Nem Trump, nem Biden

trump-e-biden

Venho acompanhando as apurações das eleições estadunidenses com alguma atenção, pois sei de importância estratégica que a sucessão presidencial dos EUA poderá ter para as relações internacionais nos próximos anos. Apesar de não ser adepto do “quanto pior, melhor”, não vejo qualquer diferença substancial entre Donald Trump e Joe Biden no que se refere aos interesses de países da periferia capitalista, incluindo o Brasil. 

É que se formos ver o comportamento dos últimos presidentes eleitos pelo partido Democrata o que vamos encontrar são pequenas concessões para a classe trabalhadora dos EUA, principalmente às custas da piora das condições de vida dos trabalhadores de outros países. Além disso, a tendência à enviar tropas para garantir interesses geopolíticos dos EUA é igual ou maior quando os Democratas estão no poder, sempre sob a justificativa das “ações humanitárias” que de humanitárias não têm nada.

Mesmo que a vitória de Donald Trump assegure uma certa tranquilidade para o governo do Brasil, que não teria de rever imediatamente suas políticas ambientais e de relações exteriores, os custos políticas de alguma atenção de Joe Biden, por exemplo, para a proteção ambiental na Amazônia não viria sem demandas de compensações em outras áreas. Há inclusive o risco de que sob Biden, o Brasil enfrente ainda maiores restrições nas relações comerciais com os EUA, muito em parte por causa da abertura colaboração com o governo Trump. Isto sem falar em uma pressão ainda maior no que se refere às relações comerciais com a China, principal parceiro e destino prioritário de commodities em que os EUA concorrem com o Brasil como fornecedor, a começar pela soja.

Além disso, não podemos esquecer que outros países da América Latina, a começar pela Venezuela, talvez tenham mais a perder com uma eventual presidência de Biden do que já experimentou nos últimos quatro anos sob Donald Trump.

Em outras palavras, mesmo que Donald Trump possa ser apontado como um personagem que possui forte desprezo pela soberania alheia e um ser humano com defeitos mais do que óbvios, não há como dizer que Biden faria melhor no esforço para manter a hegemonia geopolítica estadunidense caso se fosse eleito. 

A verdade é que como já disse há muitos anos para uma jovem militante democrata, o partido que já teve presidentes como John Kennedy e Barack Obama pode até ser melhor para dentro, mas possui um recorde horrível para fora, incluindo o apoio ao golpe militar de 1964 no Brasil e tantas outras atuações, incluindo a manutenção e aprofundamento da Guerra do Vietnã.

Desta forma, ainda que entenda a torcida pela derrota de Donald Trump, me parece equivocado achar que a vida será melhor ou mais fácil com uma eventual vitória de Joe Biden.  É que os EUA, enfrentando um forte declínio econômico, é como aquele escorpião que pica o sapo que o transporta em uma lagoa determinando um final fatal também para si mesmo, mas que o faz simplesmente por não ter como negar sua própria natureza.

COVID-19: “As novas roupas da globalização”

covid 19 globalizationReuters, AFP/Getty Images, The Associated Press

Alguns são peremptórios: a COVID-19 teria matado a globalização, dizem eles. Outros vão mais longe: a COVID-19 seria a globalização. Finalmente, a COVID-19 seria a personificação final de uma globalização moribunda. Sem globalização do comércio, não haveria pandemia, disseram – sem saber que a peste bubônica, fronteira desconsiderando, milhões de mortos de europeus na XIV ª  século como influenza chamado de “gripe espanhola” no rescaldo da Primeira Guerra Mundial ,  era galopante nos Estados Unidos e em toda a Europa.

Na verdade, o anúncio da morte da globalização parece prematuro. Mas a COVID-19 provavelmente está acelerando sua evolução. A pandemia marcaria o fim de um ciclo que começou no início dos anos 1980, em meio a um renascimento do pensamento econômico liberal.

