As mortes em Manaus devem ser um alerta para o mundo

Não por causa da imunidade do rebanho: Na metrópole brasileira de Manaus, o sistema de saúde entrou em colapso devido à COVID-19. De acordo com uma teoria, a mutação P.1 é parcialmente responsável

lucas silva © LUCAS SILVA / DPA / PICTURE ALLIANCE 

Por Christian Heinrich para a Spektrum*

Foi dito que a cidade brasileira de Manaus alcançou imunidade de rebanho. Dizia-se que o coronavírus estava sob controle ali. Agora não há apenas dúvidas sobre o estudo de imunidade, mas pior: as unidades de terapia intensiva dos hospitais da metrópole estão superlotadas, o oxigênio está quase esgotado. Ouvimos de hospitais que as pessoas sufocam porque os médicos não conseguem ventilá-las adequadamente. O sistema de saúde entrou em colapso.

O que está acontecendo em Manaus hoje em dia pode ter consequências em todo o mundo. Uma nova variante do coronavírus está circulando na cidade Alguns pesquisadores interpretam suas propriedades como o primeiro sinal de que a luta contra a Covid-19 pode levar a um sério revés na luta contra a pandemia nas próximas semanas e meses.

A situação em Manaus é tão dramática quanto trágica. As clínicas há muito não conseguem aceitar centenas de pacientes da COVID-19 que estão realmente em tratamento intensivo, enquanto enfermeiras e médicos não podem mais cuidar de seus pacientes nas enfermarias. Devido ao grande número de pacientes COVID-19 em unidades de terapia intensiva que requerem ventilação, a necessidade de oxigênio para ventilação artificial aumentou enormemente e a equipe do hospital tem que ventilar os pacientes em alguns locais com bombas manuais. Uma pessoa pode fazer isso por 20 minutos – então outra pessoa tem que ajudar. A solução provisória da solução provisória: voluntários que vêm aos hospitais para salvar vidas.

As autoridades e o governo brasileiro são responsáveis ​​por esta situação. O número de doentes aumentou rapidamente na segunda metade de dezembro, depois que as regras para conter a pandemia foram recentemente relaxadas; incluindo a proibição de reuniões maiores e regras à distância. Isso permitiu que o vírus se propagasse mais amplamente, especialmente durante o Natal e as comemorações de final de ano. O populista de direita presidente brasileiro Jair Bolsonaro fez sua parte minimizando publicamente o perigo do vírus e semeando dúvidas sobre a segurança e eficácia das vacinas: “Não assumimos responsabilidade”, disse ele. “Se você se tornar um crocodilo, o problema é seu.”

Em segundo lugar, existem sinais preocupantes de que os problemas se devem não apenas ao modo como o Brasil está lidando com a crise, mas também a mudanças no coronavírus.

A imunidade do rebanho provavelmente nunca foi alcançada em Manaus

Manaus já era uma cidade com um número particularmente alto de infectados em abril de 2020, durante a primeira onda da pandemia. Naquela época, valas comuns tinham que ser cavadas para os mortos. Como o vírus se espalhou tão rapidamente, os pesquisadores suspeitaram que a maioria das pessoas carregava o patógeno em um curto período de tempo. Já em outubro de 2020, 76% da população de Manaus deveria estar infectada com o Sars-CoV-2, de acordo com a renomada revista científica “Science”. Como resultado, a cidade poderia ter obtido imunidade coletiva de acordo com os critérios oficiais O que também significa: não deveria ter havido um surto tão flagrante como está ocorrendo atualmente em Manaus.

tubos oxigenio© EDMAR BARROS / ASSOCIATED PRESS / PICTURE ALLIANCE (EXCERTO)Carência de oxigênio em Manaus | Os familiares de pacientes da Covid-19 que estão no hospital ficam na frente de uma empresa com garrafas de oxigênio vazias para recarregá-las.

Como pode ser?

Talvez o cálculo esteja errado, ou pelo menos a conclusão que alguns tiraram dele. O estudo da “Ciência” agora é controverso. Os pesquisadores calcularam o número de pessoas que provavelmente seriam protegidas do Sars-CoV-2 examinando amostras de sangue em busca de anticorpos usando métodos estatísticos. No entanto, os dados vêm de doadores de sangue que receberam um teste gratuito para anticorpos Covid-19 como um incentivo. Isso poderia ter atraído os doadores em particular, que suspeitaram de terem sido infectados no passado.

Esse viés estatístico ainda seria o melhor caso. Pelo menos quando você considera a outra opção.

