Estudo revela como BNDES e Black Rock financiam a violência contra indígenas no Brasil

apib 7

Fernanda Wenzel e Pedro Papini

Entre janeiro de 2017 e junho de 2020, nove empresas associadas à invasão ou pressão sobre terras indígenas na Amazônia receberam 63,2 bilhões de dólares em investimentos. Aplicado nas companhias com a perspectiva de rentabilidade, o dinheiro acaba incentivando violações de direitos dos povos nativos da floresta, como disputa por terras, contaminação de rios, desmatamento e até violência física.

A conclusão é da terceira edição do relatório “Cumplicidade na Destruição“, produzido pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) em parceria com a ONG norte-americana Amazon Watch e lançado nesta terça-feira, 27 de outubro (quem quiser pode baixar o pdf do relatório [Aqui!]).

Os dados do estudo foram obtidos pelo observatório jornalístico De Olho Nos Ruralistas e pela instituição holandesa de pesquisa Profundo. As organizações mapearam recursos provenientes de 35 instituições financeiras em nove países diferentes, mas apenas duas são responsáveis por 26% do valor total dos investimentos: o banco estatal brasileiro BNDES, com US$ 8,5 bilhões aplicados em empresas que pressionam povos indígenas, e a BlackRock, que é maior gestora de ativos do mundo e destinou, no período, US$ 8,2 bilhões para as companhias associadas à violações de direitos na floresta.

apib 0apib 1

A JBS, maior produtora de carne do mundo e o frigorífico que apresentamaior risco de desmatamento da Amazônia em decorrência de suas operações, recebeu US$ 8,4 bilhões em investimentos, o equivalente a 15 vezes o orçamento do Ministério do Meio Ambiente previsto para 2020. É a terceira empresa favorita do mercado financeiro entre as investigadas,  atrás apenas da Vale e da Anglo American, ambas do setor de mineração.

Segundo o relatório da 2ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal, a pecuária ocupa 80% da área desmatada da Amazônia. A floresta dá lugar ao pasto, que alimenta um rebanho em franca ascensão. O número de animais na região passou de 47 milhões em 2000 para cerca de 85 milhões atualmente. Das 215 milhões de cabeça de gado contabilizadas hoje em todo o Brasil, quase 40% pastam na Amazônia – muitos deles dentro de terras indígenas, o que é ilegal, mas abastece a indústria.

Segundo os dados obtidos pelas entidades, dos US$ 8,4 bilhões investidos na JBS, quase metade – US$ 3,7 bilhões – vieram do BNDES. Oficialmente, obanco informa que suas ações valiam, em junho deste ano, R$ 12,3 bilhões, ou cerca de US$ 2,2 bilhões. O banco público é o segundo maior acionista do frigorífico, com 21,32% de participação, atrás apenas da família Batista.

“É uma contradição do BNDES. Ao mesmo tempo em que é o gestor do Fundo Amazônia, e deveria aplicar recursos para garantir a proteção ambiental, ele mesmo financia a destruição”, analisa Sônia Guajajara, da Coordenação Executiva da APIB.

apib 2

Prédio sede do BNDES no centro da cidade do Rio de Janeiro. Foto: Marcio Isensee e Sá

O terceiro maior acionista da JBS é a BlackRock, com participação minoritária (menor que 5%), mas cujos investimentos totais alcançam US$ 517,30 milhões. São 238 milhões em ações e 279 milhões em títulos de dívida, segundo o levantamento. Os dados são relativos à junho deste ano. Mas em agosto, a BlackRock informou ao ((o))ecoque mantinha US$ 332 milhões em ações da JBS, o que indica que a gestora de ativos parece estar aumentando sua fatia de participação na JBS, apesar de se apresentar como a porta-voz do investimento ambientalmente responsável no mundo.

Ao ((o))eco, a gigante financeira argumentou que não tem poder de decisão sobre essas participações, uma vez que o frigorífico integra índices do mercado financeiro que determinam a composição das carteiras de ativos ao redor do mundo. É o chamado investimento passivo,uma excelente forma de as corporações financeiras lavarem as mãossobre suas decisões de investimento.

“A BlackRock não possui uma política sobre como lidar com os investimentos que possam impactar o direito de povos indígenas. Tampouco tem se comprometido a pressionar as empresas nas quais ela investe para atuar pelo fim do desmatamento nas florestas tropicais como a Amazônia”, descreve o relatório da Apib e Amazon Watch.

 Além da JBS, a BlackRock informou ao ((o))eco que investia US$ 39 milhões na Marfrig e US$ 24 milhões na Minerva, respectivamente a 5ª e a 10ª no ranking do Imazon de risco de desmatamento e também alvos de investigações independentes que mostram como seus fornecedores indiretos criam animais ilegalmente em áreas de floresta.

O levantamento da APIB em parceria com a Amazon Watch levou em consideração, além da compra de ações, operações de crédito, como empréstimos e a compra de títulos de dívidas. Somando todos os tipos de aporte financeiro, os bancos Santander, da Espanha, e Fidelity Investments, dos Estados Unidos, superam os investimentos da BlackRock na JBS.

apib3

“Tem muito subsídio para o setor da agropecuária, então todo mundo hoje quer desmatar para plantar capim e criar gado. E se o Acordo Mercosul-União Europeia sair, vai facilitar muito mais a exportação de carne e aumentar ainda mais a pressão por espaço para criar gado”, afirma Guajajara. Assinado em junho do ano passado após duas décadas de negociação, o acordopode vir por água abaixodevido à desastrosa gestão ambiental do governo brasileiro. 

JBS abate gado criado legalmente em áreas indígenas

Segundo o relatório da Apib e da Amazon Watch, “a JBS tem estado no centro de diversas violações de direitos socioambientais e de direitos humanos na Amazônia nos últimos anos”.

Em julho, um relatório da Anistia Internacional revelou que a companhia comprou gado bovino criado ilegalmente na Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau, em Rondônia. No mês seguinte, a Agência Pública mostroucomo um pecuarista do Mato Grosso, que acumula mais de R$ 20 milhões em multas ambientais e cria gado ilegalmente dentro da Terra Indígena Kayabi, se tornou fornecedor da empresa. A situação não é nova. Em dezembro de 2018, ((o))eco havia identificado quatro fornecedores da JBS dentro da Terra Indígena Karipuna, em Rondônia.O rastreamento foi feito através da plataforma“Confiança Desde a Origem”,da própria JBS, que deveria mostrar a origem do gado abatido pelos frigoríficos da empresa em todo o Brasil.

Mas desde o ano passado, a multinacional reduziu drasticamente a transparência do sistema. Diante das novas denúncias, a pressão de investidores internacionais subiu de tom e o banco europeu Nordea chegou a retirar um investimento de R$ 240 milhões na empresa.

Como resposta, a JBS anunciou, em setembro, o compromisso de monitorar toda a sua cadeia de fornecedores até 2025. Mas Rosana Miranda, assessora de campanhas para o Brasil da Amazon Watch, lembra que a empresa tinha feito a mesma promessa em 2009. “Mais de dez anos depois, sem ter cumprido esse compromisso, a JBS se dá mais cinco anos de prazo quando estamos vivendo uma situação dramática nos biomas brasileiros. A JBS coloca muita ênfase na ideia de que o rastreamento da cadeia total de fornecedores não é feito porque é tecnicamente muito difícil. Mas todos os anos organizações da sociedade civil e agências de jornalistas independentes, com orçamentos muito menores, conseguem comprovar a existência de desmatamento dentro da cadeia de fornecedores da JBS. Então como a maior empresa de alimentos do mundo não consegue fazer isso?”, questiona.

De fato, ((o))eco mostrou que as ferramentas para monitoramento do rebanho brasileiro – do nascimento ao abate – já existem, embora ainda não conversem entre si.

Agro, mineração e energia são setores críticos

apib 4

Para identificar as empresas com maiores conflitos juntos aos povos indígenas no Brasil, a equipe do De Olho Nos Ruralistas analisou centenas de processos judiciais e fez uma série de entrevistas com associações e lideranças indígenas. Foram encontrados 797 casos judicializados envolvendo questões como contestação sobre demarcação, desapropriação e indenização por danos ambientais ou morais. Onze empresas estavam frequentemente associadas a estes conflitos, mas a Profundo só conseguiu levantar informações financeiras de nove delas.

Quatro destas empresas pertencem ao setor de mineração. A principal delas é a Vale, companhia que mais recebeu aportes de instituições financeiras segundo a análise da Profundo. O maior foco de conflitos da mineradora com povos indígenas se dá no Complexo de Carajás, o maior projeto de extração de minério de ferro do mundo, localizado no Pará. Laudos técnicos já comprovaram que a atuação da Vale na região levou à contaminação do Rio Cateté, principal fonte de água dos indígenas Xikrin. A empresa não paralisou as atividades mesmo durante a pandemia de coronavírus, o que foi apontado pelos indígenas como um dos fatores que levou este povo a ser um dos mais afetados pela doença no Pará

No mesmo setor, aparecem ainda as empresas Anglo American, com sede no Reino Unido, a canadense Belo Sun e a brasileira Potássio do Brasil.

Na área de energia, o relatório destaca as companhias Energisa Mato Grosso, Bom Futuro Energia, Equatorial Energia Maranhão e Eletronorte. A Equatorial Energia Maranhão (antiga Companhia Energética do Maranhão, a Cemar), esteve envolvida em um dos casos mais trágicos de violência contra indígenas no Brasil. Foi em 2017, quando indígenas Akroá-Gamellativeram as mãos decepadas. Segundo o relatório, as tensões locais que levaram a esse crime foram acirradas pelo projeto da empresa de instalação da linha de transmissão Miranda do Norte-Três Marias, com impactos no território Akroá-Gamella – uma etnia que busca há quatro décadas a demarcação de suas terras no Maranhão.

Segundo o levantamento da Profundo, a empresa recebeu US$ 346,6 milhões do banco espanhol Santander e tem entre seus principais acionistas a BlackRock, o Canada Pension Plan Investment Board (conhecida como CPP, é a empresa que adminsitra os fundos de pensão do Canadá), o fundo de pensão do governo da Noruega, a instituição financeira norte-americana Vanguard e a gestora de ativos britânica Schroders.

A Reserva Extrativista Jaci-Paraná, em Rondônia, tem 50% de sua área ocupada ilegalmente por fazendas para produção pecuária. Foto: Marcio Isensee e Sá

No setor do agronegócio, além da JBS aparecem a Cargill e a Cosan S.A. A Cargill é uma das maiores traders de commodities do planeta, com receita líquida de R$ 50 bilhões no Brasil em 2019. No Pará, a atuação da Cargill na região do Tapajós – incluindo a construção de um complexo de portos para escoamento de grãos – é apontada como um fator decisivo para a expansão da soja e a consequente pressão sobre as Terras Indígenas. Um exemplo é o do Território Indígena Munduruku do Planalto Santareno, cercado por propriedades de soja, milho, sorgo e fazendas de pecuária. Segundo o relatório, os indígenas são alvo constante de ameaças por fazendeiros e grileiros da região e sofrem com os impactos dos agrotóxicos em suas lavouras e com a contaminação e assoreamento de rios e igarapés.

Segundo Rosana Miranda, da Amazon Watch, cada um destes setores atinge de forma diferente os povos indígenas. No caso da mineração, a pressão se dá principalmente pelos requerimentos de pesquisa dentro dos territórios tradicionais e, em casos extremos, até mesmo atividades de prospecção ilegais dentro destes territórios. O estudo destaca que os processos de exploração minerária em Terras Indígenas da Amazônia cresceram 91% desde o início do governo Bolsonaro. Um movimento estimulado por iniciativas como a PL 191/2020, que libera a mineração e o garimpo em Terras Indígenas. O projeto, apresentado pelo governo federal, pode ser votado a qualquer momento na Câmara.

“Outro eixo de pressão desses setores é o incentivo direto e indireto a atores locais como grileiros ou garimpeiros ilegais. Há também a omissão pela falta de controle sobre sua cadeia de fornecedores, que é o caso da JBS. Destaca-se ainda o desrespeito sistemático à legislação que protege as terras e direitos indígenas, principalmente o direito à consulta prévia livre e informada no caso de empreendimentos que impactem estes territórios”, conclui Miranda.

Para Miranda, os grandes investidores internacionais ganham ainda mais relevância diante do desmonte da política ambiental brasileira. “Esses investidores e grandes corporações financeiras têm o poder de incentivar ou moderar certos posicionamentos do governo brasileiro. Essas empresas têm uma responsabilidade, muitas delas assumiram compromissos públicos de políticas socioambientais e de mudanças climáticas, e os dados que trazemos mostram que estas políticas não estão sendo cumpridas”.

*Crédito da foto de destaque: Indígena Munduruku durante evento de mobilização contra a construção das hidrelétricas no Rio Tapajós em 2015. Marcio Isensee e Sá /Agência Pública.

apib 6

fecho

Esta reportagem foi inicialmente publicada pelo ((o))eco  que é feito pela Associação O Eco, uma ONG brasileira que se preza por não ter fins lucrativos nem vinculação com partidos políticos, empresas ou qualquer tipo de grupo de interesse [Aqui!].

O Governo Merkel ignora violações de direitos humanos no Brasil com olho no acordo da EU com o Mercosul

Grupo parlamentar de esquerda faz uma “questão menor” sobre a situação dos direitos humanos no Brasil. O governo Merkel respondeu que “não tem conhecimento”

bolso alemanhaO presidente de direita do Brasil, Jair Bolsonaro, e o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, em abril de 2019. Na época como agora, os direitos humanos não são um problema. Marcos Corrêa/PR

Por Mario Schenk para o Amerika21

Nas relações germano-brasileiras, o governo alemão está aparentemente ignorando as violações de direitos humanos no país sul-americano para não comprometer o acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul. No entanto, ela está visivelmente relutante em criticar o presidente extremista de direita Jair Bolsonaro. Isso fica claro a partir da resposta do governo federal em 2 de outubro a uma “pequena questão” do grupo parlamentar de esquerda.

Vários parlamentares do partido Die Linke perguntaram ao governo que conhecimento eles tinham sobre as violações dos direitos humanos em geral e sobre o governo de Bolsonaro desde o início da crise do coronavírus. Eles também perguntaram como o governo alemão avalia a política de saúde e que medidas tomou para apoiar os grupos indígenas e economicamente desfavorecidos da população que estão particularmente sob risco de pandemia.

