Habemus prefeito eleito, que comece a transição de governo

wladimir

Em um resultado que eu julgava previsível, o plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deferiu a candidatura do empresário Frederico Paes (MDB) e, por consequência, a chapa na qual ele concorreu na companhia do deputado federal Wladimir Garotinho (PSD).

TSE julga chapa de Wladimir Garotinho e Frederico Paes, mais votados no 2º turno em Campos dos Goytacazes — Foto: Reprodução/YouTube

Aliás, esse julgamento só ocorreu por causa do estranho entendimento do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) que revogou o deferimento dado em primeira instância e fora do prazo legal para que Frederico Paes fosse substituído por outro nome.

A minha avaliação é que a posição do TRE interferiu diretamente no andamento das eleições municipais ao dar munição para outros candidatos que rapidamente se mobilizaram para realizar um esforço de judicialização. É possível que sem a interferência do TRE, Wladimir Garotinho já tivesse sido eleito em primeiro turno, uma demonstração de que a interferência judicial não necessariamente conduz ao fortalecimento da democracia.

Essa decisão unânime do plenário do TSE também mostra que não há nada pior do que maus perdedores que, em vez de reconhecer a derrota clara, se põe a realizar reuniões de agitação de apoiadores, e isso tudo em meio a uma pandemia letal como é a da COVID-19.  Falo aqui do candidato Caio Vianna (PDT) que agora, passado o julgamento do TSE, deveria vir a público reconhecer o prefeito eleito.

O resultado do julgamento do TSE também deixa, digamos, de calças na mão o jovem prefeito Rafael Diniz que atrasou o processo de transição sob a alegação espúria de que a eleição da chapa formada Wladimir Garotinho/ Frederico Paes estaria sob judice.  O que todos devemos cobrar agora é que o processo de transição seja iniciado o mais rapidamente, de modo a não prejudicar um início de governo que já  promete ser caótico, em parte por causa da gestão desastrosa que Rafael Diniz e seus menudos neoliberais realizaram.

Por último, devo dizer que não tenho grandes expectativas em relação ao futuro governo de Wladimir Garotinho. Mas não há como se julgar algo que não se iniciou e, por isso, vou aguardar os atos do novo governo para eventualmente emitir opiniões.  Aliás, eu gostaria de ter podido ter podido exercitar esse distanciamento crítico em relação ao governo comandado pelos menudos neoliberais que Rafael Diniz colocou dentro da sua gestão. Mas ao exterminar as políticas sociais herdadas de outros governos, Rafael Diniz me privou disso.

Do futuro prefeito, espero algo muito simples no início do seu governo: a reabertura do restaurante popular. É que quem tem fome, tem pressa. Simples assim!

Na Campos dos Goytacazes pós-eleição, exemplos do bom vencedor, do mau e do bom perdedor

Campos-Wladimir-Caio-e-Bruno-scaledEm Campos dos Goytacazes pós-eleição, exemplos do bom vencedor, do mau e do bom perdedor

Após um segundo turno mais apertado do que eu mesmo previa, temos na manhã da segunda-feira duas situações opostas. Enquanto, o vencedor do segundo turno, Wladimir Garotinho se manifestou em prol da unidade das forças políticas do município para trabalharem para a construção de saídas para a grave crise em que nos encontramos, o perdedor, Caio Vianna, deu uma de Donald Trump dos trópicos, e não só se recusou o cumprimentar o vencedor, como também acenou seus lenços molhados pelas lágrimas da derrota em direção ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Como não sou eleitor nem do vencedor nem do perdedor, posso tecer a consideração de que havendo novas eleições o resultado final será o mesmo. É que Caio Vianna, mesmo tendo usado de todas as táticas possíveis para agitar o espectro do anti-garotismo, acabou derrotado. O que faria ele para mudar seu destino trágico? Passaria a repentinamente a se concentrar em apresentar apenas projetos de governo como forma de convencer os eleitores que não votaram nele nesse segundo turno? Aparentemente não, pois se fosse para fazer isso, já teria feito agora.

