Guia para detectar revistas predatórias, sequestrantes e megapredatórias

depredadoras

Por Rafael Repiso e Júlio Montero-Diaz para o “The Conversation”

Em 2008, um bibliotecário da Universidade do Colorado em Denver (EUA), Jeffrey Beall, batizou um fenômeno emergente de “revistas predatórias”. Essas publicações fraudulentas, a antítese da qualidade científica, têm se multiplicado nos últimos anos como uma consequência negativa da digitalização e, mais especificamente, dos modelos de acesso aberto em que os autores dos artigos arcam com os custos de edição. Esse sistema é conhecido como “estrada de ouro”, não só para os periódicos que impõem essa prática, mas também para alguns dos autores.

A principal falha dos periódicos predatórios é que eles mal realizam processos de revisão dos manuscritos que recebem, o que agiliza o processo. Eufemisticamente, eles próprios se gabam de sua velocidade de publicação. Claro, eles aceitam a maioria dos documentos que recebem para atingir seu objetivo principal: cobrar dos autores.

Os autores devem demonstrar satisfação e, portanto, não sofrem rejeições ou modificações (na verdade, melhorias) dos originais. Estes devem obter resultados em curto prazo para atender às demandas das autoridades acadêmicas . Por exemplo, para obter credenciamentos, prazos de seis anos ou justificar o financiamento de projetos.

O resultado é que os trabalhos publicados por essas revistas carecem da validação da comunidade científica e seus resultados não são confiáveis. Em áreas como a biomedicina, eles podem até ter repercussões fatais.

Imparcial. Não partidário. Factual

Essas revistas são difíceis de detectar a olho nu porque usam a estratégia de camuflagem. Eles têm títulos muito semelhantes aos dos periódicos de referência e todos apresentam uma grande equipe de cientistas, embora sua contribuição seja decorativa ou até mesmo ignorem que fazem parte de tais comitês.

Da mesma forma, são anunciadas como indexadas em um grande número de bases de dados científicas, embora a maioria delas sejam falsas ou sejam bases de dados que não realizam processos seletivos. Produtos de avaliação já foram criados para revistas predatórias onde, claro, todos obtêm notas excelentes. Estamos simplesmente enfrentando uma fraude.

Em 2013, John Bohannon realizou uma experiência significativa: enviou um artigo falso (carregado de lugares comuns, com bibliografia falsa e um tema absurdo) a dezenas de periódicos de acesso aberto nos quais os autores devem arcar com os custos de edição do artigo. O artigo foi aceito pela grande maioria dessas revistas com pouca revisão.

Isso validou as suspeitas de quem pensava que essas avaliações não eram rigorosas em seus processos de avaliação. Essa experiência levou o Diretório Internacional de Revistas de Acesso Aberto (DOAJ), que tinha muitos desses periódicos fraudulentos indexados, a redefinir suas políticas de inclusão. Milhares deles foram expulsos.

Como detectar revistas fraudulentas?

O problema prático é apresentado aos pesquisadores que desejam publicar os resultados de seus trabalhos e enviar seus originais para uma dessas revistas, o que é como jogá-los em um poço sem fundo. Como evitar ser um otário?

Os dados que levam a suspeitar que uma revista é fraudulenta são os seguintes:

  1. Sua juventude. Eles surgiram com os custos mais baixos de periódicos 100% digitais, de modo que não têm as décadas ou mesmo séculos de história de outros como The Lancet ou Nature .
  2. Seus títulos geralmente são genéricos. São uma imitação das revistas de maior prestígio da área.
  3. Em muitos casos, eles são publicados em países da periferia científica, como Egito e Nigéria.
  4. Eles compensam suas deficiências, como a indexação de bancos de dados ou a falta de indicadores de impacto, calculando seus próprios indicadores.
  5. Eles têm uma política agressiva para atingir o investigador desavisado (cliente ideal) por meio de correspondência personalizada.

O principal aspecto que deve alertar o autor é que a revista entre em contato com ele, garanta tempos de publicação suspeitosamente rápidos e cobrar de seus autores pela publicação: quanto maior o número de trabalhos, maior a receita.