A variante P.1 do coronavírus no estado do Amazonas causa preocupação

Os pesquisadores temem que as mudanças em partes cruciais do vírus sejam a causa. Pelas mutações, daí a preocupação, essa variante do Sars-CoV-2 poderia atacar uma segunda vez mesmo aqueles que já carregavam o vírus ou deveriam ser protegidos por uma vacina – o sistema imunológico não reconhece o patógeno. Essa seria uma notícia desastrosa para a luta global contra a pandemia, na qual a imunidade é laboriosamente construída com a ajuda de vacinas .

Na verdade, uma nova mutação do Sars-CoV-2 pode ser detectada na região amazônica: P.1. A variante foi descoberta pela primeira vez quando já estava no exterior: no Japão, funcionários do laboratório encontraram a mutação em quatro viajantes da região amazônica. Uma análise de P.1 mostrou que ele tinha mutações semelhantes a duas outras variantes de vírus altamente consideradas, B.1.1.7 da Grã-Bretanha e 501Y.V2 da África do Sul . Com esses dois, estudos iniciais mostraram que, embora não levem a cursos de doença mais graves, são mais contagiosos do que os Sars-CoV-2 anteriores.

Jesse Bloom, um biólogo evolucionário do Fred Hutchinson Cancer Research Center em Seattle, acha que isso é preocupante: “Cada vez que as mesmas mutações aparecem e se propagam independentemente, é uma forte indicação de que essas mutações estão ganhando uma vantagem evolutiva significativa. «

Além disso, P.1 da América do Sul já mostra que a extensão das mutações é maior. Portanto, pode ser que esse patógeno modificado tenha outras novas propriedades significativas. Os primeiros pacientes individuais recém-infectados também foram encontrados. “O fato de a variante ter aparecido aqui, entre todos os lugares, pode ser um sinal de que ela está ganhando espaço onde grande parte da população já é supostamente imune”, diz Bloom.

Fernando Spilki, virologista da Universidade Feevale, na região metropolitana de Porto Alegre, Brasil, vê outro sinal disso ao examinar mais de perto as mutações do vírus: “A variante de Manaus altera certa parte de uma proteína que pelo menos foi detectada em testes de laboratório que pode neutralizar anticorpos dirigidos contra Sars-CoV-2. “

Mas tudo isso ainda são apenas indicações iniciais. Não é nada certo que a nova variante do vírus contorne a defesa imunológica do corpo treinada em Sars-CoV-2. Pode ser que, nos casos individuais em que ocorreu uma segunda infecção, a causa não seja um patógeno alterado, mas o sistema imunológico do paciente. O sistema pode ter esquecido como se defender do Sars-CoV-2 nos últimos meses.

Também não está claro como o vírus modificado reagirá às vacinas COVID-19 existentes. Ainda não há evidências de resistência. No entanto, alguns pesquisadores interpretam o fato de que o patógeno mudou rapidamente várias vezes em pontos cruciais como um sinal de que Sars-CoV-2 poderia se adaptar rapidamente às vacinas.

Muito ainda é incerto no momento. O certo é que é comum que os vírus mudemMas quanto mais variantes questionáveis ​​estiverem em circulação, menor será a probabilidade de se conseguir conter a pandemia em tempo hábil. Só no Brasil já existem três linhas Sars-CoV-2, diz Spilki: “A variante de Manaus, uma no Rio de Janeiro e outra no sul do país, no Rio Grande do Sul”.

ambulanciasTransporte de ambulâncias | Profissionais de saúde e militares se preparam no Aeroporto de Ponta Pelada, em Manaus, para colocar um paciente Covid-19 em um avião da Força Aérea para ser levado a um hospital fora da cidade.

Experimentos com animais devem revelar mais sobre a variante sul-americana

Para os pacientes de Manaus, as causas são secundárias. O mais importante é cuidar dos enfermos. O Brasil está fazendo tudo o que pode para ajudá-los e colocar a situação sob controle. Por exemplo, helicópteros militares entregaram oxigênio à cidade nos últimos dias e várias centenas de pacientes foram transferidos para hospitais da região.

Enquanto isso, os cientistas estão trabalhando para investigar as propriedades do P.1 com mais detalhes. Em experimentos com animais com hamsters, por exemplo, é testado se animais considerados imunes ficarão doentes novamente após uma infecção inicial, se o vírus mutante pode ser transmitido mais rapidamente e quais características especiais a variante ainda possui. Os primeiros resultados podem ser esperados nas próximas semanas.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em alemão e publicado pela revista Spektrum [Aqui! ].

