E se Trump visse a camisa que Obama ganhou de Lula?

Hoje o presidente Jair Bolsonaro presenteou Donald Trump com uma camiseta da seleção brasileira de futebol, no que se configura em uma daquelas amabilidades que autoridades adoram fazer umas para outras (ver imagem abaixo).

camisa trump

O problema é que essa não foi a primeira vez que este gesto foi realizado por um presidente do Brasil em relação ao congênere estadunidense. E, pior, com um detalhe que faz toda a diferença. É que a camiseta entregue pelo ex-presidente Lula a Barack Obama em um encontro do G-8 que ocorreu em 2009 em Genebra estava toda autografada pelo time que acabara de vencer a Copa das Confederações que ocorreu na África do Sul em junho de 2009, justamente sobre o time dos EUA.

camisa obama

Com certeza Donald Trump  não iria ficar contente em receber uma camiseta que estava tão limpa quanto o dia em que saiu de fábrica, enquanto a de Obama ostentava aquele tipo de registro que qualquer um gostaria de ver em uma camisa da seleção brasileira.

 

 

Jair Bolsonaro comete erros estratégicos graves ao atacar imigrantes e parceiros comerciais na visita aos EUA

Jair Bolsonaro, durante entrevista à rede de TV conservadora Fox

A ultraconservadora FoxNews aponta para o apoio de Jair Bolsonaro a Donald Trump para que um muro seja construído na fronteira com o México.

Não sou muito afim de adotar a linha de indignação exacerbada com que articulistas de direita e de esquerda estão analisando os vários pronunciamentos (equivocados) que o presidente Jair Bolsonaro está proferindo em sua visita oficial aos EUA.  Prefiro apontar algo básico que é a inevitável consequência que tais pronunciamentos terão não sobre a imagem pública de Jair Bolsonaro, mas sobre os interesses econômicos e políticos do Brasil.

bolsonaro usa 1

Ao afirmar que a maioria dos imigrantes (incluindo aí os milhares de brasileiros que vivem nos EUA) desejam mal aos estadunidenses e atacar a França por uma suposta política permissiva em relação ao acolhimento de migrantes em seu território, Jair Bolsonaro consegue isolar o Brasil, justamente em um momento em que mais precisamos de inclusão.

E, pior, Jair Bolsonaro ainda está fazendo o jogo pedido pelo presidente estadunidense e ataca a China, país que hoje o principal parceiro comercial do Brasil e destino preferencial das nossas exportações de commodities agrícolas e minerais. A falta de sentido nesse ataque já está levantando sobrancelhas não apenas dentro do latifúndio agroexportador, mas também dentro dos setores mais conservadores da mídia brasileira que agora começam a apontar para o caráter destruidor de sua agenda política que, convenhamos,  na prática de uma receita heterodoxa de “nacionalismo entreguista”.

A questão que se apresenta aqui é que todos esses elementos não encontram apoio incondicional nem dentro dos EUA onde até a ultraconservadora rede de TV Fox News fez reportagem onde apontou para possíveis ligações da família Bolsonaro com as milícias no Rio de Janeiro  (ver clip logo abaixo), que dizer então de importantes parceiros comerciais brasileiros como a China, a Rússia e a própria França. 

Como sou geógrafo sempre tendo a buscar as implicações e consequências geopolíticas de determinadas ações que são adotadas pelos nossos governantes. No caso do que está ocorrendo neste momento com a visita do presidente Jair Bolsonaro, avalio que ela está sendo catastrófica para os interesses políticos e econômicos do Brasil. É que neste momento, os EUA estão afundados numa crise política e em dificuldades claras com o seu débito público. Por isso, ao se aliar de forma tão óbvia ao governo Trump, o que Jair Bolsonaro arrisca a fazer é colocar o Brasil para afundar junto com os EUA. E  em um mundo tão conturbado por realinhamentos estratégicos, esse não é certamente um cenário promissor.