Isso não significa que todos os periódicos que cobram dos autores os custos de publicação sejam fraudulentos. Existem alguns, como Plos One , que reconheceram processos de validação muito rigorosos, mas eles são uma minoria muito pequena. Sabe-se da existência de mais de 17.000 revistas predatórias , que se tornaram uma epidemia.

Uma nova tendência: revistas de sequestro

Uma forma muito agressiva de revistas predatórias são as “revistas de sequestro”. Eles se apresentam como periódicos estabelecidos, criam seus próprios sites e contatam os autores, solicitam manuscritos e dinheiro. Se o autor sem noção no meio do processo percebe que está sendo enganado e decide interromper o processo de publicação, geralmente recebe ameaças de denúncia.

Um exemplo real recente: a revista de sequestro pediu a um autor quase US$ 8.000 por não publicar seu trabalho (quando o autor percebeu o golpe e quis removê-lo do processo de avaliação). Ameaçou ações judiciais internacionais em caso de falta de pagamento.

A realidade é que os periódicos predatórios de primeira geração, aqueles que não eram produtos científicos, dificilmente tiveram e têm impacto no estado da ciência. Na melhor das hipóteses, eles envergonham os autores e suas instituições e levam a uma perda econômica de fundos.

A segunda geração: fraude na indexação

Treze anos depois do aparecimento do fenômeno, a fraude seguiu caminhos mais sofisticados. Existem periódicos predatórios indexados em bases de dados científicas, como Web of Science ou Scopus. O perigo é que isso faça com que comecem a ser usados ​​em muitos países, como a Espanha, para avaliar a carreira acadêmica de pesquisadores.

As revistas predatórias evoluíram. Eles se tornaram sofisticados, em parte graças aos lucros obtidos. Eles deixaram de postar alguns empregos para milhares. Eles se tornaram mega-jornais , ou seja, “megapredadores ”.

Outra abordagem sofisticada é que as próprias editoras promovam os periódicos que colocam nas mãos de acadêmicos de renome e prestígio. Eles conseguem valorizá-los, obtêm sua indexação e, então, começa seu calvário. Eles estão começando a ser obrigados a aumentar o número e a quantidade de artigos a tal ponto que os processos seletivos não podem ser realizados com rigor. Se houver resistência, geralmente termina em demissão ou demissão dos membros da equipe editorial. Mas, a essa altura, o navio já foi lançado com todos os padrões de qualidade em vigor.

Normalmente esses megapredadores são especializados em um campo específico, mas também publicam sobre qualquer assunto e com processos de revisão rápidos e superficiais. Seus preços se multiplicam ao entrar nas bases de dados de referência e sobem à medida que melhora a posição dos periódicos nos rankings , em uma lógica não científica. Sua estratégia de atração continua sendo a clássica dos predadores de primeira geração: convidar autores para publicar artigos.

A sofisticação incorporou uma nova modalidade: é tocada com vaidade e a qualquer autor (com prestígio e sem prestígio) é oferecido o direcionamento de questões monográficas. São esses líderes que realizam a tarefa de marketing mais enfadonha: a de procurar autores que se empenhem para pagar a publicação de algumas contribuições para as quais, desde o início, se ofereça segurança suficiente sobre sua publicação (antes de escrevê-las). Os editores improvisados ​​da revista de monografias, comerciais voluntários, recebem a publicação gratuita de artigos ou, pelo menos, grandes descontos como benefícios. Além disso, esses editores também limpam seus nomes obtendo acordos com universidades para os quais esses centros obtêm descontos econômicos e os editores veem seus negócios apoiados. O investigador deixa de suspeitar ao ver que sua própria universidade tem um acordo com editoras suspeitas.