Dados do SUS embasam pesquisa sobre os efeitos da COVID-19 nas cinco regiões brasileiras

2-UPA-Jose-Rodrigues_foto-Marcio-James-Amazonia-Real_internaDe janeiro a agosto de 2020, o índice de mortalidade entre o pacientes com Covid-19 internados em UTIs na região Norte estava em 79% (Foto: Marcio James / Amazônia Real)

Por Paula Guatimosim o Boletim da Faperj

Coordenada pelo pesquisador Fernando Augusto Bozza, chefe do Laboratório de Pesquisa Clínica em Medicina Intensiva do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas da Fundação Oswaldo Cruz (INI/Fiocruz), em uma colaboração com pesquisadores da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (Idor), do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e do Instituto de Saúde Global de Barcelona (ISGlobal), a pesquisa, que utilizou dados do Sistema Único de Saúde (SUS) coletados nas cinco regiões brasileiras, revela dados alarmantes. Do universo de 254.288 pacientes hospitalizados que testaram positivo para a COVID-19, 38% (87.515) faleceram; dos 79.687 pacientes que foram internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI), 59% (47.002) não sobreviveram, e nada menos que 80% (36.046) dos 45.205 doentes que precisaram de auxílio de respiradores morreram. E para quem ainda acha que a doença só afeta idosos, os dados mostram que 1/3 dos pacientes hospitalizados tinha menos que 50 anos e 47% menos de 60 anos.

Publicado em 15 de janeiro, o artigo “Caracterização das primeiras 250 mil internações hospitalares por COVID-19 no Brasil: uma análise retrospectiva de dados nacionais” (Aqui!) também mostra como a epidemia atingiu  populações das diferentes cinco regiões brasileiras (Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul) de forma desigual. Os maiores impactos foram observados nas regiões em que a renda per capita é mais baixa e os sistemas de saúde mais precários, como por exemplo no recente colapso no estado do Amazonas, onde apenas na capital, Manaus, há UTIs

grafico1_fioO gráfico mostra o número de pacientes com Covid-19 hospitalizados, os que necessitaram de UTI, os que foram ventilados artificialmente em todas as regiões do País, bem como o percentual de óbitos nas diversas faixas etárias (Fonte: The Lancet)

A análise abrangeu retrospectivamente os dados de pacientes internados com COVID-19 durante os primeiros cinco meses da pandemia no Brasil, usando um banco de dados de âmbito nacional que cobre cada macrorregião. Foram avaliados doentes com registro no Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Influenza (Sivep-Gripe), usado desde 2012 pelo Ministério da Saúde para monitorar infecções respiratórias agudas graves no Brasil, entre os dias 16 de fevereiro e 15 de agosto de 2020. Neste período, a região Norte já apresentava 79% de mortalidade de pacientes em UTI, contra 49% no Sudeste. Os números mostram uma alta mortalidade hospitalar, mesmo entre pacientes jovens, e diferenças regionais substanciais em termos de recursos disponíveis e desfechos da doença. Do total de pacientes avaliados, 16% não tinham comorbidades e 72% receberam algum suporte respiratório (invasivo ou não invasivo). A mortalidade hospitalar em pacientes com menos de 60 anos foi de 31% no Nordeste contra 15% na região Sul. O Sivep-Gripe registra os casos e mortes devido à doença lançados por todas as unidades de saúde dos municípios, confirmados pelo teste RT-PCR, que é considerado o mais eficaz, ou padrão de referência, já que identifica o vírus e confirma a COVID-19 por meio da detecção do RNA do vírus.  

Bozza, que recebe apoio da FAPERJ para a realização de suas pesquisas por meio do programa Cientista do Nosso Estado (CNE) e da chamada Apoio a Projetos Temáticos, diz que o estudo ganhou grande repercussão, tanto dentro da comunidade científica quanto da população em geral. “Um dos objetivos da equipe foi informar os resultados da pesquisa por meio de uma linguagem acessível e em que os dados falassem por si”. Os pesquisadores foram motivados pela extrema pressão que a pandemia de COVID-19 provocou nos sistemas de saúde em todo o mundo, em especial devido ao aumento de internações hospitalares e o crescimento da demanda por leitos de UTI, suporte respiratório avançado e profissionais de saúde treinados. Para Fernando Bozza, o fato de o artigo ter “viralizado” nos diversos grupos de médicos nas redes sociais e tido boa repercussão na mídia mostra a importância da reflexão social e política sobre a epidemia e esse momento dramático para a humanidade e para o País.