Muito melhor fez o médico Bruno Calil que, em vez de pedir outra chance imediata para derrotar Wladimir Garotinho, se manifestou no sentido de desejar ao vencedor um bom governo, além de colocar seus projetos à disposição para os esforços que serão necessários para começar os esforços para nos tirar do buraco em que estamos.

Em síntese, nessas eleições vimos na prática quem se sabe se comportar dignamente como vencedor e como perdedor. De minha parte, espero o TSE chancele o resultado das urnas e nos poupe de mais um ciclo eleitoral, e que tenhamos a devida oportunidade para realizar uma transição que permita ao futuro prefeito começar a tirar seus projetos do papel.  Meus que a primeira coisa a ser feita seja a reabertura do restaurante popular, pois quem tem fome, tem pressa. 

Final de campanha é marcado pela judicialização e pelas acusações mútuas. E os projetos de governo?

campos

Os últimos dias do majoritariamente apático segundo turno das eleições municipais ganharam muita emoção com a volta à cena de segmentos da justiça que, para surpresa de poucos, resolveu sair à caça de eventuais crimes cometidos pela chapa liderada por Wladimir Garotinho (PSD), e também pelos resultados espetaculares de institutos de pesquisa não tão espetaculares assim que projetaram uma corrida muito apertada para definir quem será o próximo prefeito de Campos dos Goytacazes.

Algo notável que não aconteceu foi o altamente antecipado julgamento pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) da situação do candidato a vice-prefeito de Wladimir Garotinho, o empresário Frederico Paes (MDB). Essa não votação da situação em torno de Frederico Paes era uma espécie de aposta daqueles que desejam derrotar no tapetão a chapa que está difícil de derrubar no voto.

Aos eleitores campistas sobrou ainda um final de campanha pouco lustroso para a democracia municipal, pois houve a repetição de táticas que pouco servem para consolidar opções baseadas em projetos de governo, com a insistência de acusações inter-familiares que, convenhamos, irão influenciar muito pouco a opção de voto de cada um.

No meio do caminho ainda houve o esquisito vazamento de um áudio atribuído ao vereador José Carlos (Cidadania) em que se fazia o reconhecimento de algo que até a mais ingênua das corujas buraqueiras que habitam o campus da Uenf já sabem de cór e salteado. É que nesse áudio a voz atribuída a José Carlos admite algo óbvio, qual seja, que membros do governo Rafael Diniz atuaram e continuam atuando em prol da candidatura de Caio Vianna (PDT). Ora bolas, o que as pessoas esperavam? Que o ainda prefeito Rafael Diniz em um gesto de repentina graciosidade tivesse liberado os membros do seu partido para apoiar a candidatura de Wladimir Garotinho? Certamente, ainda que rejeitado publicamente, o apoio de Rafael Diniz deve ter sido bem vindo por Caio Vianna, pois aquele que se alia com o PSL não vai rejeitar qualquer tipo de apoio, diria Carlos Lupi.

A única questão que realmente parece importar é sobre os critérios que farão os eleitores decidirem por este ou aquele candidato. A minha expectativa é que não seja por causa desta ou daquela denúncia requentada, mas por causa dos projetos apresentados por cada um dos que chegaram ao segundo turno. É que, do contrário, não haverá como cobrar o cumprimento das promessas de campanha. Afinal, quem vota medindo a quantidade de lama que colou na parede, acaba abrindo mão do poder de fiscalizar quem foi eleito. 

Mais uma barriga: a comunidade científica campista não subiu no palanque de Caio Vianna

Li com alguma curiosidade a nota publicada por Aldir Sales [Aqui! ] dando conta da presença do deputado estadual Waldeck Carneiro no palanque eleitoral do candidato Caio Vianna (PDT) na noite de ontem (25/11). É que segundo essa nota, a presença do reitor da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), Raul Palácio, e de uma representante do Diretório Central de Estudantes da Uenf no mesmo palanque eleitoral representaria uma pretensa subida no palanque de Caio Vianna (ver imagem abaixo).

