Até a última esquina

Qual o papel da agricultura e dos mercados globalizados nas doenças transmitidas por animais?

fireSe florestas e espécies desaparecem,  um complexo ecossistema é danificado. Foto: AFP

Por Haidy Damm para o Neues Deutschland

Após um longo cabo de guerra, espera-se que especialistas cheguem à China hoje, quinta-feira, que, em nome da Organização Mundial de Saúde (OMS), junto com cientistas chineses, vão pesquisar se o coronavírus pode ser rastreado até sua origem. Mesmo que o local de origem não tenha sido pesquisado de forma conclusiva, é amplamente indiscutível que COVID-19 é uma zoonose, ou seja, uma doença que resultou da transmissão entre animais e humanos. Existem alguns, incluindo raiva, gripe suína e ebola. No entanto, essas doenças raramente desencadeiam uma pandemia, como no caso da gripe espanhola em 1918 ou COVID-19, como explica o Instituto Friedrich Löffler de Saúde Animal.

No entanto, o coronavírus não será a última pandemia, disse o Secretário-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, no final de 2020 e advertiu: Todas as tentativas de melhorar a situação da saúde no mundo estão fadadas ao fracasso, desde que os humanos não tomem medidas eficazes contra as mudanças climáticas e para o bem-estar animal . “A pandemia destacou os vínculos estreitos entre a saúde humana, animal e do planeta”, disse Tedros.

O Conselho de Biodiversidade das Nações Unidas (IPBES) também assume em um relatório que há uma ameaça de novas pandemias no futuro, porque as mudanças “na maneira como usamos a terra afetam a expansão e intensificação da agricultura, bem como o comércio, produção e consumo insustentáveis natureza e levar a mais contato entre animais selvagens, animais de fazenda, patógenos e humanos”, diz Peter Daszak, zoólogo da delegação da OMS. “É assim que surgem as pandemias.” Só a mudança no uso da terra causou a ocorrência de mais de 30% das novas doenças relatadas desde 1960. A ecologista indiana Vandana Shiva afirma: “Doenças como o coronavírus podem nos ameaçar em todo o mundo ao invadir os habitats de outras espécies e espalhar monoculturas ao redor do mundo.”

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson, por outro lado, culpou a medicina tradicional chinesa pelo surto de coronavírus. “Vem de morcegos ou pangolins, da crença insana de que você ganha potência ou o que as pessoas acreditam se você moer as escamas de um pangolim“, disse Johnson no One Planet Summit na segunda-feira. “Surge dessa colisão entre a Humanidade e a natureza, e temos que impedir isso.”

Johnson poderia se basear na opinião de profissionais especializados em sanidade animal. O presidente da Associação Veterinária para o Bem-Estar Animal, Thomas Blaha, explicou em uma discussão técnica do grupo parlamentar Verde sobre pecuária e epidemias que as zoonoses surgem em culturas arcaicas onde há muito contato humano-animal. Ele defende sistemas de baias fechadas que garantam higiene e, portanto, biossegurança. Ambos ignoram o fato de que a agricultura da China se industrializou nos últimos anos – muitas vezes com a ajuda de fundos de investimento internacionais. Lá também foram construídas megabaias blindadas, inicialmente na avicultura e posteriormente na engorda de suínos. Com todas as desvantagens, como explica o biólogo americano Rob Wallace em seu estudo sobre a gripe aviária: “Eles exacerbam a virulência de patógenos e o risco de infecção.” Estábulos protegidos – como os preferidos por Blaha – são teoricamente bioseguros, mas na prática, a falta de controles é um problema não apenas na China. Outra opção é vacinar os animais.

O comércio chinês de carne de caça agora também é caracterizado por empresas profissionais e bem financiadas. Segundo as Nações Unidas, a criação de animais silvestres cresceu consideravelmente, só na China cerca de 14 milhões de funcionários geraram vendas de 77 bilhões de dólares em 2016 com a criação de “espécies animais não tradicionais“. A expansão espacial da agricultura industrial e da pecuária industrial está forçando as empresas de vida selvagem a vasculhar cada vez mais áreas florestais ou a construir seus criadouros mais profundamente na floresta, segundo Wallace. A probabilidade de encontrar novos patógenos está aumentando, enquanto a complexidade ecológica com a qual as florestas interrompem as cadeias de transmissão está diminuindo.