No artigo, os pesquisadores chamam a atenção para o fato de o Brasil ter uma população de 210 milhões de habitantes distribuídos em uma extensa área territorial, com grande heterogeneidade entre suas cinco macrorregiões, incluindo disparidade socioeconômica, que se reflete na qualidade dos serviços regionais de saúde. “A COVID-19 afeta as populações e os sistemas de saúde de forma desigual, colapsando primeiro os sistemas de saúde mais frágeis e provocando desfechos piores sobre as populações mais vulneráveis, tanto econômica quanto biologicamente”, afirma o médico intensivista. A proporção geral de mortes hospitalares foi maior entre pacientes analfabetos (63%), negros ou pardos (43%) ou indígenas (42%). 

Fernando-BozzaBozza: para o pesquisador, País precisa usar os dados disponíveis para planejar políticas pública e tornar o sistema de saúde um sistema inteligente  

“Embora a pesquisa confirme o impacto negativo da pandemia sobre o sistema de saúde e sobre a população brasileira, também mostra a importância do Sistema Único de Saúde (SUS), onde foram gerados e disponibilizados os dados para a pesquisa”, ressalta Bozza. Ele diz que o principal objetivo do trabalho foi mostrar que a COVID-19 é realmente uma doença grave, com um índice de mortalidade muito alto e que atinge todas as faixas etárias, até mesmo os jovens. E que os dados estatísticos apresentados deveriam servir para nortear políticas públicas e ações para o enfrentamento da segunda e demais ondas que a doença possa provocar. “O País tem os dados, tem a competência para analisar os dados, mas precisa usar os dados e informações para planejar ações, elaborar políticas públicas e tornar o sistema de saúde um sistema inteligente. É triste saber que apesar da disponibilidade dos dados, a mortalidade no País não caiu”, alerta o médico. 

fecho

Este artigo foi inicialmente publicado pelo Boletim da Faperj  [Aqui!].

Os necrocomercadores da pandemia e sua insensibilidade social

cemiterio

Assisto relativamente de longe a pendenga estabelecida entre os donos de estabelecimentos comerciais e a Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes acerca das necessárias medidas de isolamento social que foram adotadas para frear o agravamento da pandemia da COVID-19.  Se não estivéssemos vivenciando um forte agravamento de contaminações e mortes causadas pelo coronavírus, a discussão sobre abre e fecha o comércio seria meramente escolástica.

O problema é que estamos em meio a uma situação em que vídeos emitidos por médicos atuando na linha de frente do combate à pandemia da COVID-19 em Campos dos Goytacazes apontam, até de forma desesperada, para uma situação crítica em que inexistem leitos de Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs), e que muitos pacientes já não têm sequer como serem acolhidos nos hospitais da cidade.

Dessa forma, pressionar para manter estabelecimentos comerciais abertos é um convite a um agravamento ainda maior do que já está grave. Lamentavelmente, como no caso de Rafael Diniz, o prefeito Wladimir Garotinho aparentemente está escolhendo o caminho da espinha curvada, em vez de se posicionar como o líder que o município também precisa em um momento gravíssimo de nossa História.

Ao analisar os parcos argumentos oferecidos em prol da abertura de estabelecimentos que, em sua maioria, continuarão às moscas por falta de clientes, não posso deixar de observar que é falacioso afirmar que os estabelecimentos comerciais não são fonte de contaminação.  Qualquer um que percorrer a área comercial do centro de Campos dos Goytacazes verá que o máximo que se faz é oferecer álcool gel e medir a temperatura corporal dos clientes,  medida necessárias que estão longe de impedir a expansão do processo de contaminação.

Mas a grande questão é que para se chegar a um estabelecimento qualquer, o eventual cliente terá que usar transportes públicos precários e circular por ruas em que a maioria não porta máscaras. Assim, a pessoa pode até não se contaminar dentro de uma dada loja, mas isso não quer dizer que o funcionamento de atividades não essenciais não contribua para que haja um agravamento da pandemia. Isto sem falar nos próprios trabalhadores do comércio que, em sua maioria, é obrigada a usar transporte público para chegar ao trabalho.

Já está mais do que claro que as próximas semanas serão marcadas pelo agravamento dos casos de contaminação, o que ampliará ainda mais a pressão sobre unidades hospitalares já sobrecarregadas. Mas nada disso parece sensibilizar os necromercadores da pandemia.   Legal seria se quando a vacinação realmente chegasse, eles se recusassem a entrar na fila para dar lugar aos seus empregados. Mas já sabemos que isto dificilmente ocorrerá.

“Você sabe com quem está falando?” em tempos de pandemia

vacina

Coube ao antropólogo Roberto DaMatta sintetizar a lógica autoritária com que os poderosos e mais abastados exercem suas prioridades sobre o resto da população brasileira sob a frase “Você sabe com quem está falando”?  DaMatta, aliás, acaba de lançar um livro com este título, onde ele promete explicar aspectos complementares do autoritarismo vigente na sociedade brasileira pela editora Rocco.

