Desmatamento na Amazônia: o desastre agora é oficial

desmatamento-da-Amazônia

Se até ontem o governo Bolsonaro se respaldava no argumento de que o sistema DETER não tem precisão adequada para medir o desmatamento, os números oficiais do desmatamento da Amazônia oriundos do sistema PRODES não deixam dúvidas: a destruição da floresta é dramática. Os dados anuais consolidados do desmatamento Amazônia mostram que, apesar da profunda e duradoura recessão econômica vivida pelo Brasil, a área desmatada alcançou a marca de 9.762 km², a mais alta desde 2008, quando a economia do país ainda crescia a ritmo acelerado.

O período avaliado pelo PRODES, que vai de 1º de agosto do ano passado a 31 de julho deste ano, corresponde a cinco meses de governo de Michel Temer e sete meses de gestão de Jair Bolsonaro.

O aumento em relação aos 12 meses anteriores, de 29,5%, foi o maior percentual de aumento de um ano para o outro em mais de duas décadas e leva a medalha de bronze na série histórica do PRODES, perdendo apenas para 1995 (crescimento de 95%) e 1998 (31%).

A taxa oficial ficou pelo menos 1.500 km² acima da tendência de aumento do desmatamento que vinha sendo observada a partir de 2012. Segundo técnicos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), se a taxa seguisse a tendência dos últimos anos, teria ficado em torno de 8.278 km².

Segundo o Direto da Ciência, com o resultado deste ano do PRODES, o corte raso acumulado na Amazônia até julho deste ano é de 802.570 km², ou 20,1% da área original da parte brasileira da floresta.

Demitido do INPE após a divulgação dos primeiros alertas sobre o aumento do desmatamento na Amazônia, o físico Ricardo Galvão disse ao Congresso em Foco que o crescimento de 30% da área desmatada comprova os alertas emitidos em agosto e indica que o Brasil não vai conseguir cumprir a Política Nacional sobre Mudança do Clima, a qual prevê uma redução no desmatamento da Amazônia para 3.900 km² de agosto de 2019 a julho de 2020.

A notícia foi repercutida pelos Valor EconômicoO Estado de S. PauloFolha de S. PauloO GloboUOLG1 e O Eco, além dos internacionais The GuardianReuters, AFPBBCAl Jazeera e New Scientist, entre outros.

_____________________________________________

Este texto foi originalmente publicado pelo ClimaInfo [Aqui!].

NASA: queimadas e gases de efeito estufa estão secando atmosfera da Amazônia

gases-de-efeito-estufa

A queima de vegetação e a liberação de gases de efeito estufa estão conspirando para secar a Floresta Amazônica, segundo as conclusões de um novo estudo.

“Observamos que nas últimas duas décadas houve um aumento significativo da aridez da atmosfera e da demanda atmosférica por água acima da floresta tropical”, diz a principal autora do estudo, Armineh Barkhordarian, do Jet Propulsion Laboratory (JPL) da NASA.

Os incêndios florestais provocados para abrir espaço para pastagens e agricultura alimentam um ciclo no qual secas e incêndios continuarão a ser mais prováveis.

No trabalho publicado na revista Nature Scientific Reports, Barkhordarian e seus colegas usaram satélites para determinar o déficit de pressão de vapor, ou VPD, na América do Sul tropical. O VPD é a diferença entre a quantidade máxima de umidade que o ar pode reter e a quantidade de umidade que realmente existe. O déficit tem crescido nas últimas décadas, criando situações de ar seco na Amazônia.

A análise deixa pouca dúvida de que os seres humanos estão por trás da mudança: “Ao comparar esta tendência dos resultados de modelos que estimam a variabilidade climática ao longo de milhares de anos”, disse Barkhordarian, “determinamos que a mudança na aridez atmosférica está muito além do que seria esperado da variabilidade climática natural”.

Em particular, as partes sul e sudeste da Amazônia, mais afetadas pelo desmatamento provocado pela grilagem, pela implantação de novas fazendas e pastagens, têm experimentado estações secas cada vez mais secas e que duram cada vez mais. Mas, mesmo nos trechos setentrionais da floresta, as “megassecas” pontuam os últimos 20 anos, sendo que a mais recente ocorreu em 2015.

As emissões de gases de efeito estufa são parte do problema. À medida que as suas concentrações aumentam na atmosfera, capturam mais energia, o que aquece o planeta e leva a condições mais secas. Os aerossóis que formam a fuligem e são libertados pelos incêndios também absorvem calor e dificultam a formação de nuvens.

