Seminário Internacional de Mudanças Climáticas discutirá resultados da COP26 e impactos no Brasil

Evento, que será realizado online nos dias 06 e 07 de dezembro, conta com especialistas como Filipe Duarte Santos, presidente do CNADS – Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável de Portugal; Thelma Krug, vice-presidente do IPCC – Painel Intergovernamental Sobre Mudanças Climáticas; Carlos Nobre, pesquisador sênior do Instituto de Estudos Avançados da USP e presidente do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. As inscrições estão abertas. 

unnamed (40)

A ABES – Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental vai realizar o Seminário Internacional de Mudanças Climáticas nos dias 06 e 07 de dezembro. O evento será online e as inscrições já estão abertas. As inscrições podem ser feitas no site https://mudancasclimaticas.xtage.com.br/pt/usuario/index

O evento discutirá, na esteira da realização da COP26 (em novembro, na Escócia), as resoluções da conferência internacional e os impactos das alterações climáticas em todo o planeta, apresentando dados e ideias de modo preciso, transparente e qualificado e contribuindo com o avanço das discussões e soluções para esse cenário climático tão desafiador.

O seminário reunirá especialistas e organizações do Brasil e de outros países em torno de aspectos relevantes das mudanças climáticas, abordando temas como impactos setoriais, efeitos sociais e econômicos, estratégias de enfrentamento e soluções. Os participantes também vão abordar eventos extremos no mundo e no Brasil, além de falar sobre crise hídrica. 

Entre os palestrantes confirmados estão Filipe Duarte Santos, presidente do CNADS – Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável de Portugal; Thelma Krug, vice-presidente do IPCC – Painel Intergovernamental Sobre Mudanças Climáticas; Carlos Nobre, pesquisador sênior do Instituto de Estudos Avançados da USP e presidente do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas; José Marengo, climatologista, meteorologista e coordenador-geral de Pesquisa e Desenvolvimento do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais do Cemaden – Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais; Ricardo Daruiz Borsari, diretor Metropolitano da Sabesp; o consultor Jerson Kelman, Miguel Ivan Lacerda de Oliveira, diretor do Instituto Nacional de Meteorologia, e Josilene Ferrer, assessora da Presidência da CETESB – Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. 

Participam também Miguel Ivan Lacerda de Oliveira, diretor do INMET – Instituto Nacional de Meteorologia; Marcella Ungaretti, head da LatAm Business Development da XP Investimentos; Sérgio Barroso, do CEDRU – Centro de Estudos e Desenvolvimento Regional e Urban​o, e Luis Fuente Arruga​, International Finance Corporation – Banco Mundial.

O seminário é uma realização das Câmaras Temáticas da ABES de Meio Ambiente e de Gestão Recursos Hídricos e das Câmaras Técnicas da ABES Seção São Paulo de Meio Ambiente e Mudanças Climáticas e de Recursos Hídricos.

Acesse o site para conferir a programação na íntegra: https://abes-dn.org.br/abeseventos/mudancasclimaticas21/resumo-paineis/.  

Sobre a ABES 

Com 55 anos de atuação, a Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – ABES é uma associação com fins não econômicos, que reúne no seu corpo associativo cerca de 10.000 profissionais do setor. 

A força da ABES está em seus associados. 

A ABES tem como missão ser propulsora de atividades técnico-científicas, político-institucionais e de gestão que contribuam para o desenvolvimento do saneamento ambiental, visando à melhoria da saúde, do meio ambiente e da qualidade de vida das pessoas.  

É a associação brasileira que reúne a diversidade de profissionais e organizações do setor: empresas públicas e privadas, governos, prestadores de serviços, fornecedores, universidades e profissionais de diversas faixas etárias e várias áreas relacionadas ao saneamento, além da engenharia. 

ABES, há 55 anos trabalhando pelo saneamento e pela qualidade de vida dos brasileiros. www.abes-dn.org.br

Serviço:

Seminário Internacional de Mudanças Climáticas 

Quando:  6 e 7 de dezembro – online

Mais informações e inscrições: https://mudancasclimaticas.xtage.com.br/pt/usuario/index

COP26: Pequenos passos, greenwashing e uma mancha feia

A conclusão da Conferência Mundial do Clima ” COP26 ” em Glasgow foi comentada na noite de sábado pelo especialista em clima Jan Kowalzig, que estava no local para a organização Oxfam

greenwashing

Os pequenos passos dados pela COP26 não devem nos levar à ilusão de que estamos voltando para casa com um verdadeiro sucesso. É amargo que, mais uma vez, os países mais pobres do sul global, particularmente afetados pela crise climática, tenham sido marginalizados. Seu apelo por apoio para lidar com os danos e a destruição causados ​​pelas mudanças climáticas – quando os limites da adaptação são atingidos – quase não foram ouvidos novamente. Com sorte, eles podem esperar um apoio técnico limitado nos próximos anos, por exemplo, ao planejar a reconstrução após severos desastres climáticos, mas não a ajuda financeira para a reconstrução em si. Com os custos crescentes dos danos econômicos conseqüentes, os países afetados permanecem sozinhos. Essa injustiça colossal é a mancha feia no resultado de Glasgow. 

O apelo da conferência a todos os países para que melhorem suas metas climáticas só será um sucesso se os países do G20 em particular também seguirem esse apelo. Ninguém pode sentar agora. Nenhuma das principais economias está atualmente preparada para contribuir de forma suficiente e justa para a proteção do clima necessária em todo o mundo, nem mesmo a Alemanha. Glasgow está enviando um sinal inequívoco para as negociações da coalizão em andamento em Berlim: o próximo governo federal deve apresentar imediatamente um plano robusto que colocará a Alemanha em um caminho compatível com o limite de 1,5 grau do Acordo de Paris. Especialmente o FDP e o SPD terão que mudar significativamente nas próximas semanas se não quiserem trair as resoluções de Glasgow nos pequenos detalhes de sua política de clientela.

