Imprensa holandesa reporta sobre o “vírus assassino de Jair Bolsonaro”

Coronavirus? ‘Algo para gays, enfie na bunda’. A regra machista de extrema direita do Brasil ri da pandemia da COVID-19 desde o primeiro dia. Com prazer sádico, o presidente Bolsonaro deixa o povo morrer. Resultado: o Brasil agora ameaça o mundo inteiro.

enterosEnterro em um dos locais dedicados aos portadores de COVID-19 no cemitério Nossa Senhora Aparecida em Manaus, 8 de janeiro© Michael Dantas / AFP / ANP

Por Marjon van Royen para o De Groene Amsterdammer

De repente, as máquinas começaram a apitar por toda parte. Alarmes dispararam. Foi um caos. Imediatamente percebemos que ele era maior do que nós. As pessoas estavam sufocando! Começamos a ventila-los com todas as nossas forças. Manualmente. Enfermeiras, médicos, faxineiros, todos. Tentando salvar pessoas. ‘

Bruno Enoch (31) está por trás da conexão de vídeo. Ele está pálido como seu chapéu de enfermeira. Olhos suaves e bem abertos. Sua máscara puxada para o queixo. Entre dois longos turnos, ele fala sobre aquele dia no final de agosto. Como o inferno começou na cidade de Manaus, na Amazônia brasileira. Por dias, pacientes gravemente enfermos têm inundado hospitais. De repente, o oxigênio acabou. Médicos e enfermeiras entraram em pânico na frente da câmera: “Por favor. Tenha compaixão. Traga todo o oxigênio que encontrar! ‘ No coração da Amazônia, as pessoas sufocavam. Nos corredores do pronto-socorro, no chão. Longas filas para os hospitais. Bruno estava lá. ‘As pessoas ficam sem ar que não conseguem’, ele descreve a agonia. Eles tropeçam e se contorcem. Parece peixe fora d’água. As pessoas sentem que estão se afogando. ‘

Sobras de oxigênio foram compartilhadas aqui e ali. Três minutos para um paciente, três minutos para o outro paciente. Bruno fala da ‘solidariedade impressionante’ entre os sufocados. Mas também sobre parentes que passavam horas sob o sol tropical em empresas que ainda vendiam oxigênio. Preços exorbitantes foram perguntados. “Se essas pessoas tivessem obtido um cilindro para seu parente, seria difícil.” Bruno hesita. ‘É claro que essas famílias queriam manter o oxigênio para seu próprio povo. Mas só quem tem dinheiro tem chance de viver? ‘

O general Eduardo Pazuello foi levado de avião.  Era o terceiro ministro da saúde desde o início do governo Bolsonaro. O acidentado paraquedista não sabe nada sobre saúde. “Não sei”, admitiu Pazuello ao tomar posse. Ele, no entanto, entende os movimentos das tropas. Então ele foi “feito para logística”.

Infelizmente. Suas “capacidades logísticas” não só deixaram Manaus sem oxigênio, mas ele também negou a responsabilidade por isso. “O que eu tenho a ver com a produção e logística de oxigênio?” gritou o ministro durante uma visita à cidade sufocada. “Pergunte a si mesmo”, disse ele e voou para longe novamente.

Bruno continuou a cuidar de seus pacientes. Ele ficou chocado com o quão jovens eles eram. “Durante o primeiro surto, intubei principalmente idosos.” Agora havia jovens lá. Trinta, vinte, às vezes dezesseis anos. – Você não pode ficar pensando nos mortos por muito tempo. Você quer chorar. Mas dentro de um minuto há outro na mesma cama. ‘ No entanto, há aquele paciente de que ele sempre se lembra. Um menino da idade dele. Atlético. Saudável. Em pânico, ele entrou no ic. Então eu o tranquilizo, coloco minha mão em seu braço e digo que está tudo bem. Mas ele foi para trás e para a frente. Não pudemos salvá-lo. ‘ Bruno fica em silêncio por um momento. Ele respira fundo. “Enquanto eu tinha dito a ele: tudo vai ficar bem.”

A variedade Manaus é duas vezes mais contagiosa que o vírus original. Duas vezes mais mortal para pessoas na casa dos trinta aos cinquenta anos e três vezes mais mortal para as pessoas na casa dos vinte. Isso é o que produzimos aqui na Amazônia. ‘ Jesem Orellana está sentado em frente à câmera do Skype com o punho cerrado. – E só sabemos disso agora, não é? Não porque o Brasil esteja estudando suas próprias mutações. Não, porque estamos contaminando o resto do mundo. ‘

Orellana é epidemiologista em Manaus da Fundação Fiocruz, renomado instituto brasileiro de pesquisa em doenças infecciosas. Ele conta como em meados de janeiro alguns turistas japoneses voltaram de férias na Amazônia. Depois de um teste, descobriram que eram portadores de um vírus mutante. “É isso que está acontecendo aqui em Manaus o tempo todo”, diz Orellana. “Mas eles tiveram que descobrir no Japão.”

A variante Manaus ou P1 também se mostra mais perigosa do que as variantes inglesa e sul-africana. O vírus tem uma mutação extra, o que torna mais fácil ‘escapar’ da vacinação, explica Orellana. A pesquisa sobre isso está em andamento no exterior. ‘Somos agora um grande laboratório a céu aberto no qual o vírus continua a se espalhar sem ser perturbado e sofrer mutações cada vez mais.’ Por exemplo, a variante P1 já tem dezessete novas mutações. Duas novas variantes, possivelmente ainda mais perigosas, já foram encontradas. “Está completamente fora de controle.”

Orellana e outros cientistas têm dado o alarme desde janeiro. A ‘solução logística’ do general Pazuella para a falta de oxigênio foi transportar pacientes corona de Manaus para o resto do país. Por exemplo, todo o Brasil foi infectado com o vírus P1, de rápida disseminação. Uma onda estourou com uma gravidade e magnitude diferentes de qualquer outro lugar do mundo.

O Brasil já bate um recorde macabro todos os dias desde fevereiro. Em março, o número de mortos aumentou de 1.000 para mais de 3.000 por dia. Em 6 de abril, ele saltou para 4.211 mortes por COVID-19 por dia. Como se dezoito Boeing 737s caíssem ao mesmo tempo. E a cada dia o número de mortes aumenta. O desastre continua. O sistema de saúde entrou em colapso. Pessoas morrem nos corredores, há longas filas de espera pelos CIs, cada dia pior que o anterior. Quase 40 por cento de todas as mortes por corona no mundo são agora brasileiras. Enquanto apenas 2,7 por cento da população mundial vive aqui.

“O Brasil é um perigo para toda a humanidade”, diz Orellana. Quanto mais tempo o vírus circula livremente aqui, mais mutações ele pode produzir. “Mais chance ele tem de mergulhar nas vacinas”, explica. Um desastre mundial em formação. “Qual é a vantagem de conter a pandemia nos Estados Unidos e na Europa se o Brasil é o terreno fértil?”

Como chegou até aqui? Por que menos de 4% dos brasileiros foram vacinados? Por que ainda não existe o bloqueio que todos os especialistas imploram? Orellana cobre os olhos e suspira. “A resposta, infelizmente, é o presidente deste país.”