Para se manterem frescas à medida que a temperatura aumenta, as árvores retiram mais água do solo. Normalmente, essa água flui através das árvores, desempenhando um papel vital no transporte de nutrientes ao longo do caminho. Quando finalmente é libertada do topo do dossel, a umidade condensa-se em nuvens e grande parte dela regressa ao solo sob a forma de chuva.

“É uma questão de oferta e demanda”, disse Sassan Saatchi, cientista sênior de pesquisa da JPL e coautor do estudo. “Com o aumento da temperatura e a secura do ar acima das árvores, estas precisam transpirar para se resfriar e adicionar mais vapor de água à atmosfera.

“Mas o solo não tem água extra para as árvores puxarem”, acrescentou.

Essas condições mais áridas tornam os incêndios mais prováveis, o que por sua vez pode secar a floresta ainda mais. À medida que a água se torna mais escassa, as próprias florestas, juntamente com alguns dos ecossistemas mais biodiversos da Terra que elas sustentam, podem estar em perigo.

“Nosso estudo mostra que a demanda está aumentando e a oferta está diminuindo”, disse Saatchi, “e, se isso continuar, a floresta pode não ser mais capaz de se sustentar”.

Como disse o jornalista Marcelo Leite no Twitter, os resultados deste trabalho são muito importantes: podemos estar observando o início da ladeira que levaria a Amazônia a ressecar-se, ficando mais parecida com uma savana. O famigerado “dieback”, espécie de colapso do bioma.

A matéria é da Mongabay.

___________________________________________

Este artigo foi publicado pelo ClimaInfo [Aqui!].

Amazônia em chamas: desmatamento bate recorde, enquanto degradação avança

desmate 0Mosaico de imagens com visualização (em amarelo) do total desmatado. Fonte: INPE.

O governo Bolsonaro bem que tentou esconder o sucesso de sua política de desmanche ambiental que ajudou a turbinar os dados de desmatamento na Amazônia. Mas hoje em tom quase apologético (só de fachada, é claro), o ministro (ou seria anti-ministro?) do Meio Ambiente, o improbo Ricardo Salles, deu a conhecer os dados de desmatamento no bioma amazônico para os últimos 12 meses (ver figura abaixo).

desmate 1

Os número revelados pelo governo Bolsonaro revelam que cerca de 10,000 km2 de florestas foram derrubadas para dar vazão ao avanço de várias commodities, incluindo a soja e a carne bovina.  Esse valor é um recorde que só perde para os números acumulados em 1995 e 1998.

Ricardo Salles rapidamente ofereceu uma série de promessas para restabelecer os sistemas de comando e controle que ele mesmo desmanchou para fazer frente a esse recorde pavoroso.  Entretanto,  é importante que ninguém caia nesse conto do vigário, pois a recente medida de liberar o plantio de cana-de-açúcar no bioma amazônico e a sinalização de que também vai ser suspensa a moratória da soja são indicativos do que o governo Bolsonaro realmente quer, qual seja, possibilitar ainda mais desmatamento na Amazônia.

Mas se os números de desmatamento já são alarmantes, é sempre importante lembrar que desmatamento (ou corte raso da floresta) é apenas a forma mais drástica de modificação da cobertura vegetal. É que outras formas igualmente importantes de alteração da paisagem florestal estão ocorrendo simultaneamente e de formas mais crípticas, incluindo a extração seletiva de madeira e o fogo. 

Entretanto, uma estratégia que é historicamente usada para esconder o “grande total” da alteração da cobertura vegetal na Amazônia tem sido  omitir os valores da degradação, como se fosse impossível separar cada uma dessas vertentes, o que obviamente se trata de uma falácia.

Gosto sempre de citar um artigo que foi publicado em 2013 pela revista International Journal of Remote Sensing onde, sob a liderança do professor da Universidade Nacional de Brasília (UNB), Eraldo Matricardi, um grupo de pesquisadores do qual participei, ofereceu cálculos bastante precisos sobre o impacto da extração de madeira e do fogo na degradação da floresta amazônica, valores esses que precisam ser acrescidos ao do desmatamento para que tenhamos uma fotografia completa das alterações. O problema é que isso não é feito, justamente para que se fique com a impressão de que só o desmatamento deve ou pode ser contabilizado como significante. E isto não é de forma alguma o caso.

Área degradada por queimadas (esquerda) e extração seletiva de madeira (direita). Fonte: Matricardi et al. 2013

Trocando em miúdos, ainda que os dados de desmatamento sejam impactantes, eles são apenas parte da explicação. Além disso, ainda que a relação entre avanço das formas de degradação e a ocorrência do desmatamento não seja necessariamente direta, há sim um processo de retroalimentação entre eles.  Assim, se a coisa parece preocupante com a contabilização do desmatamento, imaginem o que ruído que ocorrerá quando forem somadas todas as formas de degradação e o seu total acrescido aos valores totais do desmatamento.

