Hamburger Connection: Big Mac é servido com molho de desmatamento e trabalho escravo, mostra reportagem exclusiva da Repórter Brasil

McDonald’s tem fornecedores ligados a desmatamento ilegal e trabalho escravo. Investigação mostra que não só o hambúrguer da rede de fast food está exposto a crimes ambientais e trabalhistas, mas também o suco de laranja, o café certificado e até mesmo a soja que alimenta os frangos da empresa na Europa

mcdonald´s amazon

Por André Campos, Poliana Dallabrida e Isabel Harari  para a Repórter Brasil

Todos os dias, o McDonald’s serve milhões de pessoas em seus mais de 40 mil restaurantes espalhados por todos os continentes. E os alimentos de origem brasileira são um item essencial nos cardápios da rede. Em muitos casos, no entanto, eles são fornecidos por empresas com histórico de desmatamento, trabalho precário ou até mesmo uso de mão-de-obra escrava nas suas redes de negócios.

Esta é a realidade abordada em um novo relatório da Repórter Brasil, que investiga os impactos associados à carne bovina, ao café, à soja e à laranja utilizados pelo McDonald’s em seus restaurantes. A investigação engloba não somente produtos vendidos no Brasil, mas também as operações da rede de fast-food em outros países das Américas, na Europa e na Ásia.

A criação de gado, por exemplo, é um dos principais vetores das queimadas e do desmatamento ilegal no Brasil, além de liderar o ranking de trabalhadores submetidos à escravidão contemporânea. Problemas que atingem em cheio frigoríficos com histórico recente de fornecimento ao McDonald’s.

Hambúrguer com gosto amargo: pecuária é um dos principais vetores de desmatamento no Brasil (Foto: Kevin Lanceplaine/Unsplash)

Eles incluem as operações de abate da JBS em Campo Grande (MS), onde a empresa mantém uma fábrica de hambúrguer. Em 2019, segundo apurou a Repórter Brasil, o frigorífico comprou animais da Fazenda Copacabana, mesmo ano em que foram resgatados nove indígenas que trabalhavam em condições análogas à escravidão no local.

Mas os problemas que atingem as unidades processadoras de hambúrgueres não se limitam, necessariamente, ao gado abatido localmente. Isso porque essas indústrias também podem utilizar carne trazida de outros frigoríficos distantes. A JBS, por exemplo, possui mais de trinta abatedouros espalhados pelo país, inclusive na Amazônia – diversas publicações da Repórter Brasil já mostraram como o desmatamento ilegal chega aos abatedouros da companhia, por meio de fraudes dos seus fornecedores diretos ou por meio dos seus fornecedores indiretos de gado.

Em diversas ocasiões, a JBS afirmou à Repórter Brasil não tolerar qualquer tipo de desrespeito ao meio ambiente, a comunidades indígenas e à legislação nacional. Disse ainda que, no momento das compras, todas as propriedades fornecedoras diretas mencionadas em investigações da Repórter Brasil estavam em conformidade com os protocolos de compra responsável adotados pela empresa.

Procurado, o McDonald’s não comentou nenhum dos casos específicos elencados no relatório, seja sobre a carne bovina ou sobre os outros produtos investigados. Mas afirmou que está concentrado na conservação das florestas e no apoio às pessoas e comunidades que delas dependem em todo o mundo.

“O McDonald’s espera o cumprimento rigoroso do nosso Código de Conduta do Fornecedor e leva muito a sério as alegações de violações dos direitos humanos. Tomamos medidas para combater o trabalho forçado e apoiar cadeias de abastecimento sem desmatamento em todo o nosso sistema, comprometendo-nos a eliminar o desmatamento da nossa cadeia global de abastecimento até 2030 e a facilitar um programa de responsabilização no local de trabalho do fornecedor que apoie nossos parceiros na construção de capacidades nessas áreas por meio de treinamento e auditorias”, disse a empresa, por meio de nota.

Café certificado

O McDonald’s afirma que 98,1% do café utilizado pela marca têm origem em fontes sustentáveis, grande parte delas certificadas. Mas, entre os fornecedores da rede, há conglomerados cafeeiros certificados que possuem histórico de infrações trabalhistas.

É o caso da multinacional italiana Segafredo, uma das principais torrefadoras responsáveis pela fabricação dos cafés vendidos pelo McDonald’s na Europa. A Segafredo pertence ao grupo Massimo Zanetti, que, no Brasil, também controla uma área de produção própria, a Fazenda Nossa Senhora da Guia, no município de Pimenta (MG).