Alguns dos resultados relativos à implementação do Artigo 6 do Acordo de Paris são problemáticos. Em breve, créditos de CO2 não utilizados de antigos projetos de proteção climática com qualidade muitas vezes duvidosa poderão contar para as metas climáticas atuais dos países sob o Acordo de Paris sob os mecanismos do Protocolo de Kyoto. Mesmo assim, esse “ar quente” enfraqueceu o comércio de emissões europeu por meio do Protocolo de Kyoto. As novas regras também oferecem uma oportunidade para uma lavagem verde colossal para empresas que estabeleceram para si mesmas a meta de neutralidade climática, menos por insight e mais para fins de relações públicas.

Quase todos os dias na conferência, fora das negociações formais, houve anúncios e novas iniciativas, por exemplo, para eliminar gradualmente o carvão prejudicial ao clima ou acabar com o financiamento público de energias fósseis no âmbito da cooperação internacional. Essas iniciativas enviam o importante sinal de que a era dos assassinos do clima fóssil está chegando ao fim. Mas eles não devem esconder o fato de que só podemos colocar a crise climática sob controle se os governos traduzirem essas iniciativas voluntárias em um endurecimento de suas metas de proteção climática.

compass

Este texto foi escrito inicialmente em alemão e publicado pelo jornal “Jungewelt” [Aqui!].

Conferência do clima da ONU: agricultores e povos indígenas pedem conversão da agricultura

corte queimaPrimeiro corte e queima, depois cultivo de óleo de palma: plantação na Indonésia (Banjarmasin, 29.9.2019). Foto: Willy Kurniawan/Reuters

Glasgow .Representantes de pequenos proprietários africanos e comunidades indígenas pediram uma conversão sustentável e ecológica da agricultura na Conferência Mundial do Clima em Glasgow. Elizabeth Nsimadala, presidente da Federação de Agricultores da África Oriental e da Associação Pan-Africana de Agricultores, disse que falou em nome de 80 milhões de agricultores que alimentaram mais de 800 milhões de pessoas. Freqüentemente, porém, os próprios agricultores dificilmente conseguem sobreviver – também porque as secas causadas pelas mudanças climáticas estão cada vez mais secando o solo ou os desastres naturais estão destruindo as colheitas. “Muitos de nós passam fome todos os dias”, disse o agricultor de Uganda. A taxa de suicídio é maior do que em quase qualquer outra profissão – e ainda está aumentando. O sistema agrícola está à beira do colapso, alertou. Os pequenos agricultores da África Oriental, portanto, precisavam de apoio internacional.

A Relatora Especial das Nações Unidas para os Direitos dos Povos Indígenas, Victoria Tauli-Corpuz, disse que cuida de cerca de 500 milhões de pessoas em cerca de 90 estados, que protegem cerca de 80% da biodiversidade remanescente no mundo. Mas esse apoio foi necessário porque as fazendas industriais expulsaram muitos indígenas de sua terra natal. 500 milhões de hectares de floresta seriam destruídos todos os anos para o cultivo de produtos agrícolas. Pode-se aprender muito com os indígenas, pois há muito tempo eles estão familiarizados com os chamados superalimentos, como a quinua. “Sabemos como cultivar alimentos de forma a preservar o capital natural da Terra. Fazemos isso há milhares de anos. “

O setor agrícola é uma das maiores fontes de gases de efeito estufa que prejudicam o clima atualmente. Quase metade disso será liberado porque as florestas são convertidas em terras aráveis ​​e pastagens e pântanos são drenados ou a biomassa é queimada. A outra metade vem da própria agricultura. (Dpa / jW)

compass

Este foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal JungeWelt [Aqui! ].

Greenpeace condena “sinal verde” por mais uma década de destruição da floresta

Após três anos sem planos para reduzir efetivamente o desmatamento, o governo promete cortar 15% do desmatamento no ano em que termina o mandato

unnamed (37)

Vista aérea de um desmatamento na Amazônia para expansão pecuária, em Lábrea, Amazonas / © Victor Moriyama / Amazônia em Chamas

Glasgow, 2 de novembro de 2021 – A COP 26 trouxe uma enxurrada de anúncios sobre a “proteção” das florestas. Entre eles está um novo acordo entre governos, incluindo o Brasil, para conter o desmatamento até 2030. Mas o acordo na prática substitui a Declaração de Nova York sobre Florestas de 2014, que estabeleceu a meta para o ano de 2020 (embora o Brasil não o tenha assinado.

Respondendo de Glasgow ao anúncio, a diretora executiva do Greenpeace Brasil, Carolina Pasquali, afirma que “Há um bom motivo pelo qual Bolsonaro se sentiu confortável em assinar este novo acordo. Ele estende o prazo para acabar com a destruição da floresta em dez anos, não é obrigatório e, quando se trata de limpar as cadeias de abastecimento, parece ter como alvo apenas o desmatamento ilegal. Mas a Amazônia já está à beira do colapso e não pode sobreviver a mais uma década de destruição, legal ou não. Os povos indígenas estão clamando pela proteção de 80% da Amazônia até 2025, e eles têm razão; é o que é preciso. O clima e o mundo natural não têm condições de pagar por esse acordo.”