No hemisfério Norte, esses quarenta anos de liberalização comercial ficaram com má reputação. Ela é responsabilizada pelo rebaixamento das classes médias e pela desindustrialização, ainda que a destruição de empregos seja resultado tanto da automação quanto da competição dos trabalhadores do Norte com os do hemisfério Sul. Mas no Sul, precisamente, a globalização não conta a mesma história. Para centenas de milhões de homens e mulheres, marca a saída da extrema pobreza e, muitas vezes, o acesso à classe média. É a epopeia do surgimento industrial do Sul, essa poderosa dinâmica que transformou nosso mundo.

O que a COVID-19 revelou, nos Estados Unidos, na Europa e em outros lugares, é a dependência em que as realocações no Sul, e em particular na China, nos colocaram em áreas-chave como a saúde. É também o absurdo de certas cadeias de valor – processos de fabricação divididos em vários países – que parecem ter sido pensadas por uma agência de viagens sobrecarregada com uma única lógica: deslocar a fabricação o mais longe possível do local de consumo.

Três “áreas privilegiadas de influência”

Um movimento reverso está em curso: a reconquista da soberania econômica em alguns setores, mesmo que isso signifique assumir os custos adicionais. Este desenvolvimento não acabará com a globalização. Intimamente ligada à tecnologia, a internacionalização do comércio continuará. Mas talvez seja mais regional do que global. Podemos falar de uma globalização da proximidade? Há dez anos, Jean-Louis Guigou, presidente do Instituto de Prospectiva Econômica do Mundo Mediterrâneo (Ipemed), fala sobre três “áreas privilegiadas de influência” chamadas a formar as grandes áreas de integração econômica de amanhã: o Bloco americano; os asiáticos; finalmente, um eixo Europa-África.

As duas primeiras áreas, observa Guigou, economista e ex-alto funcionário do governo francês, estão equipadas com os instrumentos para tal evolução: think tanks econômicos comuns; bancos regionais ad hoc; organizações políticas multilaterais (seja a Organização dos Estados Americanos ou a Associação das Nações do Sudeste Asiático).

A guerra tarifária que Donald Trump declarou contra a China é um fracasso. Não produziu qualquer realocação para os Estados Unidos de empresas americanas estabelecidas na China. Não fez nada para melhorar a situação dos trabalhadores americanos. Por outro lado, a renegociação de Trump do mercado comum norte-americano (anteriormente Alena, agora USMCA) entre o Canadá, o México e os Estados Unidos é um bom exemplo dos desenvolvimentos em curso na globalização.

Ele protege esta zona: as mercadorias circulam lá livres de direitos assim que são amplamente fabricadas neste espaço. Protege os trabalhadores: no automóvel, um mexicano não pode ganhar menos de 70% do que ganharia em Detroit. A integração comercial envolve a harmonização gradual de padrões – salariais, ambientais e outros.

Jean-Louis Guigou olha seus mapas geográficos: “O Norte da África deveria ser o México da União Europeia. “ O desenvolvimento de amanhã não é a troca de ontem (matéria-prima para bens de alto valor agregado), mas a coprodução. O Mediterrâneo, afirmou, “não é um obstáculo, mas um elo de ligação entre a Europa e todo o continente africano” . À “falta de visão, antecipação, paixão” que caracterizaria o Velho Continente, Guigou opõe-se à ambição de uma “Vertical África-Mediterrâneo-Europa”.

No entanto, este eixo não possui nenhum dos instrumentos – locais de encontro institucional ou banca de investimento – nem mesmo um centro de estudos económicos África-Europa, o que facilitaria o desenvolvimento para a integração regional. A globalização local é o negócio das próximas gerações.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em francês e publicado pelo Le Monde [Aqui!].

