O diagnóstico positivo para coronavírus de Donald Trump perturba os mercados financeiros mundiais

A notícia da infecção da corona do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está impactando os mercados financeiros internacionais. Os analistas temem que a incerteza política continue a crescer

trumpO presidente dos EUA, Donald Trump testou positivo para o coronavírus

O teste positivo para o coronavírus do presidente dos EUA, Donald Trump, causou inquietação nos mercados financeiros em todo o mundo. O Dax estava 1,5 por cento mais fraco na sexta-feira, com 12.542 pontos. Em Londres, o FTSE 100 caiu 1,1 por cento, o CAC 40 em Paris caiu 1,4 por cento.

Trump e sua esposa Melania testaram positivo para o patógeno, conforme o presidente dos EUA anunciou por meio do serviço de mensagens curtas Twitter. Para o presidente dos Estados Unidos, isso ocorre “em um momento extremamente desfavorável”, comentou Thomas Gitzel, economista-chefe do VP Bank. Os mercados poderiam ficar turbulentos, em particular se Trump passasse por uma doença grave: “As incertezas já existentes aumentariam novamente.”

O preço do petróleo também está caindo

Se Trump adoecer apenas um pouco e se recuperar rapidamente, ele pode esperar mais aprovação, disse Yako Sera, estrategista de mercado do Sumitomo Mitsui Trust Bank, em Tóquio . “No entanto, a doença atrapalha suas oportunidades eleitorais e o tempo antes das eleições está se esgotando.” Enquanto não estiver claro se o próximo presidente será Trump ou Joe Biden , é difícil para os mercados se posicionarem com clareza.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pela Die Spiegel [Aqui!].

O futuro da Uenf está sob a égide de um pacto pela mediocridade

pacto

Quando comecei a trabalhar na Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) em 1998, a instituição vivia todas as dificuldades que cercam instituições que se encontram pouco além do seu nascedouro. Mas a instituição também pulsava com grande energia, ainda que com contradições, muito em parte à adoção de um ciclo básico comum (o famoso CBC), em que os estudantes, independentes de sua futura opção profissional, eram submetidos a uma formação de claro caráter humanista.

Passados 22 anos, a Uenf hoje está afundada em uma situação inaudita, parcialmente por causa da pandemia da COVID-19, em que os espaços para o pensamento crítico e criativo foram substituídos por uma mentalidade que mistura paternalismo e populismo, o que contribui para fossilizar o processo pedagógico, ainda que sob a cobertura do uso de ferramentas digitais, que deveriam representar justamente o contrário.

A verdade é que ao abraçar a visão de que oferecer qualquer coisa é melhor do que nada, a reitoria da Uenf criou uma modalidade de ensino remoto (à revelia dos colegiados responsáveis por definir os elementos pedagógicos que devem ser seguidos na instituição) em que os estudantes não poderão ter notas ou frequência assinaladas, podendo a desistência de participar de uma Atividade Acadêmica Remota Emergencial (AARE) se dar a qualquer momento, sem que isso implique em qualquer ônus para quem opte por assim proceder. Mas apesar disso, um dado estudante poderá requisitar a convalidação de créditos para as disciplinas presenciais a que uma dada AARE esteja relacionada.  Em outras palavras, está se abrindo as portas para que até disciplinas do chamado ciclo profissional possam ser validadas, sem que necessariamente haja como comprovar que isso ocorreu dentro dos necessários padrões de avaliação de performance. Afinal, que estudante irá se preocupar em dar o máximo de si em uma condição de tamanha flacidez de requisitos? Provavelmente aqueles que iriam ter os melhores desempenhos e, por isso, serão os mais prejudicados pela inexistência de avaliações com notas.

Tamanha falta de aderência às práticas reinantes em outras instituições públicas de ensino (na Uerj, por exemplo, as disciplinas oferecidas remotamente serão passíveis de anotação de nota e frequência) é uma concessão à precariedade reinante em função do não cumprimento da Constituição Estadual que determina que o orçamento da Uenf que foi aprovado pela Assembleia Legislativa seja repassado na forma de duodécimos.

sim card uerjAo contrário do que está ocorrendo na Uenf, a Uerj distribuiu SIM CARDs para garantir o acesso dos seus estudantes carentes a um sistema de aulas virtuais

Em função da penúria financeira, não há como sequer garantir que todos os estudantes possam frequentar regularmente as AAREs oferecidas pela Uenf. Mas mais do que isso, os custos desse oferecimento recaem totalmente sobre docentes que estão há mais de 6 anos com salários congelados e que permanecerão nessa condição, pelo menos, até o final de dezembro de 2021.