Cardápio da rede de restaurantes está exposto a irregularidades no Brasil e mesmo na Europa (Foto: Unsplash)

A fazenda era certificada pela Rainforest Alliance até meados de 2020, mas perdeu o selo após uma auditoria constatar a aplicação de agrotóxicos em áreas proibidas. Além disso, em agosto de 2019, a propriedade recebeu duas multas trabalhistas pela imposição de jornadas de trabalho excessivas aos funcionários, e por não conceder o tempo mínimo de descanso exigido por lei. Segundo fontes locais ouvidas pela Repórter Brasil, funcionários haviam sido demitidos naquele ano ao reivindicar aumento salarial e melhorias nas condições de trabalho – acusações refutadas pela administração da fazenda.

“Entendemos que não houve nenhum abuso [trabalhista], tampouco infração à legislação vigente”, escreveu, na ocasião, o diretor comercial da NSG, Jaubert Ulisses. Ele também justificou que reduções na remuneração dos empregados foram permitidas pela reforma trabalhista.

Procurado, o grupo Massimo Zanetti, dono da Segafredo, afirmou que “nos últimos três anos, o percentual de café da Fazenda Nossa Senhora da Guia (NSG) vendido ao McDonald’s foi igual a zero”, e que todo o café fornecido pela Segafredo ao McDonald’s é certificado pela Rainforest Alliance.

Laranja

Em diversos países, o suco de laranja vendido pelo McDonald’s é fabricado pela Coca-Cola, que tem a empresa brasileira Sucocítrico Cutrale como a sua principal fornecedora global para o produto.

Em agosto de 2021, a Repórter Brasil realizou entrevistas com colhedores de laranja da Cutrale na região de Araraquara (SP). Segundo relataram, houve uma redução significativa na renda dos safristas durante a pandemia após a empresa cortar o vale-alimentação dos trabalhadores, além de deixar de pagar pelas horas gastas no deslocamento às fazendas. Também denunciaram a falta de equipamentos de proteção individual (EPIs) e de banheiros nos campos, bem como a demissão de safristas mulheres após a comunicação de gravidez.

Cutrale reduziu remuneração de trabalhadores em plena pandemia de covid-19 (Foto: Divulgação/Procuradoria Regional do Trabalho)

A Cutrale não respondeu aos pedidos de esclarecimentos da Repórter Brasil encaminhados por e-mail. Já a Coca-Cola afirmou que os acordos contratuais estabelecidos com fornecedores incluem o respeito aos Princípios Orientadores de Fornecedores da empresa (SGP, na sigla em inglês). “Esperamos que os nossos fornecedores desenvolvam e implementem processos empresariais internos adequados em conformidade com SGP”.

Soja

O McDonald’s argumenta que toda a soja utilizada na ração dos frangos vendidos pelos seus restaurantes vem de cadeias produtivas livres de desmatamento. A principal medida adotada, nesse contexto, é a compra de soja certificadas por duas organizações: a Roundtable on Responsible Soy (RTRS) e a ProTerra. O problema é que uma das fazendas com esses selos de qualidade, que já recebeu visita de representantes do McDonald’s e provavelmente é sua fornecedora, está ligada a desmatamento ilegal.

Entre as empresas produtoras de soja certificadas pela RTRS e a ProTerra no Brasil está a SLC Agrícola, dona de 16 fazendas em seis estados brasileiros. Em 2018, conforme apurou a Repórter Brasil, uma das fazendas da empresa recebeu uma visita de representantes do McDonald’s, relacionada à aquisição de soja pela rede de fast-food – um indício de que ela pode ser fornecedora do McDonald’s

Rede de fast-food diz que soja para ração de aves usadas em sanduíches é certificada, mas há lacunas (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Relatórios produzidos pela organização Chain Reaction Research apontam um grande perda de cobertura florestal em áreas da SLC Agrícola na última década, sendo que uma das áreas desmatadas está dentro da Fazenda Palmeira, no município de Tasso Fragoso (MA). Somente no primeiro semestre de 2020, a empresa desmatou 4,6 mil hectares na propriedade, que também foi palco de queimadas em setembro de 2019.

Esta fazenda foi criada em 2018, a partir de um desmembramento da Fazenda Parnaíba – uma das propriedades da SLC Agrícola já certificada tanto pela RTRS quanto pela ProTerra. O objetivo do desmembramento, segundo a Chain Reaction Research, era manter o desmatamento planejado fora da área certificada. Uma prática comum entre fazendeiros desmatadores, que de uma fazenda, criam duas para que uma delas tenha o CNPJ ligado ao desmatamento e a outra fique “limpa”, sem passivos ambientais. A situação da Fazenda Parnaíba foi mencionada como um exemplo de “greenwashing” em um relatório publicado pelo Greenpeace.

Procurada, a SLC Agrícola reforçou que a divisão realizada entre as fazendas Palmeira e Paraíba foi uma decisão gerencial, para melhorar o desempenho produtivo, e que “a abertura de áreas sempre foi feita estritamente de acordo com a legislação, com as devidas licenças e em acordo com o Código Florestal”.