Tratamento que Trump chamou de “cura” foi desenvolvido com células de fetos abortados

Presidente dos Estados Unidos recebeu tratamento desenvolvido com células originalmente derivadas de tecido fetal, uma prática que a sua própria administração decidiu restringir

trump 1EPA/KEN CEDENO / POOL

O tratamento baseado num cocktail experimental de anticorpos que Donald Trump recebeu e que chamou de “cura” para a COVID-19 foi desenvolvido por células originalmente derivadas de tecido fetal, uma prática que o seu próprio governo decidiu restringir, revelou o The New York Times.

Em junho de 2019, a administração Trump suspendeu o financiamento para a maioria das novas investigações científicas envolvendo tecido fetal derivado de abortos.

“Promover a dignidade da vida humana desde a conceção até a morte natural é uma das principais prioridades da administração do presidente Trump”, disse o Departamento de Saúde e Serviços Humanos num comunicado publicado na altura.

“A investigação que requer uma nova aquisição de tecido fetal de abortos eletivos não será autorizada”, acrescentou o comunicado.

Donald Trump recebeu na semana passada o cocktail de anticorpos monoclonais da Regeneron. Essencialmente, tratam-se anticorpos sintetizados em células vivas e administrados para ajudar o corpo a combater a infeção.

Para desenvolver os anticorpos, a Regeneron confiou na 293T, uma linha celular derivada do tecido renal de um feto abortado na década de 1970. Pelo menos duas empresas que competem para produzir vacinas contra o coronavírus, Moderna e AstraZeneca, também estão a utilizar essa linha celular.

O Remdesivir, um medicamento antiviral que Trump recebeu, também foi testado com essas células. “Os 293Ts foram utilizados ​​para testar a capacidade dos anticorpos em neutralizar o vírus”, disse Alexandra Bowie, porta-voz da Regeneron: “Não foram usados ​​de nenhuma outra forma e o tecido fetal não foi usado diretamente na investigação.”

Num vídeo lançado esta quarta-feira, Trump elogiou o tratamento da Regeneron, chamando-o de “cura” para a Covid-19 e prometendo fornecê-lo gratuitamente a qualquer paciente que precisasse. A empresa disse esta quarta-feira que solicitou à Food and Drug Administration uma autorização para uma utilização de emergência.

Os cientistas notaram que os testes com o cocktail de anticorpos estão longe de estar finalizados e que Trump está a tomar uma variedade de medicamentos que podem ter explicado as suas melhoras.

Anthony S. Fauci, o maior especialista do país em doenças infecciosas, disse que Trump pode estar certo ao dizer que o tratamento que recebeu o ajudou em sua luta contra a Covid-19, porém, alerta que o caso do presidente por si só não prova isso.

“Acho que há uma hipótese razoavelmente boa de que o anticorpo que ele recebeu, o anticorpo Regeneron, tenha feito uma diferença significativa de forma positiva”, disse Fauci, que não está envolvido nos cuidados do presidente, durante um entrevista no MSNBC.

Em julho, a International Society for Stem Cell Research enviou uma carta ao Conselho Consultivo de Ética em Investigação de Tecido Fetal Humano do National Institutes of Health, instando o conselho a permitir que o tecido fetal seja usado para desenvolver tratamentos para Covid-19 e outras doenças.

“O tecido fetal tem propriedades únicas e valiosas que muitas vezes não podem ser substituídas por outros tipos de células”, referia a carta.

Em agosto, o conselho rejeitou 13 das 14 propostas que envolviam tecido fetal. A proposta aprovada contava com tecido já adquirido.

fecho

Esta matéria foi originalmente publicado pelo jornal Diário de Notícias [Aqui!].