Mas o curioso é que, em vez de exigir que os mesmos padrões de acessão digital garantidos pela reitoria da Uerj sejam oferecidos aos estudantes da Uenf, o Diretório Central dos Estudantes (em clara combinação com a reitoria da instituição) apenas se mobilizou para instruir o alunado a informar dos docentes que estejam “infringindo” a determinação de que não sejam aferidas notas ou frequências nas chamadas AAREs (ver imagem abaixo).

wp-1601470944508.jpg

Em vez de cobrar da reitoria da Uenf a entrega de SIM CARDs como fez a da Uerj, o DCE UENF resolveu que seria melhor instruir os estudantes a monitorarem o comportamento dos professores

Essa postura no tocante às AAREs é reveladora da existência de um pacto pela mediocridade, em que, por um lado, a reitoria não garante o acesso universal a um sistema de disciplinas remotas que possam efetivamente ser utilizadas para cumprir os requisitos acadêmicos vigentes na instituição e, por outro lado, o sindicato dos estudantes não cumpre o seu papel de exigir que as condições mínimas de qualidade acadêmica sejam garantidas para todo o corpo discente.

O problema desse pacto poderá, no caso dos estudantes, aparecer na hora em que tiverem de solicitar seu registro em algum tipo de conselho profissional onde o cumprimento das grades curriculares é avaliado criteriosamente antes que um profissional recém-formado seja aceito. Já no tocante à instituição, a vigência desse pacto pela mediocridade poderá efeitos deletérios duradouros, pois estabelecidos critérios rebaixados para a formação de seus estudantes se cria uma grande dificuldade para o retorno a outros que tenham natureza mais exigente. 

Por isso é importante que aqueles que esperam sempre mais da Uenf saibam que a instituição criada por Darcy Ribeiro para cumprir os mais altos desígnios em prol do desenvolvimento do Norte Fluminense se encontra fortemente ameaçada naquilo que lhe deveria ser mais caro: oferecer ensino público, gratuito e de alta qualidade.

Os ventiladores que nunca vieram: como a corrupção prejudicou a resposta brasileira à COVID-19

hcO hospital da campanha do Maracanã é visto próximo ao estádio do Maracanã em meio ao surto da doença coronavírus (COVID-19) no Rio de Janeiro, Brasil, em 16 de setembro de 2020. REUTERS / Pilar Olivares

As pessoas que lutavam para respirar precisavam de ventiladores, disse ele, mas não havia o suficiente para todos; aqueles com uma pequena chance de recuperação foram preteridos.

“A cada turno era assim”, disse Archer, cirurgião de um hospital municipal do Rio de Janeiro, metrópole de 6,7 milhões de habitantes no estado de mesmo nome. “Às vezes, eu dava sedativos para eles só para não sofrerem. Eventualmente, eles morreriam. ”

paO Dr. Pedro Archer do lado de fora de um hospital de campanha

Algumas dessas mortes, dizem agora os promotores estaduais e federais, podem ter sido evitáveis. Eles alegam que as principais autoridades locais buscaram embolsar até 400 milhões de reais (US $ 72,2 milhões) por meio de esquemas de corrupção que conduziram a contratos estaduais inflacionados com aliados durante a pandemia. Os negócios, disseram eles, incluíam três contratos para 1.000 ventiladores, a maioria dos quais nunca chegou.

O secretário de Saúde do Rio, Edmar Santos, foi preso em 10 de julho e acusado de corrupção em relação a esses contratos. Um advogado de Santos não respondeu a um pedido de comentário. Santos admitiu ter participado de vários esquemas ilícitos envolvendo licitações públicas fraudadas, de acordo com documentos judiciais confidenciais preparados por investigadores federais que descrevem as supostas fraudes, que foram revisados ​​pela Reuters. Ele agora é uma testemunha cooperante na investigação, afirmam os documentos.

Separadamente, um juiz federal suspendeu o governador do estado do Rio Wilson Witzel do cargo em 28 de agosto com a preocupação de que ele pudesse interferir nas investigações. Witzel também está enfrentando um processo de impeachment por suspeitas de corrupção.

O governador Witzel negou qualquer irregularidade em um comunicado à Reuters. O vice-governador Claudio Castro, que assumiu a posição de Witzel em agosto, não respondeu ao pedido de comentários. 

A América Latina foi duramente atingida pela pandemia, com mais de 8,9 milhões de casos confirmados de coronavírus em 24 de setembro, de acordo com uma contagem da Reuters. Só o Brasil registrou mais de 139.000 mortes por COVID-19, perdendo apenas para os Estados Unidos.

Se a cidade do Rio fosse um país, sua taxa de mortalidade per capita por coronavírus seria a pior do mundo, segundo cálculo da Reuters com base em dados da Universidade John Hopkins. Mais de 10.000 pessoas morreram de COVID-19 nesta cidade cartão-postal de mar e areia, e mais de 18.000 em todo o estado.

A resposta da região à pandemia foi prejudicada por vários fatores, dizem os especialistas, incluindo pobreza e condições de vida urbanas superlotadas. Alguns líderes, incluindo o presidente de direita Jair Bolsonaro, minimizaram a gravidade da pandemia.

Mas o vírus também foi ajudado pela ganância. 

Semelhante ao Brasil, investigadores na Bolívia, Equador, Colômbia e Peru também alegaram que as autoridades locais encheram seus bolsos por meio de esquemas de enxerto relacionados à pandemia.

