A Terra está ficando sem solos, conclui estudo da ONU

De acordo com um relatório recente da ONU, 40% da área de terra foi danificada

solos secosCampo seco na Somália: Consequência da terceira seca severa em uma década. Foto: dpa/XinHua

Por Christoph Müller para o Neues Deutschland

A menor das três convenções do Rio apresentou seu relatório de status nesta quarta-feira. Estamos falando da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação (UNCCD), que, como a Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas e a Convenção das Nações Unidas para a Proteção das Espécies, foi estabelecida em 1992 na Cúpula da Terra no Rio de Janeiro. A UNCCD foi assinada em Paris em 1994. O principal objetivo é combater a desertificação e mitigar os efeitos da seca nos países severamente afetados pela seca e/ou desertificação , particularmente em África , através de medidas eficazes a todos os níveis, de forma a contribuir para alcançar o desenvolvimento sustentável nas áreas afetadas. .

À semelhança das outras duas convenções, a UNCCD está em má situação na sua área temática. O novo relatório, intitulado “Global Land Outlook”, mostra que 70% da área terrestre da Terra já foi modificada por humanos e 40% da área terrestre foi degradada e, portanto, não é tão fértil quanto era originalmente. Metade da humanidade é agora afetada por este problema.

O principal culpado pelo mau estado do solo é a agricultura, diz o chefe da UNCCD, Ibrahim Thiaw. “Precisamos urgentemente repensar nossos sistemas alimentares globais, que são responsáveis ​​por 80% do desmatamento e 70% do consumo de água doce e são a maior causa de perda de biodiversidade em terra”. Se isso acontecesse, disse Thiaw, outros 12% do solo do mundo seriam degradados até 2050, uma área do tamanho da América do Sul. Além disso, até então outros 253 bilhões de toneladas de CO2 seriam emitidos pela perda de carbono do solo, desmatamento e drenagem de áreas úmidas. Isso corresponde às emissões atuais do mundo em cinco anos e meio.

O relatório descreve duas alternativas para esse cenário: Na primeira, a qualidade do solo é especificamente melhorada em uma área de 50 milhões de quilômetros quadrados. Isso corresponde a um bom terço da área terrestre do nosso planeta e é cinco vezes a área que os países querem reparar de acordo com seus planos anteriores. Isso é possível sem arar, árvores nos campos e pastagens, melhor gestão das pastagens e medidas para prevenir a erosão do solo. Isso melhoraria a fertilidade do solo em cinco a dez por cento na maioria dos países em desenvolvimento. Além disso, o solo e seu uso se tornariam um sumidouro líquido de CO2. Apesar de uma nova diminuição na cobertura florestal, mais 62 bilhões de toneladas de carbono são armazenadas no solo e na vegetação. No entanto, devido à expansão das terras agrícolas e das cidades, a biodiversidade ainda diminuiria.

Na segunda alternativa, mais quatro milhões de quilômetros quadrados são colocados sob proteção – áreas com biodiversidade particularmente alta e áreas de especial importância para a regulação da água ou outros “serviços ecossistêmicos”. No entanto, essa expansão das áreas protegidas na área da Índia e do Paquistão seria à custa da produção de alimentos. Nas terras agrícolas restantes, os rendimentos teriam, portanto, de ser aumentados em nove por cento, e os alimentos provavelmente se tornariam mais caros. Para o clima, por outro lado, seria uma grande vantagem, pois permitiria ligar o equivalente a 304 bilhões de toneladas de carbono adicional. Isso corresponde às emissões globais atuais de quase sete anos. No entanto, a biodiversidade ainda diminuiria, embora em um terço a menos do que com “mantenha-o”.

