Tribunal da França manobra e livra indústrias de agrotóxicos de condenação no caso Agente Laranja

Ao se declarar incompetente para julgar, corte francesa favorece indústrias de agrotóxicos que supriram exército dos EUA de armas químicas que até hoje fazem vítimas no Vietnã

agente-laranjaHelicóptero dos Estados Unidos despeja combinação de agrotóxicos altamente tóxicos sobre floresta no Vietnã

Por Cida de Oliveira, da RBA

São Paulo – Um tribunal da França favoreceu indústrias de agrotóxicos ao se declarar incompetente para julgar uma ação na qual eram acusadas de causar diversas danos à saúde de Tran To Nga, uma ativista franco-vietamita de 79 anos. Em decisão anunciada nesta segunda-feira (10), a Justiça de Evry, nos arredores de Paris, declarou não ter competência para julgar a responsabilização da Bayer, dona da Monsanto, a Dow Química e mais uma dezena de fabricantes de herbicidas componentes do Agente Laranja, arma química usada pelos Estados Unidos contra o Vietnã.

O tribunal também se declarou incompetente para julgar ações do governo dos Estados Unidos durante a guerra contra aquele país asiático. Segundo a imprensa local, o argumento foi que “as empresas estavam agindo por ordem do governo dos Estados Unidos, que estava envolvido em um ato soberano”.

Entre 1962 e 1971, aviões e helicópteros das forças estadunidenses despejaram milhares de toneladas de Agente Laranja sobre florestas e lavouras. O objetivo era localizar e atingir soldados vietnamitas, além de quebrar a produção de alimentos do país.

Agrotóxicos na guerra

A ativista, uma ex-jornalista nascida em 1942 na então Indochina francesa, também acusou os fabricantes de agrotóxicos de causar danos graves a outras pessoas. Desde a guerra, mais de 150.000 crianças nasceram com graves deformidades. E muitos casos continuam sendo registrados mesmo após 50 anos do fim da guerra.

Organizações de defesa dos direitos humanos e do meio ambiente estimam que quatro milhões de pessoas no Vietnã, Laos e Camboja foram expostas aos 76 milhões de litros de Agente Laranja pulverizados.

Até agora, apenas veteranos militares dos Estados Unidos e de seus aliados Austrália e Coreia obtiveram indenização pelos efeitos colaterais do produto químico altamente tóxico. Isso inclui deformidades graves em filhos desses soldados.

A gigante química alemã Bayer, dona da Monsanto, e as outras empresas acusadas argumentaram que não podiam ser responsabilizadas pelo uso que os militares americanos fizeram de seu produto.

Tribunal na França

Para o agrônomo Leonardo Melgarejo, coordenador-adjunto do Fórum Gaúcho de Combate aos Agrotóxicos, a decisão do tribunal na França é um “atestado de ausência de culpa, para quem tem culpa. Ou seja, uma espécie de troféu”. “Passa um verniz de inocência e preocupação com a saúde pública, que não é real”, disse à RBA.

Conforme destacou, essas empresas são responsáveis por danos concretos a toda uma gama de direitos humanos. “E gastam milhões na formatação de discursos ilusórios. Com certeza se beneficiarão de todo elemento que contribua para desviar o foco de dramas reais”.

“Isso fica evidente em publicação recente da FIAN, bem como posicionamento do relator especial da ONU sobre produtos tóxicos. Alias, é o terceiro relator da ONU a apontar os mesmos crimes, o que demonstra a longevidade da prática e a fragilidade dos governos quando o assunto é agrotóxicos e os direitos humanos”.

Vietnã no Brasil

Para o geógrafo Marcos Pedlowski, professor e pesquisador da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) a decisão isenta as corporações produtoras de venenos agrícolas. “Além disso, contribui para a dupla moral dos países sede dessas companhias, que proíbem muitos deles dentro dos seus territórios. Mas liberam para venda no sul global ou permitem o seu uso como arma de guerra”, disse.

Conforme ele, o uso recente de agrotóxicos como armas químicas contra comunidades indígenas e quilombolas no Brasil mostra que a herança da Guerra do Vietnã está muito viva. “O que me parece evidente é que na inexistência de estruturas de contenção do avanço do latifúndio agroexportador sobre territórios ocupados por comunidades tradicionais, o agrotóxico está se tornando mais um instrumento para a sua remoção de áreas alvo para a implantação de monoculturas de exportação.”

“Em outras palavras, está se usando os agrotóxicos na sua função original, já que foi criado para serem armas químicas”, ponderou Pedlowski.

fecho

Este texto foi inicialmente publicado pela Rede Brasil Atual [Aqui!  ].

Justiça condena França por falhas contra o aquecimento global

Em decisão histórica, Corte aponta fracasso parcial do país em cumprir suas metas climáticas

O Tribunal Administrativo de Paris decidiu hoje (3/02) que os Estado francês é culpado por não ter cumprido seus compromissos de reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

A ação, apelidada pela imprensa francesa de “Caso do Século”, foi aberta em 2019 por um grupo de ONGs francesas e contou com o apoio de mais de 2 milhões de cidadãos. A iniciativa faz parte de um esforço global de ativistas para levar à justiça governos que não agem para mitigar a crise do clima. Os autores da ação são as ONGs Oxfam France, Notre Affaire à Tous, Fondation pour la Nature et l’Homme e Greenpeace France.

Os juízes identificaram uma relação causal entre o dano ecológico (aquecimento global) e as diversas falhas do Estado na luta contra a mudança climática, prejudicando o interesse coletivo. O tribunal condenou o Estado a pagar a quantia simbólica de 1 euro em compensação pelo “prejuízo moral”, uma prática comum na França. O caso ainda não está encerrado: uma segunda decisão da mesma corte, deve determinar que ações o país deve tomar para atuar efetivamente contra o aquecimento global. Para isso, os juízes ordenaram uma investigação suplementar, com um prazo de dois meses.

