Estudo mostra que regeneração natural das florestas tropicais pode ser mais eficiente que reflorestamento – se você permitir

neofrestFloresta tropical emergente nas encostas do vulcão Turrialba na Costa Rica. Em primeiro plano estão os restos de antigas pastagens de gado. Foto: Rens Brouwer

Por Norbert Suchanek para o “Neues Deutschland”

As florestas tropicais crescem sozinhas – se você deixar. E então isso acontece mais rápido do que os cientistas pensavam anteriormente. Milhões de hectares de terras agrícolas abandonadas na América Latina e na África poderiam se tornar florestas secundárias e primárias que armazenam carbono sem reflorestamento caro. Isso é demonstrado por um estudo publicado recentemente na revista Science“As florestas tropicais estão desaparecendo do desmatamento em um ritmo alarmante. Mas eles também têm o potencial de voltar a crescer naturalmente em terras em pousio”, escrevem os pesquisadores. O abandono da terra devido à perda de fertilidade do solo ou migração levou a um rápido aumento no crescimento da floresta nos trópicos. Atualmente, as florestas tropicais em regeneração cobrem uma área de 2,4 milhões de quilômetros quadrados apenas na América Latina e no Caribe.

Cientistas da Universidade de Wageningen e do Centro Alemão de Pesquisa Integrativa em Biodiversidade (iDiv) Halle-Jena-Leipzig examinaram o desenvolvimento florestal em 77 regiões e 2.200 áreas de floresta secundária na América Central, Amazônia, região da Mata Atlântica do leste do Brasil e África Ocidental.

Se a regeneração natural da floresta for permitida, os pesquisadores descobriram que essas chamadas florestas secundárias recuperaram em média quase 80% das características características das florestas primárias após apenas 20 anos. Isso se aplica, por exemplo, à fertilidade do solo e sequestro de carbono, diversidade de árvores e estrutura florestal. No entanto, levará mais 100 anos até que uma diversidade semelhante de espécies seja restaurada e tanta biomassa seja armazenada quanto nas florestas tropicais originais.

O estudo conclui que a regeneração natural é uma solução econômica e baseada na natureza para mitigar as mudanças climáticas, preservar a biodiversidade e restaurar os ecossistemas. »Dada a importância local e global das florestas secundárias e sua rápida recuperação após 20 anos, defendemos a regeneração natural (assistida) como uma solução econômica e baseada na natureza para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS), o Década da ONU para a Restauração de Ecossistemas (2020-2030), o Acordo sobre Mudanças Climáticas da ONU e a Convenção sobre Diversidade Biológica”, enfatiza Nadja Rüger, cientista do iDiv e uma das coautoras do estudo.

Essa é a boa notícia. O ruim diz respeito ao Cerrado do Brasil . Da década de 1970 até os dias atuais, mais da metade desse ecossistema central brasileiro, cobrindo uma área original de cerca de dois milhões de quilômetros quadrados, foi desmatado, principalmente para cultivo de soja e milho e criação de gado em pastagens artificiais. Segundo dados do Grupo de Trabalho para Recuperação de Áreas Degradadas do Cerrado (GTPastagens), existem hoje 23,7 milhões de hectares de pastagens degradadas para gado onde o Cerrado poderia se regenerar.

No entanto, pesquisas de várias universidades e institutos paulistas mostram que a regeneração natural do Cerrado é praticamente impossível. Em uma edição de 2017 no Journal of Applied Ecology. No estudo publicado, os pesquisadores examinaram 29 áreas anteriormente utilizadas para pastagem de gado que estavam ociosas por três a 25 anos. Eles descobriram que muitas das espécies vegetais e animais típicas do Cerrado não retornaram, independentemente de quanto tempo as áreas foram pastoreadas pela última vez. “Nosso estudo mostra que a regeneração natural do cerrado é basicamente impossível”, disse a coautora do estudo Giselda Durigan, do Instituto de Pesquisas Florestais de São Paulo. Mesmo 25 anos após o fim do pastoreio de gado, 37% das espécies originais estavam faltando nas savanas recém-criadas – sobretudo as espécies nativas de gramíneas, arbustos e arbustos, que fornecem alimento e habitat para um grande número de mamíferos e aves.

Os pesquisadores identificaram as espécies de gramíneas africanas usadas na pecuária como uma das principais razões pelas quais o cerrado não volta a crescer naturalmente. Por isso é necessária a intervenção humana no Cerrado para restaurar o ecossistema original.

Primeiro, as gramíneas exóticas teriam que ser retiradas das áreas abandonadas, explica o pesquisador. A segunda etapa é a reintrodução de espécies nativas de gramíneas do cerrado. A terceira e mais difícil medida é a reintrodução do fogo como manejo florestal. O Cerrado é um ecossistema que se adaptou a queimadas regulares por milênios, com inúmeras espécies de plantas que não podem se regenerar ou se espalhar sem fogo. Se o Cerrado não queimar a cada três ou quatro anos, diz Durigan, haverá inevitável lignificação e perda de biodiversidade.

color compass

Este texto foi escrito inicialmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

Um comentário sobre “Estudo mostra que regeneração natural das florestas tropicais pode ser mais eficiente que reflorestamento – se você permitir

  1. Pingback: Estudo mostra que regeneração natural das florestas tropicais pode ser mais eficiente que reflorestamento – se você permitir – Mágica Mistura✨

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s