Finalmente, eu fico me perguntando como estão se sentindo os imigrantes brasileiros que vivem nos EUA ao serem colocados na vala comum daqueles que “não têm boas intenções” ao irem para lá. É que, como se sabe, Jair Bolsonaro teve uma votação expressiva na comunidade de expatriados brasileiros que vivem nos EUA. 

Para agradar Donald Trump, Jair Bolsonaro vai facilitar deportação de brasileiros vivendo nos EUA

Resultado de imagem para bolsonaro trump

Para agradar Donald Trump, governo Bolsonaro vai facilitar deportação de brasileiros que vivem nos EUA.

Primeiro o Brasil se retirou do Pacto Global da Migração, no que foi a primeira mostra de desapreço por milhares de imigrantes brasileiros que votaram massivamente em sua candidatura, o presidente Jair Bolsonaro e seu ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Depois, o deputado federal Eduardo Bolsonaro declarou que brasileiros que estivessem ilegalmente seriam uma vergonha para o Brasil.

Agora Bolsonaro e Ernesto Araújo vão fazer algo que prejudicará diretamente um contingente em que obteve votação expressiva.  Estou falando da decisão do governo Bolsonaro de tomar medidas para facilitar a deportação de brasileiros dos EUA.

radar deportação

Essa medida visa meramente facilitar a ação repressiva que o governo de Donald Trump vem empregando para deportar imigrantes, muitas vezes sem que qualquer lei estadunidense esteja sendo violada.  Por isso mesmo, não passa de um gesto de vergonhosa subordinação aos ditames de Donald Trump e sua política anti-imigrantes.

Como vivi na cidade de Bridgeport, estado de Connecticut, vi bema rotina dura em que milhares de brasileiros estavam imersos para garantir o sustento de suas famílias em um ambiente marcado pela ansiedade frente às pressões exercidas pelos órgãos que controlam a vida dos imigrantes dentro dos EUA. Ao se comprometer em facilitar a deportação em vez de atuar para garantir os direitos de cidadãos brasileiros vivendo no exterior, o governo Bolsonaro presta um grande desserviço aos que foram para fora do Brasil para buscar os meios de sobrevivência que não estão sendo garantidos por aqui.

Em outras palavras, essa é uma atitude lamentável e que tornará a vida dos imigrantes brasileiros vivendo nos EUA ainda mais tensa. E para quê? Para apoiar de forma explícita a agenda política de Donald Trump.  Lamentável!

 

Percurso errático de Donald Trump derruba bolsas e prenuncia nova recessão mundial

Tagesspiegel-Trump-208305

Enquanto no Brasil se ouve os futuros governantes se agarrarem a um discurso voltado para firmar uma aliança estratégica com o governo de Donald Trump, o bilionário transformado em presidente da principal potência econômica-militar do planeta segue causando algo que a mídia estadunidense tem caracterizado de “caos”.

A última investida de Donald Trump foi contra a autonomia do Federal Reserve (o banco central estadunidense) em fixar taxas de juros, um fato que causou uma queda histórica nos índices das principais bolsas dos EUA (com uma perda de 650 pontos no índice Dow Jones), a qual teve uma forte repercussão no mercado de ações em escala global [1].

É interessante notar que essa investida de Trump contra o Federal Reserve contrasta diretamente com a intenção da equipe econômica Jair Bolsonaro de conceder uma autonomia ainda maior para o Banco Central do Brasil. Ao que parece, o que não é bom para Trump é visto com essencial para Paulo Guedes e sua equipe de Chicago Boys.

Se essa tendência de queda das bolsas de ações persistir nas próximas semanas, uma das possibilidades já   pelo próprio Fundo Monetário Internacional (FMI) é de que haja uma forte recessão na economia mundial, num processo que ameaça superar a crise de 2008, colocando em xeque o sistema financeiro mundial [2].

Se essas “nuvens negras” se confirmarem, o mais provável é que países como  Brasil e Argentina que já se encontram sob forte recessão sofram os piores efeitos desta nova crise capitalista. Aí veremos como se comportarão os dirigentes do novo governo que estão pretendo vender o Brasil a preços mínimos quando a crise engolir os eventuais interessados.

