Governo Bolsonaro apoia assassinato de general iraniano e insere Brasil na explosiva situação do Oriente Médio

átrump araujoAo emitir nota de apoio ao governo Trump pela eliminação de general iraniano, o ministro Ernesto Araújo cometeu grave prejuízo contra os interesses brasileiros.

O governo Bolsonaro já flertou com o perigo ao anunciar a transferência da embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém.  Nesse caso prevaleceu prevaleceu o pragmatismo que levou em conta as fortes relações comerciais mantidas pelo Brasil com os países árabes, o que significou uma derrota para a ala olavista cuja grande expressão é o, digamos, excêntrico ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

Mas defrontado com as repercussões do assassinato do general iraniano Qasem Soleimani, o ministro Ernesto Araújo resolveu deixar de lado o pragmatismo e fez o Itamaraty emitir uma nota de apoio ao governo dos EUA sob a escusa de apoiar o combate ao terrorismo (ver imagem abaixo).

nota itamaraty

Se ainda havia algum tipo de dúvida acerca do grau de irresponsabilidade reinante no governo Bolsonaro em relação não apenas aos interesses comerciais nacionais, mas à própria segurança interna, eu me permito dizer que essa nota totalmente fora de propósito acaba de confirmar o que já era visível. É que essa nota acaba de enterrar décadas de uma forma cuidadosamente elaborada de pragmatismo diplomático que manteve o Brasil como parceiro comercial de países virtualmente em guerra em diversas partes do planeta, mas também nos manteve fora da rota do terrorismo internacional.

Agora, ao endossar a ação bélica do governo Donald Trump pela simples razão de mostrar alinhamento ideológico,  Ernesto Araújo e seus chefes dentro do governo Bolsonaro não apenas colocaram em risco as exportações de commodities agrícolas para os países árabes (mesmo aqueles não alinhados politicamente ao Irã), mas também abriram a possibilidade de que brasileiros e suas representações políticas e comerciais se tornem alvos de ataques terroristas. 

Como o Irã e seus diversos “proxies” estão certamente neste momento acompanhando a reação dos governos de todas as partes do mundo para medir o grau de alinhamento com os EUA no assassinato de Qaseim Suleimani,  ao emitir essa nota, Ernesto Araújo colocou um alvo nas costas de todos os brasileiros.  É que como todo o mundo já sabe, a resposta iraniana ao assassinato de seu mais importante líder militar não virá sob a forma de confrontos diretos com as forças estadunidenses, mas com a escolha de alvos mais fáceis de serem atacados. Essa é a realidade que deveria ter sido considerada pelo governo Bolsonaro antes de emitir qualquer comunicado sobre a eliminação de Suleimani, mas não foi. 

Agora não adiantará nada qualquer desmentido de fachada sobre uma posição oficial do ministério das Relações Exteriores. A única saída seria demitir imediatamente Ernesto Araújo e todos os seus auxiliares diretos por não terem impedido a emissão dessa nota despropositada. Mas como dificilmente ocorrerá na velocidade que deveria, o melhor é nos prepararmos para o pior, seja na área comercial como na militar.

 

Assassinato de general iraniano é jogada política de Donald Trump que pode acelerar crise econômica global

Qasem SoleimaniQasem Soleimani (ao centro na posição central da imagem) era um dos principais estrategistas das forças iranianas e seu assassinato deverá ter fortes repercussões políticas e militares no Oriente Médio

O assassinato do general iraniano Qasem Soleimani pelas forças armadas dos EUA é claramente uma jogada política do encrencado presidente estadunidense Donald Trump. Para sair das cordas em que foi colocado pela jogada obscura que realizou para pressionar o governo da Ucrânia, Donald Trump autorizou a eliminação da principal liderança militar do Irã.

O problema em realizar uma jogada de tão alto risco é que, apesar de Trump e seus generais estarem bem longe do alcance das ações retaliatórias que o Irã deverá realizar para vingar o assassinato de Soleimani, suas próprias tropas e agentes de governos aliados no Oriente não estarão. 

