Jair Bolsonaro presta continência a John Bolton. O que fará quando encontrar com o chefe dele na Casa Branca?

O jornal “Folha de São Paulo” publicou uma matéria hoje sobre a visita do assessor da Casa Branca, John Bolton, à residência do presidente eleito do Brasil, dando conta que antes da conversa começar, Jair Bolsonaro teria prestado continência à John Bolton [1].

continencia

Como John Bolton é apenas um assessor, dentre muitos, de Donald Trump, eu fico imaginando qual reverência Bolsonaro irá prestar a Donald Trump numa eventual visita à Casa Branca.

Para o pessoal que dizia que a bandeira do Brasil nunca será vermelha, a informação dessa continência implica que sob o governo de Bolsonaro, poderemos ver a nossa bandeira voltar a ser parecida com a bandeira que vigiu entre 15 e 19 de Novembro de 1989 (ver abaixo), apenas se trocando o verde e amarelo pelo vermelho, azul e branco.

Resultado de imagem para bandeiras do Brasil republica

E como conheço um pouco os estadunidenses, Bolton deve ter feito muitas piadas desse gesto ao narrar o encontro para seus superiores.  É que pode se dizer que se quiser dos republicanos, mas eles possuem senso de humor.


[1] https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/11/bolsonaro-se-encontra-com-assessor-de-trump-no-rio.shtml

Sob a liderança de Bolsonaro, Brasil “renega” organizar conferência climática da ONU

E ruma para se tornar pária ambiental mundial.

Resultado de imagem para cop25

O fato era mais do que previsível, mas mesmo assim não deixa de demonstrar os riscos que o Brasil está correndo de se tornar um pária ambiental no planeta. Falo aqui do abandono do pleito de organizar a 25a. Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (a COP 25) que deverá ocorrer em 2019, agora em lugar ignorado.

É que com o presidente eleito e seu ministro das relações exteriores se alinhando ao presidente estadunidense Donald Trump na negação das mudanças climáticas iria ser mesmo estranho vê-los participando dos trabalhos da C0P25 e, ainda por cima, em solo brasileiro.

Apesar da coerência, essa decisão terá econômicos e políticos para o Brasil mesmo antes de Jair Bolsonaro assumir o poder. O jornal “The Guardian” foi rápido no gatilho e já publicou um artigo na madrugada desta 4a. feira (28/11) sob o título ” Brasil renega em hospedar as negociações climáticas da ONU sob a presidência de Bolsonaro” [1]. A matéria assinada por Jonathan Watts acrescenta, entre outras coisas, que  “a reversão vem dois meses depois que o país concordou em sediar a conferência COP25 em 2019 – e um mês depois que o cético climático de extrema direita ganhou a eleição presidencial brasileira“. 

reneges

O problema para a já combalida brasileira é que esse abandono da COP25 sinalizará para muitos de nossos parceiros comerciais preocupados com as mudanças climáticas que vem mais desmatamento e outras formas de degradação ambiental sob a batuta de Jair Bolsonaro. E, isto, queiram, ou não, Bolsonaro ou seu ministro de Relações Exteriores que optaram por seguir o rumo negacionista do governo Trump, deverá impactar decisões em curso sobre novos investimentos proodutivos no Brasil. É que ao contrário dos EUA, o Brasil não tem nem musculatura econômica nem militar para impor as teses negacionistas sobre as mudanças climáticas.

Aliás, importante nesse caso é ler a nota emitida pelo “Observatório do Clima” que é uma das organizações mais influente nos debates sobre as mudanças climáticas no Brasil [2] . A nota vai na mesma linha de constatar que a opção ideológica de negar as evidências científicas acerca do processo em curso de mudanças climáticas que, no caso do Brasil, deverá atingir a base produtiva agrícola e as populações mais social e economicamente frágeis.