Já a RTRS explicou que, por a Fazenda Palmeira ter um Cadastro Ambiental Rural (CAR) diferente, “foi possível continuar a certificação da Fazenda Parnaíba sem incluir o polígono da Fazenda Palmeira”. Em termos práticos, isso significa que uma empresa pode manter a certificação dividindo fazendas desmatadas em duas propriedades rurais distintas.

A ProTerra, por sua vez, afirmou que o certificado das propriedades da SLC Agrícola deixou de ser renovado recentemente, sem especificar explicitamente a data ou o motivo da não renovação. A ProTerra informou, no entanto, que “não aprova qualquer divisão de uma propriedade certificada, por desmatamento legal ou ilegal” e que o fato “viola as regras e a certificação deve ser cancelada imediatamente após tal evento”.


blue compass

Este texto foi inicialmente publicado pela Repórter Brasil [Aqui!].

Batatas fritas como ferramentas do complexo industrial militar capitalista?

henrico-1

A indústria de alimentos (?) de fast food gera doenças e erosão cultural. A saída de corporações como Coca Cola, Mc Donald´s e Starbucks da Rússia por causa da ação militar na Ucrânia pode ter o efeito inesperado que é o de diminuir os níveis de doenças entre os russos

Um desdobramento curioso da ação militar da Rússia na Ucrânia foi a saída das redes americanas de “fast food” do mercado russo em uma ação que claramente é uma espécie de retaliação gastronômica das corporações capitalistas da área de alimentos (sendo Coca Cola, McDonald´s e Starbucks apenas as bandeiras mais pesadas que já o fizeram) contra o governo de Vladimir Putin.

Deixando de lado o fato de que essas redes de “fast food” não apenas oferecem pseudo alimentos que nada de têm de saudáveis, e que são vendidos a preços exorbitantes enquanto os empregados das lojas franquiadas recebem salários miseráveis, o que essa ação das corporações multinacionais ocidentais demonstra é que até as batatas fritas vendidas pelo McDonald´s são parte integrante do chamado complexo industrial militar, ou mais simplesmente da indústria da guerra.

É que se pensarmos bem, a Rússia não é nem de perto quem lucra quando permite que as corporações do fast food operem em seu território.  Se analisarmos melhor o que essas corporações realizam na prática é a eliminação de alimentos locais, muitas vezes mais nutritivos e saudáveis do que qualquer “burguer” que a McDonald´s e seus congêneres fabricam.  Aliás, a saída da Starbucks deverá causar uma diminuição no custo de vida russo, na medida que após pagar preços miseráveis aos cafeicultores no Sul Global essa multinacional estadunidense, que possui mais de 30 mil lojas distribuídas em 80 países, vende cafés a preços ultrajantes para clientes que nunca param para pensar que estão sendo vítimas de um golpe financeiro.

Mas então por que essas corporações estadunidenses e outras de outros países do centro capitalista resolveram dar no pé da Rússia? Provavelmente por razões que misturam o medo de sua clientela nos países centrais se irritar com a permanência na Rússia após meses de propaganda russofóbica por parte da mídia corporativa, ou ainda porque receberam ordens dos controladores do complexo militar para fingirem que se importam com os direitos humanos dos Ucranianos. Há que se lembrar que se preocupação com direitos humanos guiasse as preocupações da McDonald´s ou da Starbucks, seus conselhos diretores já teriam removido as commodities agrícolas brasileiras da sua cadeia de suprimentos dada a magnitude do que está sendo feito na Amazônia, seja contra as florestas ou contra os povos que vivem nelas. Mas salvo engano não se ouviu nada muito indignado por parte da McDonald´s ou do Starbucks contra o que está ocorrendo na Amazônia brasileira.

french fries

Batatas fritas são uma das principais fontes de renda da McDonald´s em que pese os danos causados à saúde humana pelo seu consumo

Um gaiato na internet escreveu que com a saída da Coca Cola e da McDonald´s da Rússia, o mais provável é que caiam os índices de obesos e diabéticos dentro da população russa, e que haja uma espécie de renascimento da demanda por produtos tradicionais da culinária russa, acrescentando ainda que a partida das corporações do fast food ainda deverá permitir uma diminuição das doenças associadas ao seu consumo. Pensando bem, essa afirmação de gaiatice não tem nada.

O fato é que em um país como o Brasil onde a fome está firmemente espalhada dentro da maioria da população, gastar cerca de R$ 50,00 em um “combo” não faz o menor sentido financeiro para a imensa maioria das famílias, mas não é raro ver um trabalhador sacrificado pelas políticas ultraneoliberais dos últimos governos brasileiros gastar essa verdadeira fortuna para quem ganhar salário mínimo para agradar um filho. Por essa falta de sentido é que talvez devêssemos nos antecipar a qualquer abandono futuro do território brasileiro por parte das corporações do fast food e deixar suas lojas vazias. É que agora que está evidente que as batatas fritas superfaturadas da McDonald´s são parte do complexo militar, continuar gastando com este tipo de não alimento é ainda mais contraditório do que sempre foi.

