Rede que administra US$ 20 trilhões é mais uma a sinalizar risco de investimento em empresas de proteína animal

Relatório calcula que taxas de emissão de carbono podem custar US﹩ 11 bilhões. Adicionalmente, surtos de COVID-19 em fábricas de carne no Brasil ameaçam exportações.

A taxação das emissões geradas pela produção de animais de criação está ganhando impulso entre formuladores de políticas públicas no exterior, de acordo com o mais recente relatório  da Fair Animal Investiment- Risk and Returno (FAIRR), uma rede global de investidores que administra mais de US$ 20 trilhões em ativos. A entidade calcula que os impostos sobre o carbono podem custar a um conjunto de 40 empresas líderes no setor de proteína animal até US﹩ 11,6 bilhões em EBITDA até 2050 — um impacto médio de 5% da receita de cada empresa.

fairr report

A avaliação vem na esteira de uma sequência de sinalizações negativas para o setor brasileiro de commodities. Somente no mês de junho, foram duas ameaças diretas de desinvestimento em empresas do país — e até nos Títulos Soberanos do Brasil — caso o governo não conseguisse frear o desmatamento. Um grupo que inclui a holandesa Robeco, e que administra US﹩ 2 trilhões, disse à Reuters em 19/06 que deixarão de investir em empresas de carne e grãos do Brasil por conta da destruição da Floresta Amazônica. Em 23/06, foi a vez de 29 empresas globais de investimentos (com U﹩ 3,7 trilhões em ativos) assinarem carta conjunta pedindo mudanças na política ambiental do governo de Jair Bolsonaro.

Além das emissões oriundas do desmatamento, o relatório da FAIRR avalia que o setor de carne envolve elevado risco para a saúde humana, e que a pandemia de COVID-19 (uma zoonose em sua origem) deu novo impulso a essas discussões. Essas preocupações tornaram-se particularmente prementes para formuladores de políticas, avalia o documento, criando riscos materiais que merecem a consideração dos investidores.

“Uma análise de causa-raiz da pandemia de COVID-19 provavelmente mostrará a necessidade urgente da indústria de carnes e de peixes de melhorar as práticas de biossegurança e triagem”, prevê Coller. “No cenário pós-COVID, existe o risco de os governos pararem de subsidiar a agricultura animal e começarem a taxá-la em vez disso.” Ward concorda com a avaliação de Coller e ressalta que, “na sequência da pandemia, provavelmente haverá uma pressão regulatória crescente sobre a indústria de carnes para evitar futuras pandemias zoonóticas.”

Recentemente, a China suspendeu importações de carne de quatro unidades de processamento no Brasil devido a surtos de COVID-19. Esse cenário ganhou contornos socioambientais dramáticos na fábrica da JBS em Dourados (MS) após contaminação em massa de funcionários indígenas. Líderes das aldeias da região já contabilizam 201 pessoas contaminadas e uma morte — um homem de 56 anos de idade. 33 dessas pessoas infectadas são trabalhadores da empresa, e a maioria das outras vítimas são membros das comunidades às quais esses funcionários pertencem — quase todos Guarani Kayowá, uma das etnias mais ameaçados do país.

O surto na JBS transformou Dourados, uma cidade de 210 mil habitantes, no epicentro do novo coronavírus no estado de Mato Grosso do Sul, com 2.670 casos. Comparativamente, a capital do estado, Campo Grande, com uma população de 700 mil habitantes, conta com pouco mais 1.400 casos. Na cidade de Trindade do Sul, no sul do Rio Grande do Sul, uma planta da JBS também causou a propagação da doença entre funcionários indígenas.