1_waldeck-1702536

Sem querer me ater muito à oportunidade de um reitor de universidade pública subir em palanque eleitoral, o mesmo valendo para uma sindicalista estudantil, é uma barriga jornalística (para não dizer uma fake news) que a comunidade científica campista tenha subido no palanque de quem quer que seja na atual campanha eleitoral. Isto não quer dizer que pesquisadores e docentes não tenham colaborado individualmente para a confecção de programas ou votado neste ou naquele candidato, mas daí dizer que todo o coletivo de pesquisadores esteve ontem no palanque de Caio Vianna é, no mínimo, um exercício de “wishful thinking” (ou melhor de um pensamento desejoso).

Eu particularmente lamento que nenhum dos dois candidatos que estão no segundo turno tenha tomado a iniciativa de convidar a tal “comunidade científica” aludida por Aldir Sales para uma reunião aberta a todos os interessados. É que assim se poderia ter discutido francamente toda as potencialidades existentes nas instituições de ensino superior sediadas na cidade de Campos dos Goytacazes. Nesta conversa franca se poderia ter debatido as melhores opções para a construção das saídas que o nosso município tão urgentemente necessita após quatro anos de destruição da capacidade do governo municipal de se posicionar como um agente de transformação da nossa realidade social e econômica. Resta apenas agora desejar que o vencedor passe a agir concretamente para firmar parcerias e financiar projetos de pesquisa que gerem a necessária alavancagem para sairmos da crise em que nos encontramos.

Sobre a presença do deputado estadual Waldeck Carneiro no palanque de Caio Vianna após o diretório municipal do PT ter definido uma posição de neutralidade eu só tenho a lamentar. É que tendo o PT conseguido sair da obscuridade em que se encontrava a partir da militância aguerrida da professora Odisséia Carvalho, o mínimo que qualquer deputado do PT deveria fazer, em nome do fortalecimento do partido em Campos dos Goytacazes, seria respeitar as instâncias municipais que se decidiram democraticamente pela neutralidade no segundo turno.  Depois ainda tem militante do PT que reclama que outras forças de esquerda tenham conseguido ocupar mais espaço político, traduzido em um número maior de votos, e avançando mais do que o seu partido no esforço de construção partidária no atual ciclo eleitoral. É por esse tipo de intromissão de cima para baixo que eu, apesar de ser um dos primeiros filiados do PT no estado do Rio de Janeiro, decidi me desfiliar já em 1997 quando voltei ao Brasil. 

Mídia local embarca com a cara e coragem na previsão eleitoral do Paraná Pesquisas: jornalismo ou fake news?

parana pesquisas

A mídia corporativa local embarcou com fervor na “pesquisa” eleitoral que o “Paraná Pesquisas” realizou para o segundo turno que irá determinar o futuro prefeito da cidade de Campos dos Goytacazes. Houve quem enfatizasse a “respeitabilidade” da empresa de pesquisas eleitorais que ascendeu para a glória nas eleições presidenciais de 2018.

Pois bem, e o que disse a pesquisa que foi curiosamente bancada pelo próprio “Paraná Pesquisas” e que boa parte da mídia campista saudou efusivamente? A incrível virada do candidato Caio Vianna (PDT) que derrotaria Wladimir Garotinho (PSD), impondo uma espetacular mudança de disposição do eleitorado que há tempos não é vista em Campos dos Goytacazes.

Não vou nem alongar na pesquisa em si, pois nada melhor que o resultado das urnas para se verificar se a previsão feita por uma dessas muitas empresas que vivem de gerar pesquisas eleitorais chegou perto ou não.

O que eu quero indicar aqui é a minha surpresa com a completa falta de apuração jornalística sobre como o “Paraná Pesquisas” chegou a resultados tão bombásticos. É que todos sabem que no primeiro turno, Wladimir Garotinho alcançou 42,94% e Caio Vianna 27,71%.  Com isso, para que os números encontrados pela apuração feita por conta própria fossem críveis, haveria que praticamente todos os votos válidos dados a todos os demais nove candidatos tivessem migrado para Caio Vianna, sobrando apenas uma migração residual para Wladimir Garotinho. E isso me parece o que os gringos chamam “wishful thinking” (ou seja, pensamento fantasioso).

Eu que não sou proprietário de veículo de imprensa mandaria apurar como o Paraná Pesquisas chegou a esses resultados antes de sair disseminando números que parecem ser mais propaganda do que notícia. Mas vá lá, cada um dos com seus motivos.  Mas que ninguém depois reclame se forem, mais uma vez, expostos ao vexame de terem seu produto descoberto como “fake news” e não como aquilo que dizem entregar que seria jornalismo de qualidade.