Como bem afirma a nota do “Observatório do Clima”,  o futuro governo federal ao “ignorar a agenda climática, o governo federal também deixa de proteger a população, atingida por um número crescente de eventos climáticos extremos. Estes, infelizmente, não deixam de ocorrer só porque alguns duvidam de suas causas.

Ao latifúndio agro-exportador que tanto depende do comércio exterior, eu sugiro “já ir se acostumando” com a falta de mercados para seus produtos por causa das decisões tresloucados de quem o setor ajudou a colocar no poder.  A ver!


[1] https://www.theguardian.com/world/2018/nov/28/brazil-reneges-on-hosting-un-climate-talks-under-bolsonaro-presidency

[2] http://www.observatoriodoclima.eco.br/nota-oc-sobre-desistencia-brasil-de-sediar-cop25-da-conferencia-clima-da-onu/

 

 

O relatório climático dos EUA sinaliza tempos difíceis para o chanceler que nega as mudanças climáticas

Resultado de imagem para chanceler jair

A mídia internacional está dando amplo espaço ao relatório liberado na última 6a. feira pela comunidade científica estadunidense [1] dando conta das consequências drásticas que as mudanças climáticas terão sobre os EUA [2,3,4 e 5].

Essa repercussão é esperada, pois o chamado “National Climate Assessment” traz previsões gravíssimas para o funcionamento da economia e para os habitantes dos EUA, ainda principal motor da economia mundial.  Além disso, como o grupo de cientistas envolvidos na produção do relatório reúne alguns dos principais experts mundiais em cada uma das áreas analisadas como sendo impactadas pelas mudanças climáticas, o peso do que está sendo previsto ganha quase o selo de uma chancela oficial da comunidade científica mundial ao que está lá posto.

Como o presidente Donald Trump irá responder ao relatório não chega a ser importante, pois ele certamente continuará com sua postura negacionista em relação às mudanças climáticas. Importante será a resposta de governos estaduais e municipais por todos os EUA que deverão aumentar as pressões pela adoção de formas de funcionamento da economia que reduzam as emissões dos gases poluentes e consumam menos água, um bem comum que estará gravemente ameaçado pelas mudanças climáticas que se confirmam a cada furacão que passa pelo território estadunidense.

 No caso do Brasil, onde o presidente eleito nomeou um ministro das relações exteriores que afirma que as mudanças climáticas são uma trama de comunistas, a reação da mídia corporativa foi a mais fria possível, e o relatório acabou sendo apresentado em matérias secundárias. Isto, contudo, não impedirá que as políticas de liberação do desmatamento e do uso intensivo de agrotóxicos (que entre outras coisas aumentará a contaminação das águas) sejam analisadas com lupa pelo resto do mundo. É que se os estadunidenses estão prevendo consequências drásticas decorrentes das mudanças climáticas, não será um chanceler negacionista que irá representar os interesses nacionais numa comunidade internacional cada vez mais pressionada pelas evidências científicas de que o clima da Terra está sendo modificado pelo funcionamento da economia.

Com isso, as políticas do “libera geral” do futuro governo federal estão em xeque mesmo antes de serem oficialmente iniciadas.  E, pior, com um chanceler que parece disposto a remar contra a maré das evidências cientificas. Isto, meus caros, não tem como dar certo.


[1] https://blogdopedlowski.com/2018/11/24/por-que-um-grave-aviso-climatico-foi-enterrado-numa-black-friday/

[2] https://www.nytimes.com/2018/11/23/climate/us-climate-report.html?action=click&module=Top%20Stories&pgtype=Homepage

[3] https://www.theguardian.com/environment/2018/nov/23/climate-change-america-us-government-report

[4] https://www.lemonde.fr/planete/article/2017/08/28/le-rechauffement-climatique-rend-l-est-des-etats-unis-extremement-vulnerable_5177466_3244.html

[5] https://www.tagesspiegel.de/politik/bericht-des-national-climate-assessment-us-behoerden-warnen-vor-schweren-schaeden-durch-klimawandel/23676748.html

Por que um grave aviso climático foi enterrado em uma Black Friday?

