No seu crepúsculo, governo Bolsonaro aprofunda ataque à educação brasileira e às universidades e institutos federais

universidades-cortes-verbas-10

Ao longo dos seus 47 meses de existência, o governo Bolsonaro promoveu um ataque em regra à educação pública brasileira, não apenas por meio de uma profunda asfixia financeira, mas também com a desestruturação e desrespeito ao funcionamento dos órgãos que regem as diversas áreas que regem essa esfera estratégica do estado brasileiro.

Agora, no crespúsculo de sua existência, o presidente Jair Bolsonaro autorizou mais um corte gigantesco (algo em torno de R$ 3 bilhões, o que chega a próximo de R$ 5 bilhões em 2022) no orçamento da educação e das universidades e institutos federais, muito provavelmente para cumprir compromissos com seus aliados políticos, dentro e fora do congresso nacional.

A consequência imediata desse corte é deixar as universidades e institutos com o cofre zerado, impedindo o cumprimento de compromissos financeiros básicos, como o pagamento de servidores terceirizados que agora poderão passar o Natal sem comida em suas mesas.

Mas esse último ataque também milhões de crianças brasileiras que ficarão sem serviços essenciais em suas escolas, as quais dependem da descentralização das mesmas verbas federais que irão fazer na falta nas universidades e institutos.

Assim, não bastou colocar uma série de ministros completamente anti-educação pública ou ainda tornar um MEC em uma espécie de entreposto da corrupção, agora se paralisa e asfixia atividades essencias em um momento em que a crise econômica torna as escolas um dos poucos locais onde milhões de crianças brasileiras ainda podem ser alimentadas, ainda que precariamente.

O fato é que não será simples reverter esse cenário de destruição que favoreceu tremendamente as escolas e universidades privadas que foram sempre beneficiadas, seja financeiramente ou por meio do avanço da desregulação que ampliou o chamado ensino à distância. 

O próximo governo terá em suas mãos uma tarefa desafiadora, especialmente porque a pressão dos especuladores financeiros será para que a asfixia financeira da educação pública seja mantida em todos os níveis. Resistir às pressões contra a educação pública será uma dos grandes desafios do próximo governo. A ver!

Bolsonaro é ridicularizado por desafio ‘sem sentido’ à eleição brasileira que perdeu no mês passado

O Tribunal Superior Eleitorial ratificou resultados do segundo turno contra Luiz Inácio Lula da Silva, mas auditoria de reivindicações do titular encontrou sinais de ‘mau funcionamento’ em algumas máquinas de votação

bolso loss

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, contestou sua derrota eleitoral para Luiz Inácio Lula da Silva 

Por Reuters

Jair Bolsonaro contestou a eleição presidencial brasileira que perdeu no mês passado para Luiz Inácio Lula da Silva , argumentando que os votos de algumas máquinas deveriam ser “invalidados”.

A reivindicação de Bolsonaro parece improvável de ir longe, já que a vitória de Lula foi ratificada pelo tribunal superior eleitoral e reconhecida pelos principais políticos do Brasil e aliados internacionais. No entanto, poderia alimentar um movimento de protesto pequeno, mas comprometido, que até agora se recusou a aceitar o resultado.

Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal que atualmente lidera o TSE, disse em decisão vista pela agência de notícias Reuters que a coligação eleitoral de direita de Bolsonaro, que apresentou a denúncia, deve apresentar sua auditoria completa para os dois turnos da votação de outubro em 24 horas, ou ele o rejeitaria.

“Chega de procrastinação, irresponsabilidade, insultos às instituições e à democracia”, escreveu ela no Twitter. “A eleição foi decidida no voto e o Brasil precisa de paz para construir um futuro melhor.

A Social Democracia Brasileira, tradicional rival do Partido dos Trabalhadores de Lula, chamou a denúncia de Bolsonaro de “sem sentido”, tuitando que ela teria resistência “das instituições, da comunidade internacional e da sociedade brasileira”.

A coalizão de Bolsonaro disse que sua auditoria do segundo turno de 30 de outubro entre Bolsonaro e Lula encontrou “sinais de irreparável… mau funcionamento” em algumas urnas eletrônicas.

“Havia indícios de falhas graves que geram incertezas e impossibilitam a validação dos resultados gerados” em modelos mais antigos de urnas, disseram aliados de Bolsonaro na denúncia. Como resultado, eles pediram que os votos desses modelos fossem “invalidados”.

Bolsonaro há anos afirma que o sistema de votação eletrônica do país é passível de fraude, sem fornecer provas substanciais.

Uma das presenças mais visíveis do Brasil nas mídias sociais e em eventos públicos nos últimos quatro anos, Bolsonaro quase desapareceu de vista nas últimas três semanas, com pouca ou nenhuma agenda formal ou declarações públicas na maioria dos dias.

Bolsonaro autorizou seu governo a começar a se preparar para uma transição presidencial nos dias após o segundo turno da eleição de outubro.


compass black

Este texto escrito originalmente em inglês foi publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Agrotóxicos como questão estratégica a ser resolvida pelo governo Lula

lula agrotóxicos

Uma das áreas em que o governo de Jair Bolsonaro foi efetivo foi o do desmantelamento da legislação ambiental, incluindo a que regulava a aprovação de agrotóxicos. Nessa área, com a ajuda fundamental da ministra Tereza Cristina, o governo Bolsonaro literalmente passou o rodo nos brasileiros. O resultado dessa ação concertada entre fabricantes, latifundiários e membros do parlamento é que hoje estamos todos submetidos a um impacto inédito decorrente da ampla utilização de agrotóxicos banidos em outras partes do mundo.

Muito se fala do impacto que o latifúndio agro-exportador teve no desmatamento da Amazônia e do Cerrado, mas bem menos é abordado sobre a relação entre desmatamento e a transformação do Brasil em uma espécie de piscina química onde são despejados produtos que estão banidos em seus países de origem por serem tão perigosos que não compensam mais os eventuais ganhos que trazem na produção agrícola.

