O Governo Bolsonaro está em queda livre

Confidentes do presidente caem ou são presos, o vírus se espalha a um ritmo alarmante. O gabinete afunda no caos

grafite 1Um grafite em São Paulo mostra um cabo de guerra entre médicos de um lado e o presidente Bolsonaro do outro lado. O chefe de estado é apoiado pelo vírus corona (Foto: AP)

Por Christoph Gurk de Buenos Aires para o Süddeutsche Zeitung

Enquanto o número de pacientes infectados com o novo coronavírus aumentou para mais de um milhão no Brasil, o governo do país está afundando cada vez mais no caos. O ministro da Educação do Brasil, Abraham Weintraub, anunciou sua renúncia na quinta-feira. O ex-banqueiro de investimentos era considerado um linha-dura da direita no governo. Ele lamentou a “infiltração socialista” de seu ministério e cortou drasticamente os fundos das universidades públicas porque as considerava um refúgio de comunistas.

Weintraub também interferiu em outras áreas da política. Nas últimas semanas, ele foi atingido por ter cometido ataques racistas contra a China em conexão com a pandemia d COVID-19. Há algumas semanas, ele comparou as buscas domiciliares da polícia federal com os apoiadores de Bolsonaro à Noite dos Cristais que ocorreu em 9 de novembro de 1938 na Alemanha nazista. E ele chamou os juízes da Suprema Corte de “vagabundos” que deveriam estar na prisão.

A renúncia de Weintraub é provavelmente a conseqüência da crescente pressão do judiciário brasileiro que o está investigando por seus comentários racistas e envolvimento em uma rede de notícias falsas. Para o governo de Jair Bolsonaro , a saída de Weintraub é uma perda irritante. O ministro era particularmente popular entre os cada vez mais importantes apoiadores de direita. A renúncia é vista como uma derrota para o governo na luta com o Supremo Tribunal Federal.

As estações de TV transmitem a prisão ao vivo

Quase simultaneamente à renúncia de Weintraub, a polícia brasileira prendeu Fabrício Queiroz, um íntimo confidente da família Bolsonaro, na quinta-feira (18/06). O presidente e o ex-policial se conhecem desde os anos de 1980. Mais recentemente, o jogador de 54 anos trabalhou oficialmente como motorista do filho de Jair Bolsonaro, Flávio. Não-oficialmente, diz-se que Queiroz ajudou o filho presidencial, que era ativo na política, a desviar fundos públicos para suas próprias contas. O caso pode ter consequências desagradáveis ​​para Jair Bolsonaro. Ele foi eleito para o cargo em 2018, principalmente porque foi considerado um político de fora do sistema político por muitos brasileiros, sem estar envolvido na ampla cultura de corrupção na política, sem conexão com as práticas de nepotismo e enriquecimento pessoal.

O presidente e sua família negam todas as alegações; o próprio Queiroz fugiu depois que as acusações se tornaram conhecidas. A polícia o prendeu perto de São Paulo, na propriedade de um dos advogados da família Bolsonaro. A prisão causou sensação no Brasil. Dos helicópteros, as equipes das emissoras de TV transmitiram a prisão ao vivo.

O judiciário está aumentando a pressão sobre o presidente brasileiro. Outra investigação já está em andamento contra Jair Bolsonaro: ele teria usado seu cargo político e poder para impedir a investigação da Polícia Federal sobre seus filhos. Além disso, os índices de aprovação do presidente continuam em declínio no decorrer da pandemia da COVID-19. Na noite de sexta-feira, o Brasil deverá exceder a marca de um milhão de infectados.

fecho

Este artigo foi publicado originalmente pelo jornal Süddeutsche Zeitung [Aqui!].