Em um novo relatório massivo, cientistas federais contradizem o presidente Trump e afirmam que a mudança climática é um perigo crescente para os Estados Unidos. Pena que saiu em um feriado.

Firefighters battling the King Fire watch as a backfire burns along Highway 50 in Fresh Pond

Bombeiros lutam contra o King Fire perto de Fresh Pond, Califórnia, em setembro de 2014. NOAH BERGER / REUTERS

Por Robinson Meyer para o “The Atlantic” [1]

Na Black Friday, o dia de compras mais movimentado do ano, o governo federal dos EUA publicou um enorme e terrível relatório sobre as mudanças climáticas. O relatório alerta, repetida e diretamente, que a mudança climática poderá em breve colocar em perigo o modo de vida americano, transformando todas as regiões do país, impondo custos frustrantes à economia e prejudicando a saúde de praticamente todos os cidadãos.

Mais significativamente, a Avaliação Nacional do Clima – que é endossada pela NASA, NOAA, pelo Departamento de Defesa e por outras 10 agências científicas federais – contradiz quase todas as posições tomadas sobre o assunto pelo presidente Donald Trump. Enquanto o presidente insiste que o combate ao aquecimento global prejudicará a economia, o relatório responde: As mudanças climáticas, se não forem controladas, podem custar à economia centenas de bilhões de dólares por ano e matar milhares de americanos. Onde o presidente disse que o clima “provavelmente” “mudará de volta”, o relatório responde: muitas conseqüências da mudança climática durarão milênios, e algumas (como a extinção de espécies vegetais e animais) serão permanentes. 

O relatório é uma grande conquista para a ciência americana. Representa décadas cumulativas de trabalho de mais de 300 autores. Desde 2015, cientistas de todo o governo, universidades estaduais e empresas dos Estados Unidos leram milhares de estudos, resumindo e agrupando-os neste documento. Por lei, uma Avaliação Nacional do Clima como essa deve ser publicada a cada quatro anos.

Pode parecer engraçado despejar um relatório sobre o público na Black Friday, quando a maioria dos americanos se preocupa mais com a recuperação do jantar de Ação de Graças do que com a adaptação às graves conclusões da ciência do clima.

De fato, quem mandou o relatório ser liberado hoje? É uma boa pergunta sem resposta óbvia.

O relatório é contundente: a mudança climática está acontecendo agora, e os seres humanos estão causando isso. “O clima da Terra está mudando mais rápido do que em qualquer outro momento da história da civilização moderna, principalmente como resultado das atividades humanas”, declara sua primeira sentença. “A suposição de que as condições climáticas atuais e futuras se assemelham ao passado recente não é mais válida”.

Nesse ponto, tal ideia pode ser uma sabedoria comum – mas isso não torna menos chocante ou menos correto. Durante séculos, os seres humanos viveram perto do oceano, assumindo que o mar muitas vezes não se moverá de sua localização fixa. Eles plantaram trigo na época e milho na época, supondo que a colheita não fracasse com frequência. Eles se deliciaram com a neve de dezembro e aguardavam ansiosamente as flores da primavera, supondo que as estações não mudariam de curso.

Agora, o mar está subindo acima de sua costa, a colheita está fracassando, e as estações chegam e partem em desordem.

O relato conta essa história, colocando um fato simples em fatos simples para construir um terrível edifício. Desde 1901, os Estados Unidos aqueceram 1oC . As ondas de calor agora chegam ao início do ano e diminuem mais tarde do que na década de 1960. A neve nas montanhas da costa Oeste encolheu dramaticamente no último meio século. Dezesseis dos 17 anos mais quentes registrados ocorreram desde 2000.