O Governo Merkel, portanto, “não tem conhecimento” sobre a impunidade das violações de direitos humanos durante a crise do coronavírus. Esta avaliação pode surpreender, tendo em vista os inúmeros relatos de descumprimento da proteção e ataques impunes a povos indígenas por madeireiros ou a população negra e pobre por parte das autoridades de segurança. A polícia continuou suas operações nas favelas nos tempos do coronavírus, embora tenham sido proibidas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por causa da pandemia. Como resultado, o número de vítimas de violência policial fatal nas favelas ao redor do Rio de Janeiro em abril aumentou 43% em comparação com o ano anterior. 80% deles eram negros, informou a Deutsche Welle no início de junho.

Além disso, o Relator Especial das Nações Unidas sobre Toxinas e Direitos Humanos, Baskut Tuncak, recomendou ao Conselho de Direitos Humanos da ONU no início de setembro que uma “investigação internacional independente da atual situação dos direitos humanos no Brasil com foco especial no meio ambiente, saúde pública, direitos trabalhistas e defensores dos direitos humanos” seja iniciada. O governo Bolsonaro não está cumprindo seu mandato de proteção aos povos indígenas e ambientalistas e está aceitando vítimas da pandemia corona , segundo relatório da ONU.

O Itamaraty parece ter recebido este relatório com desinteresse. Correspondentemente, o porta-voz dos direitos humanos do grupo parlamentar de esquerda, Michel Brandt,  associou ao governo federal  da Alemanha uma “indiferença à situação dos direitos humanos no Brasil”.

Apenas o desmatamento ilegal na Amazônia é visto por Berlim “com grande preocupação”, como mostra a resposta do governo Merkel. Para tal, mantém um “diálogo político estreito e contínuo” com os ministérios e autoridades responsáveis.

No entanto, Berlim não critica a política de saúde do governo Bolsonaro. É amplamente conhecido que Jair Blsonaro minimiza o coronavírus até hoje, e recusou-se a tomar medidas contra a pandemia, tendo torpedeado as exigências locais e estaduais, como restrições de contato. Os críticos de Bolsonaro o acusam de ter contribuído significativamente para o fato de mais de cinco milhões de brasileiros já estarem infectados com o coronavírus e mais de 150 mil pessoas terem morrido em decorrência do vírus.

Recentemente, um estudo mostrou uma conexão entre as altas taxas de infecção nos municípios e os altos índices de aprovação do Bolsonaro. Seus partidários freqüentemente seguem a retórica do presidente e deliberadamente violam as regras impostas localmente. O estudo ainda falava do “Efeito Bolsonaro”.

Independentemente disso, o governo Merkel chegou à avaliação de que “o governo brasileiro tomou medidas durante a crise da COVID-19 para melhor preparar e equipar adequadamente o sistema público de saúde para o combate à pandemia”.

A minimização da situação no Brasil pelo governo alemão segue um cálculo: “Em vez de combater as violações dos direitos humanos pelo governo Bolsonaro e identificar claramente as significativas consequências sociais e de sanitários do coronavírus para a população brasileira, o governo Merkel prefere se ater aos interesses econômicos” ,  concluiu o político de esquerda Brandt. Quando se trata de proteger os interesses das indústrias automotiva, química e de carne alemãs, eles colocam as questões ambientais e de direitos humanos em segundo lugar. Porque com a mesma “grande preocupação” que o governo tem a ver com a a crescente rejeição dos parceiros europeus ao acordo UE-Mercosul.

Quando a pandemia do coronavírus se alastrou de forma particularmente grave na América Latina em junho, o ministro das Relações Exteriores, Heiko Maas, exortou os 26 países latino-americanos e caribenhos a fortalecerem as relações econômicas e a implementarem rapidamente o acordo UE-Mercosul. Diante da crise econômica associadaao coronavírus, este acordo comercial é “um elemento muito importante” para superá-la, segundo Maas.

A resposta do Governo alemão mostra que este reluta em criticar as violações dos direitos humanos, quando os interesses econômicos essenciais são afetados. “Claro, Maas não pode admitir publicamente que se trata de proteger os mercados de vendas dos produtos alemães”. Em vez disso, ele prefere justificar seu comportamento paciente sob o pretexto de um diálogo necessário, disse a porta-voz da política de desenvolvimento da facção de esquerda, Helin Evrim Sommer, à Amerika21. Durante a visita de Estado a Maas em abril de 2019, o tema da proteção dos direitos humanos só apareceu marginalmente na declaração final conjunta , ao contrário do que foi anunciado previamente , critica Sommer.

fecho

Este artigo foi escrito inicialmente em alemão e publicado pelo Amerika21 [Aqui!].

Chico Rodrigues, o senador do dinheiro na cueca, defende garimpos em terras indígenas e o fim da reserva legal

rodriguesPego com dinheiro na cueca, o senador Chico Rodrigues (DEM/RR) defende a liberação dos garimpos em terras indígenas e a extinção das reservas legais em propriedades rurais. Moreira Mariz/Agência Senado. Fonte: Agência Senado

Em uma prova de que não há acidente nas relações publicamente amáveis entre o presidente Jair Bolsonaro e o agora envergonhado senador Chico Rodrigues (DEM/RR), fontes confiáveis da área ambiental o apontam como um ardoroso militante das causas anti-ambiente, incluindo a defesa dos garimpos ilegais em terras indígenas e do avanço do desmatamento.

No vídeo abaixo produzido pela TV Senado, Rodrigues dá vazão às teses que negam a dimensão da catástrofe ambiental em curso na Amazônia, bem como utiliza o mesmo tipo de nacionalismo canhestro para negar o direito da comunidade internacional em se preocupar com as questões ambientais brasileiras.

Como se vê no vídeo, Chico Rodrigues é uma pessoa bastante articulada e que se posiciona de forma clara. Essa loquacidade serve para desmanchar qualquer propensão a tratar a apreensão de dinheiro nas partes íntimas do senador pela Polícia Federal como o resultado da ação destrambelhada de uma pessoa tosca.  Me desculpem pelo trocadilho infame, mas o buraco parece ser mais embaixo. Na verdade, Rodrigues tem sido um dos mais fiéis e ativos aliados do presidente Jair Bolsonaro e sua cruzada contra o meio ambiente e os povos indígenas na Amazônia. De tosco, na verdade, ele não tem nada. Ser apanhado com dinheiro nas partes íntimas posteriores foi apenas, digamos, um acidente de percurso.

Chico RodriguesO presidente Jair Bolsonaro e o senador Chico Rodrigues em um momento de congraçamento público

Mas uma coisa positiva nesse imbróglio lamentável será o enfraquecimento político de um adversário das causas ambientais na Amazônia.  Isso torna a ação da Polícia Federal um serviço inestimável não apenas ao combate à corrupção, mas também à defesa do meio ambiente na Amazônia.

Acordo Mercosul-EU teria efeitos devastadores

amazon-1

 

Por Markus Kröger

Apesar da oposição de muitos países da União Europeia (UE), agricultores e cidadãos, a Comissão Europeia está atualmente tentando obter o Acordo de Livre Comércio UE-Mercosul por maioria qualificada, independentemente de os parlamentos de todos os países da UE ratificarem o acordo.

No entanto, esse acordo comercial com o Mercosul, formado por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, teria efeitos negativos importantes e não deveria ser aceito.

O acordo liberalizaria 82% das importações agrícolas da UE e daria ao resto do Mercosul acesso parcial com isenção de direitos. Isso significaria maiores incentivos e uma compulsão prática direta para os produtores expandirem a produção de forma insustentável. A estimativa é que as importações de carne suína e bovina, por exemplo, dobrem com o acordo.

Não é realista supor que qualquer acordo político poderia controlar como a produção realmente se espalharia na região do Mercosul. Mesmo os melhores sistemas de certificação ou monitoramento não podem garantir que, por exemplo, a carne não seja produzida na Amazônia e outras áreas florestais.

As possibilidades de fiscalização dos métodos de produção registradas no contrato são muito limitadas. A responsabilidade pelos relatórios e pela ética da produção é reservada ao exportador: mesmo que as fazendas individuais pudessem estar sujeitas à proibição de importação, na prática um acordo de livre comércio tornaria mais difícil resolver os problemas de produção.

O acordo também aumentaria dramaticamente as cotas de importação de etanol para a UE. Isso é particularmente preocupante, visto que a expansão das plantações de soja na Amazônia é atualmente impulsionada pela receita adicional do etanol de milho.

No passado, o milho era uma planta de cobertura morta cujo cultivo cobria apenas as despesas. A construção generalizada de silos de etanol na Amazônia e em outros lugares levou à necessidade de expandir os campos de soja e milho mais rapidamente.

As atuais importações de ração de soja – e carne – de estados brasileiros como Mato Grosso para a UE são as principais razões pelas quais tanta floresta está sendo queimada em todo o Brasil.

As plantações de etanol de cana-de-açúcar e eucalipto, que se beneficiam da redução das tarifas do etanol e da expansão de sua produção, são altamente destrutivas para o solo e famosas por suas violações aos direitos humanos. Isso já levou ao desmatamento e a mais conflitos de terra flagrantes com povos indígenas e agricultores familiares.

O acordo também significaria alimentos mais saudáveis ​​para a UE e uma redução nas condições para a produção local de alimentos, já que o acordo permite padrões duplos.

Os países do Mercosul, especialmente o Brasil, não precisam cumprir a lei na prática da mesma forma que os países da UE.

Em 2019, mais de 500 novos agrotóxicos foram aprovados no Brasil, muitos dos quais são proibidos na UE. O mesmo ritmo continuou este ano. O acordo aumentaria a pressão para permitir que produtos GM no mercado da UE para consumo humano e produção.

É claro que o acordo não beneficiaria o Mercosul. Eles estariam cada vez mais presos como países exportadores de matérias-primas básicas produzidas da maneira mais barata e, portanto, mais destrutiva possível, em vez de serem capazes de desenvolver suas próprias indústrias ou setores de serviços de maior valor agregado.

Os pesquisadores estimam que grande parte das demais plantas industriais do Mercosul, como fábricas de automóveis, seriam fechadas pelo acordo. A expansão da agricultura de plantation não trará mais empregos, mas os reduzirá. Isso, por sua vez, levaria à emigração descontrolada e à favelização de agricultores familiares.

Os efeitos imediatos do acordo seriam o colapso das receitas de exportação do Mercosul, já que o acordo proibiria tarifas de exportação. Por exemplo, cerca de metade das tarifas de exportação da Argentina vieram de tarifas de exportação de soja substanciais. Da mesma forma, o Paraguai recebe grandes receitas de tarifas de exportação.

Para que os estados recebam a mesma receita tributária de antes, eles inevitavelmente teriam que aumentar o volume de produção. Seria virtualmente impossível prescindir de extensos danos ambientais, violações dos direitos humanos e degradação das condições de trabalho.

O acordo promove os interesses de curto prazo da elite dos grandes proprietários de terras da América do Sul e do agronegócio global, bem como os interesses de algumas grandes empresas exportadoras da UE. Por estas razões, a oposição ao acordo aumentou tanto entre os cidadãos e agricultores da UE e do Mercosul.

Os danos ambientais decorrentes do acordo enfraqueceriam a produção agrícola e agravariam a crise climática, o que seria contrário aos interesses de longo prazo de todos.

Markus Kröger Professor Assistente de Estudos de Desenvolvimento Global e Pesquisador da Academia da Universidade de Helsinque.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em finlândes e publicado pelo jornal Maaseudun Tulevaisuus [  ].

Estudo mostra que a degradação florestal supera o desmatamento na Amazônia brasileira

logging

  • As taxas de desmatamento na Amazônia brasileira diminuíram e permaneceram abaixo de seu pico de 2003, apesar dos aumentos recentes. No entanto, esse declínio foi compensado por uma tendência de aumento da degradação florestal, de acordo com uma análise de 23 anos de dados de satélite. Em 2014, a taxa de degradação ultrapassou o desmatamento, impulsionada pelo aumento da extração de madeira e queimadas no sub-bosque.
  • Durante o período de estudo de 1992-2014, 337.427 quilômetros quadrados sofreram perda de vegetação, em comparação com 308.311 quilômetros quadrados completamente desmatados, uma descoberta que tem sérias implicações para as emissões globais de gases de efeito estufa e perda de biodiversidade.
  • A degradação florestal tem sido associada a surtos de doenças infecciosas como resultado do aumento do contato entre humanos e vida selvagem deslocada. A degradação também pode facilitar o surgimento de novas doenças e alguns especialistas alertam que a Amazônia pode ser a fonte da próxima pandemia.
  • Essas descobertas podem ter implicações importantes para os compromissos nacionais brasileiros com o Acordo do Clima de Paris, bem como acordos e iniciativas internacionais como as Metas de Biodiversidade de Aichi e REDD +, que dependem do monitoramento da degradação florestal.

deltaEstudo recente analisou mais de 1.200 imagens de satélite para mapear a degradação florestal em toda a Amazônia brasileira. Imagem da europeanspaceagency em Visualhunt / CC BY-SA.

Por Claire Asher para Mongabay

A área total da floresta amazônica brasileira que foi degradada – por corte seletivo, queima de sub-bosque, bordas de floresta e fragmentação – é maior do que a área total desmatada, de acordo com um estudo recente publicado na revista Science .

Durante o período de estudo de 1992-2014, 337.427 quilômetros quadrados (130.000 milhas quadradas) sofreram uma perda de vegetação, em comparação com 308.311 quilômetros quadrados (119.000 milhas quadradas) que foram completamente desmatados para madeira ou pastagens, uma descoberta que tem sérias implicações para o efeito estufa global emissões de gases e perda de biodiversidade.

Eraldo Matricardi da Universidade de Brasília e David Skole da Michigan State University lideraram uma equipe internacional de pesquisadores na análise de 23 anos de dados de satélite cobrindo toda a Amazônia brasileira para mapear áreas de desmatamento e degradação. Eles analisaram os espectros de luz em cada pixel de 1.200 imagens do satélite Landsat, cada uma representando 30 metros (98 pés) quadrados de floresta, para determinar a proporção de vegetação verde e, portanto, a extensão da degradação.

“A luz refletida em qualquer pixel é a combinação de luz do solo nu, vegetação fotossintética e vegetação não fotossintética [como] os caules e galhos das árvores”, explicou Skole. Estimar a fração de vegetação verde em cada pixel permitiu à equipe visualizar a degradação florestal em grande escala. A equipe mapeou a degradação causada como uma consequência direta do desmatamento (como efeitos de borda e fragmentação), bem como degradação florestal indireta (como corte seletivo e queimadas no sub-bosque) e conversão completa da terra para madeira, pastagens, terras agrícolas ou outras atividades humanas.