A verdade é que a questão da transformação do Brasil no principal mercado mundial de venenos agrícolas está na raiz da hegemonia política alcançada pelos latifundiários que hoje correm livres para desmatar e envenenar regiões inteiras da Amazônia, o que só é possível por causa de um grande acordo político com Jair Bolsonaro.

O presidente eleito Lula da Silva sinalizou no seu discurso da vitória um vago compromisso com uma nova forma de produzir alimentos, um que se baseie nos conceitos elaborados e sintetizados no que conhecemos como sendo “agroecologia”.  Provavelmente a maioria não se ateve a essa parte do discurso vitorioso, mas ela é uma questão extremamente estratégica.  É que além de todo o discurso de que o “agronegócio” brasileiro alimenta o mundo ser falacioso (pois não é nem próximo de ser verdade), o que temos em termos de produção agrícola não chega em sua maioria no prato dos brasileiros.  Dados sobre a produção, aliás, mostram que uma porcentagem altamente significativa do principal grão produzido no Brasil, a soja, serve apenas como alimentação de porcos na China.

Assim, alimentar os brasileiros com comida saudável certamente entra em choque com o atual modelo agrícola ancorado no veneno e no alto nível de financiamento público. Reverter isso pode parecer secundário, mas é central. É que além de se defrontar com os representantes do latifúndio nacional, o governo Lula terá que se defrontar com o poder das grandes transnacionais produtoras de venenos agrícolas (por exemplo: Bayer/Monsanto, Basf, Syngenta/ChemChina, DowDupont) que gozaram de ampla liberdade durante o governo Bolsonaro para realizar seu lobby pró-veneno.

A boa notícia é que há cada vez mais um acordo em torno da necessidade de se reverter não apenas a forma de produção de alimentos no mundo, mas também dos mecanismos de circulação e distribuição.

O que os holofotes precoces sobre Lula nos dizem sobre a mídia corporativa brasileira

lula cop27

A recente viagem do presidente eleito Luís Inácio Lula da Silva ao Egito, onde irá participar da COP-27, a bordo de um jatinho de propriedade de um grande empresário foi motivo para uma incontável quantidade de artigos e notas nos principais veículos da mídia brasileira. Pelo que entendi da reação da mídia corporativa, o uso de um jatinho privado seria uma espécie de prova de que Lula se desviou precocemente das boas práticas e se valeu de um amigo rico para evitar o uso de um avião de carreira.
Contraditoriamente a essa cobertura que aparentemente procura “chifre em cabeça de cavalo” (afinal há que se lembrar que Lula neste momento ainda não ocupa cargo público!), a cobertura dada pela mídia internacional vai no sentido de explicitar a situação de quase júbilo que a volta de Lula à presidência da república gerou em governantes, membros da sociedade civil e, inclusive, de membros da imprensa que fazem a cobertura de grandes eventos multilaterais. No caso da chegada de Lula à COP-27, importou pouco o veículo que o levou, e muito mais a volta do Brasil aos esforços multilaterais de mitigação dos efeitos das mudanças climáticas globais.

Essa discrepância de tratamento não apenas revela um padrão provinciano e paroquial da mídia brasileira ao retorno de Lula ao cargo de presidente, mas também a opção de o tratar por padrões de comportamento que jamais foram aplicados a Jair Bolsonaro. Como todos notaram, em quase quatro anos de governo e múltiplas peripécias com o dinheiro público em férias extravagantes, o presidente cessante fez praticamente o que bem lhe deu na telha, sem que houvesse o mesmo mínimo de cobrança que agora é precocemente aplicado a Lula.

E não se enganem a ponto de pensar que este é um momento passageiro, pois podemos esperar uma cobertura muito ajustada do mandato de Lula. É que os donos da mídia corporativa brasileira deram toda a liberdade para Jair Bolsonaro agir porque estavam lucrando com as políticas econômicas de Paulo Guedes. Em certo sentido, o tratamento com trejeitos de uma caçada que agora é dispensada a Lula antes de qualquer coisa revela uma opção de relacionamento com um governo que dificilmente será de esquerda, mas, tampouco, será tão de direita quanto o de Jair Bolsonaro.

Volta da inflação desmascara ainda mais a dupla Bolsonaro/Guedes

INFLAÇÃO SUBIU

Os veículos da mídia corporativa noticiam hoje que após poucos meses de retração, a inflação do mês de Outubro tomou um perfil de alta, ainda que relativamente pequena. O problema, alertam alguns analistas sérios como o economista Eduardo Moreira (ver vídeo abaixo), é que a inflação de outubro representa apenas uma retomada do que deveria ser o normal, mas que ficou escondida por uma série de manobras de cunho eleitoral que foram adotadas pelo dublê de banqueiro e ministro da Economia, o sr. Paulo Guedes.

Agora que Jair Bolsonaro já perdeu a eleição e, mais importante ainda, a capacidade de interferir no andamento das coisas, o que se vê é a perspectiva não apenas de que a inflação continue subindo e voltando para o patamar onde deveria estar, mas também uma continua depreciação da capacidade produtiva do Brasil, o que se refletirá em uma diminuição do valor do Produto Interno Bruto (PIB).

A verdade que teima em aparecer, agora que a fumaça dos piquetes da extrema-direita está baixando, é que as medidas ultraneoliberais de Paulo Guedes, que incluíram a privatização criminosa de várias estatais estratégicas,  colocaram a economia em um estado de paralisia, a qual foi fortemente agravada pelas políticas anti-ambientais que expulsaram investidores internacionais que não quiseram estar relacionados ao processo de desmatamento que hoje come solto na Amazônia e no Cerrado.

