e no Canadá tomaram medidas para proibir os produtos químicos.

Finalmente, no final de 2018, três empresas do agronegócio – Bayer, Syngenta e Valentconcordaram em permitir que a EPA retirasse das prateleiras os 12 agrotóxicos usados ​​pelos produtores, desde grandes empresas agrícolas até jardineiros domésticos. O acordo legal também obriga a EPA a analisar os impactos de toda a classe de neonicotinóides sobre espécies ameaçadas de extinção.

Dois dos fabricantes de agrotóxicos, Bayer e Valent, dizem que seus produtos são testados e seguros para uso, observando que os ambientalistas e apicultores ganharam seu argumento com base no argumento técnico de que a EPA não seguiu os passos certos sob a Lei de Espécies Ameaçadas.  

“Os neonicotinóides são rigorosamente testados antes de chegar ao mercado para garantir que possam ser usados ​​com segurança e eficácia”, disse Steve Tatum, porta-voz da Valent, que fabrica quatro dos produtos excluídos da lista.

A Bayer observou que seus dois produtos visados ​​pela ação da EPA não são vendidos nos Estados Unidos. Mas o porta-voz Darren Wallis acrescentou: “Os produtores confiam nessas ferramentas críticas de manejo de pragas por causa de seu desempenho contra pragas destrutivas, assim como seu perfil de segurança humano e ambiental favorável”.

A preocupação com os neonicotinóides cresceu desde 2006, quando os apicultores começaram a testemunhar o súbito e misterioso colapso das colmeias de abelhas em todo o país.

Pesquisadores mostraram que os compostos são prejudiciais para as abelhas em testes de laboratório. Mas eles tiveram menos sorte em reduzir os efeitos dos agrotóxicos nas colônias de apicultores quando trabalham polinizando pomares de maçã e outras fazendas.

Em seu segundo mandato, Barack Obama, que havia aprovado a instalação de uma colmeia no gramado sul da Casa Branca, lançou uma iniciativa para promover a saúde das abelhas e outros polinizadores.

Mas Rebecca Riley, diretora jurídica do programa de natureza do Conselho de Defesa dos Recursos Naturais, disse que a agência falhou no passado em considerar adequadamente o impacto potencial de suas aprovações de agrotóxicos em animais em extinção – algo que toda agência federal deveria fazer.

“EPA há anos tem ignorado este requisito da lei”, disse ela.

Isso levou a uma série de ações judiciais, como uma que a NRDC apresentou em 2017, pedindo a um tribunal federal para desocupar os registros de quase 100 produtos que contêm um dos vários inseticidas que são prejudiciais a várias abelhas, borboletas, pássaros e insetos. Esse caso continua sem solução, mesmo quando o caso separado do Centro de Segurança Alimentar levou a EPA a retirar alguns agrotóxicos do mercado.

“Esta é uma vitória tanto para o estado de direito quanto para abelhas, pássaros e outros animais selvagens impactados por esses agrotóxicos”, disse Riley sobre o último caso. “Mas a realidade é que existem centenas de agrotóxicos no mercado. Então, isso é importante… mas não se livra do perigo”.

Brady Dennis contribuiu para este relatório.

_______________________________________________

Este artigo foi publicado originalmente em inglês pelo “The Washington Post” [Aqui!]