Os dois casos de funcionários da Seara que moram em Rio Brilhante foram descobertos em barreira sanitária (Foto: Divulgação)Com 36 casos, indústria da JBS espalha coronavírus em cinco municípios do Mato Grosso do Sul- CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

Os Povos Indígenas são mais vulneráveis ​​à atual crise sanitária devido à dificuldade de acesso aos serviços de saúde. Ao mesmo tempo, empresas de carnes favorecem a disseminação do novo coronavírus por serem ambientes úmidos, com pouca circulação de ar e baixas temperaturas. O barulho das máquinas de refrigeração faz as pessoas gritarem para serem ouvidas, espalhando gotas de saliva no ar. O modelo de trabalho nessas fábricas não permite uma distância segura de 1,5 metro, além da existência de pontos de aglomeração de trabalhadores. Frigoríficos são considerados serviços essenciais.

Tendência de taxação sobre emissões

O relatório afirma que a legislação progressiva deve vincular as receitas provenientes dos impostos sobre a carne a benefícios sociais específicos, como preços mais baixos de frutas e legumes ou apoio aos agricultores para uma transição ecológica. Para tanto, foram avaliadas discussões políticas recentes sobre novos impostos sobre a carne, incluindo um estudo encomendado pelo governo holandês sobre “preços justos da carne” e um projeto de lei na Nova Zelândia. Se aprovada, a nova legislação tributará emissões da pecuária dentro do chamado Esquema de Comércio de Emissões, que entra em vigor no país a partir de 2025.

Jeremy Coller, fundador da FAIRR e diretor de investimentos da Coller Capital, avalia que “existe um consenso crescente de que não podemos alcançar o Acordo Climático de Paris a menos que lidemos com a agricultura industrial – um setor que emite mais gases de efeito estufa do que todos os aviões, trens e carros do mundo juntos.”

“O governo da Nova Zelândia criou uma lei para medir e precificar as emissões das fazendas a partir de 2025, e há um risco claro para o setor de que outros reguladores sigam o exemplo”, avalia o diretor, que alerta que investidores estão começando a considerar esse aspecto em suas avaliações de longo prazo sobre empresas de carne.

“Desde o relatório de 2017 da FAIRR sobre tributação da carne, a conversa sobre o preço da carne na Europa mudou completamente”, avalia Jeroom Remmers, diretor da True Animal Protein Price Coalition (TAPP). “Fundamentalmente, a Coalizão TAPP descobriu que a maioria dos consumidores agora apoia mais impostos sobre carne, se outros produtos alimentícios, como vegetais, diminuírem de preço, e legisladores como a Comissão da União Europeia estão mais receptivos do que nunca.”

Para Rommers “é vital que investidores como a rede FAIRR usem sua influência para garantir que os preços dos alimentos reflitam os custos reais de poluição, emissões e desmatamento em suas cadeias de fornecimento.”

Para Faith Ward, diretora de investimentos responsáveis ​​da Brunel Pension Partnership, o impacto climático da carne provavelmente apresenta os maiores riscos materiais para os investidores a longo prazo. “A pesquisa da FAIRR mostra que a carne está em um caminho claro que provavelmente terminará com tributação de alguma forma, a fim de reduzir seu impacto no clima. Investidores perspicazes devem se aproximar das discussões sobre esse assunto para ficar à frente da curva.”

Bancos de desenvolvimento que financiam fazendas industriais em todo o mundo

Bilhões de dólares estão sendo bombeados para as indústrias de carnes e laticínios, apesar de sua vasta contribuição para a catástrofe climática que se aproxima

carne 0

Por Andrew Wasley , Alexandra Heal para o Bureau of Investigative Journalism

Dois dos principais bancos de desenvolvimento do mundo investiram bilhões de dólares no setor pecuário global, apesar das advertências de que a redução do consumo de carne e laticínios é essencial para enfrentar a crise climática.

A International Finance Corporation (IFC) – o braço de empréstimos comerciais do Banco Mundial – e o Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento (BERD) forneceram US$ 2,6 bilhões para a criação de porcos, aves e carne bovina, bem como para o processamento de laticínios e carne nos últimos 10 anos.