O Conselho de Biodiversidade da ONU declara em seu relatório: »As pandemias são causadas por microorganismos em reservatórios de animais. Mas eles se espalham por meio das atividades humanas. Como resultado, as cadeias de abastecimento globais e o turismo permitem uma rápida expansão. Por exemplo, o Conselho apela a grandes projetos de desenvolvimento e uso da terra para incluir avaliações de impacto na saúde sobre o risco de pandemia antes do início do projeto. Os governos nacionais também devem cortar subsídios para atividades que envolvam desmatamento, degradação florestal e mudanças no uso da terra. Além disso, os tomadores de decisão devem mudar fundamentalmente o consumo insustentável e as estruturas econômicas que promovem as pandemias.

Até agora tem sido assim, escreve Wallace: “Os custos da pecuária industrial e da agricultura industrializada são rotineiramente externalizados.” O Estado há muito é forçado a pagar a conta pelos custos subsequentes – poluição ambiental, problemas de água e doenças dos trabalhadores. Mesmo em face da pandemia, o Estado está pronto para assumir novamente os custos para que a agricultura industrializada possa prosseguir sem ser perturbada. O que Wallace não cita: a redistribuição desses custos pode contribuir para o empobrecimento em todo o mundo se houver menos dinheiro para a educação, sistemas sociais ou saúde como resultado.

De volta à missão na China: A busca pela origem do vírus é considerada politicamente explosiva. É questionável quais achados além do virológico podem ser esperados. Se, como observa Wallace, o agronegócio transnacional pode transformar a expansão global de terras industriais e casas de engorda em “lucros enormes”, a questão permanece: quem paga o preço?

fecho

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui!].

Estudo mostra que a degradação florestal supera o desmatamento na Amazônia brasileira

logging

  • As taxas de desmatamento na Amazônia brasileira diminuíram e permaneceram abaixo de seu pico de 2003, apesar dos aumentos recentes. No entanto, esse declínio foi compensado por uma tendência de aumento da degradação florestal, de acordo com uma análise de 23 anos de dados de satélite. Em 2014, a taxa de degradação ultrapassou o desmatamento, impulsionada pelo aumento da extração de madeira e queimadas no sub-bosque.
  • Durante o período de estudo de 1992-2014, 337.427 quilômetros quadrados sofreram perda de vegetação, em comparação com 308.311 quilômetros quadrados completamente desmatados, uma descoberta que tem sérias implicações para as emissões globais de gases de efeito estufa e perda de biodiversidade.
  • A degradação florestal tem sido associada a surtos de doenças infecciosas como resultado do aumento do contato entre humanos e vida selvagem deslocada. A degradação também pode facilitar o surgimento de novas doenças e alguns especialistas alertam que a Amazônia pode ser a fonte da próxima pandemia.
  • Essas descobertas podem ter implicações importantes para os compromissos nacionais brasileiros com o Acordo do Clima de Paris, bem como acordos e iniciativas internacionais como as Metas de Biodiversidade de Aichi e REDD +, que dependem do monitoramento da degradação florestal.

deltaEstudo recente analisou mais de 1.200 imagens de satélite para mapear a degradação florestal em toda a Amazônia brasileira. Imagem da europeanspaceagency em Visualhunt / CC BY-SA.

Por Claire Asher para Mongabay

A área total da floresta amazônica brasileira que foi degradada – por corte seletivo, queima de sub-bosque, bordas de floresta e fragmentação – é maior do que a área total desmatada, de acordo com um estudo recente publicado na revista Science .

Durante o período de estudo de 1992-2014, 337.427 quilômetros quadrados (130.000 milhas quadradas) sofreram uma perda de vegetação, em comparação com 308.311 quilômetros quadrados (119.000 milhas quadradas) que foram completamente desmatados para madeira ou pastagens, uma descoberta que tem sérias implicações para o efeito estufa global emissões de gases e perda de biodiversidade.

Eraldo Matricardi da Universidade de Brasília e David Skole da Michigan State University lideraram uma equipe internacional de pesquisadores na análise de 23 anos de dados de satélite cobrindo toda a Amazônia brasileira para mapear áreas de desmatamento e degradação. Eles analisaram os espectros de luz em cada pixel de 1.200 imagens do satélite Landsat, cada uma representando 30 metros (98 pés) quadrados de floresta, para determinar a proporção de vegetação verde e, portanto, a extensão da degradação.

