Quem se beneficia da biodiversidade? Raramente o sul global

Biopirataria e digitalização: por que o livre acesso a bancos de dados genéticos é controverso

sugarcane

Da cana-de-açúcar à batata e à seringueira: durante séculos, potências coloniais, empresas e pesquisadores fizeram uso da biodiversidade e do conhecimento indígena de outras partes do mundo e embolsaram a renda gerada por isso.
 
Por Norbert Suchanek, do Rio de Janeiro, para o Neues Deutschland

A Conferência Mundial sobre Biodiversidade em Montreal não trata apenas de deter a perda de espécies animais e vegetais. Também há controvérsia sobre quem controla a biodiversidade – especialmente no Sul Global – e quem se beneficia de seu uso. Especificamente, trata-se do até então livre acesso a bancos de dados internacionais com informações genéticas sobre plantas, animais e micróbios. Pesquisadores genéticos temem que os cerca de 200 estados de Montreal decidam restringir esse acesso. Isso pode complicar a pesquisa, como o desenvolvimento de novas vacinas, argumentam eles. Outros criticam que comunidades indígenas e países do Sul Global tenham ficado para trás com a regulamentação anterior.

Da cana-de-açúcar à batata e à seringueira: durante séculos, potências coloniais, empresas e pesquisadores fizeram uso da biodiversidade e do conhecimento indígena de outras partes do mundo e embolsaram a renda gerada por isso. Os países e povos indígenas de cujas áreas veio a biodiversidade roubada não foram consultados nem divididos nos lucros.

O Protocolo de Nagoya exige que os países de origem compartilhem as receitas

Desde 2014, no máximo, essa prática, também conhecida como biopirataria, não deve mais ser possível. Após anos de duras negociações, a décima Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (COP 10) aprovou o chamado Protocolo de Nagoya em 2010, que entrou em vigor quatro anos depois. Regula que os países de origem e os povos indígenas sejam consultados e recebam uma parte justa dos benefícios e receitas provenientes da pesquisa e exploração da biodiversidade de suas áreas e dos conhecimentos tradicionais associados.

O Protocolo de Nagoya considera apenas a transferência física transfronteiriça de material vegetal ou animal, microorganismos ou material genético (DNA). No entanto, devido aos desenvolvimentos na engenharia genética e na digitalização do DNA, muitas vezes as amostras biológicas não são mais necessárias. A informação de sequência digital (DSI) do material genético, que é armazenada em bancos de dados de genes e até agora tem acesso gratuito em todo o mundo através da Internet, é suficiente.

Embora isso facilite o trabalho dos cientistas, também substitui efetivamente as regras do Protocolo de Nagoya. Com a ajuda do DSI, institutos de pesquisa e empresas podem continuar desenvolvendo e comercializando novos medicamentos ou variedades de plantas, como antes de 2014, sem a aprovação e participação nos lucros dos países de origem ou comunidades indígenas.

Batata geneticamente modificada: quem se beneficia?

Um exemplo controverso do uso comercial de recursos genéticos digitalizados é uma batata geneticamente modificada com DSI, que é considerada resistente à requeima e será comercializada na África Oriental. Foi desenvolvido pelo International Potato Center (CIP), fundado pelo pesquisador norte-americano Richard L. Sawyer e faz parte da Global Research Partnership for a Food Security Future. Esta, por sua vez, é financiada por governos, bancos internacionais e fundações como a Fundação Bill & Melinda Gates, entre outras.

Embora a batata geneticamente modificada pela CPI seja baseada no genoma de uma variedade sul-americana que tem sido usada e desenvolvida pelo povo quéchua há milhares de anos, os indígenas não compartilham dos possíveis lucros, critica Alejandro Argumedo da biodiversidade fundação Fundação Swift. Para o agrônomo peruano, descendente de família quíchua, está claro que a digitalização do material genético fere o Protocolo de Nagoya e a distribuição justa dos lucros. O conhecimento tradicional continua sendo roubado, fazendo com que os povos indígenas percam o controle sobre a diversidade biológica de suas regiões.

Pesquisadores genéticos e de plantas em todo o mundo se opõem a isso. Eles veem o futuro de seu trabalho em perigo se o Protocolo de Nagoya for expandido para incluir bancos de dados de genes digitalizados. O acesso irrestrito aos dados genéticos é essencial para suas pesquisas, argumentam pesquisadores como Jörg Overmann, diretor científico da Coleção Alemã de Microorganismos e Culturas de Células do Instituto Leibniz.

“As informações da sequência digital são um pré-requisito indispensável para a pesquisa e o desenvolvimento das ciências da vida modernas”, diz Overmann. »Se as informações da sequência digital não estivessem mais disponíveis gratuitamente, mas apenas acessíveis após aprovações individuais concedidas por cada país de origem individual, o processamento de dados biológicos seria praticamente impossível, como tem sido até agora. Os procedimentos de aprovação que dependem de cada caso são absolutamente incompatíveis com o sistema existente de milhares de bancos de dados de sequências interligados em todo o mundo, nos quais bilhões de sequências de livre acesso são permanentemente trocadas. Qualquer outro sistema com controle de acesso bilateral, mesmo que parcial, questionaria fundamentalmente essa base eficiente da pesquisa global em ciências da vida, que foi experimentada e testada por décadas.«

Harald Meimberg, do Institute for Integrative Nature Conservation Research da Universidade de Recursos Naturais e Ciências da Vida, vê o problema no termo “recurso genético” utilizado, que é muito amplo e, portanto, também inclui material biológico, mesmo que o desenvolvimento de uma aplicação de é muito improvável. “Portanto, a rigor, todas as informações da sequência digital seriam controladas e o atual sistema produtivo de pesquisa biológica seria inviabilizado”, diz Meimberg.

De acordo com Jens Freitag, chefe do escritório do Instituto Leibniz de Genética Vegetal e Pesquisa de Culturas em Gatersleben, a solução pode ser um meio-termo. Ele defende continuar a permitir o livre acesso aos bancos de dados DSI para treinamento, pesquisa e ciência. O uso comercial de dados genéticos por empresas, por outro lado, poderia estar sujeito a um imposto.

 


color compass

Este texto escrito originalmente em alemão foi publicado pelo jornal “Neues Deutschland [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s