E a questão da Amazônia parece definitivamente a confirmação daquela lei de Murphy que diz que “não há tão ruim que não possa piorar”….

Desmatamento na Amazônia vai ultrapassar os 10 mil km²

Estudo revela que incêndios foram causados por aumento da destruição da floresta. Medo de represálias leva alguns cientistas a não assinarem o documento

Queima-1Incêndios florestais na Amazônia, praga que se repete anualmente, estáão em ritmo acelerado em 2019 com aumento de grilagem e desmatamento (Foto Marizilda Cruppe/Greenpeace)

Por Marizilda Cruppe para o Projeto Colabora

Poderia ser mais um artigo científico, fundamental para ajudar a sociedade a entender as recentes queimadas que acometeram a floresta amazônica. Não fosse um detalhe: a frase que encerra os agradecimentos finais. “Alguns colaboradores declinaram da autoria para manter o anonimato. Lamentamos que isso seja necessário e agradecemos a eles por sua importante contribuição.”

Tão grave quanto a projeção de que o desmatamento deve ultrapassar os dez mil quilômetros quadrados, a maior taxa registrada desde 2008, é ver cientistas precisarem esconder suas identidades por questões de segurança, com medo de represálias do governo.

“É chocante. Fiquei indignado de ver que isso tenha sido necessário” desabafa o inglês Jos Barlow, professor das universidades de Oxford e Lavras,  que liderou o estudo divulgado ontem, e que pesquisa as emissões de carbono na Floresta Amazônica brasileira há tempo suficiente para ter passado por quatro presidentes. Está no quinto. “Nunca vi nada parecido no Brasil. O país está seguindo as estratégias da extrema-direita. Não demite, mas torna a vida dos cientistas insuportável”.

Em março deste ano, Barlow assinou, com mais seis cientistas, um editorial no Jornal de Ecologia Aplicada da Sociedade Ecológica Britânica, fundada em 1913, que falava de países onde a influência científica e as liberdades acadêmica e pessoal foram comprometidas. O Brasil foi citado como um país com a liberdade acadêmica comprometida por medidas adotadas pelo governo Bolsonaro, como a extinção de órgãos que lideravam discussões internacionais sobre mudanças climáticas e de departamentos do Ministério do Meio Ambiente que tratavam do desmatamento.

Soja e fragmento de floresta em Belterra.

Foto Marizilda Cruppe/DivulgacãoAs plantações de soja estão entre os vilões do desmatamento na Amazônia. Foto Marizilda Cruppe/Rede Amazônia Sustentável

“Desmatamento e fogo andam de mãos dadas”

O artigo Clarifying Amazonia’s burning crisis (Esclarecendo a crise das queimadas na Amazônia) foi publicado ontem pelo periódico inglês Global Change Biology (versão original aqui), um dos maiores do mundo na área de meio ambiente. Os cientistas identificaram os diferentes tipos de incêndios, os agentes causadores e potencializadores e examinaram as possíveis soluções. O estudo se refere ao período de agosto deste ano quando ocorreu um pico de queimadas diretamente ligadas ao desmatamento. Erika Berenguer, cientista sênior das universidades de Oxford e Lancaster, pesquisa emissões de carbono na Amazônia há mais de uma década. Ela comenta sobre o principal resultado:

“Mostramos nesse estudo que os incêndios de 2019 são um reflexo do aumento do desmatamento, já que desmatamento e fogo andam de mãos dadas. Depois da floresta derrubada, ela continua existindo, só que no chão, morta. É aí que os invasores entram com o fogo, transformam tudo em cinzas para que a agricultura possa chegar”.

Para a brasileira radicada na Inglaterra o Brasil sabe como diminuir o desmatamento e tem essa capacidade “porque de 2004 a 2012 o desmatamento caiu 80%.” Ela lamenta que “pela primeira vez em dez anos o desmatamento pode chegar a dez mil quilômetros quadrados, o que parecia impensável que o Brasil voltasse a fazer.” E arremata “o país sabe o que e como fazer, o que falta é vontade política.”

São vários os agentes causadores apontados pelo estudo como governança fraca, rebanhos enormes e mal administrados, comércio ilegal de madeira e mudanças climáticas. Uma frouxidão do governo pode levar ao aumento do desmatamento que por sua vez é um gatilho para incêndios. As mudanças climáticas tornam as florestas mais quentes e secas e, por isso, mais propensas a incêndios fora do controle. Cada tipo de incêndio traz impactos diferentes. Um incêndio em área aberta pode matar o gado e acabar com plantações, enquanto incêndios florestais, mesmo de baixa intensidade, podem matar metade das árvores.

