As jaulas da política de “tolerância zero” contra imigrantes e exilados do governo Trump convulsionam os EUA

Morei nos EUA por quase 7 anos, e posso dizer como José Marti que “vivi no monstro e conheço suas entranhas”. Mas não posso dizer que minhas memórias da vida em terras estadunidenses são trágicas ou infelizes, apesar dos momentos difíceis que passei, muitos deles pela minha própria incapacidade cultural de entender como aquela sociedade funcionava.  Todavia, aprendi ao viver nas entranhas do monstro que sua gente não se ajusta necessariamente aos estereótipos que são formulados por quem desdenha, mas quer comprar os valores que dominam um modo de vida anconrado no consumo pleno e, claro, numa quantidade gigantesca de desperdícios.

A verdade é que por onde passei encontrei sempre pessoas que me trataram de forma gentil e compreensiva me deram uma mão amiga, muitas vezes indo além do que teria sido feito em situações semelhantes no Brasil, onde abunda uma forma de relacionamento que eu chamo de “falsa gentileza”, onde o tapinha nas costas pode ser a antevéspera da facada numa dialética que já foi imortalizada pelo poeta Augusto dos Anjos no seu “Versos íntimos”.

Por conhecer um pouco as complexidades da sociedade estadunindense é que não me surpreendo com toda a repercussão negativa que está acontecendo dentro dos EUA em reação à política de separação de país e filhos de pessoas que estão chegando e se entregando às autoridades na fronteira com o México. Essa política desenvolvida pelo governo de Donald Trump como mais uma das táticas de coação em assuntos que envolvem estratégias multilaterais (basta ver as disputas em curso com a China e a União Européia) acabou se mostrando um tremendo tiro no pé, pois as reações contrárias vieram de todos os lados do espectro político.

trump children

O gráfico acima mostra os resultados de uma pesquisa recente feita pela Universidade Quinnipiac, mostra de forma inequivoca que  66% dos eleitores americanos é contra as medidas drásticas de separar país e filhos e, pior, de colocar crianças e adolescentes em espaços que se assemelham a campos de concentração. Basta lembrar que apenas em seis semanas,  no período de abril a maio de 2018, 2.000 crianças foram separadas de seus pais e colocadas em celas que se assemelham a jaulas.

Mesmo tendo cedido sobre o efeito da pressão pública, o presidente Trump certamente ainda terá que conviver com as consequências negativas de sua política imigratória baseada na teoria de que campos de concentração são mais eficientes do que oferecer mecanismos mais humanos para estancar a onda migratória que continuará batendo às portas dos EUA, especialmente em sua fronteira sul. 

E não há como traçar um paralelo deste caso com o que se tem visto no Brasil nos últimos anos. Enquanto nos EUA milhares de pessoas e lideranças políticas saíram às ruas para denunciar o tratamento desumano sendo dado à crianças pobres que estavam sendo vítimas de uma forma explícita de terrorismo de estado,  aqui no Brasil o que tem se visto são massas de privilegiados que só ocupam espaços públicos para demandar a regressão da frágil melhoria nas condições de vida que as políticas sociais formuladas a partir da Constituição Federal de 1988 ofereceram aos segmentos mais miseráveis da nossa população.

Robert de Niro soltou um “Foda-se Trump” na cerimônia do Tony Award

Resultado de imagem para de niro tony award

O ator Robert de Niro resolveu usar a sua participação na cerimônia de entrega de prêmios a artistas de teatro dos EUA, o Antoinette Perry Award for Excellence in Theatre, mais popularmente conhecido como Tony Award, para mandar uma mensagem tão dura quanto direta o presidente Donald Trump, quando soltou um “Fuck Trump” ou em português literal “Foda-se Trump (ver vídeo abaixo).

O fato é que de Niro é um opositor declarado de Donald Trump e sua mensagem de “foda-se” não chegaria a ser meritória de ser notícia se não fosse pela reação da imensa maioria da plateia presente, composta pela fina flor da comunidade de teatro dos EUA que o aplaudiu de pé.

Essa reação mostra que apesar de que o governo Trump vem convencendo uma legião de estadunidenses com sua mensagem isolacionista, outros setores da sociedade americana está cada vez mais impaciente e irritada com os rumos que os EUA estão tomando.

O mais incrível é que não se vê nada parecido com isso no Brasil em relação a Michel Temer que sequer foi eleito para ocupar o cargo de presidente e hoje aplica uma série de medidas que ameaçam colocar o país na condição de uma neocolônia.  Pelo jeito o que está falta por aqui é gente com o perfil de Robert de Niro.