O presidente francês Emmanuel Macron tem sido muito vocal sobre seu apoio à ação contra a mudança climática. Em dezembro, ele fez pressão para aumentar as metas da União Europeia para 2030 a fim de reduzir os gases de efeito estufa em pelo menos 55% em comparação com os níveis de 1990 – acima da meta anterior de 40%. O que as quatro organizações que processaram o Estado alegam é que o discurso de Macron não tem lastro em medidas concretas para reduzir as emissões responsáveis pelo aquecimento global.

“Esta é uma vitória para todas as pessoas que já estão enfrentando os impactos devastadores da crise climática que nossos líderes não conseguem enfrentar”, comemora Cécilia Rinaudo, diretora executiva da Notre Affaire à Tous. “A decisão histórica prova que a inação climática da França não é mais tolerável, é ilegal.”

“Embora a inação climática do Estado francês já esteja prejudicando as pessoas e a natureza, é um alívio para nossas ONGs – e para os 2,3 milhões de pessoas que apoiaram nosso caso – ver que a Corte decidiu a favor da verdade e da ciência” , avalia Célia Gautier, consultora de Energia e Clima na Fondation Nicolas Hulot. “Esta grande vitória nos faz ter esperança para o segundo passo de nosso caso, que é conseguir que o país tome medidas climáticas adicionais.”

“Esta decisão não só leva em consideração o que os cientistas dizem e o que as pessoas querem das políticas públicas francesas, mas também deve inspirar as pessoas em todo o mundo a responsabilizar seus governos pelas mudanças climáticas em seus tribunais”, defende o diretor executivo do Greenpeace France, Jean-François Julliard.

Cécile Duflot, diretora executiva da Oxfam France, também vê na decisão um precedente legal que pode ser usado por pessoas afetadas pela crise climática em diferentes partes do mundo. “[a decisão] Também é um lembrete oportuno para todos os governos: ações falam mais alto do que palavras.”

França se opõe ao acordo entre União Européia e Mercosul

O governo justifica sua rejeição pelo desmatamento, que põe em risco a biodiversidade e perturba o clima da Terra.

accord

Por Julien Bouissou para o Le Monde

França rejeita projeto de acordo de livre comércio entre a União Européia (UE) e os quatro países do Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai), negociado há vinte anos, em nome do combate ao aquecimento global . O primeiro-ministro, Jean Castex, justificou sua oposição a este texto, na manhã desta sexta-feira, 18 de setembro, pelo desmatamento que “põe em risco a biodiversidade e desregula o clima” . Uma comissão de especialistas chefiada pelo economista ambiental Stefan Ambec acabara de lhe entregar um relatório algumas horas antes qualificando o projeto como uma “oportunidade perdida” em questões ambientais e de saúde.

Segundo a hipótese deles, o desmatamento atingiria uma taxa anual de 5% durante os seis anos seguintes à implementação do acordo, devido ao aumento da produção de carne bovina. Em outras palavras, o custo ambiental seria maior do que os benefícios comerciais. “Os outros países que nos criticam não têm problema com o fogo porque já queimaram todas as suas florestas”, respondeu, sexta-feira, o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, em reação às críticas da França. A comissão Ambec calculou ainda que esse acordo levaria a um aumento de 50 mil toneladas anuais de exportações de carne bovina do Mercosul para o Velho Continente, ou menos de 1% da produção anual da região latino-americana. O governo francês está atendendo às demandas da Federação Nacional de Sindicatos de Agricultores (FNSEA), que se opôs a este tratado em nome da “concorrência desleal” .

Três “demandas políticas”

“O projeto está morto ”, diz o assessor do executivo, “ porque carece de ambições ambientais e de disposições vinculativas, mas não queremos jogar tudo fora”. “ O governo fez três “ demandas políticas ” . Ele quer primeiro garantir que “o acordo não levará a nenhum desmatamento “ importado ” da União Européia“ por conta do comércio. Ele quer que os compromissos desses países em relação ao clima, e em particular os do acordo de Paris, sejam juridicamente vinculativos. E exige, por fim, que os controles alfandegários e de rastreabilidade sejam mais “frequentes e eficazes”para que todos os produtos agroalimentares importados cumpram as normas ambientais e sanitárias  de jure e de facto” .

Com todas essas demandas, a França endurece sua posição. Em agosto de 2019, durante a cúpula do G7 organizada em Biarritz, Emmanuel Macron se opôs ao tratado com o Mercosul , acusando o presidente brasileiro de ter “mentido” sobre seus compromissos em termos de desenvolvimento sustentável. Um ano depois, Paris exigiu que os compromissos climáticos fossem vinculativos e gravados na pedra neste acordo, como todos os outros que estão sendo negociados por Bruxelas. O executivo francês agora deve convencer seus parceiros europeus da exatidão desta análise.

Em nenhum lugar foi iniciado o processo de ratificação do acordo com o Mercosul, mas os parlamentos austríaco e holandês já aprovaram uma moção rejeitando-o em sua forma atual. A chanceler alemã, Angela Merkel, pela primeira vez, em 21 de agosto, expressou “sérias dúvidas” contra ela, apontando para “desmatamento contínuo” e “incêndios”. Pelo contrário, países como Espanha e Portugal o apoiam. Em uma reunião informal em Berlim no domingo, 20 e na segunda-feira, 21 de setembro, os ministros do Comércio da UE tentarão alinhar suas posições. O consenso também deve ser científico. Porque se a comissão Ambec prevê um aumento nas emissões de gases de efeito estufa, uma auditoria sobre o impacto ambiental, encomendada por Bruxelas na Universidade Britânica da London School of Economics (LSE), chegou a conclusões opostas. Outros países, como Suécia e Bélgica, devem publicar seus próprios estudos de impacto neste outono.