O estudo avaliou as alegações do governo Bolsonaro de que os incêndios de agosto eram “normais” e “abaixo da média histórica”. Os cientistas compararam dados públicos sobre queimadas e desmatamento e constataram que os incêndios deste ano foram os maiores desde 2010. E, se comparados ao mesmo período de 2018, os incêndios foram quase três vezes maiores.

Os cientistas apontam no estudo caminhos para a prevenção dos incêndios florestais que exigiriam ações do governo no combate ao desmatamento e ao comércio ilegal de madeira, pois mudanças no microclima tornam as florestas mais inflamáveis. Outra ação seria o monitoramento da intensidade da seca e o risco de incêndios com o apoio de brigadas de incêndio locais.

A taxa anual de desmatamento do período que compreende agosto de 2018 a julho de 2019 será divulgada na segunda-feira e os números do PRODES são ansiosamente aguardados porque os monitoramentos do Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE) apontam para o maior desmatamento dos últimos 11 anos.

*Marizilda Cruppe tentou ser engenheira, piloto de avião e se encontrou mesmo no fotojornalismo. Trabalhou no Jornal O Globo um bom tempo até se tornar fotógrafa independente. Gosta de contar histórias sobre direitos humanos, gênero, desigualdade social, saúde e meio-ambiente. Fotógrafa para organizações humanitárias e ambientais. Em 2016 deu a partida na criação da YVY Mulheres da Imagem, uma iniciativa que envolve mulheres de todas as regiões do Brasil. Desde 2015 é nômade e vai onde a Fotografia a leva. Usa seu celular para fotografar as camas onde dorme nessa vida sem casa – já são 130 e contando!

___________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado pelo Projeto Colabora [Aqui!].

Se nada for feito, reserva extrativista Chico Mendes vai virar pasto

Imazon indica aumento de 39% nos índices relativos ao aumento de desmatamento; Pecuária está tomando conta, relata companheiro de Chico Mendes

Resex-Chico-Mendes-1Desmatamento abre pastos na reserva criada na para o sustento de famílias extrativistas, que dependem da floresta em pé

Dois dias após o presidente Jair Bolsonaro (PSL) autorizar o plantio de cana na Amazônia e Pantanal, além de outras regiões, nesta quarta-feira (6), a semana terminou com outra notícia no mínimo preocupante. O Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) divulgou estudo mostrando que a ameaça e pressão por desmatamento em áreas protegidas na Amazônia aumentaram 39% no período relativo a agosto de 2018 a julho deste ano, quando comparando ao período anterior. Isso corresponde a um total de 5.054 quilômetros quadrados de florestas derrubadas na Amazônia Legal.

Chama atenção no estudo, entre outros aspectos, o fato de que as mesmas áreas protegidas (APs) continuam no ranking das que mais sofrem ameaça e pressão. A Reserva Extrativista (Resex) Chico Mendes, no Acre, manteve a liderança no ranking das mais ameaçadas de desmatamento. E a Área de Proteção Ambiental (APA) Triunfo do Xingu, no Pará, também manteve-se como a mais foi pressionada.

O Imazon considera pressão a ocorrência de desmatamento no interior da área protegida, o que pode levar a perdas ambientais e até mesmo redução ou redefinição de limites da Área Protegida. E ameaça é o risco iminente de ocorrer desmatamento no interior da área protegida.

Chico Mendes

Criada em março de 1990, pouco mais de um ano após o assassinato de Chico Mendes, a Reserva Extrativista batizada com o nome do líder seringueiro é uma unidade de conservação localizada no sul do estado do Acre, próximo da divisa com a Bolívia. Mais de dez mil pessoas moram na reserva, que tem área área de 970.570 hectares.

Um dos maiores legados de uma das maiores lideranças ambientalistas de seu tempo, as reservas foram concebidas conforme o conceito de reforma agrária para as comunidades locais, que ao usufruírem dos frutos da terra, participam da preservação da floresta.

De olho também nas riquezas sob os territórios indígenas, garimpeiros, mineradoras ilegais e ruralistas avançam sobre essas terras, principalmente após a chegada de Jair Bolsonaro à presidência. Defensor dessas atividades na Amazônia e de seus atores, o capitão tem contribuído para a degradação do bioma com seu discurso e com ações, por meio de políticas de desmonte da estrutura de fiscalização e de preservação ambiental de seu ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles.

Morador da Resex Chico Mendes e integrante do movimento comandado pela liderança seringueira assassinada em dezembro de 1988, Raimundo Mendes disse à equipe da SOS Amazônia que essas áreas de floresta vêm perdendo espaço para a pecuária.