Um raro exemplo de como funciona a lavagem mental feita pelas TVs

matrix

Graças ao site “Deadspin” [1], agora podemos ver como as redes de televisão se articulam para propagar agendas e estabelecer determinadas visões de mundo. É o que fica evidente no vídeo abaixo que o pessoal do Deadspin montou com manifestações de jornalistas (ou seriam apenas leitores de material pré-preparado?) que são empregados pela Sinclair Broadcast Group, que é a maior proprietária nos EUA de canais locais cujo dono é um aliado do presidente Donald Trump [2].

 

Ainda que o que se vê acima não seja exatamente a concretização do que é apresentado no épico de ficção científica “Matrix”, é óbvio que não podemos desconsiderar o papel de formação de opiniões coletivas a partir da mídia corporativa que mormente representa a visão de mundo de seus donos, e apenas deles.

E mais, se é possível que uma corporação televisiva jogue um papel tão evidente de disseminar a visão de mundo em uma democracia mais consolidada como a dos EUA, imagine os estragos que não pode ser feita num país de economia periférica como a do Brasil onde um punhado pequeno de famílias controla todos os principais canais.

Por isso a importância de que se produzam visões alternativas do que está acontecendo na realidade, pelo menos para que as pessoas tenham a chance de optar por qual das visões irão optar.


[1] https://deadspin.com/

[2] https://theconcourse.deadspin.com/how-americas-largest-local-tv-owner-turned-its-news-anc-1824233490

US$ 1.25 trilhão “evaporaram” nas bolsas americanas

A television screen on the floor of the New York Stock Exchange.

Enquanto as bolsas asiáticas e da oceania começam o dia 06 de Fevereiro com perdas muito pesadas, seguindo o derretimento das bolsas estadunidenses, a Bloomberg já calculou o valor que simplesmente evaporou do mercado de ações dos EUA nesta segunda-feira (05/2):  1.25 trilhão de dólares.

bloomberg

Como a turbulência nas bolsas mundiais parece estar apenas começando, a consequência do que está acontecendo ainda é basicamente imprevisível. Mas uma coisa é certa: vem muita turbulência por aí.

 E como ficará agora o presidente estadunidense Donald Trump que andava alardeando que as bolsas estadunidenses estavam rufando por causa de suas políticas de isenção de impostos? 

 

Donald Trump e os “shithole countries”

Resultado de imagem para trump shithole countries

O presidente Donald Trump está causando um escândalo mundial após declarar em um reunião com lideranças do congresso estadunidense por ter revelado de forma sincera que não entendia porque os EUA deveriam receber imigrantes de “shithole countries” como o Haiti e El Salvador [1]. O problema, independente da escolha que se faça para traduzir o termo, é que “shitholes” são aquelas “casinhas” ainda existentes em muitos locais onde os moradores da casa depositam suas fezes diretamente num buraco. Em suma, “shitholes” podem ser traduzidos diretamente “como buracos de merda” e “shithole countries” como “países de merda”.   Donald Trump teria declarado ainda que preferiria ter imigrantes vindos de países como a Noruega onde obviamente a maioria dos habitantes é branca.

Essas declarações de Donald Trump estão causando um verdadeiro rebuliço dentro e até acidentes diplomáticos fora dos EUA,  já que obviamente as mesmas são interpretadas como racistas e injustas contra um contingente de pessoas que realizam normalmente as tarefas mais duras e menos bem pagas. Aliás, um dos levantamentos feitos sobre locais com um número alto de haitianos trabalhando detectou que no resort de Mar-a-Lago de propriedade do próprio Donald Trump há uma maiores concentrações de trabalhadores haitianos na região de Miami. [2]

Convenhamos que o fato de Donald Trump usar uma expressão tão desclassificante para países pobres que enviam grandes contingentes de migrantes para os EUA não deveria surpreender ninguém, pois ele se notabilizou por vencer uma campanha eleitoral onde esse tipo de coisa apareceu várias vezes para delírio de seus apoiadores presentes nos comícios e até nos eventos oficiais do Partido Republicano.  A novidade aqui é ter um presidente dos EUA que diz as coisas de forma cruamente sincera.

Agora, diante deste tipo de declaração o que fica pendente são os efeitos que a mesma trará dentro das numerosas comunidades de migrantes existentes dentro dos EUA. É que diante deste tipo de declaração e do silêncio concordante do Partido Republicano, a mesma certamente terá efeitos políticos que poderão fazer com que Donald Trump seja um daqueles raros presidentes estadunidenses que não sobreviveram a mais do que um mandato na Casa Branca.

