Storebrand pressiona Archer Daniels e Bunge para que atuem para diminuir o risco de desmatamento no Brasil

pasto floresta

Um gestor de ativos nórdico de US$ 120 bilhões criticou dois grandes comerciantes agrícolas dos EUA por agirem muito devagar para remover o risco de desmatamento de suas cadeias de suprimentos, à medida que os investidores reprimem cada vez mais a destruição da floresta. meio ambiente no Brasil.

A Storebrand colocou a Archer Daniels Midland, com sede em Illinois, e a Bunge, com sede em Missouri, em sua “lista de observação”, o que poderia levar a um desinvestimento.

“Do nosso ponto de vista, o progresso é muito lento e também achamos que as ambições são muito baixas”, disse Jan Erik Saugestad, diretor administrativo da Storebrand. As discussões entre a Storebrand e as empresas já duram vários anos e ele disse que a gestora de ativos pretende “levar o diálogo para o próximo nível”.

Na recente cúpula climática das Nações Unidas em Glasgow, mais de 100 líderes nacionais se comprometeram a interromper o desmatamento até 2030, e 30 instituições financeiras, incluindo a Storebrand, comprometeram-se a eliminar a prática prejudicial de seus portfólios. até 2025. No entanto, signatários, incluindo Brasil, Rússia e Indonésia, não indicaram como será implementado ou monitorado, e os ativistas ambientais permanecem céticos.

ADM e Bunge estão entre os maiores comerciantes do mundo que transportam soja brasileira para todo o mundo. O aumento da produção dessa commodity, amplamente utilizada na alimentação do gado, tem sido uma das principais causas do desmatamento da floresta amazônica e da destruição do cerrado.

A escala de produção de soja em áreas desmatadas e os padrões variados para o que é considerado uma atividade aceitável dificultam para as empresas lidar com sua presença nas cadeias de suprimentos.

A Bunge e a ADM apertaram suas políticas de desmatamento no ano passado em resposta a pedidos de acionistas. A Storebrand, juntamente com a gestora de fundos americana Green Century, apresentou uma proposta na reunião anual da Bunge pedindo que ela endurecesse suas políticas, que foi apoiada por 98% dos acionistas. A Bunge disse que está comprometida em não ter soja de terras desmatadas ilegalmente.

Mas a Storebrand quer que as  empresas vão mais longe. “Gostaríamos de ver mais rastreabilidade e transparência no rastreamento de sua cadeia de suprimentos por meio de seus produtos”, disse Saugestad.

O grupo, que tem participação de 0,2% na Bunge e 0,07% na ADM, também quer que eles se comprometam a não adquirir terras desmatadas após 1º de janeiro de 2020, seja legalmente. ou ilegalmente.

A ADM disse que ficou surpresa com a decisão e “esperava nosso envolvimento com a Storebrand”, acrescentando que suas cadeias de fornecimento diretas e indiretas de soja na América do Sul seriam 100% rastreáveis ​​até o final do ano. . Ele também prometeu não desmatar até 2030.

A Bunge reiterou seu compromisso de tornar suas cadeias produtivas diretas e indiretas livres de desmatamento até 2025 e disse que os agricultores, que abrem mão do direito de produzir na terra que possuem, devem ser indenizados.

Embora os investidores estejam intensificando os esforços para acabar com o desmatamento, poucos ainda agiram diante das ameaças de desinvestimento. A Nordea retirou a JBS, maior processadora de carnes do mundo, de seu portfólio em 2020, enquanto o Norges Bank, que administra o fundo de pensão estatal da Noruega, colocou o condicionador de carnes Marfrig em sua lista de observação.

A Storebrand já tem várias empresas de óleo de palma em sua lista de exclusão, incluindo a Cargill, a maior trader agrícola do mundo, que comercializa a commodity.

A legislação proposta na Europa e no Reino Unido para remover produtos ligados ao desmatamento das cadeias de suprimentos também provavelmente aumentará a pressão sobre os comerciantes que atuam como intermediários. O Brasil chamou o plano da UE de “protecionismo comercial”.

No final do ano passado, a França destacou o papel da Bunge e da Cargill como os principais importadores de soja brasileira de áreas com risco de desmatamento.

A destruição da Amazônia brasileira aumentou sob o presidente Jair Bolsonaro, a quem ambientalistas do governo acusam de não reprimir atividades como mineração de ouro selvagem e extração ilegal de madeira. Mais de 13.200 km2 de floresta tropical foram arrasados ​​nos 12 meses entre agosto de 2020 e julho passado, a maior taxa de desmatamento desde 2006, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

color compass

Este texto foi escrito inicialmente em inglês e publicado no site “Webringnet” [Aqui!].

Como a pecuária está destruindo a Amazônia? Uma reportagem especial da Bloomberg Green mostra

desmatamento amazonia

Por Jessica Brice, com análise de dados e gráficos de Andre Tartar e Mira Rojanasakul,  Fotografia e vídeo de Jonne Roriz

Este artigo foi produzido com o apoio da Rainforest Investigations Network do Pulitzer Center

São Félix do Xingu é um Velho Oeste moderno invadido da selva amazônica brasileira por pessoas com pouco a perder. O gado supera as pessoas em quase 20 para 1 e, depois do anoitecer, as estradas de terra cheias de crateras se enchem de grandes plataformas que transportam os troncos gigantescos de árvores roubadas. É um lugar que os forasteiros não têm muitos motivos para visitar, onde os motociclistas não usam capacete porque as pessoas querem saber quem está indo e vindo. Quase todo mundo conhece todo mundo, especialmente Stanisley Ferreira Sandes.

Quatro meses por ano, Ferreira Sandes, 47, cruza os quase 85.000 quilômetros quadrados de São Félix em um Chevrolet quatro por quatro com um chapéu de cowboy no painel e um revólver sob o banco. Ele está em busca de 5.000 cabeças de gado para alimentar um oleoduto que bombeia carne bovina através de matadouros de propriedade da gigante brasileira de frigoríficos JBS SA e outros, depois para mercados de Miami a Hong Kong. Quanto mais rápido ele atingir sua marca, mais cedo ele vai para casa. Mas a concorrência é acirrada, o andamento lento. Ele visita três fazendas por dia – quatro, se ele se apressar – pegando 23 vacas aqui, 68 ali. Para compradores como Ferreira Sandes, não há lugar melhor do que São Félix do Xingu. Com 2,4 milhões de cabeças, abriga o maior rebanho do Brasil. “Se o que você procura é gado”, diz ele, “você não precisa ir a nenhum outro lugar”.

Mas o município que é tão grande quanto a Irlanda também reivindica um título mais notório. É a capital mundial do desmatamento. Entender como a indústria de carne bovina do Brasil e a destruição da floresta tropical estão inextricavelmente interligadas revela uma verdade que a JBS não reconhece: como o maior produtor de carne bovina da região, sua cadeia de suprimentos também está entre os maiores impulsionadores do desmatamento da Amazônia que o mundo já conheceu. Embora se venda como amiga do meio ambiente, a JBS abocanhou mais gado vindo da Amazônia do que qualquer outro frigorífico em um setor que é o principal culpado pelo fim da floresta tropical. Isso ajudou a levar a maior floresta tropical do mundo a um ponto de inflexão em que não é mais capaz de limpar o ar da Terra, porque grandes áreas agora emitem mais carbono do que absorvem. No final do ano passado,  na cúpula climática da COP26  em Glasgow, governos e instituições financeiras – incluindo investidores da JBS – assumiram ambiciosos compromissos verdes para alterar drasticamente seus modelos de negócios para salvar o meio ambiente. Com o desmatamento da Amazônia em alta em 15 anos, a JBS é um estudo de caso que ilustra o quão difícil é cumprir tais promessas.

Há mais de uma década, a JBS se compromete a livrar sua cadeia de suprimentos de animais nascidos ou criados em terras desmatadas. A Bloomberg analisou cerca de 1 milhão de registros de entrega que a JBS postou acidentalmente online para mostrar até que ponto sua pegada chegou à Amazônia nesse período. Uma viagem de 10 dias ao coração do país pecuário do Brasil mostrou com toda a facilidade e abertura as vacas das cadeias de abastecimento de terras desmatadas ilegalmente. A JBS diz que estabelece os mais altos padrões para seus fornecedores, mas está usando uma versão greenwashed da origem de um animal e trabalhando dentro de um sistema legal tão cheio de brechas que promotores, ambientalistas e até mesmo fazendeiros consideram isso uma farsa.