Kelvia Andrea Goncalves (16), com sua tia Vanderleia dos Reis Brasão (37), morreu de corona no funeral de sua mãe Andrea dos Reis Brasão (39). Cemitério Parque Taruma, Manaus, 17 de janeiro© Bruno Kelly / Reuters

É 20 de outubro de 2020 e será um dia emocionante. Na agenda está um encontro Zoom entre o ministro da Saúde, Pazuello, e governadores do país. Durante semanas, um contrato para a compra de 45 milhões de vacinas foi trabalhado secretamente. Para entrega em dezembro. Produzido, ainda, por instituto próprio do governo brasileiro. O “segredo” da operação é que ela é realizada nas costas do presidente Jair Bolsonaro. “Eu imploro, cale a boca”, disse a o general Pazuello, um dos participantes do complô. “Se o capitão descobrir sobre isso, eu estarei fodido.”

O Bolsonaro de extrema direita é um negador cobiçoso. Durante a pandemia, ele evoluiu de ‘apenas uma gripe’ para: ‘E daí? Todo mundo morre uma vez! ‘ Gel, máscaras, mantenha distância? “Algo para gays, então enfie o seu traseiro.” Desde que o número de mortos aumentou para 250.000 em fevereiro, ele tem lutado contra os apelos dos especialistas para aconselhar as pessoas a ficarem em casa com o lema: “Um cara de verdade morre por sua liberdade”. Ele chama os governadores que proclamam medidas protetoras de ‘tiranos’. Ele ameaça: “Estou enviando meu exército contra eles.”

A obstinação com que ele se volta contra a vacinação é estonteante. Desde o momento em que foram oferecidas as primeiras vacinas, o Bolsonaro vem sabotando a compra. Por exemplo, a farmacêutica americana Pfizer abordou o governo em julho passado com uma oferta de 70 milhões de vacinas. Para entrega em dezembro. Porém, devido à alta demanda no mundo, eles queriam uma resposta rápida. A Pfizer fez uma oferta três vezes, o Bolsonaro recusou três vezes. “Eu não tiro um tiro”, diz ele à população. ‘Você quer se transformar em um crocodilo às vezes? Mulheres que têm barba. Homens com vozes agudas, droga. Não gasto um centavo do seu dinheiro de impostos com isso! ‘

O que justifica isso? Nada! Nada justifica a desumanidade absoluta deste governo! ‘

Bolsonaro inverte a lei de oferta e demanda: ‘Temos uma enorme população de 220 milhões de pessoas aqui. O mundo inteiro quer nos vender. Apenas esperamos que os preços caiam. ‘ Por exemplo, ele também boicotou o QUE ‘s programa Covax, que foi criado especialmente para os países pobres . ‘Muito caro.’ Se ele tivesse dito sim, metade da população brasileira teria agora uma vacina barata da Covax.

Em desespero, os próprios governadores entraram no mercado no início de outubro. Mas os estados pobres não têm dinheiro suficiente. Vários estados mais ricos serão ignorados. Os fornecedores recebem ligações do Ministério da Saúde: “Se você vender para esses governadores, você nunca mais vai conseguir um contrato conosco”. Os governadores estão furiosos. Eles estão pressionando Pazuello. Ele, como Ministro da Saúde responsável, tem que comprar vacinas. O glorioso Instituto Butantan de São Paulo desenvolveu a vacina CoronaVac junto com uma empresa chinesa. O Butantan produz em seus próprios laboratórios. Já em dezembro, o instituto poderá entregar 45 milhões de doses do CoronaVac.

Pazuello resiste. “Você sabe como é o capitão …” Como outros residentes do palácio, o general conhece os acessos de raiva presidenciais quando a palavra CoronaVac é mencionada. “China-vac”, grita Bolsonaro para seus partidários com uma voz maluca. Ele estreita os olhos: ‘Quem quer um chinês nas veias? Cai fora! ‘

No entanto, o verdadeiro motivo pelo qual Bolsonaro está sabotando a vacina é político. O Instituto Butantan com seus imponentes edifícios e jardins de cobras é de propriedade do estado de São Paulo. O governador é um inimigo político de Bolsonaro. Quando as pesquisas de setembro mostraram que 80% da população era a favor da vacinação,  Bolsonaro foi atingido. A todo custo, o governador de São Paulo deve ser impedido de exibir sua vacina ‘própria’. “China vac nunca chega ao mercado”, ele instruiu seus ministros. Por precaução, Bolsonaro já havia FORMADO seu próprio povo no Brasil . Se quiserem, bloqueiam qualquer vacina.

O que Bolsonaro não sabia era que seu fiel paraquedista saudável havia sido bastante editado para a reunião de hoje do Zoom. Os governadores não deixaram Pazuello escolha: vamos guardar segredo do seu chefe, mas a vacina do Butantan está chegando. Caso contrário, você terá uma revolta. O presidente do tribunal já retrabalhou Pazuello. Ele dissuadiu o general de dizer que a vacina representa um “risco de defesa” porque “vem da China”.

Lá está ele na frente da câmera Zoom. Atarracado, nervoso em seu terno muito apertado. “Eu entendo que a China e a Covid nunca estão longe uma da outra”, ele diz com um sorriso fraco. Então é isso. O contrato com Butantan e São Paulo já está fechado. Infelizmente, são apenas 45 milhões de vacinas em uma população de 220 milhões. Mas pelo menos uma vacina já está disponível para 22,5 milhões de pessoas.

Familiares de pacientes corona em atendimento no hospital ou em casa aguardam oxigênio em empresa privada em Manaus, dia 18 de janeiro© Bruno Kelly / Reuters

Naquela noite, os decibéis batem nas paredes presidenciais. Mesmo antes do amanhecer, Bolsonaro envia seu primeiro tweet furioso: ‘A VACINA NÃO SERÁ COMPRADA !!! Qualquer coisa discutida sem minha permissão é TIDED! ‘ Como um lembrete, “EU SOU O PRESIDENTE! O que eu recomendo ACONTECE. ‘

Bolsonaro ordena a Pazuello que rasgue o contrato ‘AGORA’. Apenas: o general cobiçou. Naquela noite, ele estava gravemente doente em um hospital militar. Bolsonaro decide visitá-lo lá. Todos prendem a respiração. Isso será demissão e pior.

As imagens aparecem nas redes sociais do presidente. Bolsonaro ao lado de um pipse Pazuello: “Você se tratou preventivamente?” Pazuello: ‘Sim, sim. Tomei minha cloroquina. ‘ Contra todas as evidências científicas, este medicamento contra a malária é a panaceia para Bolsonaro: ‘Não acredito em vacinas. Apenas em cloroquina. ‘ Ele fez com que laboratórios militares produzissem milhões de pílulas. Até hoje, os centros de saúde pública são obrigados a prescrevê-los.

“Ótimo”, diz Bolsonaro a seu ministro em estado crítico e dá um tapa nas costas do general. “Então você estará de volta na frente na próxima semana.” Pazuello: ‘Sim, eles dizem isso, não é? Mas eu estou com você, presidente. ” Bolsonaro: Ótimo. Haha. E então eles afirmam que temos uma briga? Isso é diferente para nós, soldados. Certo, general? Pazuello: “Certamente, certamente, Presidente: um ordena, o outro obedece.”

O general levará semanas para se recuperar. Mas depois dessa humilhação pública, ele tem permissão para ficar. Até meados de dezembro.

Porque de repente parece que o governador de São Paulo vai roubar a cena. “O ilustre capitão não ficará feliz comigo”, anuncia radiante. “São Paulo vai começar a vacinar o Brasil em 7 de janeiro.”

