Visita a Barra Longa: a prevista ressurreição do Rio Doce não chegou

Estive ontem (22/04) visitando o município de Barra Longa, um dos mais duramente atingidos pelo TsuLama da Samarco (Vale + Rio Doce) acompanhado de um colega que conhece bem a região.  Para quem não se lembra, por estar localizado a pouco mais de 60 km do ponto de origem do TsuLama, Barra Longa sofreu um impacto imediato com a chegada da massa de rejeitos (ver imagens abaixo de Novembro de 2015).

Agora, passados 17 meses da eclosão do TsuLama, a vida parece ter voltado ao normal em Barra Longa, a começar pelo marco da cidade que fica próxima das margens do Rio Doce.

IMG_0107

Mas a normalidade é apenas aparente, pois basta olhar para o Rio Doce para notar que a cor avermelhada permanece forte nas suas águas (ver imagens abaixo).

IMG_0134IMG_0072

Outro fato que remove qualquer noção de normalidade é a a presença de grandes depositos de rejeitos no leito do rio e em suas margens como pode ser visto abaixo.

Conversando com moradores pude verificar que duas coisas estão preocupando os habitantes de Barra Longa: a poluição do ar causada pela resuspensão das particulas finas e grosseiras que compõe os sedimentos e que estão causando problemas respiratórios.  Outro elemento de preocupação é a falta de medidas mais compreensíveis para recuperação das áreas impactadas pelo TsuLama, visto que uma parcela significativa dos solos agrícolas mais produtivos foram cobertos pelos rejeitos. A prática de revegetar as margens plantando gramíneas diretamente sobre os rejeitos é considerada ineficaz e contraproducente.

IMG_0143

Enquanto isso crescem os rumores em Barra Longa de que a Mineradora Samarco (Vale + BHP Billiton) voltará a operar ainda no segundo semestre, o que acaba aumentando as incertezas sobre o futuro da economia do município.

Abaixo segue um vídeo que mostra de forma rápida o fluxo das águas do Rio Doce que mostram cabalmente que o milagre da ressurreição que foi prometido para cinco meses ainda não chegou (Aqui!), e talvez nunca chegue se depender do Estado brasileiro e das mineradoras a quem ele serve de forma tão diligente.

Um pensamento sobre “Visita a Barra Longa: a prevista ressurreição do Rio Doce não chegou

  1. […] Visita a Barra Longa: a prevista ressurreição do Rio Doce não chegou […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s