Solicitada a responder a este artigo, a JBS disse que “não tolera desmatamento ilegal”. A empresa sediada em São Paulo acrescentou que “mantém, há mais de 10 anos, um sistema de monitoramento geoespacial que utiliza imagens de satélite para monitorar seus fornecedores em todos os biomas” no Brasil.

Em um acordo de 2009 com promotores federais, a JBS e outros frigoríficos concordaram em não comprar animais de terras recém-desmatadas. Embora a JBS tenha intensificado seu monitoramento, também expandiu agressivamente na Amazônia e ainda não sabe de onde vem seu gado.

Para determinar o tamanho da pegada da JBS, a Bloomberg analisou as coordenadas de cerca de 1 milhão de embarques de gado. Desde então, a JBS restringiu a maioria dos dados, que abrangem cerca de 18 milhões de vacas enviadas para abatedouros nos estados de Rondônia, Pará, Acre, Mato Grosso e Tocantins entre 2009 e 2021. A Bloomberg comparou os dados com mais de 50.000 registros de terras e cerca de 520.000 alertas de desmatamento.

A base de fornecedores diretos da JBS na Amazônia dobrou para 16.900 em 2020, de cerca de 7.700 em 2009. Cumulativamente, ela comprou gado de cerca de 60.500 pecuaristas no período.

O número de abatedouros da JBS operando na Amazônia subiu para 21 agora, de 10 em 2009. A JBS diz que “não criou novos abatedouros”, em vez disso expandindo por meio de aquisições e trazendo padrões mais altos.

Os fornecedores da JBS estão entrincheirados em uma parte da Amazônia que foi fortemente arrasada para acomodar um rebanho crescente . Alertas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil, conhecido como INPE, mostram 8,2 milhões de hectares de corte raso desde 2009.

Os moradores de São Félix do Xingu marcam a passagem do tempo da mesma forma que os moradores da cidade – por tudo que mudou. Mas, em vez de falar sobre o que subiu – um prédio alto ou um shopping center – é o que foi derrubado. Algumas décadas atrás, era tudo floresta tropical; agora, a maior parte do que você vê dirigindo é pastagem. Quase nenhum gado pastava na terra; hoje, mais de um milhão de hectares de mata de São Félix foram substituídos pelos animais. Naquela época, o mundo não sabia da ligação catastrófica entre carne bovina e desmatamento. E então um promotor novato relutante chamado Daniel Azeredo desembarcou no estado do Pará, onde fica São Félix.

Vista aérea de um trecho de floresta seca e desmatada, escassamente pontilhada por algumas árvores.Terreno desmatado na estrada para São Félix do Xingu

O cargo estava longe de ser a primeira escolha de Azeredo, mas nenhum de seus colegas mais antigos do Ministério Público Federal queria. Em uma nação devastada pela violência e corrupção, o estado do Pará é particularmente sem lei. “Coloque desta forma”, diz o advogado de 40 anos, “quando cheguei em 2007, havia cerca de 30.000 a 40.000 incêndios individuais queimando em toda a Amazônia a cada ano, e os reguladores e a polícia não tinham ideia de quem era o responsável. ”

Assim que sujou as botas, viu que aquilo era obra da pecuária. Mais de 70% das terras desmatadas na Amazônia se transformam em pastagens, o primeiro passo de uma cadeia produtiva que está entre as mais complexas do mundo.

Em uma extremidade da cadeia de fornecimento de carne bovina brasileira estão 2,5 milhões de pecuaristas, muitos em cantos distantes da Amazônia, sem escritórios governamentais, escolas ou mesmo telefones. Do outro estão compradores corporativos em 80 países, incluindo redes de fast-food, supermercados e fabricantes de sapatos e bolsas de couro. “No meio, estão os matadouros”, diz Azeredo. “Então eu pensei: ‘Bem, é isso. É disso que temos que ir atrás.’”

Em junho de 2009, ele fez. Uma investigação de dois anos culminou com promotores federais sinalizando matadouros comprando gado de terras desmatadas ilegalmente. O Greenpeace pegou o trabalho de Azeredo e publicou um relatório histórico que mudou a compreensão do mundo sobre o desmatamento. O grupo ativista criticou marcas globais por comprarem carne bovina e couro de um trio dos piores criminosos da Amazônia: JBS, Marfrig Global Foods SA e Bertin. Clientes corporativos ameaçaram boicotar se não limpassem suas cadeias de suprimentos, e a equipe de Azeredo elaborou um acordo e um cronograma para fazê-lo.

Sem nenhuma lei nos livros do Brasil que proíba especificamente a compra de bens de terras desmatadas, o acordo com os promotores estabelece as únicas diretrizes que os frigoríficos seguem na Amazônia – mas são voluntárias e, pela própria conta de Azeredo, muito fracas. A crescente pressão de investidores e clientes levou os grandes exportadores a assinarem o contrato, mas vários outros simplesmente recusaram e compraram abertamente seus animais de onde quisessem.

A JBS foi uma das primeiras a assinar, em julho de 2009. Mas também se expandiu agressivamente na Amazônia nos anos seguintes. Ela comprou rivais, incluindo a Bertin, para se tornar a maior produtora de couro do mundo, e atraiu o escrutínio de promotores e ambientalistas.

A empresa se sentiu injustamente apontada. Quatro executivos seniores da gigante da carne bovina disseram em entrevistas no ano passado, concedidas sob condição de anonimato, que o gado lavado e arrastado entre terras desmatadas e fazendas “limpas” é um problema de todo o setor. Dado que muitos frigoríficos não assinaram o acordo dos promotores, os padrões da JBS são muito mais altos do que muitos, dizem eles. A JBS diz que verifica dezenas de milhares de fazendas diariamente e bloqueou mais de 14.000 fazendas fornecedoras por não cumprirem suas políticas.

“Fazemos isso há mais de 10 anos”, disse Wesley Batista Filho, chefe de operações de carne bovina na América do Sul, em entrevista coletiva por vídeo no final de 2020 sobre o monitoramento da empresa. “Cem por cento dos nossos fornecedores do bioma cumprem esses critérios, ou seja, desmatamento zero”, disse Batista, 30 anos, neto do fundador.

A JBS fez tais declarações repetidamente, mas elas vêm com uma ressalva. A cadeia de suprimentos é dividida em dois grupos: fornecedores diretos e indiretos, e a JBS verifica apenas a legalidade dos primeiros, sem saber quase nada sobre os segundos, violando seus acordos. É como dizer que o dinheiro lavado está limpo porque o banco que fiscaliza a conta corrente não cometeu o crime. As instituições financeiras não são deixadas de lado tão facilmente; Os frigoríficos da Amazônia são.

Mesmo alguns dos maiores investidores da JBS parecem não perceber a distinção. “Não entendemos a polêmica”, disse João Carlos Mansur, diretor geral da REAG Investimentos, que é o quarto maior investidor da empresa, com participação de R$ 5,66 bilhões. “Eles já têm toda a sua cadeia produtiva mapeada, desde a origem do bezerro até o abate.”

Mas o gado no Brasil se move em média duas ou três vezes e até seis antes de ser abatido, de acordo com o Laboratório de Uso da Terra e Meio Ambiente Gibbs da Universidade de Wisconsin em Madison. A JBS monitora sistematicamente apenas o último rancho ou confinamento na vida de uma vaca.

Ferreira Sandes, o comprador de gado, começa sua manhã em São Félix do Xingu com um sanduíche de presunto e queijo grelhado e um telefone cheio de mensagens. Os fazendeiros locais lhe enviaram uma dúzia de vídeos de vacas em oferta. Ele observa os animais trotando pela tela, anota os lotes que lhe interessam, depois voa pela cidade até uma pequena fazenda no final de uma estrada de terra.

Em um pequeno lote cercado, 20 bovinos aguardam. São o que é conhecido em português como “gados magros”, vacas magras, com as costelas visíveis através da carne tão solta que balança quando andam. Ferreira Sandes fechou ontem o negócio com o grupo por cerca de 70 mil reais. Tudo o que resta agora é marcá-los. Grunhindo guturalmente — “Oooooy! Hooz-ah! Vaaaai!” — um corretor de gado conduz as vacas em fila única através de um curral estreito. Ferreira Sandes enfia um ferro em brasa incandescente pelas ripas de madeira. Uma fração de segundo no quarto traseiro, uma baforada de fumaça e uma letra T enegrecida para transporte está queimada acima da perna esquerda do animal, ao lado de meia dúzia de outras marcas. Cada um representa um passo diferente em sua jornada até agora.