Acharam (prenderam) o Queiróz, treme a república

queirozFabrício Queiroz é conduzido para a prisão após ser ser apreendido em um situação pertencente ao advogado Frederico Wassef no município de Atibaia (SP)

Em um desdobramento que deverá aumentar a temperatura política no Brasil, a Polícia Civil e o Ministério Público do estado de São Paulo prenderam na manhã desta 5a. feira, o ex-motorista e “jack of all trades” (em português, o bom e velho “pau para toda obra”) Fabrício Queiroz, que estava desaparecido sob as vistas de todo mundo há mais de um ano.

E essa prisão começa imersa em uma mar de ironias. A primeira ironia que eu vejo nessa história em desenvolvimento é que a prisão aconteceu em São Paulo, e não no Rio de Janeiro onde os supostos crimes cometidos por Queiroz teriam sido cometidos.  A segunda é que Fabrício Queiroz teria sido preso em um sítio localizado no já famoso município de Atibaia, onde também existe outro sítio que foi celebrizado por ter sido o objeto da segunda condenação judicial do ex-presidente Lula. A terceira ironia é que o proprietário do sítio onde Queiroz foi encontrado é nada menos que um dos advogados do senador Flávio Bolsonaro, o mesmo para quem o ex-motorista teria agido para, entre outras coisas, recolher parte dos salários dos servidores lotados no gabinete do então deputado estadual pelo Rio de Janeiro. Uma quarta ironia é que ontem mesmo, o dono do sítio, o advogado Frederick Wassef, esteve presente ontem na cerimônia de posse do novo ministro da Comunicação, o deputado federal Fábio Faria (PSD/RN). A quinta e última ironia que eu consiga lembrar é o fato de que o impeachment do hoje senador Fernando Collor teve como ponto de partida uma denúncia de uma transação irregular envolvendo um veículo Elba da Fiat. A ironia é que o exílio de Queiroz não foi na Ilha de Elba, mas em Atibaia, em uma conjunção inesperado com o destino do ex-presidente Lula, por quem o presidente Jair Bolsonaro não nutre os melhores sentimentos.

O advogado de Flávio Bolsonaro, Frederick Wassef, negando saber o paradeiro de Fabrício Queiroz que passou um ano hospedado em um imóvel de sua propriedade em Atibaia (SP)

Ironias à parte, a prisão de Fabrício Queiroz tem o efeito potencial de fazer tremer a república, pode-se assim dizer. É que essa prisão, somada a outros desdobramentos que ocorreram no Rio de Janeiro, tem o potencial de atingir o presidente Jair Bolsonaro onde ele mais teme ser atingido que são os seus filhos. Como o filho senador é o mais exposto deles, exatamente em função das brechas que já estão abertas pelo esquema da “rachadinha” comandado por Fabrício Queiroz no gabinete  de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. 

Essa prisão também é ruim porque ocorre em um momento em que a popularidade do presidente Jair Bolsonaro já vinha cambaleando em função da gestão desastrosa da pandemia da COVID-19 que já causou oficialmente 46.665 mortes no Brasil. Agora, com a prisão de Fabrício Queiroz, o risco é que capa de paladino anti-corrupção seja rasgada de vez, e o presidente tenha que explicar, por exemplo, o ainda inexplicado depósito que ex-motorista fez na conta bancária da primeira dama Michelle Bolsonaro.

michelleFabrício Queiroz afirmou ter dado dez cheques, no valor total de R$ 40 mil, a Michelle Bolsonaro Foto: Jorge William / Agência O Globo

Em um sinal que sentiu o golpe, o presidente Jair Bolsonaro deixou hoje de fazer a famosa parada que realiza matinalmente no “cercadinho” fora da residência oficial da presidência. O dia de hoje promete, e a república treme. Eu não me surpreenderia se hoje tivéssemos uma série de declarações de pessoas ilustres dessa mesma república que apoiaram a eleição de Jair Bolsonaro negando que um dia apostaram nele para dirigir o Brasil. A ver!