Com isso em mente é preciso levar em conta que o Irã acabou de realizar uma série de operações conjuntas para fazer frente à possíveis agressões armadas, principalmente dos EUA.  A partir desse fato é que se vê que a decisão de eliminar Soleimani não é uma a ser ignorada para entendermos a intrincado situação geopolítica em que o assassinato do general iraniano se insere.

De qualquer forma, a principal consequência desta jogada política e eleitoral é causar um desequilíbrio para cima dos preços do petróleo que terá fortes consequências para uma economia global onde já existem sinais abundantes de que uma grave crise deve se instalar ao longo de 2020. 

No caso específico do Brasil, há que se ver como se pronunciará o excêntrico (para dizer o mínimo) ministro das Relações Exteriores sobre este grave incidente geopolítico. Se abrir a boca para “passar o pano” no assassinato de Qasem Soleimani (como é esperado), quem sofrerá vai ser o latifúndio agro-exportador que poderá perder acesso ao mercado iraniano. Como o Brasil agora depende ainda mais diretamente da exportação de commodities agrícolas qualquer perda de mercado trará perdas econômicas que não serão desprezíveis.

Um elemento a ser considerado é que a decisão de assassinar um alto oficial iraniano pode até demonstrar a capacidade bélica dos EUA. Entretanto, por outro lado, isso demonstra a fraqueza estratégica em que está posta a principal potência militar do planeta. E isso não é uma notícia secundária para se entender o que virá pela frente nos próximos anos e décadas. 

Finalmente, o tempo dirá se a jogada de Donald Trump vai dar certo ou não, e como o custo disso será sentido pelo resto do mundo. Mas que ninguém se surpreenda se uma grave crise econômica global eclodir. 

Mudanças climáticas e o risco do Brasil ser tratado como piada

denial

Como venho escrevendo nos últimos dias, acabo de retornar de uma participação no International Symposium on Green Development and Integrated Risk Governance” que ocorreu na cidade de Shenzhen na China. Esse encontro deve ser um dos muitos que estão ocorrendo ao longo de 2019 para tratar da adoção de ações para enfrentar os inevitáveis impactos das mudanças climáticas em curso no nosso planeta.

Pois bem, ao longo de qualquer encontro dessa natureza é possível ver como está se dando a preparação (ou a ausência dela) em um nível ainda abstrato, o qual fica na interface existente cientistas e agentes de governo. Nesse sentido, ficou evidente que a posição oficial da China, explicitada não apenas por seus cientistas mas também por representantes de diferentes níveis do poder estatal que estavam presentes no evento, é de que as mudanças climáticas oferecem riscos, mas também oportunidades, para o desenvolvimento futuro da economia global.  Essa posição reflete a forma pragmática com que os dirigentes do Partido Comunista Chinês (PCC) pensam a participação presente e futura da China como potência econômica, mas também as inevitáveis pressões que surgem em uma população que beira a 1,5 bilhão de pessoas.

20191013_104928.jpgSlide mostrando mudanças ocorridas nos últimos 50 anos no clima da China

Não obstante, os chineses tratam com seriedade não apenas a existência das mudanças climáticas, mas também a realidade objetiva de que partes do seu território, especialmente as regiões costeiras, deverão receber os impactos de eventos climáticos cada vez mais intensos e devastadores. Em outras palavras, mudanças climáticas para os chineses não são parte de nenhuma teoria conspiratória, mas um fato da realidade para o qual eles estão tentando se preparar a partir daquilo que eles gostam de propalar como sendo o “socialismo com características chinesas”.