Após três anos sem planos para reduzir efetivamente o desmatamento, o governo promete agora cortar 15% do desmatamento em 2022, ano que termina o mandato. Se tivermos em 2021 taxas iguais de desmatamento dos últimos dois anos, esse número estaria por volta de 9.000 Km2, um aumento de 22% em relação ao ano de 2018, véspera do início do atual mandato. O governo antecipou também a meta de zerar o desmatamento ilegal até 2028, mas a conta não fecha, até lá o governo estaria admitindo quase 42.200 km2 de desmatamento ilegal, uma área maior que a Holanda ou Suíça, por exemplo.

Enquanto o governo brasileiro se aproveita da visibilidade da COP 26 para lançar diversos programas, anunciar novas metas de redução do desmatamento ilegal, cortes de emissões e um plano para acelerar a economia verde, por trás das cenas – como mostrou a reportagem de investigação jornalística do Unearth -, a intenção é outra. O Brasil, ao lado de outros países, tentou interferir nas recomendações do relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) para excluir as menções à agropecuária como vilão do clima e a importância da adoção de uma dieta baseada em vegetais. É importante lembrar que o desmatamento e a agropecuária representam 72% do total das emissões dos gases do efeito estufa do Brasil. As emissões no país aumentaram 9,5% em 2020, impulsionadas pela destruição da Amazônia — resultado de escolhas políticas deliberadas do governo Bolsonaro.

A falta de ação para reduzir a demanda por carnes e laticínios industriais — uma indústria que está causando a destruição do ecossistema por meio da produção de gado e do uso de soja para ração animal -, nos mostra que há poucas chances do governo cumprir esse acordo e instigar políticas que colocariam o Brasil de volta ao caminho certo para diminuir o desmatamento. Enquanto não adotamos dietas baseadas em vegetais e reduzimos a quantidade de carne industrial e laticínios que consumimos, os direitos dos povos indígenas continuarão a ser ameaçados e a natureza continuará a ser destruída, em vez de ter a oportunidade de se restaurar e se recuperar.

COP26: Mais de 100 líderes fazem promessa histórica para acabar com o desmatamento

  • Líderes que representam mais de 85% das florestas do mundo se comprometerão a deter e reverter o desmatamento e a degradação da terra até 2030 na COP26 de hoje [terça]
  • £ 8,75 bilhões (US $ 12 bilhões) de fundos públicos serão comprometidos para proteger e restaurar as florestas, ao lado de £ 5,3 bilhões (US $ 7,2 bilhões) de investimento privado.
  • Os anúncios são parte de um pacote sem precedentes de compromissos econômicos e políticos para acabar com o desmatamento em todo o mundo.
  • O Primeiro Ministro, Sua Alteza Real o Príncipe de Gales e os líderes da Colômbia, Indonésia e Estados Unidos entre os que devem se dirigir ao evento COP26 Florestas e Uso da Terra hoje.

DEFORESTATION

 No maior passo adiante na proteção das florestas do mundo em uma geração, mais de 100 líderes se comprometerão a deter e reverter a perda florestal e a degradação da terra até 2030 em um evento convocado pelo primeiro-ministro britânico na COP26 hoje [terça-feira]. A promessa é apoiada por quase £ 14 bilhões (US $ 19,2 bilhões) em financiamento público e privado.

Países que vão desde as florestas do norte do Canadá e Rússia até as florestas tropicais do Brasil, Colômbia, Indonésia e República Democrática do Congo endossarão a Declaração dos Líderes de Glasgow sobre Florestas e Uso do Solo. Juntos, eles contêm 85% das florestas do mundo, uma área de mais de 13 milhões de milhas quadradas.

 As florestas são o pulmão de nosso planeta, absorvendo cerca de um terço do CO2 global liberado pela queima de combustíveis fósseis todos os anos, mas as estamos perdendo em uma taxa alarmante. Uma área de floresta do tamanho de 27 campos de futebol é perdida a cada minuto.

 O compromisso será apoiado por uma promessa de fornecer £ 8,75 bilhões (US $ 12 bilhões) de financiamento público de 12 países, incluindo o Reino Unido, de 2021 a 2025. Isso apoiará atividades em países em desenvolvimento, incluindo a restauração de terras degradadas, combate a incêndios florestais e apoio os direitos das comunidades indígenas.

Isso vai acompanhar pelo menos £ 5,3 bilhões (US $ 7,2 bilhões) de financiamento do setor privado recém-mobilizado. CEOs de mais de 30 instituições financeiras com mais de US $ 8,7 trilhões em ativos globais – incluindo Aviva, Schroders e Axa – também se comprometerão a eliminar o investimento em atividades ligadas ao desmatamento.

O primeiro-ministro Boris Johnson deve dizer no evento Forest & Land Use na COP26 hoje:

“Hoje, na COP26, os líderes assinaram um acordo histórico para proteger e restaurar as florestas da Terra. Esses grandes ecossistemas abundantes – essas catedrais da natureza – são os pulmões de nosso planeta. As florestas apoiam comunidades, meios de subsistência e abastecimento de alimentos, e absorvem o carbono que bombeamos para a atmosfera. Eles são essenciais para nossa própria sobrevivência. Com as promessas sem precedentes de hoje, teremos a chance de encerrar a longa história da humanidade como conquistador da natureza e, em vez disso, nos tornar sua guardiã.”