O governo do Reino Unido é um grande financiador de ambos os bancos e seu próprio banco de desenvolvimento, o CDC, também investiu dezenas de milhões de libras esterlinas no setor pecuário global na última década, incluindo financiamento para um confinamento de carne bovina em escala industrial na Etiópia e empresas de aves. no Níger e em Uganda.

Os bancos de desenvolvimento são instituições financeiras que fornecem capital de médio e longo prazo para fins de crescimento econômico nos países mais pobres. A IFC e o BERD se comprometeram publicamente a combater as mudanças climáticas provocadas pelo homem e a tomar decisões de investimento com o clima em mente.

Mas uma investigação do Bureau of Investigative Journalism e The Guardian revelou que o financiamento da IFC e do BERD – que envolvia investimentos diretos, empréstimos e outros apoios financeiros – foi usado em megafarmas em escala industrial, matadouros e na expansão de empresas multinacionais de carnes e laticínios.

Em um caso recente, um confinamento de gado de corte em Madagascar, de propriedade de um conglomerado de mais de 20 empresas, recebeu um financiamento no valor de US$ 3,5 milhões para produzir carne para exportação para o Oriente Médio e para o mercado doméstico. Em outro, a Smithfield Foods, a maior empresa suinícola do mundo, recebeu uma injeção substancial de dinheiro da IFC por suas atividades na Romênia.

carne 1Cientistas têm repetidamente alertado sobre a considerável pegada climática da criação de animais

Uma crise iminente

Os cientistas têm repetidamente alertado sobre a pegada climática considerável da criação de animais – produz quase 15% das emissões de gases de efeito estufa causadas pelo homem – e disseram que, a menos que o consumo global seja reduzido, os esforços para enfrentar significativamente as mudanças climáticas fracassarão.

“A expansão da produção e do consumo de carne e laticínios é incompatível com os objetivos do acordo climático de Paris”, disse o professor Pete Smith, presidente de ciência de plantas e solo da Universidade de Aberdeen e principal autor de um relatório histórico da ONU sobre o impacto de uso da terra e agricultura nas mudanças climáticas. Ele citou uma pesquisa mostrando que metade da população global precisa mudar para dietas vegetarianas ou veganas até 2050 para cumprir as metas de Paris.

“Embora alguns investimentos de agências de desenvolvimento e bancos em agricultura animal para melhorar a segurança alimentar nos países mais pobres do mundo possam ser justificáveis, investimentos maciços em sistemas de produção pecuária em países que já têm altos níveis de consumo e em empresas multinacionais de carnes e laticínios, claramente não é ”, acrescentou.

Os produtos de origem animal tendem a ter pegadas ambientais muito mais altas – em alguns casos 10 a 100 vezes mais – do que os alimentos à base de plantas, devido à quantidade de terra, água, fertilizantes emissores de gases de efeito estufa e energia necessária para produzir uma porção de proteína. O setor pecuário usa mais de três quartos das terras agrícolas do mundo, como pasto ou como terra produtora de ração animal, mas fornece apenas 18% das calorias globais.

Na semana passada, em um relatório climático histórico, o Banco Mundial se comprometeu a trabalhar com clientes para incentivar dietas sustentáveis ​​e “direcionar os fatores para o aumento do consumo de carne”, e disse que está considerando advogar por um imposto sobre o carbono no setor pecuário. O relatório exaltou os benefícios climáticos dos substitutos da carne à base de plantas.

Jeremy Coller, chefe da empresa de investimentos Coller Capital e fundador da rede financeira responsável FAIRR, disse que, enquanto o mundo financeiro estava começando a desempenhar seu papel na redução de gases de efeito estufa, era “loucamente desconectado e inconsistente para a IFC e o BERD investirem fundos públicos na agricultura animal intensiva, uma das indústrias de maior emissão do mundo ”.