Essa tendência “só pode ser explicada pelos efeitos que as atividades humanas, especialmente as emissões de gases de efeito estufa, tiveram sobre o clima”, diz o relatório. Ele adverte que, se os humanos quiserem evitar 2oC de aquecimento, eles devem reduzir drasticamente esse tipo de poluição até 2040. Por outro lado, se as emissões de gases de efeito estufa continuarem aumentando, a Terra poderia aquecer até 5oC até 2100

“Isso nos mostra que a mudança climática não é uma questão distante. Não é sobre plantas, animais ou uma geração futura. É sobre nós, vivendo agora”, diz Katharine Hayhoe, autora do relatório e cientista da Universidade de Tecnologia do Texas.

O relatório visita cada região dos EUA, descrevendo as turbulências locais provocadas por uma transformação global. Do outro lado do sudeste, incêndios florestais maciços – como os vistos agora na Califórnia – podem em breve se tornar uma ocorrência comum, sufocando Atlanta e outras cidades em poluição tóxica, adverte. Na Nova Inglaterra e no meio do Atlântico, as ilhas-barreira à beira-mar podem sofrer erosão e estreitamento. E no Centro-Oeste, prevê a queda dos rendimentos de milho, soja, trigo e arroz.

As projeções sobre o aumento do nível do mar são igualmente sinistras. Se a poluição por carbono continuar a aumentar, uma enorme faixa da costa do Atlântico – da Carolina do Norte até o Maine – terá uma elevação de 1,5 metro no nível do mar até 2100. Nova Orleans, Houston e a Costa do Golfo também podem enfrentar um aumento de um metro. Até Los Angeles e San Francisco puderam ver o Oceano Pacífico subir por um metro. Mesmo que a humanidade reduzisse a queima de combustíveis fósseis, o relatório prevê que Nova Orleans ainda pode ver um aumento de um metro e meio no nível do mar até 2100.

Andrew Light, outro autor do relatório e membro sênior do World Resources Institute, disse que, embora o relatório não possa fazer recomendações de políticas, pode ser lido como um endosso do Acordo de Paris sobre mudança climática.

“Se os Estados Unidos tentassem atingir as metas do Acordo de Paris, então as coisas seriam ruins, mas podemos administrar”, disse ele. “Mas se não os encontrarmos, estamos falando de centenas de milhares de vidas todos os anos que correm risco por causa da mudança climática. E centenas de bilhões de dólares.

Se você acha que a sexta-feira após o Dia de Ação de Graças parece um dia estranho para publicar um relatório tão importante, você está certo. A avaliação foi originalmente programada para ser divulgada em dezembro em uma grande conferência científica em Washington, DC. Mas no início desta semana, as autoridades anunciaram que o relatório sairia duas semanas antes, na tarde da Black Friday. Quando notícias politicamente inconvenientes são publicadas nas últimas horas de uma semana de trabalho, os políticos chamam isso de “despejo de notícias de sexta-feira”. Publicar um terrível relatório climático nas últimas horas da Black Friday pode ser o maior despejo de notícias de uma sexta-feira na história . 

Então, quem mandou que se se fizesse o despejo? Durante uma conferência de imprensa na sexta-feira, os responsáveis pelo relatório dentro do governo repetidamente se recusaram a dizer. “É mais cedo do que o esperado”, disse Monica Allen, porta-voz da NOAA. “Este relatório não foi alterado ou revisado de forma alguma para refletir considerações políticas.”

No entanto, a mudança no agendamento surpreendeu os autores do relatório. John Bruno, autor do relatório e biólogo de corais da Universidade da Carolina do Norte, disse-me que só soube na última sexta-feira que o relatório seria divulgado hoje. “Não houve explicação ou justificativa”, disse ele. “A liderança [da avaliação] implicou que o momento estava sendo ditado por outra entidade, mas não disse quem era”.

Hayhoe me disse que só soube na terça-feira que o relatório seria divulgado na sexta-feira. Na época, ela estava preparando três tortas para uma família no Dia de Ação de Graças. Ela colocou as tortas de lado e pegou seu laptop para enviar as revisões finais do documento.

