EUA: quem está morrendo de COVID-19 agora e por quê

Quase três anos após a pandemia, a carga de mortalidade do COVID está crescendo em certos grupos de pessoas

covid eua

Crédito: EllenaZ/Getty Images

Por Melody Schreiber para a Scientific American

Hoje, nos EUA, cerca de 335 pessoas morrerão de COVID – uma doença para a qual existem vacinas , tratamentos precauções altamente eficazes . Quem ainda está morrendo e por quê?

As pessoas mais velhas sempre foram especialmente vulneráveis ​​e agora representam uma proporção maior de mortes por COVID do que nunca na pandemia. Embora o número total de mortes por COVID tenha caído, o ônus da mortalidade está mudando ainda mais para pessoas com mais de 64 anos. As mortes por COVID entre pessoas com 65 anos ou mais mais que dobraram entre abril e julho deste ano, aumentando 125% , de acordo com uma análise recente da Kaiser Family Foundation. Essa tendência aumentou com a idade: mais de um quarto de todas as mortes por COVID ocorreram entre pessoas com 85 anos ou mais durante a pandemia, mas essa parcela aumentou para pelo menos 38% desde maio.

O local onde as pessoas vivem também afeta seu nível de risco. A pandemia atingiu primeiro as áreas urbanas com mais força, mas a mortalidade aumentou drasticamente nas áreas rurais no verão de 2020 – um padrão que se manteve . Atualmente, a diferença está diminuindo, mas as pessoas que vivem em áreas rurais ainda estão morrendo em taxas significativamente mais altas. As taxas de mortalidade rural caíram de 92,2% acima das taxas urbanas no final de setembro para 38,9% mais altas em meados de outubro.

O racismo e a discriminação também desempenham um papel descomunal nas mortes por COVID. Embora as diferenças nas taxas de mortalidade ajustadas por idade com base na raça tenham diminuído recentemente, os especialistas preveem que as desigualdades provavelmente aumentarão novamente durante os surtos.

Nas últimas semanas, a taxa de mortalidade por COVID nos EUA permaneceu bastante estável , com 2.344 pessoas morrendo da doença no período de sete dias encerrado em 9 de novembro, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA. Mesmo assim, os EUA ainda respondem por uma grande parte de todas as mortes confirmadas de COVID que ocorrem em todo o mundo e têm o maior número de mortes confirmadas de COVID de qualquer país. Houve 1,2 milhão de mortes em excesso nos EUA desde fevereiro de 2020, de acordo com o CDC – perdas que remodelaram quase todas as partes da vida americana. A doença viral continua sendo a principal causa de morte durante toda a pandemia. E a expectativa de vida geral nos EUA caiu significativamente desde o início da crise. “Isso não tem precedentes”, diz Kristin Urquiza, cofundadora da Marked by COVID , uma rede de defesa em homenagem às vítimas da doença. “E eu não acho que isso vai parar tão cedo.”

O gráfico de área mostra a parcela de mortes por COVID nos EUA por faixa etária (abaixo de 65, 65–74, 75–84, 85+) de abril de 2020 a setembro de 2022.
Crédito: Amanda Montañez; Fonte: Kaiser Family Foundation

Mais de 200.000 pessoas já morreram por causa do COVID nos EUA em 2022, e o governo do presidente Joe Biden está se preparandopara mais 30.000 a 70.000 mortes neste inverno. Um ano de gripe ruim, em comparação, causa cerca de 50.000 mortes .

No entanto, o financiamento público diminuiu ou desapareceu para as próprias vacinas e tratamentos que reduziram o risco de morte por COVID. Nos próximos quatro meses , essas ferramentas-chave estarão disponíveis apenas para aqueles que puderem comprá-las no mercado privado, à medida que os atuais subsídios federais acabarem – uma situação que pode afetar o acesso e a aceitação. “É assustador pensar no que acontecerá quando houver uma próxima onda se essas coisas não voltarem”, diz Elizabeth Wrigley-Field, demógrafa e socióloga da Universidade de Minnesota.

No auge do aumento mais recente de mortes em agosto, 91,9% de todas as mortes em todo o país ocorreram entre pessoas com 65 anos ou mais – a maior parcela de qualquer aumento na pandemia, ainda maior do que em abril de 2020.

As instituições de cuidados de longo prazo foram duramente atingidas durante a pandemia, com residentes e funcionários respondendo por cerca de um quinto de todas as mortes por COVID. Em 2021 as vacinações e tratamentos ajudaram a diminuir esses golpes. Mas as mortes por COVID em lares de idosos agora aumentaram novamente. De abril a agosto deste ano, esse número mais que triplicou .

Embora a maioria das mortes por COVID esteja entre os idosos, os mais jovens ainda estão morrendo em taxas mais altas do que o normal por causa da doença – especialmente aqueles que trabalham em áreas essenciais, mostram pesquisas . Em condições normais nos Estados Unidos, “os jovens raramente morrem”, diz Justin Feldman, cientista visitante do Harvard François-Xavier Bagnoud Center for Health and Human Rights, que estuda a desigualdade social. Mas agora, diz ele, “o excesso de mortalidade para todas as faixas etárias é bastante alto e excepcionalmente alto nos EUA, em comparação com outros países ricos”.

Quando se trata de raça e etnia, bem como de geografia, outros padrões também estão surgindo. Mas os especialistas observam que essas mudanças provavelmente serão temporárias.

A cada outono, as taxas de mortalidade por COVID entre os brancos ficaram mais próximas ou mais altas do que entre os negros. Mas as mortes de pessoas racialmente minoritárias aumentaram novamente durante os surtos, quando a taxa total de mortes por COVID aumenta. Os especialistas esperam o mesmo padrão de desigualdade em surtos futuros. “Os brancos estão morrendo em taxas mais altas durante determinados períodos de tempo, quando a contagem total de mortes é menor. E os negros estão morrendo em taxas mais altas durante outros períodos de tempo em que a contagem de mortes é maior ”, diz Feldman. “E isso nem sequer reconhece os índios americanos, os nativos do Alasca e as ilhas do Pacífico, que tiveram consistentemente as maiores taxas de mortalidade durante todo o tempo, em todos os momentos, e muitas vezes são excluídos desses tipos de análises”.

Dois anos após o início da pandemia, as mortes por todas as causas foram maiores para os povos indígenas e ilhéus do Pacífico , em comparação com os níveis pré-COVID, de acordo com um estudo publicado em setembro. As mudanças na expectativa de vida também atingiram as pessoas de cor com mais força. Pessoas negras, hispânicas e indígenas em áreas rurais tiveram o COVID-19 mais mortal em 2021 entre todos os grupos raciais ou étnicos relativamente grandes nos EUA, de acordo com um artigo de pré-impressão que ainda não foi revisado por pares. Essas disparidades são muitas vezes exacerbadas em áreas rurais com menor acesso aos cuidados de saúde e uma população mais velha e doente – e com taxas de vacinação frequentemente mais baixas.

As vacinas COVID ajudaram a reduzir algumas disparidades. “A vacinação reduz a desigualdade racial”, diz Feldman. “É simples assim.” Mas os mesmos fatores que colocam muitas pessoas de cor em risco, incluindo racismo e opressão sistêmica, persistem. Por exemplo, o acesso de reforço em comunidades de cor tem sido desigual, elevando as taxas de mortalidade.