“A luz refletida em qualquer pixel é a combinação de luz do solo nu, vegetação fotossintética e vegetação não fotossintética [como] os caules e galhos das árvores”, explicou Skole. Estimar a fração de vegetação verde em cada pixel permitiu à equipe visualizar a degradação florestal em grande escala. A equipe mapeou a degradação causada como uma consequência direta do desmatamento (como efeitos de borda e fragmentação), bem como degradação florestal indireta (como corte seletivo e queimadas no sub-bosque) e conversão completa da terra para madeira, pastagens, terras agrícolas ou outras atividades humanas.

Os pesquisadores usaram imagens de satélite para mapear áreas de floresta intacta, terras desmatadas e florestas degradadas em toda a Amazônia brasileira. Imagem de Jay Samek.

A análise confirmou que as taxas de desmatamento diminuíram de um pico de 29.000 km2 (11.000 milhas quadradas) por ano em 2003 para 6.000 km2 (2.300 milhas quadradas) por ano até 2014.

No entanto, esse declínio do desmatamento foi compensado por uma tendência de aumento da degradação florestal e, em 2014, a taxa de degradação ultrapassou o desmatamento – em grande parte impulsionada por um aumento na extração de madeira e queimadas no sub-bosque. Durante o período de estudo de 23 anos, por exemplo, a taxa anual de corte seletivo aumentou 270%.

Cerca de 40% da degradação florestal foi causada pela extração intensiva de madeira e queimadas no sub-bosque, enquanto 60% resultou de efeitos de borda e fragmentação florestal. No entanto, o crescimento das bordas e fragmentos diminuiu ao longo do tempo com a diminuição das taxas de desmatamento e conforme bolsões isolados de desmatamento se fundiram, reduzindo o tamanho das margens da floresta e engolindo fragmentos de floresta.

A degradação da floresta por incêndios e extração seletiva foi persistente na paisagem por longos períodos de tempo, ao invés de ser substituída por outras formas de degradação ou desmatamento completo. “A área afetada pela degradação é de 10% da área total da Amazônia e, ao contrário do senso comum, uma parte considerável dessa degradação não levou ao desmatamento total”, disse Marcos Pedlowski, da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro em Brasil, coautor do estudo.

Os dados também revelaram uma grande mudança geográfica na perturbação florestal – a extração seletiva está se movendo para o oeste, longe do “arco do desmatamento” histórico nos estados do Pará, Mato Grosso e Rondônia no leste da Amazônia. Esta mudança parece não ser “afetada por políticas, regulamentos ou mitigação e, portanto, é provável que apenas aumente em importância”, disse Skole.

Ao analisar as propriedades espectrais de cada imagem de satélite, a equipe conseguiu calcular a porcentagem de vegetação verde em cada pixel, revelando uma degradação florestal que geralmente é extremamente difícil de detectar. Imagem de Jay Samek.

Peça faltando no quebra-cabeça

Acordos e iniciativas internacionais contam não apenas com o monitoramento do desmatamento, mas também da degradação florestal. Portanto, os resultados do novo estudo podem ter grande significado para as Metas de Biodiversidade de Aichi da Convenção sobre Diversidade Biológica, para o programa de compensação de carbono da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima por Desmatamento e Degradação Florestal (REDD +) e para o Desafio de Bonn da IUCN.

“Simplesmente de um ponto de vista de monitoramento, relatório e verificação, os requisitos e compromissos de relatórios brasileiros … com relação a REDD + significariam que eles teriam que começar a levar em consideração a degradação”, disse Skole.

As descobertas também podem ter implicações importantes para a contagem das emissões globais de gases de efeito estufa e os compromissos nacionais do Brasil com o Acordo do Clima de Paris. “As florestas da Amazônia brasileira armazenam aproximadamente 25% do carbono contido acima do solo em todas as florestas tropicais do mundo, tornando seu papel no ciclo global do carbono e na regulação do clima inquestionavelmente significativo”, disse Wayne Walker, Diretor do Programa de Carbono da Woodwell Climate Research Center (anteriormente Woods Hole Research Center em Maine, EUA), que não estava envolvido no estudo.

