Pietismo secular

 A esquerda joga a compulsão de se auto-otimizar contra si mesma

end of groundsVocê está pronto para atuar? As contorções políticas da esquerda de hoje – neste caso, o movimento “Fim dos caminhos” – às vezes levam mais para o sistema do que para fora dele.  Foto: dpa / Andreas Arnold

Por  Michael Ramminger e Julia Lis para o Neues Deutschland

Brancura crítica, reflexão sobre o comportamento de fala, conceitos de consciência que regulam meticulosamente o comportamento em festas e ações, acusações constantes de anti-semitismo: qualquer pessoa que observe discursos de esquerda e o habitus de muitos no ativismo de esquerda perceberá rapidamente que o comportamento e fala “corretos” , Portanto, a moral desempenha um papel muito central. Esse fato se baseia em uma subjetivação que reproduz os mecanismos do capitalismo neoliberal pelo avesso, ao invés de questioná-los radicalmente.

O capitalismo neoliberal assenta em três pilares centrais: Em primeiro lugar, o mercado livre, que – segundo o seu principal apologista FA Hayek – “pode fazer amigos dos inimigos” e deve garantir a maior prosperidade possível e a máxima liberdade. Em segundo lugar, existe o entendimento do Estado de garantir a propriedade e prevenir a interferência no mercado. O terceiro ponto, entretanto, é uma forma específica de subjetivação e individualização que estamos apenas compreendendo lentamente. Desenvolveu-se na transição do fordismo para o pós-fordismo ou »toyotismo«: a força de trabalho autossuficiente, exigida em toda a sua subjetividade e criatividade – seja na linha de montagem da Toyota, na agência de web design ou no hospital – sempre pronta dar tudo e estar presente à crítica dos outros da equipa ou do grupo: eu, uma empresa minha,

Outrora, por exemplo com Rosa Luxemburgo, a individualidade era a liberdade do indivíduo, uma demanda emancipatória. Hoje, porém, é um imperativo das condições prevalecentes que exige tudo de você. É a última instância de uma vida bem-sucedida: se você falhar, a culpa é sua. Somos institutos experimentais para nossas próprias personalidades, extraímos nossa liberdade e autoridade de nós mesmos. Esse auto-fortalecimento no capitalismo neoliberal é, como Ulrich Beck delirou em 1997 antes da transição para o capitalismo vermelho-verde, a reinvenção republicana da Europa dos indivíduos , portanto, o »novo filósofo” no sentido de Friedrich Nietzsche.

Graças a Deus, não demorou muito para que esse trágico otimismo se esgotasse na individualização capitalista. Além dos movimentos de direita, que se opuseram a essa demanda excessiva por meio de uma nova homogeneização étnica e racismo, o movimento de esquerda também se posicionou na República Federal: crítica patriarcal, anti-racismo e movimentos de refugiados, bem como o “Fim dos Caminhos”, são de tentar neutralizar essas condições. A esquerda do movimento luta desesperadamente contra as consequências catastróficas deste capitalismo. Ao fazer isso, no entanto, ela negligencia como, em sua luta, em suas formas organizacionais e máximas, internalizou de forma não dialética o pressuposto básico do sujeito capitalista neoliberal, a compulsão para a auto-otimização criativa e individualização.

O sujeito toyotista da auto-otimização experimenta sua reencarnação como figura de uma espécie de ativista político comprometido com a própria perfeição moral na luta contra a destruição, exploração e injustiça ambiental: na obrigação de auto-otimização no sentido de um trabalho permanente sobre sua própria integridade moral. A política de esquerda está cada vez mais reduzida a intervenções discursivas e mudanças de hábito. Teorias que querem penetrar nas estruturas sociais como parte da socialização capitalista – como a teoria crítica – dificilmente desempenham um papel nas universidades hoje em dia. Eles foram substituídos por uma recepção abreviada do construtivismo pós-estruturalista, que normalmente é conhecido pelo nome de “desconstrutivismo”.