 


[1] https://edition.cnn.com/2018/12/24/investing/stock-market-today-dow/index.html

[2] https://www.theguardian.com/business/2018/dec/11/imf-financial-crisis-david-lipton

 

Jair Bolsonaro presta continência a John Bolton. O que fará quando encontrar com o chefe dele na Casa Branca?

O jornal “Folha de São Paulo” publicou uma matéria hoje sobre a visita do assessor da Casa Branca, John Bolton, à residência do presidente eleito do Brasil, dando conta que antes da conversa começar, Jair Bolsonaro teria prestado continência à John Bolton [1].

continencia

Como John Bolton é apenas um assessor, dentre muitos, de Donald Trump, eu fico imaginando qual reverência Bolsonaro irá prestar a Donald Trump numa eventual visita à Casa Branca.

Para o pessoal que dizia que a bandeira do Brasil nunca será vermelha, a informação dessa continência implica que sob o governo de Bolsonaro, poderemos ver a nossa bandeira voltar a ser parecida com a bandeira que vigiu entre 15 e 19 de Novembro de 1989 (ver abaixo), apenas se trocando o verde e amarelo pelo vermelho, azul e branco.

Resultado de imagem para bandeiras do Brasil republica

E como conheço um pouco os estadunidenses, Bolton deve ter feito muitas piadas desse gesto ao narrar o encontro para seus superiores.  É que pode se dizer que se quiser dos republicanos, mas eles possuem senso de humor.


[1] https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/11/bolsonaro-se-encontra-com-assessor-de-trump-no-rio.shtml

Sob a liderança de Bolsonaro, Brasil “renega” organizar conferência climática da ONU

E ruma para se tornar pária ambiental mundial.

Resultado de imagem para cop25

O fato era mais do que previsível, mas mesmo assim não deixa de demonstrar os riscos que o Brasil está correndo de se tornar um pária ambiental no planeta. Falo aqui do abandono do pleito de organizar a 25a. Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (a COP 25) que deverá ocorrer em 2019, agora em lugar ignorado.

É que com o presidente eleito e seu ministro das relações exteriores se alinhando ao presidente estadunidense Donald Trump na negação das mudanças climáticas iria ser mesmo estranho vê-los participando dos trabalhos da C0P25 e, ainda por cima, em solo brasileiro.

Apesar da coerência, essa decisão terá econômicos e políticos para o Brasil mesmo antes de Jair Bolsonaro assumir o poder. O jornal “The Guardian” foi rápido no gatilho e já publicou um artigo na madrugada desta 4a. feira (28/11) sob o título ” Brasil renega em hospedar as negociações climáticas da ONU sob a presidência de Bolsonaro” [1]. A matéria assinada por Jonathan Watts acrescenta, entre outras coisas, que  “a reversão vem dois meses depois que o país concordou em sediar a conferência COP25 em 2019 – e um mês depois que o cético climático de extrema direita ganhou a eleição presidencial brasileira“. 

reneges

O problema para a já combalida brasileira é que esse abandono da COP25 sinalizará para muitos de nossos parceiros comerciais preocupados com as mudanças climáticas que vem mais desmatamento e outras formas de degradação ambiental sob a batuta de Jair Bolsonaro. E, isto, queiram, ou não, Bolsonaro ou seu ministro de Relações Exteriores que optaram por seguir o rumo negacionista do governo Trump, deverá impactar decisões em curso sobre novos investimentos proodutivos no Brasil. É que ao contrário dos EUA, o Brasil não tem nem musculatura econômica nem militar para impor as teses negacionistas sobre as mudanças climáticas.

Aliás, importante nesse caso é ler a nota emitida pelo “Observatório do Clima” que é uma das organizações mais influente nos debates sobre as mudanças climáticas no Brasil [2] . A nota vai na mesma linha de constatar que a opção ideológica de negar as evidências científicas acerca do processo em curso de mudanças climáticas que, no caso do Brasil, deverá atingir a base produtiva agrícola e as populações mais social e economicamente frágeis.