Mais uma vez, o palácio presidencial ruge de raiva. Bolsonaro convoca Pazuello. “Compre aquela vacina da China!” ele ordena. “E todas as outras vacinas que você conseguir colocar em suas mãos!” O general Pazuello tira o contrato nunca rasgado com o Butantan de uma gaveta da escrivaninha. O RIVM brasileiro aprova a vacina em nenhum momento . Bolsonaro então vai à Justiça para exigir que o governador entregue todas as vacinas do Butantan ao governo. Mas não adiantou. No dia 17 de janeiro, dia em que o balcão no Brasil registra 209.847 mortos, o primeiro tiro é realizado em São Paulo. “Este é um dia de esperança, de vida”, sorri o governador ao lado da velha enfermeira negra que está sendo injetada. “Butantan vacina o Brasil!”

Três dias depois, a pneumologista e pesquisadora da Fiocruz Margareth Dalcolmo, grande senhora da ciência brasileira, recebe um prêmio por seus esforços contra a corona. Durante seu discurso, ela joga seu discurso de lado. “Devo informar que não podemos terminar nossa vacina.” Ela tem lágrimas de raiva nos olhos. O que justifica isso? Nada! Não há nada, absolutamente nada que justifique a desumanidade absoluta deste governo! ‘

Bolsonaro descobriu algo que sempre foi público: um dos componentes da vacina produzida pela Fiocruz é fornecido pela China. Havia um contrato desde agosto. A entrega foi marcada para 21 de janeiro. Mas o secretário de Estado de Bolsonaro desencadeou uma crise diplomática que se agravou a tal ponto que a China está cancelando a entrega inteira.

“Quantas pessoas já ajudamos a morrer?” Dalcolmo pergunta a sala cheia de médicos e cientistas. ‘Enquanto essa pessoa não vê mais ninguém, exceto nossos olhos atrás de óculos e máscaras. Quantas famílias compartilhamos as notícias devastadoras? Então, o que justifica um governo tomar a única solução que existe para a Covid-19 de seu povo? “

Pedido de ajuda alimentar no Rio de Janeiro, 7 de abril© Silvia Izquierdo / AP / ANP

10 de março pela manhã. A rua principal de Copacabana cheira a lixo e fumaça de escapamento. Está pelo menos tão ocupado quanto antes da pandemia. No entanto, tudo é diferente. Agora existem grupos de sem-teto em todos os lugares. Com lonas e papelão, eles se protegem do forte sol do final do verão. “Tia, tia.” Um menino de rua bate no meu braço. “Dois reais?”Ela quer que eu compre seus doces. Faz anos que não vejo menino de rua assim no Rio. Os vendedores de chicletes, os engraxadores de sapatos – desde que o Bolsonaro suspendeu a ajuda emergencial de 100 euros por mês em 1º de janeiro, eles voltaram em massa. 

O comércio de rua explodiu. Entre os tradicionais vendedores de biquínis e chinelos, a calçada já está lotada de gente vendendo laranjas, esfregões ou um velho abajur. Manter distância não é uma opção. Muitas máscaras estão sob o queixo. Desde que o limite se tornou obrigatório no Rio, nenhuma multa foi emitida. No ponto de ônibus, as pessoas se espremem em massa. Como arenques em um barril. Uma mulher de cerca de cinquenta anos está sentada em frente ao stop. Em seu vestido, ela exibiu um par de sapatos masculinos, um microondas usado e uma velha coleção de discos de gramofone. ‘Paixão do meu marido’, ela acena para os pratos. Ele faleceu, sim, em janeiro. Corona, de fato. Agora ela vem aqui todos os dias de ônibus para vender coisas de sua casa. “Para que eu possa pagar o aluguel.” Ela não sabe quanto tempo vai demorar. Quão longe você pode ir? As panelas? As folhas? A cama?

À frente está uma longa fila em frente ao posto de saúde. Hoje é a vez dos 77 anos se vacinarem. Há aglomeração. No início não havia nenhuma, depois houve, agora nenhuma vacina. “Eles estão vindo, mas estão presos no congestionamento do túnel”, é o último boato. A vacinação começa uma hora depois. Uma mulher sai. A bola de algodão estava presa com força em seu braço. “Achei que fosse muito pouca vacina, sabe”, diz ela. Sua suspeita tem um motivo. Há duas semanas, parentes neste posto flagraram uma enfermeira injetando ar em idosos. Eles empurraram a vacina para vendê-la no mercado negro.

Oitenta por cento das pessoas que acabam nas unidades de terapia intensiva de hospitais públicos acabam morrendo.

“Quantos cc deve haver em uma vacina?” a mulher pergunta a um dos trabalhadores de saúde. O homem encolhe os ombros. Ele recebe a mensagem pelo walkie-talkie de que a vacina já acabou. “Bem”, diz a mulher enquanto todos nós somos afugentados. “Pelo menos não é tão ruim aqui como em Caxias. Você viu isso na TV? ‘

No subúrbio pobre do Rio as pessoas faziam fila desde a noite anterior, todo o grupo de risco, amontoado em cima do outro. O prefeito de Caxias teve a brilhante ideia de convocar ‘todo mundo com mais de sessenta’ para um tiro em um dia. Tornou-se um caos perigoso com velhos atropelando-se uns aos outros. Mesmo assim, o prefeito não viu o que havia de errado em convocar 86.000 pessoas de uma vez, quando são apenas 6.000 doses. Com a máscara bucal no queixo, ele caminhou abraçado entre as pessoas raivosas e desesperadas. “Minha operação foi cem por cento bem-sucedida”, disse o prefeito com orgulho para a câmera de TV. ‘Veja. As pessoas fogem da morte. A vacina representa a vida. Esta é simplesmente a lei da oferta e da procura. ‘

Quando chego em casa ouço que hoje foi o último dia de vacinação no Rio por enquanto. O governo não tem nenhum plano. As vacinas destinadas à grande Manaus são enviadas para a pequena Maceó, ambas com M. Em uma semana, o ministro Pazuello ajustou as doses prometidas cinco vezes: diminuindo de 46 para 20 milhões. Como essa população é vacinada?

A campainha de alarme tocará em 16 de março . Os centros de emergência e hospitais relatam que têm oxigênio por três semanas. Então está terminado. Todo o Brasil corre o risco de se tornar o ‘inferno de Manaus’. Eles também estão ficando sem suprimentos de analgésicos, relaxantes musculares e anestésicos, bem como os medicamentos necessários para intubar os pacientes. “Não dá para colocar uma escova de dente na garganta de alguém sem engasgar”, a enfermeira Bruno descreveu o cenário em Manaus. “Como seria empurrar um tubo inteiro pela traqueia até os pulmões de alguém sem um relaxante muscular e sem anestesia?”

O Conselho Nacional de Saúde escreve: “Não é razoável que dezenas de milhares de civis brasileiros morram sufocados. É inaceitável que eles tenham que entrar no processo traumático de intubação amarrados para permanecerem conscientes no respirador por muito tempo. ‘

Um médico de um grande hospital público da zona sul da cidade de Porto Alegre diz que seu oxigênio já acabou. “É um campo de batalha aqui.” Existem agora 21 pessoas em quartos destinados a doze pacientes. Ele tenta colocar as pessoas que estão em pior situação em outro lugar. “Mas está embalado em todos os lugares.” Ele divide o pouco oxigênio que resta com o resto. E às vezes nem isso. “Tomamos nossas decisões com base nas chances de sobrevivência”, diz ele ao jornal O Globo.Isso significa jovens em primeiro lugar. ‘Com cada decisão, você sabe que está entrando na vida de outras pessoas. Você decide sobre as chances de vida das pessoas e a morte de outras. Todas as pessoas com filhos, pais, famílias. ‘ Ele agora tem que tomar esse tipo de decisão dez a vinte vezes por dia. “Isso vai me assombrar pelo resto da minha vida.”