Um homem com um chapéu de cowboy marca um gado entre as ripas de uma cerca.  Onde a marca toca a pele não está à vista, mas a fumaça sobe do couro do gado.Ferreira Sandes marca uma vaca antes do transporte

As vacas estão em sua casa atual há apenas alguns dias. O dono da fazenda, um homem ambulante que diz se chamar Tonico Nogueira, ganha a vida vendendo gado para outros. “Todos os dias, há vacas indo e vindo”, diz ele. “Eles chegam, ficam um ou dois dias e depois partem novamente em um caminhão.” Estações de passagem e intermediários como Nogueira são pontos-chave de discórdia para ambientalistas e pesquisadores que dizem ser o cerne da farsa que garante o fornecimento constante de animais de terras desmatadas. Para provar isso, grupos ativistas como o Greenpeace e pesquisadores de Wisconsin à Bélgica examinam centenas de milhares dos chamados GTAs – documentos de sanitização animal que autorizam o transporte de gado – para montar a jornada de uma vaca tão claramente quanto está marcada em sua pele.

O governo brasileiro mantém os documentos ocultos, citando preocupações com a privacidade. Alguns grupos ativistas acumularam bancos de dados por meio de web scrapes que estão em execução há anos usando uma técnica conhecida como força bruta para adivinhar aleatoriamente identificadores alfanuméricos com muitos caracteres. Armados com os bancos de dados, os ativistas às vezes podem conectar os pontos de uma fazenda desmatada onde um animal nasce ao matadouro onde morre.

Ferreira Sandes não pergunta onde esteve o gado antes de comprá-lo e diz que a papelada está sempre em ordem. Tudo o que ele precisa é de um GTA que liste o pequeno terreno de Nogueira como origem e a Fazenda Lageado, a fazenda 10 horas a sudeste para a qual Ferreira Sandes trabalha, como destino. Em um ou dois anos, uma vez que as vacas tenham ganho metade do peso corporal novamente e sua pele tenha ficado tensa sobre o excesso de carne e gordura, outro GTA será emitido para que possam ser enviados para o abate, e uma nova fazenda de origem documentada. Quando Batista Filho disse que 100% dos fornecedores da JBS estão livres de desmatamento, ele estava falando apenas dessa versão editada de sua viagem.

“Chamamos a nossa atenção que a JBS está usando (sua auditoria anual) como prova de que suas práticas totais de abastecimento de gado são livres de desmatamento”, diz DNV GL, ex-auditor da cadeia de suprimentos da JBS, em carta de julho de 2020 à JBS. “Dado que não houve rastreamento de fornecedores indiretos, a JBS não pode utilizar o laudo de avaliação como comprovação de boas práticas em toda a sua cadeia de suprimentos.”

A empresa disse que deixa claro em suas comunicações aos investidores e em declarações públicas que não está falando sobre toda a cadeia de suprimentos. “A JBS reconhece que as verificações da cadeia de suprimentos ainda não incluem fornecedores indiretos”, disse à Bloomberg. Na mesma coletiva de imprensa em que Batista Filho falou, ‘fornecedores de fornecedores’ são mencionados em várias ocasiões, disse a empresa.

Vista aérea de algumas dezenas de gado em um curral, sendo conduzido por três homens a cavalo.Vista aérea enquanto o gado é trotado para venda

Uma balsa laranja e marrom carrega três caminhões cheios de gado e levanta lodo no rio verde-esmeralda.Uma balsa transporta gado através de um rio

No estacionamento de Nogueira, a marcação termina em meia hora e Ferreira Sandes está de volta em seu caminhão, atravessando um rio imenso de balsa, dirigindo tão rápido por estradas de terra que a poeira vermelha torna impossível ver muito à frente. Quando seu dia terminar, 12 horas depois, ele terá visitado três outras fazendas, nenhuma das quais está de acordo com as regras e regulamentos do Brasil, de acordo com entrevistas e uma verificação cruzada das coordenadas GPS das propriedades e registros públicos. Um proprietário foi embargado pelo regulador ambiental do Brasil; o segundo foi sinalizado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais por desmatamento. Seu gerente falou livremente sobre mover o gado para um terreno ao lado para fazer uma venda. A proprietária do último rancho, uma matriarca independente chamada Divina, médicos abertamente os registros de vacinação com a ajuda de um funcionário do governo local e um balconista de uma loja de suprimentos para animais antes que ela possa emitir seu GTA.

Acordos paralelos, soluções alternativas, trapaças – é assim que sempre foi no país do gado, diz Divina. “Não temos governo, educação ou infraestrutura aqui”, diz ela. “Tudo o que temos são uns aos outros e nossas fazendas, então fazemos o que precisamos para sobreviver.” É um sentimento compartilhado por mais de uma dúzia de fazendeiros entrevistados durante a jornada de Bloomberg pela região. Mas é uma viagem que os auditores da cadeia de suprimentos da JBS nunca fizeram. “Nenhum protocolo exige ‘visitas in loco para fornecedores diretos’”, disse a JBS sobre seus compromissos de monitoramento. educação ou infraestrutura aqui”, diz ela. “Tudo o que temos são uns aos outros e nossas fazendas, então fazemos o que precisamos para sobreviver.” 

É um sentimento compartilhado por mais de uma dúzia de fazendeiros entrevistados durante a jornada de Bloomberg pela região. Mas é uma viagem que os auditores da cadeia de suprimentos da JBS nunca fizeram. “Nenhum protocolo exige ‘visitas in loco para fornecedores diretos’”, disse a JBS sobre seus compromissos de monitoramento. educação ou infraestrutura aqui”, diz ela. “Tudo o que temos são uns aos outros e nossas fazendas, então fazemos o que precisamos para sobreviver.” É um sentimento compartilhado por mais de uma dúzia de fazendeiros entrevistados durante a jornada de Bloomberg pela região. Mas é uma viagem que os auditores da cadeia de suprimentos da JBS nunca fizeram. “Nenhum protocolo exige ‘visitas in loco para fornecedores diretos’”, disse a JBS sobre seus compromissos de monitoramento.

Se alguma das vacas que Ferreira Sandes compra vai ou não parar nos frigoríficos da JBS é impossível saber. A fazenda Lageado, assim como milhares de outros fornecedores diretos do ecossistema da empresa, é um caldeirão. Um estudo de 2020 publicado na revista Science descobriu que essa mistura significa que mais da metade de todas as exportações de carne bovina da região para a União Europeia podem ser contaminadas pelo desmatamento.

As leis e regulamentações anti-desmatamento no Brasil são cheias de nuances, e a JBS é uma empresa que vive nas letras miúdas. Os proprietários de fazendas na Amazônia estão legalmente autorizados a desmatar uma parte de suas propriedades, e aqueles que vão longe demais no corte de árvores antigas podem reiniciar as vendas de gado apelando ou prometendo replantar. Por décadas, o governo também fez vista grossa quando as terras da Amazônia são invadidas e arrasadas, estabelecendo mecanismos para que os posseiros possam vender gado legalmente e também perdoando os grileiros, concedendo-lhes títulos de propriedade. “Os grandes frigoríficos estão sempre reclamando de ter que liderar essas iniciativas, quando na verdade o governo deveria liderar”, disse Azeredo, procurador federal. Ele disse que a marcação do gado ao nascer seria a coisa mais próxima de uma bala de prata e não custaria muito, mas tanto as empresas quanto o governo resistiram a esse plano. “Adoraria forçar”, disse Azeredo, “mas, como não há lei, não posso”.

A JBS disse que segue escrupulosamente as regras para fornecedores diretos e é rápida em argumentar que muitas das reivindicações de manchetes contra ela não são realmente ilegais. Mas quando todos os casos podem ser tão facilmente defendidos pela lei brasileira, surge a questão mais ampla se um frigorífico do tamanho da JBS, operando em uma região tão sem lei quanto o Norte do Brasil, pode alegar de boa fé que sua cadeia de suprimentos está perto de ser livre do desmatamento.