Um pedido aos marqueteiros: libertem Caio Vianna da sua versão”Supernatural”

supernatural 1

ão sei quantos leitores deste blog assistiram a um episódio sequer do seriado “Supernatural“, mas eu confesso que assisti muitos até que  cansei das esquinas criativas adotadas por seus roteiristas para prolongar a saga sobrenatural dos irmãos Winchester e sua luta contra anjos e demônios.

Mas por que lembrar dos irmãos Winchester e ligá-los a Caio Vianna que acaba de iniciar a sua campanha publicitária para a disputa do segundo turno das eleições municipais em Campos dos Goytacazes? É que o Caio Vianna que apareceu em pelo menos em um  dos “episódios” é muito parecido com um dos irmãos Winchester quando Sam e Dean estão possuídos por entidades não amigáveis. É tanta citação aos alegados casos de corrupção da família do seu adversário, Wladimir Garotinho, que parece que o Caio Vianna que eu conheço foi substituído por um “evil twin” saído, sim, de algum episódio de “Supernatural”.

Alguém precisa avisar aos marqueteiros de Caio Vianna que os candidatos que enveredaram por esse viés “supernatural” já foram fragorosamente derrotados no primeiro turno, a começar pelo agora ex-prefeito ainda exercício Rafael Diniz. O outro, Rodrigo Calil, sequer está conseguindo manter a base de vereadores que ajudou a eleger que já mostrou estar em processo de debandada para a campanha de Wladimir Garotinho, a começar pelo retornante Rogério Matoso.

Reconheço que não estou nem perto de ser conselheiro de Caio Vianna, mas eu diria a ele que é melhor se concentrar nas suas propostas e esquecer as eventuais provocações que sofra. É que, convenhamos, a tarefa dele já é muito difícil com ele tentando ser um candidato propositivo. Se insistirem em mantê-lo como um personagem possuído saído de “Supernatural”, o risco é que acabe tendo menos votos do que no primeiro turno. É que, entre outras coisas, os eleitores estivessem levando em conta as acusações de corrupção que pesam contra pais e mães de candidatos nem Caio nem Wladimir teriam chegado ao segundo turno.

A verdade é que a maioria da população está interessada em ouvir os candidatos falando em seus projetos de governo e não em picuinhas nascidas nas redes sociais. Isso funcionou temporariamente em 2016 e 2018, mas já fracassou redondamente em 2020. Está claro que a rede de intrigas das mídias sociais não foi e continuará não sendo decisiva no atual pleito.

Então, renovo os meus pedidos aos marqueteiros de Caio Vianna: libertem o “good Caio” e se livrem da sua versão “Supernatural”. É que ganhando ou perdendo, essa não deverá ser a última campanha eleitoral da qual Caio Vianna participará. Assim, melhor perder apresentando projetos do que personificando um político possuído por entidades sobrenaturais.

Dicas para o futuro prefeito: Campos dos Goytacazes precisa caminhar para frente

keep_moving_forward_620

Em que pese o fato de que até as pedras que se movem no Paraíba do Sul sabem que, salve o efeito do judicialismo eleitoral, o futuro prefeito de Campos dos Goytacazes. Mas como as urnas sempre podem render surpresas, vou me dedicar minhas humildes dicas para Caio Vianna.

Olhando o que os dois candidatos enviados pelo voto popular para o segundo turno, notei poucas propostas concretas. No caso Caio Vianna, identifiquei a ideia de retomar o financiamento de bolsas de estudos em instituições privadas como uma daquelas propostas que a experiência feita no governo de seu pai e mentor resultou em quase nada o que é muito próximo de ser nada. Já no rol de Wladimir Garotinho, apesar de visualizar a intenção de retomar as políticas sociais destroçadas por Rafael Diniz, mas sem muita convicção.

Entretanto, os dois candidatos compartilham para mim o mesmo problema: não ofereceram propostas que permitam tirar o município do atoleiro em que se encontra no período pós petrorrentismo. O baú de ideias dos dois parece repetir uma mistura de velhas ideias e práticas com a ignorância das urgências que estão postas.

