Fala fraca e fuga de coletiva de imprensa em Davos explicitam esclerose precoce do governo Bolsonaro

bolso 1

O presidente Jair Bolsonaro, no Fórum Econômico Mundial em Davos Foto: Fabrice Coffrini / AFP

Se a repercussão da aparição meteórica na mesa de abertura da edição de 2019 do Fórum Econômico Mundial de Davos já não tivesse sido ruim o suficiente para a imagem de Jair Bolsonaro e um governo em estágio inicial, a coisa ficou pior ainda com a fuga de uma entrevista coletiva onde o presidente e seus principais ministros deveriam expor seus projetos para o Brasil.

mesa vazia

Essa imagem me traz inclusive à lembrança o cantor Nelson Gonçalves e aquela canção que diz que “naquela mesa está faltando ele” (ressalvando-se que no caso de Davos a ausência foi coletiva).

O cenário fica ainda pior para Jair Bolsonaro e seu governo quando se vê que ele esteve disponível para entrevistas no melhor estilo “chapa branca” com veículos da mídia corporativa brasileira que optaram por aderir ao seu projeto político, sabe-se lá por quais razões.

Se essa tática de fugir de situações complicadas para falar com a “imprensa amiga” funciona no Brasil, isso não quer dizer que funcionará fora dele.  E Bolsonaro deveria ter sido melhor orientado nesse sentido, mas o problema é que não foi.

Para adicionar pitadas fortes de constrangimento há ainda o vaivém em torno do escândalo que cerca seu primogênito,  o senador eleito pelo Rio de Janeiro Flávio Bolsonaro, cujo caso evoluiu da, dizem, corriqueira subtração de parte dos salários de assessores na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) para questões bem mais complexas que envolvem negócios com imóveis no melhor estilo “the Flash” para problemas bem mais delicados como o envolvimento com milicianos, incluindo a concessão de emprego para a mãe e a esposa de um deles.

Após parecer que iria jogar o filho “ao mar” para se livrar de possíveis ligações perigosas dizendo que se “ele (Flávio Bolsonaro) errou e isso ficar provado, eu lamento como pai, mas ele vai ter que pagar“; Jair Bolsonaro usou uma das entrevistas “chapa branca” para dizer que o alvo é ele e seu primogênito seria só vítima de um jogo sujo. Ao fazer isso, consciente ou inconscientemente, o presidente do Brasil se reaproximou da frigideira política em que o filho está sendo assado.

Se tudo não estivesse com cara de pudim desandado, Jair Bolsonaro resolveu se envolver diretamente na aventura política de remover Nicolás Maduro do poder na Venezuela. É que ao alinhar o Brasil automaticamente à posição do governo estadunidense que quer impor a derrubada de Maduro, Jair Bolsonaro corre o risco de alienar parceiros comerciais importantes como a Rússia e a China.  Uma amostra do preço deste tipo de alinhamento já foi dada  pela Arábia Saudita que suspendeu a compra de carne de frango de 33 frigoríficos brasileiros  como uma forma velada de protesto contra a anunciada mudança da embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém.

Entre os frigoríficos de carne de frango suspensos pela Arábia Saudita, estão unidades da BRF e JBS

Getty Images. Entre os frigoríficos de carne de frango suspensos pela Arábia Saudita, estão unidades da BRF e JBS.  Fonte: Economia IG. 

A questão é que hoje a saúde balança comercial brasileira depende diretamente da venda de suas commodities agrícolas e minerais para países que estão mostrando posições distintas não apenas no caso da Venezuela e da localização de suas embaixadas em Israel.  Se a posição da Arábia Saudita for seguida por outros países, a crise só tenderá a aumentar.

Todas estas sinalizações apontam para a ocorrência de uma esclerose altamente precoce do governo Bolsonaro. Se ainda nem chegamos ao final do primeiro mês e o novo congresso ainda nem foi instalado, imaginemos o que poderá acontecer ao longo de 2019. Por tudo o que se viu até agora, o calvário de Jair Bolsonaro e seus filhos está apenas começando (para usar uma imagem tão a gosto de sua base neopentescotal). Resta saber se o presidente saberá lidar com todas as pressões que apontam no horizonte.