“Esses resultados, que são amplamente consistentes com nossas próprias descobertas, fornecem mais uma confirmação de que o foco histórico no Brasil no monitoramento do desmatamento resultou em uma subestimação significativa das emissões de carbono florestal”, acrescentou Walker. Ele acredita que “proteger as florestas intactas da degradação e, ao mesmo tempo, estimular a recuperação das florestas degradadas deve ser um componente fundamental de qualquer estratégia nacional abrangente de mitigação do clima”.

Pedlowski alerta que “a situação atual provavelmente é pior do que mostramos em nosso trabalho [que só analisou a degradação florestal até 2014], principalmente pelo maior número de incêndios ocorridos em 2019 e 2020, e como mostramos o fogo é um fator significativo de degradação florestal. ”

A extração seletiva, que remove árvores específicas para obtenção de madeira sem derrubar toda a floresta, é uma forma de degradação florestal detectada. Imagem de David Skole.
Os incêndios no sub-bosque são uma forma de degradação florestal indireta, que tende a ocorrer independentemente do desmatamento. Esses incêndios podem ser provocados acidentalmente ou por queimadas rotineiras de pastagens, embora também possam ser causados ​​por grilagem de terras. Os incêndios florestais no Brasil têm aumentado em frequência e severidade nos últimos anos, associados a condições mais quentes e secas devido às mudanças climáticas. Imagem de David Skole.

Empurrando a Amazônia para mais perto de seu ponto de inflexão

A degradação da floresta, além de ser um fator-chave nas emissões de carbono, também foi associada a mudanças na ciclagem de água e nutrientes que, segundo especialistas, podem levar a Amazônia a um ponto de inflexão ecológica de floresta tropical a savana degradada .

Somando a degradação florestal mapeada neste estudo à equação, “o limite para o chamado ponto de inflexão está muito mais próximo do que a comunidade científica estimou até agora”, disse Pedlowski. “Se quisermos evitar [o ponto de inflexão], controlar a degradação florestal será tão importante quanto controlar o desmatamento.”

A degradação florestal também tem sido associada a surtos mais frequentes de doenças infecciosas , resultantes do aumento do contato entre humanos e vida selvagem deslocada. Por exemplo, um estudo do ano passado descobriu que um aumento de 10% no desmatamento na Amazônia brasileira estava relacionado a um aumento de 3,3%nos casos de malária . “Todo mundo sabe há muito tempo a influência da degradação e fragmentação florestal em coisas como a malária”, disse Skole.

Além disso, o aumento do contato entre humanos e animais selvagens pode levar ao surgimento de novas doenças infecciosas, levando alguns especialistas a alertar que a Amazônia pode ser a fonte da próxima pandemia global .

Um dossel de floresta fechada no Brasil antes da extração seletiva (imagem superior) e após a extração seletiva (imagem inferior). Imagem de Eraldo Matricardi.

Destruição negligenciada

Apesar dos impactos generalizados e potencialmente terríveis sobre o clima, a biodiversidade e a saúde pública, a degradação das florestas amazônicas tem sido historicamente negligenciada por políticos, ativistas e até cientistas, em parte porque é muito mais difícil de detectar do que o desmatamento em massa. “A degradação florestal é particularmente difícil de estimar e não se pode gerenciar o que não se pode medir”, disse Walker.

“Por muito tempo até mesmo a comunidade científica não estava realmente olhando para a degradação com força suficiente do ponto de vista quantitativo do monitoramento”, concordou Skole. A nova análise fornece uma linha de base para o monitoramento de longo prazo da degradação florestal que pode informar a política nacional brasileira e permitir o rastreamento do progresso em direção às metas internacionais de clima e biodiversidade.

No entanto, Pedlowski adverte que a atual abordagem de “mãos livres” do governo brasileiro sob o presidente Jair Bolsonaro transformou a Amazônia em um “oeste selvagem”, o que pode levar a um desmatamento e degradação muito mais severos.

Para evitar esse potencial desastre ecológico, “o primeiro passo é restabelecer as ferramentas de comando e controle que foram desmanteladas pelo governo Bolsonaro, e impedir o enfraquecimento de órgãos importantes como o IBAMA [órgão de proteção ambiental do Brasil], o ICMBio [seu administrador de parques nacionais] e o INPE [instituição para assuntos indígenas] ”, disse Pedlowski.