E agora Jair? No protocolo de tratamento de Donald Trump para COVID-19, nem sinal de cloroquina

FILES-COMBO-US-RUSSIA-POLITICS

O presidente Donald Trump está tratando a COVID-19 com um coquetel sintético e uma combinação de outros medicamentos. Mas nada de cloroquina ou hidroxicloroquina

A notícia de que o presidente Donald Trump finalmente foi pego pelo Sar-Cov-2 (o coronavírus), caiu hoje como uma bomba no mundo inteiro. Agora, o mais interessante é que no protocolo de tratamento de um dos maiores defensores dos poderes miraculosos da cloroquina no tratamento  (o outro grande defensor é o presidente Jair Bolsonaro), essa substância não passa nem perto (ver correspondência emitida pelo médico oficial de Donald Trump, Sean P. Coley, ver memorando oficial logo abaixo).

wp-1601678626629.jpg

O fato é que Donald Trump está sendo tratado como uma combinação que envolve o medicamento Regeneron (um coquetel de anticorpos policlonais), mas também doses de zinco, vitamina D, famotidina, melatonina e uma simples aspirina. 

E a famosa cloroquina ou mesmo a hidroxicloroquina nessa história toda? Pelo que tudo indica, na hora em que realmente precisou se tratar, Donald Trump optou por medicamentos que tenham alguma chance efetiva de tirá-lo dos braços da COVID-19.

E aí é que eu pergunto: como ficará Jair Bolsonaro e o fabuloso estoque de cloroquina que foram comprados com dinheiro público?

Ah, sim, com a transferência de Donald Trum para um hospital militar enterra-se de vez a falácia de que a COVID-19 não passa de um “little cold” ou da famosa “gripezinha” apregoada aos quatro ventos tanto por Trump como por Bolsonaro.

O diagnóstico positivo para coronavírus de Donald Trump perturba os mercados financeiros mundiais

A notícia da infecção da corona do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está impactando os mercados financeiros internacionais. Os analistas temem que a incerteza política continue a crescer

trumpO presidente dos EUA, Donald Trump testou positivo para o coronavírus

O teste positivo para o coronavírus do presidente dos EUA, Donald Trump, causou inquietação nos mercados financeiros em todo o mundo. O Dax estava 1,5 por cento mais fraco na sexta-feira, com 12.542 pontos. Em Londres, o FTSE 100 caiu 1,1 por cento, o CAC 40 em Paris caiu 1,4 por cento.

Trump e sua esposa Melania testaram positivo para o patógeno, conforme o presidente dos EUA anunciou por meio do serviço de mensagens curtas Twitter. Para o presidente dos Estados Unidos, isso ocorre “em um momento extremamente desfavorável”, comentou Thomas Gitzel, economista-chefe do VP Bank. Os mercados poderiam ficar turbulentos, em particular se Trump passasse por uma doença grave: “As incertezas já existentes aumentariam novamente.”

O preço do petróleo também está caindo

Se Trump adoecer apenas um pouco e se recuperar rapidamente, ele pode esperar mais aprovação, disse Yako Sera, estrategista de mercado do Sumitomo Mitsui Trust Bank, em Tóquio . “No entanto, a doença atrapalha suas oportunidades eleitorais e o tempo antes das eleições está se esgotando.” Enquanto não estiver claro se o próximo presidente será Trump ou Joe Biden , é difícil para os mercados se posicionarem com clareza.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pela Die Spiegel [Aqui!].

Todos os impostos não pagos do presidente (Donald Trump)

trump

O jornal “The New York Times” publicou hoje uma longa reportagem assinada pelos  jornalistas   ,  e que  destrincha a situação financeira e tributária do presidente estadunidense Donald Trump, revelando o que muitos já desconfiavam, qual seja, que o império trumpista vive mais para a bancarrota do que para a bonança. E, mais danosa ainda é a revelação de que Donald Trump possui propriedades em dificuldades, vastas baixas contábeis, uma batalha de auditoria e centenas de milhões em dívidas a vencer. Em outras palavras, Donald Trump é um embuste não apenas como presidente, mas também como empresário.