O presidente da Colômbia, Iván Duque, disse:

“A Colômbia tem o orgulho de endossar a Declaração dos Líderes de Glasgow sobre Florestas e Uso da Terra. A Declaração é um compromisso histórico dos países de trabalharem juntos para acabar com o desmatamento e toda degradação da terra na próxima década. Nunca antes tantos líderes, de todas as regiões, representando todos os tipos de florestas, uniram forças desta forma e a Colômbia está empenhada em fazer a sua parte. Vamos consagrar por lei o compromisso de desmatamento líquido zero até 2030 – um dos compromissos mais ambiciosos da América Latina – e de proteger 30% de nossos recursos terrestres e oceânicos até 2030.

“Agora devemos todos trabalhar em parceria com empresas, o setor financeiro, pequenos agricultores, povos indígenas e comunidades locais para criar as condições para que as economias positivas para a floresta cresçam e prosperem.”

 O presidente da Indonésia, Joko Widodo disse:

“A Indonésia é abençoada como o país mais rico em carbono do mundo em vastas florestas tropicais, manguezais, oceanos e turfeiras. Estamos comprometidos em proteger esses sumidouros de carbono críticos e nosso capital natural para as gerações futuras. Apelamos a todos os países para apoiar caminhos de desenvolvimento sustentável que fortaleçam os meios de subsistência das comunidades – especialmente indígenas, mulheres e pequenos proprietários.”

 O Reino Unido comprometerá £ 1,5 bilhão em cinco anos para apoiar a promessa das florestas, incluindo £ 350 milhões para as florestas tropicais na Indonésia e £ 200 milhões para a Coalizão LEAF.

 O Reino Unido também contribuirá com £ 200 milhões, juntamente com outros 11 doadores, como parte de um novo fundo de £ 1,1 bilhão (US $ 1,5 bilhão) para proteger a Bacia do Congo. A área abriga a segunda maior floresta tropical do mundo, ameaçada pela extração industrial de madeira, mineração e agricultura.

 Os governos que representam 75% do comércio global de commodities essenciais que podem ameaçar as florestas – como óleo de palma, cacau e soja – também assinarão uma nova Declaração de Florestas, Agricultura e Comércio de Commodities (FACT). Os 28 governos estão se comprometendo com um conjunto comum de ações para oferecer comércio sustentável e reduzir a pressão sobre as florestas, incluindo apoio aos pequenos agricultores e melhoria da transparência das cadeias de abastecimento.

 Atualmente quase um quarto (23%) das emissões globais vêm de atividades de uso da terra, como extração de madeira, desmatamento e agricultura. Proteger as florestas e acabar com o uso prejudicial da terra é uma das coisas mais importantes que o mundo pode fazer para limitar o aquecimento global catastrófico, ao mesmo tempo que protege as vidas e o futuro de 1,6 bilhão de pessoas em todo o mundo – quase 25% da população mundial – que dependem das florestas para seus meios de subsistência.

 O primeiro-ministro da Noruega, Jonas Gahr Store, disse:

“Devemos trabalhar por uma estrutura global aprimorada para os investimentos climáticos. Para “manter 1,5 grau vivo”, temos que interromper a perda de florestas nesta década. Os países com florestas tropicais precisam de mais apoio e incentivos internacionais para transformar suas políticas de uso da terra. A Noruega continuará e desenvolverá ainda mais sua Iniciativa Internacional de Clima e Florestas em altos níveis até 2030, e estamos entusiasmados por fazer parte de uma coalizão crescente de doadores e empresas que se mobilizam para reduzir o desmatamento e permitir uma transição rural justa. Estou particularmente satisfeito por estarmos unindo forças para garantir os direitos dos Povos Indígenas e aumentar o reconhecimento de seu papel como guardiões da floresta.”

 Amanda Blanc, CEO do Grupo Aviva plc, disse:

“Proteger nossas florestas e sua biodiversidade é fundamental para o combate às mudanças climáticas. As instituições financeiras têm um papel central, usando nossa influência nas empresas em que investimos para incentivar e garantir as melhores práticas. A Aviva tem o orgulho de assinar o compromisso para o fim do desmatamento, ajudando a construir uma massa crítica para a mudança. Juntos, podemos reduzir o risco para o planeta e os mercados financeiros e aproveitar as oportunidades que vêm de um investimento mais sustentável.”

 Tuntiak Katan, Coordenador da Aliança Global de Comunidades Territoriais, representando as comunidades das florestas tropicais da África, América Latina e Indonésia, disse:

“Saudamos o anúncio na COP da Declaração Conjunta sobre o Avanço do Apoio aos Povos Indígenas e comunidades locais, que elevou a um nível sem precedentes sua visibilidade como uma solução climática. Ao mesmo tempo, buscaremos evidências concretas de uma transformação na forma de aplicação dos recursos. Se 80% do que é proposto for direcionado para apoiar os direitos à terra e as propostas das comunidades indígenas e locais, veremos uma reversão dramática na tendência atual que está destruindo nossos recursos naturais.”

 O evento de hoje verá líderes mundiais se juntarem a representantes de povos indígenas e comunidades locais, sociedade civil, filantropos, empresas e o sistema financeiro.

Entre aqueles que falaram ao lado do primeiro-ministro Boris Johnson estão Sua Alteza Real Príncipe de Gales, Presidente Joko Widodo da Indonésia, Presidente Ivan Duque da Colômbia, Presidente Joseph R. Biden Jr. dos Estados Unidos, Presidente Felix Tshisekedi da República Democrática do Congo e a Presidente da Comissão da UE, Ursula von der Leyen.

