O ódio de classe mostra as limitações do Capitalismo sem classes do neoPT

Andei por diferentes lugares do território fluminense na semana que antecedeu o segundo turno das eleições de 2014, e tive tempo para ler algumas pérolas que cabeças coroadas e outras nem tão coroadas assim da imprensa corporativa andavam produzindo. A fotografia que produzo é que a luta de classes que o capitalismo sem classes que Lula quis nos passar está mais viva do que nunca. As manifestações de ódio explícito a Dilma Rousseff e ao PT nada mais são do que ódio de classe, e na sua forma mais explícita. Aliás, as cenas de choro de eleitores tucanos após a confirmação da derrota não são apenas lágrimas de derrota, mas principalmente de ódio aos pobres.

Eu diria que esse ódio foi muito bem trabalhado pelos tucanos e por seus aliados na imprensa burguesa que saiu de vez das tamancas para vender uma versão de realidade que incita o ódio para extrair ainda mais valia da sociedade brasileira. Como são essencialmente parasitários, esses setores mais atrasados da burguesia brasileira não suportam mais ficar de fora da parte principal do aparelho de Estado. No caso da maioria das empresas de mídia, o desespero é essencialmente financeiro, já que amplas fatias do mercado estão sendo engolidas pela internet. Assim, se jogar de cabeça na campanha de Aécio Never!! foi juntar o útil ao agradável.

Mas reconheço que algumas cenas que presenciei nas redes sociais me deixam com a clara noção de que a tentação de arrancar o PT do poder por algum tipo de golpe vai continuar forte, O fato é que o ódio de classe entre setores da burguesia brasileira foi alimentado a tal ponto que agora qualquer recuo político por parte dos tucanos e outros partidos da direita será visto como uma concessão inaceitável ao PT.

De tudo isso eu tiro que os que se julgam efetivamente de esquerda vão ter de sair da sua zona de conforto para efetivamente começar a organizar um processo de reeducação política após tantos anos de capitalismo sem classe do neoPT. Se isso não for feito, não apenas será dada a devida oportunidade para aventuras golpistas ocorreram, mas também de se manter uma situação pouco pedagógica em relação às mudanças que o Brasil efetivamente precisa, as quais o PT já desistiu de fazer desde a famosa “Carta aos Brasileiros” de 2002.

Superporto e conflito agrário: agora é em Presidente Kennedy

Acampamento-MST

Pode até parecer coincidência, mas não é. Na minha postagem anterior falei da possibilidade de conflitos agrários na região de Presidente Kennedy, na mesmo tempo em que se constrói lá mais um superporto como o do Porto do Açu. E não deu outra, pois ontem mesmo lá estava ocorrendo um confronto entre policiais e membros dos Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) que se mobilizaram contra a prisão de vários membros de um assentamento existente no município.

O mais lamentável é saber que essa política de transformação de nossas áreas costeiras em meras plataformas de exportação de commodities ainda vai resultar em muito mais conflitos. A ver!

MST/ Cinco presos em Kennedy

MST

Cinco pessoas do Movimento Sem Terra (MST) foram presas na manhã de ontem, após serem intimados a prestarem esclarecimentos na Delegacia de Presidente Kennedy. Eles tiveram que responder sobre denúncias envolvendo membros do assentamento rural daquela área.

Foram detidos: Gelson Ferreira Sampra, 45 anos, Edivaldo Ferreira Silva, 41 anos, José Maria Mello Condack, 29 anos, Gendinelson da Silva Jesus, 33 anos, Jonas Gonçalves de Abreu, 55 anos, por diversos crimes de incêndio, ameaças contra funcionários da fazenda e também pelo crime de quadrilha e bando.

Quando os 15 intimados se dirigiram para a delegacia, cerca de 100 integrantes do movimento que estão assentados na Fazenda Santa Maria seguiram para o local para protestar. Desde maio de 2009 eles ocupam parte da propriedade, que já foi desapropriada.

Nos últimos meses, houve protestos e eles colocaram fogo em um curral, além de deixarem a estrada que dá acesso a comunidade de São Bento fechada por alguns dias.

Os manifestantes acusaram os policiais de abuso de autoridade e continuaram com as manifestações. Os policiais fizeram uma barreira de proteção para conter os manifestantes, foi preciso reforço de polícia de Marataízes, Itapemirim, Piúma, Iconha, Cachoeiro de Itapemirim e Mimoso do Sul.