Não ser vacinado ainda é um importante fator de risco para morrer de COVID. Em agosto de 2022, pessoas não vacinadas morreram seis vezes mais do que aquelas que receberam pelo menos a série primária da vacina, de acordo com o CDC. E pessoas não vacinadas com 50 anos ou mais tinham 12 vezes mais chances de morrer do que seus pares vacinados e com reforço duplo.

Como uma grande parte da população dos EUA recebeu pelo menos uma vacina contra a COVID, a maioria das mortes agora ocorre entre pessoas vacinadas. Em julho, 59% das mortes por COVID ocorreram entre os vacinados e 39% entre as pessoas que receberam um reforço ou mais. Isso não significa que as vacinas não estão mais funcionando; eles ainda são altamente eficazes na redução dos riscos de doenças graves e morte. Mas sua eficácia diminui com o tempo, e reforços contínuos precisam ser combinados com outras precauções para evitar doenças e morte. Em agosto, pessoas com 50 anos ou mais que foram vacinadas e receberam apenas um reforço tiveram três vezes mais chances de morrer do que pessoas com dois ou mais reforços, de acordo com o CDC.

Apenas 10,1% dos americanos com cinco anos ou mais receberam o relativamente novo reforço bivalente, que é altamente eficaz contra as variantes Omicron do SARS-CoV-2, o vírus que causa o COVID. Mais de 14 milhões de americanos com 65 anos ou mais (ou quase 27 por cento) receberam a vacina atualizada – uma taxa mais alta do que entre os americanos mais jovens, mas nada como a absorção das duas doses iniciais. “Nunca tivemos o mesmo tipo de esforço para tornar os reforços disponíveis e acessíveis da mesma forma que fizemos as séries primárias de vacinação”, diz Wrigley-Field. Os reforços são essenciais não apenas para reduzir a hospitalização e a morte de todos, mas também para enfraquecer as cadeias de transmissão e ajudar a proteger os mais vulneráveis.

Medicamentos antivirais e tratamentos com anticorpos monoclonais, que podem ser extremamente eficazes na prevenção de hospitalização e morte, também são subutilizados e distribuídos de forma desigual. Os códigos postais com as pessoas mais vulneráveis ​​têm a menor absorção de antivirais , apesar de terem mais locais de distribuição, descobriu um estudo do CDC. Outro estudo do CDC mostrou que pessoas de cor são menos propensas do que pessoas brancas a receber anticorpos monoclonais. Entre maio e o início de julho, apenas 11% das pessoas que testaram positivo para COVID relataram ter recebido prescrição de antivirais. Notavelmente, aqueles com rendas mais altas receberam o antiviral altamente eficaz Paxlovid em mais do que o dobro da taxa daqueles com rendas mais baixas, de acordo com outro estudo. Estima-se que 42 por centodos condados dos EUA eram “desertos de Paxlovid” em março, de acordo com uma análise de um local de distribuição de medicamentos.

Cerca de 8,7 milhões de americanos são imunocomprometidos, colocando-os em maior risco de morte por COVID. No entanto, apenas cerca de 5,3 por cento deles receberam Evusheld, um tratamento que pode prevenir resultados graves por seis meses de cada vez, o CDC estimou em setembro.

“Ainda estamos no meio desta crise”, diz Urquiza. “Os mais vulneráveis ​​não serão apenas deixados para trás, mas serão condenados à morte.”

Isso pode parecer uma história sobre números. Não é. É uma história sobre pessoas. Muitas de suas histórias foram compiladas por Alex Goldstein, fundador do Faces of COVID , um projeto online criado para mostrar as histórias por trás das estatísticas – e para homenagear as vidas perdidas e aqueles que as lamentam. “Todos nós perdemos algo quando seu ente querido morreu”, diz Goldstein. “Meu maior medo sempre foi que, se não aprendermos as lições dessa pandemia, o que acredito que estamos fazendo, seremos 10 vezes mais atingidos pela próxima”, acrescenta. “Acho que estamos provando que somos completamente incapazes de abraçar esses tipos de desafios. E isso me assusta para o futuro.”


compass black

Este texto escrito originalmente em inglês foi publicado pela revista Scientific American [Aqui!].

Agenda Social faz chamada para dossiê com artigos sobre “Políticas Sociais e a pandemia”

maringa

A revista “Agenda Social”, uma publicação do Programa de Pós Graduação em Políticas Sociais (PGPS) da Universidade Estadual do Norte Fluminense acaba de lançar uma chamada para a publicação de um dossiê que versará sobre as “Políticas Sociais e a pandemia da COVID-19” que terá os professores Carlos Abraão Valpassos e Renata Maldonado da Silva como os editores responsáveis. O período de submissão dos artigos é de 15 de agosto a 15 de outubro de 2022.

dossie

Para eventuais interessados em submeter artigos científicos para este dossiê, segue abaixo uma descrição completa dos termos da convocatória:

Em 11 de março de 2020 a Organização Mundial de Saúde decretou a existência da pandemia de Covid-19. A partir desse momento, o mundo passou a enfrentar a primeira grande crise sanitária do século XXI, responsável pela imposição de significativos desafios relativos a todas as esferas da vida. Diante da crise que se instaurou, inúmeras estratégias de enfrentamento foram estabelecidas pelos atores sociais, no afã de reduzir os efeitos perniciosos do coronavírus.

Neste dossiê, pretendemos reunir trabalhos que abordem os impactos da pandemia de covid-19 sobre as políticas sociais, abordando as transformações acarretadas e as respostas oferecidas ao novo contexto que abruptamente se impôs. Nos interessa a crise instaurada pela covid-19 sobre as políticas sociais e também a forma como estas tiveram que se adaptar, ou não, na persecução de seus objetivos. Seja na esfera educacional, habitacional, ambiental, da saúde, da segurança pública ou da segurança alimentar, mudanças foram impostas pela pandemia, rearticulando objetivos e atores. Os movimentos sociais, os grupos de interesse, as elites econômicas e intelectuais foram envolvidas na crise pandêmica, o que alterou o escopo e os desafios das políticas sociais existentes até então.

Quais alterações, paralisias e respostas foram apresentadas nesse contexto? Qual o papel e os desafios das políticas sociais frente ao quadro de mudança apresentado pela emergência pandêmica? Essas são algumas das questões que surgem quando correlacionamos o advento da covid-19 e a formulação e implementação das políticas sociais enquanto ações da esfera pública, envolvendo a participação do Estado e das diferentes instituições de governo, bem como de movimentos sociais organizados e o contexto econômico e político do país.

Nesse sentido, a Revista Agenda Social, do Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais da Universidade Estadual do Norte Fluminense – Darcy Ribeiro, convida autoras e autores de diferentes áreas de formação, dedicados à reflexão sistemática sobre políticas sociais, a contribuírem com artigos originais para seu dossiê temático intitulado “As Políticas Sociais e a Pandemia de Covid-19 – Ações e reações em um mundo colapsado”.

Estudo ‘verdadeiramente assustador’ sobre impactos das mudanças climáticas sobre o agravamento de doenças infecciosas

evacuation_disease_MAIN

Evacuação de um paciente com suporte de oxigênio. As doenças infecciosas estão piorando como resultado das mudanças climáticas, de acordo com um estudo classificado como “verdadeiramente assustador” e “aterrorizante”. Direitos autorais: Arie Basuki , (CC BY-SA 4.0)

Por Claudia Mazzeo para a SciDev

A maioria das doenças infecciosas está piorando como resultado das mudanças climáticas, de acordo com um estudo classificado como “verdadeiramente assustador” e “aterrorizante” por pesquisadores.

