A pandemia e a ignorância tecnologizada assediam as universidades

educacion_universidades

Por Isaac Enriquez Pérez*

Formada na Europa ao longo do Século X como uma organização – embora sob o controle da Igreja Católica – orientada para a sistematização do conhecimento, e consolidada durante os séculos 18 e 19 como um bastião da reflexão e pensamento crítico e anticlerical , a universidade contemporânea – pelo menos desde os anos de 1970 – está sob o olhar atento do burocratismo, da corrupção, dos interesses adquiridos, do estabelecimento de pensamento hegemônico neoconservador e pós-moderno, negação e a ultra especialização de suas disciplinas e conhecimentos compartimentados.

A essas ameaças são adicionadas várias crises; a saber: a) cortes no orçamento, que se traduzem em privatizações de fato da universidade pública e uma reconversão silenciosa do direito do cidadão à educação em um serviço voltado para usuários ou consumidores. b) O fundamentalismo de mercado não se expressa apenas na disciplina fiscal e no “austericídio” da universidade pública, mas na irradiação sutil de uma racionalidade tecnocrática que favorece o individualismo e a gestão empresarial (a suposta meritocracia que prevalece nas avaliações e acreditações do trabalho acadêmico). c) A mercantilização da ciência e do conhecimento e sua desapropriação como bens públicos globais, com vistas a formar um paradigma tecnocientífico sujeito à rentabilidade das grandes corporações. d) a precariedade de suas relações de trabalho nas universidades; especialmente aqueles acadêmicos que trabalham por horas e sob contratos temporários. E e) a crise epistemológica, que paira sobre as formas convencionais de construção e transmissão do conhecimento e se origina na fragmentação e dispersão do conhecimento, assim como o fim das certezas e cegueira do conhecimento..

As nuvens cinzentas que posicionam a tecnificação do conhecimento e a trivialização de valores como a verdade não são suficientes, nos cenários abertos pela crise epidemiológica contemporânea, destaca a difusão e imposição do treinamento telemático universitário como mecanismo para evitar contágios após a radiação do Coronavírus SARS-CoV-2. Países europeus como Itália e Espanha anunciam a extensão da atividade de ensino on-line para o próximo ano acadêmico. Até universidades americanas e estrangeiras anunciam o retorno às salas de aula presenciais até 2022, mesmo sem riscos epidemiológicos.

Deve-se destacar a noção de universidade ou educação a distância: embora as tecnologias da informação e comunicação contribuam para a massificação do conhecimento e aproximem o processo de ensino / aprendizagem de amplas camadas da população que sofre exclusão social Nos sistemas educacionais tradicionais, a educação a distância é um complemento para a universidade presencial e não seu substituto. Com a universidade on-line, é possível atingir populações defasadas que, na época, não gozavam do direito à educação, seja por falta de renda, tempo, motivação ou disposição. Mulheres que interromperam o treinamento escolar devido à maternidade prematura; jovens que foram forçados a entrar no campo do trabalho e que cancelaram ou adiaram suas expectativas educacionais; adultos que abandonaram, desde a juventude, a possibilidade de treinamento; e outros candidatos rejeitados nos processos de admissão de universidades públicas, têm a oportunidade de retomar seus estudos com as vantagens oferecidas pela educação on-line em termos de horários e formas de aprendizado flexíveis e adaptáveis.

Além disso, essas tecnologias contribuem para a disseminação massiva de conhecimento. Através do chamado acesso livre, é possível fazer coleções científicas, humanísticas e artísticas inestimáveis que ofereçam respostas aos grandes problemas mundiais à disposição da humanidade.

No entanto, com a pandemia de COVID-19 é alimentada a obsessão de prefigurar uma cidade virtual que apela não apenas ao distanciamento físico, mas também ao distanciamento em formas de socialização. Entronizando assim a atomização da sociedade e o individualismo hedonista .

O conhecimento é, por sua própria essência, uma construção social; um processo coletivo de criação que merece interação e proximidade com os outros. Não é uma tarefa estereotipada de indivíduos isolados em laboratório e fora do mundo externo, nem visa seguir determinados protocolos. Existe uma interação estreita de gnosia / práxis, que adquire o caráter de totalidade articulada, logo que diálogos multidirecionais são construídos e a noção de comunidade acadêmica é moldada com o objetivo de criar significados que configuram o sentido da realidade através de uma linguagem dotada de conceitos e conceitos. categorias. Essa linguagem só pode ser criada em interação com “a outra” e no âmbito de um processo de conscientização e empatia que mereça proximidade física e que, além disso, no caso das universidades,

A interação física é essencial na relação professor / aluno e aluno / aluno, pois reproduz padrões simbólicos e de convivência que excedem em muito a escola. Os debates coletivos em sala de aula, nos corredores, nos espaços comuns das universidades, são cruciais para a construção do conhecimento e a formação da cidadania.