Por último, fico curioso para saber como ficam aqueles brasileiros que saíram do Brasil em busca do “sonho americano” diante das declarações de Donald Trump. Provavelmente muitos vão até se sentirem felizes em sabe que conseguiram sair de um dos “shithole countries” mencionados por Trump. Isso enquanto alegremente limpam latrinas para os ultra ricos estadunidenses.


[1] https://edition.cnn.com/2018/01/11/politics/immigrants-shithole-countries-trump/index.html.

[2] https://en.wikipedia.org/wiki/Mar-a-Lago

Donald Trump e as razões para seu conveniente ceticismo climático

Um assumido cético das teses científicas que postulam que o clima da Terra está passando por transformações causadas pelo funcionamento da sociedade capitalista, o presidente estadunidense Donald Trump aproveitou as baixas temperaturas que grassam no leste dos EUA neste início de 2018 para renovar seus ataques anti-ciência do clima.

trump 0

As razões para esses ataques de Donald Trump contra as abundantes evidências de que atravessamos um período de mudanças climáticas são evidentemente econômicas e geopolíticas [1]. É que do ponto de vista de seus principais apoiadores, qualquer modificação estrutural na forma de funcionamento do sistema capitalista implicará em alterações nos padrões de consumo, principalmente no que se refere aos combustíveis fósseis.

Mas teses anti-científicas estão encontrando um terreno fértil para florescer na medida em que a persistente crise que afoga o sistema capitalista desde 2008 vem gerando uma guerra de contra-informação para que se mantenha tudo mais ou menos como está nas relações de produção e circulação de mercadorias.

Mas vamos ao que interessa. Donald Trump pode ser uma pessoa básica, mas está longe de ser o idiota que alguns tentam pintá-lo. Ele deve saber que existe uma diferença fundamental entre tempo atmosférico e clima. É que enquanto tempo se refere a um período curto de dias e semanas para que sejam feitas previsões com um mínimo de chance de acerto, os cálculos climáticos são muito mais complexos, já que se medem períodos acumulados na escala de décadas. 

Em outras palavras, o fato de estar frio por alguns dias não determina de forma alguma que a Terra está esfriando. Aliás, uma das muitas hipóteses acerca das mudanças que o aquecimento da atmosfera trará sobre o clima da Terra será a ocorrência de eventos extremos, tanto em termos de temperatura como de precipitação. Assim, podemos ter muita chuva em poucas horas para depois passarmos meses sem uma mísera chuva. O mesmo vale para as temperaturas. E, acreditem, Donald Trump e seus assessores que defendem o ceticismo climático sabem disso.

Então por que a negação do que 95% da comunidade científica postula como sendo o que se passando com o clima da Terra?  Ora, porque essa verdade inconveniente atenta contra os interesses econômicos e estratégicos das grandes corporações que Donald Trump efetivamente representa.

Para aqueles que ainda não viram um daqueles vídeos que mostrando o derretimento das calotas polares, posto um abaixo.

E após assistirem este vídeo lembrem que o que lhes pareça catástrofe ambiental iminente é visto por Donald Trump e associados como oportunidades econômicas colossais, a começar pelo aumento de tráfego de navios no Ártico [2]!

globes-Artboard_1


[1] https://www.eenews.net/stories/1060069603

[2] https://www.nytimes.com/interactive/2017/05/03/science/earth/arctic-shipping.html

Cenas americanas e a dificuldade de ser dizer as coisas como elas são

Violent Clashes Erupt at "Unite The Right" Rally In Charlottesville

Leon Trotsky realizou uma série de análises sobre as causas do surgimento do Fascismo e até formulou um conjunto de elementos que explicaria porque de tempos em tempos vemos a ascensão de governos que aplicam formas exremas de violência para impor seu controle sobre uma dada sociedade [1].

Tomando o que teorizou Trotsky, o elemento que hoje mais aparece evidente é aquele que alinha a emergência de elementos fascistas a uma frustração das classes médias com a situação objetiva que lhe é imposta por uma combinação de uma crise estrututal do Capitalismo como outra causada pelo processo de superprodução. O Fascismo nesse sentido nada mais é do que uma opção pela extrema violência para obrigar a classe trabalhadora a aceitar o aumento da superexploração do seu trabalho em nome de uma estabilização da crise capitalista.