Em documentos judiciais detalhando as supostas fraudes no Rio, os promotores brasileiros descrevem uma série de empreendimentos criminosos inter-relacionados, nos quais contratos de emergência para máscaras, testes de coronavírus – até mesmo gel de mão – foram supostamente fraudados.

A Reuters analisou centenas de páginas de alegações de promotores, muitas delas confidenciais e não relatadas anteriormente; e entrevistou mais de uma dúzia de profissionais médicos e especialistas do bom governo que condenaram o oportunismo que eles dizem ter agravado a miséria do coronavírus no Rio.

“A pandemia permitiu que os governos gastassem recursos significativos muito rapidamente enquanto os controles internos eram relaxados devido à emergência”, disse Guilherme France, diretor de pesquisas da Transparência Internacional no Brasil. “Isso acabou criando uma tempestade perfeita para a corrupção.”

Um representante de Witzel disse que o governador suspenso aumentou os controles internos no governo do estado do Rio, acrescentando que ele havia demitido muitos servidores públicos acusados ​​de “irregularidades” durante seu mandato.

Hospitais fantasmas

A resposta à pandemia do estado do Rio exigiu que sete hospitais de campanha tratassem pacientes com COVID-19. Funcionários da secretaria estadual de Saúde, conhecida como SES, concederam contratos no valor de 836 milhões de reais (US $ 151 milhões) a uma organização de saúde sem fins lucrativos chamada IABAS para construir as estruturas, que deveriam ser inauguradas em 30 de abril. Apenas duas deles foram inauguradas até agora, uma em meados de maio, o outro no final de junho, bem após o pico inicial de COVID-19 no Rio de Janeiro.

No final de julho, com a redução da pandemia no Rio, uma das estruturas localizadas na cidade operária de São Gonçalo foi desmontada em meio à falta de pacientes. Tudo o que resta é um grande campo, sem grama e cheio de entulho.

Os contratos da IABAS fazem parte de um suposto esquema de propina encabeçado por Mario Peixoto, empresário local preso em maio por supostamente fraudar o sistema de saúde do estado do Rio de Janeiro. Documentos judiciais federais apresentados por promotores descrevem um esquema complexo no qual associados de Peixoto supostamente organizaram subornos a funcionários do governo para garantir uma variedade de contratos de saúde pública, incluindo hospitais de campanha.

Os advogados de Peixoto disseram que ele é inocente e não participou do negócio do hospital de campanha e seu julgamento está pendente.

O Ministério Público Federal não acusou a IABAS. Mas em documentos judiciais confidenciais que eles protocolaram pedindo a um juiz que autorizasse a prisão de outros suspeitos, eles disseram que não havia “espaço para dúvidas” de que a oferta vencedora da IABAS foi contaminada por corrupção. Entre as várias irregularidades citadas pelos promotores: A IABAS redigiu sua proposta vencedora antes que a SES solicitasse ofertas.

A IABAS disse à Reuters que ganhou os contratos do hospital oferecendo o preço mais baixo. Ele disse que a SES fez mudanças frequentes no acordo, o que atrasou a construção. A IABAS disse que seis das sete estruturas foram concluídas ou quase concluídas no início de junho, quando o estado do Rio cancelou seu contrato e assumiu o controle de todos os locais do projeto.

Em declaração à Reuters, a SES contestou a caracterização da IABAS sobre o progresso que havia feito. Ele disse que quatro dos sete hospitais de campanha estavam longe de estar concluídos quando o estado assumiu.

A SES não quis comentar sobre a alegação da IABAS de que o ministério da saúde fez alterações frequentes no contrato de construção. A SES disse que economizou mais de 500 milhões de reais (US $ 90,3 milhões) ao suspender os pagamentos à IABAS após as alegações de corrupção feitas pelos promotores. O ministério disse que está cooperando com a investigação.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela agência Reuters-Reino Unido [Aqui!].

COVID-19: a terrível lição de Manaus

manausValas comuns foram abertas nos cemitérios de Manaus para dar cabo ao enterro dos mortos pela COVID-19

Por Sylvestre Huet  para o Le Monde

Uma grande cidade do Amazonas, Manaus, responde à pergunta: quantas mortes se deixarmos Sars-Cov-2 se espalhar? Uma resposta experimental. Tão livre das dúvidas que permanecem nos modelos matemáticos . Uma resposta massiva é dada por uma cidade de cerca de 2 milhões de pessoas. Uma resposta “otimista” (é uma cidade jovem, com menos de 6% de pessoas com mais de 60 anos contra 26% na França). Uma resposta que contém um número: cerca de 3.000 mortes entre abril e agosto de 2020 atribuíveis à COVID-19.