___________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado pelo site Amazônia notícia e informação [Aqui!].

Bolsonaro autoriza plantio de cana na Amazônia e no Pantanal

Após incentivar queimadas, Bolsonaro anuncia novo ataque à Amazônia e outros biomas: suas árvores poderão ser substituídas por extensos canaviais

canaviaisOs canaviais vão empurrar o gado para novas áreas de floresta, estimulando a devastação, o conflito, e ainda trarão as chuvas de agrotóxicos

Por Cida Oliveira para a Rede Brasil Atual

São Paulo — Depois de admitir a investidores árabes que “potencializou” as queimadas na Amazônia por discordar de políticas ambientais de governos anteriores, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) decretou que a região – bem como o Pantanal e a Bacia do Alto Paraguai, na mesma região – está liberada para o plantio da cana. O Decreto 10.084, de 5 de novembro, publicado hoje (6) no Diário Oficial da União, revoga o Decreto 6.961, de setembro de 2009, em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva instituiu o zoneamento para o plantio da cana e as operações de financiamento ao setor sucroalcooleiro. Além de Bolsonaro, assinam o decreto a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, e o ministro da Economia, Paulo Guedes.

A publicação coincide com os novos dados sobre o papel dos biocombustíveis na redução das emissões brasileiras de carbono em 2018, divulgados hoje pelo Observatório do Clima na Conferência Brasileira sobre Mudança do Clima, realizada em Recife.

“Com seu ato, os dois ministros, tidos como a ‘ala razoável’ do governo, expõem dois biomas frágeis à expansão predatória e economicamente injustificável da cana e jogam na lama a imagem internacional de sustentabilidade que o etanol brasileiro construiu a duras penas”, afirmou o Observatório por meio de nota.

A medida foi repudiada pelo ex-ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, que chamou Bolsonaro de “ecocida”.

minc cana

Sonho antigo

A liberação do plantio de cana na floresta é objetivo antigo do agronegócio que sustenta o governo e que tem na ministra da Agricultura, a “musa do veneno“, seu mais forte representante. Em março de 2018, mais de 60 entidades ambientalistas, de direitos humanos e de defesa da reforma agrária, entre outras, assinaram manifesto contra a aprovação do Projeto de Lei do Senado (PLS) 626/2011, de Flexa Ribeiro (PSDB-PA), que libera o cultivo de cana de açúcar na Amazônia Legal.

Para essas entidades, permitir o cultivo de cana na região, mesmo que em terras degradadas, é um erro. “Significa acrescentar mais um motor ao crescente desmatamento. Para dar lugar à lavoura, a pecuária será empurrada para novas áreas, estimulando a devastação da floresta, a violência contra as populações locais e a injustiça social. Além disso, a área já liberada para a cana-de-açúcar no resto do país é do tamanho do território de Minas Gerais.”

A produção de cana também está associada à degradação do solo e dos ecossistemas. E o uso intensivo de agrotóxicos, principalmente por meio da pulverização aérea, tem aumentado o número de intoxicações agudas, crônicas e o aumento de casos de diversos tipos de câncer, malformações congênitas e outras doenças graves.

_________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado pela Rede Brasil Atual [Aqui!].

Amazon Watch: o que acontece quando a floresta desaparece?

Em um local remoto onde a maior floresta tropical do mundo confina com terras desmatadas para a agricultura, cientistas brasileiros e americanos estão atentos a um ponto crítico – o momento em que a Amazônia deixa de ser um sumidouro de carbono e se transforma em uma fonte de emissões de carbono.

yale 4A fronteira entre a Fazenda Tanguro e a floresta amazônica no Mato Grosso, Brasil. CORTESIA DE CHRIS LINDER

Por Fred Pearce* para o Yale 360

O contraste é impressionante. De um lado de uma trilha estreita, encontra-se a floresta úmida, fresca e úmida, estendendo-se a noroeste por centenas de quilômetros através da quase intacta reserva indígena do Xingu. Do outro lado, está quente, o solo nu sendo preparado para plantar soja em uma fazenda do tamanho de 14 Manhattans. Isso, diz meu guia, o cientista de sistemas terrestres Michael Coe, é a linha de frente do desmatamento na Amazônia – onde a floresta tropical encontra o agronegócio, mas também onde um ecossistema da floresta tropical está sendo degradado em pastagens de savana.