(Crédito: Produzido por Studio Silverback. Imagens cortesia da Netflix, Inc. Imagens adicionais fornecidas pela WWF, BBC / Discovery Access, Will Goldenberg e Jim Campbell-Spickler, If Not Us Then Who ?, Makes Waves, Gene Cornelius e Shutterstock)

 A lista completa de signatários da Declaração dos Líderes de Glasgow sobre Florestas e Uso da Terra (em 1030 GMT, 1 de novembro de 2021) é: Albânia, Andorra, Angola, Armênia, Austrália, Áustria, Bélgica, Belize, Butão, Bósnia e Herzegovina, Botswana, Brasil, Bulgária, Camarões, Canadá, Chile, China, Colômbia, Costa Rica, Costa do Marfim, Chipre, Dinamarca, República Dominicana, República Democrática do Congo, União Europeia, Equador, Estônia, Fiji, Finlândia, França, Gabão, Alemanha, Gana, Guatemala, Guiné Bissau, Guiana, Honduras, Islândia, Indonésia, Irlanda, Israel, Itália, Japão, Cazaquistão, Quênia, Quirguistão, Letônia, Libéria, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Madagascar, Malaui, Mali, Malta , Maurício, Mônaco, Mongólia, Montenegro, Marrocos, Moçambique, Nepal, Holanda, Nova Zelândia, Níger, Nigéria, Macedônia do Norte, Noruega, Paquistão, Panamá, Papua Nova Guiné,Peru, Polônia, Portugal, República do Congo, Romênia, Rússia, Santa Lúcia, Samoa, San Marino, Seychelles, Serra Leoa, Eslováquia, Eslovênia, Coreia do Sul, Espanha, Sri Lanka, Suriname, Suécia, Tanzânia, Togo, Turquia, Unidos Emirados Árabes, Ucrânia, Uruguai, Reino Unido, Estados Unidos da América, Vanuatu, Vietnã, Zâmbia, Zimbábue.

  • Em janeiro, o Primeiro Ministro do Reino Unido anunciou que o Reino Unido gastará £ 3 bilhões em financiamento climático internacional durante 5 anos para apoiar a natureza e a biodiversidade. Hoje ele vai anunciar que pelo menos metade disso (£ 1,5 bilhão) ajudará nos esforços para conter e reverter o desmatamento nos países em desenvolvimento

O Global Forest Finance Pledge é uma promessa coletiva de 12 países para fornecer

US $ 12 bilhões de financiamento climático para 2021-2025 para países elegíveis para a Assistência ao Desenvolvimento Ultramarino (ODA) para apoiar o trabalho de proteção, restauração e manejo sustentável de florestas. Os países são Reino Unido, Noruega, República da Coreia, Holanda, Bélgica, Dinamarca, Japão, França, Estados Unidos, Canadá, UE e Alemanha.

  • O investimento privado total de US $ 7,2 bilhões inclui uma série de novos fundos corporativos e filantrópicos mobilizados para florestas e natureza. Isso inclui: US $ 3 bilhões comprometidos por meio da iniciativa de Financiamento Inovador para a Amazônia, Cerrado e Chaco (IFACC) para acelerar a produção de soja e gado sem desmatamento na América Latina; $ 1,1 bilhão levantado pela Natural Capital Investment Alliance para dimensionar o investimento em soluções baseadas na natureza e na bioeconomia, com planos de aumentar para $ 10 bilhões até o final de 2022; US $ 0,5 bilhão de contribuições corporativas por meio da coalizão Redução de Emissões por Aceleração do Financiamento Florestal (LEAF); $ 2 bilhões do Fundo Bezos Earth (adicional ao $ 1 bilhão prometido em 21 de setembro de 2021); e US $ 0,6 bilhão de outras organizações filantrópicas.
  • Mais de 30 instituições financeiras cobrindo mais de $ 8,7 trilhões de ativos globais se inscreveram para eliminar o investimento no desmatamento impulsionado por commodities agrícolas. São eles: AP2, East Capital Group, Church of England Pensions Board, Aviva plc, CPEG, JGP Asset Management, International Business of Federated Hermes, ACTIAM, AXA Group, Storebrand Asset Management, Australian Ethical Investment, Boston Common Asset Management, Church Commissioners for Inglaterra, Comgest, Lombard Odier, SCOR SE, Sumitomo Mitsui Trust Asset Management, Generation Investment Management, NEI Investments, Impax Asset Management PLC, Sparebank 1 Forsikring, Fidelity Internationala, Skandia, Grupo Bancolombia, The Local Authority Pension Fund Forum, NN Investment Partners , Legal & General Investment Management, Robeco, TCI Fund Management Ltd, Schroders, LGPS Central Limited e Menhaden PLC.

Ausente da abertura da COP26, Jair Bolsonaro consolida condição de pária internacional do Brasil

principe charlesO Príncipe Charles, herdeiro do trono do Reino Unido, falando na abertura da COP26 em Glasgow, capital da Escócia

Começou hoje em Glasgow a 26a. edição da Conferência para Mudanças Climáticas da Organização das Nações Unidas (ONU) com os discursos iniciais dos líderes de governo ali presentes enfatizando a situação crítica em que se encontra o planeta em função das chamadas “mudanças climáticas” (ver vídeo abaixo).

Uma voz que não foi ouvida nessa cerimônia de abertura foi a do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, que resolveu fugir das suas responsabilidades sob a alegação pífia de que somente críticas o esperariam na capital escocesa.

Ainda que isto seja verdade, o que além de tudo seria merecido visto o papel desastroso do governo Bolsonaro no agravamento das emissões de gases estufa pelo Brasil, fugir dessa conferência não é, nem de perto, uma opção que um líder minimamente preocupado com o seu país deveria ou poderia adotar. Aliás, dentre os governantes que não estão incapacitados, pelas razões que sejam de estarem em Glasgow para participar da COP26, Jair Bolsonaro é provavelmente o único que optou por não estar lá por vontade própria..