O resumo desta ópera bufa montada por Jair Bolsonaro e Paulo Guedes é que o presidente eleito terá um primeiro ano de mandato muito complicado, já que a situação econômica deixará pouco espaço para erros.

No terceiro mandato, Lula terá pouco espaço para seu “Brasil sem classes”, já que a luta entre elas não irá arrefecer

Luta-de-classes

Uma das principais características do período em que o presidente eleito, Luís Inácio Lula da Silva, governou o Brasil por dois mandatos foi a sua quase profissão de fé em torno da criação de um país “sem classes sociais”, pois supostamente o que buscava era cumprir uma fórmula onde todos ganhariam. Entretanto, o que se viu após o fim do último ciclo virtuoso das commodities que embalou Lula e seus governos foi não apenas o rompimento da aliança que deu sustentação aos governos do PT, mas uma opção das elites brasileiras por uma agudização dos ataques aos direitos dos trabalhadores, e que culminou na eleição de Jair Bolsonaro em 2018.

A clara ação de segmentos das elites brasileiras não apenas para tentar eleger Jair Bolsonaro, mas também para promover um golpe militar em face de sua derrota aponta claramente para uma aposta no confronto direto com o novo governo Lula. Essa indisposição para o apaziguamento ficou evidente nos bloqueios das estradas onde a categoria dos caminhoneiros foi usada como bucha de canhão dos donos de transportadoras, estes sim interessados em reverter os resultados das urnas, como sugerem relatos surgidos na imprensa.

A essa indisposição de segmentos que se beneficiaram das regressões perpetradas pelos governos Temer e Bolsonaro de se apaziguarem com Lula é acrescida a movimentação de segmentos minoritários, porém claramente mobilizados, da população brasileira que se sentem contemplados pelo modelo de organização econômica ultraneoliberal. Esses segmentos, apesar de minoritários, certamente se manterão em movimento, mesmo porque não há ganho aparente em se retirarem calmamente da cena política, por mais bizarras que sejam suas posições.

Aos brasileiros que, como eu, votaram em Lula sem ter ilusões com seu futuro governo resta investir em esforços que retirem segmentos da classe trabalhadora das garras da extrema-direita. É que sem esses segmentos da classe trabalhadora, os elementos mais radicalizados da extrema-direita só terão a si mesmos para continuarem em cena, e sozinhos seu impacto na vida política será o que foi historicamente no Brasil, qual seja, praticamente nulo.

E para quem desejaria voltar a um cenário de hipotética harmonia (a qual realmente nunca existiu no Brasil), quanto mais rápido se reconhecer que a luta de classes está aqui para ficar melhor será.  Afinal, se tivemos o risco da manutenção da extrema-direita no poder, isto se deve em grande parte à falta de entendimento da dinâmica política que estamos vivendo não apenas em nosso país, mas em todo o mundo. E se eu aprendi algo na vida é que a luta de classes não perdoa os ingênuos e desorganizados.

‘Acabou, porra!’ A vitória de Lula da Silva no Brasil injeta esperança na luta climática global

À medida que a cúpula climática da ONU deste ano se reúne, a maior economia da América do Sul está se preparando para deixar seu presidente negador do clima

lula flag

O presidente eleito do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, agita uma bandeira brasileira durante um comício em 20 de outubro de 2022, em São Gonçalo, Brasil. BUDA MENDES VIA GETTY IMAGES

Por Travis Waldron, Alexander C. Kaufman e Chris D’Angelo para o Huffington Post

SÃO PAULO ― A vitória de Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições presidenciais do Brasil no último domingo energizou líderes mundiais, ativistas climáticos e ambientalistas antes da cúpula das Nações Unidas sobre mudanças climáticas deste ano, que começa domingo no Egito.

Em uma eleição que muitos viram como crucial para o futuro da floresta amazônica e evitar o aquecimento planetário catastrófico, o esquerdista Lula, conhecido carinhosamente como “Lula”, derrubou por pouco o presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro, um ferrenho negador das mudanças climáticas que presidiu sobre o desmatamento vertiginoso na floresta amazônica que o transformou em um pária global .

Da Silva, que supervisionou reduções drásticas nas taxas de desmatamento e emissões de carbono durante sua presidência de 2003 a 2010, aproveitou as questões climáticas durante a corrida para pintar Bolsonaro como um outlier global que isolou o Brasil no cenário mundial. Em seu primeiro discurso como presidente eleito, ele prometeu “lutar pelo desmatamento zero” e combater a extração ilegal de madeira, mineração e pecuária que cresceu sob a vigilância de Bolsonaro.

“O Brasil e o planeta precisam da Amazônia viva”, disse Silva, que viajará ao Egito na próxima semana como um sinal antecipado de sua intenção de reassumir um papel de liderança na luta climática, disse na noite de domingo. “Vamos provar mais uma vez que é possível gerar riqueza sem destruir o meio ambiente.”

O Brasil controla a grande maioria da floresta amazônica e também abriga outras regiões ambientais sensíveis que os cientistas consideram cruciais para a batalha global contra as mudanças climáticas. Lá e no exterior, os defensores do clima não mediram palavras quando os resultados das eleições foram claros.

“Acabou porra!” o Observatório Brasileiro do Clima, um think tank com sede em São Paulo, em um comunicado na noite de domingo. “O pesadelo deve finalmente terminar.”

Christian Poirier, diretor de programas da organização sem fins lucrativos Amazon Watch , disse ao HuffPost que uma vitória de Bolsonaro “significaria o fim da Amazônia”. De fato, os cientistas soaram o alarme de que a floresta tropical está se aproximando de um ponto de inflexão além do qual será incapaz de se recuperar.