Como bem afirma a nota do “Observatório do Clima”,  o futuro governo federal ao “ignorar a agenda climática, o governo federal também deixa de proteger a população, atingida por um número crescente de eventos climáticos extremos. Estes, infelizmente, não deixam de ocorrer só porque alguns duvidam de suas causas.

Ao latifúndio agro-exportador que tanto depende do comércio exterior, eu sugiro “já ir se acostumando” com a falta de mercados para seus produtos por causa das decisões tresloucados de quem o setor ajudou a colocar no poder.  A ver!


[1] https://www.theguardian.com/world/2018/nov/28/brazil-reneges-on-hosting-un-climate-talks-under-bolsonaro-presidency

[2] http://www.observatoriodoclima.eco.br/nota-oc-sobre-desistencia-brasil-de-sediar-cop25-da-conferencia-clima-da-onu/

 

 

O relatório climático dos EUA sinaliza tempos difíceis para o chanceler que nega as mudanças climáticas

Resultado de imagem para chanceler jair

A mídia internacional está dando amplo espaço ao relatório liberado na última 6a. feira pela comunidade científica estadunidense [1] dando conta das consequências drásticas que as mudanças climáticas terão sobre os EUA [2,3,4 e 5].

Essa repercussão é esperada, pois o chamado “National Climate Assessment” traz previsões gravíssimas para o funcionamento da economia e para os habitantes dos EUA, ainda principal motor da economia mundial.  Além disso, como o grupo de cientistas envolvidos na produção do relatório reúne alguns dos principais experts mundiais em cada uma das áreas analisadas como sendo impactadas pelas mudanças climáticas, o peso do que está sendo previsto ganha quase o selo de uma chancela oficial da comunidade científica mundial ao que está lá posto.

Como o presidente Donald Trump irá responder ao relatório não chega a ser importante, pois ele certamente continuará com sua postura negacionista em relação às mudanças climáticas. Importante será a resposta de governos estaduais e municipais por todos os EUA que deverão aumentar as pressões pela adoção de formas de funcionamento da economia que reduzam as emissões dos gases poluentes e consumam menos água, um bem comum que estará gravemente ameaçado pelas mudanças climáticas que se confirmam a cada furacão que passa pelo território estadunidense.

 No caso do Brasil, onde o presidente eleito nomeou um ministro das relações exteriores que afirma que as mudanças climáticas são uma trama de comunistas, a reação da mídia corporativa foi a mais fria possível, e o relatório acabou sendo apresentado em matérias secundárias. Isto, contudo, não impedirá que as políticas de liberação do desmatamento e do uso intensivo de agrotóxicos (que entre outras coisas aumentará a contaminação das águas) sejam analisadas com lupa pelo resto do mundo. É que se os estadunidenses estão prevendo consequências drásticas decorrentes das mudanças climáticas, não será um chanceler negacionista que irá representar os interesses nacionais numa comunidade internacional cada vez mais pressionada pelas evidências científicas de que o clima da Terra está sendo modificado pelo funcionamento da economia.

Com isso, as políticas do “libera geral” do futuro governo federal estão em xeque mesmo antes de serem oficialmente iniciadas.  E, pior, com um chanceler que parece disposto a remar contra a maré das evidências cientificas. Isto, meus caros, não tem como dar certo.


[1] https://blogdopedlowski.com/2018/11/24/por-que-um-grave-aviso-climatico-foi-enterrado-numa-black-friday/

[2] https://www.nytimes.com/2018/11/23/climate/us-climate-report.html?action=click&module=Top%20Stories&pgtype=Homepage

[3] https://www.theguardian.com/environment/2018/nov/23/climate-change-america-us-government-report

[4] https://www.lemonde.fr/planete/article/2017/08/28/le-rechauffement-climatique-rend-l-est-des-etats-unis-extremement-vulnerable_5177466_3244.html

[5] https://www.tagesspiegel.de/politik/bericht-des-national-climate-assessment-us-behoerden-warnen-vor-schweren-schaeden-durch-klimawandel/23676748.html