Instituto de Ciência que assessorou a UE e a ONU é na verdade um ‘grupo de lobby da indústria’

O International Life Sciences Institute (ILSI) foi usado por patrocinadores corporativos para combater as políticas públicas de saúde, diz estudo.

cokeEm um email para executivos da Coca-Cola e da Monsanto, o fundador do ILSI, Alex Malaspina, escreveu que as novas diretrizes dietéticas dos EUA exigem que as empresas “considerem como se preparar para montar uma defesa forte”. Foto: MKucova / Getty / iStockphoto

Por Arthur Neslen para o “The Guardian”

Um instituto cujos especialistas ocuparam cargos-chave nos painéis de regulamentação da UE e da ONU é, na verdade, um grupo de lobby da indústria que se disfarça como uma instituição de caridade científica em saúde, de acordo com um estudo revisado por especialistas.

O International Life Sciences Institute (ILSI), com sede em Washington, descreve sua missão como “buscar objetividade, clareza e reprodutibilidade” para “beneficiar o bem público”.

Mas pesquisadores da Universidade de Cambridge, da Universidade Bocconi, em Milão, e da campanha Right to Know, dos Estados Unidos, avaliaram mais de 17 mil páginas de documentos obtidos a partir das leis de liberdade de informação dos EUA para apresentar evidências de tráfico de influência.

A principal autora do artigo, Sarah Steele, pesquisadora sênior da Universidade de Cambridge, disse: “Nossas descobertas contribuem para a evidência de que essa organização sem fins lucrativos tem sido usada por seus apoiadores corporativos há anos para combater as políticas públicas de saúde. O ILSI deve ser considerado como um grupo da indústria – um órgão privado – e regulamentado como tal, não como um órgão que age para o bem maior ”.

Em um email de 2015 copiado para a então diretora do ILSI, Suzanne Harris, e executivos de empresas como Coca-Cola e Monsanto, o fundador do ILSI Alex Malaspina, ex-vice-presidente da Coca-Cola, reclamou amargamente das novas diretrizes dietéticas dos EUA para reduzir a ingestão de açúcar .

“Essas diretrizes são um verdadeiro desastre”, escreveu ele. “Eles poderiam nos afetar significativamente de várias maneiras; Tributação de refrigerantes, programas modificados de almoço escolar, um forte esforço educativo para educar crianças e adultos a limitar significativamente sua ingestão de açúcar, restringir a publicidade de alimentos e bebidas açucarados e, eventualmente, uma grande pressão do CDC [Centro de Controle de Doenças dos EUA]. e Prevenção] e outras agências para forçar a indústria a começar a deduzir drasticamente o açúcar que acrescentamos aos alimentos processados ​​e bebidas ”.

Malaspina – que a Coca-Cola descreve como um “líder de assuntos científicos e regulatórios de longa data” – disse esperar que muitas nações sigam as novas diretrizes, acrescentando: “Temos que considerar como nos preparar para montar uma defesa forte”.

De acordo com os princípios obrigatórios declarados do ILSI, “pode não propor direta ou indiretamente soluções de políticas públicas ou defender os interesses comerciais de suas empresas associadas ou outras partes”.

Kristin DiNicolantonio, diretora de comunicação do ILSI Global, disse ao Guardian que “sob nenhuma circunstância o ILSI protege a indústria de ser afetada por políticas e leis desvantajosas”.

O estudo, publicado na segunda-feira na revista Globalization and Health, descobriu que, quando os escritórios regionais do ILSI não promovem mensagens favoráveis ​​à indústria, eles são submetidos a sanções.

Em outro e-mail de 2015, Malaspina escreveu: “Sobre a bagunça em que o ILSI México está, porque patrocinaram em setembro uma conferência de adoçantes, quando foi discutida a questão da tributação das bebidas não alcoólicas. O ILSI está agora suspendendo o ILSI México, até que eles corrijam seus caminhos. Uma verdadeira bagunça.

Malaspina acrescentou que “espero que tenhamos chegado agora ao fundo [sic] e eventualmente nos recuperaremos, já que [a Coca] e o ILSI estão preocupados”.

O ILSI diz que sua afiliada mexicana foi suspensa por “participar de atividades que podem ser interpretadas como defesa de políticas”.

Nessa época, o ILSI foi envolvido em uma controvérsia separada, quando o  “The Guardian” revelou que o vice-presidente do ILSI Europa, o professor Alan Boobis, presidiu um painel da ONU que descobriu que o glifosato provavelmente não era carcinogênico para humanos.

O relatório final do painel não incluiu declarações de conflito de interesses, embora o ILSI Europe tenha recebido doações de US$ 500.000 da Monsanto, que usa glifosato em seu herbicida Roundup e de US$ 528.500 de seu representante do setor, a Croplife International.