Entre restrição e incentivo

Paris quer finalmente aproveitar a oportunidade da revisão da doutrina comercial europeia, prevista para o início de 2021, para integrar os aspectos climáticos. Seu cavalo de batalha é o imposto sobre o carbono nas fronteiras, que visa combater os “vazamentos de CO 2  ” . Isso assume a forma de um imposto de importação nas fronteiras europeias, que inclui o preço oculto do carbono dos produtos importados. “Nosso objetivo não é taxar, mas ajustar o preço do CO 2 em nosso comércio”, disse um colaborador próximo do executivo sobre a medida acusado de protecionismo verde. Em agosto, Moscou estava preocupada com as consequências para sua economia, já que a Rússia depende das exportações de hidrocarbonetos para o Velho Continente.

Por fim, resta convencer os países do Mercosul a renegociar um acordo de livre comércio com esses novos requisitos. “Duvido que aceitem voltar a sentar-se à mesa de negociações sem ter, também, novos pedidos” , observa um alto funcionário europeu. Este último não esconde sua perplexidade: “Se começarmos a querer combater o desmatamento com um acordo de livre comércio, então os acordos de livre comércio não terão nada a ver com comércio”. “

No entanto, desde o enfraquecimento da Organização Mundial do Comércio e do multilateralismo, esses acordos de livre comércio entre países ou regiões têm desempenhado um papel cada vez mais importante na arquitetura global das transações comerciais. Para a UE, são também uma das poucas ferramentas à sua disposição para estreitar os laços com os seus parceiros e exportar as suas normas e padrões. “Conseguimos muitas coisas através do diálogo e da cooperação, sem necessariamente passar pela coerção”, explica um em Bruxelas. A França gostaria de alcançar um melhor equilíbrio entre restrição e incentivo. “Antes só tínhamos a cenoura, teríamos que ter o pau e a cenoura”,desliza um assessor para o executivo tricolor. Com essas novas demandas, a União Européia nunca esteve tão longe de um acordo com os países do Mercosul. O Brasil corre o risco de acusar Bruxelas de ingerência e rejeitar, em nome de sua soberania, as garantias exigidas em termos de desmatamento e biodiversidade na Amazônia.

fecho

Acordo UE-Mercosul corre risco por causa do desmatamento acelerado na Amazônia

A comissão formada pelo ex-primeiro-ministro Edouard Philippe tirou duras conclusões sobre o acordo firmado em 2019 entre a União Europeia e o Mercosul formado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.

madeireiraDesmatamento da Amazônia no Estado do Pará, Brasil, em 2019. NELSON ALMEIDA / AFP

Por Julien Bouissou   para o Le Monde

acordo comercial entre a União Européia (UE) e o Mercosul é uma “oportunidade perdida” em questões ambientais e de saúde. Esta é a dura conclusão do relatório da comissão de peritos formada pelo ex-primeiro-ministro Edouard Philippe, a que o Le Monde teve acesso, para avaliar o impacto do acordo de livre comércio no desenvolvimento sustentável. Assinado no verão de 2019, após vinte anos de negociações, ainda precisa ser ratificado por cada Estado-Membro da UE e pelo Parlamento Europeu antes de ser implementado.

No documento de 194 páginas, que deve ser apresentado sexta-feira, 18 de setembro, ao primeiro-ministro, Jean Castex, a hipótese mais provável adotada pelos especialistas é a de desmatamento a uma taxa anual de 5% durante os seis anos seguintes ao implementação do acordo, num total de 700.000 hectares. Em outras palavras, o custo ambiental medido a partir das emissões adicionais de CO 2 , a um custo unitário de US $ 250 por tonelada, seria maior do que os benefícios econômicos.

A comissão baseia seus cálculos no desmatamento causado principalmente pela criação de pastagens para aumentar a produção de carne nos quatro países do Mercosul: Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. A criação de carne é, na verdade, muitas vezes o primeiro passo do desmatamento antes de dar lugar às culturas agrícolas.

Impacto “difícil de quantificar”

A pegada de carbono da produção de um quilo de carne bovina também é três vezes maior na América Latina em comparação com a Europa, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). No entanto, essa hipótese está longe de chegar a um consenso na comissão, que reuniu um representante da indústria da carne, economistas, um veterinário ou mesmo um especialista em direito. Para alguns, o custo ambiental é amplamente subestimado, porque o relatório não leva em consideração outros vetores de desmatamento, como cultivo de soja, cultivo de milho ou avicultura.

“É muito mais difícil quantificar seu impacto sobre a biodiversidade”, explica Stefan Ambec, economista ambiental da Escola de Economia de Toulouse e presidente do comitê. Outros consideram, ao contrário, que o impacto foi sobrestimado, se mantivermos a hipótese de um ligeiro aumento das exportações de carne para a União Europeia, ou de uma intensificação da pecuária que evita a criação de novas pastagens. A redução de direitos aduaneiros prevista no acordo diz respeito apenas a uma cota de 99 mil toneladas de carne bovina, enquanto a produção do Mercosul é de 8 milhões de toneladas.

O acordo também ignora muitos aspectos da saúde, de acordo com o comitê. Produtos como agrotóxicos, de uso proibido na Europa, são autorizados nos países do Mercosul. “Seria, sem dúvida, necessário definir melhor as especificações, em particular sobre o bem-estar animal, e integrá-las nos textos”, sugere Stefan Ambec.