A reportagem mostra que, ao contrário de milhões de trabalhadores estadunidenses que precisam pagar impostos caros  que são arbitrados a partir dos seus salários, Donald Trump pagou míseros US$ 750 em imposto de renda federal no ano em que conquistou a presidência, a mesma quantia no primeiro do seu mandato. Além disso, os dados das suas declarações de imposto de renda que Trump tanto tentou esconder, revelam que ele não pagou nenhum imposto de renda em 10 dos 15 anos anteriores à sua chegada à presidência, pois ele relatou ter perdido muito mais dinheiro do que ganhava.

trump impostos

Segundo a reportagem, as declarações de impostos que Donald Trump tanto  para manter em sigilo contam uma história fundamentalmente diferente daquela que ele vendeu ao público americano.  As declarações de Trump para o Internal Revenue Service (IRS) (que é o equivalente da Receita Federal) retratam um empresário que “ganha centenas de milhões de dólares por ano, mas acumula perdas crônicas que ele emprega agressivamente para evitar o pagamento de impostos. Agora, com seus desafios financeiros cada vez maiores, os registros mostram que ele depende cada vez mais de ganhar dinheiro com negócios que o colocam em potencial e, muitas vezes, conflito de interesses direto com seu cargo de presidente“.

A coisa que mais chama a atenção nessa reportagem são as inúmeras táticas que Donald Trump utilizou ao longo da vida para passar uma imagem de vencedor, enquanto driblava a situação desastrosa da maioria dos seus empreendimentos.  Esta situação, entrentato, nunca impediu, segundo mostra a reportagem, que Trump e sua família vivessem vidas nababescas, muitas vezes com o uso das empresas para a concessão de benefícios que, apesar de não serem desnecessariamente ilegais, colocam em xeque a ideia da meritocracia que o presidente estadunidense procura difundir para si mesmo.

O curioso aqui é que o presidente Jair Bolsonaro, reconhecidamente um fã de Donald Trump, também já revelou publicamente sua disposição para sonegar  impostos por ele devidos ao fisco brasileiro (ver vídeo abaixo). Pelo que se vê, a afinidade entre os dois não se restringe à difusão de uma agenda conservadora e baseadas em valores cujas trajetórias pessoais não necessariamente confirmam.

Quem desejar ler a reportagem em português, basta clicar [Aqui!]

Trump não consegue desviar EUA de metas do Acordo de Paris, diz relatório

Estados, cidades e empresas aceleram progresso climático sem ajuda federal

trump denialO “sem noção em chefe”:  Donald Trump, que nega as mudanças climáticas provocadas pelo homem, aponta mapas do furacão Michael em 2018. (Reuters / Jonathan Ernst)

Enquanto Donald Trump fortalece sua retórica antiambiental, os EUA deve manter o compromisso assumido no Acordo de Paris de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa em 37% até 2030. Um estudo divulgado agora explica a contradição: políticas de mitigação climática foram fortalecidas em níveis subnacionais e nas empresas.

Segundo o relatório Americas’s Pledge, o setor de eletricidade já vive o “tipping point” da transição energética, mesmo com atrasos em projetos em decorrência da pandemia do novo coronavírus. Em 2017, o presidente dos EUA revogou as iniciativas de energia limpa da era Obama e em 2018 anunciou medidas para ressuscitar a indústria do carvão. Desde então, as energias do sol e do vento tiveram crescimento rápido, com forte geração de empregos, preços cada vez mais competitivos – mesmo sem subsídios – e com fundamentos econômicos mais consistente do que as fontes fósseis.

A análise indica que as concessionárias que planejavam fazer uma transição energética do carvão para as renováveis, passando pelas térmicas a gás, partiram para um plano de descarbonização direta. Há quatro anos, apenas 1 estado e 22 cidades havia se comprometido a ter energia elétrica 100% renovável; em 2020 são 16 estados e 130 cidades. Isso significa que cerca de 33% da população dos EUA vive em uma jurisdição que será alimentada por energia 100% limpa até o final desta década. O documento destaca que a energia limpa tem conquistado apoio bipartidário. Arizona, Flórida, Texas e Virgínia, redutos tradicionais dos republicanos, só aumentaram suas metas de energia limpa desde eleição de Trump.

