O legado botânico do colonialismo

Plantas introduzidas pelos europeus mudaram permanentemente a biodiversidade nas suas colônias

sementes 2

Os europeus carregaram sementes de plantas nas solas de seus sapatos por toda a América do Norte. Foto: xblickwinkel/F.xHeckerx

Por Norbert Suchanek para o “Neues Deutschland”

As potências coloniais da Europa deixaram cicatrizes profundas na África, Ásia, América e Austrália, traçando fronteiras arbitrárias, escravizando milhões de pessoas, exterminando povos indígenas, culturas e línguas nativas. As consequências do colonialismo ainda são visíveis nas regiões afetadas hoje. Isso também se aplica ao mundo vegetal. Da cana de-açúcar às seringueiras ou ao carvalho europeu: as potências coloniais transportaram intencionalmente e não intencionalmente inúmeras espécies de plantas de um continente para outro. Essas mudanças ainda estão presentes e algumas ainda estão ocorrendo. Isso agora foi estabelecido por uma equipe de pesquisa internacional liderada pelos pesquisadores de biodiversidade Bernd Lenzner e Franz Essl da Universidade de Viena.

No final do século XV, as principais potências europeias começaram a estabelecer colônias em outros continentes e dividiram amplamente o mundo entre si. Até hoje, esses limites são reconhecíveis do ponto de vista dos botânicos. Os cientistas estudaram a flora exótica introduzida em 1.183 áreas de ex-colônias da Grã-Bretanha, Espanha, Portugal e Holanda, abrangendo um total de 19.250 espécies e cultivares de plantas.

As regiões outrora ocupadas pelo mesmo poder colonial europeu ainda são botanicamente mais semelhantes hoje do que outras regiões não dominadas pelo mesmo poder. E quanto mais as regiões foram ocupadas por uma potência colonial, mais parecidas são, segundo pesquisa publicada na revista Nature Ecology and Evolution . “Políticas comerciais restritivas garantiram que as plantas fossem comercializadas principalmente entre regiões ocupadas pelo mesmo poder”, explica o diretor de pesquisa Lenzner: “Como resultado, as floras das regiões que estavam sob o mesmo poder colonial tornaram-se mais semelhantes em comparação com outras áreas. “

Além disso, as regiões que desempenharam papéis econômicos ou estratégicos particularmente importantes durante o colonialismo mostram uma semelhança ainda maior na composição de espécies entre si, em comparação com áreas menos influentes. Exemplos disso são os antigos centros comerciais, como as regiões do arquipélago indo-malaio, que foram cruciais para o comércio internacional de especiarias, ou ilhas como os Açores ou Santa Helena, ambas importantes escalas em longas viagens transoceânicas. O estudo também constata que os britânicos mudaram mais a biodiversidade em suas colônias e os holandeses menos.

De arqueófitos a neófitos

Há milhares de anos, as pessoas levam consigo parte da flora de sua terra natal em suas viagens ou a trocam com outros povos, contribuindo assim para sua disseminação para além de seu habitat natural. Os cientistas se referem a essas plantas alienígenas como “arqueófitas”. No entanto, com a primeira travessia do Atlântico do genovês Cristóvão Colombo em 1492 e o início da era dos impérios coloniais, a transferência global de plantas estrangeiras se multiplicou em proporções sem precedentes. Espécies introduzidas a partir desse momento, consciente ou inconscientemente, por humanos em áreas onde não ocorrem naturalmente são chamadas de neófitas .

As novas potências coloniais européias inicialmente introduziram culturas nos novos domínios, principalmente por razões econômicas, a fim de garantir a sobrevivência dos colonos e promover o desenvolvimento de assentamentos. “Mas as plantas também foram retiradas por razões estéticas e nostálgicas”, escrevem os cientistas em seu estudo. Em particular, muitas espécies foram comercializadas dentro e fora das regiões colonizadas para alimentação, forragem e horticultura, com o resultado de que a flora exótica se estabeleceu nessas regiões ao longo do tempo.

Por exemplo, os colonos holandeses não só trouxeram vinhas do sul da Europa para a África do Sul, mas também o carvalho europeu. As árvores deveriam fornecer a matéria-prima para os barris de madeira necessários para amadurecer o vinho sul-africano e para a construção de casas. Mas tecnicamente o projeto acabou sendo um fracasso. Devido às condições subtropicais, a qualidade da madeira de carvalho não era boa o suficiente.

No entanto, muitos dos chamados neófitos também vieram para as colônias como “caronas”. O “chute do homem branco” é um exemplo disso. É assim que os indígenas da América do Norte chamavam a planta importada da Europa, cujas sementes grudavam na sola dos sapatos dos colonos e que, no verdadeiro sentido da palavra, se espalhavam passo a passo com as caminhadas dos colonos pelos EUA e o »Oeste Selvagem«.

O intercâmbio mundial de espécies vegetais intensificou-se então no século XIX e início do século XX com o crescimento do número de jardins botânicos e das chamadas sociedades de aclimatação. Organizados em uma rede global, plantas e animais foram assim importados, propagados e disseminados por razões científicas, econômicas e estéticas. No auge do Império Britânico havia mais de 50 sociedades de aclimatação e 100 jardins botânicos, sendo um dos mais famosos o Kew Gardens, em Londres.

“Nossos resultados destacam o legado contínuo da atividade humana, que se reflete na semelhança na composição e homogeneização de suas floras”, concluem os pesquisadores.

“É notável”, diz Franz Essl, autor sênior do estudo, “que ainda possams encontrar tais legados várias décadas, às vezes até séculos, após o colapso dos impérios coloniais europeus. Isso mostra que precisamos ser muito cuidadosos e conscientes sobre as espécies de plantas que transportamos ao redor do mundo, pois elas provavelmente terão impactos duradouros na biodiversidade e nos meios de subsistência humanos no futuro”.


compass black

Este texto escrito originalmente em alemão foi publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s