“A conquista de Lula, particularmente em uma plataforma de preservação ambiental e respeito aos direitos humanos, principalmente os direitos dos povos da floresta e dos povos indígenas, foi uma grande vitória diante da extrema ameaça representada por mais quatro anos de Bolsonaro – a ameaça existencial ”, disse Poirier. “Dada a importância da Amazônia, a importância deste bioma para a estabilidade climática mundial, esta foi a eleição mais conseqüente do planeta.”

Uma vista aérea de uma área queimada na floresta amazônica perto de Porto Velho, no estado brasileiro de Rondônia, em 31 de agosto de 2022. Especialistas dizem que os incêndios na Amazônia são causados ​​principalmente por agricultores ilegais, pecuaristas e especuladores que limpam terras e queimam árvores.

Uma vista aérea de uma área queimada na floresta amazônica perto de Porto Velho, no estado brasileiro de Rondônia, em 31 de agosto de 2022. Especialistas dizem que os incêndios na Amazônia são causados ​​principalmente por agricultores ilegais, pecuaristas e especuladores que limpam terras e queimam árvores. DOUGLAS MAGNO VIA GETTY IMAGES

O ambiente normalmente não desempenha um papel de liderança – ou qualquer papel – nas eleições brasileiras. Mas durante esta campanha, Lula delineou um conjunto ambicioso de propostas que os aliados compararam a uma versão brasileira do Green New Deal que os progressistas nos Estados Unidos promoveram. Ele também prometeu restaurar as proteções para tribos indígenas que acusaram Bolsonaro de “genocídio” e crimes contra a humanidade , prometendo criar um novo Ministério de Assuntos Indígenas e nomear um líder tribal para dirigi-lo.

O caminho a seguir, no entanto, não será fácil. As taxas de desmatamento continuaram a subir nos meses anteriores às eleições, subindo 81% em relação ao total do ano passado em agosto e outros 48% em setembro. Eles devem continuar crescendo pelo menos até o primeiro ano da presidência de Lula, e a recuperação da floresta nos próximos quatro anos está longe de ser garantida.

“Na verdade, o que estamos vendo na Amazônia é um cenário do Velho Oeste”, disse Poirier. “Esse cenário não vai mudar da noite para o dia.”

Uma agenda ambiciosa enfrenta enormes desafios

A Amazônia é apenas uma das principais regiões ambientais que enfrentaram uma destruição desenfreada sob Bolsonaro, mas é um indicativo dos desafios mais amplos que Lula enfrentará ao tentar reconstruir a imagem global do Brasil e remontar um governo capaz de tornar o Brasil um líder do mundo. luta climática internacional novamente.

Bolsonaro passou quatro anos destruindo o outrora robusto regime regulatório ambiental do Brasil e as agências governamentais que o implementaram. Restrições nos gastos federais dificultarão a reconstrução completa dos ministérios ambientais, enquanto um Congresso conservador e uma lista lotada de prioridades podem facilmente impedir o avanço de quaisquer propostas climáticas importantes.

Nas cidades prósperas da Amazônia, onde garimpeiros e madeireiros ilegais buscavam suas fortunas com as bênçãos de Bolsonaro, oficiais federais encarregados de supervisionar a conservação e os direitos indígenas lutavam até para manter os veículos em condições de funcionamento. A falta de fiscalização de Bolsonaro criou um acúmulo de multas não pagas e promoveu uma cultura de impunidade em relação à destruição ambiental.

As redes de crime organizado que prosperaram sob o governo de Bolsonaro e conduziram grande parte da devastação ambiental que ocorreu sob seu comando agora são muito maiores e mais sofisticadas, tecnologicamente experientes e financeiramente robustas do que eram durante os dois mandatos anteriores de Lula.

“O mais difícil vai ser o crime na Amazônia”, disse Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima. “O crime na Amazônia é hoje mais poderoso e tem mais influência política e dinheiro do que nunca.”

Em partes da Amazônia, a reconstrução de um governo capaz de fazer cumprir as proteções ambientais e combater a atividade criminosa será suficiente, disse Astrini. Mas em grandes áreas da região, a falta de oportunidades econômicas formais tornou comunidades inteiras dependentes de redes criminosas, o que significa que Silva e seu governo terão que ajudar a criar empregos, investir em negócios e construir economias locais capazes de quebrar essa dependência.

Crianças se reúnem ao ar livre em Manicore, uma cidade localizada às margens dos rios Madeira e Manicore, na floresta amazônica, no estado do Amazonas, no Brasil, em 6 de junho de 2022.

Crianças se reúnem ao ar livre em Manicore, uma cidade localizada às margens dos rios Madeira e Manicore, na floresta amazônica, no estado do Amazonas, no Brasil, em 6 de junho de 2022. MAURO PIMENTEL VIA GETTY IMAGES

Apesar dos desafios, da Silva e sua equipe estão confiantes de que podem repetir o sucesso de sua primeira presidência, quando as taxas de desmatamento caíram 70%. Isso, por sua vez, ajudará a reverter um preocupante aumento nas emissões gerais, que aumentaram 9,5% em 2020, ano em que a pandemia fez com que as emissões caíssem globalmente. Isso levou o Brasil muito longe para cumprir as metas estabelecidas no Acordo Climático de Paris.

“O desmatamento é responsável por 70% das nossas emissões. Se reduzirmos o desmatamento, reduziremos as emissões”, disse Marina Silva, que foi ministra do Meio Ambiente durante a presidência de Lula e está entre as candidatas a assumir o cargo no ano que vem, a repórteres em São Paulo dias antes da eleição.

Mas as “ambições” de Lula são maiores do que apenas cumprir as metas de Paris, disse ela.

Durante a presidência de Bolsonaro, grupos ambientais brasileiros estabeleceram parcerias internacionais em um esforço para promover políticas verdes e proteger a floresta nos níveis estadual e local, com algum sucesso. Membros proeminentes da esquerda brasileira, enquanto isso, fizeram conexões com progressistas nos Estados Unidos e na Europa em um esforço para elaborar uma resposta ambiental pronta para que Lula adote e implemente.