Vemund Olsen, analista sênior de sustentabilidade da Storebrand Asset Management, que tem mais de US$ 100 bilhões sob gestão e detinha ações da JBS até que a empresa se envolveu em um escândalo de corrupção em 2018, disse que não. “Todo ano, saem relatórios que documentam gado de áreas desmatadas entrando na cadeia de suprimentos da JBS”, disse ele. “Eles não deveriam precisar da mídia ou das ONGs para fazer esse trabalho para eles.”

Clientes e investidores  estão cada vez mais sinalizando que não estão confortáveis ​​com a pegada amazônica dos maiores frigoríficos do Brasil, mesmo que esteja dentro da lei. Em dezembro, as redes de varejo europeias Sainsbury’s e Carrefour disseram que restringiriam as compras de carne bovina do Brasil por causa de ligações ao desmatamento.

No final de 2020, a JBS novamente prometeu rastrear toda a cadeia de fornecedores indiretos, desta vez usando um aplicativo construído na tecnologia blockchain para registrar os documentos de transporte do GTA. Analistas financeiros e alguns investidores elogiaram a medida. “Quando eles elegem algo como prioridade máxima, eles entregam”, disse Pedro Leduc, chefe de pesquisa da BLP Asset, na época. Mas para observadores de longa data da Amazônia, como Azeredo e ambientalistas, parecia muito com as promessas que a gigante da carne bovina fez uma década antes.

Em uma tarde abafada no início de outubro, alguns dos maiores pecuaristas do estado do Pará se reúnem em um parque de exposições para uma feira de quatro dias de painéis industriais, música e um leilão de gado. Em um pequeno estande entre vendedores de equipamentos agrícolas, Lorena Geyer, analista de sustentabilidade da JBS, prepara uma apresentação sobre as iniciativas de monitoramento da JBS. Geyer, 27, dirige um JBS Green Office. Como os auditores da empresa, ela nunca fez a viagem para o frigorífico através do campo de gado para conversar com os fazendeiros em suas fazendas. Nem os outros nove analistas do Green Office da JBS na Amazônia, que estão espalhados por uma região maior que a Europa continental. Em vez disso, eles se sentam ao lado de compradores de gado em uma mesa dentro de um abatedouro da JBS. 

Toda vez que um fazendeiro entra em um matadouro para vender gado, Os compradores da JBS verificam suas propriedades em relação aos registros de desmatamento emitidos por órgãos governamentais. Quando um fazendeiro não faz o corte, Geyer intervém para ajudá-los a descobrir como sair das listas negras do governo para que possam começar a vender legalmente. “A abordagem da JBS é incluir fornecedores e não excluí-los”, diz ela, pecuarista do parque de exposições, acrescentando que a JBS pode dar suporte para que a documentação esteja em ordem. “Também é do nosso interesse tê-lo em nossa cadeia de suprimentos – precisamos dessa matéria-prima.”

A legalização de fornecedores ajudando-os a arquivar a documentação é o cerne da estratégia da JBS para limpar sua cadeia de suprimentos. Isso não é o mesmo que eliminar o desmatamento. “Consumidores e governos se unindo não querem ilegalidade zero – eles querem desmatamento zero”, disse Holly Gibbs, que dirige o laboratório de uso da terra na Universidade de Wisconsin. “Há uma grande diferença.”

Editor: Ethan Bronner,  Com a ajuda de: Brittany Harris e Jin Wu
Metodologia

A partir de 2020, a divisão de carne bovina Friboi da JBS passou a permitir que os clientes rastreiem a carne por meio de um site de “Garantia de Origem” . A carne comprada em supermercados inclui no rótulo uma data de abate e um identificador de matadouro conhecido como SIF, que o consumidor pode acessar no site para ver o nome e a localização da fazenda de origem do corte de carne.

Para investigar a cadeia de suprimentos da JBS, a Bloomberg compilou uma lista de abatedouros regionais identificados nos relatórios anuais da JBS de 2009 a 2021. Isso abrange o período em que o compromisso anti-desmatamento da JBS entrou em vigor.

Os números do SIF para esses matadouros foram obtidos de fontes públicas. A Bloomberg usou esses números para verificar no site do Friboi quaisquer dados disponíveis sobre carne bovina de 1º de agosto de 2009 a 30 de setembro de 2021. Isso resultou em cerca de 1 milhão de registros de embarque, cada um representando uma entrega de gado de uma fazenda brasileira para frigorífico operado pela JBS.

A Bloomberg identificou 35 abatedouros, alguns dos quais a JBS possuía, mas foram fechados, e outros desde então. As instalações estavam concentradas em cinco estados amazônicos: Acre, Mato Grosso, Pará, Rondônia e Tocantins. Os frigoríficos adquiriram carne bovina de fazendas desses estados, bem como dos estados vizinhos do Amazonas, Maranhão e Mato Grosso do Sul.

Os registros de entrega que a Bloomberg analisou incluíam a data de embarque, número do lote, coordenadas de coleta, nome da fazenda, nome do produtor e um número de identificação fiscal do produtor conhecido como CPF para pessoas físicas ou CNPJ para pessoas jurídicas. A JBS reconheceu que partes das informações foram publicadas online de forma não intencional. Após saber que os dados eram públicos, a JBS o restringiu no final do ano passado. A Bloomberg reteve uma cópia de todos os logs originais analisados.

Como parte de seus acordos anti-desmatamento com o Ministério Público Federal, os frigoríficos são obrigados a consultar mapas de propriedades encontrados em cartórios conhecidos como CARs, que significa Cadastro Ambiental Rural, ou Cadastro Ambiental Rural. No entanto, o acesso público aos documentos do CAR não é uniforme em todas as regiões, com informações detalhadas sobre os proprietários restritos por muitos estados. Ambientalistas e pesquisadores também alegam que os CARs são fáceis de manipular para excluir o desmatamento porque os limites das propriedades são autodeclarados e não estão sujeitos à confirmação do governo.

Para obter uma imagem mais precisa, a Bloomberg executou os números de identificação fiscal nos registros de entrega da JBS disponíveis por meio de um banco de dados nacional de terras conhecido como Sigef . Quase um terço dos 56.000 fornecedores da JBS conhecidos pela Bloomberg foram encontrados no banco de dados do Sigef, retornando arquivos de mapeamento geoespacial conhecidos como shapefiles em mais de 50.000 lotes, cobrindo mais de 80.000 milhas quadradas. Para as fazendas visitadas pessoalmente, foram consultados os CARs e o banco de dados do Sigef para obter os limites das propriedades. Embora longe de um quadro completo, a análise fornece uma noção mais precisa da escala das fazendas na cadeia de fornecimento direto da JBS, bem como uma indicação de outras propriedades pertencentes a esses fornecedores.

Para entender melhor a relação da empresa com o desmatamento nos últimos 13 anos, a Bloomberg comparou a rede acima de fornecedores diretos da JBS com cerca de 500.000 alertas de desmatamento  chamados Prodes, que foram emitidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil, conhecido como INPE, entre 2009 e 2020 . Também foram comparados com cerca de 25.000 embargos emitidos pelo órgão regulador ambiental do país, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, conhecido como Ibama, entre 2010 e 2019. Estes últimos foram obtidos por meio de um pedido de liberdade de informação.

De acordo com o INPE, cada alerta do Prodes se refere ao período de 12 meses até 31 de julho do ano listado, com resultados preliminares – cobrindo pelo menos 90% do desmatamento observado – divulgados até dezembro do mesmo ano.

A Bloomberg estimou o número total de gado assumindo que cada lote representa uma carga média de 18 vacas. Essa é uma suposição padrão de pesquisadores que analisam os documentos de transporte de gado, conhecidos como GTAs, há uma década, incluindo o Gibbs Lab da Universidade de Wisconsin. A Bloomberg pediu à JBS que confirmasse essa suposição, e a empresa se recusou a comentar.

color compass

Este texto foi inicialmente escrito em inglês e publicado pela Bloomberg Green [Aqui! ]. A reportagem em inglês traz gráficos e animações que não puderam ser incluídas nesta postagem.