Ele disse que os produtores de carne devem ser urgentemente encorajados a mudar sua mistura de ração e gado para culturas e espécies favoráveis ​​ao clima, como algas ou algas marinhas, ou diversificar para alternativas de carne mais ecológicas.

carne 2A criação de porcos recebeu uma injeção substancial de dinheiro dos bancos de desenvolvimento. David Tadevosian / Alamy

Nossa análise de registros públicos e dados do setor destaca como os bancos financiaram empresas que operam na Europa Oriental, Ásia, África, Oriente Médio e América Latina. Alguns dos investimentos foram em países onde a oferta de carne é atualmente baixa, como a Etiópia, mas outros foram feitos em locais onde o consumo per capita de carne já é alto ou médio, como Ucrânia, China e Romênia.

O setor de laticínios foi o maior beneficiário de financiamento da IFC e do BERD, com empresas de processamento e fazendas recebendo mais de US $ 1 bilhão. Cada setor de suínos e aves recebeu cerca de US $ 500 milhões.

Demanda crescente

A IFC disse à Repartição que intencionalmente atende à crescente demanda global por carne e laticínios e que o setor pecuário é um pilar essencial da segurança alimentar e redução da pobreza em muitos países. Reconheceu, no entanto, que o setor tinha uma “grande pegada ambiental e climática”.

O Banco Europeu afirmou que os setores de carnes e laticínios representam um elemento importante na dieta de muitas pessoas, mas que os projetos de pecuária representam cerca de 1% de seu investimento total nas empresas. Ambos os bancos disseram que trabalham para reduzir as emissões dos projetos que financiam.

Especialistas que falaram com a Repartição enfatizaram que não deve haver uma abordagem única para lidar com o impacto do setor pecuário na crise climática.

A Dra. Catherine Nkirote Kunyanga, professora do Centro de Segurança Alimentar da Universidade de Nairóbi, disse que expandir a produção pecuária acessível é incrivelmente importante em muitos países onde as famílias ainda não conseguem manter uma dieta saudável devido à renda ou à geografia.

“Uma das coisas que promovemos na nutrição são as pessoas que consomem mais proteína animal, para realmente combater a desnutrição energética protéica, que é muito comum na África”, disse ela, acrescentando que em algumas regiões onde o clima e o solo não se adaptam ao crescimento culturas, a pecuária é a chave para a segurança no emprego e a nutrição.

Ela disse que os apelos globais para reduzir o consumo de carne e laticínios para enfrentar as mudanças climáticas devem ser direcionados aos países ocidentais e que os bancos multilaterais de desenvolvimento devem investir apenas na expansão da pecuária em países com baixos níveis de consumo de carne.

O professor Tahseen Jafry, diretor do Centro de Justiça Climática da Universidade Caledonian de Glasgow, observou: “As comunidades mais pobres de todo o mundo sofrem mais com os impactos climáticos e são essas comunidades que precisam mais de apoio”.

No entanto, o impacto de cada projeto deve ser considerado em relação aos orçamentos de emissões globais e nacionais, de acordo com o professor Tim Benton, diretor do programa de Energia, Meio Ambiente e Recursos da Chatham House.

Mas ele alertou que tentar reduzir a pegada de carbono de um litro de leite ou de uma única galinha é inútil quando a demanda por esses produtos continua aumentando. “Só porque a eficiência dos gases de efeito estufa de uma unidade de carne ou laticínios melhorou, se todo mundo estiver comendo mais, as emissões totais provenientes de carne ou laticínios podem aumentar”.

Ambos os bancos de desenvolvimento disseram à Repartição que avaliam projetos individuais para suas emissões de carbono. O BERD afirmou ainda que havia introduzido práticas para avaliar os riscos climáticos em todo o seu portfólio.

carne 3Os produtores de leite também foram financiados. Fotografia de Teila K / Alamy

Algumas das empresas financiadas pelos bancos de desenvolvimento são agronegócios multinacionais ou suas subsidiárias ou afiliadas. Em 2010, o BERD participou nas subsidiárias da Europa Oriental e da Ásia Central do grupo francês Danone, uma das maiores empresas de laticínios do mundo que gerou vendas de € 25,3 bilhões em 2019. O BERD disse que seu investimento – agora encerrado – havia sido destinada a expandir os mercados de laticínios e as operações da Danone na Rússia, Ucrânia, Bielorrússia e Cazaquistão.