A Casa Branca não respondeu diretamente quando perguntou quem tinha ordenado tal mudança. Ele também não respondeu diretamente quando perguntado se o relatório levaria o presidente Trump a reconsiderar suas crenças.

Mas uma porta-voz da Casa Branca enviou-me uma longa declaração dizendo que “os Estados Unidos lideram o mundo fornecendo energia acessível, abundante e segura para nossos cidadãos, enquanto também lidera o mundo na redução das emissões de dióxido de carbono”. É verdade se você começar a contar em 2005, quando as emissões dos EUA atingirem o pico.) A porta-voz disse que a nova avaliação foi baseada no “cenário mais extremo” e prometeu que qualquer relatório futuro teria um “processo mais transparente e orientado por dados”.

Não que Hayhoe tivesse grandes expectativas sobre a reação do presidente Trump ao relatório. “Não era a esperança que o governo federal olharia para isso e diria: ‘Oh meu Deus! Eu vejo a luz”, ela me disse.

Em vez disso, ela disse que esperava que o relatório informasse ao público: “Esta informação não é apenas para o governo federal. Essa é uma informação que toda cidade precisa, cada estado precisa, cada vez mais, todas as necessidades de negócios e cada proprietário precisa. Esta é uma informação que todo ser humano precisa. “Não é que nos importamos com um aumento de 1 grau na temperatura global no abstrato”, disse ela. “Nós nos preocupamos com a água, nos preocupamos com a comida, nos preocupamos com a economia – e cada uma dessas coisas está sendo afetada pela mudança climática hoje.”


Artigo publicado originalmente em inglês [1]

Ídolo de futuro ministro das relações exteriores, Donald Trump é alvo de críticas por negar mudanças climáticas

shades-of-climate-denial-529px_0 (1)

Ídolo máximo do futuro ministro de relações exteriores do governo Bolsonaro, Ernesto Fraga Araújo, o presidente estadunidense Donald Trump mais uma vez confundiu o clima com a mudança climática, sugerindo que uma onda de frio extremo que está se abatendo sobre parte do território dos EUA significa que as mudanças climáticas (que ele confunde com aquecimento global) não são um fenômeno real.

“A explosão fria brutal e prolongada poderia destruir TODOS OS REGISTROS – o que aconteceu com o aquecimento global?”, Trump twittou na noite de quarta-feira.

trump climate.jpg

Em resposta a Trump, professor do Departamento de Governo e Política da Universidade de Maryland (que foi assessor dos presidentes George Bush e Barack Obama), Shibley Telhami, usou a rede social Twitter para ser direto e reto para afirmar que “debater dados complexos sobre aquecimento não por si só uma coisa maluca, ainda que evidências avassaladores devessem ser claras. Mas em minhas três décadas como professor eu nunca tive um estudante que fosse estúpido o suficiente para fazer o tipo de inferência que Trump fez em seu tweet“.

Fico imaginando o que o professor Telhami iria pensar ou escrever se conhecesse a opinião expressa de Ernesto Fraga Araújo de que as mudanças climáticas não passam de uma tramoia comunista.

Em tempo: o erro primário de Donald Trump em usar a onda de frio para negar as mudanças climáticas foi confundir tempo atmosférico com clima [1].  É que enquanto tempo atmosférico se expressa na escala de dias, o clima se expressa na escala de décadas. E é na escala de décadas e séculos que a comunidade científica chegou a uma posição dominante de que o clima da Terra está passando por modificações drásticas que poderão comprometer a sustentação da vida como a conhecemos neste momento. 


[1] https://climate.nasa.gov/resources/global-warming/

Depois de ter sua casa queimada em incêndio florestal, Neil Young critica Donald Trump por desafiar a ciência

2229

Má gestão das florestas não é a causa dos incêndios. Neil Young. Foto: Dan Steinberg / Rex/ Shutterstock

Por Laura Snapes [1]

Neil Young criticou Donald Trump por sua relutância em agir sobre as mudanças climáticas depois que incêndios na Califórnia destruíram a sua casa.