Ecocídio no Cerrado: inundações severas no Brasil como resultado do agronegócio

cerrado okozid

Por Norbert Suchanek, Rio de Janeiro, para o JungeWelt

Semanas de chuva contínua e três rompimentos de barragens inundaram grande parte do centro e leste do Brasil e já causaram pelo menos 45 mortes. Mais de 133 mil pessoas perderam suas casas nos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí, Bahia, Pará, Goiás, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo. A Bahia é o estado mais atingido, com pelo menos 24 vítimas mortais das enchentes, cerca de 100.000 pessoas forçadas a abandonar suas casas.

A mídia corporativa e os políticos dos estados afetados culpam as chuvas excepcionalmente fortes por esta época do ano e pelas mudanças climáticas globais. Mas isso é apenas meia verdade. O desastre da inundação também é caseiro.

De fato, o desmatamento contínuo das savanas do cerrado do planalto central brasileiro e das altas planícies do Nordeste, e sua conversão em monoculturas em grande escala, particularmente nas plantações de soja, perturbaram gravemente o equilíbrio hídrico da região.

No Brasil, o Cerrado é conhecido como o “Berço das águas”, pois o bioma abastece oito das doze principais bacias hidrográficas do Brasil e grandes rios como o Xingu, o Rio Tocantins e o Rio São Francisco. Mas mais de 50% dos originalmente cerca de dois milhões de quilômetros quadrados do Cerrado já foram desmatados. Somente entre agosto de 2020 e julho de 2021, outros 8.531 quilômetros quadrados foram sacrificados para agronegócios, segundo os últimos números do instituto de pesquisas espaciais INPE, responsável pelo monitoramento florestal via satélite. Pesquisadores do Instituto de Pesquisa Ambiental  (IPAM) analisaram o  desmatamento na região da frente agrícola do Matopiba que é formada pelos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. De acordo com estatísticas agrícolas oficiais, a área de soja no Matopiba se multiplicou de cerca de 600.000 hectares em 1995 para cerca de 8 milhões de hectares hoje. E esses são os estados que foram mais atingidos pelas recentes enchentes.

O ecossistema do Cerrado, extremamente rico em espécies, é composto em grande parte por plantas com um sistema radicular complexo e profundo que se estende até 20 metros de profundidade. Eles são adaptados à alternância extrema de chuvas fortes na estação chuvosa e períodos prolongados de seca. Apenas um terço das árvores e arbustos são visíveis na superfície. Dois terços dessas plantas são subterrâneas e podem, assim, reter grandes quantidades de água da chuva e equilibrar o balanço hídrico. Não é o caso das monoculturas que estão se espalhando na região, como a soja ou o milho com suas raízes superficiais. Sua capacidade de armazenamento de água é significativamente menor.

Quando chove, a maior parte da água, enriquecida com solo superficial e  agrotóxicos, vai direto para os rios. Um estudo publicado em 2014 pela Universidade de São Paulo mostrou um aumento de cinco vezes no escoamento superficial devido a monoculturas ou pastagens de gado na região do Cerrado. Nas fases sem cobertura do solo, ou seja, após a colheita e até a semeadura, o escoamento superficial chega a ser até 20 vezes maior do que em áreas de cerrado não desmatadas. O aumento das inundações e assoreamento dos reservatórios são as consequências “naturais”. Acrescente-se a isso a crescente impermeabilização do solo devido à construção de estradas em andamento para o transporte da safra de soja aos portos de exportação e às cidades que se tornam cancerígenas devido ao êxodo rural – e a catástrofe é perfeita.

inundaçãoPessoas em uma rua inundada no sudeste do Brasil, Foto: dpa/Eugênio Sávio

“Se somarmos os efeitos das mudanças climáticas globais ao avanço do cultivo da soja em áreas de alto valor ecológico, vemos que as situações catastróficas na Bahia, Tocantins e Piauí não são nada naturais”, comenta o geógrafo  Marcos Pędłowski, do Centro de Ciências do Homem da Universidade Estadual do Norte Fluminense em seu blog: “O que estamos presenciando hoje é uma combinação particularmente drástica de eventos climáticos extremos e a consolidação de um modelo agrícola predatório que empurra os mais pobres para áreas periféricas onde normalmente não há infraestrutura urbana”.

Pędłowski acrescenta que “curiosamente, a cobertura das corporações midiáticas brasileiras sobre os tsunamis nas cidades direta ou indiretamente afetadas pela safra de soja no Matopiba oculta essas conexões e apenas oferece aos leitores ou telespectadores uma narrativa de catástrofe em que apenas o tema das mudanças climáticas é discutido, e isso apenas vagamente mencionado.”

color compass

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo jornal “JungeWelt” [Aqui!].

Rastreando a próxima pandemia na Amazônia

Na floresta amazônica, cientistas estão procurando outros patógenos que podem se espalhar de animais para humanos

mosquitoOs mosquitos da febre amarela (Aedes aegypti) também podem transmitir o vírus Zika. Foto: dpa/AP/Felipe Dana

Por Norbert Suchanek para o “Neues Deutschland”

Desde o final do ano passado, a variante ômicron do Covid-19 vem se espalhando pelo mundo na velocidade da luz. Também no Brasil, onde as infecções voltaram a subir desde a virada do ano. Mas pesquisadores brasileiros alertaram no ano passado para outro vírus que pode ser transmitido de animais para humanos, o vírus Mayaro. Não é uma questão de saber se, mas quando outra epidemia vai eclodir.

Os virologistas consideram a floresta amazônica em particular, com sua riqueza de espécies, como um gigantesco reservatório de patógenos que podem desencadear zoonoses semelhantes à Covid-19. Desmatamento, invasão de estradas e assentamentos, mineração e garimpo ilegal de ouro, invasão agrícola e construção de barragens estão colocando um número cada vez maior de pessoas em contato com esses patógenos potenciais que circulam não apenas em morcegos, mas também em pássaros, macacos e outros animais vertebrados da região. floresta tropical.

O epidemiologista Felipe Gomes Naveca alertou no ano passado que o vírus Mayaro, ainda pouco estudado, é um candidato promissor para a próxima epidemia grave no Brasil e além. O vice-diretor de Pesquisa do Instituto Fiocruz Amazônia em Manaus e sua equipe na Amazônia estão no rastro de potenciais desencadeadores de pandemia.

O vírus Mayaro, que pertence aos alfavírus, circula na natureza principalmente em vertebrados arbóreos, como macacos, e até agora foi transmitido principalmente pelo mosquito hemagogo (Haemagogus janthinomys) encontrado nas florestas tropicais da América Central, Amazônia e Caribe. Outras espécies animais como roedores, marsupiais, pássaros e até jacarés também podem ser portadores do vírus.

Sabe-se desde 1954 que esse alfavírus pode infectar humanos e desencadear o que é conhecido como a febre Mayaro. Os cientistas descobriram o patógeno no sangue de trabalhadores florestais infectados na província de Mayaro, na ilha caribenha de Trinidad, e o nomearam em sua homenagem. Os doentes sofrem de sintomas semelhantes aos da gripe, como febre, erupções cutâneas, vômitos, diarréia, dor de cabeça, dores musculares e articulares, que podem durar várias semanas, em alguns casos até meses. Como o vírus Chikungunya ,  o Mayaro também pode causar doenças reumáticas.

No Brasil, o primeiro surto de febre Mayaro foi relatado em 1955 no estado do Pará (sudeste da Amazônia). Desde então, também foram registradas infecções pelo Mayaro na Guiana Francesa, Bolívia, Peru, Suriname, Argentina, Colômbia, Venezuela, Tobago e Haiti. Na capital amazônica de Manaus, mais de 30 pessoas adoeceram com o vírus Mayaro em 2011. Estudos recentes indicam que esse alfavírus também está se espalhando para regiões fora da Amazônia, pois já foram encontradas pessoas com o  Mayaro no sangue nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo.

Em 2019, um total de 901 infecções em seres humanos causadas pelo Mayaro foram relatadas na América Latina e no Caribe, segundo cientistas da Universidade George Washington e da Organização Pan-Americana da Saúde. As mortes não são conhecidas até o momento. No entanto, como a febre Mayaro é clinicamente indistinguível das doenças da dengue ou chikungunya, os pesquisadores assumem um número desconhecido de casos diagnosticados erroneamente e não relatados.