O estudo, publicado hoje (segunda-feira) na Nature Climate Change, mostra que 58% das doenças infecciosas foram exacerbadas pelas mudanças climáticas, incluindo dengue, hepatite, pneumonia, malária e zika.

As descobertas ocorrem quando muitas regiões do mundo lutam contra secas e ondas de calor recordes e seguem a devastadora pandemia de COVID-19 de 2020-2021.

“Sabíamos de antemão que havia uma ligação entre as mudanças climáticas e as doenças causadas por patógenos, mas nossa motivação era quantificar esse efeito, saber o quão grande era.”

Prof. Camilo Mora, Departamento de Geografia e Meio Ambiente, Universidade do Havaí

“Dadas as consequências extensas e generalizadas da pandemia de COVID-19, foi realmente assustador descobrir a enorme vulnerabilidade sanitária resultante das emissões de gases de efeito estufa”, Camilo Mora, principal autor do estudo e professor do Departamento de Geografia e Meio Ambiente da Universidade do Havaí, disse à SciDev.Net .

Pesquisadores da Universidade do Havaí em Manoa pesquisaram sistematicamente por meio de pesquisas publicadas casos comprovados de infecções afetadas pelas mudanças climáticas, como aquecimento, inundações, secas, tempestades, mudanças na cobertura natural da terra e mudanças climáticas oceânicas.

Eles descobriram o impacto das doenças reunindo três fatores anteriormente não relacionados: que tipo de agente deixou as pessoas doentes – por exemplo, era uma bactéria ou um vírus, como as pessoas pegaram a doença e qualquer evento de mudança climática que poderia ter impactado, como como chuvas, secas ou aquecimento.

A equipe revisou mais de 70.000 artigos e, de 375 doenças infecciosas, encontrou 218 que foram exacerbados pelas mudanças climáticas.

“Sabíamos de antemão que havia uma ligação entre as mudanças climáticas e as doenças causadas por patógenos, mas nossa motivação era quantificar esse efeito, saber o quão grande era”, disse Mora.

“Foi quase um choque ver como o banco de dados que montamos com essas conexões cresceu; é assustador saber que 58% das doenças têm a capacidade de serem afetadas pelas mudanças climáticas.”

Eles descobriram que o aumento das temperaturas aumentou a área sobre a qual os organismos causadores de doenças – geralmente transmitidos por insetos – estão ativos, impactando em doenças como dengue, chikungunya, doença de Lyme, vírus do Nilo Ocidental, zika, tripanossomíase, equinococose e malária.

Caixa de Pandora

A análise genética de um surto de antraz no Ártico sugere que a cepa bacteriana pode ter emergido de uma carcaça de animal desenterrada quando o solo congelado derreteu, e os pesquisadores temem que o derretimento do permafrost possa abrir uma “caixa de Pandora” de doenças antigas.

Eles também descobriram que os vírus podem ser aprimorados após a exposição a ondas de calor, pois diminuíram a eficácia do mecanismo de defesa do corpo – febre.

Silvina Goenaga, professora de ecologia de zoonoses da Universidade Nacional do Noroeste da Província de Buenos Aires, que não participou do estudo, disse: “Os autores destacam que aumentos nas temperaturas globais geram uma expansão geográfica de artrópodes como mosquitos e carrapatos, que atuam como vetores [portadores de doenças] para agentes virais, bactérias e parasitas.

“É imperativo intensificar os programas de controle de vetores e a vigilância nos sistemas públicos de saúde.”

Esta peça foi produzida pela mesa da América Latina e Caribe da SciDev.Net.


compass black

Este texto originalmente escrito em inglês foi publicado pela SciDev [Aqui!].

Mineradoras australianas perderão US$ 11 bilhões em valor de mercado à medida que a derrocada das commodities se acelera

bhpUma pequena figura de brinquedo e imitação mineral são vistas na frente do logotipo da BHP nesta ilustração tirada em 19 de novembro de 2021. REUTERS/Dado Ruvic/Illustration

Por Shashwat Awasthi para a Reuters

20 Jun (Reuters) – As três grandes mineradoras da Austrália estavam em vias de perder mais de 16 bilhões de dólares australianos (US$11,12 bilhões) em valor de mercado combinado nesta segunda-feira nos níveis atuais, à medida que se aprofunda a queda na venda de commodities  causada pela diminuição da demanda da China e pelos temores de uma recessão global se aprofundaram.

As ações da Rio Tinto listadas na Austrália (RIO.AX) devem perder quase A$ 2 bilhões em valor, BHP (BHP.AX) mais de A$ 10 bilhões, e Fortescue Metals (FMG.AX) mais de A$ 4 bilhões.

A menor produção das siderúrgicas chinesas afetou a demanda por minério de ferro, enquanto os preços de commodities como cobre e alumínio caíram devido a preocupações de que aumentos agressivos das taxas de juros pelo Federal Reserve dos EUA e outros bancos centrais possam levar a economia global a uma recessão.

Os três gigantes da mineração australiana, até agora este mês, já perderam cerca de 30 bilhões de dólares australianos de seu valor de mercado combinado e estão enfrentando uma terceira semana consecutiva de perdas depois de atingir mínimos de várias semanas na segunda-feira.

As ações da Rio Tinto e da BHP estão sendo negociadas na mínima de um mês, enquanto a Fortescue está na mínima de três meses.

“Estamos condenados? Ou é mais escuro antes do amanhecer?”, escreveram os analistas da Jefferies no sábado com referência a dados econômicos recentes, os bloqueios da COVID-19 na China e a narrativa política do Fed.

Eles pareciam se inclinar para o último, confiantes de que a desaceleração da demanda por commodities seria seguida por uma recuperação liderada pelas mineradoras, acrescentando que os temores de recessão e inflação dariam lugar à recuperação.

Analistas do JP Morgan também ecoaram os riscos para o setor, mas disseram que um novo apoio político, juntamente com a flexibilização dos bloqueios da COVID-19 na China, estimularia uma recuperação no segundo semestre de 2022 e manteria sua visão “neutra” sobre a Rio Tinto e a BHP.

Mineradoras australianas caem em junho em meio a queda de commodities
Mineradoras australianas caem em junho em meio a queda de commodities


compass black

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela agência Reuters [Aqui!]

4 entre 10 pacientes com diabetes morrem ao se internar por COVID-19, aponta estudo

COVID19DIABETE

Foto: Marcos Santos/ USP Imagens

bori conteudo

O diabetes mellitus é responsável por 2,5 entre 10 internações por Covid-19, porém, quando consideradas as mortes por Covid-19 entre os pacientes internados, 4 entre 10 têm diabetes. É o que apontam pesquisadores da Universidade Estadual do Ceará (UECE), que analisaram a associação entre o diabetes mellitus e o óbito hospitalar por Covid-19. O estudo está publicado na edição de segunda (30) da revista “Epidemiologia e Serviços de Saúde”.

Para analisar o impacto na população brasileira, os autores tomaram como base os casos de Covid-19 notificados no primeiro ano da pandemia no Sistema de Informação de Vigilância da Gripe (SIVEP – Gripe). O SIVEP reúne os dados epidemiológicos brasileiros de casos suspeitos e confirmados de qualquer doença com sintomas gripais e foi o sistema utilizado pelo Ministério da Saúde para contabilizar os casos da pandemia no país.