“Apesar da decisão do presidente de se afastar do Acordo de Paris, e apesar de quatro anos de retrocessos ambientais e negação do clima por parte do governo federal, o último relatório mostra que cidades, estados e empresas continuam a progredir trabalhando em conjunto e liderando de baixo para cima”, avalia Michael R. Bloomberg, ex-enviado especial das Nações Unidas para a Ação Climática e co-presidente da America’s Pledge. “Mas o relatório também mostra que poderíamos estar fazendo muito mais, muito mais rápido, com a liderança da Casa Branca – e é por isso que a eleição de novembro é a mais importante na luta contra a mudança climática”, afirma o executivo, que é fundador da Bloomberg Philanthropies e da Bloomberg LP.

“Com sua política de multilateralismo inclusivo, a ONU há muito incentiva cidades, comunidades, investidores, empresas privadas e sociedade civil a se envolverem nos esforços para enfrentar a mudança climática. Isto resulta em mais idéias, mais soluções, mais ação climática e se reflete também no relatório dos compromissos dos Estados Unidos”, analisa Patricia Espinosa, Secretária Executiva de Mudança Climática da ONU.

Fósseis

Além de eletricidade, a pesquisa analisou outros quatro setores com as maiores oportunidades de redução de emissões nos EUA até 2030: transporte, metano e hidrofluorocarbonetos (HFCs) e edificações. O nível de confiança no cumprimentos das metas em quatro desses segmentos cresceu, exceto em “edificações”, para o qual o nível de confiança foi apenas mantido.

Segundo o relatório, um conjunto de fatores manteria o país no rumo da mitigação das emissões de “transporte” e “metano”, com destaque para o compromissos de cidades e estados de eletrificar o transporte e reduzir os níveis de emissões para veículos médios, pesados e leves. Essa tendência foi observada mesmo com os padrões federais de economia de combustível e de emissão tendo sido enfraquecidos pela administração Trump. As vendas de veículos elétricos nos EUA dobraram nos últimos cinco anos, e espera-se uma recuperação mais rápida do que as vendas de carros a gasolina no próximo ano. E conforme o país se ajusta a um “novo normal” pós-pandemia, mudanças no comportamento em torno do trabalho remoto e do comércio eletrônico podem diminuir permanentemente as viagens de passageiros dos EUA em 10%.

Ao mesmo tempo, a indústria de petróleo e gás – principal fonte das emissões de metano do país – enfrenta um cenário com choques de preço, excesso de oferta global e redução das expectativas de demanda de longo prazo devido ao aumento do apoio político e industrial à eletrificação do transporte.

O relatório também destaca que estados e empresas estão impulsionando reduções de hidrofluorocarbonetos (HFCs) nos EUA. Essas substâncias foram uma solução climática no passado, quando substituíram os clorofluorcarbonetos (CFCs), que destroem a camada de ozônio, mas o avanço do conhecimento sobre HFCs mostrou que eles são superpoluentes climaticamente ativos e extremamente persistentes na atmosfera. Dezesseis estados americanos já aprovaram ou propuseram políticas contra o HFC, e a indústria está investindo em soluções de refrigeração e ar condicionado favoráveis ao clima, enquanto pressiona por uma legislação federal sobre o tema.

Bannon, pai intelectual de Trump e Bolsonaro, é preso por fraudar campanha de doações para construção do muro na fronteira com o México

O esforço online de arrecadação de fundos arrecadou US $ 25 milhões, disseram as autoridades.

bannonCrédito: Calla Kessler / The New York Times

De Alan Feuer e 

Stephen K. Bannon, ex-conselheiro do presidente Trump, foi acusado na quinta-feira em Nova York de fraude por seu papel em um esquema relacionado a “We Build the Wall”, um esforço online de arrecadação de fundos que arrecadou mais de US $ 25 milhões para o presidente muito elogiado plano para erguer uma barreira na fronteira mexicana, disseram as autoridades.