O estabelecimento massivo da universidade a distância significa isolar o aluno em uma sala, acompanhado por uma tela que, embora crie ação social desacoplada da presença física em um determinado espaço, não transcende uma lógica de comunicação multidirecional e práticas coletivas que permitem deliberação fundamentada além do efêmero e das ansiedades que ele gera. Nesse sentido, a universidade a distância faz parte do chamado Screen New Deal e da reprodução de relações assimétricas de poder, associadas ao novo padrão de acumulação bio / tecno / científica.

Historicamente, a universidade era a trincheira da luta – através de idéias – contra dogmatismos teológicos, totalitarismos, racismo, desigualdade de gênero e o caráter exclusivo do capitalismo. Contudo, diante da biossegurança, da higiene e do estado higienizante que lhe é inerente, o pensamento crítico que emana das universidades é praticamente entorpecido, domado e prostrado; esvaziamento do conteúdo antes do bombardeio do apocalipse da mídia (Aqui!), o desendêmico e o ataque ao conhecimento racional (Aqui!) que superdimensionam as características e os impactos da pandemia. Isso significa que, em meio a uma nova crise civilizadora, a universidade está ausente dos contrapesos que devem ser colocados diante do dogmatismo contemporâneo, da indústria da mentira e da construção de infraestrutura para a biovigilância através de alta tecnologia ( inteligência artificial, nuvem virtual, Internet 5G e robotização).

O aprendizado remoto é uma das tendências que se aceleraram com o advento da pandemia de COVID-19. A infraestrutura digital para conectividade é parte integrante dela. No entanto, como a tecnologia não é neutra, está ancorada na estrutura contraditória e desigual de poder e riqueza.

O problema da universidade antes da grande reclusão reside na incapacidade dos primeiros de organizar, de maneira sistemática, a reflexão em torno dos problemas públicos contemporâneos. Ao contrário de sua história milenar e de suas críticas aos poderes, a universidade contemporânea sucumbe a si mesma e direciona suas energias, confrontos e interesses faccionais para erradicar o pensamento crítico e a construção de alternativas e alternativas teóricas, artísticas, humanísticas e de vanguarda. ideológico / político. Subjugada pelas tecnocracias universitárias e pelos labirintos e chicotes do mercado, a universidade rompe com sua essência e funções históricas, estabelecendo e institucionalizando a ignorância tecnológica em seu cerne.

Estufas de teorias críticas e tradições de pensamento; templo da dúvida e questionamento sobre o status quo ; educador de elites políticas, artísticas e intelectuais; habitat natural do corpo discente como um modo de vida; e no cenário da inovação científica e tecnológica, a universidade está ameaçada pela digitalização maciça do processo de ensino / aprendizagem e, ao mesmo tempo, enfrenta os riscos e ansiedades que o cyberleviathan , o panopticon digital e o regime de bio/techno geram e implantam. Totalitário, comprometido em colocar emoções antes da razão e controlar corpos, mente e consciência no contexto da era pós-factual .

Embora as tecnologias contribuam para a solução de problemas públicos, deve-se enfatizar que elas não são uma panacéia, nem todas as soluções passam pela peneira tecnológica. Pelo contrário, seu uso indiscriminado pode abrir outros problemas públicos que ampliam abismos sociais e exacerbam desigualdades. A universidade a distância não sairá dessas tendências e de processos mais amplos, como a (re) concentração de conhecimento e o poder derivado de sua posse e uso.

Em seu trabalho A Metafísica da Juventude , o filósofo alemão Walter Benjamin falou da unidade da consciência e a vontade responderia que elas se formaram na era estudantil. Ele consegue observar que nas universidades de Berlim do início do século XX prevalece a dissociação do aparato profissional do conhecimento e que a vida estudantil é diminuída pela miséria espiritual. Hoje não estamos separados desses espreitadelas.

O caráter distante e efêmero que a educação a distância gera em seus ambientes pode exacerbar essas misérias e acentuar a ignorância dos alunos e a petrificação dos professores. Este não é apenas um risco para a formação escolar e a prática profissional, mas para a própria construção da cultura cidadã e a resolução de problemas públicos. Reivindicar criticamente e não obstante interesses adquiridos, a noção de universidade e suas funções clássicas, não implica apenas colocar a digitalização – como complemento – em sua dimensão adequada, mas erradicar o mantra de mercado como o único caminho. Caso contrário, a humanidade não terá os instrumentos mínimos para enfrentar problemas globais, como epidemias – cada vez mais recorrentes e desconhecidas Aqui!).

fecho

*Isaac Enriquez Pérez é Acadêmico na Universidade Nacional Autônoma do México. Twitter: @isaacepunam

Este texto foi publicado originalmente em espanhol pela Agencia Latinoamericana de Información -ALAI- [Aqui ].

Cientistas e a necessidade de transmitir conhecimento científico

A criação deste blog decorreu da minha insatisfação pessoal com os limites das formas tradicionais de comunicação da ciência, especialmente no tocante à necessidade de informar a sociedade sobre o que pode ser considerado “conhecimento científico”. Como parte do que faço sofre implicações diretas das ações das políticas do Estado e, por isso, forçosamente me vejo obrigado a transmitir fatos e opiniões que aparecem como politizadas, e não necessariamente decorrentes daquilo que eu e meu grupo de pesquisa desenvolvemos enquanto prática de investigação científica.