Entre os projetos recentemente aprovados pela IFC está um empréstimo de US $ 54 milhões para a gigante de aves da Índia Suguna, o principal fornecedor de frango do país e um dos 10 maiores produtores mundiais de aves. A empresa atende mercados de exportação e consumidores indianos.

O empréstimo da IFC é, em parte, projetado para ajudar a expansão da empresa no Quênia e Bangladesh, com financiamento destinado à construção de fábricas de ração e incubatórios.

O agronegócio totalmente integrado, que alega trabalhar com 39.000 fazendas em 18 estados indianos, foi anteriormente envolvido em controvérsia depois que foi alegado que um antibiótico, cujo uso a OMS havia dito que deveria ser reduzido, foi encontrado em uso em um de seus contratos fazendas. A empresa negou isso.

Separadamente, a subsidiária de saúde veterinária da empresa – Globion – comercializou vários antibióticos para uso na avicultura. Isso inclui o Colibac, que contém a substância colistina – que foi associada ao surgimento da superbactéria mcr-1 – e que foi proibida para uso em animais de criação na Índia em 2019.

A Suguna não é a única empresa de aves da Índia a ser apoiada pela IFC, com a rival Srinivasa recebendo uma injeção de mais de US $ 20 milhões em 2018.

A Smithfield Foods – agora parte do conglomerado chinês WH Group – também se beneficiou do financiamento da IFC, com empréstimos de US $ 60 milhões para suas operações na Romênia. A Smithfield é a maior produtora de suínos e processadora de suínos do mundo, e recentemente alcançou as manchetes mundiais depois que a pandemia do Covid-19 a forçou a fechar sua principal fábrica de frigoríficos em Dakota do Sul, que supostamente fornece 18 milhões de refeições por dia aos consumidores dos EUA.

Objetivos conflitantes?

Uma pesquisa do Coller FAIRR Index indicou recentemente que 77% dos principais produtores de carne, peixe e laticínios, incluindo a maioria das maiores empresas de carne listadas na Ucrânia e na China, se enquadravam na categoria de “alto risco” ao lidar com as mudanças climáticas, o que significa que eles não medem adequadamente todas as emissões de gases de efeito estufa e não têm metas significativas para reduzi-las.

O governo do Reino Unido prometeu usar sua presidência da COP26, as conversações anuais sobre o clima da ONU, para “esverdear as cadeias de suprimentos locais e internacionais de alimentos e produtos essenciais” e “aumentar o alinhamento dos fluxos financeiros com o valor líquido zero”.

O CDC disse à Repartição que estava prestes a publicar uma nova estratégia de mudança climática para garantir que as empresas agrícolas que investiram implementassem “práticas agrícolas inteligentes em termos climáticos, a fim de reduzir as emissões e aumentar a resiliência a um clima em aquecimento … Também é importante lembre-se de que uma em cada cinco pessoas que vivem na África sente fome. Aliviar os níveis de desnutrição crônica e melhorar a segurança alimentar continuam sendo objetivos vitais de desenvolvimento. ”

A IFC aceitou que a proteína animal tem “uma grande pegada ambiental e climática, mas é importante observar que seu crescimento é impulsionado pela demanda e está ligado às preferências das pessoas em consumir laticínios e carne”.

Justificou os investimentos na indústria pecuária, dizendo que “na maioria dos países em desenvolvimento há uma parcela significativa da população que luta para atender aos seus requisitos mínimos diários de nutrição, incluindo proteínas”.

Um porta-voz do BERD disse que o banco está “investindo principalmente em maior eficiência, melhorias no uso de energia ao longo das cadeias de suprimentos, bem-estar animal melhorado, gerenciamento e utilização de resíduos (incluindo gerenciamento de estrume) e produção de energia verde”.