É também “o laboratório perfeito” para explorar como as florestas interagem com o clima e como isso muda quando a floresta desaparece, diz Coe, do Centro de Pesquisa Woods Hole, em Massachusetts. E é aí que os cientistas brasileiros e americanos estão vigiando o ponto de inflexão previsto há muito tempo – o momento em que a Amazônia, a maior floresta tropical do mundo, inicia um processo de degradação descontrolada, quando tantas florestas foram perdidas que a transição para a savana é perdida. irreversível. Esse será o momento em que a Amazônia deixará de ser um sumidouro de carbono que ajudará a proteger o planeta das mudanças climáticas e se transformará em uma fonte global de emissões de carbono.

Estamos na Fazenda Tanguro, no estado brasileiro de Mato Grosso, uma das maiores fazendas de soja do mundo. A 16 horas de ônibus de Brasília, a fazenda fica na bacia do rio Xingu, um dos maiores afluentes do rio Amazonas. Há um século, quando a área ainda era uma selva remota, o excêntrico explorador britânico Percy Fawcett desapareceu aqui enquanto procurava a suposta “Cidade Perdida de Z” e onde cerca de 100 pessoas morreram procurando resgatá-lo.

Talvez nunca tenha havido uma “cidade perdida”. Mas a cidade local de Canarana está repleta de silos de grãos, bares e franquias da John Deere, atendendo às grandes fazendas. Uma dos maiores, a Fazenda Tanguro, foi parcialmente desmatada para o plantio de pastos na década de 1980 e convertida em cultivo a partir de 2003 pela corporação Amaggi, o maior conglomerado agrícola de soja do mundo. Hoje, metade é composta por fragmentos de floresta; o restante consiste em campos gigantes que cultivam soja, milho e, a partir deste ano, algodão.

Graças a um acordo fechado em uma reunião casual entre o pesquisador de Woods Hole, Dan Nepstad, e o CEO da empresa e então governador do estado, Blairo Maggi, pesquisadores e colegas americanos do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) monitoram a floresta desde 2004 e pesquisam como o clima está mudando dentro e ao redor dele.

E após os incêndios generalizados estabelecidos este ano nas margens da Amazônia – quebrando uma série de 15 anos durante os quais o desmatamento foi dramaticamente reduzido – lugares como esse estão na linha de frente, pois a Amazônia enfrenta sua crise mais fundamental, com as temperaturas subindo, estações secas se prolongando e árvores da floresta tropical sendo substituídas por espécies de savana.

Mais de um terço da Bacia do Xingu, uma região maior que o Estado de Nova York, está desmatada. Restos de cobertura de árvores são tudo o que permanece fora da reserva indígena do Xingu, ainda densamente florestada, em seu coração. Sou mostrado por Coe e Divino Silvério, filho de um fazendeiro local. cujo trabalho de pesquisa na estação lhe rendeu um doutorado e uma série de artigos científicos conceituados. “Temos mais de uma década de dados aqui. Em nenhum outro lugar nos trópicos há isso ”, diz Coe.

yale 3Tanguro é uma das maiores fazendas do Mato Grosso. No total, mais de um terço da Bacia do Xingu foi desmatado, grande parte para o cultivo de soja. CORTESIA DE MICHAEL COE

O que eles estão vendo é alarmante.

O desmatamento está aumentando drasticamente as temperaturas locais. O ar sobre a fazenda é em média 5 graus Celsius mais quente do que na reserva florestal sobre a cerca: 34 graus C, em vez de 29 graus C. A diferença sobe para impressionantes 10 graus no final da estação seca, diz Coe.

E a estação seca está aumentando. Em toda a bacia do Xingu e na região sul da Amazônia, conhecida como “arco do desmatamento”, dura quase quatro semanas a mais do que meio século atrás.

Por que essas grandes mudanças? As respostas não estão nas mudanças climáticas globais, mas no impacto do desmatamento, diz Coe. Antigamente, as árvores da floresta agiam como bombas de água, reciclando a maior parte da água da chuva, que bombeavam do subsolo e liberavam na atmosfera os poros de suas folhas, um processo conhecido como transpiração.

A transpiração requer grandes quantidades de energia, extraídas da radiação solar. “Todo metro quadrado de floresta remove o equivalente ao calor de cerca de duas lâmpadas de 60 watts que queimam 14 horas por dia”, calculou Coe em um estudo. Então, esfria o ar da floresta intacta. Mas tire a floresta e o ar fica instantaneamente muito mais quente.

A transpiração de uma típica grande árvore amazônica também libera cerca de 500 litros de água por dia na atmosfera. A umidade cria nuvens e chuva que sustentam a floresta. Três quartos da chuva que cai nas partes florestadas da Bacia do Xingu são reciclados de volta ao ar dessa maneira. Mas essa proporção cai para 50% ou menos se as árvores forem substituídas por pastagens ou áreas de cultivo.