Essa imersão ligeira na forma com que percebi a postura chinesa frente ao fenômeno das mudanças climáticas teve outra utilidade para mim. É que naquelas inevitáveis rodinhas de conversa que surgem em toda reunião científica, tive a oportunidade de oferecer aos meus colegas interlocutores a visão oficial dos atuais dirigentes brasileiros em relação às mudanças climáticas, incluindo a famosa assertiva do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, no sentido de que as mudanças climáticas não passam de um complô marxista. Nessa hora, o que recebi de volta foram risadas que rapidamente eram substituídas por expressões que misturavam incredulidade e sarcasmo. Em outras palavras, estamos sendo transformados em motivo de piada de salão.  E o motivo para isto é simples: não há como levar à sério quem ostenta tamanha postura anti-científica em um momento em que se discuta não mais se passamos por um ajuste climático, mas sim o tamanho dele.

guardian

Se alguém achar que a postura delirante do ministro das Relações Exteriores não traz consequências significativas, sugiro pensar de novo. É que a ´partir das discussões e conversas em que participei em Shenzhen, me parece claro que os principais governos do mundo, a começar pelo da China, não estão dispostos a tolerar posturas delirantes que coloquem em risco a sua própria capacidade de continuar operando de forma viável.  Se eu estiver certo, e não tenho motivos para achar o contrário, o isolamento diplomático e político do Brasil vai ser aprofundado caso a postura atual de ignorar a realidade das mudanças climáticas não seja revertida.  E aqui não há qualquer motivo para rir, pois a coisa definitivamente não é uma piada.

Negacionismo climático de Ernesto Araújo causará graves danos econômicos ao Brasil

araujoEm seu tour pelos EUA, o chanceler Ernesto Araújo parece disposto a aumentar o enorme imbróglio diplomático em que o Brasil está metido.

O ministro de Relações Exteriores do governo Bolsonaro, o embaixador junior Ernesto Araújo, é um conhecido negacionista das mudanças climáticas.  Araújo já declarou, inclusive, que as mudanças climáticas não passam de um complô orquestrado por marxistas.

Até aqui a veia negacionista do chanceler brasileiro estava mais ou menos restrito ao consumo interno. Mas com sua fala no dia de ontem no “think thank” conservador Washington’s Heritage Foundation, as ideias e percepções de Ernesto Araújo passaram a ser de conhecimento planetário, inclusive nos EUA onde existe um acirrado debate sobre as posturas negacionistas do governo de Donald Trump (ver vídeo abaixo).

Em sua fala para plateia amiga, Ernesto Araújo chega a divulgar um conceito pouco corrente, o “climatismo”,  que seria segundo ele uma espécie de tese alarmista com o objetivo de violentar as formas democráticas de governança.  Mas a azeitona da empada de Araújo foi quando ele concluiu afirmando que “A Amazônia é o palco inicial na luta contra o globalismo e pela recuperação da dignidade humana”.

Ainda que a posição de negacionismo das mudanças climáticas do chanceler do governo Bolsonaro possa agradar a setores extremistas da política mundial, o problema é que todas os dados e falas usados para negar o óbvio terão como consequência o afastamento de investidores do Brasil, justamente em um momento em que o país necessita de aportes econômicos para serem injetados em atividades produtivas.

Um sintoma de que a fala de Araújo caiu muito mal até nos EUA foi uma série de tweets de Ishaan Tharoor, jornalista do jornal “The Washington Post” ,  onde o chanceler brasileiro é retratado, no mínimo, como um excêntrico de extrema direita que é defensor de posições incoerentes e que resvalam em conhecimento obtido no Wikipedia.

A verdade é que Ernesto Araújo não é o único negacionista climático dentro do ministério formado por Jair Bolsonaro, apenas o mais tentado a se posicionar publicamente sobre o tema, ainda que sob o risco de parecer um lunático desvairado. 

 

Ernesto Araújo é desmentido em rede mundial sobre as queimadas da Amazônia

amazon burning

A vergonha que o Brasil passa toda vez que seu ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, abre a boca para proferir algum absurdo lógico. Mas ontem (04/09) o nível de vergonha brasileira (já que o ministro parece ter perdido a capacidade de se envergonhar) atingiu outro patamar durante uma entrevista concedida à rede estadunindense CNN onde Ernesto Araújo estava sendo entrevistado pela âncora Christianne Amanpour e teve a pachorra de afirmar que “a Amazônia não está queimando acima do normal. Tivemos incêndios este ano um pouco mais que no ano passado, mas um pouco abaixo da média nos últimos 20 anos” (ver vídeo abaixo)

O problema para Araújo é que, enquanto ele tentava desmentir o óbvio, a CNN mostrava simultaneamente cenas das queimadas que estão devastando a Amazônia brasileira neste momento. Em outras palavras, a CNN demonstrou, ainda que subliminarmente que o chanceler brasileira estava mentindo para a audiência mundial que a emissora possui.