Essa fuga de Glasgow é apenas o corolário de uma trajetória para colocar o Brasil em uma posição de destaque como pária nos debates sobre os esforços para providenciar respostas articuladas para os desafios criados pela crise climática. Essa posição pode até agradar aos frequentadores do “cercadinho” do presidente Bolsonaro em Brasília, mas certamente trará graves dificuldades para os interesses estratégicos do Brasil, inclusive na área comercial.

COP26- Protests

Protestos antes do início da COP26, em Glasgow, na Escócia / Foto: Ian Forsyth/Getty Images (30.out.2021)

Sobre todos os ângulos, a decisão de fugir da COP26 é um verdadeiro tiro no pé que está sendo dado por Jair Bolsonaro e seu grupo de ministros negacionistas. Deixar os interesses do Brasil a uma delegação composta por verdadeiros desconhecidos (alguém sabe o nome do atual ministro do Meio Ambiente) e por um vice-presidente general que é completamente ignorado pelo presidente capitão trará consequências desastrosas. E isso deverá ficar evidente mais cedo do que tarde. Isso virá porque Jair Bolsonaro conseguiu efetivamente transformar o Brasil em um pária. Simples assim!

Por não ter nada de bom para dizer, Jair Bolsonaro foge da COP26 e vai fazer turismo na Itália. Pior para o Brasil

cop26

Em meio ao caos econômico, sanitário e social em que o Brasil está metido neste momento, muito em parte por causa das desastrosas políticas ultraneoliberais adotadas pelo ministério da Economia sob o comando de Paulo Guedes, o presidente Jair Bolsonaro resolveu fugir da 26a. edição da Conferência do Clima que será realizada em Glasgow, capital da Escócia, a partir deste domingo (31/10).  Em vez de se juntar a maioria dos líderes mundiais que estarão na COP26 para discutir a adoção de políticas de mitigação (senão de controle) da crescente climática em que estamos metidos. Em vez disso, o presidente do Brasil resolveu dar uma de “Leão da Montanha”, saiu pela direita, e foi fazer turismo na Itália onde deverá participar como mero expectador da reunião anual do chamado G-20, que nesta edição não contará com a presença de Xi Jinping e Vladimir Putin.

Bolsonaro-Roma-29-10-21-868x644Para fugir da COP26, Jair Bolsonaro resolveu fazer turismo de rua na Itália

Ao contrário da reunião do G-20 que não trará medidas efetivas para o quer que seja, a COP26 deverá trazer uma série de resoluções que poderão sim afetar a forma pela qual a economia mundial funciona, pelo menos nos próximos anos. Nesse sentido, não estar presente na COP26 certamente não será benéfico para o Brasil, independente de quem seja o seu presidente em 2023. Ao se negar a discutir seriamente medidas de confronto da crise climática, o governo Bolsonaro está contribuindo para um maior aprofundamento do isolamento diplomático em que o Brasil já se encontra.

O fato é que ao se recusar a estabelecer propostas de controle das emissões de gases estufa, e objetivamente agir para aumentá-las, o governo Bolsonaro está levantando barreiras com nossos principais parceiros comerciais, inclusive a China (que, aliás, já impõe um congelamento na importação de carne brasileira). E é importante notar que, ainda que as decisões da COP26 fiquem aquém do que se precisa para conter o avanço da crise climática, países que são centrais no controle das emissões, como é o caso do Brasil, não serão poupados de cumprir suas responsabilidades. Em outras palavras, as barreiras que já sendo levantadas são apenas o princípio do que virá pela frente.

Finalmente, há que se observar a declaração do vice-ministro Hamilton Mourão que justificou a ausência de Jair Bolsonaro sob a alegação de que se fosse o presidente brasileiro seria alvo de apedrejamento, não havendo nada de prático que pudesse ser feito. Pelo jeito, o general Mourão, do alto de sua soberba, ainda não entendeu sobre o que significa ser apedrejado dentro da diplomacia mundial. A verdade é que até agora Jair Bolsonaro não foi sequer incomodado, apesar de todas as ações bizarras na área ambiental. No entanto, o castigo pode até tardar, mas virá. Pior para o Brasil.

Brasil chega à COP 26 com falsas soluções para o clima

A uma semana da Cúpula Climática da ONU, governo Bolsonaro segue apresentando metas vazias

unnamed (2)

Manaus 2021: os impactos da cheia recorde do Rio Negro Cenas do bairro do Educandos, na Zona Sul de Manaus, um dos mais atingidos pela cheia histórica do rio Negro

São Paulo, 25 de Outubro de 2021 – No próximo domingo, começa em Glasgow a 26ª Conferência das Partes da ONU. Estaremos de olho nas negociações em torno do Artigo 6, no financiamento adequado para países em situação de vulnerabilidade e na eliminação gradativa do uso de combustíveis fósseis. É esperado que haja avanço na finalização do Livro de Regras e que os países avancem na aprovação de mecanismos de financiamento climático. Para nós, o mercado de carbono não é uma solução para a crise do clima e deve ser deixado de fora dos mecanismos de financiamento.

Em vez de políticas de compensação de carbono, defendemos que os países se comprometam com uma mudança sistêmica com foco em energias renováveis, floresta em pé, agroecologia, respeito aos povos indígenas e comunidades tradicionais, em conjunto com a cooperação entre os países para o desenvolvimento de mecanismos de financiamento de não mercado. Os governos precisam se concentrar na elaboração de metas ambiciosas e planos de ação concretos em suas NDCs, além de diretrizes firmes para que as empresas reduzam diretamente as emissões em suas atividades.