Estréia de Bolsonaro em Davos foi ofuscada pelo crescente escândalo em torno do filho

Flávio Bolsonaro nega que jornal brasileiro afirma ter empregado uma vez a mãe e a esposa de um suposto líder do esquadrão da morte

Jair Bolsonaro diz que vai “abrir” a economia do Brasil em discurso pró-negócios em Davos – vídeo

Por Tom Phillips, correspondente para a América Latina do “The Guardian”

O presidente de extrema-direita do Brasil, Jair Bolsonaro, usou sua estréia internacional para soar a sentença de morte para a esquerda “bolivariana” da América do Sul e proclamar uma nova era conservadora de governança limpa e piedade na região.

Mas sua aparição concisa no Fórum Econômico Mundial na terça-feira foi ofuscada por um escândalo de bola de neve envolvendo um de seus filhos, o recém-eleito senador Flávio Bolsonaro.

Enquanto o presidente – que chegou ao poder prometendo libertar o Brasil da corrupção e da criminalidade – se preparou para subir ao palco em Davos, relatórios em um dos principais jornais brasileiros ligaram seu filho a membros de um grupo de extermínio do Rio de Janeiro chamado Escritório do Crime.

O jornal O Globo afirmou que durante o período de Flávio Bolsonaro como legislador do Rio, ele empregou a mãe e a esposa do suposto líder da gangue, um ex-agente Batalhão de Operações Especiais (BOPE) da Polícia Militar do Rio de Janeiro, Adriano Magalhães da Nóbrega.

Nóbrega, que supostamente está fugindo após a polícia atacar seu grupo com uma operação apelidada de Os Intocáveis“, é acusado de ser um membro sênior do que O Globo chamou de “a mais letal e secreta falange de pistoleiros” do Rio de Janeiro.

A polícia e os promotores  suspeitam que membros do Escritório do Crime estão por trás do assassinato ainda sem solução da vereadora Marielle Franco, da cidade do Rio de Janeiro, no ano passado.

O Globo também afirmou que a suposta esposa e mãe do gângster haviam sido recomendadas a Flávio Bolsonaro por Fabrício Queiroz, um amigo de longa data do presidente brasileiro que foi fotografado socializando com Jair Bolsonaro em uma foto onde os dois homens aparecem sem camisas.

Marcelo Freixo, legislador de esquerda e amigo de Marielle Franco, estava entre os que exigiam respostas nesta terça-feira. “A família Bolsonaro deve as explicações à sociedade”, ele twittou.

Flávio Bolsonaro rejeitou o relatório – que segue um punhado de outras alegações prejudiciais sobre suas transações financeiras – e afirmou que ele era a “vítima de uma campanha de difamação” destinada a ferir seu pai. “Aqueles que cometeram erros devem ser responsabilizados por seus atos”, disse ele em um comunicado.

Celso Rocha de Barros, colunista político do jornal Folha de São Paulo, disse: “A família Bolsonaro deve estar em pânico”.

“É difícil medir as repercussões que isso pode ter … É uma bomba – uma bomba nuclear”, acrescentou Barros.

O crescente escândalo abalou as promessas de Jair Bolsonaro em Davos de encabeçar uma cruzada contra a corrupção e o crime organizado.

Durante um breve discurso de seis minutos na cúpula anual, Bolsonaro disse esperar que o mundo veja seu “novo” Brasil mais limpo com novos olhos depois de um escândalo maciço de corrupção que devastou a elite política do país.

“Assumi o Brasil em meio a uma profunda crise ética, moral e econômica. Estamos comprometidos em mudar nossa história… Queremos governar pelo exemplo ”, declarou Bolsonaro.