Além disso, mesmo o bordão de que Wladimir é melhor do que Caio porque vai repetir a busca de recursos em Brasília, que marcou até aqui seu mandato para deputado federal, não é algo que pode ser tomado como sério por uma simples fato: a PEC do Teto dos Gastos impede qualquer tipo de investimento vultoso nos municípios, e não será com as migalhas fornecidas por emendas parlamentares que iremos criar um novo ciclo virtuoso na economia local.

As respostas que precisamos estarão no plano municipal, essa é a verdade. Nesse caso, o futuro prefeito terá que entender que há um potencial muito grande para que o município seja um criador e difusor de tecnologia. É que aqui existem instituições universitárias que produzem ciência e tecnologia e que já mostraram ter um enorme potencial para contribuir para o necessário alavancamento de iniciativas em prol do desenvolvimento econômico do município. Obviamente falo aqui do IFF, da Uenf, da Uff e UFRRJ, já que a pesquisa é algo incipiente (para não dizer completamente ausente nas instituições privadas de ensino superior). Uma forma de agilizar e potencializar a produção de tecnologia a partir das instituições públicas de ensino seria a criação da Secretaria Municipal de Ciência e Tecnologia, a quem seria destinada a tarefa de apoiar aquelas iniciativas de interesse direto do município. Aliás, o atraso na criação desta secretaria é algo que mostra quão atrasada tem sido a forma de gerir o município. Se tivéssemos imitado o que fez Campinas a partir da instalação da Unicamp, o mais provável é que Campos dos Goytacazes já estivesse auferindo ganhos econômicos com seus avanços no campo da ciência e da tecnologia.

Outro setor que os dois candidato a prefeito apenas murmuram propostas foi na área agrícola. Ambos falaram em apoiar a agricultura municipal, mas não deixaram explícito como fariam isso. No caso de Wladimir Garotinho, a presença do aplicado Frederico Paes já sinaliza que a agricultura que será privilegiada será a da monocultura da cana-de-açúcar, o que considero um equívoco colossal. A razão é simples: o ciclo sucro-alcooleiro está encerrado em Campos dos Goytacazes em função da concorrência desproporcionalmente mais capitalizada de outros centros, a começar por São Paulo. A saída aqui seria investir no processo de agregação de valor na agricultura familiar, aproveitando a existência não apenas de 10 assentamentos de reforma agrária, mas de centenas de pequenos produtores que produzem grandes quantidades de alimentos, os quais acabam sendo exportados para outras partes do Brasil. O futuro prefeito deveria criar uma secretaria do desenvolvimento agrário que focasse na criação de cooperativas e agro-indústrias de base familiar. Com isso, haveria uma dinamização de diversos setores da economia familiar e a ampliação da renda agrícola.

Um terceiro aspecto essencial que precisa ser atacado é a reconstituição das políticas sociais. Ao contrário do que pleiteiam as cassandras do fiscalismo, as políticas sociais são um elemento chave para a retomada da atividade econômica, especialmente em um período de forte desemprego causado, entre outras coisas, pela pandemia da COVID-19. Assim, o futuro prefeito deverá resistir às pressões e chantagens para ter a coragem de remanejar partes do orçamento que permitam não apenas a reabertura do restaurante popular, mas também a volta da passagem social e de algum programa assemelhado ao Cheque Cidadão. A verdade é que só com essas políticas sociais reestabelecidas teremos a capacidade mínima dos mais pobres de se alimentar todos os dias.  Aqueles que se opõe à volta dessas políticas sociais o fazem porque querem que esses recursos para si mesmos, mantendo a lógica de que a retirada de recursos públicos para as elites é investimento e o financiamento de programas que minimizem a miséria é “populismo”. 