“Incompatível com o Acordo Verde”

Um estudo de impacto, encomendado por Bruxelas à Universidade Britânica da London School of Economics e publicado em julho, afirmou que esse acordo de livre comércio não resultaria em emissões adicionais de gases de efeito estufa. “Mas essa auditoria subestima o impacto nas emissões de gases de efeito estufa, analisa Stefan Ambec, porque o modelo padrão utilizado não leva em consideração o uso do solo e minimiza as consequências do desmatamento. “

O comitê também se interessou pelo impacto climático, segundo ele relativamente baixo, do aumento da produção industrial. No Brasil, Paraguai ou Uruguai, onde a produção de energia hidrelétrica é importante, a pegada de carbono da matriz energética não é tão distante da Europa, enquanto na Argentina é maior que a da Europa. ‘Cerca de 30 %. As exportações de tecnologias europeias na produção de energia limpa, como a eólica ou a solar, facilitadas pelo acordo de comércio livre, teriam, portanto, um impacto limitado.

“O acordo com o Mercosul é incompatível com o Green Deal europeu e com as questões globais”, conclui Mathilde Dupré, do Instituto Veblen, think tank especializado em reformas econômicas necessárias para a transição ecológica. Acusado de acelerar o desmatamento, o acordo inclui, no entanto, cláusulas sobre a proteção da biodiversidade e o combate às mudanças climáticas. Mas estes últimos não são vinculativos e “oferecem garantias relativamente frágeis” , lamenta a comissão Ambec. “O conteúdo do acordo com o Mercosul não condiz com as orientações políticas apresentadas por Bruxelas,observa Sébastien Jean, diretor do Centro de Estudos Prospectivos e Informação Internacional (CEPII) e membro da comissão Ambec. Os aspectos comerciais dominam amplamente o resto. “

“Desmatamento Contínuo”

Como Bruxelas pode encorajar ou forçar seus parceiros a adotarem políticas sociais ou ambientais virtuosas graças aos seus acordos de livre comércio? Este é um dos desafios da consulta lançada em junho pela Comissão Europeia para a revisão da sua doutrina comercial, prevista para o início de 2021.

Os acordos comerciais podem servir como importantes alavancas de negociação para obter progresso nas áreas de mudança climática, biodiversidade ou direitos humanos. No entanto, as ONGs acusam a UE de não considerar suficientemente as questões de saúde e ambientais nos seus acordos. “Novas cláusulas ambientais e sociais foram incorporadas aos acordos comerciais, mas a relutância da União Europeia em aplicá-las no passado exige cautela quanto à sua eficácia”, disse Sébastien Jean, que, no entanto, reconhece que “a Comissão obteve resultados mais através da cooperação do que da coerção ”.

Os parlamentos austríaco e holandês já rejeitaram o acordo com o Mercosul em sua forma atual. Berlim, para quem a implementação do texto abriria muitas saídas para sua indústria automotiva, recentemente deu uma reviravolta. A chanceler Angela Merkel pela primeira vez, no dia 21 de agosto, expressou “sérias dúvidas” sobre o acordo, apontando “continuação do desmatamento” e “incêndios” .

No verão de 2019, o presidente francês Emmanuel Macron ameaçou não ratificá-lo se o governo brasileiro de Jair Bolsonaro não tomasse as medidas necessárias para proteger a floresta amazônica. Para o Instituto Veblen e a Fundação Nicolas Hulot, o acordo deve ser abandonado. “Não podemos ficar satisfeitos com as declarações políticas de Emmanuel Macron em relação a Jair Bolsonaro”, disse Samuel Leré, chefe de defesa da Fundação Nicolas Hulot, porque deixam uma ambigüidade sobre se a assinatura é assinada ou não no acordo com o Brasil, independentemente de seu líder. “

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em francês e publicado pelo jornal Le Monde [Aqui!].

Ervas daninhas são necessárias para uma boa saúde das colheitas

A diversidade de plantas daninhas representa uma esperança para a preservação da biodiversidade em ambientes agrícolas, sem impactar a produtividade

weedingAgricultores retiram as ervas daninhas e transplanta as colheitas na Amber Waves Farm em Amagansett, Nova York, EUA, 11 de julho de 2019. REUTERS / Lindsay Morris

Por Aline Nippert para o Le Monde

As ervas daninhas têm nomes errados. “As ervas daninhas são vistas como as principais pragas da agricultura”, observa Sabrina Gaba, diretora de pesquisas do Instituto Nacional de Pesquisas da Agricultura, Alimentação e Meio Ambiente (Inrae). Essas plantas selvagens competem com as safras pelo acesso aos recursos (luz, nutrientes no solo) e, portanto, são quase sistematicamente eliminadas. “Em geral, espalhando herbicidas”, explica a pesquisadora.

No entanto, a pesquisa em agroecologia – um campo de pesquisa que reúne ecologia científica e agronomia – demonstra, semente por semente, os papéis essenciais que papoulas, mirtilos, gerânios e outros indesejáveis ​​desempenham em certas áreas de cultivo: são o lar de insetos auxiliares e polinizadores, bem como microrganismos essenciais para a fertilidade do solo. “O objetivo final da agroecologia é, entre outras coisas, dispensar o uso de agrotóxicos”, diz Fabrice Le Bellec, diretor de pesquisas do Centro de Pesquisas Agronômicas para o Desenvolvimento (Cirad).

Na França, a agroecologia está em alta desde a implementação do plano Ecophyto I. Estabelecido em 2008 no final do Grenelle de l’environnement, deveria ter possibilitado reduzir pela metade o uso de pesticidas em dez anos. . Uma meta longe de ser alcançada: o uso de agrotóxicos aumentou 25% entre 2010 e 2020 na França . “Esse plano, no entanto, contribuiu para o financiamento de pesquisas para apoiar os produtores na transição agroecológica” , enfatiza Le Bellec. Desde então, dois novos planos (Ecophyto II em 2015, depois Ecophyto II + em 2019) foram lançados, postergando o prazo de redução do uso de agrotóxicos em 50% até 2025.