Três meses após a posse de Bolsonaro em 2019, Alessandro Molon, líder da oposição do Partido Socialista na Câmara dos Deputados do Brasil, disse ao HuffPost em uma entrevista em seu escritório em Brasília que se inspirou na estrutura do Green New Deal. Bernie Sanders (I-Vt.) e a Deputada Alexandria Ocasio-Cortez (DN.Y.) defendiam na época. O apelido de três palavras foi usado para descrever uma série de ideias progressistas para lidar com as mudanças climáticas e sinalizou uma mudança no pensamento político dominante sobre como reduzir as emissões do aquecimento do planeta longe da precificação do carbono e em direção à política industrial, onde o governo define prioridades econômicas injetando subsídios em setores como energia limpa.

No ano seguinte, Jaques Wagner, senador brasileiro do partido de Lula e ex-ministro da Defesa, apareceu em um painel em Nova York ao lado do acadêmico Daniel Aldana Cohen e da escritora Naomi Klein, dois dos autores ecossocialistas mais influentes da América do Norte.

Wagner elogiou o “grande potencial do Brasil no que chamaríamos de bioeconomia”, ou seja, óleo diesel refinado de plantas e culturas ecologicamente mais eficientes. De acordo com o espírito economicamente populista que animava os primeiros apelos por um Green New Deal, ele disse que a única maneira de obter apoio para reduzir as emissões seria “soluções estruturais” que “construam uma economia que funcione para todos”.

“É absolutamente crucial que vejamos as mudanças climáticas não apenas como o maior desafio, mas também como uma oportunidade de [gerar] soluções para o nosso desenvolvimento.”

– Izabella Teixeira, ex-ministra brasileira do meio ambiente

Molon apresentou a versão brasileira do Green New Deal na COP26 em Glasgow, Escócia, no ano passado. Em junho, ele apresentou o plano diretamente a Silva e sua equipe ambiental, que supostamente concordaram com o conceito básico.

Da Silva mais tarde divulgou uma série de propostas que se baseavam em ideias semelhantes: como a Reuters informou , seus planos exigiam proteções federais mais fortes de grandes áreas da Amazônia e novos investimentos destinados a promover uma economia brasileira mais verde.

Na última vez que Lula foi presidente, ambientalistas o criticaram por priorizar a economia sobre a Amazônia e os direitos indígenas. Foi seu governo que autorizou a construção da represa de Belo Monte, um controverso projeto hidrelétrico na região amazônica, apesar da forte reação dos defensores dos direitos humanos e das tribos.

No entanto, durante o último governo de Lula, o Brasil se destacou de outras economias emergentes como a única grande nação a reduzir o desmatamento, mantendo um crescimento econômico recorde. Nos anos seguintes, o influxo de áreas queimadas e o aumento das temperaturas globais tornaram esse equilíbrio novamente mais difícil, mas os aliados de Lula enfatizaram que seus objetivos climáticos fazem parte de uma agenda econômica mais ampla – um argumento que eles provavelmente usarão em um esforço para conquistar o Congresso brasileiro e o público.

“Esta é uma agenda de desenvolvimento: o clima faz parte da equação de soluções de desenvolvimento no Brasil”, disse Izabella Teixeira, que atuou como ministra do Meio Ambiente de Silva e sua sucessora, Dilma Rousseff. “É absolutamente crucial que vejamos as mudanças climáticas não apenas como o maior desafio, mas também como uma oportunidade de [gerar] soluções para o nosso desenvolvimento.”

A ambientalista brasileira Marina Silva, à esquerda, fala ao lado do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva durante uma entrevista coletiva em São Paulo em 12 de setembro de 2022.

A ambientalista brasileira Marina Silva, à esquerda, fala ao lado do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva durante uma entrevista coletiva em São Paulo em 12 de setembro de 2022. MIGUEL SCHINCARIOL VIA GETTY IMAGES

Essa visão, disse ela, pode ajudar o Brasil a “ligar os pontos” entre o clima e outras grandes prioridades de Lula, incluindo seus planos para fortalecer a economia brasileira, combater a pobreza e reduzir as taxas de fome extrema, um problema que ressurgiu durante a pandemia e agora encabeça a lista de preocupações de da Silva.

“[A fome] é um bom exemplo de como podemos melhorar o desempenho climático”, disse ela. “Somos um dos mais importantes produtores de alimentos do mundo e devemos apresentar soluções para a sociedade internacional. Não é apenas uma grande oportunidade para o Brasil desenvolver equações inovadoras para resolver problemas de desenvolvimento e desigualdades sociais, mas também compartilhar nossa tecnologia e soluções com outros países, principalmente no Sul Global.”

Com os olhos do mundo no Brasil, um novo Brasil olha para trás

Dadas as restrições que Lula enfrentará em casa, o tipo de ajuda internacional que secou sob Bolsonaro provavelmente desempenhará um papel crucial para ajudá-lo a cumprir suas promessas. E depois de quatro anos de Bolsonaro, as principais potências do mundo parecem mais do que felizes em receber o Brasil de volta à luta climática.

Na quinta-feira, o Supremo Tribunal Federal do Brasil ordenou a retomada do Fundo Amazônia , um mecanismo internacional de financiamento para projetos de proteção florestal, em janeiro, quatro anos depois de Bolsonaro encerrar seus programas mais poderosos. A Noruega e a Alemanha, que congelaram os pagamentos ao fundo em resposta às políticas de Bolsonaro e a um surto recorde de incêndios em 2019, disseram que estão abertos a retomar os pagamentos sob Lula.

“Na verdade, o que estamos vendo na Amazônia é um cenário de faroeste. Esse cenário não vai mudar da noite para o dia.”