O vírus Mayaro é considerado particularmente perigoso porque possui uma alta taxa de mutação e notável flexibilidade genética. Isso aumenta a probabilidade de adaptação a novos hospedeiros. Por outro lado, experimentos de laboratório mostraram que outras espécies de mosquitos, em particular o mosquito da febre amarela urbana (Aedes aegypti) e o mosquito tigre asiático (Aedes albopictus) , também podem transmitir o alfavírus da Amazônia. Se isso realmente acontecer, seria um colapso epidêmico. Porque o vírus pode saltar de seu ciclo na floresta tropical para as cidades mesmo fora de sua área de distribuição anterior.

O mosquito da febre amarela, que provavelmente foi introduzido com o tráfico de escravos nos séculos XVI e XVII, hoje é encontrado em todas as cidades do Brasil e já provocou várias epidemias de Dengue, Zika e Chikungunya nas metrópoles do país. O mosquito tigre, originário da Ásia que está circulando no Brasil desde a década de 1980, também pode transmitir esses perigosos patógenos, mas prefere áreas rurais, subúrbios mais arborizados e parques urbanos. Caso o Aedes aegypti e o Aedes albopictus realmente se tornassem portadores do vírus Mayaro, milhões de pessoas estariam ameaçadas, não só no Brasil.

O Aedes aegypti, também conhecido como mosquito tigre egípcio, está agora distribuído mundialmente nos subtrópicos e trópicos e também atingiu o sul da Espanha, Grécia e Turquia. Originalmente restrito ao sul e sudeste da Ásia, o mosquito tigre asiático agora está difundido na África, nos EUA e no sul da Europa.

Até o momento, não há vacina, medicamento ou terapia preventiva para o vírus Mayaro. Evitar picadas de mosquito continua sendo a única prevenção. Em última análise, proteger os biomas brasileiros e frear o desmatamento da floresta amazônica é uma das medidas mais importantes para evitar novas pandemias, afirma a cientista da Fiocruz Alessandra Dales Nava, do Laboratório de Ecologia de Doenças Transmissíveis da Amazônia.

Algumas “boas” notícias, pelo menos para pessoas que já sobreviveram à chikungunya, vêm de um estudo em ratos de laboratório publicado em novembro passado. Os roedores infectados com chikungunya desenvolveram imunidade parcial ao vírus Mayaro. Mas quem quer contrair o chikungunya para ficar imune à febre Mayaro?

color compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

Promessas vazias: Cargill continua fornecendo ração ligada ao desmatamento da Amazônia para fazendas do Reino Unido

A Cargill, que se comprometeu a limpar sua cadeia de suprimentos, vende ração para muitos dos bilhões de frangos que são abatidos anualmente apenas no Reino Unido

cargill soybean

Uma investigação descobriu as ligações da Cargill com a fazenda fornecedora brasileira Fazenda Conquista. Fotografia: Greenpeace Unearthed/Pedro Ladeira

Por Andrew Wasley , Lucy Jordan e Elisângela Mendonça para o “The Guardian”

A Cargill, grande fornecedor de ração animal para o Reino Unido, ainda está comprando soja e milho de uma fazenda ligada ao desmatamento na Amazônia, apesar de ter se comprometido a limpar suas cadeias de suprimentos globais.

A Cargill, uma multinacional agrícola gigante que vende ração para granjas britânicas, compra colheitas de uma fazenda que cultiva soja em terras desmatadas na Amazônia brasileira.

Uma investigação do Bureau of Investigative Journalism, Greenpeace Unearthed, Repórter Brasil e Ecostorm descobriu as ligações da Cargill com a fazenda fornecedora brasileira, Fazenda Conquista.

A fazenda na Amazônia brasileira foi responsável por oito quilômetros quadrados de desmatamento desde 2013, com vários incêndios florestais registrados em 2020. Sua negociação com a Cargill inclui o fornecimento de soja, e a fazenda assinou um acordo para entregar 5.700 toneladas de milho à empresa neste ano. Não se sabe se as culturas em questão foram cultivadas em uma parte recentemente desmatada da fazenda.

As descobertas levantam questões sobre o processo de due diligence da Cargill. A empresa se comprometeu a não comprar soja de terras desmatadas na Amazônia depois de 2008, e no ano passado se comprometeu a agir mais rapidamente para eliminar o “desmatamento impulsionado por commodities”.

Mas a Cargill também tem sido repetidamente associada ao desmatamento . Em 2020, o Bureau e o Unearthed relataram 800 quilômetros quadrados de desmatamento e 12.000 incêndios desde 2015 em terras usadas pelos fornecedores de soja da Cargill no Cerrado , outro bioma protegido no Brasil.

A empresa exporta anualmente milhares de toneladas de soja brasileira para o Reino Unido para uso em ração animal. Os ativistas disseram que as descobertas destacaram os custos ambientais ocultos da carne barata.

“As galinhas de carne são os animais mais intensivamente criados no Reino Unido, com mais de um bilhão de animais abatidos a cada ano”, disse Lindsay Duncan, gerente de campanhas da World Animal Protection UK.

“A crescente demanda por frango barato leva à crescente demanda por soja, causando desmatamento em grande escala e degradação ambiental devastadora, que destrói os habitats naturais de milhões de animais selvagens.”

Cerca de 80% de toda a soja cultivada em todo o mundo é destinada ao gado. O Reino Unido importou cerca de 3,5 milhões de toneladas de grãos de soja em 2019, com cerca de metade disso terminando em ração para frangos.

Cerca de um quarto da soja importada do Reino Unido vem do Brasil, e a grande maioria é comercializada pela Cargill.

A Cargill disse: “Estamos comprometidos em eliminar o desmatamento de nossas cadeias de suprimentos no menor tempo possível e estamos acelerando nossos esforços”. Respondendo às constatações sobre a Fazenda Conquista, o comunicado prosseguiu: “Caso o fogo tenha sido utilizado e tenha impactado a mata nativa ou confirmada alguma irregularidade, tomaremos as medidas cabíveis”.

O estado da terra em questão antes de 2013 é contestado: a administração da Fazenda Conquista disse em comunicado que a fazenda tinha permissão do órgão ambiental local para realizar uma “queima controlada” na terra porque originalmente havia sido desmatada no início dos anos 1980 .

No entanto, imagens de satélite mostram que a floresta estava crescendo desde então, e o programa de monitoramento de desmatamento do Brasil sinalizou a derrubada em 2013 como desmatamento.

A Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) confirmou que autorizou uma queima na fazenda em 2012 para limpar o pasto com algum grau de regeneração. Mas a Sema disse que nenhuma licença para desmatamento total dentro da fazenda foi autorizada e admitiu que, embora não houvesse imagens de satélite de alta resolução antes de 2019 para identificar o desmatamento em tempo real, uma análise recente sugeriu que havia desmatamento dentro da propriedade. A Sema disse que iria investigar mais.

Em uma análise independente de imagens de satélite, a ONG Aidenvironment também considerou que a terra foi desmatada. Este ano, a fazenda será incluída na lista negra da Moratória da Soja, um acordo voluntário da indústria que proíbe o comércio de soja em terras amazônicas desmatadas após 2008. O Grupo de Trabalho para a Soja, que supervisiona a moratória, disse ter identificado uma área de desmatamento que tinha sido semeado com soja na última época de plantio.

Um repórter do Bureau visitou a fazenda este ano e viu grãos de soja crescendo na terra.

A destruição da floresta amazônica tem sérias consequências para o clima, com especialistas temendo que o bioma possa cruzar em breve um “ponto de inflexão” no qual começará a mudar de floresta tropical exuberante para uma savana mais seca, liberando grandes quantidades de carbono armazenado na atmosfera.

De acordo com a agência espacial brasileira, o desmatamento na Amazônia aumentou 22% nos 12 meses até julho do ano passado.

As principais empresas de alimentos britânicas adotaram esquemas de certificação de “desmatamento zero” para enfrentar o problema, mas a soja “suja” ligada ao desmatamento continua a entrar nas cadeias de suprimentos.

color compass

Este texto foi inicialmente escrito em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui! ].

Coalizão Brasil adverte que desmonte do monitoramento do Cerrado atenta contra biodiversidade e produção agrícola

Desmatamento-no-CerradoFalta de verba ameaça monitoramento contra desmatamento no Cerrado

Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, movimento multissetorial composto por mais de 300 empresas, organizações da sociedade civil, setor financeiro e academia, vê com preocupação o anúncio da descontinuidade do monitoramento do Cerrado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O bioma, que ocupa aproximadamente 24% do território do país, abrange nascentes da maior parte das bacias hidrográficas cruciais para o abastecimento de água e energia do Brasil. É, também, o celeiro da produção agropecuária, abrigando o cultivo de commodities, como soja, milho e algodão.