Os pesquisadores usaram imagens de satélite para mapear áreas de floresta intacta, terras desmatadas e florestas degradadas em toda a Amazônia brasileira. Imagem de Jay Samek.

A análise confirmou que as taxas de desmatamento diminuíram de um pico de 29.000 km2 (11.000 milhas quadradas) por ano em 2003 para 6.000 km2 (2.300 milhas quadradas) por ano até 2014.

No entanto, esse declínio do desmatamento foi compensado por uma tendência de aumento da degradação florestal e, em 2014, a taxa de degradação ultrapassou o desmatamento – em grande parte impulsionada por um aumento na extração de madeira e queimadas no sub-bosque. Durante o período de estudo de 23 anos, por exemplo, a taxa anual de corte seletivo aumentou 270%.

Cerca de 40% da degradação florestal foi causada pela extração intensiva de madeira e queimadas no sub-bosque, enquanto 60% resultou de efeitos de borda e fragmentação florestal. No entanto, o crescimento das bordas e fragmentos diminuiu ao longo do tempo com a diminuição das taxas de desmatamento e conforme bolsões isolados de desmatamento se fundiram, reduzindo o tamanho das margens da floresta e engolindo fragmentos de floresta.

A degradação da floresta por incêndios e extração seletiva foi persistente na paisagem por longos períodos de tempo, ao invés de ser substituída por outras formas de degradação ou desmatamento completo. “A área afetada pela degradação é de 10% da área total da Amazônia e, ao contrário do senso comum, uma parte considerável dessa degradação não levou ao desmatamento total”, disse Marcos Pedlowski, da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro em Brasil, coautor do estudo.

Os dados também revelaram uma grande mudança geográfica na perturbação florestal – a extração seletiva está se movendo para o oeste, longe do “arco do desmatamento” histórico nos estados do Pará, Mato Grosso e Rondônia no leste da Amazônia. Esta mudança parece não ser “afetada por políticas, regulamentos ou mitigação e, portanto, é provável que apenas aumente em importância”, disse Skole.

Ao analisar as propriedades espectrais de cada imagem de satélite, a equipe conseguiu calcular a porcentagem de vegetação verde em cada pixel, revelando uma degradação florestal que geralmente é extremamente difícil de detectar. Imagem de Jay Samek.

Peça faltando no quebra-cabeça

Acordos e iniciativas internacionais contam não apenas com o monitoramento do desmatamento, mas também da degradação florestal. Portanto, os resultados do novo estudo podem ter grande significado para as Metas de Biodiversidade de Aichi da Convenção sobre Diversidade Biológica, para o programa de compensação de carbono da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima por Desmatamento e Degradação Florestal (REDD +) e para o Desafio de Bonn da IUCN.

“Simplesmente de um ponto de vista de monitoramento, relatório e verificação, os requisitos e compromissos de relatórios brasileiros … com relação a REDD + significariam que eles teriam que começar a levar em consideração a degradação”, disse Skole.

As descobertas também podem ter implicações importantes para a contagem das emissões globais de gases de efeito estufa e os compromissos nacionais do Brasil com o Acordo do Clima de Paris. “As florestas da Amazônia brasileira armazenam aproximadamente 25% do carbono contido acima do solo em todas as florestas tropicais do mundo, tornando seu papel no ciclo global do carbono e na regulação do clima inquestionavelmente significativo”, disse Wayne Walker, Diretor do Programa de Carbono da Woodwell Climate Research Center (anteriormente Woods Hole Research Center em Maine, EUA), que não estava envolvido no estudo.

“Esses resultados, que são amplamente consistentes com nossas próprias descobertas, fornecem mais uma confirmação de que o foco histórico no Brasil no monitoramento do desmatamento resultou em uma subestimação significativa das emissões de carbono florestal”, acrescentou Walker. Ele acredita que “proteger as florestas intactas da degradação e, ao mesmo tempo, estimular a recuperação das florestas degradadas deve ser um componente fundamental de qualquer estratégia nacional abrangente de mitigação do clima”.

Pedlowski alerta que “a situação atual provavelmente é pior do que mostramos em nosso trabalho [que só analisou a degradação florestal até 2014], principalmente pelo maior número de incêndios ocorridos em 2019 e 2020, e como mostramos o fogo é um fator significativo de degradação florestal. ”

A extração seletiva, que remove árvores específicas para obtenção de madeira sem derrubar toda a floresta, é uma forma de degradação florestal detectada. Imagem de David Skole.
Os incêndios no sub-bosque são uma forma de degradação florestal indireta, que tende a ocorrer independentemente do desmatamento. Esses incêndios podem ser provocados acidentalmente ou por queimadas rotineiras de pastagens, embora também possam ser causados ​​por grilagem de terras. Os incêndios florestais no Brasil têm aumentado em frequência e severidade nos últimos anos, associados a condições mais quentes e secas devido às mudanças climáticas. Imagem de David Skole.

Empurrando a Amazônia para mais perto de seu ponto de inflexão

A degradação da floresta, além de ser um fator-chave nas emissões de carbono, também foi associada a mudanças na ciclagem de água e nutrientes que, segundo especialistas, podem levar a Amazônia a um ponto de inflexão ecológica de floresta tropical a savana degradada .

Somando a degradação florestal mapeada neste estudo à equação, “o limite para o chamado ponto de inflexão está muito mais próximo do que a comunidade científica estimou até agora”, disse Pedlowski. “Se quisermos evitar [o ponto de inflexão], controlar a degradação florestal será tão importante quanto controlar o desmatamento.”

A degradação florestal também tem sido associada a surtos mais frequentes de doenças infecciosas , resultantes do aumento do contato entre humanos e vida selvagem deslocada. Por exemplo, um estudo do ano passado descobriu que um aumento de 10% no desmatamento na Amazônia brasileira estava relacionado a um aumento de 3,3%nos casos de malária . “Todo mundo sabe há muito tempo a influência da degradação e fragmentação florestal em coisas como a malária”, disse Skole.

Além disso, o aumento do contato entre humanos e animais selvagens pode levar ao surgimento de novas doenças infecciosas, levando alguns especialistas a alertar que a Amazônia pode ser a fonte da próxima pandemia global .

Um dossel de floresta fechada no Brasil antes da extração seletiva (imagem superior) e após a extração seletiva (imagem inferior). Imagem de Eraldo Matricardi.

Destruição negligenciada

Apesar dos impactos generalizados e potencialmente terríveis sobre o clima, a biodiversidade e a saúde pública, a degradação das florestas amazônicas tem sido historicamente negligenciada por políticos, ativistas e até cientistas, em parte porque é muito mais difícil de detectar do que o desmatamento em massa. “A degradação florestal é particularmente difícil de estimar e não se pode gerenciar o que não se pode medir”, disse Walker.

“Por muito tempo até mesmo a comunidade científica não estava realmente olhando para a degradação com força suficiente do ponto de vista quantitativo do monitoramento”, concordou Skole. A nova análise fornece uma linha de base para o monitoramento de longo prazo da degradação florestal que pode informar a política nacional brasileira e permitir o rastreamento do progresso em direção às metas internacionais de clima e biodiversidade.

No entanto, Pedlowski adverte que a atual abordagem de “mãos livres” do governo brasileiro sob o presidente Jair Bolsonaro transformou a Amazônia em um “oeste selvagem”, o que pode levar a um desmatamento e degradação muito mais severos.

Para evitar esse potencial desastre ecológico, “o primeiro passo é restabelecer as ferramentas de comando e controle que foram desmanteladas pelo governo Bolsonaro, e impedir o enfraquecimento de órgãos importantes como o IBAMA [órgão de proteção ambiental do Brasil], o ICMBio [seu administrador de parques nacionais] e o INPE [instituição para assuntos indígenas] ”, disse Pedlowski.

As agências ambientais brasileiras estão sujeitas a desinvestimentos e desregulamentação sob a direção de ex-oficiais da polícia militar recém-instalados, trazidos pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e outros. “Sem essas agências funcionando corretamente … não há como conter o avanço do desmatamento e da degradação da Amazônia brasileira”, acrescentou.

Pedlowski diz que conservar a Amazônia exigirá uma mudança na mentalidade do Brasil, longe da visão de que proteger e restaurar florestas é um entrave ao progresso econômico, quando na verdade o oposto é verdadeiro. “Quando queimamos um único metro de floresta amazônica, desperdiçamos uma quantidade incrível de riquezas”, alertou.

Citação:

Matricardi, EAT, Skole, DL, Costa, OB, Pedlowski, MA, Samek, JH, & Miguel, EP (2020). A degradação florestal de longo prazo supera o desmatamento na Amazônia brasileira . Science ,  369 (6509), 1378-1382.

Imagem do banner : Florestas desmatadas por exploração madeireira são claramente visíveis em imagens de satélite, mas a perda de vegetação nas bordas da floresta e abaixo do dossel pode se estender por centenas de metros, ou até mais longe, na floresta circundante. Imagem de  quapan  em  Visual Hunt  /  CC BY.

fecho

Este artigo foi inicialmente escrito em inglês e publicado pela Mongabay [Aqui!].

O delírio do capitão motosserra

nyt 0

Por 

O Sr. Arnold é o autor de “A Terceira Margem do Rio: Poder e Sobrevivência na Amazônia do Século XXI”.

Este artigo faz parte da série Opinião A Amazônia Viu o Nosso Futuro , sobre como os povos da região vivem as versões mais extremas dos problemas do nosso planeta.

Em meio a conflitos políticos e fumaça visível do espaço, o futuro da Amazônia raramente foi tão nebuloso. Ambientalistas veem uma floresta tropical desaparecendo de conseqüências globais. Líderes indígenas veem uma casa ancestral ainda sendo explorada por colonos após 500 anos de violência genocida. O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, vê uma área valiosa desperdiçada por homens das cavernas” e marxistas.

Sessenta por cento da maior floresta tropical do mundo está dentro das fronteiras do Brasil e, desde 2006, viajei milhares de quilômetros na Amazônia, testemunhando como o rio e seu povo passaram por um século de mudanças ecológicas e culturais em uma geração. Por algumas semanas no ano passado, incêndios que bateram recordes na região chamaram a atenção do mundo com uma intensidade que lembra as campanhas de Salve a Floresta da década de 1980, mas este ano, a terra está queimando durante uma pandemia que interrompeu viagens, prejudicou o ambiente esforços de proteção e incentivou mineiros, madeireiros e fazendeiros a invadir terras indígenas com impunidade.

nyt 1Crédito: Amanda Perobelli / Reuters

Nesta primavera, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, foi capturado em um vídeo instando Bolsonaro a usar a distração do coronavírus como uma cobertura para afrouxar as regulamentações ambientais. “Precisamos fazer um esforço aqui neste período de calmaria em termos de cobertura da imprensa porque as pessoas estão falando apenas sobre a COVID-19”, disse ele, enquanto valas comuns eram cavadas para vítimas do coronavírus em Manaus, capital do Estado do Amazonas.

Bolsonaro, que no mês passado culpou “camponeses e índios” pelos incêndios florestais, encarna a história brutal da Amazônia. “Capitão Motosserra”, como ele se autointitulou presunçosamente , passou seus anos de formação como paraquedista do Exército, idolatrando os generais e autocratas da ditadura apoiada pelos Estados Unidos que governou o Brasil de 1964 a 1985.

Durante o “Milagre Econômico” do Brasil na década de 1970, o presidente militar Emílio Médici proclamou a Amazônia “uma terra sem homens para homens sem terra”, sugerindo que sua selva não desenvolvida e tribos instáveis ​​eram ao mesmo tempo a causa – e a solução – do Brasil desgraças. “Precisamos iniciar o relógio da Amazônia”, escreveu ele em 1971, instando o Brasil a compensar o tempo perdido abrindo a rodovia Transamazônica de 3.400 milhas que passa pelo coração da floresta. Brasileiros do Nordeste assolado pela seca poderiam começar uma nova vida ao longo da rodovia, resolvendo “o problema indígena” ao longo do caminho.

Para os migrantes que atenderam ao chamado do Sr. Médici, o caminho para a salvação terminou em fome. O rico solo superficial de seus terrenos recém-desmatados foi arrastado por chuvas torrenciais. A maioria foi forçada a abandonar seus sonhos, mas não antes que inúmeras tribos fossem massacradas, devastadas por doenças ou realocadas à força, às vezes minutos antes da chegada dos tratores.

nyt 2Crédito: Arquivo Bettmann / Imagens Getty

nyt 3Leo Correa / Associated Press

Décadas depois, milhares de estradas, estrondeando com caminhões madeireiros e reboques de gado, espinha de peixe na floresta tropical na espinha da Transamazônica e rodovias semelhantes. Ao longo da delicada bacia hidrográfica do Amazonas – responsável por mais de 15% das descargas dos rios do planeta nos oceanos – gasodutos e hidrelétricas bombeiam energia para cidades em todo o Brasil. Fazendas industriais enviam bilhões de dólares em carne bovina e soja para um mundo faminto. Manaus hospeda fabricantes multinacionais como Harley Davidson e Samsung ao lado de laboratórios de biotecnologia e universidades que são faróis de pesquisa na floresta tropical.

Trinta milhões de pessoas vivem na bacia amazônica – mais do que as populações dos cinco países nórdicos juntos. Eles incluem povos indígenas, migrantes de todo o Brasil e imigrantes de todo o mundo. No entanto, Bolsonaro gostaria que você acreditasse que a Amazônia é uma selva indomada. Seus apelos por novas estradas, represas, minas e fazendas pintam uma falsa escolha – salvar os brasileiros, ou salvar a floresta tropical – que ignora o fato de que o Brasil tem desenvolvido agressivamente a Amazônia desde o início da Revolução Industrial.

Com o aquecimento do planeta nas próximas décadas, a Amazônia se tornará um berço de descobertas humanas ou uma cena de crime ecológico. A questão para o século 21 não é como extrair mais matéria-prima da floresta, mas como capacitar seu povo a viver de forma sustentável na floresta, da maneira que os indígenas brasileiros faziam antes que os europeus cometessem genocídio no continente.

A Amazônia nunca foi uma terra “sem homens”. Quando um bergantim espanhol navegou pela primeira vez ao longo do rio em 1542, a bacia era o lar de pelo menos oito milhões de pessoas que praticavam a agricultura em grande escala que aproveitava o ciclo natural das águas subindo e descendo.

Armas e armaduras eram de pouca utilidade na floresta. À beira da fome, os espanhóis, portugueses e outros colonizadores dependeram dos povos indígenas para sobreviver, retribuindo essa generosidade com violência. Como na América do Norte, ondas de colonos trataram as tribos como subumanas, mesmo quando exigiram seu trabalho e conhecimento em nome da coroa.