O governo Bolsonaro chega à COP 26 sem ter cumprido a agenda climática dentro do território nacional, num momento em que o Congresso Nacional tramita projetos de lei que incentivam a grilagem e flexibilizam o licenciamento ambiental. As taxas de desmatamento crescem exponencialmente desde 2019 e as contribuições nacionais brasileiras são pouco expressivas, sem qualquer política pública clara de alcance de metas. “Bolsonaro negligencia a gravidade da crise climática e apresenta falsas soluções baseadas em mecanismos de financiamento internacional privado e de mercado em território nacional por meio de créditos de carbono que não diminuem as emissões de gases de efeito estufa do país, e sim, criam compensações, onde quem tem dinheiro paga para poluir, em um país que já premia a degradação ambiental”, declara Fabiana Alves, Coordenadora de Clima e Justiça do Greenpeace Brasil.

O Greenpeace, integrante do grupo Carta de Belém, assinou o manifesto com mais 30 Organizações da sociedade civil brasileira criticando falsas soluções climáticas e ressaltando para mudanças sistêmicas em nossas economias para impedir que o aquecimento global ultrapasse 1.5ºC. Qualquer tipo de compensação de gases de efeito estufa, como o mercado de carbono, serve como uma licença para que grandes empresas continuem poluindo.

“Estamos vivendo a última janela de oportunidades para a tomada de ação em direção a uma mudança urgente e necessária para conter as mudanças climáticas, conforme alertado pelo último relatório do IPCC, e diante da pandemia de COVID-19, a COP 26 também é uma oportunidade única para a reconstrução de uma economia global mais forte, justa e sustentável. Os líderes precisam ir além dos compromissos já assumidos e respaldar suas promessas em planos, políticas e investimentos nacionais concretos.”

Agência Bori e Embaixada Britânica realizam webinários sobre cobertura das mudanças climáticas

Voltadas a jornalistas, as atividades integram os preparativos para a COP26

cop26 uk embassy

A Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2021 (COP26), o maior evento internacional deste ano e o encontro mais importante na área do meio ambiente desde o Acordo de Paris, se aproxima. O principal objetivo do governo britânico é tirar do papel o que foi acordado há seis anos em Paris.

Para dar visibilidade à COP26 e ampliar o debate público sobre o impacto das mudanças do clima em nossa sociedade, a Embaixada Britânica e a Agência Bori realizarão dois webinários, nos dias 7 e 13 de outubro, voltados a apoiar jornalistas na cobertura da Conferência. A participação é gratuita, mediante inscrição prévia.

O primeiro encontro, a ser realizado em 7 de outubro, discutirá os impactos das mudanças climáticas no Brasil. Liana Anderson, do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN), abordará os impactos socioambientais da degradação florestal, e Marcelo Galdos, da Universidade de Leeds, falará sobre estratégias de mitigação e adaptação da agricultura.

Já o segundo webinário, que ocorrerá no dia 13 de outubro, abordará o papel da ciência nas discussões de clima e conta com a participação do diretor do Hadley Center, Dr. Albert Klein Tank, e da Diretora de Engajamento em Ciência da COP26, Helen Adams.

Além da oportunidade de conversar com os especialistas sobre mudanças climáticas, os participantes dos webinários receberão material de apoio preparado especialmente para o evento.

Sobre a COP26

A COP26 será sediada pelo Reino Unido e acontecerá de 31 de outubro a 12 de novembro deste ano em Glasgow, na Escócia. A Conferência será considerada bem-sucedida pelo governo britânico se as negociações dos trechos finais do Acordo de Paris forem concluídas, mas, principalmente, se for iniciada a implementação e as ações no mundo real, tirando o Acordo de Paris do papel. Um dos principais objetivos é o de se firmar compromissos mais ambiciosos para limitar o aquecimento global a 1.5 ºC.

O Reino Unido tem demonstrado que é possível alcançar isso com metas ambiciosas. Nos últimos 30 anos, a economia britânica cresceu 78%, ao passo em que suas emissões foram cortadas em 44%. A meta do governo britânico, a mais ambiciosa entre as grandes economias do mundo, é reduzir suas emissões de carbono em 78% até 2035 e alcançar neutralidade de carbono até 2050. Para isso, o governo eliminará gradualmente a energia a carvão até 2024 e encerrará a venda de novos veículos movidos a gasolina e diesel até 2030.

O quê? Webinários Impactos das Mudanças Climáticas no Brasil COP26 e a ciência

Quando? 7 de outubro (quinta-feira), das 9h30min às 10h30min; e 13 de outubro (quarta-feira), das 9 às 10 horas

Onde? Encontro no Zoom – link a ser disponibilizado posteriormente aos inscritos

Para quem? Jornalistas interessados na cobertura de ambiente e clima.  As inscrições para o webinário do dia 7 podem ser realizadas até 4 de outubro neste formulário. As inscrições para webinário do dia 13 podem ser realizadas até 11 de outubro neste formulário. O único pré-requisito para efetuar a inscrição é ter cadastro na comunidade de jornalistas Agência Bori – que pode ser realizado gratuitamente a partideste link. O segundo webinar terá tradução simultânea.

Bio dos Palestrantes

Dra Liana Anderson é pesquisadora do Centro Nacional de Monitoramento e Alerta Antecipado de Desastres Naturais (CEMADEN) no Brasil e membro do corpo docente da pós-graduação em Sensoriamento Remoto do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Liana é bióloga cujos interesses de pesquisa incluem o monitoramento de florestas e gestão dos riscos e impactos associados a incêndios florestais e extremos climáticos nos ecossistemas e nas comunidades.