Os dados do SIVEP referentes a 397.600 casos de pessoas hospitalizadas apontam que 32% dos pacientes com Covid-19 admitidos em Unidade de Terapia Intensiva em 2020 morreram. Entre todos os internados por Covid-19, 25,7% tinham o diagnóstico de diabetes, mas a prevalência de óbito entre as pessoas com diabetes saltou para 40,8%. Portanto, o diabetes aumenta em 15% as taxas de óbitos em pessoas internadas por Covid-19, representando aproximadamente 3 em cada 20 óbitos.

“Os estudos da área de saúde apontam que o principal fator atribuído as complicações da COVID-19 em diabéticos é que a doença crônica altera as funções metabólicas e, com isso, afeta também as respostas imunológicas do organismo, tornando assim os portadores do diabetes mais suscetíveis a infecções pelo SARS-CoV-2 Outra hipótese se dá pela inflamação e ao estresse oxidativo e, consequentemente, a resistência à insulina, que é a enzima que controla a quantidade de glicose no sangue após a alimentação”, explica o enfermeiro Thiago Santos Garces, doutorando em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde pela UECE e um dos autores da pesquisa.

Nos dois últimos anos, cientistas em todo o mundo têm estudado os efeitos e as doenças que podem estar associadas ao quadro da Covid-19. A literatura médica relata diferentes níveis de prevalência dos casos que apresentam diabetes associado a COVID-19. Há revisões sistemáticas e metanálises que mostraram uma probabilidade de 35% de ocorrência de casos e 50% de risco de morte entre os diabéticos diagnosticados com COVID-19. Vale lembra que os dados trazidos pelos pesquisadores da UECE contemplam o ano 2020, e o objetivo do grupo é seguir com a atualização desta análise.

Quem desejar acessar o artigo que deu base para este texto, basta clicar [Aqui!].

Cargas do novo coronavírus têm elevação nos esgotos de cinco capitais na última semana de abril

No fim do último mês, após os feriados prolongados de 15 e 21 de abril, a Rede Monitoramento COVID Esgotos detectou o aumento das cargas do novo coronavírus em Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Fortaleza e Rio de Janeiro. Somente Recife se manteve sem variação no mês passado 

carga coronavirus

O Boletim de Acompanhamento nº 14/2022 da Rede Monitoramento COVID Esgotos, com dados das semanas epidemiológicas 14 (de 3 a 9 de abril) a 17 (de 24 a 30 de abril), identificou a manutenção das baixas cargas do novo coronavírus nos esgotos de cinco das seis capitais acompanhadas: Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Recife e Rio de Janeiro. Exceto na capital pernambucana, nas outras quatro cidades as cargas tiveram leve aumento na semana 17, após os feriados prolongados de 15 e 21 de abril, mas seguem em patamar considerado baixo. Em Curitiba a carga viral teve uma elevação significativa nesse período, o que ensejou na Nota de Alerta emitida pela Rede em 5 de maio.

O monitoramento dos esgotos realizado pela Rede segue sendo uma ferramenta importante para o acompanhamento dos efeitos das medidas de flexibilização para a circulação do novo coronavírus. Veja as informações por cidade a seguir.

Belo Horizonte (MG) 

Em Belo Horizonte a Rede Monitoramento COVID Esgotos observou a permanência do baixo patamar da carga do novo coronavírus nos esgotos entre as semanas epidemiológicas 14 (de 3 a 9 de abril) e 17 (de 24 a 30 de abril). Nesse período a maior carga viral foi de 3 bilhões de cópias do vírus por dia para cada 10 mil habitantes, registrada na semana 14. Já a maior foi de 15,1 bilhões de cópias na semana 17. Desde o início do monitoramento na capital mineira, em abril de 2020, a maior carga foi registrada na semana epidemiológica 3 deste ano (de 16 a 22 de janeiro): 662,1 bilhões de cópias do novo coronavírus por dia para cada 10 mil habitantes.

Evolução da carga viral no esgoto de Belo Horizonte

Entre as semanas epidemiológicas 16 (de 17 a 23 de abril) e 17, as concentrações virais tiveram um leve aumento no esgoto que chegou à Estação de Tratamento de Esgotos Onça (ETE Onça), atingindo um patamar intermediário: entre 4 mil e 25 mil cópias do vírus por litro das amostras, indicadas em laranja nos mapas a seguir. Nos demais pontos as concentrações ficaram num patamar baixo, entre 1 e 4 mil cópias por litro das amostras, indicadas em amarelo abaixo.

Distribuição espacial das concentrações do novo coronavírus nas ETEs monitoradas em Belo Horizonte entre as semanas epidemiológicas 14 e 17 de 2022

 Nos três pontos especiais de monitoramento da capital mineira, o novo coronavírus foi detectado no esgoto do Aeroporto Internacional de Confins nas semanas 14, 16 e 17. Especificamente na semana 16 (de 17 a 23 de abril), a concentração foi elevada, superando 25 mil cópias por litro das amostras. Nas outras duas semanas a concentração foi baixa, ficando abaixo de 4 mil cópias por litro. Já no asilo e na Rodoviária de Belo Horizonte o vírus não foi detectado nesse período de quatro semanas, conforme a tabela a seguir.

Concentração do novo coronavírus no esgoto dos pontos especiais de monitoramento em Belo Horizonte

Brasília (DF)

Entre as semanas epidemiológicas 14 (de 3 a 9 de abril) e 17 (de 24 a 30 de abril), a carga do novo coronavírus nos esgotos das oito estações de tratamento de esgotos (ETEs) do Distrito Federal monitoradas se manteve baixa. No entanto, a carga subiu sistematicamente no período, passando de 11,7 bilhões de cópias do novo coronavírus por dia para cada 10 mil habitantes (na semana 14) para 60,6 bilhões de cópias (na semana 17). Os feriados prolongados de 15 e 21 de abril podem estar associados a essa elevação da carga viral nos esgotos do Distrito Federal.

Evolução da carga viral no esgoto do Distrito Federal 

Entre as semanas epidemiológicas 14 e 17, os pontos monitorados apresentaram concentrações virais que variaram entre não detectadas, baixas (1 a 4 mil cópias do novo coronavírus por litro das amostras) e intermediárias (entre 4 mil e 25 mil cópias por litro), destacadas respectivamente em verde, amarelo e laranja nos mapas a seguir.

Distribuição espacial das concentrações do novo coronavírus nas ETEs monitoradas no DF entre as semanas epidemiológicas 14 e 17 de 2022 

Curitiba (PR)

Em Curitiba houve um aumento da carga viral nos esgotos entre as semanas epidemiológicas 14 (de 3 a 9 de abril) e 17 (de 24 a 30 de abril), que subiu de 34,2 bilhões para 212,7 bilhões de cópias do novo coronavírus por dia para cada 10 mil habitantes. Com isso, as cargas verificadas foram similares às registradas na última semana de 2021 e à segunda semana de março deste ano. Em função dessa elevação, a Rede Monitoramento COVID Esgotos emitiu a Nota de Alerta para Curitiba em 5 de maio. 

