Cientistas alertam sobre ‘futuro horrível de extinção em massa’ e distúrbios climáticos

Novo relatório diz que o mundo não está conseguindo compreender a extensão das ameaças representadas pela perda de biodiversidade e pela crise climática

fogoFumaça e chamas aumentam de um incêndio ilegal na reserva da floresta amazônica, ao sul de Novo Progresso, no estado do Pará, Brasil. Fotografia: Carl de Souza / AFP / Getty

Por Phoebe Weston para o “The Guardian”

O planeta está enfrentando um “futuro horrível de extinção em massa, saúde decadente e transtornos climáticos” que ameaçam a sobrevivência humana por causa da ignorância e da inação, de acordo com um grupo internacional de cientistas, que alertam que as pessoas ainda não perceberam a urgência do biodiversidade e crises climáticas.

Os 17 especialistas, incluindo o professor Paul Ehrlich da Universidade de Stanford, autor de The Population Bomb, e cientistas do México, Austrália e Estados Unidos, dizem que o planeta está em um estado muito pior do que a maioria das pessoas – até mesmo os cientistas – entendem.

“A escala das ameaças à biosfera e todas as suas formas de vida – incluindo a humanidade – é de fato tão grande que é difícil de entender até mesmo por especialistas bem informados”, escrevem eles em um relatório na Frontiers in Conservation Science que faz referência a mais de 150 estudos detalhando os principais desafios ambientais do mundo.

O atraso entre a destruição do mundo natural e os impactos dessas ações significa que as pessoas não reconhecem o quão vasto é o problema, argumenta o jornal. “[O] mainstream está tendo dificuldade em compreender a magnitude dessa perda, apesar da erosão constante da estrutura da civilização humana.”

O relatório alerta que migrações em massa induzidas pelo clima, mais pandemias e conflitos por recursos serão inevitáveis, a menos que ações urgentes sejam tomadas.

“O nosso não é um chamado à rendição – nosso objetivo é fornecer aos líderes um ‘banho frio’ realista sobre o estado do planeta, que é essencial para o planejamento de evitar um futuro medonho”, acrescenta.

Lidar com a enormidade do problema requer mudanças de longo alcance no capitalismo global, educação e igualdade, diz o jornal. Isso inclui a abolição da ideia de crescimento econômico perpétuo, precificando apropriadamente as externalidades ambientais, interrompendo o uso de combustíveis fósseis, controlando o lobby corporativo e dando poder às mulheres, argumentam os pesquisadores.

O relatório vem meses depois que o mundo falhou em cumprir uma única meta de biodiversidade da ONU Aichi, criada para conter a destruição do mundo natural, a segunda vez consecutiva que os governos falharam em cumprir suas metas de 10 anos de biodiversidade. Esta semana, uma coalizão de mais de 50 países se comprometeu a proteger quase um terço do planeta até 2030.

Um recife de coral dominado por algas nas SeychellesUm recife de coral dominado por algas nas Seychelles … a crise climática está mudando a composição dos ecossistemas. Fotografia: Nick Graham / Lancaster University / PA

Estima-se que um milhão de espécies estão em risco de extinção, muitas em décadas, de acordo com um relatório recente da ONU .

“A deterioração ambiental é infinitamente mais ameaçadora para a civilização do que o Trumpismo ou a Covid-19”, disse Ehrlich ao Guardian.

Em The Population Bomb, publicado em 1968, Ehrlich alertou sobre a explosão populacional iminente e centenas de milhões de pessoas morrendo de fome. Embora ele tenha reconhecido que alguns horários estavam errados, ele disse que mantém sua mensagem fundamental de que o crescimento populacional e os altos níveis de consumo das nações ricas estão causando destruição.

Ele disse ao Guardian: “Growthmania é a doença fatal da civilização – deve ser substituída por campanhas que tornem a equidade e o bem-estar os objetivos da sociedade – não consumir mais lixo”.