Atualmente, a Amazônia ainda gera cerca de metade de suas próprias chuvas, com alguma chuva soprando nos ventos alísios do Oceano Atlântico caindo e transpirando de volta para o ar cinco ou seis vezes enquanto atravessa a vasta bacia. Mas o desmatamento reduziu a reciclagem anual de umidade na Bacia do Xingu em 35 quilômetros cúbicos nas últimas duas décadas, segundo Silvério.

Assim, o desmatamento cria o que Coe chama de “uma mudança gigante no balanço de água e energia. O clima muda. ”A selva permanentemente úmida é substituída por um clima mais quente e seco, com demônios de poeira substituindo árvores transpirantes.

A mudança é especialmente importante no final da estação seca. Tocando a água no subsolo, as árvores continuam transpirando mesmo depois de meses sem chuva. De fato, graças à energia do sol implacável, elas transpiram ainda mais na estação seca do que na estação chuvosa. Pesquisas em Tanguro confirmaram que isso é vital para o término da estação seca, porque fornece a primeira umidade para que as chuvas sejam retomadas, diz Coe.

À medida que o clima muda, o mesmo acontece com a vegetação. O aumento da temperatura e uma estação seca mais longa, ambos causados ​​pela perda de árvores, criam estresse hídrico que inverte os ecossistemas da floresta tropical para a savana.

Uma longa estação seca também torna as florestas mais suscetíveis a incêndios. E os incêndios, por sua vez, aceleram a mudança na vegetação. Como Coe coloca: “O fogo é a maneira da natureza começar de novo”. E agora, quando começa aqui, muda para as espécies de savana.

yale 2Incêndios experimentais na Fazenda Tanguro permitem que os cientistas estudem como a floresta amazônica responde e se recupera após os incêndios. CORTESIA DO WHRC E DO IPAM

A combinação de temperaturas crescentes, estações secas mais longas e mais incêndios está impulsionando a “savanização” das florestas – um processo previsto pela primeira vez em 1991 pelo preeminente cientista climático brasileiro Carlos Nobre. “Quando a estação seca se prolonga por mais de quatro meses, a floresta tropical se transforma em savana”, ele me disse quando nos encontramos em sua cidade natal fora de São Paulo após minha visita a Tanguro.

Por muitos anos, isso foi apenas uma previsão dos modelos climáticos. Mas, afirma Paulo Moutinho, cientista sênior do IPAM e membro do Woods Hole, “nossos estudos sobre incêndio em Tanguro foram os primeiros a testar o modelo de savanização de Nobre em campo. Estamos demonstrando o que Nobre previu – que o fogo transforma a floresta tropical em savana, acelerando a invasão de árvores de cerrado. ”Silvério supervisionou um inventário detalhado de milhares de árvores nas áreas florestadas da Fazenda Tanguro. O segundo censo, atualmente em andamento, encontrou um declínio no número de espécies nos últimos quatro anos. As grandes árvores da floresta tropical, em particular, estão sendo substituídas por espécies pioneiras de rápido crescimento, muitas mais conhecidas nas regiões de savana.

Parcelas experimentais em Tanguro, nas quais pedaços de floresta são submetidos a queimadas, mostram como os incêndios, as savanas e as ervas se movem para substituir a floresta perdida. As gramíneas, em particular, são mais inflamáveis; portanto, o próximo incêndio queima mais ferozmente que o primeiro.

Os gerentes da Fazenda Tanguro tentam seguir o Código Florestal do governo, que exige que plantem espécies nativas de árvores da floresta tropical em terras próximas a rios que foram ilegalmente derrubados pelos pecuaristas que os precederam. Mas o novo clima da savana significa que as mudas da floresta tropical não crescerão, diz Coe. “Provavelmente as espécies de savana cresceriam, mas o código diz que você precisa restaurar o que havia antes.” Então, em vez disso, a empresa deixa essas áreas ribeirinhas cercadas na esperança de que as espécies nativas encontrem uma maneira de retornar. Ninguém está prendendo a respiração.

Nobre argumentou em 2007 que poderia chegar a um ponto em que a savanização é imparável em grandes áreas da Amazônia. Ele disse que o ponto de inflexão pode ocorrer se 40% da floresta for perdida. Mais recentemente, ele alertou que, com o aumento global das temperaturas em segundo plano, esse limite poderia estar muito mais próximo – com perda de 20 a 25%. Com cientistas do governo brasileiro estimando a perda atual em 19,7%, o dia do juízo final pode estar próximo.

Alguns dos principais pesquisadores brasileiros entrevistados para este artigo questionaram se existe um único ponto de inflexão que se aplica a toda a Amazônia. Poderia ser um processo mais gradual. O norte e o oeste mais primitivos poderiam sobreviver. Mas outras regiões do sul e leste, incluindo Mato Grosso, já superaram a perda de 25%. E em Tanguro, a aceleração da savanização parece estar ocorrendo agora.