Suplente de Flávio Bolsonaro lançou a mãe de todas as delações e diz que PF avisou sobre operação envolvendo Fabrício Queiróz

Entenda o Caso Queiroz e qual a relação de Flávio de Bolsonaro ...Flávio e Jair Bolsonaro almoçam com Fabrício Queiróz

O empresário Paulo Marinho (PSDB), suplente de senador pelo Rio de Janeiro,  decidiu lançar o que poderá ser chamada de “mãe de todas as delações” ao revelar ao jornal “Folha de São Paulo” que um delegado da Polícia Federal (PF) avisou com antecedência ao  candidato a senador Flávio Bolsonaro que seria deflagrada uma operação policial, como consequência  da chamada Operação Furna da Onça, para apurar a realização de “rachadinhas” (ou seja, a apropriação ilegal de parte dos salários de servidores) no gabinete do então deputado estadual, orientando inclusive para que fossem feitas as demissões do “jack of all trades” (pau para toda a obra) Fabrício Queiróz , seus familiares e ainda parentes de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro.

wp-1589723255333.jpg

Como Paulo Marinho foi um dos mentores da campanha do agora presidente Jair Bolsonaro, ele não poderá ser ignorado ou, simplesmente, rotulado como mais um traidor comunista pelos apoiadores do presidente da república. Essa entrevista tem conteúdo extremamente explosivo não só pelo detalhe da “indiscrição” do delegado da PF que avisou sobre a iminente deflagração da operação policial sobre o esquema das rachadinhas, mas também porque Marinho revela a existência de um telefone do falecido Gustavo Bebiano onde estariam armazenadas todas as conversas mantidas entre ele e o agora presidente Jair Bolsonaro. O problema é que o material ali contido pode ser nitroglicerina pura, pois armazena mais de um ano de conversas entre Bebianno e Jair Bolsonaro.

As próximas semanas serão extremamente problemáticas no Brasil, pois ao aumento do número de mortes pela COVID-19 serão adicionadas pitadas generosas de de crise política. E não vejo como os militares que estão hoje dentro do governo federal dando sustentação a Jair Bolsonaro poderão continuar fazendo cara de paisagem frente a essas revelações que me parecem ainda incompletas. 

E pensar que Fernando Collor caiu por causa de um Fiat Elba e Dilma Rousseff por causa de pedaladas fiscais inexistentes.  Agora está mais do que provado que em se tratando de motivos, Jair Bolsonaro não será lembrado como um presidente que foi parcimonioso no quesito “escândalo”.

info-final-queiroz

Finalmente, o Brasil agora aguarda ansioso a revelação do nome do delegado da Polícia Federal que revelou a Flávio Bolsonaro que uma operação da PF seria lançada às vésperas do segundo turno da eleição presidencial. É que dependendo de quem for esse delegado-informante, a coisa vai ficar ainda mais quente do que já está.

MP-RJ faz busca e apreensão em endereços de Queiroz e parentes de Bolsonaro

Apura esquema de rachadinha. Ex-mulher do presidente é alvo

flavio-bolsonaro-e-amigo-Queiroz-1O ex-assessor Fabrício Queiroz (dir.) com o senador e Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ): Queiroz movimentou mais de R$ 1,2 mi de 2016 a 2017, enquanto estava lotado no gabinete de Flávio

Por

O MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) cumpre na manhã desta 4ª feira (18.dez.2019) diversos mandados de busca e apreensão em endereços de ex-assessores do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) tanto na capital como em Resende, no Sul do Estado do Rio. Segundo o portal G1, são alvo das medidas cautelares os endereços de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio, e parentes de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro.

A operação é 1 desdobramento da investigação sobre lavagem de dinheiro e peculato (desvio de dinheiro público) no âmbito do antigo gabinete de Flávio, quando era deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio (2003 a 2019).

Queiroz é investigado após constatação de movimentações bancárias atípicas em suas contas. Relatório do antigo Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras, hoje Unidade de Inteligência Financeira) apresentou a movimentação de R$ 1,2 milhão de 2016 a 2017. Os pagamentos recebidos por Queiroz eram em datas próximas da folha de pagamento dos funcionários do gabinete, o que leva a suspeita de devolução de parte do salário, a chamada rachadinha.