Grandes populações e seu crescimento contínuo levam à degradação do solo e à perda de biodiversidade, alerta o novo artigo. “Mais pessoas significa que mais compostos sintéticos e plásticos perigosos descartáveis ​​são fabricados, muitos dos quais contribuem para a crescente toxificação da Terra. Também aumenta as chances de pandemias que alimentam caças cada vez mais desesperadas por recursos escassos. ”

Extinção em massa de pássaros no sudoeste dos Estados Unidos ‘causada pela fome’

Os efeitos da emergência climática são mais evidentes do que a perda de biodiversidade, mas ainda assim, a sociedade não está conseguindo reduzir as emissões, argumenta o jornal. Se as pessoas entendessem a magnitude das crises, as mudanças na política e nas políticas poderiam corresponder à gravidade da ameaça.

“Nosso ponto principal é que, ao perceber a escala e a iminência do problema, fica claro que precisamos muito mais do que ações individuais, como usar menos plástico, comer menos carne ou voar menos. Nosso ponto é que precisamos de grandes mudanças sistemáticas e rápidas ”, disse o professor Daniel Blumstein da Universidade da Califórnia em Los Angeles, que ajudou a escrever o artigo, ao Guardian.

O documento cita uma série de relatórios importantes publicados nos últimos anos, incluindo:

Bushfires em Eden, Austrália

A Austrália viu uma temporada de incêndios florestais devastadores em 2020. Foto: Tracey Nearmy / Reuters

O relatório segue anos de severos avisos sobre o estado do planeta dos principais cientistas do mundo, incluindo uma declaração de 11.000 cientistas em 2019 de que as pessoas enfrentarão “sofrimento indizível devido à crise climática”, a menos que grandes mudanças sejam feitas. Em 2016, mais de 150 cientistas do clima da Austrália escreveram uma carta aberta ao então primeiro-ministro, Malcolm Turnbull, exigindo ação imediata para reduzir as emissões. No mesmo ano, 375 cientistas – incluindo 30 vencedores do Prêmio Nobel – escreveram uma carta aberta ao mundo sobre suas frustrações com a inação política em relação às mudanças climáticas.

O professor Tom Oliver, ecologista da Universidade de Reading, que não esteve envolvido no relatório, disse que era um resumo assustador, mas confiável, das graves ameaças que a sociedade enfrenta em um cenário de “negócios como de costume”. “Os cientistas agora precisam ir além de simplesmente documentar o declínio ambiental e, em vez disso, encontrar as maneiras mais eficazes de catalisar a ação”, disse ele.

O professor Rob Brooker, chefe de ciências ecológicas do James Hutton Institute, que não esteve envolvido no estudo, disse que o estudo enfatizou claramente a natureza urgente dos desafios.

“Certamente não devemos ter dúvidas sobre a enorme escala dos desafios que enfrentamos e as mudanças que precisaremos fazer para lidar com eles”, disse ele.

Encontre mais cobertura da era da extinção aqui e siga os repórteres da biodiversidade Phoebe Weston e Patrick Greenfield no Twitter para obter as últimas notícias e recursos

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo “The Guardian” [   ].

Mudança de paradigma – o colapso de populações naturais de seres vivos está minando o funcionamento da biosfera

 Resultado de imagem para biosphere and collapse of natural populations

Por Foster Brown*

Paradigmas[1] são ideias básicas que usamos para construir a nossa visão do mundo. Em sua essência, eles servem como simplificações que nós humanos aplicamos para lidar com a vida.   Um paradigma reinante ainda em algumas mentes é que a Natureza é bonita, mas dispensável.  Precisamos fazê-la nossa servente ou eliminá-la se ficar inconveniente. A Amazônia como fronteira para ser conquistada, faz parte deste paradigma.  Aliás, este paradigma tem servido a humanidade para a grande parte da sua história, por bem e por mal. 

A ciência fez a sua parte neste paradigma de dominação via a geração de conhecimento que foi usado para controlar a Natureza. Mas ao mesmo tempo, a ciência revelou que a separação entre humanos e a Natureza é artificial.

