The Guardian noticia caso de aliado de Bolsonaro preso com dinheiro nas nádegas

Polícia encontra dinheiro escondido entre as nádegas do aliado Bolsonaro

O senador  Chico Rodrigues foi pego com notas durante uma busca em sua casa

chico rodriguesChico Rodrigues teria 30.000 reais (mais de £ 4.000) em suas cuecas. Fotografia: Adriano Machado / Reuters

Por Tom Phillips no Rio de Janeiro para o “The Guardian”

Os esforços de Jair Bolsonaro para se retratar como um cruzado anticorrupção sofreram outro golpe depois que a polícia supostamente apreendeu um maço de notas de banco entre as nádegas cerradas de um de seus aliados.

Chico Rodrigues, o vice-líder do presidente brasileiro no Senado, teria sido pego com a trouxa escondida na quarta-feira, durante uma busca policial em sua casa. A operação fez parte de uma operação contra a suspeita de apropriação indébita de fundos públicos para combater a COVID-19.

O jornal Estado de São Paulo disse que duas fontes disseram que 30.000 reais (mais de £ 4.100) foram guardados nas cuecas de Rodrigues, um senador pelo estado de Roraima, no Amazonas.

 Para dar uma ideia de como a situação era absurda, algumas das notas recuperadas estavam manchadas de fezes”, relatou a Revista Crusoé , a revista conservadora que divulgou a história.

“Foi um cenário de considerável constrangimento”, disse a Crusoé sobre o momento em que a polícia fez a descoberta enquanto vasculhava a casa do senador na capital de Roraima, Boa Vista.

Os brasileiros compartilharam a notícia com a hashtag viral #PropinaNaBunda (Bribe up the Bum). Muitos sugeriram que o achado seria lembrado “nos anais da história”.

Rodrigues não deu nenhuma explicação imediata para o conteúdo de sua cueca, mas negou qualquer irregularidade, dando a entender que rivais estavam tentando manchar seu nome. “Tenho um passado limpo e uma vida respeitável. Nunca me envolvi em nenhum tipo de escândalo ”, insistiu o homem de 69 anos.

O presidente de extrema direita do Brasil conquistou o poder em 2018 prometendo erradicar o roubo político depois do que alguns chamaram de a maior investigação de corrupção da história .

“Não acredito que haja [corrupção] em meu governo”, disse Bolsonaro na quarta-feira, ameaçando desferir um “chute no pescoço” de qualquer político fraudador.

Seu governo tem sido afetado por escândalos, incluindo suspeitas de que um de seus filhos políticos, Flávio,  chefiou uma rede de corrupção. Flávio Bolsonaro negou essas afirmações.

fecho

Este artigo foi inicialmente escrito em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Chico Rodrigues, o senador do dinheiro na cueca, defende garimpos em terras indígenas e o fim da reserva legal

rodriguesPego com dinheiro na cueca, o senador Chico Rodrigues (DEM/RR) defende a liberação dos garimpos em terras indígenas e a extinção das reservas legais em propriedades rurais. Moreira Mariz/Agência Senado. Fonte: Agência Senado

Em uma prova de que não há acidente nas relações publicamente amáveis entre o presidente Jair Bolsonaro e o agora envergonhado senador Chico Rodrigues (DEM/RR), fontes confiáveis da área ambiental o apontam como um ardoroso militante das causas anti-ambiente, incluindo a defesa dos garimpos ilegais em terras indígenas e do avanço do desmatamento.

No vídeo abaixo produzido pela TV Senado, Rodrigues dá vazão às teses que negam a dimensão da catástrofe ambiental em curso na Amazônia, bem como utiliza o mesmo tipo de nacionalismo canhestro para negar o direito da comunidade internacional em se preocupar com as questões ambientais brasileiras.

Como se vê no vídeo, Chico Rodrigues é uma pessoa bastante articulada e que se posiciona de forma clara. Essa loquacidade serve para desmanchar qualquer propensão a tratar a apreensão de dinheiro nas partes íntimas do senador pela Polícia Federal como o resultado da ação destrambelhada de uma pessoa tosca.  Me desculpem pelo trocadilho infame, mas o buraco parece ser mais embaixo. Na verdade, Rodrigues tem sido um dos mais fiéis e ativos aliados do presidente Jair Bolsonaro e sua cruzada contra o meio ambiente e os povos indígenas na Amazônia. De tosco, na verdade, ele não tem nada. Ser apanhado com dinheiro nas partes íntimas posteriores foi apenas, digamos, um acidente de percurso.

Chico RodriguesO presidente Jair Bolsonaro e o senador Chico Rodrigues em um momento de congraçamento público

Mas uma coisa positiva nesse imbróglio lamentável será o enfraquecimento político de um adversário das causas ambientais na Amazônia.  Isso torna a ação da Polícia Federal um serviço inestimável não apenas ao combate à corrupção, mas também à defesa do meio ambiente na Amazônia.