– Christian Poirier, diretor de programa da organização sem fins lucrativos Amazon Watch

A União Europeia sinalizou seu otimismo sobre a conclusão de um acordo comercial com o Mercosul – um bloco de nações sul-americanas que inclui o Brasil – que estava suspenso em grande parte devido à oposição do presidente francês Emmanuel Macron às políticas ambientais de BolsonaroE o presidente dos EUA, Joe Biden, que discutiu o clima com Lula durante um telefonema de congratulações esta semana, ainda pode estar aberto a elaborar um pacote de ajuda financeira internacional para ajudar a proteger a floresta.

Mas a viagem de Lula ao Egito esta semana não pretende apenas reforçar o apoio internacional à sua agenda. O Brasil já teve um papel único na luta climática global: foi talvez a única nação do Sul Global que tinha poder, influência e uma parcela grande o suficiente de recursos vitais para abrir caminho para uma posição de liderança entre os maiores países do mundo.

Sob Lula e sua sucessora de esquerda, Dilma, o Brasil normalmente usava essa posição para pressionar as nações ricas a fornecer assistência mais ampla aos países de baixa e média renda na linha de frente da crise climática.

Agora, Lula quer recuperar essa posição quatro anos depois de Bolsonaro abandoná-la. Silva, o ex-ministro do Meio Ambiente, disse a repórteres na semana passada que o Brasil pressionará para fornecer mais ajuda financeira não apenas às nações em desenvolvimento, mas também a grupos da sociedade civil e populações indígenas que estão enfrentando as mudanças climáticas de frente. A cúpula do ano passado prometeu mais dinheiro às tribos indígenas, cujo conhecimento e esforços de adaptação assumiram um papel cada vez maior na luta pelo clima. Mas Silva quer pressionar ainda mais.

O Brasil também renovará seus esforços para fazer parcerias com outras nações tropicais – particularmente a Indonésia e as da Bacia do Congo, na África – que abrigam a maior parte das florestas tropicais do planeta, disse Celso Amorim, ex-ministro das Relações Exteriores de Lula, a repórteres. O Brasil também trabalhará em estreita colaboração com outras nações da bacia amazônica para reduzir o desmatamento nas regiões da floresta venezuelana, peruana e boliviana, disse Amorim.

Amorim, que também pode ganhar um cargo ministerial no governo de Lula, disse à Reuters em outubro que o Brasil buscaria sediar uma cúpula internacional sobre a Amazônia e disse antes da eleição que o Brasil “lutará” para fortalecer os tratados existentes destinados a proteger a floresta.

A vitória de Lula encerra uma espécie de “maré verde” na América Latina, já que líderes de esquerda que se comprometeram a restabelecer as relações de seus países com a natureza venceram eleições em países que vão do Chile à Colômbia e Honduras. Novos presidentes ambiciosos já encontraram dificuldades para implementar seus planos nessas nações. Mas com a maior e mais importante economia da região a bordo, há pelo menos esperança de que o Brasil possa ajudar a tornar a América do Sul um novo centro de poder nas negociações globais sobre emissões.

“Estou otimista”, disse Astrini, do Observatório do Clima. “Não é apenas melhor que Bolsonaro. É uma situação totalmente nova. Nunca tivemos neste país um presidente falando sobre desmatamento zero, clima e proteção ambiental como estamos vendo agora.”


compass black

Este texto escrito originalmente em inglês foi publicado pelo “Huffington Post” [Aqui!].

Jair Bolsonaro queria imitar Donald Trump. Eis por que ele não pode

As democracias só podem durar se todos os participantes, tanto os vencedores quanto os perdedores, fizerem o que puderem para protegê-las

bolso lossO presidente brasileiro Jair Bolsonaro, em seu primeiro discurso depois de perder por pouco para Luiz Inácio Lula da Silva, não cedeu na terça-feira, mas prometeu seguir a Constituição.Arthur Menescal / Bloomberg via Getty Images

Apesar das previsões em contrário , o presidente brasileiro Jair Bolsonaro parece não ser o negador eleitoral que o ex-presidente Donald Trump é, tornando a democracia no Brasil, por enquanto, mais resiliente do que a democracia nos Estados Unidos.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro parece não ser o negador eleitoral que o ex-presidente dos EUA, Donald Trump, é.

Depois que o direitista Bolsonaro perdeu a eleição presidencial para o esquerdistaLuiz Inácio Lula da Silva no domingo por cerca de 2 milhões de votos dos 119 milhões lançados, as atenções iniciais se voltaram para se o “Trump dos Trópicos”, como ele é chamado, concederia a corrida a um ex-presidente condenado por corrupção. O silêncio durou até terça-feira , mas na quarta-feira Bolsonaro concordou com uma transição de poder (sem um discurso formal de concessão), e na quinta -feira ele pediu o fim dos bloqueios de estradas de seus apoiadores que chegaram às centenas.

O que poderia ter sido o início de uma campanha brasileira “Stop the Steal” esta semana fracassou no final da semana, e é duvidoso que ela tenha crescido tanto quanto a campanha para manter Trump na Casa Branca. No entanto, o acordo de Bolsonaro com uma transferência pacífica de poder não impediu que os negadores americanos da eleição “Stop the Steal” pedissem um golpe militar no Brasil para proteger Bolsonaro.

No domingo, uma vez que ficou claro que Bolsonaro não alcançaria a liderança de Lula, o negador eleitoral de extrema direita Ali Alexander pediuaos “irmãos do Brasil” que “tomassem as ruas” com um “espera militar”, observando no Truth Social, sem nenhuma evidência, de que “a equipe de Joe Biden está atualmente ROUBANDO a eleição brasileira para o socialista Lula. Literalmente um GOLPE.” Alexander estava exigindo uma auditoria da votação, um tropo sem fundamento sendo regurgitado por pessoas como os direitistas Steve Bannon e Tucker Carlson .