Evidência científica

“Uma mudança de paradigma está em andamento! “ Enthuses Paolo Barberi, professor de agronomia da Escola Superior Santa Ana de Pisa, referindo-se ao reconhecimento do papel das ervas daninhas na agricultura.

O projeto Disco-Weed (Cesab-FRB), liderado por Sabrina Gaba e concluído em 2019, contribui para esta reversão axiológica. “  Mostramos que essa flora silvestre pode ser mantida sem perder em termos de produtividade”, resume o piloto do programa. “  A força dessas publicações é que elas baseiam suas análises em dezenas de fazendas. Os dados são sólidos ” , garante o especialista italiano.

Entre os estudos recentes da Disco-Weed, o publicado na Frontiers in Sustainable Food Systems confirma os benefícios das mal chamadas “ervas daninhas”. Quanto mais diversificadas e abundantes forem as espécies de ervas daninhas em uma parcela agrícola, maior será o número de funções ecológicas – polinização, controle de pragas, fertilidade do solo -. “Por isso, fornecem serviços essenciais para o bom funcionamento de todos os ecossistemas, inclusive os agrícolas”, destaca o autor principal.

Deixe as ervas daninhas crescerem, é esse o segredo de fazer sem pesticidas? “  Não é tão simples. As ervas daninhas cumprem uma dupla função: são necessárias para a sobrevivência das lavouras, mas competem com as plantas cultivadas pelo acesso aos recursos, explica Sabrina Gaba. Trata-se de encontrar o equilíbrio certo. “

Rumo ao aumento da renda

É neste ponto que o estudo é o mais inovador: o aumento do número de funções ecológicas (que dependem da abundância e diversidade de plantas daninhas) não conduz à queda da produtividade. Por outro lado, o rendimento diminui à medida que aumenta a quantidade de ervas daninhas.

O espaço de manobra, portanto, está na diversificação das espécies. Resultados “encorajadores”, segundo Fabrice Le Bellec: “A renda dos agricultores – que depende de sua produção, mas também de seu orçamento em insumos químicos – é um grande problema na transição agroecológica. “

Para chegar a essas conclusões, os cientistas analisaram dados de 78 campos de trigo e 45 campos de colza, todos sob cultivo intensivo, e 61 prados coletados em 2016 no departamento de Deux-Sèvres, dentro ” um espaço dedicado à observação científica e à experimentação supervisionada pelo CNRS (área de oficinas de Plaine e Val de Sèvre ). “Para quantificar a capacidade de controle de pragas, dispersamos pulgões nas áreas estudadas”, explica a pesquisadora. Depois de um tempo, contamos o número de pragas restantes, o que nos permitiu estimar o potencial de regulação biológica. “

Área de refúgio

Resta ver como promover a diversidade de ervas daninhas em campos cultivados convencionais. Outro estudo da Disco Weed foi publicado em 8 de julho na revista Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences , fornece algumas respostas.

“Queríamos saber como as ervas daninhas se desenvolvem nas lavouras” , resume Bérenger Bourgeois, principal autor do artigo. As ervas daninhas estudadas são sobreviventes: “  Os habitats são zerados todos os anos, o solo é arado, os herbicidas são pulverizados e a competição com as plantas é intensa”, acrescenta Sabrina Gaba.

O artigo destaca, em escala de paisagem, uma correlação positiva entre a diversidade de espécies de plantas daninhas no campo estudado (convencional) e o número de parcelas orgânicas no entorno. “Parcelas rotuladas orgânicas representam um reservatório de ervas daninhas ”, comenta o principal signatário do estudo. As suas sementes são então difundidas à escala da paisagem e permitem preservar uma boa diversidade de ervas daninhas, não só no campo orgânico, mas em toda a área. “Os resultados não me surpreendem, comenta Paolo Barberi. Questionar as práticas agrícolas é essencial para proteger a vida nos campos de cultivo. “

A equipe de pesquisadores também confirma a importância das bordas das parcelas, muitas vezes gramíneas, na dispersão das ervas daninhas para o campo aberto e insiste no seu papel na manutenção da biodiversidade. “É uma área de refúgio para polinizadores”, diz Bérenger  Bourgeois. “Observamos uma dispersão em duas etapas , sintetiza Sabrina Gaba. Primeiro, as sementes chegam à borda da parcela. Em seguida, eles se dispersam para o interior do campo, a uma distância moderada. “

“Protegendo a biodiversidade”

“Esses resultados provam que os defensores do ‘compartilhamento de terras’ têm razão, que mostram que, no nível da paisagem, apenas mosaicos heterogêneos – misturando diferentes tipos de culturas e parcelas na agricultura orgânica com elementos semi-naturais como prados ou sebes – ajude a proteger a biodiversidade ”, contextualiza Paolo Barberi.

Pelo contrário, os defensores da “economia fundiária” defendem uma separação estrita entre as zonas destinadas à protecção da fauna e da flora (não cultivadas) e as terras destinadas à produção agrícola. “Este é um debate crucial sobre a questão da conservação da biodiversidade na agricultura”, insiste o Sr. Barberi.

Juntamente com as práticas agrícolas, as políticas de planejamento do uso da terra também têm um papel a desempenhar na reabilitação de ervas daninhas não amadas. “Você sabe o que dizem na indústria sobre ‘ervas daninhas’? ri Fabrice Le Bellec. Estas são as plantas cuja virtude ainda não descobrimos. “

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em francês e publicado pelo Le Monde [Aqui!  ].