Evolução da carga viral no esgoto de Curitiba

Entre as semanas epidemiológicas 14 e 15, Curitiba registrou concentrações virais predominantemente baixas (entre 1 e 4 mil cópias do vírus por litro das amostras) e moderadas (de 4 mil a 25 mil cópias por litro), indicadas respectivamente em amarelo e laranja nos mapas a seguir. Já entre as semanas 16 e 17, as concentrações observadas foram moderadas ou elevadas (acima de 25 mil cópias por litro), destacadas em vermelho nos mapas.

Distribuição espacial das concentrações do novo coronavírus nas ETEs monitoradas em Curitiba entre as semanas epidemiológicas 14 e 17 de 2022 

Fortaleza (CE)

Entre as semanas epidemiológicas 14 (de 3 a 9 de abril) e 17 (de 24 a 30 de abril), Fortaleza teve uma elevação de zero para 12 bilhões de cópias do novo coronavírus por dia para cada 10 mil habitantes, patamar considerado baixo. Entre as semanas 10 (de 6 a 12 de março) e 14, o vírus não foi detectado nos esgotos da capital cearense.

Evolução da carga viral no esgoto de Fortaleza 

Enquanto na semana epidemiológica 14 a Rede Monitoramento COVID Esgotos não detectou o novo coronavírus em nenhum dos pontos monitorados em Fortaleza, na semana 15 houve concentrações baixas indicadas em amarelo nos mapas a seguir. Na semana epidemiológica 16 houve um predomínio de pontos sem detecção do novo coronavírus, indicados em verde. Por sua vez, a semana 17 teve o retorno de concentrações intermediárias no ponto da Estação de Pré-Condicionamento (entre 4 mil e 25 mil cópias do vírus por litro das amostras), indicado em laranja a seguir.

Distribuição espacial das concentrações do novo coronavírus nos pontos monitorados em Fortaleza entre as semanas epidemiológicas 14 e 17 de 2022 

Recife (PE)

Em Recife, entre as semanas epidemiológicas 14 (de 3 a 9 de abril) e 17 (de 24 a 30 de abril), a Rede Monitoramento COVID Esgotos registrou uma baixa carga do novo coronavírus nos esgotos da cidade. Nesse período as cargas foram de 0,2 bilhão de cópias do novo coronavírus por dia para cada 10 mil habitantes na semana 14 e de zero entre as semanas 15 e 17. Com isso, a capital pernambucana não teve a presença do vírus detectada em seus esgotos nas últimas semanas de monitoramento, sendo que no período houve uma tendência de diminuição dos casos suspeitos e confirmados de COVID-19 na capital pernambucana, conforme o gráfico a seguir.

Evolução da carga viral no esgoto de Recife

Ainda nesse período de quatro semanas, Recife teve concentrações virais baixas (de 1 a 4 mil cópias do novo coronavírus por litro das amostras) ou não detectadas na semana 14, indicadas respectivamente em amarelo e verde nos mapas a seguir. Entre as semanas epidemiológicas 15 e 17 houve somente pontos de monitoramento sem a presença do vírus. Por isso, os mapas estão totalmente destacados em verde.

Distribuição espacial das concentrações do novo coronavírus nas ETEs monitoradas em Recife entre as semanas epidemiológicas 14 e 17 de 2022

Rio de Janeiro (RJ)

Nas semanas epidemiológicas 14 (de 3 a 9 de abril) a 17 (de 24 a 30 de abril), a Rede Monitoramento COVID Esgotos observou a permanência de baixas cargas do novo coronavírus (SARS-CoV-2) nos esgotos do município do Rio de Janeiro. Nesse período a maior carga foi de 0,9 bilhão de cópias do vírus por dia para cada 10 mil habitantes, registrada na semana 15 (de 10 a 16 de abril). Na semana 16 (de 17 a 23 de abril) a carga caiu para o menor valor das últimas quatro semanas de monitoramento: 0,1 bilhão de cópias por dia para cada 10 mil habitantes.

Evolução da carga viral no esgoto do Rio de Janeiro

Nos pontos monitorados na capital fluminense, entre as semanas 14 e 17, houve dois tipos de situação: ou o vírus não foi detectado ou teve baixas concentrações (entre 1 e 4 mil cópias por litro das amostras), o que está respectivamente indicado em verde e amarelo nos mapas a seguir. Especificamente na semana 17, após o Carnaval, todos os pontos monitorados tiveram registro da presença do vírus – mesmo com baixas concentrações – o que não acontecia desde a semana epidemiológica 3 (de 16 a 22 de janeiro).

Distribuição espacial das concentrações do novo coronavírus nos pontos monitorados no Rio de Janeiro entre as semanas epidemiológicas 14 e 17 de 2022 

Sobre a Rede Monitoramento COVID Esgotos

A Rede Monitoramento COVID Esgotos, lançada em webinar realizado em 16 de abril de 2021, acompanha as cargas virais e concentrações do novo coronavírus no esgoto de seis capitais e cidades que integram as regiões metropolitanas de: Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Fortaleza, Recife e Rio de Janeiro. Esse trabalho, uma das maiores iniciativas brasileiras de monitoramento da COVID-19 no esgoto, busca ampliar as informações para o enfrentamento da pandemia atual. 

Nesse sentido, os resultados gerados sobre a ocorrência do novo coronavírus no esgoto das cidades em questão podem auxiliar as autoridades locais de saúde na tomada de decisões relacionadas à manutenção ou flexibilização das medidas de controle para a disseminação da COVID-19. Também podem fornecer alertas precoces dos riscos de aumento de incidência do vírus de forma regionalizada.

Com os estudos o grupo pretende identificar tendências e alterações na ocorrência do vírus no esgoto das diferentes regiões monitoradas, o que pode ajudar a entender a dinâmica de circulação do vírus. Outra linha de atuação é o mapeamento do esgoto para identificar áreas com maior incidência da doença e usar os dados obtidos como uma ferramenta de alerta precoce para novos surtos, por exemplo.

Informações mais detalhadas sobre os pontos de monitoramento, incluindo a justificativa para o monitoramento de cada ponto, constam do Boletim de Apresentação da Rede. O histórico de resultados pode ser consultado nos Boletins de Acompanhamento, disponíveis no site da ANA. Acesse também o Painel Dinâmico da Rede Monitoramento COVID Esgotos, onde são disponibilizados semanalmente os resultados para todas as regiões que integram a Rede.

A Rede é coordenada pela ANA e INCT ETEs Sustentáveis com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e conta com os seguintes parceiros: Universidade de Brasília (UnB), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Universidade Federal do Ceará (UFC), Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Além disso, a Rede conta com a parceria de companhias de saneamento locais e secretarias estaduais de Saúde.

Uso da Ivermectina contra a COVID-19 escancarou danos causados por estudos e periódicos de baixa qualidade

ivermectina

Saiba como funciona o sistema de publicações científicas na área médica e por que estudos desacreditados sobre a ivermectina continuam servindo de justificativa para uso da droga na COVID-19

Por Luiza Caires, arte por Guilherme Castro, para o Jornal da USP

O nome desta droga rodou em diversos grupos e conversas de WhatsApp e Telegram, mas não somente ali. Prescrições e mesmo a automedicação com ivermectina se multiplicaram durante a pandemia, e ainda há quem defenda seus efeitos na covid com unhas e dentes – ainda que a boa ciência já tenha demonstrado o contrário. Ao investigar a origem de toda esta fama, inclusive argumentando com seus defensores, somos inundados com links para “estudos” e periódicos que, para quem não tem intimidade com os meandros da pesquisa e publicação científica, passam facilmente como provas da eficiência da droga.

