Jair Bolsonaro do Brasil cancela abruptamente a visita aos EUA após protestos

A desistência do líder de extrema direita, que deveria receber um prêmio de prestígio, está sendo chamada de “um grande constrangimento”

bolso

Jair Bolsonaro faz um gesto durante uma cerimônia no Palácio do Planalto em Brasília, Brasil. Foto: Adriano Machado / Reuters

Por Dom Phillips para o “The Guardian”, desde o Rio de Janeiro

O presidente de extrema direita do Brasil, Jair Bolsonaro, cancelou abruptamente uma viagem dos EUA onde iria receber um prêmio de prestígio depois de uma tempestade de protestos sobre sua história de comentários homofóbicos, racistas e misóginos e planos de corroer as proteções ambientais na Amazônia.

O cancelamento, anunciado de repente na sexta-feira, veio depois que o local originalmente escolhido para abrigar a cerimônia se recusou a sediar o evento, o prefeito de Nova York atacou sua presença, e os principais patrocinadores corporativos foram embora. O porta-voz de Bolsonaro culpou ataques ideológicos de grupos de interesse e Bill de Blasio, o prefeito de Nova York.

O cancelamento é uma saída humilhante para Bolsonaro, que idolatra os Estados Unidos e foi homenageado por Donald Trump durante uma visita em março a Washington. Analistas dizem que é um sinal da reprovação internacional que suas visões extremistas e posições anti-ambientais estão começando a despontar no mundo.

“É um grande constrangimento”, disse Paulo Baía, professor de ciência política da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

A cerimônia anual de premiação da Personalidade do Ano seria realizada no dia 14 de maio pela Câmara de Comércio Brasil-EUA. Juntamente com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, Bolsonaro seria homenageado por “fomentar laços comerciais e diplomáticos mais estreitos entre o Brasil e os Estados Unidos” e seu “compromisso de construir uma parceria forte e durável” entre os dois países, disse a Câmara.

O evento de gala estava originalmente previsto para ser apresentado no Museu Americano de História Natural – mas o museu suspendeu o uso de suas dependências pelo evento após críticas de grupos LGBT e ambientalistas. No mês passado, Bolsonaro disse que o Brasil não poderia se tornar um paraíso do “turismo gay” e que seu governo tem sido criticado por planos de desmantelar as proteções da Amazônia e desenvolver economicamente reservas indígenas protegidas.

“Jair Bolsonaro é um homem perigoso”, o prefeito Bill de Blasio twittou  enquanto agradecia ao museu pela decisão de não sediar o evento.

O evento de gala foi transferido para o hotel Marriott Marquis, mas depois a Delta Airlines e a Bain & Company, uma empresa de consultoria de gestão, retiraram o seu apoio, informou a CNN. O Financial Times fez o mesmo.

“Aparecer de verdade poderia ter sido um desastre completo, com manifestantes lotando a Times Square e o evento se tornando um símbolo da sociedade civil que se opõe ao líder da extrema direita”, disse Oliver Stuenkel, professor de relações internacionais da Fundação Getulio Vargas de São Paulo.  

Em comunicado na sexta-feira, o porta-voz de Bolsonaro, general Otávio do Rêgo Barros, culpou a “resistência e ataques deliberados do prefeito de Nova York e pressão de grupos de interesse”. O general disse que esses ataques foram “ideológicos”.

Maurício Santoro, professor de relações internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, disse que era notável que Bolsonaro estivesse enfrentando tais protestos corporativos apenas quatro meses após sua presidência.

“Podemos imaginar o que vem pela frente”, disse ele.

______________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado em inglês pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Museu de História Natural de Nova York diz que “explora opções” para não sediar cerimônia que premiará Jair Bolsonaro

041119braziltrump.jpg

A obscura “Câmara de Comércio Brasil-EUA” costuma usar as dependências do Museu História Natural da cidade de Nova York (MHN-NY)para sediar sua cerimônia anual de entrega do prêmio também obscuro de “Personalidade do Ano” para uma personalidade brasileira e outra estadunidense ao preço médio de quase R$ 100 mil reais  para quem for participar. 

museu 3

Pois bem, esse ano a coisa ficou complicada para a direção do  MHN-NY porque a personalidade premiada será o presidente Jair Bolsonaro, o que provocou uma onda de protestos de associados e de organizações da sociedade civil novaiorquina que consideram a presença de um político de extrema-direita como sendo antagônica aos valores éticos e políticos que deveria ser expressos pela instituição.

A situação está se mostrando tão problemática que a direção do MHN-NY já fez publicar em sua página oficial da rede social Twitter que “o evento externo e privado em que o presidente do Brasil será homenageado foi contratado para ocorrer no museu antes que se soubesse quem seria premiado.” O tweet acrescenta ainda que a direção do Museu está “profundamente preocupada e exploração todas as opções”.

museu historia natural

Esse tweet já mereceu quase 200 comentários onde a maioria dos usuários do Twitter exigem que o evento seja simplesmente cancelado pela direção do MHN-NY.

museu historia 2

Há que se dizer que especialmente dentro da equipe de cientistas do  MHN-NY a presença do presidente Jair Bolsonaro está recebendo forte oposição à luz de suas posições políticas frente à proteção ambiental e também pelos cortes orçamentários que estão sendo realizados na área da ciência e tecnologia.

Essa é uma prova de que pensar que a posição política do Brasil dentro dos EUA se resolve apenas com visitas de “boa vontade” à Casa Branca (boa vontade unilateral, diga-se de passagem) é um erro crasso que está causando graves danos aos interesses brasileiros até naquele país.  Além disso, essa manifestação da direção do MHN-NY demonstra o grau de desgaste da imagem do presidente Bolsonaro, visto que essa movimentação para não sediar este evento é, digamos, inédita. E, pior, se não houver o cancelamento é muito provável que a cerimônia de gala não seja tão tranquila quanto os que desembolsarem R$ 100 mil para estar lá gostariam que fosse. A ver!