O ministro Pazuello já foi deposto. Em 15 de março, após 290.000 mortes corona, o presidente Bolsonaro nomeia seu quarto ministro da saúde. Marcelo Queiroga é o médico da família do Bolsonaro. Desde o primeiro momento ele deixa claro: “O presidente decide, eu executo sozinho”.

Ele não convocará a primeira reunião com os governadores sobre a escassez iminente até 21 de março. Mas uma secretária ‘esquece’ de enviar o convite. No dia 30 de março, com novo recorde de quatro mil mortos, o senado chama o ministro à prestação de contas. Ele apresenta ao Senado seu ‘plano de emergência’. “Muito oxigênio está sendo usado”, diz Queiroga. “Quase todo mundo recebe oxigênio quando chega ao hospital. Mesmo aqueles que não precisam. ‘ O seu plano consiste em traçar um ‘protocolo’ para médicos e enfermeiras para combater este ‘desperdício’. A resposta da celebridade e especialista em pulmão da Fiocruz Margareth Dalcomo é curta, mas doce: ‘Administrar oxigênio rapidamente evita que as pessoas tenham que ser entubadas e alivia a pressão nos CIs.

O ministro também quer que os hospitais privados ‘retirem’ pacientes com seguro dos cuidados públicos. Mas como? A doutora Anna Maurício sorri desdenhosamente do outro lado da conexão do WhatsApp. “Quem com plano de saúde vai para um hospital público agora?” Há seis anos, o jovem médico trabalha no pronto socorro público de Caxias, a cidade do prefeito com sua ‘lei da oferta e demanda’. Ela tenta empurrar um bloqueio indisciplinado de volta em seu jeito  selvagem. “Esse prefeito é um criminoso que deveria ser julgado”, diz o médico. ‘Um exemplo típico do Brasil arcaico em que acabamos metidos. Potentados sem responsabilidade, sem compaixã. ”Ela está completamente exausta, à beira do colapso, diz ela. A primeira onda quase a quebrou. E agora isso. – E se em breve não houver mais oxigênio, nem remédios? Devo então ultrapassar os limites éticos da minha profissão? ‘

Demorei muito para falar com Anna Maurício. Normalmente eu nunca tenho problemas para encontrar pessoas no Brasil tagarela. Desta vez, abordei doze profissionais de saúde. Dez deles cancelados. Era preciso providenciar o funeral de um membro da família. O outro teve ataques de pânico. Um terceiro temia que a empresa de terceirização até o identificasse anonimamente. “A pressão é imensa”, disse Bruno Enoch também a Manaus. Ele executa turnos de 36 a 48 horas. ‘Muitos colegas desistiram. Burnout, depressão. ‘ Por exemplo, a pressão sobre quem fica está aumentando. “Minha formação como enfermeira de IC levou anos”, diz ele. “Onde você de repente consegue uma nova equipe?”

De acordo com um estudo recente, oitenta por cento das pessoas que acabam no CI de um hospital público morrem aqui – contra 25% em clínicas privadas, como as da Holanda. Pelas longas filas de espera, mas também pelo esgotamento e desqualificação do pessoal, afirma o professor Luciano Azevedo. Ele observou as seguintes causas de morte: traqueia rompida durante a intubação, sangramento interno por cateteres mal inseridos, infecções e órgãos perfurados.

Anna Maurício não quer mais participar. Ela reduziu drasticamente seus turnos para o pronto-socorro e foi trabalhar no hospital público de câncer. ‘Ainda posso fazer meu trabalho com responsabilidade lá.’ Ela ainda vai ao pronto-socorro duas vezes por semana. Ela descreve o caos. Covid e outros pacientes, sentados juntos e deitados no chão. Parte do correio é um ic improvisado. “Mas sem os recursos.” As pessoas ficam lá por três semanas ou mais, se ainda não morreram. “A irresponsabilidade o deixa louco.” Naquela noite, ela me mandou uma foto. Uma praça cheia de gente. Comida barraca em todos os lugares. “Bem na frente da minha sala de emergência”, ela escreve embaixo.

Um ônibus lotado no Rio de Janeiro, 6 de abril© Antonio Lacerda / EFE / ANP

Ela se senta de joelhos em frente ao túmulo. Suas mãos alcançam a caixa. ‘Abra. Por favor. Deixe-me ver mais uma vez. ‘ Os coveiros em seus ternos brancos continuam a criar estoicamente. Plok. Plok. Mais e mais terra no caixão. Plok. Apenas o choro suave da mulher é audível. Acabou em menos de três minutos. Atravesse. Preparar. Não é um nome, mas um número, pintado na cruz com tinta pingando. O cemitério público do Caju, no Rio, é uma linha de montagem. O cheiro familiar de cadáveres paira na entrada. Mas a maioria das funerárias está vazia. Vítimas covid não devem ser expostas no estado. Eles desaparecem em sacos e caixas lacrados. “É desumano o que está acontecendo aqui”, diz o presidente da associação funerária. O Brasil despeja corpos. Não enterra mais as pessoas. ‘

Um baú após o outro é descarregado no portão. As famílias têm que desenhar números. “Não tenho ideia de quando será a vez do meu marido”, diz uma mulher. O número dela é 471. “O nome dele era Júlio César”, diz ela. “Escreva o nome dele.” Lágrimas rolam por sua máscara de coelho amarelo.

“Pare de bater e choramingar”, late Bolsonaro. “Por quanto tempo você quer continuar chorando?” Ele mostra seu desprezo com um prazer quase sádico. Desde que a pandemia saiu do controle, Bolsonaro está em uma cruzada frenética para impedir os bloqueios no país. Ele chama o toque de recolher de ‘estado da lei marcial’. Embora apenas alguns governadores tenham introduzido um toque de recolher, ele evita qualquer tentativa de ação. “Tiranos tomem sua liberdade”, ele incita o povo contra os governadores. – Mas você sempre pode contar com o verde oliva do meu exército. Este presidente serve ao direito do povo de trabalhar. ‘

Desde que a Suprema Corte decidiu que Bolsonaro não deveria proibir os governadores de agir, a malícia aumentou. Seu advogado enviou uma foto com o slogan ‘Arbeit macht frei’ no portão do campo de concentração de Auschwitz. “É uma honra morrer pelo direito ao trabalho”, grita Bolsonaro em uma cidade no sul onde os cadáveres estão em caminhões de carne. “Apenas covardes se escondem na casa.” Bolsonaro ameaça abertamente um golpe. “Se os governadores não recuarem, terei de restaurar a ordem. Eu sou o presidente e só Deus vai me tirar dessa posição. ”

Em 30 de março, de repente, fica muito perto. Bolsonaro despede seu secretário de defesa. O novo general que ele coloca no posto, por sua vez, despede o comandante do exército, o único soldado que falou abertamente contra o abuso contínuo de Bolsonaro do exército como sua guarda pessoal. “A política não pertence ao quartel”, disse o chefe do Exército. “O exército não é o governo.” Em solidariedade ao comandante do Exército, os comandantes da Marinha e da Aeronáutica também renunciaram. Agora existe um vácuo.

