A voz de Bolsonaro

Deutsche Welle ( Voz da Alemanha) demitiu o escritor João Paulo Cuenca por criticar o presidente do Brasil. Cuenca responde à  emissora na Telepolis

dw

Em uma carta aberta à Deutsche Welle, mais de 100 primeiros signatários da Alemanha e do Brasil criticaram fortemente a demissão do escritor brasileiro João Paulo Cuenca . Anteriormente, a emissora  havia declarado que  cancelava uma coluna regular do escritor em português sem consulta prévia e publicamente depois dele criticar o presidente de direita do Brasil, Jair Bolsonaro, em sua conta privada no Twitter. Deutsche Welle então acusou Cuenca de “discurso de ódio e incitação à violência”; enquanto o demitido também protestou  no Twitter.

Enquanto a demissão causou entusiasmo no campo de apoio de  Jair Bolsonaro, um processo de resistência foi formado contra a decisão da Deutsche Welle.  Uma carta aberta foi assinada por vários jornalistas e pelo vice-presidente do PEN Club Alemanha, Ralf Nestmeyer.

Não é improvável que os responsáveis ​​na sede da estação em Bonn tenham se envolvido em uma campanha de extremistas de direita brasileiros e, em segundo lugar, não tenham entendido o tweet. Para Cuenca, escreveu sobre o serviço de mensagens curtas: “Os brasileiros só serão livres quando o último Bolsonaro for pendurado no intestino do último pastor da igreja universal”.

Tabaco duro, claro, mas também a paráfrase de uma citação histórica. No início do século XVIII, o francês Jean Meslier, que havia mudado de sacerdote católico para crítico religioso e é considerado um dos primeiros iluministas, citou a citação em seu trabalho Mèmoire” : “O ser humano é o único homem do mundo. les nobres fussent pendus et étranglés avec les boyaux de prètres “, por exemplo:” Seria justo que todas as grandes pessoas do mundo e todos os nobres fossem enforcados e estrangulados com os intestinos dos padres “.

A modificação para Bolsonaro feita por Cuenca – motivada de maneira semelhante – se referia ao apoio maciço do atual governo brasileiro à Igreja Universal do Reino de Deus . Esse movimento de massa evangélica sectária é um dos mais importantes apoiadores da liderança de Bolsonaro – e recebeu recentemente milhões do orçamento do estado.

As críticas de Cuenca a isso aparentemente entristeceram tanto a liderança de Bolsonaro quanto agradaram sua expulsão pública. O congressista e filho do presidente Eduardo Bolsonaro parabenizou pessoalmente a emissora alemã no Twitter pela decisão de demitir Cuenca. Antes disso, representantes do campo de Bolsonaro lançaram uma campanha massiva contra Cuenca.

Cientistas, jornalistas, artistas e ativistas alemães e brasileiros reagiram agora à expulsão e ao apoio dado pelos extremistas de direita do Brasil. Pode-se discutir se a peça de Cuenca com a citação histórica foi bem-sucedida ou de mau gosto, mal formulada ou pouco contextualizada, eles escrevem na carta aberta que Telepolis havia recebido anteriormente: “Se você conhece o trabalho de João Paulo Cuenca, essa frase pode, no entanto, não deve ser interpretado como incitante ao ódio. Por esse motivo, a decisão unilateral da Deutsche Welle levantou preocupações sobre a liberdade de expressão e censura “. A Deutsche Welle deveria repensar sua decisão, afinal Cuenca é uma “voz indispensável na luta contra os crimes cometidos contra os direitos humanos,

Telepolis pediu a Cuenca que escrevesse sua versão do que estava acontecendo. Aqui está sua réplica para a Deutsche Welle.

fecho

Este texto foi publicamente originalmente em alemão no site da revista Telepolis [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s