Os autores deste artigo utilizaram testes sorológicos, em um banco de doação de sangue, em busca de anticorpos que indiquem que a pessoa foi infectada pelo coronavírus. Dessa forma, eles puderam abordar a verdadeira circulação do vírus na população. A estimativa deles, depois de corrigir os dados brutos que o subestimam, é que cerca de 66% da população da grande cidade era portadora de Sars-Cov-2. Quando comparado ao número de mortes atribuíveis à COVID-19, cerca de 3.000, isso significa que cerca de 0,2% dos portadores morreram, uma porcentagem que é totalmente consistente com as observações em outros países. É bastante baixo, devido à juventude da população de Manaus em relação à França ou aos Estados Unidos.

Trump está certo (sim sim)

Com 66% da população portadora, Trump está certo (sim se): o vírus está indo embora. Por falta de novas vítimas para atacar, por falta de novos portadores passíveis de abrigar o vírus para que ele se reproduza e se mova com a pessoa em busca de outros humanos para infectar. Isso é o que os epidemiologistas chamam de “imunidade coletiva” . Uma estratégia muito possível contra um vírus benigno. O Sars-Cov-2 não é. Também não é um assassino muito eficaz, como o Seas ou o vírus Ebola. Mata principalmente os idosos, muitas vezes já doentes, mas não só. Porém, com essa “vivência involuntária” da população de Manaus, sabemos o que esperar se optássemos por tal estratégia, fazendo com que o vírus circulasse sem impedimentos, em uma população em plena atividade – trabalho, estudos, recreação – sem distanciamento físico, máscara, lavagem das mãos. Notem que a população de Manaus não optou realmente por essa estratégia de deixar ir, gestos de barreira foram aplicados, mas, sob pressão do governo de Jair Bolsonaro, as medidas contra a circulação do vírus permaneceram limitadas.

Mínimo de no mínimo

A resposta de Manaus pode ser extrapolada para outros países? Sim, desde que não se esqueçam do seu lado “otimista”, dada uma população semelhante à do nosso país, onde os maiores de 60 anos representam uma percentagem muito superior. Assim, um artigo do Massachusetts Institute of Technology relatando o estudo sobre Manaus estima que a chamada estratégia de imunidade coletiva causaria pelo menos 500.000 mortes nos Estados Unidos. Cifra mínima de pelo menos, visto que este país já tem 200.000 mortes (oficiais) atribuídas à Covid-19 enquanto a taxa de infecção da população está muito longe da observada em Manaus. E que um estudo de “pior caso” leva a 1,7 milhão de mortes nos Estados Unidos. Esta figura é, portanto, semelhante aos cálculos do artigo de Arnaud Fontanet e Simon Cauchemez (do Institut Pasteur de Paris) publicado na Nature review immunology que conclui, para a França, em uma estimativa entre 100.000 e 450.000 mortes no caso de uma estratégia imunidade coletiva.

O estudo com doadores de sangue em Manaus também fornece informações pouco animadoras: parece que a resposta sorológica (e, portanto, a presença de anticorpos) diminui com o passar do tempo desde a infecção. A imunidade, portanto, diminuiria rapidamente com o tempo.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em francês e publicado pelo jornal Le Monde [Aqui].

 

O coronavírus é ainda mais contagioso após a mutação – o que isso significa para nós?

Curso da doença, grupos de risco e descoberta de vacina

1800x1200_lungs-coronavirus

Variantes de vírus mais recentes são mais contagiosas – o que isso significa para o número de casos?

Cientistas do Hospital Metodista de Houston compararam amostras do coronavírus em dois momentos diferentesO resultado: nas amostras coletadas posteriormente – durante a segunda onda corona na cidade de Houston, nos Estados Unidos, em julho – eles encontraram mais células infectadas do que antesQuase todas as fitas de DNA da segunda onda tinham uma mutação – a chamada D614G. Segundo os pesquisadores, essa mudança garante que o vírus seja mais contagioso do que o da primeira onda. Mas o que exatamente isso significa para nós? Devemos agora nos preparar para o número extremamente crescente de casos? No vídeo, Dr. Georg-Christian Zinn, Diretor do Hygiene Center Bioscientia, o que poderia acontecer conosco.

Não mais patogênico, mas mais facilmente transferível

O estudo dos cientistas de Houston não é o primeiro a sugerir que as variantes mutantes da corona podem ser mais contagiosas. Um estudo com quase 1.000 pacientes Covid-19 em Sheffield , Reino Unido , mostrou que os pacientes infectados com a mutação D614G tinham, em média, uma carga viral mais alta em seus corpos. A boa notícia: os dados clínicos mostraram que isso não aumentou a gravidade do processo da doença.

Existe um risco maior para grupos de risco?

No entanto, a mutação ainda pode significar um risco aumentado para grupos de risco . “Se o vírus for transmitido mais facilmente, a probabilidade de afetar mais facilmente as pessoas mais velhas com doenças subjacentes é maior”, diz o Dr. Georg-Christian Zinn. No entanto, ainda existem boas oportunidades para proteger a si e aos outros. As conhecidas medidas de higiene como distância , lavagem das mãos e uso de máscara também atuaram contra as cepas do coronavírus mais facilmente disseminadas, segundo o especialista.