Varíola eviscerou cidades indígenas. Tribos que escaparam de doenças foram capturadas como escravas, frequentemente realocadas para as capitais do sul do Brasil por “bandeirantes” selvagens cujas façanhas foram elevadas ao mito nacional. Outras tribos foram reassentadas em cidades modelo governadas por clérigos ou diretores brancos que os obrigavam a usar roupas, adotar o cristianismo e se casar com seus colonizadores.

nyt 4Biblioteca do Congresso

Algumas tribos fugiram rio acima, apenas para serem capturadas gerações depois, durante o boom da borracha. O Ministério das Relações Exteriores britânico enviou um inspetor, Sir Roger Casement, que havia investigado a brutalidade do rei Leopoldo II no rio Congo, para relatar as acusações de abuso trabalhista. Depois de testemunhar um sistema de cotas de borracha que dependia de amputação progressiva, tortura e estupro para estimular a produção, Sir Roger usou uma nova frase, “crimes contra a humanidade”.

O colapso da indústria da borracha brasileira – depois que um inglês contrabandeou mudas de borracha para a Europa em 1876 – desacelerou as atrocidades, mas não por muito tempo.

Na primeira metade do século 20, o Brasil construiu estradas, linhas telegráficas, portos e pistas de pouso para integrar a floresta tropical ao resto do país, abrindo caminho para “Ordem e Progresso”. Fronteiros como Cândido Rondon e os irmãos Villas Bôas lutaram para proteger os indígenas, mas o Serviço de Proteção aos Índios do Brasil acabou sendo corrompido por burocratas e especuladores.

nyt 5Cortesia Noel Villas Bôas

Na década de 1960, à medida que pistas de pouso foram construídas na Amazônia, alguns exploradores erradicaram tribos usando táticas de guerra, atraindo-as para clareiras – jogando açúcar e outros presentes – e depois bombardeando-as com dinamite. Os corpos foram enterrados ao longo do rio enquanto grileiros abriam caminho para o interior.

Sempre que essas histórias de pestilência e matança são saneadas, as histórias de resistência indígena são apagadas. Os brasileiros glorificam a lenda do cacique Manau Ajuricaba, que preferiu a morte à escravidão, mas a morte não pode ser o único caminho para a liberdade indígena no imaginário brasileiro.

Nas décadas de 1960 e 1970, tribos se organizaram para preservar suas terras e patrimônio com o apoio de ativistas e do clero do Movimento de Teologia da Libertação. Na década de 1980, quando as hidrelétricas ameaçaram o rio Xingu, uma indígena, Tuira Kayapó, encostou seu facão no rosto de um engenheiro hidrelétrico , alertando sua empresa para que saísse da terra.

Os direitos indígenas foram garantidos na Constituição brasileira de 1988, e a Amazônia foi consagrada como patrimônio nacional – com direito à terra garantido aos povos indígenas que ali viviam. Mas as violações persistiram. Na década de 1990, líderes como o xamã Yanomami Davi Kopenawa viajavam pelo mundo para soar o alarme sobre os garimpeiros invadindo o território de seu povo. Seus piores temores se concretizaram em 1993, quando uma tribo Yanomami – incluindo crianças e idosos – foi massacrada por um bando de garimpeiros. Os perpetradores foram condenados por genocídio.

O fato de quase um milhão de indígenas brasileiros ter sobrevivido na Amazônia é uma prova de sua resiliência – e da vastidão da floresta. Hoje, as tribos combinam a engenhosidade tradicional com a tecnologia moderna para defender suas terras, compartilhar suas histórias e ajudar grupos isolados a evitar a exploração e o derramamento de sangue que se abateu sobre seus ancestrais. Até o capitão Chain Saw notou: “Os índios estão evoluindo”, disse Bolsonaro em janeiro . “Cada vez mais eles são seres humanos como nós.”

Brasileiros de direita e esquerda se arrepiam com a noção de que administraram mal a maioria de seu território enquanto negligenciam os milhões de pessoas que vivem lá. Quando os incêndios do ano passado atraíram a ira de líderes e investidores internacionais, Bolsonaro disse a um grupo de repórteres europeus: “A Amazônia é nossa, não sua ”, ecoando uma suspeita de longa data no Brasil de que os estrangeiros estão de olho na Amazônia.

Muitos apontam como os Estados Unidos trataram seus povos indígenas e florestas primárias como evidência de que os forasteiros devem ficar calados. “Não quero nenhum gringo nos pedindo para deixar um residente da Amazônia morrer de fome debaixo de uma árvore”, disse o ex-presidente brasileiro e fundador do Partido dos Trabalhadores, Luiz Inácio Lula da Silva, a uma audiência na Cúpula da Amazônia de 2009.

nyt 6Mario Tama / Getty Images

Como dupla cidadania americana e brasileira que testemunhou os fracassos sociais, ambientais e econômicos de ambos os países, vejo a Amazônia de duas perspectivas. A pressão internacional muitas vezes forçou os líderes do Brasil a viver de acordo com os ideais de sua Constituição. A Amazônia é vital para a regulação do carbono e o abastecimento de água doce da Terra, e abriga pelo menos 10% de sua biodiversidade– e todos no planeta dependem de sua saúde.

Mas isso não significa que a Amazônia seja de todos. Concertos beneficientes de Celebridades e desenhos animados nas manhãs de sábado dedicados a salvar a floresta tropical reforçaram inadvertidamente as atitudes colonialistas em relação à Amazônia. Enquanto esses esforços agitavam a consciência do mundo, eles tendiam a agrupar a flora e a fauna com as pessoas, retratando as comunidades indígenas como espécies de um passado distante que precisavam ser protegidas, ao invés de seres humanos tensos presentes com ambições para o futuro.

Tanto capitalistas quanto ambientalistas podem querer resistir, mas o futuro já chegou à floresta tropical brasileira – e se parece muito com o passado: caótico, injusto e insustentável.

nyt 7

Bruno Kelly / Reuters

nyt 8Felipe Dana / Associated Press

Em cidades como Manaus, as elites se deleitam com as vistas do pôr-do-sol do rio em edifícios altos e comem sushi em shopping centers com ar-condicionado. Uma classe média em ascensão, composta principalmente de brasileiros não indígenas, participa de festivais de food truck, torneios Texas Hold ‘Em e cervejarias artesanais. Durante a Copa do Mundo FIFA de 2014 e as Olimpíadas de 2016, vi multidões de fãs internacionais de futebol inundarem Ubers e Airbnbs.

Mas, embora os luxos tenham crescido, serviços essenciais como transporte público, segurança e saúde são de qualidade inferior ou inexistentes. Prisões superlotadas rotineiramente sofrem espasmos com tumultos horríveis enquanto funcionários do governo negociam com chefes do crime para obter votos de seus bairros. Os moradores carecem de água, saneamento e eletricidade. Os bairros urbanos são dominados por traficantes de drogas e policiais desonestos, enquanto as tribos no interior são ameaçadas por mineiros, perfuradores e madeireiros. Eles deixam em seu rastro mercúrio, óleo derramado, tocos de árvores, sobreviventes de violência e agressão sexual e patógenos como a gripe, que são tão novos lá quanto o coronavírus.

Durante a pandemia, milhares de pessoas na Amazônia morreram em suas casas porque não há hospitais suficientes. Em sua resposta apressada, asprópriasequipes de socorro do governo podem ter sido responsáveis ​​pela disseminação do vírus enquanto se apressavam em fornecer drogas testadas e não comprovadas como a cloroquina para as tribos vulneráveis.

Os resultados caóticos desse desenvolvimento desordenado não são tão visíveis em nenhum lugar como em Altamira, no Pará, no norte, onde a hidrelétrica de Belo Monte acionou suas primeiras turbinas em 2016 às margens do Rio Xingu.

A barragem era uma parceria público-privada, parte da tentativa amplamente admirável do presidente Lula de evocar uma nova história na Amazônia, uma de desenvolvimento verde sustentável, ecoturismo e inclusão indígena.

Ainda assim, quando a barragem foi anunciada, os líderes indígenas foram rápidos em se organizar contra ela, retardando o desenvolvimento por tempo suficiente para negociar concessões ambientais e econômicas do consórcio Norte Energia que supervisiona o projeto.

nyt 9IndígenasLunae Parracho / Reuters

Na prática, essas avaliações de impacto eram ridículas. E embora a Norte Energia diga que suas operações são baseadas nas melhores práticas no que diz respeito aos direitos humanos e responsabilidade ambiental, suas promessas de fornecer assistência financeira e habitacional para os moradores indígenas deixaram a região em desordem. Thaís Santi, procuradora federal, acusou o governo brasileiro e a Norte Energia de “etnocídio” em 2015 por integrar à força grupos indígenas na sociedade moderna, muitas vezes colocando as gerações mais jovens contra os mais velhos.

Quando viajei para Altamira em abril de 2016, a cidade havia aumentado de 30.000 habitantes para mais de 100.000 em apenas alguns anos. Os professores abandonaram as aulas para trabalhar na barragem. Em uma comunidade acostumada a se locomover a pé ou de bicicleta, os hospitais foram invadidos por pedestres atropelados por carros. A margem do rio onde as crianças brincavam foi empurrada para um calçadão com uma pista de skate onde crianças sem skates sentaram-se na borda do halfpipe, olhando para suas antigas piscinas naturais.

nyt 10Andre Penner / Associated Press

Em toda a cidade, os outdoors da Norte Energia prometiam projetos de construção – parques, escolas e hospitais – com datas de conclusão indefinidas.

A nova Altamira orgulhava-se de sua reputação de “Cidade do Trabalho”, mesmo que todos os seus serviços básicos, desde energia, transporte, parques e segurança pública, fossem terceirizados para o consórcio. Famílias que passaram gerações vivendo à luz do fogo no Rio Xingu foram forçadas a se mudar para residências suburbanas conectadas à energia da Norte Energia que elas não podiam pagar.

Um pescador com quem conversei lamentou não ter visto o rio há semanas, acrescentando: “Eu costumava acordar lá todas as manhãs”.

Sem liderança local, transparência e forte supervisão, parcerias público-privadas como essas se tornam bestas de duas cabeças: a burocracia kafkiana trabalhando a serviço de negócios vorazes. Mas um plano real para o futuro da Amazônia precisará inspirar tanto os industriais quanto os ambientalistas. É preciso reconhecer a Amazônia como vital para os bens comuns globais, mas também como um lar para milhões de brasileiros com direito à soberania e autodeterminação.

O mito da floresta tropical intocada perdurou porque é fácil para os consumidores imaginar. É mais fácil arrecadar fundos contra escavadeiras que derrubam florestas antigas do que apoiar fazendeiros itinerantes que queimam pastagens para pastar seu gado ósseo. É mais fácil encomendar móveis certificados pelo código florestal na Amazônia do que questionar como a madeira de lei da floresta amazônica acabou na passarela da Ponte do Brooklyn. É mais fácil condenar os frigoríficos industriais do que entender como a crescente classe média da China – e a guerra comercial dos EUA – alimentam a demanda por carne bovina e soja da Amazônia. É mais fácil torcer por um chefe com um cocar e um arco do que se unir em torno de líderes indígenas com bicicletas sujas, celulares e espingardas.

Erros de desenvolvimento – das cidades modelo colonial ao boom da borracha, à Transamazônica e a Belo Monte – mostram como, apesar dos desafios de viver na floresta, ou talvez até por causa deles, este lugar de tirar o fôlego inspira grandes sonhos. E grandes sonhos são exatamente o que a Amazônia precisa.

nyt 11Victor Moriyama para o The New York Times

Uma lição de 2020 é que, em momentos de crise, ideias politicamente impossíveis podem se tornar possíveis da noite para o dia. A COVID-19 estimulou a telemedicina, o ensino à distância e a renda básica universal da periferia ao mainstream. O apoio global ao movimento Black Lives Matter despertou milhões de pessoas para ver a história – e o futuro – sob uma nova luz. Incêndios florestais apocalípticos na costa oeste da América estão queimando em conjunto com incêndios agrícolas na Amazônia, mostrando como nosso futuro climático está entrelaçado entre os hemisférios.

Resolver problemas antigos exigirá fazer novas perguntas. Como drones e veículos autônomos podem melhorar o transporte na Amazônia? Como as constelações de satélites poderiam conectar vilas remotas a uma melhor educação e assistência médica? Como cidades como Manaus, Santarém e Belém podem se tornar líderes internacionais em biotecnologia, ao invés de centros de embarque de commodities?

nyt 12Carl De Souza / Agence France-Presse – Getty Images

Primeiro, o governo Bolsonaro deve reconhecer que a Amazônia está se urbanizando tão rapidamente quanto qualquer região do mundo. Em vez de incentivar os desenvolvedores a mergulhar mais fundo na floresta, ela deve investir nas cidades existentes. Conceda contratos para mais escolas, centros de tratamento de água e hospitais, e não para estradas de penetração e prisões privadas.

Em segundo lugar, reduzir a escalada da guerra contra as drogas e voltar a focar na corrupção nos corredores dos governos estaduais e locais. O tráfico é um problema, mas a questão mais preocupante é que os traficantes podem fornecer às comunidades uma sensação de segurança e coesão que elas não obtêm do estado.

Terceiro, embora as exportações agrícolas do Brasil estejam em alta, os pecuaristas dependem excessivamente de fertilizantes e pesticidas, da destruição de novas terras e de práticas trabalhistas abusivas semelhantes à escravidão. Em vez de incitar os agricultores a limpar novas pastagens, ajude os agricultores a criar rebanhos mais saudáveis ​​nas terras existentes.

Por último, um suposto presidente da lei e da ordem como Bolsonaro deveria redobrar – e não enfraquecer – as agências que fazem cumprir as leis ambientais e os direitos indígenas. Restaurar financiamento para as agências de proteção ambiental e indígena do Brasil. Elabore novos acordos de biotecnologia que garantam que as espécies sejam coletadas, estudadas e analisadas no Brasil pelos brasileiros para que a bioprospecção do futuro não seja tão exploradora como a extração ilegal de madeira e a mineração de ouro hoje.

Os conselhos indígenas devem desempenhar um papel de liderança ao decidir quais terras e conhecimentos são sagrados, o que pode ser compartilhado com o mundo e a melhor forma de recuperar uma parte justa das recompensas. Com os recursos certos, eles poderiam ser administradores exemplares da terra, reduzindo o risco de incêndio, organizando equipes de aplicação da lei para defender suas fronteiras e ensinando ao mundo o respeito por uma floresta que estranhos geralmente observam por meio de satélites.