Dr Marcelo Galdos é um pesquisador brasileiro que atua na Universidade de Leeds (Reino Unido), investiga estratégias de mitigação e adaptação da agricultura e de resiliência dos ecossistemas diante das projeções de modelos climáticos. Em 2020, o cientista foi selecionado como Líder Emergente no Reino Unido pela organização do Oxford Farming Conference, um importante evento do agronegócio britânico. Também é membro da Sociedade Britânica de Ciência do Solo.

Dra Helen Adams é professora na área de redução de riscos e adaptação às mudanças climáticas na King’s College, em Londres, e Diretora de Engajamento em Ciência da COP26.

Dr Albert Klein Tank é diretor do Met Office Hadley Centre para Estudos e Serviços Climáticos, instituição de referência na pesquisa sobre mudanças climáticas sediada no Reino Unido. O cientista trabalha com pesquisa em bases de dados para entender diferentes cenários de futuras tendências climáticas.

NY: Guterres cobra G20 em cúpula climática de Boris Johnson

Países-ilha dão ultimato a grandes poluidores por financiamento climático e metas de redução de emissões

Informal Leaders Round Table on Climate Change

O Secretário-Geral (na tela) fala a um grupo seleto de delegados do governo na Mesa Redonda Informal de Líderes sobre Ação Climática.

O Secretário Geral da ONU notadamente cobrou “várias economias emergentes” sobre seus objetivos climáticos – provavelmente foi o tom mais incisivo que um chefe da ONU pode usar de olho em China, Índia, Brasil, Rússia, Indonésia e África do Sul.

E sem líderes de EUA, China, Índia ou Brasil, os países-ilha e os estados africanos e latino-americanos dominaram a arena. O que emergiu como resultado foi um poderoso sentimento de raiva, frustração e ansiedade pela ameaça existencial que a COP26 representa para suas nações. Uma lista completa dos participantes deve ser publicada neste site em breve: https://www.un.org/en/climatechange/informal-climate-leaders-roundtable-climate-action

O enviado climático americano John Kerry deixou escapar uma dica de que veremos dos EUA esta semana – muito necessário, como ressalta a avaliação financeira de hoje da Oxfam International. Hoje, o governo italiano disse que também apresentará uma nova meta financeira nos próximos dias.

Abaixo algumas falas de líderes que participaram de mais esta cúpula  climática:

Secretário-Geral da ONU, António Guterres

“Entendo o princípio de responsabilidades comuns, mas diferenciadas. Os países desenvolvidos precisam assumir a liderança. Mas também é essencial que várias economias emergentes se esforcem mais e contribuam efetivamente para a redução de emissões. Precisamos especialmente da liderança de todos os membros do G20”. [Transcrição aqui]

Primeira-Ministra de Barbados, Mia Mottley

“Para nós é inexplicável que o mundo não esteja agindo, e isso sugere que nós, em pequenas ilhas, somos dispensáveis e devemos permanecer invisíveis. O G20 é responsável por 80% das emissões de gases de efeito estufa. O que significa que mais de 170 países são responsáveis por apenas 20%. Não estamos indo na direção certa e, no entanto, são poucos os que precisam ser colocados na direção certa”.

Presidente das Ilhas Marshall, David Kabua

“Como pode não ficar claro para todos nós que é hora de os grandes emissores mostrarem a mesma liderança? Em todo o mundo, vemos incêndios, enchentes, secas, marés reais que comem nossas costas. Àqueles entre vocês que ainda não entregaram NDCs ou ainda não aumentaram sua ambição: os olhos do mundo estão sobre vocês. O último relatório de Síntese da UNFCCC mostra a perigosa magnitude da lacuna global na liderança climática. Nosso destino está ligado à escala, qualidade e rapidez de suas ações. Eu os convido a entregar sua NDCs até a COP-26 e assegurar que esses planos estejam alinhados com um futuro de 1,5C. O penhasco é 2030, a 9 anos de distância.”

Presidente da Costa Rica, Carlos Alvarado Quesada

“Se os países fossem entidades privadas, todos os líderes seriam demitidos, pois não estamos no caminho certo. As coisas continuam as mesmas. É um absurdo. Esta não é uma reunião pública – se fosse, seria estranho usar esta linguagem. Mas temos que ser francos. Estamos construindo a fúria das gerações futuras. Boris escreveu um livro e eu já o li. É um livro muito bom. O Fator Churchill. Ele enfatiza como um indivíduo pode fazer a diferença. Agora precisamos de indivíduos. Precisamos de um fator Boris; precisamos de um fator António; precisamos de um fator Mia. Precisamos de um fator Vladimir e, em particular, um fator Biden”.

Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson

“A COP26 será encenada no brilho total do holofote global. E quando a cúpula terminar, quando a maior parte do mundo tiver se comprometido com uma ação decisiva e que mude o jogo, ficará claro para todos aqueles de nós que não tiveram a coragem de subir ao palco. O mundo verá, e seu povo se lembrará, e a história julgará. Assim você pode desviar o olhar, pode fazer o mínimo, pode esperar que se você alimentar o crocodilo o suficiente, ele o devore por último. Ou você pode mostrar liderança.”

Primeira ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen

“Contribuíremos com pelo menos 1% da meta coletiva de 100 bilhões de dólares , e 60% de nosso financiamento público baseado em subsídios dedicados a ajudar os países em desenvolvimento a se adaptarem”.