Por que publicar em uma revista predatória é uma má ideia

O pesquisador deve agir com muita cautela ao escolher um periódico, publicar em um periódico fraudulento é um descrédito que mostra que:

  • O pesquisador não conhece a área para onde se desloca.
  • O esforço não vai com ele, que opta por uma via rápida para conseguir a publicação.
  • É um péssimo gestor de fundos públicos, uma vez que o custo dos itens geralmente é pago com dinheiro destinado a projetos. Em outras palavras, você está fraudando algo que pode ser processado.
  • Em alguns casos, o pesquisador que envia seus manuscritos não é ele próprio um golpista, mas um cúmplice do golpe. Os fraudados são as agências de avaliação, as instituições que arcam com os custos de publicação e os colegas que, ao evitar essas práticas, competem em processos seletivos contra esses currículos inflados artificial e fraudulentamente.

Rafael Repiso é Professor de Metodologias de Pesquisa e Documentação, UNIR – Universidade Internacional de La Rioja, e Julio Montero-Díaz é Vice-reitor  de Pesquisa, UNIR – Universidade Internacional de La Rioja

fecho

Este texto foi escrito originalmente em espanho e publicado no site “The Conversation”  [Aqui!].

Sequestro de nomes de revisas científicas: a nova tática do “trash science” para garantir freguesia

predatory-publisher

Em seu blog, Prof. Jeffrey da Colorado University-Denver abordou recentemente mais um caso de sequestro de nome de revista científica tradicional por um editor predatório (Aqui!). A estratégia aparentemente básica de sequestrar nomes de revistas é mais uma das muitas que estão sendo adotadas por editores de “trash science” para atrair cientistas incautos (ou não) para continuar garantindo os lucros de um mercado em visível expansão.  Como o próprio professor Jeffrey Beall já identificou, e o jornalista Maurício Tuffani repercutiu em seu blog, a lista de editoras predatórias cresceu 33% apenas em 2015 (Aqui!) sem que haja qualquer indicação de que o fenômeno vá começar a regredir num futuro imediato.

A questão da expansão mundial do “trash science” é particularmente aguda para países com sistemas científicos em desenvolvimento, como é o caso do Brasil, por causa da ênfase na quantificação da produção que, muitas vezes, acaba permitindo que muito lixo científico seja produzido e, pior, que os seus produtores sejam generosamente irrigados com um pool de verbas que está bastante curto por causa da crise econômica mundial.

Como em tantas outras empreitadas, há que se perguntar como pesquisadores que se pretendem sérios se permitem atrair por revistas que se valem de esquemas como o do sequestro de títulos para oferecerem seus préstimos.  A questão é que se as agências de fomento, como o CNPq e a Capes não se dão ao trabalho o joio do trigo (ou melhor, ciência de verdade de lixo científico de baixíssima qualidade ), o que está se fazendo de forma prática é a autorizar a abertura de uma temporada interminável de produções que não merecem nem um pingo da tinta que é usada para passá-las dos ambientes virtuais das revistas “trash” para a condição de cópias impressas. A pouca disposição das agências de fomento de identificar e punir quem se vale de “trash science” paraa acessar recursos públicos escassos não isenta os pesquisadores que se valem das editoras predatórias para engordar de forma fictícia os seus currículos. Mas a combinação desses dois aspectos parecem explicar o crescimento da oferta de editoras predatórias que estão pelo mundo afora (principalmente na África e na Ásia) dispostas a colocar online qualquer coisa que alguém se habilite a pagar pela publicação.

O interessante nisto tudo é que a simples menção de que estamos metidos num momento delicado da ciência por causa da ação desenvolta das editoras predatórias cria o mesmo ambiente de silêncio sepulcral que se observa nos filmes sobre a máfia. Aliás, manifestações recentes contra o trabalho do Prof. Jeffrey Beall beiram a reação histérica que vimos em outros casos de personagens que aparecem em público para nos mostrar facetas indesejáveis do nosso cotidiano. Mas pensando bem, motivos para isso devem existir, já que a movimentação de recursos em direção às editoras predatórias nem sempre advém dos recursos privados dos pesquisadores que se dispõe a colocar seus nomes nessas “obras”. Dai que atirar no mensageiro é sempre mais fácil do que reconhecer que a mensagem que ele traz.