“A margem de vitória é inferior a 2%”, disse Carlson na terça-feira em seu programa . “Há muitas dúvidas sobre esta eleição, se todas as cédulas foram contadas, por exemplo. E Bolsonaro não cedeu. Mas questionar os resultados das eleições no Brasil não é mais permitido lá ou mesmo aqui.”

Como uma declaração ainda mais distorcida do destino manifesto, os Estados Unidos têm uma história vergonhosa de esmagar os desejos políticos de seus vizinhos do sul, enquanto o tempo todo se gabam de acreditar na democracia e que a democracia aqui é melhor do que a democracia em qualquer outro lugar. Intrometer-se nos assuntos políticos da América Latina e às vezes apoiar ditadores enquanto finge ser um amante da democracia sempre foi uma óbvia hipocrisia americana. Mas há uma ironia particular aqui em ver os conservadores americanos, que costumavam se gabar de que o principal produto de exportação dos Estados Unidos é a democracia, se reunirem para exportar o negacionismo eleitoral. Essa tentativa da direita de exportar essa ideia antidemocrática de que apenas as vitórias da direita são legítimas é preocupante. Mas há duas razões principais pelas quais é provável que falhe.

Primeiro, diferentemente de Trump, Bolsonaro está isolado. Alguns de seus aliados e apoiadores mais proeminentes já concederam a eleição a Lula, esmagando a possibilidade de inúmeras ações judiciais e falsas alegações que emanaram do Trump World após a eleição de 2020 e levaram a uma tentativa de golpe no Capitólio dos EUA em 6 de janeiro de 2021 .

“A principal diferença é que políticos poderosos de direita, aliados de Bolsonaro, todos se manifestaram assim que os resultados foram anunciados e aceitaram os resultados, parabenizaram Lula, o vencedor, e disseram publicamente que estavam dispostos e ansiosos para trabalhar com o Lula”, disse o professor de estudos latino-americanos de Harvard, Steven Levitsky , ao programa “Meet the Press Now” da NBC na quinta-feira .

Entendendo como funciona a democracia, esses mesmos bolsonaristas podem ser o espinho do mandato de Lula, já que terão poder político no país. Muitos desses mesmos políticos e seus apoiadores tentaram suprimir o voto do campo de Lula, mas uma vez que a eleição acabou, acabou, e eles perceberam a contragosto que haveria um novo presidente, uma percepção que Bolsonaro pode não ter aceitado, de acordo com para Lavitsky, se seus principais aliados não tivessem aceitado.

“Acho que Bolsonaro adoraria disputar a eleição. Bolsonaro adoraria derrubar a eleição, mas ele está sozinho e vai ter que aceitar sua derrota”, acrescentou Levitsky.

Tal admissão de Bolsonaro é realmente boa para o país profundamente polarizado.

O processo eleitoral do Brasil, mesmo com as falsas alegações de fraude de Bolsonaro, se manteve.

Há uma segunda razão pela qual a jovem democracia brasileira pode sobreviver a um de seus maiores desafios desde que foi formada em 1985, após décadas de ditadura militar. O Brasil emprega um sistema de votação eletrônica que leva a resultados e resoluções mais rápidos. Em um esforço para combater processos mais complicados e problemáticos a partir da década de 1990, o processo eleitoral do Brasil, mesmo com as falsas alegações de fraude de Bolsonaro, se manteve . Em contraste com o que os Estados Unidos provavelmente testemunharão durante as eleições de meio de mandato da próxima semana e o que ocorreu durante as mentiras de Trump em 2020, o Brasil parece estar à frente no jogo da democracia.

“Acho que essas eleições realmente mostraram que as instituições brasileiras e nossos sistemas de votação podem resistir à pressão, às críticas”, me disse a diretora de estratégias de contra-desinformação da Equis Research, Roberta Braga, que é brasileira, na Rádio Latino Rebels nesta semana . “As eleições foram conduzidas de maneira livre e justa, com alguns esforços preocupantes para reprimir os eleitores, incidentes isolados no dia, mas não interrupções em massa em escala”.

Mesmo com a esperada onda de desinformação que agora parece fazer parte de todas as grandes eleições ao redor do mundo, o Brasil passou por um grande teste de democracia esta semana. Bolsonaro está definitivamente fazendo um ato de equilíbrio ao reconhecer a frustração e a desconfiança que seus principais apoiadores sentem, mas até agora, mesmo com a direita dos EUA pressionando por um momento do tipo 6 de janeiro no Brasil, a realidade política parece estar se instalando.

As democracias só podem durar se todos os participantes, tanto os vencedores quanto os perdedores, fizerem o que puderem para protegê-las. Bolsonaro não abraçou totalmente a democracia esta semana depois de perder sua eleição, mas fez o suficiente para mantê-la relevante no Brasil. O mesmo não pode ser dito nos EUA, já que “mais da metade” dos candidatos republicanos de meio de mandato estão apoiando alguma posição de negação eleitoral, de acordo com uma nova análise da CBS News.

Isso é perigoso para a democracia nos EUA, e talvez nós, americanos, precisemos recorrer ao Brasil em busca de lições reais sobre como manter a democracia viva.


compass black

Este texto escrito originalmnete em inglês foi publicado pela MSNBC   [Aqui!].

Para entender a extrema-direita é preciso ir além da pós-verdade

extrema-direita

Não devo ser o único que tem visto com algum nível de descrença às cenas bizarras que estão pipocando em diferentes partes do território nacional por parte de brasileiros que discordam do resultado das eleições presidenciais.  Uma hora é gente batendo continência para pneu, outra hora é gente recebendo chuva de bombas de gás rezendo o “Pai Nosso”. Também não faltam marchas diante de quartéis militares demandando, na prática, um golpe militar que já se sabe não irá ocorrer. Até porque o número de militares eleitos para cargos legislativos ou executivos foi grande em 2022, o que diminuiu a necessidade de uma saída autoritária para garantir os privilégios de suas corporações.