O banco também disse que buscava ativamente a redução das emissões de gases de efeito estufa, “inclusive melhorando a eficiência de recursos ao longo das cadeias de suprimentos de carne, do cultivo à distribuição”.

Nota: Os números são cotados com base no dinheiro destinado a projetos específicos. Alguns foram convertidos para USD a partir de outras moedas.

Nosso projeto de Alimentação e Agricultura é parcialmente financiado pelos principais fundos do Bureau e parcialmente pela Hollick Family Foundation (para 2020) e The Guardian. Nenhum de nossos financiadores têm influência sobre as decisões ou resultados editoriais da Redação,

Imagem do cabeçalho: Andrea Matone / Alamy

fecho

Esta reportagem foi escrita originalmente em inglês e publicada pelo Bureau of Investigative Journalism [Aqui!].

Sem saber, brasileiros estão comendo frangos que foram recusados na Europa por causa de contaminação por Salmonela

salmonela

Frangos brasileiros contaminados por bactéria salmonela devolvidos por países da União Europeia estão sendo vendidos em supermercados brasileiros

Em meio aos imensos problemas que vivemos no Brasil, uma notícia passou basicamente sem ter a devida repercussão, apesar das graves consequências que a mesma traz para a vida dos brasileiros.  Falo da informação de que pelo menos 1,4 mil toneladas de frango que foram recusadas pelo Reino Unido por estarem contaminadas pela bacteria Salmonela poderão ser vendidas no Brasil.

frango salmonela

Precisamos lembrar que uma das primeiras propostas apresentadas publicamente pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM/MS) foi entregar o processo de fiscalização aos próprios frigorificos, tornando a fiscalização federal apenas uma espécie de apêndice da autofiscalização que as corporações que controlam a produção de carne animal e de laticínios no Brasil realizariam. 

É como se não bastasse que os brasileiros hoje estejam ingerindo resíduos agrotóxicos via o consumo de alimentos e água de torneira. Há que se acrescentar aí o fornecimento de carne animal que outros países estão recusando por estarem com níveis excessivos de contaminação biológica.

Note-se ainda que o fornecimento de alimentos contaminados que podem servir para a ocorrência de doenças que se manifestam de forma aguda ou crônica ocorre em um momento em que ocorre um desmonte do Estado, o que começa a deixar parcelas inteiras da população sem acesso a serviços públicos de saúde.

Este cenário dantesco só será evitado se houver um esforço para conscientizar e organizar as parcelas da população brasileira que terão mais problemas com o desmanche das estruturas de fiscalização sanitária.  Em outras palavras, ou nos organizamos ou estaremos destinados a consumir a comida que outros povos não aceitarão.

Enquanto Brasil caminha para “autocontrole”, EUA emite novas regras para aumentar segurança na produção de carne animal

Beef Recall

Aumento de casos de “recall” de carne animal forçam emissão de novas regras de controle de produção pelo Departamento de Agricultura dos EUA.

Enquanto no Brasil sob o governo Bolsonaro a ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM/MS), e seus aliados no agronegócio exportador se prepara para lançar medidas de autocontrole na produção de carne animal, nos EUA o governo Trump está para lançar novas regras em face do aumento dos casos de contaminação.

Segundo matéria assinada pelo jornalista Tom Polansek e publicada pela agência Reuters,  o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) irá orientar “os fabricantes de alimentos para iniciarem investigações internas quando receberem reclamações de clientes e notificarem o governo dentro de 24 horas se houver produtos contaminados no mercado“. Polansek informa ainda que “as diretrizes voluntárias, em andamento há meses, são projetadas para garantir que as empresas atendam aos requisitos regulatórios pré-existentes“. 