Apesar de ainda não ter tido a oportunidade de adquirir o livro de DaMatta, eu já me antecipo e indico que uma forma especialmente arrogante de exercício do “Você sabe com quem está falando?” está ocorrendo na furação de filas para ser vacinado contra a COVID-19. Um primeiro exemplo veio justamente de Manaus, onde duas irmãs gêmeas, jovens médicas e milionárias, foram nomeadas para a Secretaria Municipal de Saúde, aparentemente para furarem a fila da vacina. A situação acabou oferecendo ainda mais combustível para a a situação socialmente que foi gerada pela incompetência dos diferentes níveis de governo de impedir dezenas de mortes por asfixia por falta de oxigênio na capital do estado do Amazonas.

Engana-se que a aplicação do “Você sabe com quem está falando?” se resumiu às gêmeas milionárias de Manaus, pois fui informado que um apadrinhado de um político local recebeu tratamento, digamos, especial em pleno Hospital Geral de Guarus, foi vacinado antes dos profissionais daquele unidade de saúde. Lamentavelmente não me foi fornecida nem a identidade do furador de fila ou imagens do momento em que a furação de fila ocorreu.  Entretanto, a fonte que me passou a informação é bastante confiável, e, por isso, não tenho dúvidas de que o fato ocorreu.

O que podemos dizer para indivíduos, a maioria bem educada e capaz de comprar uma passagem para se vacinar em países que estão fazendo isso com os turistas que desafiam o medo da pandemia para viajar, que não se hesitam em passar na frente e deixar aqueles que deveriam ser vacinados primeiro para trás? Provavelmente que eles expressam o que há de mais arcaico e autoritário em uma sociedade que prima por tratar os pobres como bucha de canhão, especialmente em um momento em que um vírus letal ameaça solapar toda o planeta.

Mas esses que exercem o “Você sabe com quem está falando?” em meio a uma pandemia estão pouco se importando com os seus semelhantes, especialmente os mais pobres. Por isso, é que nos cabe publicizar todos os casos comprovados de furadores de fila, pois esse comportamento não pode ser tolerado sob pena da instalação da mais completa forma de barbárie social.

Início da vacinação no Brasil é duplo desastre de relações públicas para o presidente Bolsonaro

Jair Bolsonaro espera em vão pelas entregas da AstraZeneca da Índia. Seu arquiinimigo político, o governador do estado de São Paulo, entretanto, inicia a vacinação com uma vacina chinesa

posePose de vitória após a vacinação: A enfermeira Mônica Calazans, 54, do estado de São Paulo, é a primeira pessoa no Brasil a ser vacinada contra o coronavírus. O governador do estado comemora a vacinação com uma vacina chinesa. Carla Carniel / AP

Por Thomas Spleen, Rio de Janeiro, para o Neue Zürcher Zeitung

Mônica Calazans, 54, é a primeira pessoa no Brasil a ser vacinada contra o coronavírus. A enfermeira de uma unidade de terapia intensiva da COVID-19 do maior estado de São Paulo recebeu a vacina CoronaVac no domingo, poucos minutos após a aprovação emergencial pela autoridade da Anvisa. O governador do estado, João Doria, foi festejado na ocasião. Com os dedos estendidos para marcar a vitória, ele falou de um “dia V” histórico como “vacina, vitória, verdade, vida” – “vacinação, vitória, verdade e vida”. Doria planeja concorrer contra o presidente Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2022. As fotos do sucesso do início da vacinação são úteis para ele.

Doria fazia campanha para o instituto de vacinas do Butantan, em São Paulo, para colaborar com a fabricante chinesa Sinovac desde meados do ano passado. Desde o final de novembro, já chegam a São Paulo transportes com latas do produto CoronaVac da Sinovac, onde já estão armazenados seis milhões de vacinas e a matéria-prima para a produção de mais cinco milhões delas. No entanto, a agência federal Anvisa atrasou a aprovação da vacina. Para pressionar a autoridade, Doria anunciou em dezembro que iniciaria a vacinação em São Paulo em janeiro.