França: comunidades locais acordam para a necessidade de terem “resiliência alimentar”

“É como se as pessoas tivessem percebido a fragilidade de nossos suprimentos”: comunidades locais em busca de “resiliência” alimentar

Mais e mais territórios estão preocupados em garantir a segurança alimentar dos residentes no nível local.

comida 1Um produtor de frutas e legumes prepara cestas no dia 25 de março em Sayat (Puy-de-Dôme). THIERRY ZOCCOLAN / AFP

Por Angela Bolis para o Le Monde

“Desenvolver comida local de qualidade, acessível em todas as cidades e vilas da França” . O primeiro ministro, Jean Castex, fez isso, com o desenvolvimento de “curtos-circuitos”, um dos eixos de sua declaração geral de política, entregue quarta-feira, 15 de julho, perante os deputados.

No terreno, várias comunidades assumiram a liderança. Alguns, que visam um alto grau de autonomia alimentar ou “resiliência” , foram reforçados em suas escolhas pela crise ligada à COVID-19. No ano passado, a política da Grande Angoulême nessa área tomou uma nova direção. “O objetivo, nos próximos cinco anos, é alimentar 150.000 habitantes, sendo capaz de suportar caprichos climáticos, uma crise de saúde ou econômica no final do petróleo … É factível, temos a terra e o know-how para isso “, resume Jean-François Dauré, presidente dessa associação intermunicipal, que lidera, desde 2015, um” projeto territorial de alimentos ” .

A comunidade fez seu cálculo. Teoricamente, pode reivindicar a auto-suficiência alimentar graças aos seus 30.000 hectares de área agrícola, desde que atue em determinadas variáveis: por exemplo, diminuindo pela metade o consumo de carne.

Mas muitas outras questões se escondem por trás da terra: para onde vão os fluxos de cereais produzidos no território? Existem moinhos suficientes, prensas? Como produzir mais frutas ou lançar um setor de proteínas vegetais?

Para avançar neste vasto projeto, Grand Angoulême está sendo acompanhado por Les Greniers d’Abondance. Esta jovem associação, fundada em 2018, fez da resiliência alimentar local seu cavalo de batalha. “Partimos da observação de que as políticas atuais não serão capazes de evitar fenômenos de ruptura, nos níveis ecológico, climático ou energético. Portanto, devemos antecipar e adaptar nossos sistemas alimentares, que têm uma função vital ” , explica um dos dois fundadores, Arthur Grimonpont. “O objetivo é alcançar certa autonomia nos territórios para garantir segurança alimentar básica em caso de grandes perturbações” , continua seu companheiro, Félix Lallemand.

Uma questão ainda emergente

Os dois co-fundadores, um engenheiro de uso da terra e outro biólogo, se reuniram nas fileiras do Shift Project, um grupo de reflexão dedicado a reduzir a dependência de combustíveis fósseis.

Com sua associação, eles se esforçam para descobrir as vulnerabilidades de um sistema alimentar globalizado: mudanças climáticas, colapso da biodiversidade, degradação do solo, esgotamento de energia e recursos de mineração, crise econômica, conflitos, crises de saúde … ec “É no nível das autoridades locais que eles acham melhor assumir o controle de sua segurança alimentar.

“A autonomia dos territórios locais foi forte até meados do XX °  século, com o objectivo previsto pelo governo, para abastecer a cidade com produtos frescos. Com o desenvolvimento da indústria de alimentos e as inovações logísticas, esse suprimento parecia ser um dado adquirido. Ele foi delegado ao setor privado, explica Claire Delfosse, professora de geografia na Universidade Lyon-II e diretora do Laboratório de Estudos Rurais, parceiro da associação. Desde a crise da Vaca Louca e os anos 2000, existe novamente uma preocupação crescente com a questão alimentar, que emana principalmente dos habitantes. Tornou-se um problema para o Estado e especialmente para as comunidades, e não do ponto de vista de curtos-circuitos e alimentação saudável. “

A questão da resiliência do sistema alimentar ainda está emergindo. Não obstante, parece um dos objetivos do Pacto de Milão, assinado em 2015 por uma centena de grandes cidades , incluindo oito na França, comprometidas com uma política alimentar sustentável.

Mais recentemente, a crise do Covid-19 nos lembrou a rapidez com que esse risco pode ressurgir. “Não havia escassez, ou muito pouco, mas as pessoas tinham medo disso. É como se eles tivessem percebido a fragilidade de nossos suprimentos … Onde a consciência da importância de se ter uma comida mais local “ , analisa Yuna Chiffoleau, pesquisadora do Instituto Nacional I para agricultura, alimentação e meio ambiente.

A instalação dos agricultores é essencial

comida 2Jardins compartilhados, 11 de junho em Chatel-en-Trièves (Isère). PHILIPPE DESMAZES / AFP

Durante o confinamento, uma pequena cidade em Vendée, Dompierre-sur-Yon, foi lançada em uma horta comunitária. Alguns meses antes, um coletivo de moradores lançou o impulso plantando um pomar em terras municipais. Desta vez, é a prefeitura que paga a um jardineiro responsável pelo cultivo de hortaliças em um terreno no centro da cidade. A antiga loja de grãos foi reinvestida para servir como armazenamento. Os legumes são reservados para os destinatários da ajuda alimentar.