Polansek também aponta que a emissão dessas novas regras se deverá essencialmente ao fato de que dados obtidos pelo USDA mostram que “desde o início de 2018, a Tyson Foods, Smithfield Foods e outras empresas lançaram mais de 25 recalls envolvendo milhões de quilos de nuggets de frango, calzones, salsichas e outros alimentos que potencialmente continham materiais perigosos.

Um detalhe a mais na matéria de Polansek é de que os casos de contaminação, que envolvem desde contaminação por bacterias até corpos sólidos de madeira e plástico, estão sendo relacionados ao aumento da automação dentro das plantas industriais de grandes empresas da indústria da carne animal.

A matéria adiciona que foram feitos contatos com representantes da Pilgrim’s Pride, da JBS e da Smithfield Foods, do WH Group, mas que os mesmos não responderam aos pedidos de comentários.  E aí fica a questão para os consumidores brasileiros: se nem nos EUA onde os consumidores possuem grandes associações de defesa de seus direitos, a JBS não dá retorno sobre possíveis casos de contaminação, o que dirá no Brasil comandado pelo governo Bolsonaro e sua ministra da Agricultura?

Depois da China, Egito sinaliza que a lua de mel de Bolsonaro poderá ser curta

bolsonaro israel

Venho abordando neste blog que vários dos cenários que estão sendo desenhados pelo presidente eleito do Brasil podem ter consequências drásticas para o Brasil e sua já combalida economia. 

A primeira prova disso veio a partir de um duro pronunciamento do jornal chinês China Daily, uma espécie de porta-voz do governo chinês em inglês, que alertou para as consequências econômicas que poderiam advir para o Brasil em função da retórica belicosa que Jair Bolsonaro tem usado em relação aos negócios com a China [1].

Agora, em mais uma prova evidente de que as manifestações de um presidente eleito poderão causar graves repercussões econômicas foi o cancelamento de uma visita oficial que uma delegação brasileira faria ao Egito [2]. A razão óbvia para esta medida pouco usual da chancelaria egípcia foi o anúncio feito por Jair Bolsonaro de que a embaixada brasileira será transferida de Tel Aviv para Jerusalém.

bolsonaro palestina

Essa sinalização egípcia deverá ser vista com grande preocupação pelos pecuaristas brasileiros já que os países árabes representam o segundo mercado consumidor de carne brasileira. E se o Egito que não é um dos mais alinhados à causa palestina já adotou essa posição de enviar um “recado”, imaginem o que países mais sensíveis aos palestinos poderão fazer.

Aliás, em um trabalho de campo que realizei em grandes frigoríficos localizados no Centro-Oeste, tive a oportunidade de me deparar com profissionais árabes que estavam ali para fazer o abate de bovinos seguindo um ritual próprio e com instrumentos próprios. Ali aprendi que no momento do abate os animais eram, sempre que possível, orientados em direção à cidade sagrada de Meca.

Se realmente ocorrer a mudança da embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém, é possível que os frigoríficos brasileiros não tenham mais que se preocupar essas questões idiossincráticas no momento de abater seus animais.

Já ao presidente eleito restará saber que suas escolhas e preferências agora poderão ter pesados custos para a economia brasileira e para aqueles que o ajudaram a chegar ao poder.  Os primeiros a sentir isso são os vinte empresários brasileiros que já se encontram no Egito para uma rodada de negociações que não mais vai ocorrer, e agora retornarão de mãos literalmente vazias [3].


[1] https://observador.pt/2018/11/01/jornal-oficial-chines-adverte-bolsonaro-com-peso-da-china-para-a-economia-brasileira/

[2] https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/11/apos-declaracoes-de-bolsonaro-egito-cancela-viagem-de-comitiva-brasileira.shtml

[3] https://www.brasil247.com/pt/247/mundo/374260/Egito-barra-chanceler-do-Brasil-por-política-externa-ideológica-de-Bolsonaro.htm?fbclid=IwAR1_bv-GveBS5TG6f3ey4u8_JQQC9j74BGMqC68unVZnEtGw37B46yhYhWs#.W-CfEYY7QEI.facebook