Desde o início, o presidente Bolsonaro sabotou os esforços de Doria, seu mais feroz adversário político. Bolsonaro tentou jogar tacos burocráticos entre as pernas de Doria para atrasar o início da vacinação em São Paulo com o CoronaVac. No final do ano passado, o ex-militar anunciou que em hipótese alguma a população do Brasil seria vacinada com a vacina chinesa. Bolsonaro ordenou ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que rescindisse o contrato já fechado com São Paulo para a entrega de 46 milhões de doses do CoronaVac para os postos de vacinação estaduais. Em hipótese alguma quis conceder a Doria e aos chineses, a quem acusava de causadores da pandemia, o triunfo da imunização da população brasileira com o CoronaVac

Bolsonaro apostou com AstraZeneca

Em vez disso, o governo federal do Brasil assinou um contrato com a fabricante anglo-sueca AstraZeneca e a Oxford University para a entrega de milhões de doses e transferência de tecnologia para futura produção da vacina no Brasil. O governo rejeitou as ofertas da Pfizer/Biontech por razões de custo. Mas Bolsonaro apostou fora. Porque as entregas prometidas da AstraZeneca para o Brasil continuam atrasadas. A tentativa desesperada de coletar rapidamente dois milhões de doses da vacina AstraZeneca na Índia no sábado falhou. Precisamos das doses de vacinação para nossa própria população, foi o motivo alegado pelas autoridades indianas.

Desastre de relações públicas do Bolsonaro

Bolsonaro e seu ministro da saúde Eduardo Pazuello, um general rígido e de aparência hostil que organizou a logística para os Jogos Olímpicos de Verão no Rio de Janeiro em 2016, mas não tem experiência no setor de saúde, teve que assistir a primeira vacinação  de João Doria Brasil no domingo. Além do CoronaVac, a Anvisa também emitiu a vacina AstraZeneca com aprovação emergencial neste domingo. Mas como não é certo quando a vacina britânica pode ser esperada, o governo central terá que iniciar sua campanha de vacinação nacional com o CoronaVac.

Em frente à imprensa no domingo, um ministro da Saúde visivelmente irritado, Pazuello, pediu ao governo de São Paulo que entregasse todas as seis milhões de doses do CoronaVac ao governo central. Isso vai distribuir as vacinas em todo o país na segunda-feira, para que as vacinações em massa possam começar simultaneamente em todas as regiões na quarta-feira. A vacinação em massa só pode ser realizada no Brasil pelo sistema público de saúde SUS, que é subordinado ao Ministério da Saúde, e os estados individuais não podem fazer isso sozinhos, disse Pazuello. Todas as doses de vacinas fabricadas ou armazenadas no Brasil teriam que ser entregues exclusivamente ao governo central.

No entanto, João Doria não pensa em fazer isso. Já nesta segunda-feira, ele quer iniciar as vacinações em massa sob sua direção nos hospitais de São Paulo. De acordo com a proporção da população de São Paulo em relação à população total do Brasil, 20% das vacinas CoronaVac serão retidas. Os restantes 80 por cento serão colocados à disposição do Ministério da Saúde em solidariedade. O ministro da Saúde, Pazuello, já anunciou que entrará com ações judiciais contra a suspensão das vacinas, se necessário.

Bolsonaro nega os perigos da Covid-19

O presidente Bolsonaro tem que aceitar outro revés. No início da pandemia, ele disse que a Covid-19 era uma gripe menor e se manifestou contra as restrições e bloqueios. Ele se recusou a usar uma máscara ou seguir as regras de distância. Ele também afirmou que não queria ser vacinado. Você não poderia saber se isso o transformaria em um crocodilo. Nesse ínterim, cerca de 210.000 pessoas morreram de Covid-19 no Brasil. Somente nos Estados Unidos há mais mortes por pandemia. É crescente o descontentamento da população com a passividade do governo no combate à pandemia.

A situação é atualmente particularmente crítica na metrópole amazônica de Manaus. Os hospitais de lá estão sem oxigênio para os ventiladores há uma semana. Além disso, centenas de leitos de terapia intensiva estão desaparecidos e muitas pessoas morrem sem chance de atendimento médico em casa. Bolsonaro colocou a culpa pelo caos no governo local. No entanto, disse que já havia pedido ajuda ao governo central e a outros Estados membros semanas atrás

Hidroxicloroquina em vez de oxigênio

O ministro da Saúde, Pazuello, havia visitado Manaus apenas no início da semana passada. No entanto, sua visita não era para fornecer o oxigênio urgentemente necessário. Em vez disso, Pazuello promoveu o uso do medicamento contra a malária, a hidroxicloroquina. Bolsonaro havia anunciado a droga como uma “arma milagrosa divina” na luta contra a COVID-19. Embora cientistas de todo o mundo duvidem da eficácia do medicamento contra a COVID-19, Pazuello insiste que os médicos em hospitais públicos tratem os pacientes com o medicamento. Enquanto há falta de oxigênio em Manaus, milhares de embalagens do medicamento antimalária produzida pelos militares estão armazenadas sem uso.

fecho

Este artigo foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo jornal suíço Neue Zürcher Zeitung [Aqui! ].