A ligação começa com a observação que o oxigênio molecular, que faz um quinto da nossa atmosfera, é basicamente ausente nos outros planetas do nosso sistema solar. O oxigênio é um produto da Natureza ou, usando um termo mais atual, da biosfera[2] – o conjunto de ecossistemas que fazem a vida no nosso planeta.

Ele é tão fundamental que esquecemos do seu papel, que pode ser revelado via a pergunta – quanto tempo se pode viver sem respirar?  O acúmulo de oxigênio e o regulamento da sua concentração e outros gases, como gás carbônico, metano e nitrogênio durante dezenas a centenas de milhões de anos foi um resultado de processos mediados pela biosfera, especialmente pelas plantas, bactérias e animais, principalmente os invertebrados.   

Mas a ciência tem suas limitações e no momento, temos dificuldade de entender exatamente como a biosfera participa nestes ciclos que mantêm condições propicias para a vida no planeta. 

Nem sempre as condições foram tão propicias e no registro geológico podemos encontrar cinco períodos de grandes extinções nos últimos quatro centos e quarenta milhões de anos, começando com o Ordoviciano-Siluriano, depois o  Devoniano  (365 milhões de anos atrás), Permiano-Triássico (250 milhões de anos atrás) , Triássico-Jurássico (210 milhões de anos atrás) e Cretáceo-Terciário (65.5 milhões de anos atrás).[3]    Mas recentemente embarcamos numa sexta extinção.

Esta sexta extinção tem algumas diferenças.  Primeiro, somos nós que estamos causando estas extinções.  Segundo, em comparação com a maioria das outras extinções, a velocidade é extremamente rápida. Terceiro, as ações nos próximos anos e décadas vão influenciar decisivamente a severidade desta sexta extinção.

Mas é importante ressaltar que o jogo é muito mais do que a extinção de uma ou outra espécie, ele envolve a inoperância que a redução e eventual extinção de animais e plantas causam nos ciclos que mantêm a vida.  

Além da destruição de habitats como causa de extinções, as mudanças climáticas estão alterando ambientes rapidamente.  Alguns céticos[4] finalmente convencidos que as mudanças são reais,  agora falam de quem ganha e quem perde com as mudanças, como se fosse um jogo de futebol. Só que num jogo de futebol, 50% ganha e 50% perde e não 99+% perdendo e menos de um por cento ganhando.

Outros acham que evolução vai resolver as extinções com a criação de novas espécies.[5]  Mas estas novas espécies não vão repovoar áreas empobrecidas durante a minha vida nem na vida do meus bis-bis-bis netos. Sim, algumas bactérias vão ganhar, como as que produzem metano na região de tundra que já está aquecendo extremamente rápido e podem gerar uma bomba de metano, acelerando mais ainda o aquecimento global[6].  

Neste contexto, li dois artigos recentemente que aumentaram mais ainda a minha preocupação[7].  Na Alemanha em várias áreas de preservação foram levantadas as concentrações de insetos voadores desde 1986.  O estudo encontrou um decréscimo de mais de 75% na biomassa deles em 27 anos[8]. Seria melhor dizer que foi um colapso nas populações. Para os que só sabe que mosquitos de dengue e zika são insetos, uma queda destes parece legal, mas insetos fazem funcionar muitos processos em ecossistemas, desde polinização de plantas até a reciclagem da vegetação e da bosta de animais e formam a base da cadeia trófica. Podemos achar ou esperar que isto é um fenômeno restrito a Alemanha, mas as indicações são que não.   

Num outro estudo[9] usando animais conhecidos como vertebrados (os peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos), os autores usaram a frase “aniquilação biológica” no título para descrever a tendência atual. Eles encontraram colapsos de populações, especialmente de mamíferos, causados por uma variedade de pressões humanas e estimaram que já houve uma queda de 50% nos números de indivíduos de vertebrados com uma tendência de acelerar a queda.  

Se as populações, sejam de animais, microrganismos ou plantas, estão em colapso, também estão em colapso os serviços que os ecossistemas fornecem.  Um caso serve como exemplo. Quem bebe água que vem da ETA II em Rio Branco, estaria bebendo o xixi de Xapuri, Brasiléia, Epitaciolândia e Cobija, se não fosse o serviço ambiental oriundo do ecossistema aquático do Rio Acre que purifica as águas de esgoto lançados pelas cidades a montante. Mas a capacidade deste ecossistema não é infinita e tem seus limites.