Lembro ainda ao futuro prefeito de que vivemos um período de mudanças climáticas que irão afetar o município de Campos dos Goytacazes das mais diferentes formas. A inexistência de qualquer setor que possa discutir os ajustes às mudanças climáticas significa nos condenar a um futuro ainda miserável.  As modelagens científicas permitem dizer que partes da Baixada Campista deverão ser invadidas pelo mar, enquanto que a malha urbana principal deverá sofrer cada vez mais com eventos meteorológicos extremos, condenando vários bairros a permanecerem alagados por várias semanas por ano.  Nesse sentido, uma administração minimamente moderna terá que estar antenada com a questão das mudanças climáticas, pois elas e suas consequências são imparáveis.

Parando por aqui, um elemento final de reflexão: todas as indicações vindas da Europa e dos EUA (com a eleição de Biden) é de que o ciclo neoliberal entrou em seu processo de agonia final.  Com isso, teremos uma retomada da primazia do Estado como elemento norteador da economia global. Tentar impor a continuidade mesmo modelo de destruição do Estado implantando por Rafael Diniz e seus menudos neoliberais resultará no aprofundamento da crise atual.  Uma administração minimamente capacitada de ser chamada de democrática terá que entender essa mudança da direção dos ventos da economia global sob pena do eleito ser amanhã o que Rafael Diniz se tornou hoje.

Em Campos dos Goytacazes, Rafael Diniz colheu o que plantou e ressuscitou o “Garotismo” como principal força política

Família-GarotinhoPopulação puniu Rafael Diniz por seu estelionato eleitoral, e promoveu a ressurreição do “Garotismo” que tem agora a chance real de voltar a comandar a prefeitura de Campos dos Goytacazes

Os resultados das eleições municipais em Campos dos Goytacazes marcam no caso das escolhas para quem será o próximo prefeito o enterro inapelável das políticas de extermínio das políticas sociais executadas pelo jovem prefeito Rafael Diniz. A colocação em quarto lugar, pouco acima da professora Natália Soares (uma candidata com muito menos dinheiro e tempo de TV) mostra que o estelionato eleitoral que Rafael Diniz cometeu não passou, felizmente, em brancas nuvens para a maioria da população que o elegeu de forma acachapante em primeiro turno em 2016. É a consumação do famoso bordão “colheu o que plantou”.

Mas além de afundar nas urnas de forma igualmente acachapante, Rafael Diniz propiciou a ressurreição do grupo político do ex-governador Anthony Garotinho que quase logrou eleger em primeiro turno o deputado federal Wladimir Garotinho.  E nem as manobras feitas para judicializar mais uma vez as eleições municipais vão servir para obscurecer o fato de que o “Garotismo”, tal como uma Fênix, renasceu das cinzas para voltar a ser a principal força política do município. Até porque o “Arnaldismo” é uma espécie de gene mutante do Garotismo e que, dada a questão etária do principal representante dessa variante, tenderá a se confrontar com um beco evolutivo porque isso é o que acontece com variações mutantes na natureza. E  há que se lembrar que entre cópia e original, a população já mostrou muitas vezes que prefere o original.

Quero notar ainda a minha satisfação com os votos recebidos pela Professora Natália Soares do PSOL. É que com uma campanha bem menos turbinada financeiramente foi possível difundir uma proposta de gestão municipal que finalmente nos ofereça um caminho para além das disputas entre grupos cuja gênese é basicamente a mesma, e cuja diferenciação se deu por motivos que não são exatamente aqueles que deveriam ser.  A minha expectativa é que o bom trabalho iniciado pelo PSOL se amplie para além do cacoete identitário, e que os membros do partido consigam fazer conexões para aquelas amplas faixas da população que se movem mais pelas necessidades que lhes são historicamente negadas do que por identidades que não lhe caem bem por não resolverem uma questão básica: quem tem fome, tem pressa.

Um último detalhe. Há agora quem venha dizer que previu isso ou aquilo, e que se sabia desde sempre que esse ou aquele candidato chegaria aqui ou ali. Essa tipo de atitude chamada nos EUA de “Monday morning quarter back” (ou artilheiro de futebol de segunda-feira de manhã) é não apenas oportunista, mas de péssimo gosto já que ficava óbvio que as previsões feitas eram daquelas do tipo “joga-se o papel picado do alto do prédio para ver que bicho dá”.   Nesse caso, há que se notar que há “artilheiro de segunda feira” que questionou as pesquisas eleitorais da agência de monitoramento “Fonte Exclusiva“, ligada ao Portal Viu que acabaram sendo aquelas que chegaram bem mais perto dos resultados finais do primeiro turno.