As agências ambientais brasileiras estão sujeitas a desinvestimentos e desregulamentação sob a direção de ex-oficiais da polícia militar recém-instalados, trazidos pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e outros. “Sem essas agências funcionando corretamente … não há como conter o avanço do desmatamento e da degradação da Amazônia brasileira”, acrescentou.

Pedlowski diz que conservar a Amazônia exigirá uma mudança na mentalidade do Brasil, longe da visão de que proteger e restaurar florestas é um entrave ao progresso econômico, quando na verdade o oposto é verdadeiro. “Quando queimamos um único metro de floresta amazônica, desperdiçamos uma quantidade incrível de riquezas”, alertou.

Citação:

Matricardi, EAT, Skole, DL, Costa, OB, Pedlowski, MA, Samek, JH, & Miguel, EP (2020). A degradação florestal de longo prazo supera o desmatamento na Amazônia brasileira . Science ,  369 (6509), 1378-1382.

Imagem do banner : Florestas desmatadas por exploração madeireira são claramente visíveis em imagens de satélite, mas a perda de vegetação nas bordas da floresta e abaixo do dossel pode se estender por centenas de metros, ou até mais longe, na floresta circundante. Imagem de  quapan  em  Visual Hunt  /  CC BY.

fecho

Este artigo foi inicialmente escrito em inglês e publicado pela Mongabay [Aqui!].

Science mostra que há mais degradação florestal do que desmatamento na Amazônia brasileira entre 1992 e 2014

carne 3

O artigo intitulado “Long-term forest degradation surpasses deforestation in the Brazilian Amazon” que foi publicado hoje na revista Science, e que tem como primeiro autor o professor Eraldo Matricardi do Departamento de Engenharia Florestal da UNB, demonstra que o processo de degradação florestal na Amazônia brasileira afetou uma área maior do que o desmatamento no período de 1992 a 2014.

matricardi et el 2020

O artigo mostra que a área da Amazônia brasileira afetada pela degradação florestal – onde a biomassa da floresta é perdida, mas não completamente convertida para outro uso – é maior do que a área afetada pelo desmatamento. De acordo com os resultados do estudo publicado hoje pela Science, entre 1992 e 2014, a área total de floresta degradada foi de 337.427 quilômetros quadrados, ante 308.311 quilômetros quadrados que foram  desmatados.

Estes resultados têm implicações para as emissões globais de gases de efeito estufa e perda de espécies, entre outros fatores. A degradação florestal é mais difícil de medir e monitorar do que o desmatamento, embora várias iniciativas ambientais internacionais, como a Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, apontem a restauração de florestas degradadas como um foco principal.

Atividades que causam degradação florestal, tais como queimadas, extração seletiva de madeira e fragmentação florestal podem ser difíceis de detectar sob um dossel florestal existente. A análise das imagens de satélite feitas pela equipe liderada por Eraldo Matricardi mostram casos onde a degradação persistiu e voltou a ocorrer ao longo do período de 25 anos. Esse é um resultado “bom e ruim”, pois apesar da floresta não ter sido completamente nesses locais, houve uma inevitável perda dos serviços ambientais (ver abaixo a progressão temporal dos diferentes tipos de degradação florestal na Amazônia brasileira ao longo do período estudado).

degradação

Durante o período coberto pelo estudo, as políticas brasileiras contribuíram para a redução do desmatamento, processo que se caracteriza pela conversão das florestas é para um uso inteiramente novo,  tais como pastagem, observaram os pesquisadores. Mas, de 2006 a 2010, a taxa média anual de degradação florestal por extração e queima era quase igual às taxas de desmatamento, e em 2014 as taxas de degradação haviam excedido as taxas de desmatamento.

Uma consequência deste estudo será a necessidade de ser fazer uma mudança na narrativa na situação da cobertura florestal amazônica, especialmente no ponto em que se diz que ainda existem 80% de florestas intocadas na Amazônia brasileira. É que usando formas conservadoras de estimativas, este estudo chegou a um cálculo de que algo em torno de 10% da área da Amazônia brasileira possui a presença de alterações significativas causadas por diferentes formas de degradação florestal.