O nacionalista de extrema-direita lançou-se como porta-bandeiras da nova vanguarda conservadora da América Latina. “Não queremos uma América bolivariana”, disse ele, em referência ao falecido presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que esperava unir o continente com uma aliança de líderes progressistas.

fb
Um dos principais jornais do Brasil ligou Flávio Bolsonaro a membros de um grupo de extermínio do Rio de Janeiro chamado Escritório do Crime. Foto: Sergio Moraes / Reuters

Bolsonaro disse ainda que os líderes de direita, como o argentino Mauricio Macri e o chileno Sebastián Piñera, estavam determinados que “a esquerda não prevalecerá nesta região”.

O presidente brasileiro também se pintou como um estadista global em busca de “um mundo de paz, liberdade e democracia”. “Com o slogan: ‘Deus acima de tudo’, acredito que nossas relações [com o mundo] trarão progresso interminável para todos”, declarou Bolsonaro.

Observadores políticos e membros da audiência não se impressionaram com a aparição de Bolsonaro no cenário mundial.

“Ele me assusta … o Brasil é um país grande e merece alguém melhor”, disse o economista Robert Shiller, ganhador do Nobel, ao jornal Valor Econômico.

Outro membro da audiência supostamente reclamou: “[Um] desastre. Eu queria gostar dele, mas ele não disse nada. Por que ele veio?

Bolsonaro pressiona líder venezuelano com promessa de “restabelecer a democracia”

De Barros chamou o discurso curto de Bolsonaro de um “fiasco” genérico que provavelmente havia sido cortado por causa do escândalo que se desenrolava em casa.

Falando na véspera do discurso de Davos de Bolsonaro, José Roberto de Toledo, um jornalista político da revista Piauí, disse que sua popularidade interna permaneceu alta.

“A confiança do consumidor é a maior em anos… o dinheiro vem do exterior. O dólar caiu. O mercado de ações está quebrando recordes … Ninguém pode suportar mais cinco anos de crise. Todo mundo quer apertar o botão de reiniciar.

Mas ele especulou que Bolsonaro pagaria um preço político pelo crescente cheiro de corrupção em torno de seu filho. “Flávio colocou uma espada [de Dâmocles] sobre a cabeça de seu pai que será usada para chantageá-lo, no congresso, nos tribunais, nas redes sociais e na imprensa. Será um peso que ele sempre terá que carregar – e a probabilidade é que esse peso cresça com o tempo ”.


Este artigo foi publicado originalmente em inglês pelo “The Guardian” [Aqui!]

The Guardian: Jair Bolsonaro alarma ativistas do clima com discurso pró-negócios

Novo presidente brasileiro destaca necessidade de crescer na economia em Davos

Jair Bolsonaro diz que vai “abrir” a economia do Brasil em discurso pró-negócios em Davos – vídeo

Por  in Davos para o “The Guardian” [1]

O novo presidente de direita do Brasil, Jair Bolsonaro, despertou novo alarme entre ambientalistas depois de salientar que proteger o ecossistema único de seu país tem que ser consistente com o crescimento da economia.

Em comentários que fizeram pouco para amenizar os temores dos riscos que uma estratégia de crescimento representaria para a região amazônica, Bolsonaro usou sua primeira viagem ao exterior desde que assumiu o controle no início do ano para delinear uma agenda fortemente pró-negócios.

O novo discurso do presidente no Brasil, no Fórum Econômico Mundial em Davos, delineou uma agenda de privatização para redução de impostos, projetada para reduzir o tamanho do Estado e encorajar o empreendedorismo.

“Agora é nossa missão avançar na harmonização da preservação ambiental e da biodiversidade com o tão necessário desenvolvimento econômico”, disse ele.

Um dos primeiros atos de Bolsonaro foi transferir o controle da regulamentação e a criação de reservas indígenas para o ministério da agricultura, que é controlado pelo lobby do agronegócio no Brasil. Essa medida foi amplamente criticada por grupos ambientalistas, mas Bolsonaro disse a seu público de líderes empresariais que a proteção da natureza era consistente com o desenvolvimento econômico.