No dia seguinte, Bolsonaro e seu novo ministro da Defesa celebram o 57º “aniversário” do golpe militar de 1964. “O dia em que nosso exército patriótico pacificou o Brasil e garantiu a democracia”, eles chamam de início de 21 anos de ditadura militar. É hora de um novo golpe? Felizmente, a pressão no topo do exército significa que apenas um dos três novos comandantes das Forças Armadas será um partidário convicto do Bolsonaro.

O telefone toca na manhã de Páscoa. Na linha está Rosilene, uma enfermeira de Manaus que eu tentei em vão entrevistar. “As pessoas precisam saber”, ela diz agora. “Ninguém sabe o que está acontecendo aqui.” Durante a crise de oxigênio, ela perdeu o pai e o irmão. Mas quando ela fala sobre seu trabalho, ela fica tão chateada que não pode mais ser ouvida. Ela diz: “Algo precisa ser feito. Algo precisa acontecer. ‘ De novo e de novo.

Mas o que? ‘O mundo deve intervir. Antes que seja tarde ‘, diz o epidemiologista Orellana. Deixe QUEM mandar observadores, diz ele. Traga a Comissão de Direitos Humanos da ONU, a União Europeia. As acusações já foram apresentadas ao Tribunal Internacional. “Todos deveriam vir aqui na porta”, diz Orellana. “Bolsonaro e seus ministros da saúde precisam sair porque colocam o mundo em perigo.”

No entanto, ele também sabe que Bolsonaro nunca partirá. Existem 63 pedidos de impeachment no parlamento. Nenhum deles foi usado. Aqui o futuro olha por enquanto, como a descreve a pneumologista Dalcolmo: “As pessoas precisam saber que, se adoecerem, sofrerão sem ajuda e poderão morrer”.

fecho

Este artigo foi originalmente escrito em holandês e publicado pela revista semanal publicada em Amsterdã,  Groene Amsterdammer [Aqui!].

Em carta a Joe Biden, senadores democratas acusam Jair Bolsonaro de apoiar desmatamento da Amazônia

bolsonaro amazonia

Os senadores também conclamam ao presidente Joe Biden a levar em conta o desmatamento e a impunidade de crimes ambientais para avaliar “se os EUA vão apoiar o Brasil em áreas de interesse mútuo, como cooperação militar e econômica e a candidatura do Brasil à  OCDE”.

No documento, assinado entre outros por Bernie Sanders,  o grupo de senadores democratas afirma que Bolsonaro ridicularizou publicamente o Ibama e sabotou a capacidade do órgão de fiscalizar as leis ambientais brasileiras.

Os senadores democratas também apontaram que o líder brasileiro já chamou ambientalistas de “câncer” e tentou diminuir a proteção às reservas indígenas existentes no Brasil. “A retórica e as políticas do presidente Bolsonaro efetivamente deram sinal verde para os perigosos criminosos que atuam na Amazônia, permitindo que eles expandam muito suas atividades”, diz o texto —que tem entre seus signatários o presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado americano, Robert Menendez.

“Dado o histórico de compromissos climáticos não cumpridos, achamos que devemos impor condições para enviar auxílio americano ao Brasil: progresso significativo e sustentado na redução do desmatamento e no fim da impunidade para crimes ambientais e da intimidação e violência contra defensores das florestas”, diz texto enviado ao preidente americano, que vai comandar o encontro virtual sobre assuntos ambientais que acontece na próxima quinta (22) e sexta (23).

Veja a íntegra do documento abaixo:

sanders 1sanders 2

Celso de Mello classifica recusa de Jair Bolsonaro em decretar um lockdown como um “repulsivo e horrendo grito necrófilo”

Ex-STF Celso de Mello defende lockdown como medida sensata e necessária para vencer a COVID-19 e repudia “grito necrofilo” de Bolsonaro

Mello_Bolsonaro

Segundo o relato, o ministro citou a experiência de Araraquara como “um exemplo notável para o Brasil e para o seu Presidente”. E continuou: “Araraquara, importante município paulista, seguiu as recomendações sensatas e apoiadas em relevantíssima orientação fundada em respeitável conhecimento científico emanadas da OMS (ONU), da Opas, dos EUA, da Itália, da França, da Alemanha, do Reino Unido e de outros países governados por políticos responsáveis que repudiam as insensatas (e destrutivas) teses negacionistas”.

“Hoje, em nosso País, o Presidente da República (que julga ser um monarca absolutista ou um contraditório ‘monarca presidencial”) tornou-se o Sumo Sacerdote de uma estranha religião que desconhece tanto o valor e a primazia da vida quanto o seu dever ético de celebrá-la incondicionalmente!”

A arbitrária recusa de Bolsonaro em decretar o “lockdown” nacional (como ocorreu em países de inegável avanço civilizatório), comentou Celso de Mello, “equivale a um repulsivo e horrendo ‘grito necrófilo’ (que faz relembrar o conflito entre Miguel de Unamuno, reitor da Universidade de Salamanca no início da Guerra Civil espanhola, em 1936, e o General Millán Astray que, seguidor falangista fiel ao autocrata Francisco Franco, “Caudilho de Espanha”, lançou o grito terrível “¡Viva la Muerte; abajo la inteligencia”!).

Ainda segundo o relato, o ex-decano do STF fuzilou “o gesto insensato do Presidente, opondo-se ao ‘lockdown’ nacional, em clara demonstração própria de quem não possui o atributo virtuoso do ‘statesmanship’. De outro lado, essa conduta negacionista torna imputável ao Chefe de Estado, em face de seu inegável despreparo político e pessoal para o exercício das altas funções em que investido, a nota constrangedora e negativa, reveladora daquela ‘obtusidade córnea’ de que falava Eça de Queirós, em 1880, no prefácio da 3ª edição de sua obra ‘O Crime do Padre Amaro’, no contexto da célebre polêmica que manteve com o nosso Machado de Assis”.

fecho

Este texto foi inicialmente publicado pelo site Conjur [Aqui!].

Editorial do “The Guardian” afirma que Jair Bolsonaro é uma ameaça para o Brasil e para o mundo

O presidente de extrema direita do Brasil deu rédeas soltas à COVID-19 e à destruição da Amazônia. Agora parece que ele planeja se apegar a tudo o que os eleitores disserem

bolso mascara

“É possível que, inspirado por Donald Trump, o Sr. Bolsonaro pense em se agarrar ao poder pelo uso da força? Não. É provável. ‘ Fotografia: Joédson Alves / EPA

Editorial do “The Guardian”

A perspectiva de o extremista de direita Jair Bolsonaro se tornar presidente do Brasil sempre foi assustadora . Era um homem com histórico de denegrir mulheres, gays e minorias, que elogiava o autoritarismo e a tortura. O pesadelo se revelou ainda pior na realidade. Ele não apenas usou uma lei de segurança nacional da época da ditadura para perseguir os críticos e supervisionou o maior aumento do desmatamento na Amazônia em 12 anos , mas também permitiu que o coronavírus se alastrasse sem controle, atacando as restrições de movimento, máscaras e vacinas. Mais de 60.000 brasileiros morreram apenas em março. “Bolsonaro conseguiu transformar o Brasil em um gigantesco buraco do inferno”, tuitou o ex-presidente da Colômbia, Ernesto Samper. recentemente. A disseminação da variante P1 mais contagiosa está colocando em perigo outros países .