Claro que tudo isso supõe que Jair Bolsonaro está governando racionalmente, no interesse de todos os brasileiros. Como a pandemia de coronavírus deixou claro, como sua contraparte nos Estados Unidos, Bolsonaro tem os olhos no passado, não no futuro, e não tem temperamento e autoridade moral para liderar um tour pelo palácio presidencial, muito menos um democracia multirracial. Até mesmo os generais da era da ditadura que Bolsonaro tanto admira ficariam envergonhados de sua falta de estratégia na região mais vital do Brasil.

As pesquisas mostram que os brasileiros valorizam a floresta tropical e entendem a ameaça da crise climática. Se o Capitão Serra Elétrica continuar a cortar a Amazônia, a próxima geração de líderes brasileiros vai cortar seu governo.

O Amazonas não é um rio plácido, mas um redemoinho das preocupações mais urgentes de nossa era: mudanças climáticas, saúde pública e justiça econômica e ambiental. Não é um atraso e seu povo não é atrasado. Na verdade, eles estão vivendo as versões mais extremas dos problemas mais urgentes do nosso planeta, lutando por suas vidas – e pelas vidas de seus filhos.

Chris Feliciano Arnold é o autor de “A Terceira Margem do Rio: Poder e Sobrevivência na Amazônia do Século XXI”.

Foto da capa de Victor Moriyama para o The New York Times. Foto de destaque da capa por Carl De Souza / Agence France-Presse – Getty Images

O Times está empenhado em publicar uma diversidade de cartas ao editor. Gostaríamos de saber sua opinião sobre este ou qualquer um de nossos artigos. Aqui estão algumas dicas . E aqui está nosso e-mail: letters@nytimes.com .

Siga a seção de opinião do The New York Times no Facebook , Twitter (@NYTopinion) e Instagram .

fecho
Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo “The New York Times” [Aqui!].

Floresta Amazônica brasileira sofre os piores incêndios em uma década

fogoFumaça e chamas aumentam de um incêndio ilegalmente aceso em uma reserva da floresta amazônica, ao sul de Novo Progresso, no estado do Pará, Brasil, em agosto. Fotografia: Carl de Souza / AFP / Getty Images

Por Agência Reuters-Brasília e publicado pelo jornal “The Guardian”

Incêndios na Amazônia brasileira aumentaram 13% nos primeiros nove meses do ano, em comparação com um ano atrás, como a região da floresta experimenta sua pior onda de chamas em uma década, os dados da agência de pesquisa espacial Inpe tem mostrado.

Os satélites em setembro registraram 32.017 hotspots na maior floresta tropical do mundo, um aumento de 61% em relação ao mesmo mês de 2019.

Em agosto do ano passado, incêndios crescentes na Amazônia conquistaram as manchetes globais e geraram críticas de líderes mundiais, como o francês Emmanuel Macron, de que o Brasil não estava fazendo o suficiente para proteger a floresta tropical.

Na terça-feira (29/09), o candidato presidencial democrata dos EUA, Joe Biden, pediu um esforço mundial para oferecer US$ 20 bilhões para acabar com o desmatamento na Amazônia e ameaçou o Brasil com “consequências econômicas” não especificadas se não “parasse de derrubar a floresta”.

O presidente Jair Bolsonaro criticou o comentário de Biden como uma “ameaça covarde” à soberania do Brasil e um “claro sinal de desprezo”.

Dados do Inpe divulgados nesta quinta-feira (01/10) mostraram que, em 2019, os incêndios aumentaram em agosto e diminuíram consideravelmente no mês seguinte, mas o pico deste ano foi mais sustentado. Agosto e setembro de 2020 igualaram ou ultrapassaram a alta do mês anterior.

“Tivemos dois meses com muito fogo. Já está pior do que no ano passado ”, disse Ane Alencar, diretora científica do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam).

“Pode piorar se a seca continuar. Estamos à mercê da chuva. ”

A Amazônia está passando por uma estação de seca mais severa do que no ano passado, o que os cientistas atribuem em parte ao aquecimento no Oceano Atlântico Norte tropical puxando a umidade da América do Sul.

Toda a Amazônia, que se estende por nove países, tem atualmente 28.892 incêndios ativos, de acordo com uma ferramenta de monitoramento de incêndios financiada em parte pela agência espacial norte-americana Nasa.

Os incêndios de setembro não estão apenas queimando áreas recentemente desmatadas e terras agrícolas, onde os fazendeiros os mandaram limpar, mas também estão queimando cada vez mais a floresta virgem, uma tendência preocupante que sugere que a floresta tropical está se tornando mais seca e sujeita a incêndios.

Aproximadamente 62% dos principais incêndios na Amazônia ocorreram nas florestas em setembro, em comparação com apenas 15% em agosto, de acordo com uma análise de imagens de satélite da organização sem fins lucrativos Amazon Conservation, dos Estados Unidos.

O aquecimento do Atlântico Norte também está ajudando a impulsionar a seca no Pantanal brasileiro, a maior área úmida do mundo, que sofreu mais incêndios neste ano do que o registrado anteriormente, segundo dados do Inpe.

Uma análise da Universidade Federal do Rio de Janeiro descobriu que 23% das áreas úmidas, que abrigam a maior população de onças-pintadas do mundo, foram queimadas.

“O Brasil está em chamas”, disse Cristiane Mazzetti, uma ativista florestal do grupo de defesa Greenpeace Brasil, em um comunicado.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal The Guardian [Aqui!].

Bioma da Caatinga está cronicamente degradado mesmo em áreas não desmatadas

Um novo estudo publicado no Journal of Applied Ecology mostra que a Caatinga, um bioma de matagais e matas secas no Nordeste do Brasil, é severamente ameaçada pela atividade humana mesmo em áreas não desmatadas

Serra-do-feiticeiro-2-1

Por Meghie Rodrigues para a série Série Mongabay: Florestas Globais

  • Os autores chamam o efeito de distúrbio antropogênico crônico e o modelaram para áreas com assentamentos humanos, construção de infraestrutura, pastagem, extração de madeira e fogo em 47.100 fragmentos remanescentes do bioma.
  • A Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro, e abriga mais de 900 espécies de animais e plantas.
  • Mas, com mais de 27 milhões de habitantes, é também um dos biomas mais degradados do país, embora o estudo destaque áreas que ainda podem ser conservadas, incluindo corredores de vida selvagem.

Localizada no Nordeste do Brasil, a Caatinga, com seus matos e matas secas, é vista por muitos como pobre em biodiversidade. Como consequência, a região recebe poucos investimentos para ações de conservação. Especialistas dizem, porém, que com mais de 900 espécies de plantas e animais, o bioma é o maior e mais diverso entre as florestas tropicais sazonalmente secas do mundo. É também o único bioma totalmente brasileiro e uma das regiões menos estudadas do globo.

Distribuídos em 47,1 mil fragmentos, cerca de metade da vegetação da Caatinga permanece – e o constante estresse hídrico a torna profundamente vulnerável às mudanças climáticas. Agora, um estudo recente aponta que mesmo essas áreas remanescentes não desmatadas estão severamente ameaçadas pela ação humana acumulada ao longo de décadas e séculos. Os autores chamam o efeito de distúrbio antrópico crônico, e observam que é altamente dependente da localização: manchas de floresta ao norte e oeste são mais perturbadas do que aquelas no leste e sul da Caatinga.

Na imagem, os vetores de perturbação estão distribuídos geograficamente na Caatinga. (A) representa a população humana (CDI de 0,64), (B) mostra a infraestrutura (CDI de 0,86), (C) mapeia a pastagem (CDI de 0,49), (D) mostra a extração de madeira (CDI de 0,50) e (E) representa fogo (CDI de 0,04). Créditos: Journal of Applied Ecology, publicado pela primeira vez: 05 de julho de 2020, DOI: (10.1111 / 1365-2664.13686)

Os pesquisadores, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e do World Resources Institute Brasil, queriam entender como a intensidade dessa perturbação varia entre as diferentes regiões geográficas, tamanhos de fragmentos florestais e em função da distância às bordas dos áreas florestadas. Eles então contabilizaram os níveis de degradação que encontraram usando um índice, o índice de perturbação antropogênica crônica (CDI).

Cinco elementos, ou vetores, compõem o CDI: população humana, infraestrutura, pastagem, exploração madeireira e fogo. Cada um tem um impacto diferente em várias regiões da Caatinga e, juntos, eles respondem pelos índices de perturbação encontrados pela equipe. O CDI vai de 0 a 1, e quanto maior o índice em uma determinada área, mais degradada ela fica. As áreas menos perturbadas foram encontradas nas regiões leste e centro do bioma (com manchas de floresta onde o CDI foi de 0,12) e as áreas mais degradadas no norte da Caatinga (com CDI de 0,80).

Localizada no município de Lajes, no estado do Rio Grande do Norte, a Serra do Feiticeiro possui forte potencial de conservação. Imagem cortesia de Juan Carlos Vargas Mena.

A Caatinga sozinha tem uma área total de 844.453 quilômetros quadrados (524.700 milhas quadradas), estendendo-se aproximadamente por 11% do território brasileiro. “Medir a degradação por meio de observação de campo em uma área tão vasta é extremamente difícil de fazer”, disse Carlos Roberto Fonseca, coautor e pesquisador do departamento de ecologia da UFRN, ao Mongabay em entrevista por telefone. “Queríamos extrapolar os resultados para a Caatinga como um todo, não apenas observar alguns pontos selecionados”, acrescentou.

Fonseca e seus colegas usaram dados existentes em diversos bancos de dados – como o censo populacional do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o censo bovino brasileiro e mapas oficiais de rodovias, ferrovias, barragens e linhas de transmissão – para estimar os impactos. Em seguida, cruzaram esses dados com o mapa censitário do IBGE, que possui uma grade de pixels. O objetivo era medir o impacto da degradação de cada pixel do mapa da Caatinga medindo os diferentes pesos de cada vetor calculado.

A degradação está distribuída de forma desigual pela Caatinga, uma vez que diferentes regiões estão sob diferentes tipos de pressão.

“A urbanização e a pecuária degradaram profundamente o litoral leste ao longo dos anos, enquanto na parte norte há muita extração de madeira e assentamentos humanos, e nem todos são sustentáveis ​​por causa da caça furtiva. Algumas outras regiões ainda estão preservadas e podem vir a ser áreas de conservação ”, disse Fonseca.

Cactos, arbustos espinhosos e plantas de caule grosso constituem a maior parte da vegetação da Caatinga, que significa “floresta branca” na língua tupi (caa = vegetação, tinga = branca). Imagem cortesia de Juan Carlos Vargas Mena.

O estudo, publicado em julho de 2020 no Journal of Applied Ecology , mostra que fragmentos menores da Caatinga eram muito heterogêneos, variando de pouco a altamente degradados. Manchas maiores de vegetação apresentam níveis médios de perturbação. Infraestrutura foi o vetor encontrado para causar a maior perturbação (com um CDI de 0,86) e o fogo para causar a menor (com um CDI de 0,04). O impacto de todos os vetores – população humana, infraestrutura, pastagem, extração de madeira e fogo – foi maior nas bordas dos fragmentos de floresta.

Grandes obras de infraestrutura causam impactos imediatos e grandes ao meio ambiente. Por outro lado, o pastoreio, a extração de madeira e o fogo estão diretamente ligados à presença humana nos remanescentes de vegetação e são responsáveis ​​por uma parte significativa de sua degradação crônica.

Em entrevista por telefone ao Mongabay, Marcelo Tabarelli, professor do Departamento de Botânica do Centro de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Pernambuco, disse que muitas famílias que vivem na região são altamente dependentes dos recursos naturais da Caatinga – e isso tem foi um longo processo histórico que se estende até o presente. “Eles extraem madeira para cozinhar, por exemplo, e também vendem para pequenas empresas vizinhas que dependem do carvão para combustível. Seus caprinos e bovinos se alimentam de pequenas porções de vegetação, e essa extração de biomassa é pequena, mas contínua ”, disse Tabarelli, que não participou do estudo.

Tabarelli disse que esses padrões em tal cultura de extração doméstica foram amplamente negligenciados pela pesquisa ecológica. Ele disse que o estudo é importante porque lança luz sobre um aspecto esquecido de um bioma amplamente não estudado. “Mostra que os remanescentes florestais da Caatinga estão expostos à extração de madeira e frutas e à agricultura de corte e queima. Este tipo de extração de nutrientes e biomassa faz parte da cultura sertanejo local de comunidades tradicionais aqui no Brasil e em muitas partes do mundo. ”

Cactos, arbustos espinhosos e plantas de caule grosso constituem a maior parte da vegetação da Caatinga, que significa “floresta branca” na língua tupi (caa = vegetação, tinga = branca). Imagem cortesia de Juan Carlos Vargas Mena.

Esses efeitos crônicos de distúrbios também ocorrem em outras regiões onde grupos menores dependem exclusivamente da extração de recursos naturais para viver, como as florestas secas em partes da África e nas regiões rurais da Índia, acrescentou Tabarelli. “À medida que as comunidades humanas se reorganizam nesses espaços e outras espécies proliferam e se adaptam a essas áreas degradadas, ocorre um processo de homogeneização biológica. Na Índia, por exemplo, esse processo é mais radical e está relacionado a processos de invasões biológicas e colapso de estruturas florestais sobre a vegetação remanescente ”.

Tabarelli disse que vê um vazio no planejamento do desenvolvimento sustentável da Caatinga. “A degradação ambiental não é um subproduto da mudança climática, mas aumentará à medida que a seca aumentar. Há uma carência histórica de medidas legais para enfrentar com eficácia os problemas da Caatinga e os dados sobre a desertificação são uma prova disso ”, afirmou.

A pressão sobre biomas como a Caatinga aumentará com as mudanças climáticas, à medida que secas e outros eventos extremos se tornam mais frequentes e fazem com que as florestas percam produtividade, disse Tabarelli.

Nesse sentido, tanto ele quanto Fonseca destacam a necessidade de criação de áreas de conservação entre os remanescentes florestais. “Apesar de metade da Caatinga [estar] perdida, a conectividade entre as manchas de vegetação remanescentes ainda é alta, e isso é fundamental para que os animais se desloquem de um lugar para outro”, disse Fonseca. Ele acrescentou que na primeira década dos anos 2000, “o Brasil caminhava em uma espiral ascendente – foi quando o país criou cerca de 80% das áreas de conservação do mundo. O cenário desacelerou nos anos Dilma Rousseff [2011-2016] e agora vivemos com uma perspectiva de retrocesso, arriscando sérios retrocessos em termos ambientais ”.