______________________________________________

Esta notícia foi originalmente publicada pelo site PODER360 [Aqui!].

Bolsogate: quando até Rachel Sheherazade bate, a coisa está mesmo feia

bolsonaro-e-sheherazade

O imbróglio envolvendo o senador eleito pelo Rio de Janeiro, Flávio Bolsonaro, e seu dublê de motorista Fabrício Queiróz está provocando um forte desgaste na imagem não apenas do presidente Jair Bolsonaro, mas também do “superministro da Justiça”, o ex-juiz federal Sérgio Moro.

Uma prova disso foi a contribuição da jornalista Rachel Sheherazade que desde a Austrália adicionou um comentário no “tread” do quase ex-senador Christovam Buarque quando este afirmou que “o mito Bolsonaro está destruindo o mito Moro” (ver imagem abaixo).

raquel s

Sheherazade, que é conhecida por suas posições ultra conservadoras, foi implacável ao afirmar que os mitos políticos nem precisam de ciência para desmitificá-los, pois o “encanto se desfaz quando confortados (acho que ela quis dizer “confrontados) com os fatos.

Como Rachel Sheherazade possui cerca de 14 milhões de seguidores apenas na rede social Twitter, não é preciso nem ser um Einstein para saber que o inferno astral da família Bolsonaro ainda nem começou e o que estamos assistindo nos primeiros dias de 2019 são apenas os primeiros salvos na direção de um presidente que foi eleito com a expectativa de que acabaria com a corrupção no Brasil. 

E o Bolsogate está apenas esquentando!

Reinações de Flávio e Fabrício criam cenário de terra arrasada para Jair Bolsonaro

images_cms-image-000614063

A situação do filho primogênito de Jair Bolsonaro, o senador eleito pelo Rio de Janeiro Flávio Bolsonaro, que já andava complicada saiu da CTI para a UTI com a revelação de que ele teria feito um pagamento de um título de mais de R$ 1 milhão para um beneficiário ainda não identificado [1].

screenshot 2019-01-20 09

Além disso, agora se sabe que o ex-motorista (e guarda-costas) de Flávio Bolsonaro gificativ não “meros” R$ 1,2 milhão em sua conta bancária, mas mais significativos, assim por dizer, R$ 7 milhões entre 2014 e 2017 [2].  Nas palavras do jornalista Lauro Jardim, “haja rolo” para explicar tanto dinheiro nas contas bancárias de quem seria um mero assessor parlamentar cuja residência oficial numa viela no bairro da Taquara , no mínimo, relativamente modesta .

Como disse ontem, a situação de Flávio Bolsonaro fica pior na medida em que ele e sua família utilizaram o combate à corrupção como sua principal bandeira, tendo se destacado e alcançado os cargos que ocupam ou ocuparão justamente por causa disso Assim, ao ser pego em uma situação que fica cada vez mais complicado, Flávio Bolsonaro coloca em risco também  a estabilidade do governo federal, na medida que Fabrício Queiróz também foi assessor de Jair Bolsonaro, além de ser amigo de pescarias e ter feito um depositado polpudo na conta da primeira-dama Michelle Bolsonaro.

Com isso tudo, os setores mais pragmáticos que cercam Jair Bolsonaro em seu ministério devem estar totalmente arrependidos de terem permitido o ataque furioso que realizou contra a mídia corporativa brasileira em seus primeiros dias de governo (e em especial às Organizações Globo). É que após meros 20 dias de duração, o cenário criado com a apuração de apenas um de seus filhos já criou um cenário de terra arrasada. 

Imginemos o que acontecerá quando o governo realmente começar a tentar se consolidar no terreno após o Carnaval. Bom, parece que até as cinzas esfriarem ainda teremos muitas emoções. Enquanto isso, as panelas da classe média continuam silenciosas. Vamos ver por quanto tempo.