Depois que ocorrer uma boicote mundial às commodities agrícolas brasileiras por causa da postura anti-ambiental do governo Bolsonaro e de ministros como Ernesto Araújo, ainda vai ter gente que ficará surpresa. 

Mas, convenhamos, com um tipo de ” anti poster boy” como Araújo, como é que se pode esperar qualquer resultado que não seja um bloqueio comercial ao Brasil?

Jair Bolsonaro e sua estranha pirosoberania

bolso piroJair Bolsonaro inova e cria a “pirosoberania”. O problema será convencer os parceiros comerciais a aceitarem tanta inovação.

O presidente Jair Bolsonaro usou hoje sua página oficial na rede social Twitter para rebater uma manifestação do seu congênere francês Emmanuel Macron que está querendo uma reunião do G-7 nas próximas 48 horas para discutir medidas para combater os devastadores incêndios que estão ocorrendo na Amazônia brasileira.

macron

Segundo Jair Bolsonaro, o presidente francês estaria possuindo de uma mentalidade “colonialista” ao querer discutir medidas para impedir que o holocausto amazônico continue (ver imagem abaixo).

bolso macron

Jair Bolsonaro foi seguido nesse discurso pseudamente pró-soberania por vários de seus ministros, incluindo o negacionista das mudanças climáticas, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Segundo Araújo, o Brasil está sofrendo “uma campanha embalada por falsidades ambientais” por ter supostamente acordado do sono de algumas décadas.

As falas combinadas do presidente Jair Bolsonaro e do ministro Ernesto Araújo representam para mim uma inovação na argumentação em prol de devastar impunemente a Amazônia para ali implantar o reinado de uma modalidade da “economia de fronteira” apoiado em um conceito curioso que parecer ser o da “pirosoberania” (liberdade para tocar fogo). 

O problema é que a aplicação desta pirosoberania já está colocando em xeque a capacidade do agronegócio brasileiro continuar acessando mercados importantes como o da União Europeia.  E aí caímos em uma situação curiosa, pois em tese a liberdade geral, ampla e irrestrita  que Bolsonaro e Araújo parecem querer ter em transformar as florestas amazônicas em cinzas com o apoio da pirosoberania esbarra na óbvia dificuldade de que importantes parceiros comerciais do Brasil não vai aceitar isso calados. 

Um complicador que existe para o governo Bolsonaro é que a inclinação de existir um alinhamento total ao presidente Donald Trump esbarra no fato de que Brasil e EUA competem pela hegemonizar determinados mercados com as mesmas commodities. Este fato limita objetivamente a aplicação da pirosoberania. 

A verdade é que Jair Bolsonaro e Ernesto Araújo podem até espernear contra as manifestações de Emmanuel Macron contra a devastação da Amazônia, mas não tem como ignorar que os franceses têm nas mãos a possibilidade, por exemplo, de impedir a ratificação do acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia. E isto efetivamente ocorrer,  é bem provável que os barões do agronegócio brasileiro comecem a repensar a sustentação que dão a Jair Bolsonaro no congresso nacional, apenas para começo de conversa.

Estou cada vez mais curioso para saber quando o ministro (ou seria anti-ministro) do Meio Ambiente, Ricardo Salles, vai iniciar o prometido tour por capitais europeus para tentar mostrar que a coisa não está tão feia no Brasil. É que se ele demorar muito a ir, vai correr o risco de ser convidado a não fazer isso até que alguma medida comece a ser tomada para apagar os milhares de pontos de incêndio que está acesos na Amazônia brasileira. O presidente da Bolivia, Evo Morales, já deu mostras de ser mais atento aos humores dos seus parceiros comerciais europeus, pois contratou um avião supertanque para apagar os focos de incêndio que estão consumindo cerca de 500 mil hectares do lado boliviano da Amazônia.