Além de sua importância econômica, cabe destacar que o Cerrado é reconhecido como a savana mais rica do mundo em biodiversidade e encontra-se em franco processo de degradação. No último dia 31 de dezembro, o Inpe divulgou que o bioma perdeu 8.531,4 km² de vegetação nativa em um ano, entre agosto de 2020 e julho de 2021. Trata-se de um aumento de 7,9% em relação ao índice constatado nos 12 meses anteriores.

É, portanto, momento de investir em monitoramento e pesquisa, e não desmobilizar equipes e recursos. O possível “apagão de dados” sobre o desmatamento do Cerrado é um reflexo do sucateamento do Inpe, cujo orçamento em 2021 foi de R$ 75,8 milhões, uma redução de 85% ante o recebido em 2010 (R$ 487,6 milhões).

Há verbas para manutenção do monitoramento do Cerrado somente até abril. O país, portanto, entra em contagem regressiva para garantir a sobrevivência do trabalho do Inpe, cujos dados são necessários para a vitalidade da fiscalização ambiental, do agronegócio e de estudos científicos.

Vale destacar que o gasto com o sustento do projeto ameaçado é irrisório. O monitoramento do Cerrado custa apenas R$ 2,5 milhões por ano. Para se ter uma noção, a multa por desmate ilegal de 1 hectare vale R$ 1.500. Ou seja, as infrações relacionadas à devastação de 1.700 hectares já pagam todo o sistema.

Ao assinar um acordo florestal durante a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP 26), há exatos 70 dias, ao lado de 140 países, o Brasil assumiu o compromisso, perante sua população e a comunidade internacional, de proteger ecossistemas críticos como o Cerrado. Diversos países, como os Estados Unidos, além da União Europeia, já indicaram que o cuidado socioambiental é um tema central para a agenda diplomática e as transações comerciais. O Brasil, ao não cumprir os seus deveres, opta pelo isolacionismo e pelo atraso. Tampouco conseguirá controlar a narrativa. Outras iniciativas, envolvendo governos e a sociedade civil, podem assumir por conta própria o monitoramento de biomas.

As ações serão sempre mais fortes que as palavras. Portanto, mais uma vez a reputação do país está em jogo, ao demonstrar incoerência e desalinhamento entre os compromissos que assumiu — tanto para o enfrentamento da crise climática quanto para a perda de biodiversidade — e as ações que implementa — sejam elas ligadas a pesquisa, monitoramento e inteligência, que deveriam promover boas políticas públicas.

Coalizão Brasil solicita que o governo federal assegure os recursos necessários para a continuidade do programa de monitoramento do Cerrado e de todos os biomas brasileiros. É uma questão de legalidade, transparência e credibilidade.

Brasil para de rastrear desmatamento do Cerrado apesar do aumento da destruição

FILE PHOTO: Scientists from the State University of Mato Grosso identify signs of climate change on the border between Amazonia and CerradoUma vista aérea mostra o desmatamento perto de uma floresta na fronteira entre a Amazônia e o Cerrado em Nova Xavantina, Mato Grosso, Brasil, em 28 de julho. | REUTERS

Por Jake Springs para a Reuters

 Brasil vai parar de monitorar o desmatamento no Cerrado, a savana mais rica em espécies do mundo, disse um pesquisador do governo nesta quinta-feira citando falta de fundos, dias depois de dados mostrarem que a destruição atingiu uma alta de 6 anos em 2021.

O Cerrado, que faz fronteira com a floresta amazônica e se estende por vários estados brasileiros, é um grande baluarte contra as mudanças climáticas devido ao carbono que absorve. Muitas vezes é comparado a uma floresta de cabeça para baixo porque suas plantas afundam as raízes profundamente no solo.

O desmatamento aumentou 8% para 8.531 quilômetros quadrados no Cerrado nos 12 meses até julho, mostraram dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (lnpe) na última sexta-feira.

A decisão de interromper o monitoramento do Cerrado foi tomada por causa de cortes orçamentários, disse Claudio Almeida, pesquisador que coordena o monitoramento por satélite do Inpe.

O Inpe não produzirá mais números anuais para o desmatamento do Cerrado a menos que consiga encontrar uma nova fonte de financiamento, disse Almeida em mensagem escrita.

Uma “equipe mínima” continuará produzindo cifras mensais do desmatamento para o Cerrado, mas ficará sem dinheiro em seis meses ou menos, disse ele.

A assessoria de imprensa do Inpe não respondeu a um pedido de comentário.

A medida para parar de monitorar o Cerrado parece ser outro revés para a proteção ambiental sob o presidente de direita Jair Bolsonaro.

Bolsonaro criticou as proteções ambientais que impedem o crescimento econômico e enfraqueceu a aplicação das leis de conservação.

O gabinete do presidente não respondeu imediatamente ao pedido de comentário.

Marcio Astrini, chefe do Observatório do Clima, disse esperar que o governo encontre financiamento para continuar monitorando um ecossistema tão vital.

“O monitoramento mostra se o desmatamento está avançando e se o desmatamento vai condenar um bioma tão importante para os brasileiros”, disse Astrini.

Mas ele disse que não está otimista devido ao histórico de Jair Bolsonaro. O presidente já atacou o Inpe no passado, em 2019 acusando a agência de mentir sobre os dados que mostram o desmatamento da floresta amazônica.

No início desta semana, pesquisadores expressaram preocupação com a crescente destruição no Cerrado, dizendo que isso resulta em enormes emissões de gases de efeito estufa e ameaça levar espécies à extinção.

“Toda vez que você vai ao Cerrado fazer pesquisa de campo, não é raro descobrir uma nova espécie de planta ou mesmo de animal”, disse Manuel Ferreira, geógrafo da Universidade Federal de Goiás. “Ainda há muitas espécies a serem estudadas.”

color compass

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “Japan Times” [Aqui!].

O ano é novo, mas Amazônia segue sendo desmatada em ritmo acelerado

 Números do Deter-B apontam 8.219 kmde alertas de desmatamento na Amazônia

unnamed (2)

Vista aérea de um desmatamento na Amazônia para expansão pecuária, em Lábrea, Amazonas. © Victor Moriyama / Amazônia em Chamas

Manaus, 07 de janeiro de 2022 – Dados do sistema Deter-B, do Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE), divulgados nesta sexta-feira (07), mostram que de janeiro a dezembro de 2021 foram registrados 8.219 km² de alertas de desmatamento na Amazônia. É o terceiro ano seguido em que os alertas superam os 8.000 km2, o que não havia ocorrido em nenhum ano anterior ao atual governo. Apesar da pequena queda de 2,3% em relação ao ano passado, a média de desmatamento registrada ao longo dos três anos do governo Bolsonaro (8.604 km²) é 77% maior em comparação aos três anos anteriores (4.844 km²).

“Infelizmente, em relação aos alertas de desmatamento, o novo ano começa como foram os últimos três. A destruição da Amazônia e outros ecossistemas naturais não só não é combatida pelo governo, como é impulsionada por atos, omissões e conluios com os setores mais retrógrados da nossa sociedade que primam o lucro e a economia da destruição, agravando cada vez mais a crise climática que vivemos na atualidade”, afirma Rômulo Batista, porta-voz da campanha de Amazônia do Greenpeace Brasil.

Quando são analisados somente os alertas para mineração, em sua grande parte causada por garimpos ilegais, o número é ainda mais assustador. Pela primeira vez, o sistema registrou uma área de alertas de 121 km² para esta atividade, um aumento de 20% em relação ao ano anterior e o equivalente a 17 mil campos de futebol destruídos – uma média de 47 a cada dia.

“Nesta mesma semana, também foi divulgado pelo INPE um aumento de 7,9% no desmatamento do cerrado, que já teve 50% de sua área devastada, e anunciada a extinção por falta de verba do programa de monitoramento deste que é o segundo maior bioma brasileiro. Esses números são reflexos da política antiambiental do governo Bolsonaro e de suas ações comprovadamente ineficazes em conter a destruição das florestas”, complementa Batista.

