Esgoto jorrando nas ruas do Parque Santuário desmente cenas idílicas pró privatização dos serviços públicos

Alguns atrás levei o jornalista Roberto Barbosa para produzir uma matéria para um programa agora extinto, o “De olho na cidade”, sobre o lançamento de esgoto in natura em uma rua do Parque Santuário, bairro localizado no Distrito de Travessão. Por causa da matéria, Roberto Barbosa recebeu até acusações de que estava fazendo “jornalismo marrom” por denunciar aquela situação escabrosa (pensando bem a única coisa marrom naquela matéria era o esgoto que jorrava abundantemente em uma das muitas áreas esquecidas pelo poder público e pelo processo de privatização dos serviços de água e esgoto em Campos dos Goytacazes).

Pois bem, eis que passados muitos anos daquela matéria vespertina, eis que um novo vídeo me chega do mesmo Parque Santuário mostrando, pasmem, esgoto jorrando a céu aberto na rua Nossa Senhora da Conceição (ver vídeo abaixo).

Por uma dessas coincidências que só as redes sociais nos permitem ver, alguém compartilhou uma imagem do mesmo bairro mostrando as dificuldades enfrentadas por profissionais de saúde que buscavam um paciente em sua residência, pois tiveram que enfrentar, isso mesmo, mais esgoto jorrando pelas ruas do Parque Santuário (ver imagem abaixo).

parque santuário esgoto

Aí é que eu pergunto: é para isso que serve privatizar a preços onerosos para a população pobre os serviços de água e esgoto? Penso que não, mas quem deveria fiscalizar (a Câmara Municipal) parece não ter tempo para esse tipo de atividade tão ocupados estão com as disputas políticas internas.

Mas uma coisa é certa: após assistir este vídeo e visualizar a luta dos profissionais da saúde tentando buscar um paciente em rua tomada por esgoto fica mais difícil acreditar em todas aquelas imagens bonitinhas que a concessionária Águas do Paraíba mostrou na audiência em que estive presente na mesma Câmara de Vereadores.  Por que será que não estou surpreso?

Travessão pergunta: cadê o fumacê, Rafael?

aedes-aegypti-07032018152742469

O mosquito Aedes Aegypti transmite chikungunya, dengue e zika. Pexels

Hoje tive acesso a informações vindas do distrito de Travessão que aquela localidade está severamente impactada por um surto da  febre chikungunya, que é uma doença viral transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. Famílias inteiras estão acamadas, sendo que nos casos dos mais sortudos nem todos estão ficando enfermos ao mesmo tempo, o que nem sempre é o caso.

febre-chikungunya

Uma reclamação de quem me deu a notícia desse surto de chikungunya é que, enquanto a população sofre, não há sequer notícia da passagem do tradicional “fumacê” que historicamente é utilizado para diminuir o tamanho das epidemias associadas ao Aedes aegypti. 

Noto ainda que, ao contrário de governos anteriores, não há no site oficial da Prefeitura informações sobre o que está sendo feito para conter o surto de chikungunya, nem quais são as medidas que estão sendo adotadas para facilitar o tratamento dos que já foram infectados pelo vírus.

Aliás, tampouco tenho visto na mídia corporativa local entrevistas ou comunicados do Centro de Controle de Zoonoses e Vigilância Ambiental que nos davam, ao menos, a noção do que estava ocorrendo durante a ocorrência de surtos de doenças transmitidas por mosquitos, e cujos impactos são bastantes diferenciados em partes do município, atingindo de forma mais dura os bairros e localidades cuja população é majoritariamente menos favorecida economicamente, como é o caso do já citado Distrito de Travessão.

Nesse sentido, não me parece demais perguntar: cadê o fumacê, Rafael?