Bannon e três outros réus “fraudaram centenas de milhares de doadores, capitalizando seu interesse em financiar um muro de fronteira para levantar milhões de dólares, sob o falso pretexto de que todo esse dinheiro seria gasto na construção”, Audrey Strauss, a procurador dos Estados Unidos em exercício em Manhattan, disse em comunicado na quinta-feira.

Bannon foi preso na quinta-feira em uma acusação de duas acusações não selada no Tribunal Federal do Distrito em Manhattan. Ele deve comparecer perante um juiz magistrado dos EUA em Nova York no final do dia.

De acordo com as autoridades federais, Bannon, amplamente considerado o arquiteto da campanha presidencial de Trump em 2016, arquitetou o complô para fraudar os doadores para a campanha de construção do muro com três outros homens: Brian Kolfage, 38, um veterano da Força Aérea de Praia de Miramar, Flórida; Andrew Badolato, 56, um financista de Sarasota, Flórida; e Timothy Shea, 49, de Castle Rock, Colorado.

Como fundador da “We Build the Wall”, o Sr. Kolfage prometeu a seus doadores que “não aceitaria um centavo em salário ou compensação” e que todo o dinheiro que arrecadasse seria usado “na execução de nossa missão e propósito ”, Disseram os promotores.

Mas essas promessas eram falsas, disseram os promotores. Em vez disso, eles disseram, Kolfage secretamente recebeu mais de US $ 350.000 em doações para seu uso pessoal. Bannon, por meio de uma organização sem fins lucrativos não identificada, recebeu mais de US $ 1 milhão de “Nós Construímos o Muro”, disseram os promotores, alguns dos quais ele usou para pagar centenas de milhares de dólares em despesas pessoais.

Para ocultar o fluxo ilícito de dinheiro, disseram os promotores, os quatro homens encaminharam os pagamentos da “We Build the Wall” não apenas por meio do grupo sem fins lucrativos de Bannon, mas também por meio de uma empresa de fachada controlada por Shea.

Os promotores sugeriram que eles estavam de posse de uma mensagem de texto na qual Kolfage diz a Badolato que o esquema de pagamento é “confidencial” e deve ser mantido com base na “necessidade de saber”.

Um porta-voz da Casa Branca não quis comentar as acusações. 

____________________________________________

Alan Feuer cobre tribunais e justiça criminal para a mesa do Metro. Ele escreveu sobre mafiosos, prisões, má conduta policial, condenações injustas, corrupção governamental e El Chapo, o chefe do cartel de drogas de Sinaloa preso. Ele ingressou no The Times em 1999.@Alanfeuer

William K. Rashbaum é redator sênior da seção Metro, onde cobre corrupção política e municipal, tribunais, terrorismo e tópicos mais amplos de aplicação da lei. Ele fez parte da equipe que recebeu o Prêmio Pulitzer de 2009 pelas notícias de última hora.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo “The New York Times [Aqui! ].

Donald Trump, o presidente da desordem

Com a retirada das tropas federais, a demonstração de força do presidente dos EUA na tentativa de conter os protestos em Portland chegou ao fim. E são semelhantes a uma admissão de fraqueza

DONALD-TRUMP-LE-PRÉSIDENT-DU-DÉSORDRE

Editorial do jornal Le Monde

A temporada de campanha está madura para queixas. Às vésperas das eleições de meio de mandato dos EUA em novembro de 2018, Donald Trump já considerava imperativo mobilizar mais de 5.000 soldados na fronteira com o México. Os Estados Unidos, ele garantiu, estavam sob a ameaça de ”  caravanas” de migrantes. O tom alarmista adotado pelo presidente não impediu a derrota do campo republicano na Câmara dos Deputados, e Donald Trump não havia mais mencionado esse perigo apresentado como iminente.