Fonte:http://www.aquies.com.br/site/conteudo.asp?codigo=8017

Porto do Açu: placas velhas levantam questão sobre a propriedade das terras desapropriadas

Apesar do grupo estadunidense EIG ter se tornado o controlador do Porto do Açu desde outubro de 2013 e a LL(X) ter mudado de nome em dezembro passado, quem anda pelas estradas do V Distrito do município de São João da Barra continua encontrando as mesmas placas dos tempos em que Eike Batista e seu conglomerado de empresas pré-operacionais reinavam absolutos. Como o Grupo EIG acaba de ser abastecido com mais um generoso financiamento do BNDES para concluir a construção do porto, a manutenção das placas velhas deve ter algum outro motivo que a falta de dinheiro para fazer as novas.

Aliás, quem se der ao trabalho de verificar o sistema do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro para verificar os múltiplos processos que existem envolvendo o conflito agrário instalado no V Distrito de São João da Barra encontrará apenas a LLX Logística seja como réu ou como reclamante, enquanto o mesmo não ocorre com a Prumo, a sua suposta sucessora. Ainda que isto possa ainda vir a ocorrer num futuro imediato, mesmo porque muitos agricultores continuam querendo ser ressarcidos pelos problemas causados pela salinização de suas terras e águas, este fato não deixa de ser curioso.

E isso tudo levanta uma questão importante para a discussão em torno a luta que os agricultores familiares do Açu travam neste momento em defesa de sua cultura e modo de vida: quem controla hoje as terras desapropriadas pela Companhia de Desenvolvimento Industrial do Rio de Janeiro (CODIN)?

Mas para que restem dúvidas sobre o que eu estou falando, vejam as placas que ainda hoje avisam aos passantes para que não entrem nas terras da finada LLX.

2014-03-08 11.37.51

2014-03-08 11.31.48 2014-03-08 11.42.55

Complexo Industrial e Portuário do Pecém: um Açu que deu certo, ou quase certo

Em busca de uma ampliação dos meus estudos sobre o modelo que Eike Batista tentou implantar em São João da Barra com o Complexo Industrial Portuário do Açu (CPIA), estive visitando o entorno do Complexo Industrial e Portuário do Pecém que se localiza no município de São Gonçalo do Amarante, distante 60 km de Fortaleza. O Complexo do Pecém cobre uma área de aproximadamente 4.000 hectares, e inclui um porto, uma siderúrgica e, sim, uma termelétrica que foi construída pela MP(X) do ex-bilionário Eike Batista.

As imagens que vão abaixo mostram que, ao contrário do CPIA, o Complexo do Pecém já está em estágio avançado, e o porto está funcionando a pleno vapor. Além disso, a termelétrica da ENEVA (novo nome da MP(X), também já está pronta, enquanto que a siderúrgica ainda está em construção.

IMG_7435 IMG_7437 IMG_7494 IMG_7526 IMG_7497 IMG_7459

Graças a essa evolução positiva, a área abriga a primeira Zona de Processamento de Exportação (ZPE) que funciona desde 30 de agosto de 2013. Eu voltarei a falar nas ZPEs em breve, mas o importante aqui é notar que na visita que fiz na região do entorno, não visualizei grandes modificações na situação das comunidades existentes. E num estranho paralelo com os acontecimentos de São João da Barra, a implantação do Complexo do Pecém também resultou em conflitos sociais, inclusive com comunidades indígenas que ocupavam tradicionalmente aquele território.

Assim é importante notar que apesar de todas as responsabilidades que Eike Batista e seus patronos possuem no caso do Porto do Açu, essa situação não é única no Brasil, que está servindo de palco para uma experiência de reprimarização da sua economia, com a instalação de pontos de apoio para a exportação de materiais primários.  É dos efeitos desse aspecto particular do modelo neodesenvolvimentista que teremos de nos ocupar nas próximas décadas.

Finalmente é importante ressaltar que todo o ar de novidade com que o Complexo do Açu nos foi apresentado era, como de todo o resto da mensagem que Eike Batista ecoava, uma velha novidade. E pior onde os perdedores são os mesmos de sempre desde que os conquistadores portugueses chegaram por aqui para começar a saquear os recursos naturais existentes.