Com uma pesquisa na semana passada mostrando 59% dos eleitores o rejeitando , Bolsonaro parece estar se preparando para um resultado desfavorável nas eleições do próximo ano. Na semana passada, ele demitiu o ministro da Defesa , um general aposentado e amigo de longa data que, no entanto, parece ter criticado as tentativas de Bolsonaro de usar as forças armadas como ferramenta política pessoal. Os comandantes do Exército, da Marinha e da Força Aérea também foram demitidos – supostamente quando estavam prestes a renunciar.

O gatilho imediato para as demissões foi o retorno bombástico do ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva, no mês passado, depois que um juiz anulou suas condenações criminais – abrindo a porta para ele concorrer novamente no ano que vem. Os ataques injuriosos de Lula ao presidente são amplamente vistos como o prenúncio de uma nova candidatura ao poder de um político carismático que continua muito popular em alguns setores.

É possível que, inspirado por Donald Trump, o Sr. Bolsonaro pense em se agarrar ao poder pelo uso da força? Não. É provável. As Forças Armadas já anularam a vontade do povo: o Brasil foi uma ditadura militar de 1964 a 1985. Quando a multidão invadiu o Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro, seu filho se opôs não ao ataque, mas à ineficiência: “Foi um movimento desorganizado . É uma pena ”, disse Eduardo Bolsonaro . “Se eles tivessem sido organizados, os invasores teriam se apoderado do Capitólio e feito demandas pré-estabelecidas. Eles teriam poder de fogo suficiente para garantir que nenhum deles morresse e para poder matar todos os policiais ou os congressistas que eles tanto desprezam ”.

Embora a saída dos chefes das forças armadas possa sugerir resistência a um plano de golpe, também permite ao presidente instalar aqueles que ele julga mais obedientes; os oficiais mais jovens sempre foram mais entusiasmados com Bolsonaro. Os políticos da oposição pressionam pelo impeachment , com um aviso: “Há uma tentativa aqui do presidente de organizar um golpe – e isto já está em andamento”.

Existe algum motivo para esperança. Ataques violentos do presidente e seus comparsas não conseguiram conter um ambiente vibrante de mídia, intimidar os tribunais ou silenciar os críticos da sociedade civil. Seu tratamento desastroso da COVID-19 parece estar causando dúvidas entre a elite econômica que anteriormente o abraçava. Algumas partes dos militares aparentemente compartilham desse mal-estar. A possibilidade do retorno de Lula é suficiente para concentrar mentes da direita em encontrar um candidato alternativo, menos extremista do que Bolsonaro. Pode ser irritante ver aqueles que ajudaram sua ascensão se posicionarem como os guardiões da democracia, ao invés de seus próprios interesses. Mas sua saída seria bem-vinda, pelo bem do Brasil e do planeta.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Editorial do “Washington Post” ataca Jair Bolsonaro por condução “charlatanesca” da pandemia da COVID-19 e por suas tentações autoritárias

O presidente Jair Bolsonaro não conseguiu impedir a COVID-19. Agora ele pode estar visando a democracia (brasileira)

bolsonaro wpO presidente brasileiro Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto, em Brasília, nesta quarta-feira. (Ueslei Marcelino / Reuters)

Opinião do Conselho Editorial do “The Washington Post”

O BRASIL ESTÁ vivendo um dos piores picos de infecções por covid-19 que o mundo já viu. Na quarta-feira, ele registrou 3.869 mortes, um recorde que representou quase um terço de todas as mortes por coronavírus no mundo naquele dia. Não há fim para a onda à vista: graças à espantosa incompetência do presidente Jair Bolsonaro e seu governo, apenas 2% dos brasileiros foram totalmente vacinados, e as medidas de bloqueio necessárias para retardar novas infecções, incluindo de uma variante altamente contagiosa que surgiu em Brasil, são praticamente inexistentes.

Em vez de lutar contra o coronavírus, Bolsonaro parece estar preparando as bases para outro desastre: um golpe político contra os legisladores e eleitores que poderiam removê-lo do cargo. Com alguns no Congresso ameaçando impeachment, e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva emergindo como um potente adversário nas eleições do ano que vem, Bolsonaro despediu o ministro da Defesa nesta semana e os principais comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica saíram junto de seus postos.

Não foram dadas explicações, mas o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, era conhecido por tratar um presidente que se referiu às Forças Armadas no mês passado como “os meus militares.O Sr. Bolsonaro escolheu seu ex-chefe de gabinete para substituir o Sr. Azevedo e Silva e nomeou um policial próximo à sua família como o novo ministro da Justiça. As medidas foram suficientes para levar seis prováveis ​​candidatos à presidência a emitir uma declaração conjuntaalertando que “a democracia brasileira está ameaçada”. “O claro plano de apoio do Bolsonaro”,escreveu o editor-chefe Brian Winter no Americas Quarterly, “é ter tantos homens armados do seu lado quanto possível no caso de um impeachment ou um resultado adverso na eleição de 2022”.

Embora as instituições democráticas do Brasil sejam relativamente fortes após mais de três décadas de consolidação, há motivos para preocupação. Bolsonaro expressou abertamente sua admiração pela ditadura militar que governou o país nas décadas de 1960 e 1970. Admirador de Donald Trump, ele adotou a tática do ex-presidente dos Estados Unidos de alertar sobre fraude nas próximas eleições e exigir que os sistemas de votação eletrônica sejam substituídos por cédulas de papel. Ele apoiou as alegações de Trump sobre fraude eleitoral, e seu filho, um legislador que visitou Washington, DC, na véspera de 6 de janeiro, expressou consternação porque o ataque ao Capitólio não teve sucesso.

O Congresso brasileiro pode propor o impeachment de Bolsonaro por sua péssima gestão da pandemia, incluindo minimizar sua gravidade, resistir às medidas de saúde pública e promover curas charlatanescas. Mas as democracias dos Estados Unidos e da América Latina devem prestar atenção à medida que as eleições do próximo ano se aproximam – e deixar claro para Bolsonaro que uma interrupção da democracia seria intolerável. O presidente brasileiro já contribuiu muito para o agravamento da pandemia da COVID-19 em seu próprio país e, por meio da disseminação da variante brasileira, pelo mundo. Ele não deve ter permissão para também destruir uma das maiores democracias do mundo.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e foi publicado pelo “The Washington Post” [Aqui!].

Na CNN, João Dória chama Jair Bolsonaro de “psicopata despreparado”

bolsodoria

Em entrevista dada em um inglês até razoável, o governador de São Paulo, João Dória (PSDB), aproveitou o espaço dado pela cadeia CNN para literalmente classificar o presidente Jair Bolsonaro como “psicopata despreparado” que está causando um grave desastre sanitário (ver vídeo abaixo).

Dória afirmou ainda que Bolsonaro causou uma série de erros inacreditáveis ao se colocar contra os governadores que estavam tentando controlar a pandemia, além de incitar seus seguidores a desobedecerem as regras de isolamento social e o uso de máscaras. Dória lembrou ainda que Jair Bolsonaro classificou a COVID-19 como uma “gripezinha”.

Segundo Dória, a situação no Brasil neste momento beira o completo colapso com hospitais superlotados, enquanto Bolsonaro assiste a situação de braços cruzados.