Quem desejar  acessar este artigo no site da Science, basta clicar [Aqui!].

Degradação florestal na Amazônia está saindo das sombras para assombrar o latifúndio agro-exportador

degradation 1
Ondas de fumaça da floresta amazônica. Foto: Dado Galdieri / AP

Em menos de uma semana um veículo de mídia, agora o site UOL, resolveu jogar luz sobre o avanço e impacto das diferentes formas de degradação da floresta amazônico, mostrando ainda uma progressão exponencial deste processo em relação ao desmatamento apenas no último mês de janeiro.

A verdade é que a “grande mentira verde” como caracterizou a matéria publicada pela BBC News Brasil sobre a ênfase no desmatamento como elemento de empobrecimento da biodiversidade e dos serviços ambientais associados aos biomas amazônicas tem sido algo conveniente para governos de diferentes matizes desde que o governo militar resolveu incorporar a Amazônia ao circuito dependente em que a economia brasileira está historicamente inserida.

Por isso, tem sido dada ênfase aos 20% da Amazônia brasileira que foram desmatados. É que, por contraponto, haveriam ainda 80% preservados, o que serviria com uma espécie de calmante de consciências de corporações e dos governos que sempre facilitam o saque da biodiversidade que esse bioma contém.  Assim, enquanto o saque seguia em frente, todos podiam oferecer a falsa ideia de que a maioria da floresta amazônica seguia intacta.

degradation 2Exemplos de processos de degradação  e mudanças ocorridas ao longo do tempo na cobertura florestal.

Agora, é importante enfatizar a discrepância notada pelos pesquisadores do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) para os dois fenômenos (i.e., desmatamento e degradação) que estão atuando para criar fortes distúrbios na paisagem amazônica. Segundo dados levantados pelo Imazon, em janeiro de 2020, enquanto o desmatamento cresceu “meros” 74%, a degradação cresceu vertiginosos 1382%.  

Mas mais importante do que o número estratosférico é saber os fatores causais deste crescimento. Em 2010, participei da publicação de um artigo na respeitada “Remote Sensing” onde eu e meus colegas apresentamos os dados relativos aos impactos causados por exploração de madeira e queimadas no estado do Mato Grosso. Ali ficou demonstrado que, ao contrário do que dizia a maior parte da literatura científica, o processo de degradação florestal não apenas é significativo, como nem sempre é captado por métodos automáticos, como é o caso da maioria dos estudos.

Dez anos depois da publicação daquele estudo, e em meio à vigência de um completo estado de “laissez faire” aplicado pelo governo Bolsonaro nas distintas formas de exploração de recursos florestais e não florestais na Amazônia, não deveria surpreender a ninguém que o montante de floresta degradada supere ao que já foi desmatado.

O principal problema disso é que os representantes do governo Bolsonaro, a começar pelo ministro (ou seria anti-ministro) do Meio Ambiente, o improbo Ricardo Salles, passem a ter ainda maior dificuldade para justificar o processo de desmanche da governança ambiental brasileiro e o desmantelamento das nossas estruturas de comando e controle que, precariamente, mantinham em níveis “toleráveis” os dois processos (desmatamento e degradação florestal) que agora surgem com números cada vez mais impressionantes.

A consequência do aumento da consciência de que os biomas amazônicas estão mais fragilizados do que se fazia pensar até a pouco vai certamente aumentar a pressão por embargos contra as commodities brasileiras saídas de áreas desmatadas ou degradadas sob os olhares cúmplices do presidente Bolsonaro e seu governo de céticos das mudanças climáticas.

Em tempo: apesar dos estudos sobre degradação florestal existirem em menor quantidade do que aqueles que medem desmatamento puro e simples, isso não quer dizer que neste momento não existam diferentes grupos de pesquisadores (dentro e fora do Brasil) medindo esses dois fenômenos de forma separada para toda a Amazônia brasileira.  Assim, cedo ou tarde (e talvez mais cedo do que tarde) comecemos a ter acesso a artigos científicos mostrando os números. Quando isso acontecer, o certo é que a chama por debaixo da frigideira onde dançam os latifundiários agro-exportadores que vendem soja e carne produzidas na Amazônia vai aumentar, e muito. A ver!