Pessoas ligadas  a empresas como Monsanto, Kraft e Nestlé participaram do conselho do ILSI, embora DiNicolantonio tenha dito que eles o fizeram “em uma capacidade individual”.

Em 2012, o Parlamento Europeu suspendeu o financiamento para a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) durante seis meses, devido a uma série de alegações de conflitos de interesses envolvendo membros do ILSI no seu próprio conselho. Um inquérito parlamentar separado sobre o grupo em 2017 contribuiu para novas regras de transparência da União Europeia (UE).

O grupo produtor de alimentos Mars anunciou no ano passado que romperia seus laços com o ILSI, cujo trabalho descreveu como “liderado por defesa de direitos”.

Mas ex-funcionários do ILSI e atuais continuam a desempenhar papéis-chave no mecanismo de assessoria científica da UE, que produziu recentemente um relatório que recomenda uma série de posições da indústria sobre pesticidas. Estes, por exemplo, substituiriam as regras atuais que proíbem quaisquer produtos que possam prejudicar a saúde humana com um conceito ao estilo dos EUA de “risco aceitável”.

Uma abordagem similar da EFSA, o “Limiar para a preocupação toxicológica” publicado no início deste ano, surgiu de um grupo de trabalho no qual a maioria dos especialistas tinha ligações formais com o ILSI, de acordo com a Rede de Ação contra Pesticidas na Europa (PAN-E). O novo limiar permitiria “níveis seguros de exposição” para muitos produtos químicos que não foram totalmente testados quanto à toxicidade.

O PAN-E alega que oito das 12 avaliações de risco de  agrotóxicos da União Europeia realizou tiveram seu uso regulatório “projetado e / ou promovido” pela indústria.

Ao longo de 2015, um movimento da Organização Mundial da Saúde (OMS) para se distanciar do ILSI devido a ligações entre um de seus membros e a indústria do tabaco, provocou um alto grau de ansiedade interna no ILSI, de acordo com o novo estudo.

Uma troca de e-mails entre o professor Adam Drewnowski e Malaspina, da Universidade de Washington, levou a sugestões de uma abordagem direta à diretora da OMS, Margaret Chan.

Drewnowski escreveu que Chan tinha “dito que ela estava pronta para estar na mesa – mas não na cama – com a indústria” (sua própria frase). Desde então, sua posição se endureceu consideravelmente. Devemos lembrá-la de sua própria frase e levá-la à mesa.

Malaspina mais tarde enviou um e-mail a altos funcionários do ILSI e da Coca-Cola, dizendo: “Precisamos encontrar uma maneira de alguém como um famoso cientista fazer uma visita a Chan. Jim Hill ou alguém de estatura semelhante ou um cientista do governo dos EUA ”.

Se um diálogo não pudesse ser iniciado, Chan “continuará a nos atacar com consequências negativas significativas em uma base global”, continuou ele. “Essa ameaça ao nosso negócio é séria”.

Em outro email para Barbara Bowman, então diretora da Divisão de Doenças Cardíacas e Prevenção de Derrames do CDC, Malaspina reclamou que a OMS “agora não quer trabalhar com a indústria [mas] que encontra todos os novos medicamentos. Não é OMS, mas a indústria. Ela é influenciada pelo governo chinês e é contra os EUA. Algo deve ser feito.

Em comentários por e-mail, DiNicolantonio disse que qualquer sugestão de que o ILSI tenha tentado influenciar Chan sobre produtos adoçados com açúcar era “infundada e imprecisa”.

________________________________

Este artigo foi originalmente publicado em inglês pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Aroeira retrata presidente do STF com rara fidedignidade

Sou fã de carteirinha do trabalho do chargista Renato Aroeira. Mas a charge abaixo é  de uma primazia ímpar ao retratar de forma singular e precisa as contradições cercando a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Carmen Lúcia, que, em reunião recente que contou com a presença de executivos das multinacionais Shell e Coca Cola , resolveu deitar falação sobre a questão óbvia que é a iminente prisão do ex-presidente Lula.

aroeira

E adorei especialmente o título da charge… L´Acqua Nera (água negra em italiano). Perfeita metáfora para nossos tempos de luta de classes rasgada e aberta. É que reunião de presidente do STF com executivos da Shell e da Coca Cola não tem que deixar a coisa mais explícita.

Brasil 247:Olimpíada gera isenção fiscal de R$ 3,8 bilhões para 780 empresas

jogos

Lei assinada pela presidente eleita Dilma Rousseff em 2013 concede isenção de impostos para um total de 780 empresas envolvidas nos jogos olímpicos da Rio 2016; entre elas estão o Comitê Olímpico Internacional (COI), a Globo, a Odebrecht, o Bradesco, a Coca-Cola e a Nike. É uma exigência do COI ao país-sede, compromisso firmado na candidatura do país, e praxe em outras edições; no Brasil, o total previsto é de R$ 3,8 bilhões

247 – Uma lei assinada pela presidente eleita Dilma Rousseff em 2013 concede isenção de impostos para um total de 780 empresas envolvidas nos jogos olímpicos da Rio 2016. 