“A agricultura não representa mais do que 9% do nosso território e cresceu graças à tecnologia e ao trabalho árduo dos agricultores”, disse ele. “Nenhum outro país no mundo tem tantas florestas quanto nós.” A economia e o meio ambiente eram interdependentes e inseparáveis, acrescentou o presidente.

José Gregorio Mirabal, coordenador geral do Coordenação das Organizações Indígenas da Bacia do Rio Amazonas (COICA), disse: “A elite econômica e política mundial em Davos hoje não deve se distrair com os esforços de Bolsonaro para acalmar os investidores interessados ​​em investir no Brasil. O ataque de Bolsonaro aos povos e florestas de seu país ameaça todos os povos e florestas da Amazônia e coloca em risco os esforços globais para enfrentar as mudanças climáticas ”.

Jennifer Morgan, diretora executiva do Greenpeace International, disse que a atitude de Bolsonaro em relação à Amazônia foi uma das maiores ameaças ao meio ambiente. “Estamos trabalhando com aliados e trabalharemos para defender tudo o que pudermos, porque a Amazônia não é apenas uma floresta incrível, é o pulmão da Terra e desempenha um papel extremamente importante no clima”, disse ela.

Bolsonaro, cujo filho Flavio está sendo investigado por supostas irregularidades financeiras, disse que seus ministros estavam comprometidos em reprimir a corrupção e a lavagem de dinheiro. “Tomei posse em meio a uma grande crise ética, moral e econômica. Estou comprometido em mudar nossa história ”, disse ele.


Este artigo foi originalmente publicado em inglês [Aqui!]

O dia em que 45 virou 6: uma síntese do tamanho do buraco onde o Brasil se meteu

bolsonaro davos
O presidente Jair Bolsonaro discursa no Fórum Econômico Mundial de Davos. Discurso que deveria durar 45 minutos, durou apenas 6.
Nas primeiras três semanas do governo Bolsonaro ficamos sendo brindados com a informação de que o novo presidente brasileiro iria discursar por 45 minutos no Fórum Econômico de Davos para apresentar ao mundo a sua visão de futuro do Brasil.
Acabo de saber que os 45 minutos viraram 6, o que num jogo de futebol significaria dizer que em vez de se jogar todo o tempo regulamentar, o juiz fosse obrigado a parar a partida quando os times ainda estavam se estudando. Em outras palavras, o que era para ser o ponta inicial para os investidores internacionais, acabou sendo uma espécie de “micro discurso” de generalidades superficiais.
Mas o que esperar deste governo senão pitadas intermináveis de situações bizarras que vão rapidamente tornando este governo uma aposta para lá de arriscada por parte das elites brasileiras? O problema é que a maior parte da elite brasileira nem vive no Brasil, preferindo ir ao país apenas para recolher as fortunas acumuladas na especulação financeira. Vão e voltam do Brasil em seus jatinhos privados, e a maioria dos brasileiros que se dane.
Por outro lado, é compreensível que Jair Bolsonaro estivesse nervoso em Davos. É que ali se joga um jogo para o qual ele nunca realmente se preparou. Não falo nem da incapacidade de se comunicar em língua inglesa, pois o ex-presidente Lula também não falava a língua de Shakespeare e sempre sai bem. A ponto de termos aquela cena durante um encontro do G-20 em que Barack Obama e Lula trocaram amabilidades com a conjunta de um intérprete (ver vídeo abaixo). Mas Lula é Lula, e Bolsonaro e Bolsonaro.