Para garantir a produção local, a instalação dos agricultores, acima de tudo, é essencial, enquanto a população agrícola ativa diminui pela metade em vinte anos. A comunidade de comunas de Val de Drôme comprou assim uma propriedade de nove hectares para instalar cinco criadores e jardineiros. “Alugamos para eles a ferramenta de trabalho: a terra, as estufas, uma sala para processamento … O contrato é que eles vendam localmente” , explica o presidente da associação intermunicipal, Jean Serret. As comunidades também apoiaram, em Die, um dos menores matadouros da França, salvo do fechamento; ou, em Mornans, a empresa Troupéou, que permite processar e condicionar carne, especialmente carne de cabra.

Ganhar em resiliência implica, portanto, pensar amplamente, em todos os níveis da cadeia de produção de alimentos. E mesmo nos bastidores. “O ponto mais crucial da dependência é a energia: o petróleo, totalmente importado, é o sangue do nosso sistema alimentar” , observa Arthur Grimonpont. Soluções avançadas: produzem biocombustíveis localmente ou usam tração animal. Da mesma forma, devemos considerar a realocação de fertilizantes, sementes, manufatura de máquinas agrícolas, tanto quanto possível …

A água também é um recurso em tensão, com o aumento previsto nas secas. Em Rennes, por exemplo, a cidade integrou um mercado público em seu projeto de alimentos sustentáveis, com o objetivo de comprar comida local para suas cantinas, preservando a qualidade de sua água. Cerca de vinte agricultores, trabalhando na bacia hidrográfica, vendem seus produtos a eles pelo preço que estabelecem. Em troca, eles se comprometem a desenvolver suas práticas para proibir certos pesticidas e outros produtos que poluem a rede de água potável.

“Construindo complementaridade”

comida 3Abobrinha e abóbora orgânicas colhidas em Taupont (Morbihan). EVE MORCRETTE / PHOTONONSTOP

A resiliência é assim construída, segundo seus promotores, além das fronteiras da cidade, numa aliança entre urbano e rural. Em Grenoble, por exemplo, a cidade associou dois parques naturais vizinhos, Vercors e Chartreuse, ao seu projeto sustentável de alimentos.

Em Paris, mesmo que as iniciativas de agricultura urbana tenham florescido durante o último mandato, a oferta de habitantes não pode ser vista dentro de um perímetro tão reduzido. “Pensar na autonomia alimentar no nível da cidade não faz sentido; as cidades existem porque é possível produzir excedentes em outros lugares para alimentar os moradores da cidade”, explica Sabine Bognon, professora do Center d ‘. ecologia e ciências da conservação, que fizeram uma tese sobre o suprimento de alimentos da capital. Existe um mito do cinturão verde que alimentava Paris: desde a Revolução, os alimentos vieram de toda a França para alimentar seus habitantes. “

Em termos de paisagem, essa resiliência não é mais evidente. “O ambiente rural parece ser o local de produção agrícola por excelência “, observa a geógrafa Claire Delfosse. No entanto, existem problemas de mobilidade, acesso a lojas … E os territórios são mais especializados, em cereais, gado, viticultura, com muitas importações e exportações. “

Assim, a questão da resiliência não se limita a uma autonomia simples das cidades ou territórios rurais, e menos ainda à retirada. “Temos que reequilibrar o sistema para aumentar a proximidade, mas a idéia não é mudar para 100% local! Caso contrário, estaríamos igualmente vulneráveis, por exemplo, no caso de uma enchente ou uma epidemia nas culturas de uma região , estima Yuna Chiffoleau. Temos de criar complementaridade, por exemplo, estabelecendo uma parceria entre Paris e Creuse para o fornecimento de carne. Passamos então de dependências submetidas a interdependências controladas. “

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em francês e publicado pelo jornal Le Monde [Aqui!].

Agrotóxicos no ar: estudo francês identifica 32 substâncias identificadas como “prioritárias” para controle

Os resultados da primeira campanha nacional realizada na França para medir a presença de agrotóxicos na atmosfera mostram a presença de glifosato e até produtos proibidos.

pulverizaçãoO Glifosato é pulverizado em um campo de milho no noroeste da França, em 11 de maio de 2018. JEAN-FRANCOIS MONIER / AFP

Por Stéphane Mandard para o Le Monde

Os agrotóxicos não são encontrados apenas na água ou nos alimentos, mas também poluem o ar que respiramos. Porém, se houver limites a serem excedidos em água e alimentos, eles não estarão sujeitos à supervisão regulatória no ar e, tampouco, a padrões de avaliação. Para avaliar melhor a exposição da população francesa e, finalmente, definir uma estratégia nacional de monitoramento de pesticidas na atmosfera, a Agência Nacional de Segurança Sanitária (ANSES), o Instituto Nacional de Meio Ambiente e Riscos Industriais ( Ineris) e a rede de Associações Aprovadas de Monitoramento da Qualidade do Ar (AASQA), federadas pela Atmo France, uniram forças para liderar a primeira Campanha Nacional de Pesticidas Exploratórios Nacionais (CNEP).

Os resultados foram divulgados quinta-feira, 2 de julho. No total, 75 substâncias diferentes foram identificadas, 32 das quais são consideradas “prioritárias” pela ANSES devido aos seus efeitos potencialmente cancerígenos ou de agirem como desreguladores endócrinos. Entre os produtos mais frequentemente encontrados estão o Glifosato, Folpel (mais conhecido como “fungicida da videira”) e o Lindano, um inseticida que é proibido na União Europeia desde 1998.

As amostras foram coletadas entre junho de 2018 e junho de 2019 em 50 locais espalhados por todo o território francês (França metropolitana, departamentos e regiões ultramarinas) e levando em consideração os diferentes tipos de áreas residenciais (50% dos locais) áreas urbanas-periurbanas e 50% rurais) e produção agrícola: lavouras de campo (26%), viticultura (18%), arboricultura (20%), jardinagem de mercado (10%), pecuária (6%). A grande maioria dos sensores foi, no entanto, colocada a mais de 150-200 metros do primeiro lote, o que exclui os residentes de propriedades agrícolas, os primeiros expostos, desta fotografia. Outro estudo realizado com a Public Health France, chamado PestiRiv, tem como objetivo avaliar a exposição de moradores de áreas vitícolas.