Finalmente, há que se ver até onde Jair Bolsonaro irá levar a aplicação da sua pirosoberania. Se demorar a mudar de posição, é bem provável que se confirmem os piores medos de líderes do latifúndio agro-exportador como Blairo Maggi que já disse que agronegócio brasileiro será levado à estaca zero por causa do discurso anti-ambiental do governo Bolsonaro.

Após agrotóxicos e desmatamento, governo Bolsonaro adiciona submissão aos EUA ao seu portfólio anti-agronegócio sustentável

bavand

Navio iraniano carregado com milho brasileiro está impedido de retornar para o Irã por causa da negativa da Petrobras de vender o combustível necessário para a viagem.

Venho alertando desde o início de 2019 que o governo Bolsonaro está empurrando o Brasil para a condição de um pária internacional que terá graves consequências para a habilidade de realizar comércio de seus grandes aliados do latifúndio agro-exportador. As variáveis que vinha utilizando em minhas análises eram o uso intensificado de agrotóxicos banidos em outras partes do mundo e a ampliação do desmatamento na Amazônia.

Mas o governo Bolsonaro resolveu adicionar outro fator que poderá resultados tão ou mais devastadores sobre a venda de commodities brasileiras que é a submissão política ao governo de Donald Trump.  A primeira faceta prática dessa submissão se apresenta na negativa de abastecer com petróleo dois navios iranianos que estão fundeados no Porto de Paranaguá, no litoral norte do Paraná, um deles carregado com 48 mil toneladas de milho brasileiro que foi comprado pelo Irã.   Aí é que começa o imbróglio, pois o Irã é o principal comprador do milho brasileiro, tendo importações no valor de US$ 1,3 bilhão apenas nos prímeiros seis meses de 2019. 

Mas a coisa pode piorar se outros países seguirem o mesmo raciocínio que o Irã está adotando em retaliação à submissão brasileira à agenda política do governo Trump. É que segundo o site Sputnik, o embaixador do Irã em Brasília, Seyed Ali Saghaeyan,  teria dito ontem ao governo brasileiro que “seu país poderia facilmente encontrar novos fornecedores de milho, soja e carne se o Brasil se recusar a permitir o reabastecimento dos navios.

O problema é que o Brasil que sempre teve um comportamento pragmático no plano diplomático agora é comandado por um presidente que finge ser nacionalista, mas, na prática, repercute a agenda estadunidense.  O cenário é piorado pela atuação de um ministro das Relações Exteriores, o excêntrico (digamos assim) Ernesto Araújo, que se declara em uma espécie de cruzada pessoal em defesa da pureza cristã do Ocidente (seja isso lá o que for). Essa combinação é um coquetel perfeito para a repetição de casos como desses dois navios iranianos, com potencial nuclear de destruição da capacidade operacional do comércio exterior brasileiro.

O interessante é que até agora só se ouviu reclamos murchos  da Federação da Agricultura do Paraná (FAEP) que teria lembrado em nota que o “país persa é um dos principais compradores de produtos importantes para o Paraná, como a soja e a carne bovina. Mas pela reação geral vinda do governo Bolsonaro, as súplicas da FAEP caíram em ouvidos mocos. Por outro lado, a ministra Tereza Cristina, sempre tão loquaz na defesa de agrotóxicos, continua aparentemente fechada em copas em um silêncio que poderá ser sepulcral para a agricultura paranaense.

Finalmente, há que se lembrar que o então candidato Jair Bolsonaro teve expressiva votação nos chamados “estados do agronegócio”. Agora com essa medida que começa prejudicando inicialmente o Paraná, vamos ver como fica a popularidade do presidente que está arriscando perder um grande parceiro comercial em nome de sua ânsia de bajular o presidente estadunidense Donald Trump. Aos latifundiários que juraram amores por Bolsonaro, fica a pergunta se esse amor está sendo retribuído da forma que eles esperavam.