Ainda que se possa recordar que João Dória jogou um papel importante na vitória de Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2018, esse pronunciamento em uma das principais cadeias de comunicação do mundo deverá servir para piorar ainda mais a imagem do presidente brasileiro. Como resultado disso, o isolamento em que nos encontramos neste momento deverá se aprofundar.

Brasil, a nação que se tornou uma ameaça global

Sem vacinas, sem liderança, sem fim à vista. Como o Brasil se tornou uma ameaça global

Por  Matt Rivers para a CNN

Rio de Janeiro, Brasil (CNN)A temperatura marcava 95 graus Fahrenheit na terça-feira, mas a umidade fez com que parecesse pior. Em meio ao calor sufocante do final do verão no Rio de Janeiro, Silvia Silva Santos acalmou sua mãe de 77 anos enquanto caminhavam em direção ao portão da clínica.

“Já viemos aqui duas vezes, mas ela não conseguiu vacinar-se”, disse Silva Santos. “Ela apenas fica na fila e então não há mais vacinas e temos que ir embora.”

No portão, Silva Santos perguntou à guarda se ela poderia vacinar a mãe. Consciente das câmeras da CNN assistindo, ele rapidamente a conduziu para dentro.

Cerca de cinco minutos depois, a dupla voltou com más notícias escritas em seus rostos. “Acho isso muito errado”, disse Silva Santos, claramente irritada e frustrada. “Agora teremos que descobrir novamente quando eles terão as vacinas e nunca se sabe quando.”

Essa frustração percorreu a multidão de idosos à medida que pessoa após pessoa foi negada a primeira dose de uma vacina, depois que o estado do Rio de Janeiro suspendeu sua campanha de vacinação porque havia acabado o estoque de vacina.

“Isso é um desastre, um desastre total”, disse uma mulher à CNN após ter sua vacina negada. “Quem é o culpado por tudo isso? Acho que nossos líderes, nossos políticos são uma merda.”

equipe

Equipe médica transporta um paciente em uma maca em um hospital de campanha enquanto os casos de coronavírus aumentam em 11 de março de 2021 em Santo André, Brasil.

A crescente tempestade perfeita

A crise da COVID-19 no Brasil nunca esteve tão ruim. Quase todos os estados brasileiros têm uma ocupação de UTI de 80% ou mais, de acordo com uma análise de dados estaduais feita pela CNN. Na sexta-feira (19/03), 16 dos 26 estados estavam em 90% ou mais de taxa de ocupação, o que significa que esses sistemas de saúde entraram em colapso ou estão em risco iminente de fazê-lo.

As médias de sete dias de novos casos e novas mortes são mais altas do que nunca.

Nos últimos 10 dias, cerca de um quarto de todas as mortes por coronavírus no mundo foram registradas no Brasil, de acordo com análises da CNN.

“São sinais claros de que estamos em uma fase de aceleração muito crítica da epidemia e sem precedentes”, disse Jesem Orellana, epidemiologista brasileiro.

Se as vacinas são a melhor saída para essa pandemia global, o Brasil ainda tem um longo caminho a percorrer para superar isso.

Até sexta-feira, menos de 10 milhões de pessoas no país de cerca de 220 milhões haviam recebido pelo menos uma dose, de acordo com dados federais de saúde. Apenas 1,57% da população foi totalmente vacinada.

Isso é o resultado de um programa de implementação lentoque tem sido afetado por seguidos atrasos. Durante o anúncio de seu plano de distribuição no início de fevereiro, o governo prometeu que cerca de 46 milhões de doses de vacina estariam disponíveis em março. Ele foi repetidamente forçado a diminuir esse número, agora estimando apenas 26 milhões no final do mês.

A produção nacional do que os governos dizem que acabará por ser centenas de milhões de doses da vacina Oxford-AstraZeneca  acaba de decolar. As primeiras 500.000 doses foram entregues e comemoradas por altos funcionários do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro esta semana, apesar de estar com meses de atraso.

“[Não há] vacinas em uma quantidade que realmente causaria um impacto no momento”, disse Natalia Pasternak, uma microbiologista brasileira, que disse que não vai demorar até o segundo semestre do ano antes que vacinas suficientes estejam disponíveis para ter um impacto significativo na epidemia.

Em face da possibilidade que as vacinas continuarão escassas no futuro próximo, as únicas formas de controlar o crescimento exponencial da epidemia no Brasil são os métodos que o mundo ouviu ad nauseam – distanciamento social,  ausência de multidões, movimentos restritos e boa higiene.

Mas em muitos lugares do Brasil, isso simplesmente não está acontecendo. No movimentado Rio de Janeiro, é fácil encontrar multidões sem máscara andando pelas ruas, conversando de perto.

Embora as famosas praias da cidade estejam fechadas neste fim de semana, os restaurantes e bares ainda podem estar abertos até as 21h, muitos provavelmente lotados.

Muitos estados impuseram restrições muito mais duras, incluindo toques de recolher noturnos, mas os líderes locais estão lutando contra a liderança federal, ou a falta dela, determinados a manter as coisas abertas.

O presidente Jair Bolsonaro , um cético daCOVID-19 que zombou da eficácia das vacinas e não as tomou publicamente, anunciou na quinta-feira que entraria com uma ação judicial contra certos estados na Suprema Corte do país, reivindicando a única pessoa que pode decretar toque de recolher é ele – algo que ele prometeu nunca fazer.

Apesar de milhares de pessoas morrendo por causa do vírus a cada dia, ele afirma que a verdadeira ameaça vem dos danos econômicos que as restrições provocadas pelo vírus podem impor.

Milhões de seus apoiadores estão seguindo seu exemplo, desrespeitando abertamente os regulamentos locais de distanciamento social e o uso de máscaras.

Tudo isso por si só já seria preocupante, mas é exacerbado por uma realidade profundamente preocupante – a disseminação das variantes da COVID-19.

‘As pessoas não percebem o quão pior  a P.1 é’

A variante P.1 foi descoberta pela primeira vez no Japão. As autoridades de saúde detectaram a mutação viral em vários viajantes que retornavam do estado do Amazonas, uma região isolada no norte do Brasil repleta de floresta tropical.

A CNN noticiou da região no final de janeiro, onde uma segunda onda brutal de COVID-19 dizimava a cidade de Manaus.

Quase dois meses depois, mais e mais pesquisas apontam para a variante P.1 como um fator crucial não apenas no surto de Manaus, mas na crise nacional que o Brasil enfrenta hoje.

Um estudo da principal fundação de pesquisa médica do Brasil, a Fiocruz, do início de março descobriu que, dos oito estados brasileiros estudados, as variantes do COVID-19, incluindo P.1, eram prevalentes em pelo menos 50% dos novos casos.

A variante é amplamente aceita como sendo mais facilmente transmissível, até 2,2 vezes mais, de acordo com um estudo recente . Isso é mais transmissível do que a variante B.1.1.7 amplamente discutida identificada pela primeira vez no Reino Unido, que é até 1,7 vezes mais transmissível, de acordo com um estudo de dezembro.

Esse mesmo estudo também descobriu que as pessoas têm 25% a 65% mais probabilidade de escapar da imunidade protetora existente de infecções anteriores não P.1.

Finalmente, ainda existem preocupações de que as diferentes vacinas possam não ser tão eficazes contra a variante P.1. Embora um estudo recente do Reino Unido tenha descoberto que “as vacinas existentes podem proteger contra a variante do coronavírus brasileiro”, a CNN conversou com vários epidemiologistas que continuam preocupados.