Em um tweet postado em 10 de novembro, o presidente dos Estados Unidos culpou a “má gestão das florestas” da Califórnia pelos danos causados pelos incêndios no norte e no sul da Califórnia. Trump sugeriu que o financiamento federal seria retirado se a situação não fosse corrigida.

Em um post em seu site, Young respondeu: “A Califórnia é vulnerável – não por causa do manejo florestal deficiente como a DT (nosso chamado presidente) nos faria pensar. Somos vulneráveis por causa das mudanças climáticas; os eventos climáticos extremos e nossa prolongada seca são parte disso. ”

No domingo, o chefe dos bombeiros de Los Angeles, Daryl Osby, disse ao “The Guardian” que as mudanças climáticas eram inegavelmente uma parte do motivo pelo qual os incêndios foram mais devastadores e destrutivos do que nos anos anteriores. Osby disse que as mudanças ambientais aumentaram a temporada de incêndios em todo a Califórnia, sobrecarregando os recursos. 

Trinta e uma pessoas morreram nos incêndios com mais de 200 pessoas desaparecidas, segundo os números mais recentes. A emergência agora equivale ao desastre de 1933 do Griffith Park, em Los Angeles, como o incêndio florestal mais letal da Califórnia já registrado. Young continuou: “Imagine um líder que desafia a ciência, dizendo que essas soluções não devem fazer parte de sua tomada de decisão em nosso nome. Imagine um líder que se importe mais com sua opção conveniente do que com as pessoas que lidera. Imagine um líder inadequado. Agora imagine um que seja adequado

Young está entre vários músicos conhecidos por terem sido afetados pelos incêndios florestais. O pianista de longa data de David Bowie, Mike Garson, twittou no sábado sobre a perda de sua casa e estúdio. Lady Gaga twittou que ela havia sido evacuada de sua residência. “Estou sentada aqui com muitos de vocês se perguntando se minha casa vai explodir em chamas.” 

Katy Perry e Rod Stewart também criticaram Trump por seus tweets. “Esta é uma resposta absolutamente sem coração”, twittou Perry. Stewart disse: “A Califórnia precisa de palavras de apoio e encorajamento, não ameaças ou acusações e acusações”.

Artigo publicado originalmente em inglês pelo jornal The Guardian [1]

Fareinheit 11/9: lições em meio aos caos de Michel Moore

Fahrenheit-11_9-Release-Date

Até onde sei o filme “Farenheit 11/9” do diretor estadunidense Michel Moore ainda não começou a ser mostrado nos cinemas brasileiros. Eu o assisti esta semana numa sessão de cinema em Lisboa, e sai de lá com impressões discrepantes sobre o conteúdo e sobre a forma pela qual Moore construiu o seu argumento sobre os desafios que hoje ameaçam a democracia estadunidense. Em outras palavras, não consegui me decidir se o filme é bom ou ruim. Mas uma coisa eu consegui definir: vale a pena vê-lo.

Além disso, saí de lá com a impressão de que se um filme similar fosse feito no Brasil, o enredo seria muito semelhante, já que Fareinheit 11/9 trata em parte do mistério de como foi possível que um candidato que sempre viveu e se aproveitou do sistema pudesse se apresentar como antisistema e vencer.  Talvez seja porque alguns dos jogadores sejam os mesmos, a começar pelo envolvimento da Cambridge Analytics e do onipresente Steve Bannon.

Além disso, em que pese a narrativa fragmentada e as cenas emprestadas das redes sociais, os que estão hoje mais perdidos do que cachorros que caíram do caminhão de mudanças poderão aprender algumas lições valiosas de como retomar espaços que foram perdidos após mais uma década de aplicação de estratégias que basicamente desmontaram a capacidade de ação organizada da classe trabalhadora em prol de uma sociedade capitalista sem conflitos de classe. Só por esse detalhe, assistir o “Farenheit 11/9″ de Michel Moore.