Interessante notar que a oposição e os primeiros ataques ao que é veiculado neste blog surgiram dentro da instituição onde trabalho, já que muitos colegas viram a construção deste blog como uma ação menor e sem valor científico. Alguns chegaram a me rotular de “blogueiro”, como se isto fosse algo menor e sem qualquer valor acadêmico.

Pois bem, hoje é celebrado em Portugal o “Dia Internacional do Microorganismo” e, em consequência disso, um evento internacional está sendo realizado no Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa. Uma das palestras a que assisti versou exatamente sobre a importância dos cientistas fazerem um esforço explícito para comunicar o resultado de suas pesquisas à população, de forma ampliar a cultura científica, servindo assim para diminuir as possibilidades de que a desinformação (ou as “fake news”) sejam usadas para moldar a opinião pública.

Uma das experiências nesta palestra foi o uso da rede social “Twitter” como uma sala de aula virtual para disseminar conhecimentos sobre microbiologia, adotando-se os limites de palavras de cada tweet para se estruturas aulas de 30 a 40 minutos, nas quais são distribuídos links para vídeos, imagens e conteúdos.

Entender esse papel da disseminação da cultura científica será fundamental para o futuro da própria ciência, na medida em que estamos enfiados num contexto histórico onde a negação do papel do conhecimento e da cultura científica estão sendo utilizados para abrir caminho para políticas que implicam, no caso de países como o Brasil, numa profunda regressão nos já precários índices de desenvolvimento humano.  

O problema, no caso do Brasil, parece ser a extrema dificuldade que ainda estamos enfrentando dentro da própria comunidade científica para que se saia do conforto aparente do interior dos muros universitários (metafóricos ou reais) para se disseminar conhecimento numa sociedade onde esta é mais uma “commodity” que é negada à maioria da nossa população.

 

 

A ideologia neoliberal e a transformação do cidadão em consumidor

Imagem relacionada

Os estudos acerca dos impactos da ideologia Neoliberal já trouxeram inúmeros “insights” sobre o que acontece com os seres humanos que se deixam absorver pela visão de mundo que a mesma oferece [1 e 2]. A coisa vai da solidão profunda, passa pelo consumismo desenfreado e acrítico, e desemboca na completa insensibilidade frente aos semelhantes a partir de uma visão completamente individualista de realização pessoal, já que tudo deve ser resolvido a partir da capacidade de competir e, sim, vencer [3].

É interessante notar que no bojo da aplicação das políticas neoliberais houve um crescimento exponencial das taxas de desemprego e a precarização do acesso aos elementos de mitigação das enfermidades sociais e clínicas desenvolvidas a partir da criação de uma visão de mundo que por um lado infatiliza e, por outro, objetifica todas as relações pessoais e inter-pessoais.

O problema é que vejo grassando na atual greve dos professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense uma síntese de todas essas características neoliberais. É que de um lado os professores em greve são pintados como demônios insensíveis que não se preocupam com os impactos na formação dos alunos transformados em consumidores de conhecimento. Entretanto, em contrapartida, não há qualquer menção de se cobrar do (des) governo Pezão que pare de asfixiar financeiramente a instituição, fato esse que não apenas está no bojo da greve, como também impedirá que o estudante/consumidor=cliente possa alcançar uma formação minimamente qualificada para que possa assim pleitear uma colocação num mercado que cada vez cobra mais excelência para os poucos escolhidos para terem empregos. E, pior, com a aceitação tácita de que os fornecedores do conhecimento (i.e., professores) devam fazer isso, em que pese a falta de salários e condições de trabalho. A eles importa apenas o pleno exercício da sua condição de clientes preferenciais.

E aí parece residir uma das grandes dificuldades para se enfrentar as deformações psicossociais originadas pela hegemônia da ideologia neoliberal. É que o cidadão transformado em consumidor se torna plenamente apático quando se trata de enfrentar o aparato estatal que age para restringir o número de aquinhoados com as possibilidades de acessar os arquétipos que representam o sucesso no mundo neoliberal.

Certamente desconstruir a ideologia neoliberal não é uma tarefa simples, já que ela hoje se apresenta como hegemônica. Mas como Karl Marx já elaborou de forma seminal na “Ideologia Alemã”, a saída do labirinto neoliberal se dará a partir do oferecimento de práticas materiais que apontem no sentido da superação de seu modelo de mundo. E nas atuais circunstâncias da Uenf, por exemplo, aqueles que falam na superação das ideologias como método de volta a uma normalidade intangível sabem perfeitamente que estão exercendo práticas para evitar a fuga do labirinto em que se colocaram e querem atrair mais companhias para, provavelmente, diminuir a solidão em que se meteram.


[1] https://link.springer.com/article/10.1057/pcs.2014.5

[2] http://naspa.tandfonline.com/doi/pdf/10.2202/1940-1639.1620?needAccess=true

[3] https://www.researchgate.net/profile/Daniel_Butler5/publication/305402204_Falling_Through_the_Cracks_Precarity_Precocity_and_Other_Neoliberal_Pressures/links/578dc25008ae5c86c9a65d3a.pdf