O Papa Francisco capturou a essência do novo paradigma e repetiu cinco vezes na sua carta Encíclica Laudato Si:  “Tudo está interligado. ” A continuação de colapsos de populações de insetos, vertebrados, até plantas como árvores emergentes nas florestas da Amazônia, vai gerar impactos na sociedade humana.  O futuro da biosfera está entrelaçado com o nosso. Afinal somos todos interligados. 

igreja

Pintura na frente da diocese da Igreja Católica de Iberia, Madre de Dios, Peru. 26nov17.

Referencias discutidas: Hallmann et al. (2017) PLoS ONE 12 (10): e0185809. https:// doi.org/ 10.1371/ journal. pone.0185809

Ceballos et al. (2017) PNAS. E6089–96. https:// doi.org/ 10.1073/ pnas.1704949114.

*Foster Brown é pesquisador do Centro de Pesquisa de Woods Hole, Docente do Curso de Mestrado em Ecologia e Manejo de Recursos Naturais (MEMRN) e do Curso de Mestrado em Ciências Florestais (CiFlor) da UFAC. Cientista do Programa de Grande Escala Biosfera Atmosfera na Amazônia (LBA), do INCT Servamb e do Grupo de Gestão de Riscos de Desastres do Parque Zoobotânico (PZ) da UFAC. Membro do Consórcio Madre de Dios e da Comissão Estadual de Gestão de Riscos Ambientais do Acre (CEGdRA). Coordenador do Projeto MAP- Resiliência


[1] https://www.significados.com.br/paradigma/; https://en.wikipedia.org/wiki/Paradigm

[2] https://en.wikipedia.org/wiki/Biosphere

[3] https://www.amnh.org/exhibitions/dinosaurs-ancient-fossils-new-discoveries/extinction/mass-extinction/; https://supertela.net/curiosidades/astronomia/as-5-grandes-extincoes-em-massa-que-ja-ocorreram-na-terra/

 [4] https://www.bostonglobe.com/opinion/2017/12/06/fewer-deaths-more-greenery-and-other-global-warming-benefits/DgYdJLE1zv4zAZ84BPMOvO/story.html

[5] https://www.washingtonpost.com/outlook/we-dont-need-to-save-endangered-species-extinction-is-part-of-evolution/2017/11/21/57fc5658-cdb4-11e7-a1a3-0d1e45a6de3d_story.html

[6] McCalley, Carmody K., Ben J. Woodcroft, Suzanne B. Hodgkins, Richard A. Wehr, Eun-Hae Kim, Rhiannon Mondav, Patrick M. Crill, et al. “Methane Dynamics Regulated by Microbial Community Response to Permafrost Thaw.” Nature 514 (October 22, 2014): 478.

[7] https://www.nytimes.com/2017/10/29/opinion/insect-armageddon-ecosystem-.html?_r=0.

[8] : Hallmann CA, Sorg M, Jongejans E, Siepel H, Hofland N, Schwan H, et al. (2017) More than 75 percent decline over 27 years in total flying insect biomass in protected areas. PLoS ONE 12 (10): e0185809. https://doi.org/10.1371/journal. pone.0185809

[9] Ceballos, Gerardo, Paul R. Ehrlich, and Rodolfo Dirzo. “Biological Annihilation via the Ongoing Sixth Mass Extinction Signaled by Vertebrate Population Losses and Declines.” Proceedings of the National Academy of Sciences 114, no. 30 (July 25, 2017): E6089–96. https://doi.org/10.1073/pnas.1704949114.

 Artigo publicado no Jornal A Gazeta, Rio Branco, Acre, Brasil.  P. C1-2. 12dez17.   http://agazetadoacre.com/mudanca-de-paradigma-o-colapso-de-populacoes-naturais-de-seres-vivos-esta-minando-o-funcionamento-da-biosfera/