Metas do Acordo de Paris podem estabilizar a temperatura global já nos próximos 20 anos, diz estudo

Pela primeira vez cientistas conseguem identificar chance de desacelerar o aumento da temperatura antes de 2050

acordo paris

Se o mundo reduzir as emissões de acordo com as metas do Acordo de Paris, haverá uma mitigação significativa no aquecimento global dentro de cerca de 20 anos. Esta é uma boa notícia – até agora, pensava-se que não veríamos este benefício até muito depois de 2050. A nova informação consta de um estudo aceito para publicação em outubro e divulgado hoje (7/12) pela revista Nature Climate Change.

Pesquisas anteriores sempre sugeriram que a redução das emissões significaria que a desaceleração das temperaturas só começaria a ser sentida na segunda metade do século. Ao utilizar uma nova abordagem que combina grandes quantidades de dados de diferentes fontes, um estudo da Universidade de Leeds conseguiu desembaraçar o aquecimento induzido pelo homem da variabilidade natural em escalas de tempo.  O artigo divulgado hoje destaca que uma ação imediata sobre a mudança climática pode trazer benefícios dentro de nossa vida útil, e não apenas décadas ou séculos no futuro.

O estudo é liderado por Christine McKenna, pesquisadora do projeto CONSTRAIN, financiado pela União Europeia, e pós-doutoranda da Universidade de Leeds, no Reino Unido. “Nossos resultados mostram que não apenas as gerações futuras sentirão os benefícios de cortes rápidos e profundos nas emissões”, afirma. Para ela, tomar medidas agora permitirá, ao mesmo tempo, evitar que o aquecimento global se acelere nas próximas décadas e cumprir o objetivo de limitar o aquecimento a longo prazo.

“Estas descobertas são mais uma motivação para que tanto governos quanto atores não estatais estabeleçam metas rigorosas de mitigação de gases de efeito estufa, combinando uma recuperação verde dos impactos econômicos do coronavírus com o alcance de emissões líquidas zero o mais rápido possível”, defende McKenna.

A pesquisa utilizou milhares de simulações de diferentes modelos climáticos junto com múltiplas estimativas da variabilidade climática natural observada para investigar como vários níveis de cortes de emissões poderiam afetar a velocidade do aquecimento global durante as próximas duas décadas. A conclusão dos pesquisadores foi possível porque eles tiveram acesso a dados mais recentes e ampliaram um pouco sua linha do tempo futuro – de 15 anos (que é o que os trabalhos anteriores já observaram), para 20 anos. Com isso, descobriram que os benefícios começam a fazer efeito logo no final desta linha de tempo de 20 anos.

Os resultados mostram que a redução das emissões em conformidade com o Acordo de Paris, e em particular com seu objetivo de prosseguir os esforços para estabilizar o aquecimento global em 1,5°C acima dos níveis pré-industriais, tem um efeito substancial nas taxas de aquecimento nos próximos 20 anos, mesmo depois que a variabilidade natural é levada em conta.

De fato, o risco de experimentar taxas de aquecimento mais fortes do que qualquer outra coisa vista anteriormente seria 13 vezes menor com cortes rápidos e profundos nas emissões, em comparação com um futuro “médio” que continua a depender fortemente dos combustíveis fósseis. Já em um cenário futuro com uso intensivo de combustíveis fósseis poderá ter temperaturas subindo até 1-1,5°C nos próximos 20 anos – o que significa que os limites de temperatura do Acordo de Paris seriam ultrapassados muito antes de 2050.