No entanto, as duas alternativas não são baratas. A restauração de apenas dez milhões de quilômetros quadrados custa cerca de 160 bilhões de dólares por ano. Uma estimativa para os custos de um aumento de cinco vezes nesta área não está disponível. Ainda assim, seria um dinheiro bem gasto: os autores estimam que, para cada dólar investido, haverá um benefício entre US$ 7 e US$ 30. Thiaw disse: “Investir na restauração de terras em grande escala é uma solução vantajosa para todos. É uma vitória para o meio ambiente, para o clima, para a economia e para a subsistência das comunidades locais.”


compass black

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

Pesquisa aponta alto risco de desertificação na Bahia

Identificação de áreas vulneráveis em polos de produção agrícola serve de alerta para agricultores e representantes do poder público

Camila da Silva Dourado, autora da pesquisa: polos agrícolas como áreas de alto risco | Foto: Antoninho Perri

Pesquisa desenvolvida na Unicamp revela que o Estado da Bahia vem apresentando aumento no índice de aridez e diminuição de chuvas. Os estudos indicam que a tendência é que a situação se agrave nos próximos 30 anos, provocando um aumento das áreas com risco de desertificação na região. As conclusões são da tese de doutorado “Áreas de risco de desertificação: cenários atuais e futuros, frente às mudanças climáticas”, defendida por Camila da Silva Dourado na Faculdade de Engenharia Agrícola (Feagri) da Unicamp.

A desertificação é a degradação de terras nas zonas áridas, semiáridas e subúmidas a secas, como resultado das variações climáticas e ações antrópicas, ou seja, as alterações causadas pelo ser humano no ambiente. Este fenômeno transforma terras férteis e agricultáveis em terras improdutivas, causa impactos ambientais como a destruição da biodiversidade, diminuição da disponibilidade de recursos hídricos e provoca a perda física e química dos solos. Neste caso, a pesquisa aponta que as mesorregiões que mais expandiram as áreas com risco de aridez são os maiores polos agrícolas baianos. “Ainda é necessária uma análise mais aprofundada sobre a desertificação nessas áreas, mas os dados mostram que esses polos agrícolas observados passaram a ser considerados como áreas de alto risco”, explica Camila.

O trabalho foi realizado sob orientação de Stanley Robson de Medeiros Oliveira, pesquisador da Embrapa Informática Agropecuária e coorientação de Ana Maria Heuminski de Avila, pesquisadora do Cepagri (Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura). Os autores alertam para a necessidade de se adotar medidas preventivas agora para que as previsões não se consolidem.

Foto: Perri
Camila da Silva Dourado, autora da pesquisa: “Os cenários de aumento de áreas de risco para agricultura por causa da desertificação ameaçam diversos setores econômicos e sociais da região, principalmente o agropecuário”

No cenário da produção agrícola nacional, a Bahia ocupa destaque no Nordeste brasileiro como grande produtora de grãos, além de ser responsável por 12,2% do valor da produção de frutas, ocupando o segundo lugar no ranking nacional. A cultura do algodão no estado representa 25,4% da produção nacional, ficando atrás apenas de Mato Grosso com 64,1% da produção, de acordo com dados da safra de 2016 divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Os dois principais polos agrícolas baianos estão no oeste, em cidades como Luís Eduardo Magalhães e Barreiras, por exemplo, onde é forte a produção de algodão e grãos, principalmente a soja. Outro polo está no norte do Estado, maior produtor de frutas da Bahia, sendo destaques as cidades entre Juazeiro (BA) e Petrolina, em Pernambuco.

“Os cenários de aumento de áreas de risco para agricultura por causa da desertificação ameaçam diversos setores econômicos e sociais da região, principalmente o agropecuário”, explica Camila. Por isso, uma das alternativas recomendáveis é o desenvolvimento de ferramentas e sistemas inteligentes capazes de capturar, organizar e quantificar dados e informações, que auxiliem o planejamento da produção agrícola e o processo de tomada de decisão, com o objetivo de diminuir os impactos ambientais.