O que a mutação significa para a descoberta da vacina?

Felizmente, as descobertas sobre as variantes da corona mutadas até agora não foram de grande importância para encontrar a vacina, diz o Dr. Zinn. “As mutações que rastreamos até agora não são tão significativas a ponto de o vírus ter mudado completamente. Vemos pequenas mudanças individuais – por exemplo, que temos mais vírus em nossa garganta e podemos liberar mais vírus – mas não isso o vírus parece muito diferente. “

fecho

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pela RTL.de [Aqui!].

Governo Bolsonaro não vai tão bem como parecia: EXAME/IDEIA mostra que aprovação caiu aos níveis do início da pandemia da COVID-19

fogo

A aprovação de Jair Bolsonaro despencou, de 40% para 35%, nas últimas semanas, segundo pesquisa publicada pela Exame/Ideia nesta sexta-feira (25). O levantamento também indicou que 42% da população reprova as ações do Governo Federal. 

A pesquisa, que entrevistou 1.200 pessoas por telefone, em todas as regiões do país, entre os dias 21 e 24 de setembro, indica alta do preço da cesta básica somada a redução do auxílio emergencial de R$ 600 para R$ 300, foram essenciais na reprovação de Bolsonaro. 

Aprovacao-Bolsonaro

Segundo reportagem publicada no portal Exame, a maior rejeição a Bolsonaro encontra-se nos grupos mais vulneráveis. No grupo dos mais insatisfeitos estão aqueles que não conseguiram completar o ensino fundamental (41%) e ganham até um salário mínimo (54%). Já entre os brasileiros que seguem apoiando o governo, a maioria é formada por pessoas com renda superior a cinco salários mínimos (49%), com diploma universitário (40%) e é moradora da região centro-oeste (42%).

O levantamento também indicou que hoje 34% dos brasileiros consideram o governo ótimo ou bom. Outros 26% avaliam a gestão de Jair Bolsonaro como regular e 39% classificam sua administração como ruim ou péssima.

Ainda segundo a reportagem, no grupo dos mais decepcionados com o presidente estão aqueles que não conseguiram completar o ensino fundamental (41%) e ganham até um salário mínimo (54%). Já entre os brasileiros que seguem apoiando o governo, a maioria é formada por pessoas com renda superior a cinco salários mínimos (49%), com diploma universitário (40%) e é moradora da região centro-oeste (42%).

Aprovacao-governo

A questão para mim é simples: determinadas pesquisas ainda não tinham captado a mudança de humor que está ocorrendo na população em função da situação catastrófica em que se encontra a maioria dos brasileiros neste momento.  Como sempre disse para pessoas mais próximas, os números ainda não estavam captando bem determinadas mudanças súbitas que já deveriam estar acontecendo. 

Se essa pesquisa já está sendo capaz de identificar uma mudança de humor sustentada ou não são outros quinhentos. Mas nada do que está acontecendo na vida real dos brasileiros pobres indica que a opinião pública vá mudar favoravelmente sem que haja uma mudança radical na política econômica do governo Bolsonaro.  

Um erro que pode se mostrar fatal foi a redução de R$ 600 para R$ 300 que afetou justamente os segmentos que aparecem como mais descontentes na pesquisa da Exame/Ideia. Como diria Sherlock Holmes: elementar, meu caro Watson!

Como o desmatamento da maior floresta tropical do mundo interfere na saúde da população?

Covid-19 e outras doenças chegam até nós como consequência da degradação ambiental

deforestation

Quanto mais próximos os humanos estão dos animais, maiores são as oportunidades de contágio zoonótico, em que um patógeno salta do animal para o humano. Zoë van Dijk para NPR

A preservação do meio ambiente nunca esteve tão em voga quanto ultimamente, o assunto é de extrema importância, não só pela vida dos seres vivos que ali habitam, mas também para a saúde ambiental do planeta e do ser humano.

A degradação ambiental ocorre há anos, e cada vez mais vemos de perto como esse descaso com as florestas interfere diretamente na vida da população. Estudos científicos já atestaram que o desmatamento gera uma cadeia de acontecimentos complexos, criando meios para que diferentes patógenos mortais se espalhem entre os humanos. Doença de Lyme e a malária, por exemplo, surgiram a partir daí.

São 40 mil espécies de plantas, milhões de insetos e 400 mamíferos que estima-se ter na Amazônia, floresta que ocupa sete milhões de quilômetros quadrados e faz parte de nove países da América do Sul. O especialista em Gestão de Resíduos Sólidos e fundador da Oceano Resíduos, Rafael Zarvos, alerta a necessidade das pessoas entenderem que desmatamento e doenças estão relacionados.

“Infelizmente, somos a única espécie capaz de destruir e de ameaçar a nossa própria sobrevivência. A forma como a sociedade está transformando o meio ambiente e reduzindo os habitats naturais, faz com que animais silvestres e seres humanos se aproximem. Isso potencializa o risco de transmissão de variados patógenos da espécie deles para a nossa”, explica Zarvos. 