Entre elas estão o Comitê Olímpico Internacional (COI), a Globo, a Odebrecht, o Bradesco, a Coca-Cola e a Nike. É uma exigência do COI ao país-sede, compromisso firmado na candidatura do país, e praxe em outras edições. No Brasil, o total previsto é de R$ 3,8 bilhões.

“A Lei tem o propósito de criar incentivos fiscais para o comitê organizador. Isso é nos moldes da Copa do Mundo para desonerar custos da realização”, informou o comitê ao blog do jornalista Rodrigo Mattos. “O Rio-2016 requer as habilitações. Só as empresas que estão com regularidade fiscal que podem ser incluídas, e só em notas para pagamento do Rio-2016.”

As isenções se restringem aos serviços ou produtos usados pelas empresas ou entidades para os Jogos, no período de janeiro de 2013 e 2017. Cada empresa passa a ter o direito a não pagar os impostos a partir do momento em que a Receita a inclui na lista. No caso das empresas nacionais, elas não precisam pagar nenhum imposto de importação para produtos ou serviços vindos do exterior. Também não pagam IPI de produtos adquiridos no país para realizar os Jogos, nem têm de quitar PIS/Pasep e Cofins por serviços contratados. Firmas vinculadas ao COI não têm de pagar nem imposto de renda.

A Globo Comunicações foi incluída na lista da Receita em maio de 2015 como prestadora de serviços e transmissora oficial do evento. O pagamento da importação de equipamentos também está isento. A emissora disse que ganhos com publicidade não estão livres de impostos. Com cotas de R$ 255 milhões, a Globo ganhará R$ 1,5 bilhão só em propaganda direta com os Jogos. “O valor da desoneração das emissoras é pequeno em relação ao total da isenção prevista em lei”, disse a assessoria.

FONTE: http://www.brasil247.com/pt/247/economia/244945/Olimp%C3%ADada-gera-isen%C3%A7%C3%A3o-fiscal-de-R$-38-bilh%C3%B5es-para-780-empresas.htm

A lógica dúbia do (des) governo Pezão/Dornelles: parcelamento de salários para servidores, isenção fiscal para a Coca Cola

coca 0

O blog Transparência RJ trouxe ontem (14/06) mais uma daquelas revelações que são de doer, especialmente porque ao longo do dia milhares de servidores estavam no maior sufoco porque a primeira parcela do salário de maio não era depositada.  

E do que tratou o Transparência RJ? Ora, de mais uma daquelas generosas isenções fiscais que já sugaram bilhões de reais dos cofres públicos do Rio de Janeiro (Aqui!). E adivinhem quem foi a corporação sortuda da vez? Apenas uma das maiores multinacionais do planeta, a estadunidense Coca-Cola (ver imagens abaixo), que aqui atende pelo nome de fantasia de “Rio de Janeiro Refrescos Ltda” (Aqui!).

E o impressionante é que de acordo com o Transparência RJ, esta isenção deverá valer até Abril de 2024!

Diante do inexplicável que é conceder isenções fiscais para uma multinacional do porte da Coca-Cola e que já estava instalada no Rio de Janeiro, os blogueiros do Transparência RJ se deram ao trabalho de verificar as doações eleitorais da empresa em 2014 e voilá, a Coca-Cola doou para vários partidos, inclusive o PMDB como mostram a imagem abaixo.

coca 4

Diante de mais esta isenção milionária, uma coisa fica clara: os (des) governantes do Rio de Janeiro estão se lixando para o drama de servidores, aposentados e pensionistas, pois o negócio deles é avançar o processo de privatização do Estado. 

Enquanto o serviço público e a população agonizam, a Coca-Cola agradece!

As corporações e suas “generosidades”: Coca Cola “doou” US$ 120 milhões a pediatras e nutricionistas nos EUA

coca

Sacolas com o logo da Coca Cola que foram distribuídas durante a conferência nacional da Associação de Pediatras dos EUA em 2011.

Como ex-usuário contumaz de refrigerantes, conheço de perto as tentações de se ingerir alguns litros de Coca Cola semanalmente.  Abandonei o vício depois de reconhecer que o consumo de refrigerantes, além de não matar a minha sede também comprometia a minha saúde, fosse pelo aumento do sobrepeso ou pelo aumento da taxa de açúcar no meu sangue.  Agora, o que dizer das crianças que pelo mundo afora estão sendo empurrados para um modo de vida que lhes compromete a saúde, sem que possa ter a maturidade para discernir bem como se defender deste vício?