Imagem do banner: Algumas áreas da Caatinga, como este fragmento florestal nas Lajes, no Rio Grande do Norte, estão bem preservadas e têm potencial para se tornarem áreas protegidas. Imagem cortesia de Juan Carlos Vargas Mena.

Citações:

Antongiovanni, M., Venticinque EM, Matsumoto, M., & Fonseca, CR (2020). Perturbação antrópica crônica em fragmentos de floresta seca da Caatinga. Journal of Applied Ecology, 57 (10), 2064-2074. doi: 10.1111 / 1365-2664.13686

Silva, J. M., Leal, I. R., & Tabarelli, M. (2017). O futuro da Caatinga. Na  Caatinga: A maior região de floresta tropical seca da América do Sul  (pp. 461-474). Springer. doi: 10.1007 / 978-3-319-68339-3_19

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela Mangabay [Aqui!].

Brasil caminha para militarizar o monitoramento do desmatamento e das queimadas

fogo

  • Em um anúncio recente, o vice-presidente brasileiro, Hamilton Mourão, defendeu a criação de uma nova agência que teria autoridade total sobre o desmatamento na Amazônia e alertas de monitoramento de incêndios por satélite. Por três décadas, o INPE, agência espacial civil do Brasil, tem exercido essa função, disponibilizando dados publicamente.
  • O VP afirma que o monitoramento por satélite do INPE está desatualizado e não enxerga através das nuvens. Os críticos do governo observam que os sistemas Prodes e Deter do instituto espacial continuam a fornecer dados excelentes sobre incêndios e desmatamento na Amazônia, utilizáveis ​​para fiscalização, enquanto as nuvens pouco importam na estação seca, quando ocorre a maioria dos incêndios.
  • Os críticos afirmam que os vários movimentos do governo para enfraquecer o INPE são prováveis ​​formas de negar a transparência, acabando com a autoridade civil do INPE e colocando satélites de monitoramento de desmatamento e fogo sob controle militar secreto.
  • Até agora, um esforço para financiar novos satélites militares falhou. Enquanto isso, a Noruega fez parceria com as empresas Planet e Airbus para oferecer imagens de satélite gratuitas para monitorar florestas tropicais, incluindo a Amazônia. Essas imagens publicamente disponíveis do Planeta, NASA e outras fontes podem frustrar a possível tentativa de sigilo de Bolsonaro.

Por  Jenny Gonzales  para a Mongabay

Se alguma vez houve alguma dúvida – após os principais disparos neste ano e no ano passado – sobre se o governo Jair Bolsonaro pretende desempoderar e desmontar o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), agora resta pouca incerteza. Ações recentes mostram a firme intenção do governo de desvincular o órgão de sua missão de monitorar o desmatamento e as queimadas no Brasil, realizada com sucesso há mais de três décadas.

Desde a posse do Bolsonaro, há quase dois anos, o instituto de renome internacional tem sofrido demissões , difamações de alto nível, críticas infundadas e intervenções em sua estrutura organizacional (em violação ao próprio regulamento do INPE). Além disso, o governo demonstrou sua determinação em transferir a responsabilidade pelo desmatamento e monitoramento de incêndios para os militares brasileiros.

Na semana passada, o governo deixou seu objetivo ainda mais claro. Em transmissão ao vivo pelo Instituto para a Reforma do Estado e das Relações Corporativas (IREE), o vice-presidente brasileiro, Hamilton Mourão – que também chefia o recém-fundado Conselho Amazônico do Bolsonaro – defendeu a criação de uma nova agência que concentra autoridade para os sistemas de monitoramento da Amazônia e alertas de satélite.

“O Prodes e o Deter [sistemas de monitoramento de desmatamento do INPE] são bons sistemas, mas ainda apresentam falhas”, explicou o General Mourão. Mas “Precisamos avançar para uma agência que tenha essa capacidade de forma mais consistente, e que nos dê alertas,  semelhante ao NRO [o US National Reconnaissance Office]  que integra todos esses sistemas [de satélite] e, portanto, com um custo mais baixo e sendo mais eficiente. ”

Vinculado ao Departamento de Defesa dos Estados Unidos, o NRO é uma das maiores agências de inteligência militar dos Estados Unidos; opera a rede de satélites de reconhecimento altamente classificada do país. O monitoramento ambiental nos Estados Unidos é realizado por agências civis.

A mudança do Brasil na responsabilidade pelo desmatamento e monitoramento de incêndios de uma autoridade civil, onde sempre esteve, para os militares marcaria uma mudança sísmica nas políticas de regulamentação ambiental brasileiras.

Um foco de incêndio na floresta amazônica no estado de Mato Grosso, Brasil, julho de 2020. © Christian Braga / Greenpeace.

Uma mudança de supervisão civil para militar

O anúncio de Mourão reflete as iniciativas do governo Bolsonaro de tirar o poder do Ibama, a agência ambiental do Brasil, que teve sua autoridade para investigar crimes ambientais transferida para o Conselho Amazônico de Mourão. Em maio passado, o IBAMA também foi proibido de usar dados de desmatamento e fogo do INPE como forma de direcionar a fiscalização às localidades da Amazônia. Essa função passou a ser do CENSIPAM, Centro de Gestão e Operação do Sistema de Proteção da Amazônia do Ministério da Defesa. Em junho, o presidente, pelo segundo ano consecutivo, substituiu amplamente os bombeiros do IBAMA ao ordenar que unidades do Exército entrassem no bioma para combater incêndios – uma missão para a qual os críticos dizem que os militares não são adequados.

A Amazônia já registrou mais incêndios florestais neste ano do que em todo o ano de 2019, segundo dados de satélite disponibilizados em agosto de 2020 pela NASA . Mais de  1.000 grandes incêndios  já foram detectados este ano em meados de setembro em todo o bioma, impactando a floresta tropical e  comunidades indígenas e tradicionaisO número de queimadas na floresta amazônica em pé também aumentou nas últimas semanas. De todos os principais incêndios detectados na Amazônia este ano, 43% foram em florestas em pé, até 21 de setembro (contra apenas 13% em agosto), de acordo com o  MAAP, sem fins lucrativos . A floresta tropical queimada é estimada em cerca de 4,6 milhões de acres (1,8 milhões de hectares) – uma área com cerca de três quintos do tamanho da Bélgica.

General Hamilton Mourão, vice-presidente do Brasil (à esquerda), e presidente Jair Bolsonaro, durante a cerimônia de assinatura de criação do Conselho da Amazônia. Imagem de Valter Campanato / Agência Brasil.

Mourão, no entanto, desconsiderou este registro horrendo de incêndios obtido de fontes de monitoramento independentes, que se correlaciona bem com os números do INPE que indicam 16.949 focos de incêndio registrados no bioma pantanal Pantanal e 69.527 focos de focos encontrados na Amazônia entre 1º de janeiro de 2020 e 27 de setembro.

Em vez disso, Mourão declarou erroneamente que a agência espacial se contradiz em seus números de desmatamento, alegando que “alguém do INPE que se opõe ao governo só divulga dados negativos sobre os incêndios [para a imprensa]”. Na verdade, Mourão estava comparando dois conjuntos de dados diferentes, um do INPE mostrando uma redução de incêndios entre 1º de janeiro e 31 de agosto em relação a 2019, e outro conjunto atualizado de números publicados na mídia mostrando um aumento de incêndios entre o primeiro dia ano e 9 de setembro.

No dia seguinte ao depoimento, o General Mourão afirmou não saber que os números do INPE são divulgados ao público. “Se isso for verdade, é muito grave que o vice-presidente desconheça a política de transparência que rege o serviço público [do INPE]”, disse Acioli de Olivo ao Mongabay. O pesquisador aposentado do INPE e atual diretor de comunicação do Sindicato dos Servidores Públicos Federais na Área de Ciência e Tecnologia do Setor Aeroespacial (SindCT) acrescentou: “Duvido, porém, que ele não soubesse que os dados são acessíveis a todos . Foi [ao invés] uma forma de justificar sua retirada em face das [críticas] ao seu discurso. ”

Acioli de Olivo, diretor do Sindicato dos Servidores Públicos Federais na Área de Ciência e Tecnologia do Setor Aeroespacial (SindCT), destacou que o diretor temporário do INPE, Darcton Damião, eliminou departamentos, tirou coordenadores de seus cargos e nomeou novos sem consulta prévia aos comitês internos do instituto. Imagem de Fernanda Soares / SindCT.

“Nem mesmo os governos da ditadura militar [de 1964-1985] questionaram os dados científicos de forma infundada”, disse um dos três pesquisadores do INPE que falaram ao Mongabay sob a condição de anonimato por medo de represálias do governo. O INPE, “instituto respeitado mundialmente e que fará 60 anos no próximo mês de agosto, vive uma crise sem precedentes”, acrescentou a pesquisadora.

“Outra falsidade [perpetrada pelo] General Mourão é que, segundo ele, não podemos contabilizar focos de incêndio, porque se dividirmos o número de focos de incêndio [em curso] pela área total da Amazônia Legal, mostra que há menos de um local de incêndio em cada 200 quilômetros quadrados [77,2 milhas quadradas]. O problema desse raciocínio é que os surtos não se espalham de maneira uniforme na região ”, disse um pesquisador anônimo do INPE.

“Os incêndios estão concentrados em áreas de interesse para a base de Bolsonaro: aquelas com infraestrutura viária para acesso aos mercados consumidores e potencial exploração econômica [via desmatamento ilegal]; [e] Terras indígenas, com o objetivo de matar dois coelhos com uma cajadada – exterminar índios e abrir atividades de mineração ”, disse o mesmo pesquisador do INPE.

Imagem de satélite dos incêndios deste ano no Pantanal, 14 de setembro de 2020. Crédito NOAA-20 / VIIRS (fronteiras: contribuidores do OpenStreetMap).

Lojas brasileiras de satélites militares

O Ministério da Defesa, por sua vez, tem planos ambiciosos de contornar totalmente o INPE, e está tentando adquirir novos satélites de monitoramento por radar a um custo de R $ 577,9 milhões (US $ 105,4 milhões).

O plano, no entanto, deve ser rejeitado nesta semana pelo Conselho de Execução Orçamentária do Brasil, que assessora o governo federal em questões de política fiscal e que solicitou uma redução no orçamento do ministério da defesa. A mudança do INPE para um sistema de satélite militar não seria uma decisão fiscalmente sólida: os R$ 577 milhões desejados pelos militares são quase cinco vezes o orçamento do INPE para 2020 de R$ 118 milhões (US $ 21,1 milhões).

Se aprovado, o novo sistema militar de desmatamento e monitoramento de incêndios será gerenciado pelo CENSIPAM. O Ministério da Defesa, junto com o General Mourão, justifica a tomada militar com base no fato de que os satélites ópticos usados ​​pelo INPE não conseguem ver a floresta quando há nuvens, enquanto os satélites de radar conseguem um melhor monitoramento.

Contactado pela Mongabay, o Ministério da Defesa através do seu gabinete de comunicação afirmou: “Desde 2016, o CENSIPAM desenvolve o projeto SipamSAR. A tecnologia SAR é capaz de enxergar o terreno, mesmo que esteja debaixo de nuvens … Cumprindo sua vocação de produzir informação e integrar o trabalho intersetorial, o CENSIPAM reuniu, desde maio último, uma equipe com representantes de dez instituições governamentais para a realização de dados integração para otimizar a atuação das equipes de campo durante a operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) [do Exército] de combate aos crimes ambientais na Amazônia”.

No entanto, quando solicitado a explicar o fracasso do Exército em combater efetivamente os incêndios e o desmatamento na Amazônia e Pantanal nos últimos meses, o Ministério da Defesa não respondeu.

“A comparação que Mourão e o Ministério da Defesa [Ministério] fazem não é verdadeira, é uma simplificação equivocada. … O sensor passivo, usado pelo satélite óptico [do INPE], é uma característica, não um problema”, disse um pesquisador do INPE. “A imagem produzida por um satélite de radar é muito mais difícil de interpretar e requer processamento e tratamento [altamente técnico]. [Mas] não mostra [tipos específicos de danos florestais] em uma área, seja [isso] degradação, queimada ou extração de madeira. ”

O mesmo pesquisador do INPE resumiu o argumento do governo em relação às nuvens: “Ao contrário do que diz Mourão, os incêndios ocorrem na época da seca, quando não há nuvens. E a maior parte do desmatamento na Amazônia também acontece na época da seca, porque o desmatamento é caro [fazer]. Ter acesso ao [local de extração], equipamento de transporte, combustível e madeira. Não é um processo para amadores; leva tempo e a chuva torna tudo mais difícil. De qualquer forma, o que os militares estão fazendo com os dados que [já] entregamos? Se não há fiscalização, se os recursos não estão sendo usados ​​para gerar ações de fiscalização, por que querem mais imagens? ”

Gilberto Câmara, diretor do INPE de 2005 a 2012 e atual diretor da secretaria do Grupo de Observação da Terra (GEO), disse ao Mongabay que o CENSIPAM dos militares brasileiros carece de histórico de satélites de informação: “Quais são as evidências verificáveis ​​de que o CENSIPAM sabe interpretar imagens ? Onde estão os testes? Não há nenhum. O Deter [do INPE] está em funcionamento desde 2005, e a precisão de seus dados vem melhorando continuamente. [Mesmo] com a tecnologia mais antiga [usada no passado], o desmatamento na Amazônia foi [muito] reduzido … entre 2005 e 2013 ”.

Segundo Câmara, questionar a validade dos dados do INPE é apenas uma forma de desviar a atenção da disseminação da destruição ambiental: “É a ‘notícia falsa’ mais cara do Brasil. O INPE mostra exatamente onde a Amazônia queima. A tecnologia que o Ministério da Defesa quer comprar foi projetada para mapear o gelo do Ártico, não para monitorar florestas. Tentar retirar a atribuição do INPE, sinaliza a intenção do governo de tornar os dados não transparentes. ”

Gilberto Câmara, diretor do INPE de 2005 a 2012 e atual diretor da secretaria do Grupo de Observação da Terra (GEO), acredita que o governo Bolsonaro está lançando dúvidas sobre os dados de desmatamento e incêndios do INPE para repassar o monitoramento a um corpo militar. Imagem cortesia de O Globo.

INPE em apuros

O nomeado por Bolsonaro, Darcton Damião, está no INPE desde a demissão do cientista Ricardo Galvão, em agosto de 2019. Na época, o presidente acusou Galvão de “provavelmente estar a serviço de uma ONG”, acusação sem respaldo.