Essa reportagem vai abordar mais a fundo dois deles: o site ivmmeta.com e um artigo publicado na revista Cureus. O primeiro caso é mais gritante: o site é anônimo, não faz parte de nenhum periódico científico, além de violar as regras mais básicas da metodologia científica – inclusive com distorção estatística grotesca para quem entende um pouco do assunto. A conclusão forjada, mas propagada inclusive por médicos em vídeos na internet, é de que a chance da ivermectina não funcionar contra a covid é de 1 em 1 trilhão.

Já o segundo caso envolve artigo publicado em uma revista que vem sendo fortemente questionada pelo processo de revisão frágil: os próprios autores indicam os revisores, e o tempo de revisão de poucos dias foge totalmente ao que é considerado por especialistas o mínimo necessário para fazer uma verificação atenta. Os autores também ocultaram conflitos de interesse, como trabalhar para o laboratório que produz ivermectina no Brasil. Mais que a falta de credibilidade, há uma série de inconsistências graves no próprio artigo – e nos dados, como paciente com 119 anos e outro que consta como tendo tomado 6 mil comprimidos da droga – que, mais uma vez, levam ao resultado favorável para a ivermectina na covid, ao contrário do que estudos sérios apontaram.

Mas antes de falarmos deles, na segunda parte dessa matéria, precisamos entender como funciona o ecossistema das publicações científicas, e por que, quando bem ajustado, ele é essencial para a ciência médica.

Revisão por pares

No século 19 apareceram as primeiras revistas científicas. Cientistas se encontravam em academias como a Royal Society, na Inglaterra, ou a Académie, na França, contavam seus achados para os colegas e essas academias reuniam os trabalhos em anais. Depois, as publicações de interesse científico se especializam, surgindo, durante o século 20, as revistas específicas.

E por que elas são tão importantes? “O processo científico precisa de organização, protocolo. É só a partir do registro que é possível reproduzir uma pesquisa e confirmar aquela informação, por exemplo. As publicações, por sua vez, geram outras perguntas e novas pesquisas. Os estudos e seus resultados precisam ser públicos”, explica Bruno Caramelli, médico cardiologista e professor da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP).

Mais tarde, as revistas introduziram a revisão por pares. “Como o volume de artigos submetidos para as revistas começa a ser grande demais para os editores decidirem o que deve ou não ser publicado, eles pedem opinião para experts da área”, conta o físico Leandro Tessler, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e um dos fundadores do Grupo de Estudos da Desinformação em Redes Sociais.

Bruno Caramelli, médico cardiologista – Foto: Arquivo pessoal

Funciona assim: depois de fazer o estudo, a pesquisa propriamente, pesquisador e sua equipe escrevem um texto apresentando o que esperavam responder com aquele estudo, como ele foi feito e quais resultados foram obtidos. E mandam para uma revista que tem relação com o assunto pesquisado. “O editor-chefe da revista tem o papel de aceitar ou recusar o estudo; se aceitar, o estudo irá passar por revisão por pares, quando outros pesquisadores, que não ganham por isso, leem a pesquisa e fazem sugestões. Às vezes até recusam o estudo, mas enviam sugestões de melhora. Se nenhuma revista acabar aceitando, o autor pode engavetar o texto ou submetê-lo a revistas menores ou com um crivo um pouco mais fraco”, expõe José Alencar Neto, médico cardiologista no Instituto Dante Pazzanese e autor do Manual de Medicina Baseada em Evidências.

José Alencar Neto, médico cardiologista – Foto: Arquivo pessoal

A revisão é dita por pares porque é feita por especialistas, assim como o autor da pesquisa, para conferir, dentro do texto, se há algum erro metodológico. “O papel da revisão é garantir que a produção científica tenha qualidade”, diz Caramelli.

A pandemia potencializou um problema com que a ciência se depara há alguns anos, principalmente após a popularização da internet. Se, por um lado, a multiplicação de periódicos representou algum avanço na democratização do acesso e divulgação do conhecimento científico, por outro, deu origem a uma série de publicações científicas (ou com cara de científicas) de baixíssima qualidade e alta tolerância para artigos metodologicamente ruins, quando não escritos a partir de dados fraudados. É neste tipo de revista que se insere a totalidade dos estudos que expõem como conclusão a eficácia da ivermectina contra a covid.

Também a divulgação de preprints – artigos ainda não revisados por pares, que são armazenados em repositórios on-line – aumentou durante a pandemia, já que era uma condição de catástrofe e os cientistas tinham pressa em compartilhar trabalhos e acompanhar os resultados dos colegas. “Os preprints foram concebidos originalmente para reforçar a transparência. Quando faço a primeira versão do meu artigo e submeto a uma revista, muitas vezes os revisores fazem vários pedidos de modificação. Então fica uma primeira versão nessas plataformas, que pode ser comparada com a final”, explica Ana Carolina Peçanha Antonio, médica intensivista do Hospital de Clínicas de Porto Alegre e pesquisadora em Integridade em Pesquisa e Metapesquisa.

Ela diz que, na pandemia, muitas pessoas completamente alheias ao mundo das ciências biomédicas repassaram tanto artigos em preprint, quanto os publicados em revistas que antes não recebiam muita atenção, fracos ou com erros.

Qualidade

Quase nenhum fator que vamos elencar aqui, isolado, é garantia da qualidade de uma produção científica. Mas todos se complementam, e o primeiro indício é a qualidade do periódico onde a pesquisa foi publicada. Existem revistas predatórias, que têm uma revisão por pares fraca ou até mesmo inexistente, estando interessadas apenas em receber o valor que o autor paga para publicar ali. “Esse problema é anterior à pandemia, e uma das coisas que o explicam é a pressão, na carreira acadêmica, para que o cientista publique artigos. Ele depende de um volume de publicações para progredir e ter financiamento”, explica Ana Carolina Peçanha.

Caramelli diz que revistas reconhecidas normalmente não deixam passar trabalhos ruins ou fraudados, embora isso também possa acontecer. Durante a pandemia, por exemplo, revistas de renome como a The Lancet até chegaram a publicar estudos que mais tarde se descobriu serem fraudados. “Mas isso não piora a imagem da revista, já que os estudos foram retirados do ar. Não vivemos em uma redoma protegidos de fraudes”, comenta Alencar Neto. “Revistas menores e que só estão interessadas em cliques podem não fazer o mesmo”, conta.

Na área médica, também é recomendado saber se aquele periódico está indexado em uma base de dados chamada Pubmed, que tem uma série de regras para incluir uma revista, funcionando como um filtro. “É só digitar o nome da revista e o termo ‘pubmed’ no buscador e você descobre se a revista está indexada”, diz Alencar Neto.

Ana Carolina Peçanha, médica intensivista – Foto: Arquivo pessoal

Impacto

fator de impacto de uma revista diz quantas vezes, em média, um artigo publicado nela é citado em outros artigos. Ele é mais um indício da qualidade da revista. A mais famosa da área médica, o New England Jornal of Medicine, por exemplo, tem o mais alto fator de impacto entre todas as revistas científicas, maior que 90.

“Há essa hierarquia das revistas. Em geral, quando escreve um trabalho, você sabe para onde deve mandar. Se é uma coisa muito quente, você vai querer mandar para uma revista muito quente, se não, mandará para uma revista menos prestigiosa. O que traz mais prestígio para uma revista é um processo de seleção de revisão rigoroso e o impacto que ela tem na sociedade”, diz Tessler.

