Mudanças climáticas e o risco do Brasil ser tratado como piada

denial

Como venho escrevendo nos últimos dias, acabo de retornar de uma participação no International Symposium on Green Development and Integrated Risk Governance” que ocorreu na cidade de Shenzhen na China. Esse encontro deve ser um dos muitos que estão ocorrendo ao longo de 2019 para tratar da adoção de ações para enfrentar os inevitáveis impactos das mudanças climáticas em curso no nosso planeta.

Pois bem, ao longo de qualquer encontro dessa natureza é possível ver como está se dando a preparação (ou a ausência dela) em um nível ainda abstrato, o qual fica na interface existente cientistas e agentes de governo. Nesse sentido, ficou evidente que a posição oficial da China, explicitada não apenas por seus cientistas mas também por representantes de diferentes níveis do poder estatal que estavam presentes no evento, é de que as mudanças climáticas oferecem riscos, mas também oportunidades, para o desenvolvimento futuro da economia global.  Essa posição reflete a forma pragmática com que os dirigentes do Partido Comunista Chinês (PCC) pensam a participação presente e futura da China como potência econômica, mas também as inevitáveis pressões que surgem em uma população que beira a 1,5 bilhão de pessoas.

20191013_104928.jpgSlide mostrando mudanças ocorridas nos últimos 50 anos no clima da China

Não obstante, os chineses tratam com seriedade não apenas a existência das mudanças climáticas, mas também a realidade objetiva de que partes do seu território, especialmente as regiões costeiras, deverão receber os impactos de eventos climáticos cada vez mais intensos e devastadores. Em outras palavras, mudanças climáticas para os chineses não são parte de nenhuma teoria conspiratória, mas um fato da realidade para o qual eles estão tentando se preparar a partir daquilo que eles gostam de propalar como sendo o “socialismo com características chinesas”.

Essa imersão ligeira na forma com que percebi a postura chinesa frente ao fenômeno das mudanças climáticas teve outra utilidade para mim. É que naquelas inevitáveis rodinhas de conversa que surgem em toda reunião científica, tive a oportunidade de oferecer aos meus colegas interlocutores a visão oficial dos atuais dirigentes brasileiros em relação às mudanças climáticas, incluindo a famosa assertiva do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, no sentido de que as mudanças climáticas não passam de um complô marxista. Nessa hora, o que recebi de volta foram risadas que rapidamente eram substituídas por expressões que misturavam incredulidade e sarcasmo. Em outras palavras, estamos sendo transformados em motivo de piada de salão.  E o motivo para isto é simples: não há como levar à sério quem ostenta tamanha postura anti-científica em um momento em que se discuta não mais se passamos por um ajuste climático, mas sim o tamanho dele.

guardian

Se alguém achar que a postura delirante do ministro das Relações Exteriores não traz consequências significativas, sugiro pensar de novo. É que a ´partir das discussões e conversas em que participei em Shenzhen, me parece claro que os principais governos do mundo, a começar pelo da China, não estão dispostos a tolerar posturas delirantes que coloquem em risco a sua própria capacidade de continuar operando de forma viável.  Se eu estiver certo, e não tenho motivos para achar o contrário, o isolamento diplomático e político do Brasil vai ser aprofundado caso a postura atual de ignorar a realidade das mudanças climáticas não seja revertida.  E aqui não há qualquer motivo para rir, pois a coisa definitivamente não é uma piada.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s