Desde então, o INPE está “em processo de desmontagem. Nosso orçamento de pesquisa será zero em 2021 ”, disse um dos pesquisadores do INPE, referindo-se ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) da Agência Espacial Brasileira.

“O diretor temporário do INPE Damião, em vez de defender os recursos escassos do INPE, não disse uma palavra”, disse um pesquisador anônimo ao Mongabay. “Existem ações cumulativas [no INPE] que parecem desconectadas. A pedido do MCTI, Damião, coronel da Aeronáutica, mudou a estrutura organizacional do INPE, [e] eliminou importantes departamentos e comitês consultivos, alegando que a gestão do INPE é falha, mas sem apresentar um diagnóstico claro. … [A] nova estrutura torna o controle [pela administração Bolsonaro] muito mais fácil. ”

“O Bolsonaro não se interessa pelo Brasil e seus problemas. Ele quer agradar sua base [política], composta de negadores [das mudanças climáticas], evangélicos fundamentalistas e militares de sua geração. É por meio [das ações dele] que a gente consegue entender o que está acontecendo no INPE ”, disse outro pesquisador. “Com a chegada de Bolsonaro [em 2019] à presidência, militares formados nas décadas de 1960 e 1970 chegaram ao poder com a visão de que a Amazônia precisa ser explorada. Eles vêem a região [brasileira] como um recurso mineral a ser extraído, os rios a serem [represados ​​para] gerar hidroeletricidade, as florestas para se transformarem em madeira e o solo a ser transformado em pasto, soja ou qualquer outra cultura de exportação ”.

A maior parte do desmatamento na Amazônia brasileira é impulsionada pela conversão de florestas em pastagens e áreas de cultivo – geralmente usando o fogo como uma ferramenta para limpar as árvores. Esta foto de satélite mostra fragmentação florestal significativa no estado de Rondônia. Imagem cortesia da NASA.

Segundo o mesmo pesquisador, Bolsonaro acredita, assim como muitos líderes militares, que o problema não é se a Amazônia será queimada ou desmatada, mas se essas atividades serão expostas ao mundo via monitoramento por satélite – via dados que o presidente afirma ser falso. Bolsonaro, em seu discurso gravado perante a Assembleia Geral da ONU na semana passada, declarou que a riqueza da Amazônia está sendo observada por sombrios interesses estrangeiros e que o governo é vítima de uma “campanha de desinformação brutal”.

Bolsonaro continuou: “A Amazônia é conhecida por ser muito rica. O Brasil está se destacando como o maior produtor mundial de alimentos. Portanto, há muito interesse em divulgar informações errôneas sobre nosso meio ambiente … Nossa floresta é úmida e não permite a propagação de fogo em seu interior. Os incêndios acontecem praticamente nos mesmos locais, nas [bordas] orientais da floresta, onde os  caboclos  [pequenos agricultores familiares] e indígenas queimam suas áreas para sobreviver, em áreas já desmatadas ”.

Dados de várias fontes, incluindo a NASA , lançam suspeitas sobre as declarações de Bolsonaro. A maioria dos grandes incêndios na Amazônia – incluindo aqueles em áreas protegidas – são pensados ​​para ser ateados por grileiros usando o fogo como uma ferramenta de desmatamento para converter florestas em pastagens de gado e terras agrícolas.

Em notícias relacionadas, a Noruega assinou na semana passada um acordo com as empresas Planet e Airbus para oferecer imagens de satélite de alta definição gratuitas para monitorar florestas tropicais, incluindo a Amazônia. Essas imagens em alta resolução estarão à disposição do público, que poderá acessá-las de qualquer lugar do mundo, com informações mensais atualizadas sobre a situação do desmatamento em mais de 64 países. O contrato será válido por 4 anos. Parece que não importa o que Bolsonaro faça, as florestas do Brasil serão visíveis de cima através da multiplicação dos serviços de monitoramento.

Imagem do banner: Um incêndio em agosto de 2020 em uma área desmatada vista da rodovia BR-230 em Apuí, estado do Amazonas, Brasil. Muitos grandes incêndios na Amazônia ocorrem perto das principais estradas brasileiras, o que dá aos granjeadores acesso à floresta. Imagem de Bruno Kelly / Amazônia Real.

Atualização : Em um novo anúncio esta semana, Mourão descartou a possibilidade de que a agência planejada para a coordenação do desmatamento no Brasil e sistemas de monitoramento e vigilância de incêndios seja apenas um comando militar. “Estou pensando em uma agência independente”, disse ao Valor . O novo órgão coordenaria a demanda de diversos órgãos, entre eles ICMBio, FUNAI, IBAMA, Polícia Federal (PF), e a produção de dados e imagens do INPE e do CENSIPAM, que faz parte do Ministério da Defesa.

fecho

 Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo Mongabay [Aqui!].

A participação acionária da BlackRock em frigoríficos desafia a sustentabilidade na Amazônia

pasto 1

  • A BlackRock, maior gestora de ativos do mundo, tem US $ 408 milhões investidos, por meio de vários fundos, nos três maiores frigoríficos do Brasil que operam na Amazônia.
  • Essas participações estão em desacordo com a posição declarada da BlackRock de buscar investimentos ambientalmente sustentáveis, visto que os frigoríficos – JBS, Marfrig e Minerva – estão intimamente associados ao desmatamento na Amazônia.
  • Especialistas dizem que o tamanho da participação da BlackRock nessas empresas pode ser decisivo para forçar os frigoríficos a adotar práticas livres de desmatamento.

Por Fernanda Wenzel, Pedro Papini e Naira Hofmeister

A gestora do fundo de Wall Street, BlackRock, administra 2,2 bilhões de reais (US $ 408 milhões) em ações dos três maiores frigoríficos brasileiros que operam na Amazônia hoje. As operações de compra e abate de gado da JBS, Marfrig e Minerva envolvem 6,9 milhões de hectares (17 milhões de acres) de terras com alto risco de desmatamento . Isso coloca os investimentos da BlackRock em desacordo com sua própria retórica pública dos últimos anos, na qual se posicionou como líder na priorização do setor financeiro de critérios ambientais, sociais e de governança (ESG) ao decidir onde investir o dinheiro de um cliente.

A maior parte de seu investimento nos frigoríficos brasileiros – 1,8 bilhão de reais, ou US $ 334 milhões – é na JBS, maior produtora de carne do mundo. A JBS também é a empresa mais exposta ao desmatamento na Amazônia ,segundo a organização conservacionista sem fins lucrativos Imazon. Em julho, relatório da Anistia Internacionalinformava que a JBS estava abatendo gado oriundo de fazendas ilegais localizadas em áreas de conservação e terras indígenas. A BlackRock também tem 213 milhões de reais ($ 39,5 milhões) investidos na Marfrig e 131 milhões ($ 24,3 milhões) no Minerva, que ocupam o quinto e décimo lugar , respectivamente, no ranking de risco de desmatamento do Imazon Investigações independentes também mostram que essas empresas têm fornecedores indiretos que criam gado ilegalmente na floresta.

A investigação da ((o)) eco analisou o conteúdo de 953 fundos de ações administrados pela BlackRock , dos quais 24 detêm ações de frigoríficos brasileiros. A BlackRock confirmou os dados para ((o)) eco; os valores são fornecidos na moeda local, com os valores em dólares baseados na taxa de câmbio de 18 de agosto.

Investimentos da BlackRock nos maiores frigoríficos operando na Amazônia (JBS, Marfrig e Minerva)

bb1

Em janeiro deste ano, o CEO da BlackRock, Larry Fink, publicou uma carta aberta em que anunciava medidas para “posicionar a sustentabilidade no centro da estratégia de investimento” da empresa, a maior administradora de recursos do mundo.

Essa visão, aplicada aos seus investimentos nos frigoríficos brasileiros, pode fazer da BlackRock a força motriz para segurar as maiores empresas do setor de carne bovina em sua promessa de oferecer exclusivamente carne de desmatamento zero. Esse compromisso vem de 2009 , mas nenhuma das empresas ainda o cumpriu. A questão ressurgiu em julho, quando as empresas começaram a sofrer pressões de investidores internacionais que não queriam se associar aos incêndios e ao desmatamento que devastavam a floresta amazônica.

“A BlackRock é líder global em gestão de ativos, portanto, suas ações têm um efeito significativo em todo o setor”, diz Moira Birss, diretora de clima e finanças da Amazon Watch. “Ainda assim, parece que a empresa espera que as pessoas não olhem de perto os dados de investimento e olhem apenas as manchetes, que parecem ótimas.”

A Amazon Watch em 2018 lançou uma campanha acusando a BlackRock de ser a “ maior causadora do caos climático do mundo” . De acordo com a ONG, a BlackRock está entre os principais acionistas de 25 das maiores empresas de capital aberto do mundo associadas ao desmatamento em florestas tropicais da América Latina, África e Sudeste Asiático.

Culpe os ETFs

Do investimento da BlackRock nas três frigoríficas brasileiras, 1,8 bilhão de reais é considerado “investimento passivo”, onde a carteira do fundo espelha uma cesta de ações de referência e o gestor do fundo não interfere na proporção de ações detidas na carteira. Eles são conhecidos como fundos negociados em bolsa (ETFs), e a família iShares de ETFs da BlackRock responde por dois quintos da participação no mercado global de ETFs. “É importante observar que mais de 90% dos ativos patrimoniais da BlackRock sob gestão estão em fundos que rastreiam índices de terceiros”, disse a empresa em um comunicado. Leia a resposta completa da BlackRock aqui .

Os 953 iShares analisados ​​pelo ((o)) eco report são todos ETFs. A ideia por trás deles é que, como replicam índices de referência em termos de sua composição, como a bolsa de valores local, podem servir como um guia útil para os investidores. Na prática, o sistema deixa espaço para distorção e greenwashing, como ((o)) eco mostrou em julho .

Como os ETFs refletem a lista e a proporção de ações rastreadas nos índices de referência, os administradores de fundos não podem usar seu critério para adicionar ou remover empresas do fundo, ou aumentar ou diminuir os investimentos em empresas individuais. E isso dá à BlackRock motivos para manter esses investimentos. Um exemplo é o iShares MSCI Brazil ETF , um fundo que replica o índice MSCI Brazil do Morgan Stanley, e por meio do qual a BlackRock administra quase 500 milhões de reais ($ 92 milhões) em ações da JBS. O ETF também inclui 56 outras empresas brasileiras cujo preço das ações seria afetado se a BlackRock fechasse o fundo.

Ainda assim, mesmo mantendo participações nos frigoríficos por meio desses fundos passivos, a BlackRock promete que, até o final do ano, todo o seu portfólio ativo será norteado por critérios ambientais e sociais; atualmente, cerca de 70% desses fundos atendem aos critérios ESG.

A BlackRock afirma que divulga o conteúdo dessas carteiras de acordo com as “regulamentações dos mercados em que atua”. Nos Estados Unidos, por exemplo, é obrigatória a publicação semestral e anual de relatórios com conteúdo aberto sobre investimentos para que o público verifique seu conteúdo. No entanto, nos documentos de divulgação de seus produtos em 34 outros países, não foi possível acessar informações completas sobre carteiras gerenciadas ativamente. A obtenção desses dados exige uma busca nos sites das agências reguladoras dos respectivos mercados, o que nem sempre é uma tarefa fácil para muitos investidores de varejo.

Além disso, alguns países não exigem transparência total da carteira, mas apenas a divulgação dos 10 principais ativos de cada carteira. Em situações como essa, “o próprio gestor de ativos pode decidir o quanto deseja divulgar”, diz Ward Warmerdam, pesquisador sênior da Profundo, organização holandesa que defende maior transparência nos investimentos. “Na Noruega, por exemplo, alguns gestores de fundos divulgam integralmente e alguns divulgam apenas os 10 principais investimentos”, afirma.

Proporção dos fundos da BlackRock consultados pela equipe de reportagem
Apenas 953 fundos puderam ter seus investimentos verificados por meio dos sites do gestor de ativos em 34 países

bb2

Carteiras administradas ativamente respondem por apenas 27% dos investimentos totais da BlackRock: 65% são em fundos passivos – incluindo os ETFs por meio dos quais a empresa continua investindo nos frigoríficos brasileiros. Uma ilustração de por que isso torna difícil conciliar a retórica de sustentabilidade da BlackRock com suas ações é a promessa do CEO Larry Fink de se desfazer de “produtores de carvão para usinas termelétricas”. Apesar do rebuliço que isso aumentou na imprensa e nos mercados financeiros, a nova postura da BlackRock significou a perda de apenas 20% desses ativos, de acordo com a Amazon Watch, frustrando aqueles que esperavam por um resultado mais significativo.

“Na verdade, a BlackRock se comprometeu a abrir mão de ações de empresas de carvão apenas entre seus fundos de administração ativa, que são uma pequena parte de seus negócios”, diz Birss, da Amazon Watch. “Além disso, existem muitas limitações quanto à quantidade ou tipo de carvão a ser evitado. Claro que isso é importante, mas é uma quantia muito pequena, considerando a escala da crise climática. ”

3 ° acionista da JBS

A participação da BlackRock na JBS, mesmo via ETFs, a torna a terceira maior acionista da empresa, atrás apenas do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da família Batista que fundou a empresa. Segundo estudo da Forests and Finance , coalizão de seis ONGs que monitora a participação de instituições financeiras internacionais em atividades de risco ambiental.

Mesmo assim, a Forests and Finance não conseguiu rastrear totalmente a participação da BlackRock na JBS, avaliada em 1,3 bilhão de reais (US $ 240 milhões); A própria BlackRock disse à ((o)) eco que seus investimentos no frigorífico chegam a 1,8 bilhão de reais. “O setor financeiro é notório pela falta de transparência e por criar estruturas dentro das quais é quase impossível rastrear os proprietários [da empresa]”, afirma Merel van der Mark, coordenador de Florestas e Finanças. “Mas fazemos o nosso melhor para rastrear o máximo possível de participação dos acionistas”.

Com pelo menos 2% de participação na JBS, a BlackRock tem poder de voto nas decisões da empresa, ainda que sua influência direta seja reduzida. A estrutura acionária da indústria de carne bovina coloca mais poder nas mãos dos proprietários das empresas, limitando a capacidade de acionistas minoritários como a BlackRock de influenciar a conduta da empresa, afirma a BlackRock.

É por isso que a BlackRock afirma que buscará o diálogo institucional para promover mudanças na política ambiental e social. De acordo com sua assessoria de imprensa, promoveu encontros entre cinco empresas do agronegócio que atuam no Brasil – JBS, Marfrig, Minerva e as traders de commodities Bunge e ADM – “para discutir suas políticas e práticas sobre questões específicas de atuação na Bacia Amazônica, como uso da terra e gestão da cadeia de abastecimento.”