Os números também expõem as escolhas de seus aliados no Congresso Nacional, que tentam aprovar Projetos de Leis que ameaçam as florestas e seus povos, como é o caso do PL 2633, conhecido como “PL da Grilagem”, que visa premiar grileiros ao reduzir a margem de proteção de rios em áreas urbanas, e o PL 490, que inviabiliza demarcações de Terras Indígenas e escancara os territórios para atividades econômicas predatórias. Projetos como estes estimulam e intensificam a corrida de madeireiros, grileiros, fazendeiros e garimpeiros pela ocupação ilegal e destruição da Amazônia.

Natal sem desmatamento: consumidores cobram marcas de moda sobre relação com desmatamento

Recentemente, centenas de empresas de moda foram ligadas à destruição da Amazônia por meio das cadeias de abastecimento de couro. Mesmo signatárias de acordos ambientais e climáticos, muitas delas não têm políticas para desmatamento zero em suas redes produtivas

pasted image 0

O Projeto de Lei nº 2.159/2021, conhecido como #PLdaBoiada, que visa regularizar o desmatamento no Brasil a partir do libera geral, é a mais recente tentativa de Jair Bolsonaro de destruir a Amazônia, os povos que ali residem bem como qualquer chance de alcançar as metas dos acordos climáticos. 

Centenas de marcas de moda conectadas ao desmatamento da Amazônia assumiram compromissos no combate às mudanças climáticas na COP 26 ao se tornarem signatárias, ou reforçarem seu compromisso com o Fashion Industry Charter for Climate Action (UNFCCC). No entanto, a ZERO marcas disponibiliza compromissos mensuráveis com o desmatamento zero conforme revelou o Índice de Transparência da Moda Brasil (ITMB), lançado pelo Instituto Fashion Revolution em novembro. Dados do Observatório do Clima mostram que o desmatamento é o principal vetor de emissões de gases de efeito estufa no Brasil (70%). 

Recentemente, uma pesquisa realizada pela Stand Earth, organização especializada em análise de cadeias de custódia, revelou que todas as marcas que se abastecem direta ou indiretamente da JBS para couro estão ligadas ao desmatamento da floresta tropical amazônica. As marcas com múltiplas conexões com fornecedores-compradores da JBS são as que possuem mais risco de terem produtos associados ao desmatamento. 

“As conclusões da pesquisa mostram que marcas de moda multinacionais, do fast fashion ao luxo, estão financiando, por meio de sua cadeia produtiva, o desmatamento da Amazônia. Ao mesmo tempo, mais de 200 pesquisadores revelaram durante a COP como a floresta está próxima de atingir um ponto de não retorno. O setor da moda é responsável por isso, mas não está comprometido em limpar sua rede produtiva”, afirma Marina Colerato, do Instituto Modefica, organização que atua por justiça socioambiental e climática, e que vem articulando no Brasil a campanha internacional #SupplyChange, com objetivo de exigir rastreabilidade das redes produtivas e metas mensuráveis para desmatamento zero por parte das corporações de moda. 

Quase 200 marcas pertencentes a 74 empresas foram mapeadas. 22 dessas 74 empresas (30%) estão potencialmente violando suas próprias políticas contra a utilização de couro proveniente de desmatamento. Os outros dois terços não possuem qualquer política a esse respeito. Estamos falando de marcas como Nike, Asics, Puma, H&M, Louis Vuitton, Tiffany & Co, Vans, Prada e muitas outras. 

Nome aos Bois 

Criada pela organização The Slow Factory, a campanha #SupplyChange tem como objetivo exigir comprometimento das marcas de moda multinacionais com o desmatamento zero em suas redes produtivas. O momento é crucial pois acontece em meio a tentativa de aprovação do PL 2.159/2021, cujo principal objetivo é facilitar e legalizar o desmatamento da floresta pelo agronegócio.  

Nas redes sociais, a campanha internacional chamou atenção para o papel de Rodrigo Pacheco nessa decisão, o que levou o político a desativar suas redes sociais. A pressão por meio das redes se estendeu para o Brasil, com objetivo de cobrar comprometimento com desmatamento zero hoje das marcas de moda que estão relacionadas ao desmatamento da floresta e são signatárias do Fashion Industry Charter for Climate Action. No Brasil, a ação retoma a #NomeAosBois, importante por relacionar as corporações com o desmatamento da floresta. Além de pressionar as marcas, a campanha sinaliza para a importância da articulação setorial para a não aprovação do PL, dado os interesses de preservação de imagem de marca.

“A aprovação do PL inundará as redes produtivas de matérias-primas oriundas do desmatamento. Isso compromete o ativo mais importante que as corporações têm hoje, a percepção pública da marca. Quando a CEO de uma corporação de moda senta para almoçar com o presidente do país, sua influência política deixa de ser segredo. A indústria da moda tem influência e, portanto, pode se articular para evitar o que será um completo desastre para nós e para a floresta”, finaliza Marina. 

Fonte: Relatório Stand Earth

Fonte: Modefica

Mais imagens com comentários dos consumidores no link: https://www.dropbox.com/sh/vngewa1fw9slatq/AAAZ7jNt8vVtcAHja__JGJ5za?dl=0

Para ver os materiais da campanha, acesse: https://modefi.co/insta-couro-desmatamento.

Para ver os materiais da pesquisa, acesse: https://www.stand.earth/publication/forest-conservation/amazon-forest-protection/amazon-leather-supply-chain 

Para mais informações da campanha, entre em contato com: contato@modefica.com.br.

Para informações da pesquisa, entre em contato com: SRG@stand.earth.  

Contato para imprensa:redacao@modefica.com.br

Sobre o Modefica

O Modefica é uma mídia independente criada em 2016, fundada por Marina Colerato, com objetivo de fomentar o debate e o entendimento sobre sustentabilidade de forma ampla e radical, usando o jornalismo como ferramenta de transformação. Produz reportagens, matérias, opinativos e pesquisas sobre questões ambientais, climáticas e sociais, além de podcasts e conteúdo multimídia.

 

Árvores nativas protegem pastos da Amazônia contra a seca e aumentam nutrientes do solo

floresta pasto

Foto: Cecília Bastos/Imagens USP

bori conteudo

Em busca de alternativas para o controle do desmatamento sem prejuízos à produção agropecuária, pesquisadores da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e do Instituto Ouro Verde (IOV) demonstraram que o uso de espécies de árvores nativas em áreas de pastagem na Amazônia não só preserva a vegetação local como beneficia a atividade, protegendo contra a seca, aprimorando assim a renovação de nutrientes e aumentando a proteção do solo. Os resultados foram publicados na última sexta-feira (17) na revista “Acta Amazonica”.

Os pesquisadores coletaram amostras de solo e forragem – plantas utilizadas para proteção e fornecimento de palha para o plantio direto e alimento para o consumo animal – sob a copa e arredores de 25 árvores pertencentes a cinco espécies. O trabalho foi feito durante uma estação seca e outra chuvosa, em áreas de assentamentos rurais nos municípios de Nova Canaã do Norte e Nova Guarita, no nordeste do estado de Mato Grosso, parte da Bacia Amazônica.

“Essas paisagens são caracterizadas por grandes extensões de pasto intercaladas com soja e vegetação nativa, o que nos levou a compreender melhor as interações entre as espécies e a atividade agropecuária”, conta Alexandre de Azevedo Olival, professor e pesquisador da UNEMAT e coautor do estudo. De acordo com Olival, ter espécies de árvores nativas como aliadas nos pastos traz múltiplos benefícios, diante da importância do controle do desmatamento, uma das fontes de emissão de gases de efeito estufa para a atmosfera.

“Além do efeito positivo frente às mudanças climáticas, é preciso considerar que a demanda mundial por alimentos vem crescendo e ampliando o domínio da agricultura sobre as paisagens vegetais tropicais, que já possuem 50% de seu território tomados pela atividade”, alerta. As pastagens são a causa final do desmatamento de dois terços das terras nos neotrópicos, região que abrange a América Central, o sul da Flórida, nos Estados Unidos, todas as ilhas do Caribe e a América do Sul. “Nosso estudo demonstra que não precisa ser assim”, avalia. Ainda de acordo com o pesquisador, o trabalho será expandido a novas espécies, em diferentes territórios.

blue compass

Este texto foi originalmente publicado pela Agência Bori [Aqui!].