Reprodução

De acordo com os resultados obtidos por meio da análise de dados climáticos (chuva, temperatura e evapotranspiração), dados edáficos, declividade do terreno, fragilidade do solo à erosão e de vegetação (extraídos de imagens de satélite), entre os anos de 2000 e 2014, o território baiano já apresentou uma queda do nível de precipitações (chuvas), diminuição de áreas de cobertura vegetal nativa, e um aumento no índice de aridez e das áreas com risco de desertificação.

Para o futuro, ou seja, entre os anos de 2021 a 2050, a previsão é que o Estado enfrente um aumento de temperatura de aproximadamente 1 °C e diminuição das precipitações, em relação ao clima atual. As previsões também apontam um aumento nas áreas consideradas áridas e uma expansão de terras com risco “alto” e “muito alto” de desertificação. “Essa pesquisa exibe o cenário futuro; então, se quisermos minimizar esses riscos, temos que tomar decisões e atitudes agora ou será muito tarde para fazer as correções. Não podemos esperar até 2050”, alerta Stanley Oliveira.

Segundo o orientador da pesquisa, as técnicas de mineração de dados associadas às técnicas de sensoriamento remoto em imagens orbitais, tratam do desafio de captar padrões e processos, e proporcionam um diagnóstico espaçotemporal da mudança na paisagem, permitindo também monitorar e diagnosticar o grau de degradação de terras. Essas técnicas facilitam a análise e a manipulação de dados em grandes áreas, com menos custo que os métodos convencionais, permitindo uma avaliação das alterações ocorridas no meio ambiente, no passado, presente e com simulações do futuro.

“A depender da prática agrícola que é adotada hoje, terras produtivas serão transformadas em improdutivas. Não adianta utilizar práticas inadequadas que não visem à sustentabilidade daquele solo e dos recursos naturais. É preciso alertar o grande e pequeno produtor sobre formas de produção que amenizem essa situação; é uma questão de sensibilização. São necessárias políticas públicas também para que haja incentivo às novas formas de produção e de utilização da terra e dos recursos naturais”, ressalta Camila.

Reprodução

O desafio de alimentar uma população em crescimento

Os resultados que a pesquisa aponta são importantes para a busca de soluções ao principal desafio da agricultura mundial: cumprir a meta de alimentar nove bilhões de pessoas até 2050, de acordo com previsão da FAO, a Organização das Nações Unidas (ONU) para a Alimentação e a Agricultura. Estudos da agência indicam que, para alimentar uma população extra projetada em mais 2,3 bilhões de pessoas, o mundo precisará produzir 70% a mais de alimentos. Entretanto, a expansão das terras agricultáveis terá de se dar em cerca de 120 milhões de hectares nos próximos 40 anos em países em desenvolvimento, principalmente na América Latina e na África Subsaariana.

Regiões áridas e terras desertificadas dificultam e impedem a produtividade de alimentos. Terras antes agricultáveis se tornam improdutivas em razão dos processos de semiaridez, aridez e desertificação. Estima-se que boa parte das terras inseridas em áreas de clima propícios à desertificação tenha seu processo de improdutibilidade acelerado. Por isso, os resultados são importantes para orientar o trabalho de gestores e apoiar a formulação de políticas públicas focadas na região.

Foto: Perri
O pesquisador Stanley Robson de Medeiros Oliveira, orientador da tese: “Se quisermos minimizar esses riscos, temos que tomar decisões e atitudes agora ou será muito tarde para fazer as correções”

Historicamente a região norte do território baiano integra o polígono da seca, uma área de mais de 1 milhão de km² entre os Estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe, que enfrenta crises repetidas de estiagem. Dessa forma, a manutenção da fruticultura no norte é feita através de sistemas de irrigação. Porém, outro problema apontado pela pesquisa é que regiões antes consideradas com risco baixo de desertificação passam ao moderado e alto, como é o caso da região oeste. Essa situação mudaria todo o cenário de produção agrícola do estado.