Doenças como a Zika, que somada a Dengue e Chikungunya contabilizaram um aumento de 248% do número de casos no ano de 2019, é exemplo de enfermidade que veio da cena rural para a urbana pelo avanço do desmatamento em áreas florestais. “A destruição da natureza coloca em risco a nossa própria existência. O coronavírus, por exemplo, responsável pela pandemia que vivemos, é fruto do contato de humanos com morcegos”, destaca Rafael.

Uma área queimada da floresta amazônica no estado do Pará, Brasil, em 2019. Um crescente conjunto de evidências mostra que a perda e fragmentação da floresta podem aumentar o risco de doenças infecciosas de origem animal, como o coronavírus. Leo Correa / AP

Em relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), é possível ver que a cada quatro meses o ser humano tem uma infecção originária de problemas relacionados ao meio ambiente, e que 75% das doenças são de origem animal. O consumo de carne crua de animais silvestres, o desmatamento, as mudanças climáticas e o tráfico ilegal de animais silvestres são fatores que contribuem para facilitar o contágio de seres humanos por patógenos que vivem na natureza e nas espécies que ali habitam.

“Cientistas especulam que o vírus que desencadeará a próxima pandemia já está em circulação, é só uma questão de tempo até sermos atingidos. Isso prova que está mais do que na hora de prestarmos atenção no consumo de produtos, além de pequenos hábitos do dia a dia que podem ser cruciais para ajudar o meio ambiente e a nós mesmos”, finaliza o especialista.

Jair Bolsonaro gosta de negar a realidade

Na abertura da Assembleia Geral da ONU, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro declara seu país vítima de uma campanha de mentiras sobre a Amazônia. Mas as fotos dos incêndios falam por si, comenta Thomas Milz.

bolso

Jair Bolsonaro faz seu discurso virtual na Assembleia Geral da ONU de 2020

Por Thomas Mintz para a Deutsche Welle

É tradição na ONU que o Brasil seja o primeiro país a contribuir com os debates da Assembleia Geral. A novidade este ano foi que a contribuição foi gravada em vídeo, devido à pandemia do coronavírus. Com mais de 137.000 mortes de corona, o recorde do Brasil é atualmente o segundo mais letal depois dos EUA. Assim, Bolsonaro ficou na defensiva logo no início de seu discurso. Pois como você explica o desastre doméstico para o mundo, que conhece sua terrível comparação do coronavírus com uma “gripezinha”?

Não o culpe. Em vez disso, ele foi vítima do Judiciário brasileiro, que amarrou suas mãos na luta contra a pandemia e cedeu os poderes aos governadores. Qualquer um que olhe mais de perto sabe que Bolsonaro na verdade se recusou a lutar contra a pandemia que ele retratou como histeria. Pior ainda – ele confiou no comprovadamente ineficaz medicamento antimalárico cloroquina e colocou o Ministério da Saúde sob o comando de um general que antes organizava a logística das Olimpíadas do Rio. Mas parte de sua mentalidade de populista é a negação de qualquer culpa ou responsabilidade. 

É como exagerar o próprio papel sempre que algo está indo bem. A ajuda para os prejuízos causados pela pandemia da COVID-19 paga a mais de 65 milhões de brasileiros teria protegido a economia de um desastre ainda maior, diz Bolsonaro. Isso é verdade. Mas ele não diz ao público internacional que foi o Congresso brasileiro que instou o governo a fornecer ajuda. Em vez disso, ele está simplesmente mentindo quando diz que o valor total da ajuda é de US $ 1.000 por pessoa. Apenas metade disso foi pago. 

Queimando florestas e  causando uma gigantesca destruição ambiental

A negação da realidade de Bolsonaro se torna ainda mais óbvia em vista da destruição ambiental em curso na Amazônia. Mesmo nas grandes cidades do extremo sul do Brasil, as nuvens de fumaça já podem ser sentidas, e também podem ser vistas em sua gigantesca propagação nas imagens de satélite da NASA. E o fato de que o governo de Bolsonaro está impedindo as autoridades ambientais de proteger as florestas é evidenciado pelos cortes drásticos nos orçamentos ambientais. Até membros de seu próprio governo admitem abertamente a paralisia das autoridades de controle.

Mesmo assim, antes da Assembleia Geral virtual da ONU, Bolsonaro repetia seu mantra de que ninguém protege mais a natureza do que o Brasil. Exceto que a comunidade mundial malévola se recusa a reconhecer isso. “Quanto à Amazônia e ao Pantanal, somos vítimas de uma das mais brutais campanhas de mentiras”, disse Bolsonaro. As instituições internacionais participariam de maquinações sombrias para prejudicar seu governo e o Brasil, e até mesmo “aproveitadores de guerra antipatrióticos” do Brasil participariam. 

Além de organizações como o Greenpeace e o WWF e ativistas como o ator de Hollywood Leonardo DiCaprio, também se dirige contra a própria ONU, cuja conferência climática COP 25 seria realizada no Brasil no outono de 2019. Mas Bolsonaro ficou de lado. Por isso, acusou reiteradamente a ONU de querer tirar a Amazônia do Brasil com a ajuda do acordo climático.