Alencar Neto faz uma ressalva: o fator de impacto pode variar de acordo com a área de pesquisa, já que também mede o interesse público daquela publicação. Assim, o ideal é comparar o fator de impacto das revistas das mesmas especialidades.

Ana Carolina Peçanha diz também que as revistas menos importantes ganharam algum empoderamento na crise da covid, e até aumentaram seu fator de impacto. “A própria revista tem interesse em publicar artigos com resultados extraordinários, que sejam polêmicos, mesmo que gerem críticas, pois geram citações”, afirma a pesquisadora.

Leandro Tessler, físico e professor da Unicamp – Foto: Arquivo pessoal

Por fim, Alencar Neto destaca que os estudos têm objetivos diferentes, e por isso nem sempre um bom estudo estará nas maiores revistas. Mas se o artigo está num bom periódico, certamente tem mais chance de ser confiável.

Autoria

Também existe uma análise subjetiva: verificar quem são os autores das pesquisas. “Eles fazem parte de instituições de pesquisa reconhecidas? Eles e suas instituições têm uma produção científica relevante naquela área? Os autores têm algum conflito de interesse que pode interferir, conscientemente ou não, no resultado que o artigo apresenta?”, indica Tessler como perguntas.

Questões de método

Olhando para o artigo em si, embora seja complexo para uma pessoa leiga em ciência entender as falhas metodológicas de um estudo, há alguns sinais para os quais ficar atento, que podem facilitar essa identificação.

Na pesquisa médica, vale ver se estamos diante de um estudo observacional, que tem um nível mais baixo de evidência, ou controlado, que tem nível maior. Enquanto a pesquisa observacional simplesmente analisa os desfechos do uso de uma droga ou terapia em uma dada população, na pesquisa clínica controlada se fornece um tratamento para um grupo de pacientes em um estudo planejado, e se compara quem fez e quem não fez uso daquela droga, e tomou apenas placebo. Não é que o estudo observacional, por si só, seja ruim. Muitas vezes ele é necessário, como em estudos epidemiológicos. Também não é possível fazer grupo controle em pesquisa de cirurgias, por exemplo. “Costumo falar, generalizando, que estudos observacionais geram hipóteses e estudos controlados podem confirmar hipóteses”, diz Alencar Neto. “Mas se estamos testando a eficácia de um medicamento, o estudo precisa ser controlado”, declara.

Depois, é preciso verificar se o estudo foi duplo cego, quando nem a pessoa que recebeu a intervenção, nem quem a avalia sabem se ela recebeu o medicamento ou o placebo. O cegamento serve para evitar ou diminuir a atribuição de resultados a uma droga, quando eles se devem, na verdade, ao efeito placebo, ou a um enviesamento de quem avalia. “O método científico é feito para nos proteger de nós mesmos, porque nós queremos que o resultado seja bom. Então você dá ivermectina para os seus pacientes no consultório, e eles ficam bons. Mas como você sabe que eles não ficariam bem se você não tivesse dado absolutamente nada para eles?”, complementa Tessler.

Um bom estudo que avalia tratamentos médicos em seres humanos, o ensaio clínico, no jargão da ciência, também deve ser randomizado no momento de incluir os participantes em cada um dos “braços”. Ou seja, os pacientes são colocados em um dos dois grupos de forma aleatória, sem escolha prévia, para que tanto o grupo que recebeu o tratamento quanto o que recebeu placebo tenham características semelhantes: idade, sexo, condições prévias de saúde, sociais, entre outras.

Leia a parte 2: Caso da ivermectina é representativo da pseudociência propagada na pandemia


compass black

Este texto foi inicialmente publicado pelo “Jornal da USP” [Aqui! ].

As mudanças climáticas forçarão novos encontros com animais – e aumentarão os surtos virais

O estudo de modelagem é o primeiro a projetar como o aquecimento global aumentará a troca de vírus entre as espécies

bat

Os morcegos terão uma grande contribuição para a transmissão de vírus entre espécies no futuro, segundo um estudo de modelagem. Crédito: Pratik Chorge/Hindustan Times via Getty

Por Natasha Gilbert para a Nature

Nos próximos 50 anos, as mudanças climáticas podem gerar mais de 15.000 novos casos de mamíferos transmitindo vírus para outros mamíferos, de acordo com um estudo publicado na Nature 1 . É um dos primeiros a prever como o aquecimento global mudará os habitats da vida selvagem e aumentará os encontros entre espécies capazes de trocar patógenos e quantificar quantas vezes os vírus devem saltar entre as espécies.

Muitos pesquisadores dizem que a pandemia de COVID-19 provavelmente começou quando um coronavírus anteriormente desconhecido passou de um animal selvagem para um humano: um processo chamado transmissão zoonótica. Um aumento previsto de vírus saltando entre espécies pode desencadear mais surtos, representando uma séria ameaça à saúde humana e animal, alerta o estudo – fornecendo ainda mais motivos para governos e organizações de saúde investirem na vigilância de patógenos e melhorarem a infraestrutura de saúde .

O estudo é “um primeiro passo crítico para entender o risco futuro das mudanças climáticas e do uso da terra na próxima pandemia”, diz Kate Jones, que modela as interações entre ecossistemas e saúde humana na University College London.

A pesquisa prevê que grande parte da transmissão do novo vírus acontecerá quando as espécies se encontrarem pela primeira vez à medida que se deslocam para locais mais frios devido ao aumento das temperaturas. E projeta que isso ocorrerá com mais frequência em ecossistemas ricos em espécies em altas altitudes, particularmente áreas da África e Ásia, e em áreas densamente povoadas por humanos, incluindo a região africana do Sahel, Índia e Indonésia. Supondo que o planeta não aqueça mais de 2°C acima das temperaturas pré-industriais neste século – um futuro previsto por algumas análises climáticas – o número de encontros pela primeira vez entre as espécies dobrará até 2070, criando pontos de transmissão de vírus, o estudo diz.

“Este trabalho nos fornece evidências mais incontestáveis ​​de que as próximas décadas não serão apenas mais quentes, mas mais doentes”, diz Gregory Albery, ecologista de doenças da Universidade de Georgetown em Washington DC e coautor do estudo.

Os desafios da modelagem

Para fazer suas previsões, Albery e seus colegas desenvolveram e testaram modelos e realizaram simulações durante um período de cinco anos. Eles combinaram modelos de transmissão de vírus e distribuição de espécies em vários cenários de mudanças climáticas, com foco em mamíferos devido à sua relevância para a saúde humana.

A modelagem parece “tecnicamente impecável”, diz Ignacio Morales-Castilla, ecologista de mudanças globais da Universidade de Alcalá, na Espanha, embora ele aponte que exercícios de previsão como esse às vezes precisam incluir suposições irreais. Mas ele acrescenta que a amplitude e o escopo da pesquisa e sua capacidade de identificar quais partes do mundo podem estar em maior risco “se destacam claramente”.

Uma suposição que os pesquisadores tiveram que fazer foi sobre até onde as espécies se espalhariam à medida que o clima mudasse. Mas fatores como se os mamíferos podem se adaptar às condições locais ou atravessar fisicamente as barreiras nas paisagens são difíceis de prever.