Como vivemos um período em que a combinação de crises dentro do Capalismo leva a uma exasperação das médias, não chega a ser surpresa que grupos de orientação fascista estejam brotando em diversas partes do mundo.  A maior surpresa talvez seja a incapacidade da mídia corporativa que dar o nome aos bois, no caso bois fascistas.

A maior expressão dessa incapacidade de nominar corretamente é o tratamento que está sendo dado pela mídia mundial, em particular a estadunidense, os grupos envolvidos na ocupação da cidade de Charlottesville (norte do estado da Virginia) com a desculpa de protestar contra a remoção de uma estátua do general confederado Robert E. Lee.   Esses grupos vem sendo chamados de todo tipo de nomes (Alt Right, White Nationalists, White Supremacists) em vez do nome que realmente os define: neonazistas.

neonazis

Essa não é uma dificuldade qualquer porque esconde as raízes deste tipo de movimentação que é, como Trotsky caracterizou, impor pelo terror o consentimento dos trabalhadores com o aumento da superexploração do seu trabalho.  Encobrir este aspecto é fundamental para governos que hoje estão aplicando fórmulas extremas de expropriação da mais valia, seja pela redução dos investimentos em políticas sociais que reduzem os efeitos da apropriação capitalista da riqueza ou pela cassação de direitos trabalhistas que foram duramente conquistados pela classe trabalhadora ao longo do Século XX.

Interessante também notar que no caso dos enfrentamentos de Charlottesville, os que resistiram à marcha dos fascistas (ou neonazistas se for para caracterizar mais precisamente os grupos que lá estacam) também foram chamados de várias coisas, menos pelo que realmente são, antifascistas. E aqui a causa da ausência de caracterização pode ser apenas para deixar fluída a necessidade de caracterizar corretamente o que está se passando dentro dos EUA a partir da chegada ao poder de Donald Trump e sua mensagem de pseudo nacionalismo.  Em minha opinião, o que está ocorrendo por lá é o início de um processo aberto de luta de classes com uma divisão clara dentro das classes médias sobre qual caminho tomar.

Alguém pode se perguntar se o que está acontecendo nos EUA é, de alguma forma, um preâmbulo do que poderá acontecer no Brasil.  Eu particularmente acredito que é justamente o contrário. É que de uma forma perversa, o que está acontecendo lá, já vem acontecendo no Brasil desde que as multidões vestindo a camisa da CBF se postaram nas ruas para em nome do combate à corrupção exigir o fim das políticas de mitigação das desigualdades sociais.  

É preciso lembrar que em todas as manifestações feitas pelo impeachment de Dilma Rousseff a presença de grupos de orientação nazi-fascista era perfeitamente notável. Mas como a mídia corporativa estadunidense, a mídia brasileira escondeu propositalmente a presença e a mensagem desses grupos.  Desta forma, de uma forma bastante inglória, o Brasil se tornou a vanguarda para o atraso dos EUA.

saudação

Nesse sentido, em vez de nos chocarmos com as tochas acesas numa praça de Charlottesville, o melhor  mesmo seria examinar cuidadosamente o que anda acontecendo por aqui mesmo. Afinal de contas, como país periférico tenderemos sempre a experimentar não apenas o pior da crise capitalista, como também das expressões deformadas que são realizadas para contorná-la.  Assim, ignorar a presença ostensiva desses grupos na sociedade brasileira representa um grave erro. E ficar apenas entoando que fascistas não passarão dificilmente resolverá o problema.

Um aspecto  curioso que poucos conhecem é que Robert E. Lee terminou seus dias como presidente de uma universidade que tem suas raízes ligadas ao primeiro presidente dos EUA, George Washington, e que foi rebatizada após sua morte como Washington and Lee University (WLU), a qual está localizada na cidade de Lexington, também localizada no norte da Virginia [2], não muito longe de Charlotesville.  Como presidente da WLU, Lee realizou um interessante processo de recrutamento de estudantes de todas as partes dos EUA e estabeleceu condições para que a universidade chegasse a ser hoje uma das melhores instituições privadas de ensino superior do sul do país [2].  Interessante lembrar que ele morreu no exercício do seu cargo na universidade e  foi enterrado numa capela existente no campus, estando seus restos mortais  ali até hoje. Mas essa parte da biografia de Robert E. Lee não é certamente a que interesse aos fascistas de lá e daqui.

 


[1] https://www.marxists.org/portugues/mandel/1974/mes/fascismo.htm

[2] https://www.wlu.edu/