Para complicar ainda mais a situação do governo Bolsonaro, hoje tivemos a prisão de membros de uma milícia que estariam implicados na morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. A ligação com o governo Bolsonaro veio a público fato que dois dos milicianos arrolados no caso foram alvo de homenagens por Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Se isso não fosse ruim o suficiente, a mãe de um deles foi assessora de Flávio Bolsonaro no mesmo gabinete em que ele hospedeu Fabrício Queiróz.
Em suma, como eu já havia dito aqui, este governo que ainda não chegou ao fim do seu primeiro mês está dando todos sinais de esclerose precoce. O problema é o que vem pela frente se o paciente não sobreviver por muito tempo.

Uso de inglês macarrônico em Davos é mais um arranhão na imagem do Brasil

macarronico

O técnico de futebol Joel Santana, até recentemente o maior expoente brasileiro no uso do inglês macarrônico.  Aparentemente Santana encontrou sua “nêmesis”.

O fato da imagem do Brasil e do seu novo presidente não andarem muito bem das pernas não chega a ser uma novidade. Por isso, certos primarismos deveriam ser evitados para não piorar o que já anda ruim.

Por isso mesmo, investir numa boa transposição do português para outras línguas (especialmente o inglês) do que está sendo dito por Jair Bolsonaro durante a sua estada no Fórum Econômico Mundial de Davos deveria ser uma prioridade do Ministério de Relações Exteriores e de sua assessoria de imprensa. 

Mas, aparentemente, uma área que sempre primou pela excelência agora caiu em mãos amadoras. Pelo menos é que o se depreende das imagens que estão sendo circuladas supostamente para expressar o que seria a linha de pensamento oficial do novo governo brasileiro usando um inglês que pode ser considerado um belo exemplo de “inglês macarrônico” (que é aquela forma de transposição que neófitos na língua inglesa costumam fazer quando começam seus estudos) (ver imagens abaixo).

O uso de um inglês de baixíssimo nível para apresentar o novo governo ao mundo só vai piorar o ambiente para Jair Bolsonaro e sua trupe em Davos. 

Fico imaginando quem fez a tradução e quem autorizou sua circulação. Mas uma coisa é certa: ou se coloca esse setor nos profissionais de alta qualidade que existem no Itamaraty ou o vexame de ter um ministro que acredita que as mudanças climáticas são um complô marxista para alavancar a China será apenas o começo de nossos problemas.

É que, convenhamos, quem assinaria acordos e contratos em inglês macarrônico? Provavelmente aqueles interessados em passar a perna em quem não domina o idioma de Shakespeare como deveria.

Capitalismo, um sistema econômico que vai bem para 1% da Humanidade

Privilégio e o poder na economia geram extrema desigualdade e como isso pode ser interrompido

tondo

Favela de Tondo localizada em Manila, capital das Filipinas.

Às vesperas do início do Fórum Econômico de Davos na Suiça, a organização governamental OXFAM publicou na última 6a. feira (18/01) um documento mostrando que crise global de desigualdade está chegando a novos extremos.  Segundo o documento da OXFAM, os 1% das pessoas mais ricas  do mundo agora têm mais riqueza do que o resto do mundo combinado. Além disso, poder e privilégio estão sendo usados ​​para distorcer o sistema econômico para aumentar ainda mais a distância entre os mais ricos e os demais.

Segundo a OXFAM, uma rede global de paraísos fiscais permite que os indivíduos mais ricos escondam cerca de US$ 7,6 trilhões.

A OXFAM afirma que luta contra a pobreza não será vencida até que a crise da desigualdade seja combatida.

A OXFAM calculou ainda que:

• Em 2015, apenas 62 indivíduos detinham a mesma riqueza que 3,6 bilhões
de pessoas – a metade mais afetada pela pobreza da humanidade. Esse
número representa uma queda em relação aos 388 indivíduos que se
enquadravam nessa categoria há bem pouco tempo, em 2010.
• A riqueza das 62 pessoas mais ricas do mundo aumentou em 44% nos cinco
anos decorridos desde 2010 – o que representa um aumento de mais de
meio trilhão de dólares (US$ 542 bilhões) nessa riqueza, que saltou para
US$ 1,76 trilhão.
• Ao mesmo tempo, a riqueza da metade mais pobre caiu em pouco mais de
um trilhão de dólares no mesmo período – uma queda de 41%.
• Desde a virada do século, a metade da população mundial mais afetada pela
pobreza ficou com apenas 1% do aumento total da riqueza global, enquanto
metade desse aumento beneficiou a camada mais rica de 1% da população.
• O rendimento médio anual dos 10% da população mundial mais pobres no
mundo aumentou menos de US$ 3 em quase um quarto de século, e a 
renda diária deste segmento aumentou menos de um centavo a cada ano.