Vítima de potências internacionais?

Mas Bolsonaro com certeza não está interessado na imagem do Brasil no mundo. Em tempos de redes globais de informação e graças ao relato vigilante da mídia, o mundo hoje sabe muito bem o que está acontecendo nas florestas brasileiras. Bolsonaro não tem nada a ganhar com isso. Pelo contrário, o seu discurso dirige-se à sua própria população, a quem tem de responder face às mortes da corona, à crise económica associada ao coronavírus e à destruição do ambiente. E que ele – ao contrário do público mundial bem informado – ainda pode imputar sua distorção dos fatos. 

Acusar poderes obscuros do exterior vai bem para muitos brasileiros. As ameaças das fileiras da União Européia de não ratificar o acordo comercial com o bloco do Mercosul vêm a calhar para ele se mostrar vítima de malandros internacionais. 

Dois problemas estão atualmente movendo o mundo: a pandemia corona e as mudanças climáticas. Ambas as crises têm dimensões globais e só podem ser resolvidas em nível global. Um estadista inteligente, portanto, usaria instituições globais como a ONU para encontrar soluções. Antes de mais nada, no interesse do seu próprio país. Mas Bolsonaro não pensa em soluções. Como populista profissional, ele aceita com gratidão as crises para culpar inimigos imaginários. Você não deve esperar nada construtivo dele.

fecho

Este artigo foi originalmente escrito em alemão e publicado pela Deutsche Welle [Aqui!].

Na “The Lancet”, médicos brasileiros desafiam os fatos e defendem as ações do governo Bolsonaro no controle da COVID-19

hospitais covid-19

Na “The Lancet”,  médicos brasileiros defendem as ações do governo Bolsonaro no (des) controle da pandemia da COVID-19, em que pese os mais 135 mil mortes ocorridas no Brasil

Há quem não entenda algumas situações envolvendo a falta de reação da comunidade médica brasileira às ações do governo Bolsonaro no (des) controle da pandemia da COVID-19 no Brasil, especialmente quando o presidente Jair Bolsonaro está a meses defendendo um medicamento, a cloroquina, que não possui nenhuma comprovação de que tenha qualquer utilidade no combate ao coronavírus.

Mas uma carta publicada hoje pela revista “The Lancet” lança luz sobre essa situação ao publicar uma carta assinada por um coletivo de médicos brasileiros (alguns detentores de títulos de doutorado) que não só defendem ardorosamente as ações do governo Bolsonaro, como também exigem que uma das principais revistas científicas da área médica do mundo retire do ar um editorial em que critica duramente as ações do governo Bolsonaro.

Em meio ao bombardeio de declarações pseudo-nacionalistas, uma me chamou a atenção. É que aquela que afirma que “Brasil está se saindo melhor do que o Reino Unido em resposta à pandemia COVID-19. Os casos, óbitos e taxas de letalidade do COVID-19 ajustados pela população são muito mais elevados no Reino Unido do que no Brasil.”

Essa afirmação por si só já deve ter divertido os editores da “The Lancet” a ponto deles decidirem publicar uma carta que, se por um lado tem elementos que envergonham os autores da mesma, por outro, oferecem uma rara entrada no que pensam respeitáveis representantes da classe médica brasileira.

Quem se der ao trabalho de ler a “resposta” abaixo, notará que não se pode culpar os pobres pela eleição e manutenção de Jair Bolsonaro no posto de presidente do Brasil. É que a defesa apaixonada que emerge do texto nos mostra quem racionalmente opta por defender as práticas indefensáveis de um governo indefensável.

********************************************

Resposta COVID-19 do Brasil

Por Mauro RN Pontes e Julio Pereira Lima

Foi decepcionante ler o Editorial 1  sobre a resposta do Brasil ao COVID-19, criticando o presidente brasileiro que “desencorajou [ed] as medidas sensatas de distanciamento físico e bloqueio”. Sim, ele insistiu que o bloqueio é ineficaz e terrível para a economia. 

As evidências sugerem que ele estava certo. Um estudo europeu concluiu que o bloqueio pode não ter salvado vidas.

2 Um estudo brasileiro descobriu que um aumento de 1,0% na taxa de desemprego estava associado a um aumento de 0,5% na mortalidade por todas as causas.

 3 A taxa de desemprego esperada (23%) causaria 120 mil mortes no Brasil, segundo projeções dos autores. 3 Portanto, o governo brasileiro implementou medidas de proteção; distribuiu US $ 5,6 bilhões às cidades, estados e diretamente à população por meio de um salário de salvamento de emergência; criaram leitos para unidades de terapia intensiva; e entregou equipamentos de proteção e ventiladores. Esta resposta mostra um “vácuo de ações políticas”?1

Até o momento, o Brasil está se saindo melhor do que o Reino Unido em resposta à pandemia COVID-19. Os casos, óbitos e taxas de letalidade do COVID-19 ajustados pela população são muito mais elevados no Reino Unido do que no Brasil. O Lancet deveria criticar seu próprio país, antes de criticar o nosso.