Isso pode ser visto principalmente nas formas populares de discurso de gênero – muitas vezes vagamente baseadas em Judith Butler -, no exagero sobre a brancura crítica e a recepção comum dos estudos pós-coloniais. A radicalidade com relação à crítica à dominação deve, portanto, ser mostrada em um comportamento de discussão politicamente correto, na crítica do “salvadorismo branco”, nos próprios privilégios e assim por diante. É uma vingança que a subjetivação pessoal em condições capitalistas não seja naturalmente analisada também como um processo histórico de socialização. Isso culmina no fato de que, por exemplo, grupos locais do “Fim dos caminhos” paralisam-se em sua prática ao descobrir, tristemente, que têm muito poucos »PoC« (pessoas de cor) em suas próprias fileiras.

Política como expiação

Portanto, trata-se cada vez menos de superar as condições e compreender essa luta como a do imperfeito. Por outro lado, a política de esquerda degenera em uma crítica às próprias inadequações, alheias e sociais, cujo horizonte último é expiar por meio da auto-otimização moral da esquerda. Essa figura é conhecida desde a história da religião, especialmente a história das igrejas protestantes. A referência aqui é o pietismo do século XVII. A internalização religiosa – »pesquisa da alma« – e a perfeição moral, também realizada externamente, estavam no centro desse sistema de crenças. Devem ser garantidos pela forte orientação interna da comunidade espiritual, a “ecclesiola”. Encontramos isso novamente em uma forma secularizada à esquerda, quando páginas de folhas de reflexão são criadas sobre as próprias estruturas racistas internalizadas, quando em tempos de pandemia corona são denunciados impiedosamente aqueles que não assumem responsabilidade suficiente por sua própria saúde e pela saúde de seus vizinhos ou quando grupos críticos de masculinidade referem-se a confissões de culpa por seu falso comportamento masculino dominante em torno de si como melhor, porque os homens feministas apresentam. Você pode chamar isso de pietismo secularizado. para se apresentarem como melhores, porque homens feministas. Você pode chamar isso de pietismo secularizado. para se apresentarem como melhores, porque homens feministas. Você pode chamar isso de pietismo secularizado.

 Fadiga exercida

Essas formas de política e de vida são cada vez menos capazes de criticar toda a sociedade. As ações continuam focadas nas demandas certas que se faz da sociedade e também da “política”, ou seja, das instituições do Estado. Nesse ínterim, há uma grande pressão interna, uma denúncia implacável de todos os comportamentos e formas de expressão contraditórios até a exclusão e denúncia. Um clima de autocontrole temeroso se desenvolve, o que inibe a criatividade, a alegria da experimentação e o desejo de discutir. O manejo individual e coletivo dos conflitos que surgem da tensão entre a reivindicação de auto-realização individual ilimitada e a compulsão de atender às próprias exigências morais coletivas ocupa muito espaço.

O resultado é um tipo de homem de esquerda que sempre parece cansado e tenso, precisamente porque sempre tenta se comunicar de forma amigável e reservada e fazer cumprir as regras auto-impostas internamente, construindo pressão moral. Muito do que Nietzsche uma vez formulou como uma crítica à moralidade do meio protestante-burguês se aplica a este tipo: “Eles teriam que cantar para mim melhores canções para que eu pudesse aprender a acreditar em seu Redentor: seus discípulos deveriam parecer mais redimidos para mim !?”

A crítica de Nietzsche a uma “moralidade escrava” que busca compensar sua própria fraqueza e inferioridade com reivindicações morais de superioridade e, assim, eleva-a a uma virtude, deve ser escrita atrás das orelhas da esquerda de hoje. Só então ela seria capaz de se libertar do cativeiro de tal pietismo secularizado. Você faria um pouco mais de bem a Nietzsche. Se apenas para levantar a questão de como podemos coletivamente e alegremente nos libertar para uma vida, um desejo que nos permite finalmente lutar e superar os relacionamentos errados e alienados, não nós mesmos. Isso seria, então, talvez realmente uma reversão bem-sucedida e esquerda dessa figura do “novo filósofo” que Ulrich Beck convocou em defesa do estrangeiro neoliberal e da auto-exploração com Nietzsche.

*Dr.  em Teologia Michael Ramminger , nascido em 1960, é um dos co-fundadores do Instituto de Teologia e Política de Münster. Dra em Teologia Julia Lis , nascida em 1980. Ambos se interessam por questões de teologia libertadora e estão envolvidos em movimentos políticos.

fecho

Este artigo foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui!].