Enquanto isso, no Brasil que já possui uma das piores distribuições da riqueza do planeta, a fala é retirar o pouco de direitos que os mais pobres conseguiram arrancar depois de muita luta e sofrimento. Tudo isso para aumentar ainda mais a riqueza detida pela1% que se beneficia da forma de funcionar da sociedade capitalista.

Quem desejar saber mais sobre este estudo da OXFAM, basta clicar [Aqui!]

Oxfam: 1% mais rico vai possuir mais que o resto do mundo até 2016

Bay Ismoyo/AFP

Funcionário conta notas de dólar na Indonésia

Funcionário conta notas de dólar na Indonésia: índice de preços da produção aumentou apenas 0,1% em relação ao mês anterior

Londres – Mais da metade da riqueza do mundo vai estar nas mãos de apenas um por cento da população no ano que vem devido à crescente desigualdade, disse nesta segunda-feira a Oxfam, organização de combate à pobreza.

Em relatório divulgado antes da reunião anual da elite mundial em Davos, na Suíça, a Oxfam disse que os mais privilegiados viram sua fatia de riqueza aumentar de 44 por cento em 2009 para 48 por cento em 2014.

Na tendência atual, a taxa vai superar 50 por cento em 2016. A diretora-executiva da entidade, Winnie Byanyima, que é também uma das mediadoras em painéis do Fórum Econômico Mundial, em Davos, disse que uma explosão na desigualdade está retardando a luta contra a pobreza.

“Queremos realmente viver em um mundo onde um por cento é dono de mais do que o resto de nós combinado?”, questionou ela nesta segunda. “Manter os negócios como de costume para a elite não é uma opção sem custos. O fracasso em lidar com a desigualdade vai atrasar a luta contra a pobreza em décadas.

Os pobres são atingidos duas vezes com a desigualdade crescente –eles recebem uma fatia menor do bolo econômico e, porque a extrema desigualdade prejudica o crescimento, há um bolo menor para ser compartilhado.”

A Oxfam disse que iria pedir durante o encontro em Davos, com início marcado para quarta, que sejam tomadas atitudes para se lidar com a desigualdade crescente, incluindo a repressão contra a evasão fiscal por corporações e o avanço em direção a um acordo global sobre as mudanças climáticas.

Os 80 indivíduos mais ricos do mundo possuem a mesma riqueza do que 50 por cento de toda a população mais pobre do planeta, cerca de 3,5 bilhões de pessoas, disse a Oxfam.

Essa resultado é ainda maior do que a concentração registrada há um ano, quando metade da riqueza do mundo estava nas mãos dos 85 mais ricos.

Os integrantes do 1 por cento mais ricos possuíam em média uma riqueza de 2,7 milhões de dólares por adulto, disse a Oxfam.

O grosso da riqueza restante do mundo encontra-se nas mãos dos 20 por cento mais ricos, enquanto os 80 por cento restantes da população compartilham 5,5 por cento do bolo, com uma riqueza média de 3.851 dólares por adulto, disse a entidade.

Para compilar sua pesquisa, a Oxfam usou dados dos anuários sobre patrimônio mundial do banco Credit Suisse referentes aos anos 2013 e 2014, assim como a lista de bilionários da revista Forbes.

FONTE: http://exame.abril.com.br/economia/noticias/1-mais-rico-vai-possuir-mais-que-o-resto-do-mundo-ate-2016