Tragédia em Manaus

Os hospitais da metrópole amazônica de Manaus estão sem oxigênio

tubos oxigenioFamiliares de pacientes internados com o coronavírus fazem fila com garrafas vazias de oxigênio em frente à empresa Nitron da Amazônia para reabastecê-las. Foto: PictureAlliance /dpa/AP

De Niklas Franzen para o Neues Deutschland

A jornalista brasileira Natuza Nery estava assistindo ao vivo na maior estação de TV do país quando foi tomada por seus sentimentos. O motivo: Manaus, metrópole de floresta tropical do norte do Brasil, se tornou o cenário de um dos episódios mais dramáticos da pandemia da COVID-19.

Na quinta-feira passada, os hospitais locais informaram que ficaram sem oxigênio. As enfermeiras tiveram que ventilar os pacientes manualmente, e vídeos de pessoas carregando garrafas de oxigênio adquiridas de forma privada para hospitais para seus parentes infectados viralizaram nas redes sociais.

Mais de 200.000 pessoas morreram de COVID-19 no Brasil até agora – esse é o segundo maior número depois dos EUA. Manaus já foi gravemente afetada pela crise de saúde no início da pandemia, agora voltou com força total: só nos primeiros doze dias de 2021, mais de 2.000 novos pacientes foram internados nos hospitais. Centenas estão em listas de espera por leitos de terapia intensiva e muitas pessoas estão sufocando em casa sem nem mesmo ver um médico. Enfermeiras desesperadas relatam injetar morfina em pessoas doentes para, pelo menos, aliviar a dor. As agências funerárias locais não conseguem suprir a demanda por funerais.

O rápido aumento de novas infecções pode ser devido a uma mutação viral recentemente descoberta no estado do Amazonas. Mas as medidas negligentes de isolamento e a negligência da população também são apontadas como motivos. Houve festas com milhares de convidados, as pessoas saíram às ruas sem máscaras, as lojas e os bares lotaram. Muitas comemorações de Natal e Ano Novo aconteceram sem restrições.

O governador Wilson Lima ordenou agora um toque de recolher entre 19h e 6h. As vítimas de COVID-19 foram transportadas de avião para outros estados, assim como 61 bebês prematuros de hospitais locais. A localização remota de Manaus provavelmente contribuiu para a escassez de oxigênio. Ironicamente, o país vizinho e em crise, a Venezuela, agora está ajudando. E celebridades arrecadam doações online para enviar garrafas de oxigênio para Manaus.

Foi apenas no final de dezembro que o governador de direita Wilson Lima retirou um decreto para um novo bloqueio. Políticos aliados do presidente Jair Bolsonaro, incluindo o seu filho e deputado federal Eduardo Bolsonaro,  celebraramo recuo do governador amazonense. O governo federal enviou oxigênio em aeronaves militares na sexta-feira – de acordo com reportagens da mídia, a quantidade cobriu apenas 11% da necessidade diária de Manaus.

“Fizemos nossa parte”, defendeu o presidente Jair Bolsonaro, que culpa as autoridades locais pelo caos. O governo federal havia sido avisado sobre o colapso uma semana antes. Em vez de criar um plano de emergência, o ministro da Saúde de Bolsonaro, Eduardo Pazuello, recomendou que os hospitais dessem aos seus pacientes hidroxicloroquina – um medicamento contra a malária cujos estudos não mostraram eficácia contra a COVID-19. 

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal Neues Deutschland [Aqui!].

A transparência da Anvisa que sobra para as vacinas da COVID-19, falta para os agrotóxicos

wp-1610903208335.jpg

Milhões de brasileiros devem estar passando o início desta tarde de domingo (17/01) com os olhos pregados nas telas da TV para acompanhar o processo de aprovação pela diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para duas das vacinas (Covishield, da Oxford/Fiocruz, e Coronovac, da Sinovac/Instituto Butantã).  O interessante é que apenas o voto da diretora relatora dos pedidos, Meiruze Freitas, está durando mais de uma hora. Se o mesmo acontecer com os quatro diretores que ainda deverão proferir seus votos, os brasileiros só saberão o placar final da decisão da Anvisa lá pelas 16 horas.

Essa longa reunião deve ser um caso único em todos os países que já estão fazendo o uso das vacinas ora analisadas para futuro emprego no Brasil. É que as explanações da diretoria da Anvisa, as quais estão sendo realizadas via TV, representam um nível de transparência raro quando se trata da aprovação de vacinas, especialmente em um contexto de uma pandemia letal como a da COVID-19.