“O mundo não despertou a terrível realidade potencial que a variante P1 pode representar”, disse o Dr. Eric Feigl-Ding, epidemiologista. “As pessoas não percebem o quanto a P1 é pior.”

O Brasil está se tornando um perigo global

Em meio à disseminação não mitigada do vírus no Brasil, existem duas ameaças adicionais distintas.

Um, a exportação mais fácil da variante P.1 existente para o exterior. Já está em pelo menos duas dezenas de países e contando e as viagens internacionais de e para o Brasil ainda estão abertas para a maioria dos países.

Dois, se a variante P.1 foi criada aqui, outras também podem.

“O fato de a pandemia estar fora de controle no Brasil causou a variante”, disse Pasternak, a microbiologista brasileira. “E vai causar mais variantes. Vai causar mais mutações porque é o que acontece quando você deixa o vírus se replicar livremente.”

De acordo com as leis da evolução viral, novas variantes são criadas para tentar permitir que o vírus se espalhe mais facilmente. Ao longo do caminho, interações mais perigosas podem ser criadas.

“Mais variantes significam que há uma probabilidade maior de que uma dessas variantes possa realmente escapar de todas as vacinas, por exemplo”, disse Pasternak. “É raro, mas pode acontecer.”

Isso, diz ela, torna o Brasil um perigo global, não apenas para os países vizinhos, mas para outros ao redor do mundo.

“Tudo isso junto deve aumentar o alarme em todos os países do mundo de que devemos ajudar o Brasil a conter P1, para que não soframos o mesmo destino do colapso do sistema hospitalar brasileiro”, disse o Dr. Feigl-Ding.

Com a falta de vacinas e um governo relutante em tomar as medidas necessárias para evitar que isso aconteça, não está claro como as coisas vão melhorar no Brasil tão cedo.

O jornalista Eduardo Duwe contribuiu para esta reportagem.

fecho

Este texto foi escrito inicialmente em inglês e publicado pela rede CNN [Aqui! ].

Minta, minta, minta de novo

A fuga para a frente de Jair Bolsonaro

bolsonaro mascara

Por Peter Steiniger para o Neues Deutschland

Lula deu-lhe uma facada: no primeiro discurso depois de recuperar seus direitos políticos na semana passada, o ex-presidente do Brasil leu o ato de motim contra Jair Bolsonaro. Ele exortou as pessoas a não seguirem as “decisões tolas” de Bolsonaro na crise causada pelo coronavírus e a se vacinarem contra a COVID-19. Não importa de que país venha a vacina. Com esse ataque ao demagogo de direita, Lula afetou muitos brasileiros diante de uma política de saúde catastrófica e de um alto número de mortes causadas pela COVID-19. Bolsonaro sabe muito bem que não se compara ao excepcional político que Lula é, e teme a continuidade da grande popularidade do ex-presidente de esquerda do Partido dos Trabalhadores. Pode haver um grande duelo nas eleições de 2022.

O Brasil se tornou o foco mundial da pandemia da COVID-19. Tendo em vista os milhões  que vivem em condições miseráveis de trabalho e de vida no Brasil, grande parte da população está em maior risco desde o início do que no “Primeiro Mundo”. Isto sem falar nos indígenas. O preço que o Brasil está pagando pelo caos das vacinas que foi causado pela política ultraliberal é ainda mais amargo. Primeiro o país jogou dinheiro pela janela comprando a hidroxicloroquina que se mostrou inadequada para combater a COVID-19. Depois Bolsonaro rotulou a Coronavac como uma “vacina da China”. Depois da forte atuação de Lula, o clã Bolsonaro de repente ganha uma nota diferente: a vacinação é ótima e ajuda a economia.

O presidente Jair Bolsonaro agora declara que nunca foi contra a vacinação. E que ele nunca considerou a COVID-19 uma “gripezinha”. Mentir está em seu sangue.  Uma prova que o Lula funciona.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo “Neues Deutschland” [Aqui!].

Fome, a outra pandemia mortal assolando o Brasil

Nos últimos dias temos sido distraídos não apenas pelos altíssimos números de novas infecções e mortes pela COVID-19, mas também pela volta triunfal do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva ao centro do picadeiro politico em que o presidente Jair Bolsonaro transformou o Brasil. De quebra, ainda tivemos a aprovação da famigerada PEC-186 que congela os salários dos servidores públicos até ainda longínquo ano de 2036.

Todas essas questões vem servindo para ocultar o recrudescimento de uma pandemia que há muito tempo afeta os brasileiros mais pobres, a da fome. Os sinais de que mais gente está passando fome estão por todas as esquinas brasileiras, mas a maioria da mídia corporativa trata de ocultar esse fenômeno, pois certamente sabe do potencial explosivo que o avanço da fome, em meio a reformas ultraneoliberais possui não apenas entre aqueles que já estão com a barriga roncando, mas também naqueles que a barriga irá roncar. 

Mas a imagem abaixo vinda da edição de ontem no jornal “A Tribuna” que é publicado na cidade de Santos (SP), mas que circula na maioria dos municípios da Baixada Santista mostra com clareza o processo que está germinando pelo Brasil afora que é de um grave convulsão social causada por uma mistura das duas pandemias: a da COVID-19 e da fome.

fome pandemia

Contraditoriamente, a imagem mostra uma fila quilométrica em uma unidade do chamado “Bom Prato”, a versão paulista do “Restaurante Popular”. Em tese, quem está ali terá a sua fome, ainda que parcialmente, saciada. O problema é que essa imagem mostra o grau da crise, em um momento em que a tesoura ultraneoliberal da dupla Bolsonaro/Guedes extermina várias políticas sociais que poderiam servir como apoio à da alimentação. Com isso, é muito provável que não apenas faltem recursos para novas políticas sociais, como também para a que impulsiona o “Bom Prato” e seus congêneres pelo Brasil afora.

Eu digo e repito: o que está sendo fermentado no Brasil, e a imagem acima não me deixa mentir, é uma gigantesca crise social que cedo ou tarde explodirá em dimensões avassaladoras. É que, ao contrário, do que se propala, não há povo que fique na mansidão quando a fome aguda se estabelece em proporções significativas como as que estamos gerando no Brasil neste momento. Depois que os governantes não digam que foram pegos de surpresa, pois as evidências estão aí para quem quiser ver.

O pensamento puro de Jair Bolsonaro sobre a importância das vacinas antes do discurso do Lula

O presidente Jair Bolsonaro, sob evidente pressão do discurso do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, operou hoje uma súbita mudança em sua posição negacionista e passou a usar máscara e a defender a importância das vacinas no combate à pandemia da COVID-19 (ver imagem abaixo)

BOLSONARO MASCARADOO presidente Jair Bolsonaro (no centro), ladeado pelo senador Davi Alcolumbre, e o chefe da casa civil, general Braga Netto (à esq.) e pelo presidente do senado, Rodrigo Pacheco, e o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, no Palácio do Planalto após sanção de lei que amplia a aquisição de vacinas – Raul Spinassé/Folhapress

Assim, para não deixar ninguém esquecer o que o presidente Jair Bolsonaro já disse sobre as vacinas contra a COVID-19, posto a sequência abaixo que expressam o que eu considero o pensamento “puro” dele sobre o assunto.

wp-1615410445881.jpgwp-1615410445895.jpgwp-1615410445853.jpg