Dois anos depois, o presidente tentou usar a agitação que acompanha os protestos contra a violência policial em Portland, Oregon, para mostrar mais uma vez uma postura marcial. Sob a autoridade de seu Ministro da Justiça e do Secretário de Segurança Interna, um posto criado após os ataques de 11 de setembro, as forças federais foram despachadas oficialmente para proteger prédios federais.

O resultado foi espetacular. Em vez de restaurar a calma, essas forças de segurança, pouco experientes nas técnicas de manutenção da ordem, despertaram paixões. A tal ponto que sua retirada agora parece ser um gesto essencial de apaziguamento.

Após a morte em Minneapolis (Minnesota), George Floyd, um afro-americano sufocado pelo joelho de um policial branco, saques e vandalismo que acompanharam marchas pacíficas levaram Donald Trump a aparecer em 1º de  junho como o “presidente da lei e da ordem”, adotando o slogan de Richard Nixon, que o levara à Casa Branca em 1968, após os distúrbios causados ​​pelo assassinato de Martin Luther King.

Tentativa de desvio

O Presidente dos Estados Unidos, no entanto, imediatamente alimentou perguntas sobre sua sinceridade ao evacuar, manu militari, os manifestantes não-violentos que se reuniram perto da Casa Branca para posar, uma Bíblia na mão, em frente a uma igreja que sofreu pequenos danos na noite anterior.

A implantação de Portland também apareceu como uma tentativa de desvio bastante grosseira do principal assunto de preocupação para seus concidadãos: a epidemia de Covid-19, que continua a causar estragos nos Estados Unidos, com mais de 150.000 mortes. A equipe de campanha do presidente cessante também multiplicou anúncios políticos que provocam ansiedade, retratando os Estados Unidos no caos que certamente se materializará se o oponente democrata do presidente, ex-vice-presidente Joe Biden , venceu a eleição de novembro.

Essas operações de comunicação não deram em nada. Pesquisas convergentes indicam que, apesar das mensagens promissoras, em maiúsculas, “LEI E ORDEM”, multiplicadas na conta presidencial do Twitter, Joe Biden é considerado por uma clara maioria dos entrevistados como o candidato mais capaz de garantir a segurança dos americanos.

Sem dúvida, as exortações de Donald Trump tornam possível manter mobilizada uma base eleitoral determinada a apoiá-lo, quaisquer que sejam os resultados de uma primavera e depois de um verão de crises, saúde, economia e sociedade, que no momento é muito longe de estar a seu favor. Finalmente, essas demonstrações de força são semelhantes a uma admissão de fraqueza diante de uma situação que é difícil de controlar. Ao aparecer como presidente da bagunça, Donald Trump se aproxima das eleições de 3 de novembro na defensiva.

fecho

Este editorial foi escrito originalmente em francês e publicado pelo jornal Le Monde [Aqui!].

 

No The New York Times, Felipe Neto mostra porque Bolsonaro é pior que Trump no combate à COVID-19

felipe neto

O youtuber Felipe Neto declarou no jornal estadunidense  The New York Times, em vídeo publicado nesta quarta-feira (15), que “os presidentes Trump e Bolsonaro há muito admiram os estilos cáusticos de governança. Portanto, não deve ser surpresa que os Estados Unidos e o Brasil sejam os únicos dois países do mundo com mais de um milhão de casos confirmados de COVID-19″ (ver vídeo abaixo).

Dada a amplitude da audiência do “The New York Times” e o fato que Felipe Neto usou bem a língua inglesa para passar sua mensagem, o mais provável que ele tenha conseguido alienar os apoiadores de Donald Trump e Jair Bolsonaro na mesma proporção.

Mas como o próprio Felipe Neto disse no vídeo, “quando o palhaço tem que falar sério, o circo provavelmente está pegando fogo”.  Uma excelente definição para o que está acontecendo lá e cá.