$ 90 milhões em investimentos ativos

A Forests and Finance também identificou a quantidade de títulos de dívida que a BlackRock comprou dos frigoríficos brasileiros, totalizando 64,5 milhões de reais ($ 11,9 milhões): 24 milhões de reais ($ 4,4 milhões) da JBS, 22 milhões de reais ($ 4,1 milhões) da Marfrig e 18 milhões de reais ($ 3,3 milhões) do Minerva. Florestas e Finanças calculou a proporção da compra de dívida que vai diretamente para atividades de financiamento relacionadas à pecuária; o valor total da dívida que a BlackRock comprou dos frigoríficos é mais que o dobro, em 134,2 milhões de reais (US $ 24,8 milhões).

Além disso, a BlackRock relata que seus investimentos ativamente gerenciados nos frigoríficos estão avaliados em 352 milhões de reais ($ 65 milhões). Isso coloca o valor total do investimento direto que o gestor mantém no setor mais associado ao desmatamento na Amazônia em 486 milhões de reais (US $ 89,7 milhões). Esse é o valor que a BlackRock opta ativamente por investir nas empresas, mesmo após análise de risco de exposição ambiental do setor. Ao contrário dos investimentos passivos, isso representa patrimônio e dívida que o gestor do fundo poderia desistir sem comprometer outras empresas.

Aqui, novamente, o principal destino dos investimentos ativos da BlackRock é a JBS. Só seu investimento direto, de 327 milhões de reais (US $ 60,4 milhões), é maior do que o valor desinvestido do frigorífico pelo banco finlandês Nordea em julho, após uma recente série de problemas como gado criado ilegalmente, corrupção e surtos de COVID-19 em suas fábricas no Brasil e nos Estados Unidos “A JBS foi de longe o mais problemático dos frigoríficos brasileiros”, disse Eric Pedersen , chefe de investimentos responsáveis ​​da Nordea, à ((o)) eco .

O desinvestimento chegou às manchetes em todo o mundo, inclusive no The Guardian e nas agências de notícias Bloomberg Reuters . Pela primeira vez, a maior empresa de carne bovina do planeta, com o maior número de fábricas na Amazônia – 31, segundo o estudo mais recente e ainda não publicado do Imazon – foi vista como tendo efeito real por causa do desmatamento.

Abandonar tantas ações de uma vez não teve o impacto esperado de sacudir o preço das ações da JBS. Em vez disso, o impacto foi mínimo. No início de julho, antes da venda do Nordea, as ações da JBS eram negociadas a 20,89 reais; chegaram a 22,95 em 7 de julho, antes de encerrar o mês com um aumento líquido de 21,54.

Não foi a primeira vez que um desinvestimento motivado por questões ambientais não obteve resultados práticos. No terceiro trimestre do ano passado , a gestora de investimentos Storebrand desinvestiu da Marfrig, segundo seu CEO, Jan Erik Saugestad, em comunicado à ((o)) eco em julho . No entanto, durante o período em que a Storebrand vendeu suas ações, o preço das ações da Marfrig aumentou 70%, 6,48 reais em julho para 11,02 em setembro.

Cotação de ações dos Meatpackers sob desinvestimento de bancos europeus
Storebrand vendeu suas ações na Marfrig no terceiro trimestre de 2019 e Nordea desistiu de suas ações na JBS em julho de 2020

bb3

O grande volume de participação da BlackRock na JBS pode fazer a diferença, afirma Luiz Macahyba, consultor e sócio da Aondê-Consultoria Econômica. O tamanho das empresas de investimento conta em casos como este: A BlackRock opera em 36 países e tem clientes em mais de 100, e possui pelo menos 193 subsidiárias diretas e indiretas ao redor do mundo, duas delas no Brasil. De acordo com seu relatório trimestral mais recente divulgado em julho, a empresa tem US $ 7,32 trilhões em fundos sob gestão – uma soma cinco vezes o PIB do Brasil em 2019.

“Uma coisa é o Nordea anunciar que está se desfazendo da JBS, e outra coisa é a BlackRock, a maior administradora de ativos financeiros do mundo, fazer esse anúncio”, diz Macahyba. “Isso pode afetar as expectativas dos investidores em relação à lucratividade futura do grupo”.

Tamanho comparado dos gestores de ativos. A BlackRock gerencia recursos maiores do que o PIB do Brasil

Este slideshow necessita de JavaScript.

A BlackRock parece ter reduzido sua participação na JBS desde o início do ano em 17,4% a partir de agosto, segundo dados da Forests and Finance.

Mas, assim como com o desinvestimento da Storebrand da Marfrig e do Nordea da JBS, essa venda não teve impacto no desempenho das ações da JBS no mercado de ações. “Provavelmente são vendas feitas separadamente e em dias diferentes. É por isso que não afetou o preço ”, diz Macahyba.

Essas negociações também são realizadas sob grande discrição para evitar perdas para o investidor. O desinvestimento só é anunciado após a efetivação da venda das ações, ainda que o desinvestimento simbolize uma crítica pública da financeira à empresa e coloque sua credibilidade no mercado em questão.

Uma analogia é o proprietário de uma casa vendendo um apartamento porque um enorme vazamento está danificando toda a estrutura do imóvel, mas não menciona o problema ao fechar o negócio. Nesse caso, o BackRock parece ter vendido primeiro e explicado depois, atribuindo sua decisão à associação da JBS com desmatamento e corrupção.

“Esses grupos financeiros estão de fato progressivamente engajados nas questões ambientais, mas ninguém arranca dinheiro”, diz Macahyba. “Se o administrador do fundo vender tudo de uma vez, ele terá um grande prejuízo. Então, ele vende as ações em pequenas parcelas e depois anuncia a venda total para ganhar impacto político com sua decisão. ”

Lucro em meio a incêndios florestais

Os desinvestimentos graduais não afetaram o preço das ações, nem frustraram o clima otimista que presidia à divulgação dos resultados do segundo trimestre pela JBS .

A pressão dos investidores foi rapidamente esquecida, obscurecida pelo lucro líquido de 3,4 bilhões (US $ 626 milhões) – um salto de 54,8% em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

“Parabéns pelos resultados espetaculares! Fantástico!” um dos investidores declarou no evento de 14 de agosto.  Realmente impressionante”, disse outro. A apresentação online foi conduzida pelos principais executivos da JBS, incluindo o CEO global Gilberto Tomazoni e Wesley Batista Filho, CEO da JBS Brasil.

Um participante perguntou aos executivos se não seria melhor fechar todas as fábricas na Amazônia “por causa desse viés negativo vindo da imprensa, a que todos estão prestando mais atenção”. O assunto ganhou urgência no final de junho, quando se tornou pública uma reunião do governo do presidente Jair Bolsonaro . Naquela reunião, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sugeriu aproveitar a “oportunidade” proporcionada pela mídia e o enfoque público na pandemia do coronavírus – que matou mais de 100 mil pessoas no Brasil – para “dar um pulo ” e desregulamentar as normas ambientais.

Segundo executivos da JBS, a presença da empresa na Amazônia não é o problema, mas “parte da solução”. “Nossas operações podem trazer melhorias e mudanças positivas para a região com segurança”, disse Wesley Batista Filho. Ele ainda indicou que uma plataforma de controle de toda a cadeia produtiva da Amazônia está em estágio “muito avançado” de desenvolvimento, mas não deu previsão para o início do rastreamento indireto de fornecedores e nenhum dos investidores questionou a falta de uma linha de morte.

Os resultados do segundo trimestre da Marfrig, divulgados em 12 de agosto, também não mostraram nenhum impacto prejudicial da recente pressão de investidores internacionais contra o desmatamento. Em vez disso, a empresa teve “o melhor resultado de sua história, com lucro líquido de 1,6 bilhão [$ 295 milhões]”. Isso é um aumento de 1.743% em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

Os acionistas e sócios do Minerva também têm motivos para comemorar. No último trimestre, a empresa obteve lucro líquido de 253,4 milhões ($ 46,7 milhões) , seu melhor segundo trimestre de todos os tempos.

pastoA substituição de floresta por pastagem é uma das principais causas do desmatamento no bioma amazônico. Há falta de controle na cadeia de abastecimento para garantir que o desmatamento não esteja associado à produção de carne. Imagem de Marcio Isensee e Sá.

‘É o efeito de contaminação’

Enquanto JBS, Marfrig e Minerva saem ilesos dos efeitos do desmatamento, outros setores da economia brasileira temem que a crise dos incêndios na floresta tropical tenha um efeito negativo sobre seus negócios, mesmo que suas operações estejam localizadas longe da floresta. No início de julho, dirigentes de 38 grandes empresas e quatro associações de classe enviaram carta ao vice-presidente Hamilton Mourão , alertando que a imagem negativa do país no exterior “tem um efeito potencialmente danoso para o Brasil, não só do ponto de vista de reputação, mas efetivamente para o desenvolvimento de negócios e projetos fundamentais para o país ”.

O movimento cresceu e a carta já conta com 72 signatários, de acordo com o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), que lidera a iniciativa. Entre os que assinaram está a fabricante de papel e celulose Suzano, cujo diretor financeiro, Marcelo Bacci, falou em levar um mapa às reuniões com estrangeiros para convencê-los de que as unidades de produção da empresa estão localizadas longe da Amazônia.

“Em breve, veremos empresas do Pampa do Rio Grande do Sul [estado do Brasil] sendo impactadas pelo que acontece na Amazônia”, diz Robson Dias da Silva, professor de economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRRJ). “É o efeito da contaminação”, diz ele, acrescentando que quem depende de investimento estrangeiro pode ter mais dificuldade em obter financiamento ou pagar juros mais altos nos empréstimos.

Cole Martin, analista sênior de agronegócio da Fitch Solutions, diz que esforços como o mapa da Suzano e o rastreamento de produtos podem não ser suficientes para evitar que os exportadores brasileiros sejam prejudicados. “Para as empresas que importam, pode ser difícil rastrear e verificar o que é legal e o que não é, principalmente os fornecedores indiretos”, afirma. “Em vez de correr o risco de comprar algo que tem a ver com desmatamento e criar um problema para a empresa, com o tempo provavelmente será mais fácil para eles simplesmente constatar que não compram nada do Brasil.”

A preocupação com esse “efeito da contaminação” também levou o presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG) a assinar a carta. Em entrevista coletiva em 12 de agosto, Marcello Brito pediu que o governo federal estabeleça uma meta clara de redução do desmatamento. Ele também burlou as declarações do presidente Bolsonaro , para quem a pressão internacional para preservar a floresta tropical está encoberta por interesses comerciais.

“Precisamos aprofundar e ser mais maduros ao discutir essas questões porque os interesses comerciais sempre permanecerão firmes”, disse Brito. “O mais importante é identificar a consciência coletiva que evolui rapidamente – é isso que precisamos abordar. Serão as ações coletivas de produção ambiental e socialmente sustentável que preencherão este futuro espaço de negócios contra qualquer barreira geopolítica ”.

Ainda em julho, outra iniciativa mostrou que o desmatamento é um problema que se expandiu para além do radar dos ambientalistas e agora preocupa economistas. Doze ex-ministros das finanças e cinco ex-presidentes de bancos centrais assinaram uma carta aconselhando o governo a definir um caminho em direção a uma economia de baixo carbono. Entre os signatários está um amplo espectro de personalidades políticas, incluindo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (do PSDB), Pedro Malan, que foi ministro da Fazenda no governo Fernando Collor (PROS), e Nelson Barbosa, que chefiou o planejamento do administração de Dilma Rousseff (PT).

O Ministério da Economia, chefiado por Paulo Guedes, disse em um e-mail para ((o)) eco que “é inegável que o desmatamento ilegal na Amazônia prejudica imensamente a economia e a população brasileira” e que “embora o desmatamento ilegal seja um problema histórico, hoje temos um problema de imagem nacional que sabemos que o governo tinha a responsabilidade de resolver ”. Veja a resposta completa do ministério aqui .

“Acendeu-se um sinal de alerta porque o tema migrou do Ministério do Meio Ambiente para o Ministério da Economia”, diz Silva, professor de economia. “Em breve, a Avenida Paulista [a Wall Street do Brasil] começará a ter problemas para levantar capital porque o selo brasileiro foi queimado.”

Acordo comercial europeu em dúvida

O impacto econômico mais gritante por ora é o possível fracasso do acordo comercial entre a União Européia e o bloco comercial sul-americano Mercosul (Mercosul em espanhol). O acordo foi assinado em junho de 2019 após 20 anos de negociações e, para que entre em vigor, deve ser ratificado por todos os países membros. Mas, citando o aumento do desmatamento na Amazônia, o parlamento holandês rejeitou o acordo , e órgãos legislativos na Irlanda, França e Bélgica já enviaram sinais no mesmo sentido.

Em 21 de agosto, a chanceler alemã Angela Merkel disse ter “sérias dúvidas” sobre a implementação do acordo devido ao aumento do desmatamento na Amazônia. Sua declaração veio após uma reunião com a ativista ambiental sueca Greta Thunberg.

Segundo a Embaixada da Alemanha no Brasil, “informações sobre o aumento do desmatamento podem ter um impacto negativo na opinião pública de outros membros da União Européia e também no desejo de muitos parlamentares de ratificar esse acordo”. O Ministério da Economia do Brasil afirmou que as “possíveis preocupações” com o meio ambiente serão tratadas no âmbito do acordo e que não internalizá-lo “é minar esses avanços institucionais e … a agenda ambiental de interesse bilateral”.

Martin, da Fitch Solutions, diz de forma mais clara: “O acordo entre a UE e o Mercosul está morto por enquanto.” Com sede em Londres, Martin diz que está acompanhando de perto o lançamento do European Green Deal , um pacto econômico ambientalmente sustentável criado para estimular a economia pós-pandemia. Entre as muitas medidas previstas para os próximos anos – como ampliação de áreas de proteção ambiental, redução do uso de agrotóxicos e menor consumo de carne – está a proposta de afastar do mercado europeu produtos associados ao desmatamento.

Este relatório é o quinto de uma série que investiga a relação entre o mercado financeiro e a indústria brasileira de carne bovina. Se desejar entrar em contato com a Redação com sugestões de reportagens, escreva para: quemfinanciaodesmatamento@gmail.com .

Esta história foi publicada originalmente  em português  pela ((o)) eco. 

Imagem do banner de uma fazenda cercada pela fumaça das queimadas no município de Novo Progresso, estado do Pará. Imagem de Marcio Isensee e Sá.