Isso é importante para o planeta como um todo. Pois, diz Jose Marengo, diretor de pesquisa do Centro Nacional de Monitoramento e Aviso Prévio de Desastres Naturais do Brasil, a mudança da floresta tropical para a savana mudará a Amazônia de sua posição atual como uma pia para cerca de um bilhão de toneladas de dióxido de carbono atmosférico por ano, em uma fonte de CO2. “Isso significaria adeus a Paris”, diz ele, referindo-se ao acordo de Paris de 2015 que visa manter o aquecimento global abaixo de 2 graus.

Uma pesquisadora me disse que acredita que a troca já aconteceu. Seu estudo ainda não foi concluído, mas pode produzir algumas descobertas interessantes no próximo ano.

Para os cientistas brasileiros que lutam para salvar a Amazônia, a tragédia é que eles estão vendo décadas de trabalho que estabeleceram a importância da floresta para o Brasil e o mundo aparentemente desfeitos nos meses desde que Jair Bolsonaro assumiu o cargo de presidente do Brasil em janeiro. Ele efetivamente deu uma luz verde para o desmatamento. Isso reverteu um declínio no desmatamento de mais de 75% desde 2004, logo após a ativista ambiental Marina Silva se tornar a ministra do Meio Ambiente do país. Ela introduziu uma moratória na venda de carne bovina ou soja de terras recentemente desmatadas e policiou a Amazônia com monitoramento por satélite em tempo real da destruição da floresta.

Bolsonaro diz que o Brasil não pode permitir que seu desenvolvimento econômico seja prejudicado por restrições impostas por estrangeiros à derrubada de florestas para agricultura. Isso é bobagem, diz a maioria dos cientistas de seu país. A maior parte do desmatamento é realizada ilegalmente por especuladores que capturam terras florestais estatais. “Eles cortam e queimam as árvores. Depois, plantam gado e esperam uma anistia para legalizar sua anexação, para depois venderem ”, diz Moutinho.

yale 1A reserva indígena do Xingu, uma das poucas áreas remanescentes em grande parte intactas da floresta. CORTESIA DO WHRC E DO IPAM

Não se trata de desenvolvimento econômico, diz Moutinho. É sobre tolerar a criminalidade. O desenvolvimento econômico genuíno envolveria o uso mais intensivo de terras já desmatadas. De fato, diz Nobre, o país poderia aumentar a produção de carne e soja e ainda devolver a terra para a regeneração natural da floresta. “Se você dobrar a intensidade do gado, o que é totalmente viável, poderá liberar mais de meio milhão de quilômetros quadrados para a restauração da floresta”, ele me disse.

Tais políticas progressistas agora são apoiadas por muitos grandes agronegócios, diz Nobre. Eles temem que o desmatamento continuado possa trazer boicotes ao consumidor internacional de carne bovina, soja e outros produtos. Mas ainda não está claro se o governo continuará apoiando especuladores de terras ou ouvindo uma aliança emergente de ambientalistas e agronegócios.

Com um ponto de inflexão se aproximando, as apostas são imensamente altas para a Amazônia e o planeta. As florestas e grande parte de sua biodiversidade poderiam, com a assistência certa, ainda se recuperar. Mesmo os enormes campos de soja em Tanguro não são tão inanimados quanto se poderia esperar. Altos pássaros que não voam voam por aí à procura de sementes. Faixas e excrementos de anta estão por toda parte. Os tatus escavam nas margens. E até vi uma onça-pintada passeando por uma trilha a apenas 20 metros de um campo esperando para ser plantada com soja.

Mas no caminho de volta a Canarana, a poucos quilômetros do portão da fazenda, Silvério e eu encontramos os restos enegrecidos de uma floresta nativa. Ele havia sido engolido pelas chamas após um incêndio para limpar a vegetação no pasto apenas uma semana antes de se espalhar pela estrada. Foi deliberado ou acidental? Aqui na fronteira selvagem do Brasil, ninguém sabia – ou estava dizendo.

* Fred Pearce é um autor freelancer e jornalista baseado no Reino Unido. Ele é um colaborador do Yale Environment 360 e é autor de vários livros, incluindo The Land Grabbers, Earth Then and Now: imagens surpreendentes do mundo em mudança e The Climate Files : A batalha pela verdade sobre o aquecimento global.

________________________________________________

Esta reportagem foi originalmente publicada em inglês pelo Yale 360 que é produzido pela Yale School of Forestry and Environmental Studies [Aqui! ].