A coisa se complica ainda mais quando se descobre que a mãe de todos os fabricantes de refrigerantes, a Coca Cola, passou as últimas década interferindo na produção de conhecimento científico acerca dos efeitos do consumo de seus produtos na saúde das crianças.  Este fato acaba de ser revelado por uma matéria publicada pelo jornal “The New York Times” (Aqui!).

Segundo o que consta da matéria assinada pelo jornalista Anahad O´Connor mostra que a Coca Cola investiu mais de US$ 120 milhões para influenciar pesquisas científicas acerca do impacto do consumo de refrigerantes sobre o aumento da obesidade entre crianças. Além disso, O´Connor colheu depoimentos que demonstram que a Cola Cola agiu para influenciar organizações médicas, providenciando inclusive recursos para recepções glamourosas, presentes e divertimentos. Tudo isso para obter um tratamento menos contundente por parte de seus membros em relação aos problemas trazidos pelo consumo de bebidas açucaradas sobre a saúde humana, incluindo obesidade e problemas cardiovasculares.

Ainda que esse tipo de postura não seja nem surpreendente ou recente, o fato de que organizações científicas e profissionais tenham embarcado nesse tipo de intercâmbio pouco ético mostra que a vigilância tem que ser maior, já que a capacidade financeira de corporações como a Coca Cola não é acompanhada por padrões éticos de igual porte.

Agora, há que se imaginar o que anda acontecendo em países como o Brasil, onde a imprensa corporativa não possui um mínimo de compromisso com a informação  e os governos estão cada vez mais apropriados pelas corporações multinacionais. 

A Coca-Cola é assim


“Obrigado por compartilhar a felicidade”, diz-se no último anúncio da Coca-Cola (em espanhol), mas olhando de perto parece que a Coca-Cola de felicidade compartilha bem pouco. Se pensam que não, perguntem aos trabalhadores das fábricas que a multinacional pretende fechar agora no Estado Espanhol ou aos sindicalistas perseguidos, e alguns, até sequestrados e torturados na Colômbia, na Turquia, no Paquistão, na Rússia, na Nicarágua ou às comunidades da Índia que ficaram sem água após a saída da companhia. Isso para não falar da péssima qualidade dos seus ingredientes e do impacto na nossa saúde.

Em cada segundo consomem-se 18,5 mil latas ou garrafas de Coca-Cola em todo o mundo, segundo os dados da própria empresa. O império Coca-Cola vende as suas 500 marcas em mais de 200 países. Quem garantiria isso a John S. Pemberton, quando em 1886, elaborou tão exitosa poção numa pequena farmácia de Atlanta. Hoje, pelo contrário, a multinacional já não vende apenas uma só bebida mas muito mais. Através de campanhas multimilionárias de marketing, a Coca-Cola vende-nos algo tão desejado como “a felicidade”, “a faísca da vida” ou “um sorriso”. Todavia, nem o seu Instituto de la Felicidad [ou a Fábrica da Felicidade, em português] é capaz de esconder toda a dor que a empresa provoca. O seu currículo de abusos sociais e laborais corre, tal como os seus refrigerantes, todo o planeta.

Agora, chegou a vez do Estado Espanhol. A Companhia acaba de anunciar uma reorganização que implica o encerramento de quatro das suas onze fábricas, o despedimento de 1.250 trabalhadores e a recolocação de outros 500. Uma medida que, segundo a multinacional, é tomada “por causas organizativas e produtivas”. Pelo contrário, um comunicado da central sindical CCOO desmente esta informação e assinala que a empresa tem enormes lucros de cerca de 900 milhões de euros e um faturamento de mais de 3 bilhões de euros.

As más práticas da empresa são tão globais como a sua marca. Na Colômbia, desde 1990, oito trabalhadores da Coca-Cola foram assassinados por paramilitares e outros 65 receberam ameaças de morte, segundo “El informe alternativo de Coca-Cola” da organização War on Want. O sindicato colombiano Sinaltrainal denunciou a multinacional por detrás destas ações. Em 2001, o Sinaltrainal, através da International Labor Rights Fund e da United Steel Workers Union, conseguiu interpor nos Estados Unidos um processo contra a empresa por estes casos. Em 2003, o tribunal indeferiu a petição alegando que os assassinatos ocorreram fora dos Estados Unidos. A campanha do Sinaltrainal, de qualquer maneira, tinha já conseguido numerosos apoios.