Projeta-se que os morcegos estejam envolvidos na transmissão viral, independentemente desses fatores, segundo o estudo. Acredita-se que seja parte das origens do COVID-19, os morcegos são reservatórios conhecidos de vírus e representam cerca de 20% dos mamíferos. A equipe diz que – em parte porque os morcegos podem voar – eles são menos propensos a enfrentar barreiras para mudar seus habitats.

Repercussões para os humanos?

Embora Jones aplauda o estudo, ela pede cautela ao discutir suas implicações para a saúde humana. “Prever o risco de saltos virais de mamíferos para humanos é mais complicado, pois esses transbordamentos ocorrem em um ambiente socioeconômico complexo ecológico e humano”, diz ela.

Muitos fatores podem reduzir o risco para a saúde humana, incluindo o aumento do investimento em saúde ou um vírus incapaz de infectar humanos por algum motivo, acrescenta ela.

Mas os pesquisadores insistem que não há tempo a perder. A Terra já aqueceu mais de 1°C acima das temperaturas pré-industriais, e isso está impulsionando a migração de espécies e a troca de doenças. “Está acontecendo e não é evitável, mesmo nos melhores cenários de mudança climática”, diz Albery.

Albery e um de seus coautores, Colin Carlson, biólogo de mudanças globais também na Universidade de Georgetown, dizem que, embora seja inevitável algum aumento na transmissão de doenças, isso não é desculpa para inação. Os pesquisadores pedem aos governos e à comunidade internacional que melhorem o monitoramento e a vigilância de animais selvagens e doenças zoonóticas, particularmente em futuros pontos críticos como o sudeste da Ásia. Melhorar a infraestrutura de saúde também é essencial, dizem eles.

À medida que as pessoas começam a se preparar e se adaptar ao aquecimento global, a maioria dos esforços se concentra em atividades como deter o desmatamento ou reforçar os muros marítimos. Mas Carlson diz que a preparação para pandemias e a vigilância de doenças também são adaptação às mudanças climáticas.

doi: https://doi.org/10.1038/d41586-022-01198-w

Referências

  1. Carlson, CJ et ai. Natureza https://doi.org/10.1038/s41586-022-04788-w (2022).


compass black

Este texto foi escrito inicialmente em inglês e publicado pela revista Nature [Aqui! ].

Fim de estado de emergência contraria Conselho Nacional de Saúde e OMS. ‘Inadmissível’

Decisão do governo Bolsonaro vem um dia depois de a OMS estender por mais 90 dias o estado de emergência internacional. “Não ouviu ninguém”, critica CNS

covid-hospitais

Por Redação RBA

São Paulo – O Conselho Nacional de Saúde condenou a determinação do fim do Estado de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (Espin). A decisão anunciada neste domingo (17) pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga é considera inadmissível pelo presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Fernando PIgatto. “O governo já é responsável por centenas de milhares de mortes, por milhões de pessoas que adoeceram – que têm sequelas, sofrimento, dor tristeza. Então, mais essa medida irresponsável é algo que não podemos mais tolerar”, afirma.

De acordo com Pigatto, o ministro não pode ir a uma cadeia nacional de TV anunciar uma medida dessa gravidade sem ouvir nenhum organismo de controle social. “Sem diálogo com os governos municipais e estaduais, com o Congresso Nacional e com as próprias autoridades de saúde pública do país e do mundo”, critica.

O fim do estado de emergência em saúde pública pode acabar com medidas impostas desde o início da pandemia, embora não represente o fim da pandemia. O Ministério da Saúde estima que mais de 2.000 normas caiam em todo o país.

Entre elas, por exemplo, a do uso de máscaras, do teletrabalho, e da regulamentação da telemedicina. Além disso, as normativas autorizaram a aplicação de medicamentos e vacinas para uso emergencial e a possibilidade de restrição da entrada e saída do país.

Embora as vacinas da Pfizer, Astrazenica e Janssen já possuam registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Coronavac ainda não. Desse modo, o Ministério da Saúde teve de pedir à Anvisa que prorrogue por mais um ano o autorização para uso emergencial do imunizante distribuído pelo Butantan, entre outros medicamentos de combate à COVID-19.

Pronunciamento de Queiroga

O anúncio de Queiroga ocorre um dia depois de uma reunião coordenada pela Organização Mundial de Saúde com cientistas. O encontro decidiu que a emergência internacional em saúde permanece em vigor por pelo menos os próximos 90 dias. Isso porque a pandemia ainda é uma realidade. Nos Estados Unidos, medidas de controle e uso de máscara foram prorrogadas por mais três meses. Na China, em Xangai, foram registradas três mortes neste domingo, as primeiras desde a retomada do surto.

No Brasil, a média móvel de mortes ainda está em 100 por dia nos últimos sete dias, e a covid-19 ainda é a maior causa de mortes no país. Para o Comitê de Emergência da OMS, a COVID-19 ainda continua a afetar a saúde das populações em todo o mundo. Por isso, representa um risco contínuo de propagação internacional e interferência no tráfego internacional e, portanto, requer uma resposta internacional coordenada.

A extrema desigualdade vacinal e a imprevisibilidade do coronavírus, segundo a OMS, exigem portanto, a manutenção da situação de emergência.


color compass

Este texto foi inicialmente publicado pela Rede Brasil Atual [Aqui!].

A pandemia não acabou! Brasil chega a 661 mil mortos por COVID-19 e 21.229 novos casos nas últimas 24 horas

ba.2

Um dos maiores exemplos da forma irresponsável com que os governantes brasileiros (desde o presidente da república até os prefeitos) podem tratar a coisa pública é a atitude de decretar o fim antecipado da pandemia da COVID-19 no Brasil. É graças a esta atitude de negar as evidências científicas de que a pandemia está ainda, lamentavelmente, longe de acabar que permite que as pessoas tratem a ameaça da COVID-19 como algo superado. É essa atitude de ignorar o perigo que nos ronda que permitiu que o Brasil chegasse no dia de hoje a um número absurdo de 661 mil mortos e 21.229 novos casos, apenas nas últimas 24 horas (ver imagem abaixo).

casos covid-19 09042022

O problema é que se ignorar a realidade normalmente já é uma garantia de que algo vai dar errado, imaginemos o que pode acontecer quando o problema que se enfrenta é um vírus letal que insiste em gerar novas variantes que mantém o escala de casos em níveis muito altos, dois anos após o início oficial da pandemia da COVID-19.

O fato é que, em face da suspensão de todas as medidas básicas de autodefesa que foram precariamente implementadas no Brasil (o uso da máscara oficial sendo a mais popular e adotada de todas), estamos todos continuamente expostos a sermos infectados por uma dessas variantes emergentes, como é o caso agora da recém chegada “BA.2“, uma parente da variante Ômicron que está se provando ser ainda mais contagiosa. A BA.2 seria particularmente problemática devido ao fato de que a pessoa infectado por ela nem sempre apresenta os sintomas comuns da COVID-19.

Assim, por mais anacrônico que possa parecer, ninguém deve se sentir pressionado a não ser a máscara facial, mesmo em ambientes abertos.  A verdade é que ao longo da pandemia da COVID-19 ocorreram incontáveis tentativas de assediar quem desejasse se proteger, e o resultado disso tudo está na tabela mostra logo acima. Desta forma, que se mantenha o uso das máscaras faciais e todas as outras medidas de higiene pessoal que diminuam a chance de contaminação por qualquer uma das variantes do SARS-COV-2 que continuam em circulação.