Finalmente, quero dizer que os dois candidatos que foram para o segundo turno (Wladimir Garotinho e Caio Vianna) aproveitem a oportunidade que lhes foi oferecida pela população para apresentarem seus planos concretos de governo. Essa será a única garantia de que não sigam o mesmo destino trilhado pelo agora defenestrado Rafael Diniz. É que está mais do que demonstrado que a população de Campos dos Goytacazes não aceitará mais o tipo de estelionato eleitoral que foi cometido por Rafael Diniz. E que vença aquele que convencer a população que seu plano de governo é melhor. Afinal de contas, essa cidade precisa sair da beira do abismo em que se encontra.

Reviravolta em Campos dos Goytacazes: Caio Vianna fica sem vice após uma semana do anúncio da aliança entre PDT e PSL

Fabiano-e-caio-2Caio Vianna, Coronel Fabiano e o deputado Felício Laterça no momento em que anunciaram a aliança que agora pode fazer água

As idas e vindas que estão marcando a curiosa (vamos adjetivar assim por falta de outra coisa melhor) aliança entre o PDT e o PSL em  Campos dos Goytacazes. É que circula de forma frenética nas redes sociais um comunicado do Coronel Fabiano no sentido de que após conversa com o deputado federal Felício Laterça, vice-presidente regional do PSL/RJ, ele teria decidido abrir  mão da oportunidade de disputar as eleições municipais de 2020 (ver imagem abaixo).

wp-1600895094080.png

Uma informação ainda extra-oficial é que essa decisão do Coronel Fabiano, caso seja confirmada, criará uma situação complicada para o pré-candidato Caio Vianna que poderia, inclusive, ter de lançar sua mãe, a ex-vereadora Ilsan Vianna, para ocupar o posto de vice-prefeita na chapa PDT/PSL.

Como se vê, não vai ser de falta de emoção que as eleições municipais em Campos dos Goytacazes irão padecer.

Caio Vianna e seu elogio fora de lugar na Uenf

Caio-Vianna-1

Conheço Caio Vianna, o jovem político e potencial aspirante à cadeira de prefeito de Campos dos Goytacazes, faz bastante tempo. Durante a greve desgastante que tivemos que travar para garantir o recebimento de nossos salários em 2017, ele visitou a sede da Associação de Docentes da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Aduenf) e lá gravou uma mensagem de apoio político que foi importante no contexto de extrema degradação que atravessávamos naquele momento doloroso.

Por conhecê-lo e saber que ele conhece minimamente a realidade em que a Uenf está imersa é que não entendi porque tendo a oportunidade de dar crédito a quem segurou e continua segurando o piano, que são os professores e servidores técnico-administrativos,que em 2017 ficaram 4 meses sem receber salários, Caio Vianna resolveu deitar elogios ao ex-reitor Luis Passoni e ao seu ex-chefe de gabinete e agora reitor Raul Palacio ( ver imagem abaixo).

IMG-20200104-WA0001 (1)

A verdade é que a Uenf continua de portas abertas, produzindo ciência e gerando novos quadros profissionais para o Norte Fluminense, apesar da reitoria que a dirigiu de forma omissa e submissa nos momentos mais difíceis que tivemos na história dessa jovem instituição. No caso da Uenf, a prática tem demonstrado que o coletivo é mais forte do que seus frágeis dirigentes.

De todo modo, a mim parece preocupante que alguém que quer se apresentar como alternativa ao modelo falido de administração pública da gestão de Rafael Diniz possa pensar que instituições são construídas e consolidadas por causa do trabalho deste ou daquele indivíduo.   Melhor fará Caio Vianna se assimilar algo que Darcy Ribeiro, fundador da Uenf dizia: universidades são construídas coletivamente por todos os que nelas estão inseridos, independente da função que ocupem. Se aprender essa lição deixada por Darcy,  Caio Vianna poderá evitar, caso venha a se tornar um dia prefeito de Campos dos Goytacazes,  um erro crasso que Rafael Diniz cometeu: negligenciar a importância dos que carregam o piano.