O rastro de abusos da Coca-Cola se encontra praticamente em cada canto do planeta onde ela está presente (ZooFari/Wikimedia Commons)

Encontramos o rastro de abusos da Coca-Cola praticamente em cada canto do planeta onde ela está presente. No Paquistão, em 2001, vários trabalhadores da fábrica do Punjab foram despedidos por protestar e as tentativas de sindicalização dos seus trabalhadores em Lahore, Faisal e Gujranwala se chocaram com a oposição da multinacional e da administração. Na Turquia, os seus empregados, em 2005, denunciaram a Coca-Cola por intimidação e torturas e por utilizar um setor especial da polícia para estes fins. Na Nicarágua, no mesmo ano, o Sindicato Único de Trabalhadores (Sutec) acusou a multinacional de não permitir a organização sindical e ameaçar com despedimentos. E encontramos casos semelhantes em Guatemala, Rússia, Perú, Chile, México, Brasil, Panamá. Uma das principais tentativas para coordenar uma campanha de denúncia internacional contra a Coca-Cola foi em 2002 quando sindicatos da Colômbia, da Venezuela, do Zimbábue e das Filipinas denunciaram conjuntamente a repressão sofrida pelos seus sindicalistas na Coca-Cola e as ameaças de sequestros e assassinatos que receberam.

Cabe destacar ainda que a companhia não é unicamente conhecida pelos seus abusos laborais mas também pelo impacto social e ecológico das suas práticas. Como a própria empresa reconhece: “A Coca-Cola é a empresa da hidratação. Sem água, não há negócio”. E onde se instala, ela suga a água até à última gota. De fato, para produzir um litro de Coca-Cola, são precisos três litros de água. E não só para a bebida mas também para lavar garrafas, máquinas… Água que a posteriori é descartada como água contaminada, com o consequente prejuízo do meio ambiente. Para saciar a sua sede uma engarrafadora da Coca-Cola pode chegar a consumir até um milhão de litros de água por dia, a empresa toma unilateralmente o controle de aquíferos que abastecem as comunidades locais deixando-as sem um bem essencial como a água.

Na Índia, vários Estados (Rajastán, Uttar Pradesh, Kerala, Maharastra) encontram-se em pé de guerra contra a multinacional. Vários documentos oficiais assinalam a diminuição drástica dos recursos hídricos onde a empresa está instalada, acabando com a água para o consumo, a higiene pessoal e a agricultura, sustento de muitas famílias. Em Kerala, em 2004, a fábrica de Plachimada da Coca-Cola foi obrigada a fechar depois do município ter negado a renovação da sua licença acusando a Companhia de esgotar e contaminar a sua água. Meses antes, o Tribunal Supremo de Kerala sentenciou que a extração massiva de água por parte da Coca-Cola era ilegal. O seu encerramento foi uma grande vitória para a comunidade.

Casos similares aconteceram também em El Salvador e Chiapas, entre outros. Em El Salvador, as fábricas de engarrafamento da Coca-Cola esgotaram os recursos hídricos após décadas de extração e contaminaram aquíferos ao desfazer-se da água não tratada procedente das fábricas da empresa. A multinacional sempre se recusou a responsabilizar-se pelo impacto das suas práticas. No México, a Companhia privatizou inúmeros aquíferos, deixando as comunidades locais sem acesso aos mesmos, graças ao apoio incondicional do Governo de Vicente Fox (2000-2006), antigo presidente da Coca-Cola do México.

O impacto da sua fórmula secreta sobre a nossa saúde está também extensamente documentado. As suas altas doses de açúcar não nos beneficiam e convertem-nos em “viciados” da sua poção. E o uso do aspartame, edulcorante não calórico substitutivo do açúcar, colocado na Coca-Cola Zero, está demonstrado que consumido em altas doses pode ser cancerígeno, como assinalou a jornalista Marie Monique Robin no seu documentário “O nosso veneno cotidiano”. Em 2004, a Coca-Cola da Grã-Bretanha viu-se obrigada a retirar, após o seu lançamento, a água engarrafada Desani, depois de se ter descoberto no seu conteúdo níveis ilegais de brometo, substância que aumenta o risco de cancro. A empresa teve que separar meio milhão de garrafas, do que havia anunciado como “uma das águas mais puras do mercado”, apesar de um artigo na revista The Grocer assinalar que a sua fonte era água tratada das torneiras de Londres.

Os tentáculos da Coca-Cola, assim mesmo, são tão grandes que, em 2012, uma das suas diretoras, Àngela López de Sá, chegou à direção da Agência Espanhola de Segurança Alimentar. Que posição vai ter, por exemplo, a Agência face ao uso do aspartame quando a empresa, que até poucos dias lhe pagava o salário como sua atual diretora, o usa sistematicamente? Conflito de interesses? Já o assinalamos antes com o caso de Vicente Fox.

A marca que nos diz vender felicidade, reparte antes pesadelos. A Coca-Cola é assim diz o anúncio. Assim é e assim a descrevemos.”

FONTE: http://forum.antinovaordemmundial.com/Topico-est%C3%A3o-vendendo-nossa-%C3%A1gua-a-verdade-sobre-a-seca-em-s%C3%A3o-paulo#ixzz3QJyQ89pH