A bizarrice fica por conta do fato de que no mundo real, e não aquele em que esses brasileiros vivem suas fantasias autoritárias, as engrenagens já estão se movendo para que o presidente eleito assuma como manda a lei no dia 01 de janeiro de 2023. Se esses brasileiros que marcham em frente de quartéis e que fecharam estradas por quase 4 dias, causando prejuízos humanos e materiais, prestassem um mínimo de atenção, já saberiam que até Silas Malafaia e Edir Macedo já exercitaram o direito de reconhecer o óbvio e passaram a orar pelo sucesso de Lula.

Alguns poderiam dizer que o Brasil do bizarro existe apenas porque há uma poderosa máquina de criar uma pós-verdade onde o presidente cessante é uma espécie de representante da vontade desses brasileiros de verem o mundo por um espectro muito particular, a despeito do que mostram os fatos. Vale lembrar que o cineasta Steve Tesich, um dos primeiros a usar o conceito, definia pós-verdade como sendo “uma espécie de inclinação social em que a verdade não era tão importante quanto o que se imaginava verdadeiro.”. Em outras palavras, que se danem os fatos, pois o que importa é o que quero acreditar que seja verdade é o verdadeiro”. Desta forma, considero que reduzir o problema da extrema-direita no Brasil a um suposto poder mítico das redes sociais é um engano analítico.

Depois de ter travado diversas conversas com apoiadores de Jair Bolsonaro após o último domingo, pude observar que reduzir a raíz das bizarrices que testemunhamos a um seguidismo em torno da figura do presidente é errado. Pelo que pude notar, como outros já o fizeram, Bolsonaro é apenas uma espécie de totem para onde se voltam adeptos de pensamentos que misturam a crença nos valores neoliberais com a defesa do uso da força para impor um mundo desprovido de qualquer tipo de solidariedade.  Aliás, se alguma  engenhosidade existe em Jair Bolsonaro e seu entorno é justamente entender que a extrema-direita é uma espécie de riacho de onde se pode tirar água para beber, mesmo sob pena de ser sacrificado assim que se perde a importância ou uso imediato.

Em outras palavras, o que estamos vendo nessas cenas bizarras é a expressão mais pura do que se convenciona chamar de uma extrema-direita de viés neoliberal. Para esses adeptos da extrema-direita, ao menos pelo que pude notar, não importa se tem gente passando ou se os salários são de fome, pois os culpados são os pobres e sua indisposição de trabalhar, mesmo em um país em que inexistem postos de trabalho para serem ocupados. Por mais que possa ser chocante, é preciso entender que quase quatro décadas de políticas neoliberais fortaleceram um segmento da população que despreza qualquer tipo de solidariedade social, e aposta na imposição autoritária de sua visão de sociedade.

Por tudo o que escrevi até aqui, penso que é muito ingênuo achar que há algum tipo de apaziguamento a ser feito com essa parte da população brasileira, já que seus membros não estão querendo se apaziguar ou serem apaziguados.  E quanto mais rápido se cortar as vias que alimentam o engrossamento do número de pessoas dispostas a abraçar uma visão distópica de sociedade, melhor serão as chances de se colocar a extrema-direita para fora da cena política e da vida social.

O descaramento de reclamar de perder uma eleição roubada sob a ótica de Darcy Ribeiro

bozos

No dia de ontem algumas centenas de apoiadores de Jair Bolsonaro foram às ruas pedir, na prática, a intervenção das forças armadas para corrigir um erro curioso que foi a derrota de seu candidato em uma eleição que ele controlou com mão de ferro, além de ter distribuído bilhões de reais com o objetivo explícito de garantir a sua própria vitória.

Em preparação para uma palestra sobre Darcy Ribeiro que talvez nem ocorra, pude visitar alguns dos elementos teóricos que deram suporte às principais obras do criador, entre outras, da Universidade Estadual do Norte Fluminense.  Se estivesse vivo, Darcy certamente reagiria com um misto de alegria e tristeza sobre um mesmo aspecto: a correção de suas análises sobre a natureza da formação e evolução do que chamamos de “povo brasileiro”.

Darcy, como poucos, entendeu a natureza persistente da herança escravocrata que embala parte da nossa população que até hoje permanece inconformada com o fim da escravidão negra que perdurou no Brasil por mais de quatro séculos. É esse sentimento de inconformismo, e que coloca essas pessoas para protestar em frente de quartéis e clamar para que os militares, mais uma vez com já fizeram tantas na história da república brasileira, intervenham para abafar a vontade da maioria.

Há quem diga que todos esses traços que misturam autoritarismo, misoginia, racismo e aporofobia são obra recente de uma extrema-direita empoderada pelas redes sociais.  Se olharmos para o que Darcy Ribeiro já escreveu, veremos que esses traços são persistentes e que explicitam a forma pela qual o Brasil foi constituído.

A pergunta que alguns podem se fazer é se estamos condenados a vivermos como um país que não consegue ultrapassar o seu passado escravagista. Novamente olhando para a receita oferecida por Darcy Ribeiro, veremos que existe esperança sim, mas ela não está na classe média iletrada e feliz em se manter em uma estrutura construída sobre a desgraça alheia. A esperança para Darcy Ribeiro sempre esteve justamente naquele segmento do povo brasileiro que resistiu a séculos de opressão para nos dar o que temos de melhor.

Quanto aos perdedores incomodados, para esses não há esperança, restando trabalhar para que eles aceitem a democracia e a vontade da maioria. Não será fácil, pois se há algo que esses indivíduos desgostam com gosto é viver em uma sociedade democrática.