Nos últimos anos os pesquisadores também vêm se preocupando com a influência das mudanças climáticas no avanço do processo de desertificação. “Com o aumento de temperatura estimado em 1 ºC e a diminuição na precipitação, há a ocorrência de um outro indicador que utilizamos, a evapotranspiração, que é subsídio para um outro indicador, o índice de aridez. Juntando essas variáveis, e com as novas projeções do modelo de mudanças climáticas, confirma-se que há uma expansão muito grande das áreas de desertificação”, esclarece Camila.

Reprodução

“Se considerarmos os resultados, esse é um cenário muito drástico e assustador, mas o objetivo dessa pesquisa não é assustar e sim informar. É hora de criar políticas públicas para que as pessoas que vivem da terra consigam ter melhor qualidade de vida, possam permanecer e alimentar suas famílias, porque o grande risco é que elas migrem para outras regiões e se tornem marginalizadas. As pessoas precisam continuar produzindo alimento para subsistência e comércio”, afirma a coorientadora da pesquisa, Ana Avila.

Metodologia

Para avaliar as áreas com potencial de risco de desertificação no estado da Bahia, foram utilizados sete indicadores biofísicos de desertificação: índice de vegetação de diferença normalizada e índice de vegetação realçado (NDVI e EVI, respectivamente, na sigla em inglês) ambos gerados pelo sensor Modis; índice de aridez; dados de solo; precipitação; temperatura e evapotranspiração. No caso dos mapas climáticos foi aplicado o método geoestatístico Krigagem Bayesiana Empírica. Também foram elaborados mapas de modelo de elevação digitação, declividade e classificação do solo, com o intuito de gerar um mapa de fragilidade do solo, usado como indicador, com as características edáficas da região.

Foto: Perri
A pesquisadora Ana Maria Heuminski de Avila: “É hora de criar políticas públicas para que as pessoas que vivem da terra consigam ter melhor qualidade de vida, possam permanecer e alimentar suas famílias”

A partir do empilhamento das imagens dos sete indicadores de desertificação foi aplicada a tarefa classificação, por meio do algoritmo Máquinas de Vetores Suporte (SVM, sigla em inglês) na imagem produto, definindo quatro níveis de risco de desertificação: muito alto, alto, moderado e baixo. A pesquisa usou imagens de alta resolução espacial do satélite RapidEye para validação da classificação fornecidas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). As simulações dos impactos das mudanças climáticas para o cenário futuro, 2021 até 2050, utilizaram modelos climáticos Eta-MIROC5, que preveem diminuição da precipitação, aumento de temperatura e deslocamento das áreas com maiores taxas de evapotranspiração potencial.

Foram estudados dois cenários de períodos temporais distintos: o de clima presente, abrangendo os anos de 2000 a 2014, e o cenário de clima futuro, para o período de 2021 a 2050. Os resultados mostraram que em 2014 houve uma diminuição na precipitação e nas áreas de cobertura vegetal em relação ao ano 2000, além de um aumento no índice de aridez e nas áreas de risco de desertificação. No cenário futuro, houve um aumento de temperatura de aproximadamente 1 °C e diminuição da precipitação em relação ao clima presente. O índice de aridez aponta um aumento nas áreas áridas para o clima futuro, e uma expansão nas áreas de risco de desertificação, principalmente nas áreas de risco muito alto e alto.

“Essa metodologia é inédita e rica por usar técnicas de sensoriamento remoto e de mineração de dados, incluindo um algoritmo inteligente (SVM – Support Vector Machine), que aprende interativamente com uma massa de dados, descobre e apresenta os padrões encontrados. Isso pode ser aplicado em outras regiões do Brasil, principalmente aquelas mais carentes; a contribuição não se restringe só ao estado da Bahia”, enfatiza Oliveira.

FONTE: http://www.unicamp.br/unicamp/ju/noticias/2018/02/19/pesquisa-aponta-alto-risco-de-desertificacao-na-bahia