Sentimos que o preconceito abundou durante a editoria de Richard Horton, incluindo o imbróglio da vacina MMR4(colocando a vida das crianças em risco) e a correspondência incendiária sobre a situação em Gaza5O Lancet elogiou a resposta chinesa à pandemia de COVID-19, mesmo depois que a China foi acusada de encobrir a propagação inicial e a transmissão de humano para humano de COVID-19. O Lancet foi mais duro com o Brasil, sugerindo que deveríamos expulsar o presidente de sua cadeira.

Desconsideramos seu editorial desinformador, 1 que sentimos ser claramente tendencioso contra nosso governo de direita. Infelizmente, o The Lancet não publicou nada contra o governo de esquerda brasileiro, que priorizou estádios de futebol em vez de hospitais.

Como médicos brasileiros, damos a vocês uma resposta clara: o Editor do The Lancet deve abandonar o viés político, retratar o Editorial,1  e focar na ciência, ou então ele “deve ser o próximo a ir”.1

Declaramos não haver interesses conflitantes. Os signatários desta correspondência estão listados no apêndice

Tecnologia em tempos de Covid-19

tecnologia covid19

Foto: JOHN SCHNOBRICH / UNSPLASH

Por Eduardo Henrique Diniz para a bori

As tecnologias digitais são elementos centrais do novo normal, decorrente da crise gerada pela pandemia da Covid-19. Em primeiro lugar, porque qualquer reação a essa situação foi e está sendo baseada em informação produzida, armazenada e transmitida em formato digital. Mapeamento de genomas, produção de vacinas, rastreamento de infectados, monitoramento de doentes e distribuição de benefícios emergenciais são exemplos de atividades que dependem de infraestrutura digital sofisticada, capaz de gerenciar com precisão e em tempo real uma enorme quantidade de dados.

Além da linha direta de gestão da crise, as tecnologias digitais também exercem papel central em diversas outras atividades de nossas vidas, como no trabalho, na convivência social e no consumo. Lives, reuniões a distância, aulas remotas, vaquinhas digitais, comemorações virtuais e delivery são hábitos e costumes amplamente disseminados durante a pandemia, quebrando resistências de todos os tipos e que vão gerar impactos profundos no comportamento e no modo de vida de populações dos mais diversos quadrantes do planeta.

Diante de mudanças emergenciais, que aparentemente vão se consolidar como alterações estruturais, aperfeiçoar e democratizar a infraestrutura digital disponível na sociedade tornam-se necessidades reais e urgentes. O discurso a respeito da inclusão digital remodelou-se para o da transformação digital, refletindo uma significativa ampliação do acesso a recursos digitais na sociedade. Entretanto, tal acesso mostrou-se desigual, ratificando a concentração de recursos já existente entre a população. Combater essa desigualdade não é mais apenas uma forma de ajudar os menos favorecidos; passou a ser a única maneira de se construir uma transformação digital de fato.

Os desafios, no entanto, são imensos para o aperfeiçoamento e a democratização da infraestrutura tecnológica para a era pós-Covid-19. Primeiramente, é fundamental termos capacidade de disponibilizar tecnologia de qualidade a uma grande massa de desprovidos, pois o acesso à informação digital também se torna um bem público universal. Em segundo lugar, a vida durante a pandemia mostrou que o acesso à educação de qualidade, outro bem público universal, tem impacto direto no uso profícuo das infraestruturas digitais disponíveis, sendo possível obter ganhos com essa relação. Além disso, se não quisermos nos tornar apenas consumidores de tecnologia desenvolvida por outros, precisamos investir em ciência e tecnologia. Por fim, necessitamos de um ambiente que promova startups de base digital, ampliando o acesso a crédito e criando suporte legal para a emergência de negócios inovadores.

Todavia, não podemos descuidar dos riscos à democracia, à segurança e à privacidade que esse mesmo ambiente digital pode gerar. O aumento de crimes digitais no período da pandemia e as claras ameaças à privacidade, advindas de diversas tecnologias empregadas em vários países para monitorar indivíduos infectados, são sinais desse novo tempo. Somam-se a isso os impactos da digitalização sobre os sistemas democráticos, como os algoritmos que tomam decisões nem sempre de acordo com a natureza essencialmente humana de nossas relações, e as dificuldades de garantir justiça em um ambiente cada vez mais mediado por
canais digitais.

Enfim, consolidar o novo normal imposto pelos avanços digitais apenas iniciados nessa pandemia vai exigir ainda mais foco em conceitos primordiais como democracia, justiça e equidade social.

Sobre esse artigo

Eduardo Henrique Diniz é professor da Escola de Administração de Empresas de São Paulo, da Fundação Getulio Vargas (FGV EAESP). Esta análise está na revista “GV Executivo”, edição de agosto de 2020.