Curiosamente, quando se trata de aprovar agrotóxicos banidos em outras partes do mundo e que são tão ou mais letais que o coronavírus, não se vê o mínimo de transparência por parte da mesma Anvisa. Esta diferença de postura no tocante à transparência de atos  de liberação para uso no Brasil, especialmente quando atos de liberação afetarão a saúde dos brasileiros, não pode passar despercebida ou naturalizada. Por isso, há que se começar a cobrar da Anvisa que utilize mecanismos de transparência para a aprovação de agrotóxicos. E isso para ontem.

Quando o oxigênio acabar

O número de infecções está explodindo na metrópole da floresta tropical de Manaus. Nos hospitais, muitos dependem de garrafas particulares de oxigênio

Virus Outbreak Vaccine

Um dos muitos enterros em um cemitério de Manaus no início de janeiro de 2021Foto: Edmar Barros / ap

BERLIN taz | As fotos aéreas das valas comuns no Brasil deram a volta ao mundo no início da pandemia corona. Agora, a metrópole de floresta tropical de Manaus, no norte do país, está novamente nas manchetes tristes. Na quinta-feira, os hospitais informaram que ficaram sem oxigênio.

Os funcionários já devem tentar ventilar os pacientes manualmente. Vídeos de pessoas carregando garrafas de oxigênio compradas de forma privada para hospitais para seus parentes doentes estão se tornando virais nas redes sociais . O diretor do maior hospital público enviou um apelo dramático por meio de grupos do Whatsapp: “Se alguém puder ajudar a manter a ventilação, por favor, precisamos de você!”

Mais de 206.000 pessoas já morreram de Covid-19 no Brasil – esse é o segundo maior número depois dos EUA. Manaus foi duramente atingida pela crise de saúde no início da pandemia. Agora, os números explodiram novamente: só nos primeiros doze dias do ano novo, mais de 2.000 novos infectados foram internados nos hospitais. Centenas estão em listas de espera por leitos de terapia intensiva e muitas pessoas sufocaram sem tratamento.

De acordo com especialistas, o rápido aumento de novas infecções pode ser devido a uma mutação do vírus descoberta no estado do Amazonas . Mas as medidas frouxas de isolamento e a negligência da população também são citadas como motivos.

O tradutor alemão Klaus Reuss, que mora em Manaus, disse ao taz que muita gente não cumpriu a regulamentação nas últimas semanas. Já aconteceram festas com milhares de convidados, as pessoas saíram às ruas sem máscaras, as lojas e os bares lotaram. Muitas comemorações de Natal e Ano Novo aconteceram sem restrições.

O Oxigênio da Venezuela

O governador do estado do Amazonas, Wilson Lima, admitiu a dramática situação em entrevista coletiva na quinta-feira e anunciou o toque de recolher entre 7 e 6 horas. Os pacientes da COVID-19 devem agora voar para outros estados e um suprimento emergencial de oxigênio foi acordado com um vizinho em crise, a Venezuela . Enquanto isso, internautas e celebridades estão coletando doações para poder enviar garrafas de oxigênio de maneira privada para o estado do Amazonas.

Por muito tempo, os especialistas advertiram sobre um novo colapso do sistema de saúde e declararam que a imunidade coletiva não era esperada na metrópole duramente atingida. No final de dezembro, o governador de direita Lima retirou um decreto para um novo bloqueio após pressão pública. A decisão foi celebrada por políticos de direita, como o filho do presidente Jair Bolsonaro.

O vice-presidente Hamilton Mourão disse na quinta-feira que garrafas de oxigênio serão transportadas para o estado em aeronaves militares. O presidente Bolsonaro falou na noite de quinta-feira ao lado de seu ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Em um vídeo ao vivo, Bolsonaro, que repetidamente se referiu à Corona como uma “gripe menor”, zombou dos doentes e ignorou as advertências da Organização Mundial de Saúde (OMS), disse que a responsabilidade pelo caos em Manaus é do governo do estado e da prefeitura.

O ex-militar novamente elogiou a polêmica droga contra a malária , a cloroquina como uma droga milagrosa contra a COVID-19. O governo também é criticado por sua estratégia de vacinação. Por razões políticas, Bolsonaro levantou o ânimo contra uma vacina chinesa e declarou várias vezes que não seria vacinado em hipótese alguma.

O deputado federal de esquerda Marcelo Freixo encontrou no Twitter palavras claras: “Isso não é incompetência. O que estamos observando atualmente em Manaus são as consequências de crimes dolosos cometidos por Bolsonaro e seus cúmplices ”.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal berlinense TAZ [Aqui!].