“Avalie rapidamente a situação do Lindano”

Cerca de 100.000 dados foram analisados. A partir dessa base, a ANSES estabeleceu “uma primeira interpretação da saúde” , que não pretende ser uma avaliação de risco. Essa análise não “destaca, à luz do conhecimento atual, um forte problema de saúde associado à exposição da população em geral pelo ar externo, fonte externa de emissão de proximidade” , deseja tranquilizar desde o início a agência. Uma afirmação que faz seus parceiros tossirem. A ANSES, no entanto, identifica trinta e duas substâncias prioritárias para as quais “investigações aprofundadas são necessárias” . Desses trinta e dois agrotóxicos, nove são proibidos. Para a ANSES, a prioridade é “avalie rapidamente a situação do Lindano”. A agência considera esse inseticida como “uma das substâncias mais perigosas (com efeitos cancerígenos e / ou reprotóxicos e / ou endócrinos)” . Apesar de proibido na agricultura desde 1998 (e em preparações contra piolhos ou pulgas desde 2006), o Lindano é a substância mais comumente encontrada: foi detectada em 80% das amostras (incluindo 98% na França continental).

Para a ANSES, é agora uma questão de identificar os motivos da persistência do Lindano no ambiente e, em seguida, estimar as exposições cumulativas pelas diferentes rotas (respiratórias, alimentares, cutâneas) e meios de exposição (fora do ar e do ar). interior…). A agência afirma que continuará “trabalho semelhante” para as outras oito substâncias proibidas (epoxiconazol, fenarimol, iprodiona, linuron, pentaclorofenol, clorotalonil, clorpirifós-etil e oxadiazon).

“A ANSES está abrindo portas “, comenta um especialista familiarizado com o assunto. É fácil lidar com produtos já proibidos, mas e todos os outros que ainda são amplamente utilizados? “ . Uma pergunta que se aplica principalmente ao glifosato. Listado como provável agente cancerígeno, o herbicida produzido pela Bayer, muito difamado atualmente, é a terceira substância mais comumente encontrada (56% das amostras). É uma das nove substâncias “frequentemente quantificadas”, ou seja, identificadas em pelo menos 20% das amostras, de acordo com a classificação adotada pela Ineris. Entre esses nove agrotóxicos, o glifosato é o que apresenta as menores concentrações médias anuais (0,04 ng / m 3 ) quando os outros são maiores que 0,12 ng / m3 . Mas eles são dificilmente mais fracos do que o lindane (0,06 ng / m 3 ).

“Acelere na supervisão regulatória sustentável”

E o Folpel? Utilizado contra o oídio, o “fungicida da videira” é classificado como cancerígeno, mutagênico e provavelmente reprotóxico pela Organização Mundial da Saúde. De todas as substâncias medidas na França continental, o Folpel é o agrotóxico com os mais altos níveis de concentração (1,03 ng / m 3 em média por ano), atrás do Prosulfocarbe (2,61 ng / m 3 ), um herbicida .

E as médias anuais nacionais dão uma indicação que pode ser enganosa. Escondem diferenças locais e variações sazonais significativas. Assim, a concentração média anual de folpel atinge 3 ng / m 3 , na zona vinícola. Concentrações que podem exceder 100 ng / m 3 semanalmente durante os períodos de tratamento da videira entre junho e setembro. Encontramos os mesmos picos com Prosulfocarbe e culturas de campo de outubro a dezembro e de abril a junho.

Isso não impede, para a ANSES, que  ainda seja necessário um trabalho adicional de especialização” para todas essas outras substâncias “prioritárias” . “Em algum momento, ainda teremos que acelerar o monitoramento regulatório de longo prazo de agrotóxicos no ar com valores de referência de saúde “, impaciente Emmanuelle Drab-Sommesous, diretora da Atmo Grand-Est e representante de pesticidas da Atmo- França. Medimos há vinte anos. “

Sem esperar, as associações de monitoramento da qualidade do ar recomendam a multiplicação dos locais de medição para produzir “informações locais,
confiáveis ​​e representativas”,
 essenciais em um contexto às vezes tenso; o estabelecimento de uma plataforma nacional para o registro de produtos fitofarmacêuticos para centralizar tanto a compra de agrotóxicos quanto seu uso, ou a inclusão do controle de agrotóxicos presentes ar nas políticas de saúde ambiental.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em francês e publicado pelo jornal Le Monde [Aqui!].

O novo projeto de computação em nuvem franco-alemão para definir padrões e desafiar os líderes de mercado dos EUA

A plataforma digital GAIA-X visa criar um ecossistema europeu de computação em nuvem que conecta usuários a provedores em todo o mundo

bigstock

Por Goda Naujokaitytė para a Science| Business

A França e a Alemanha estão lançando uma nova plataforma de computação em nuvem destinada a definir padrões europeus conjuntos para computação em nuvem – e indiretamente desafiar os provedores de nuvem americanos dominantes.

 Estabeleceremos um conjunto de regras e padrões que darão um enorme impulso à soberania de dados dos usuários europeus de nuvem e de borda “ ,disse o ministro da Economia alemão Peter Altmaier, no lançamento do projeto em 4 de junho, chamado GAIA- X.

O sistema, que começa no início de 2021, tem como objetivo permitir que os europeus usem recursos de nuvem de qualquer fornecedor no ecossistema e alterne facilmente entre fornecedores sem perder dados, oferecendo total transparência sobre quem tem acesso aos dados. A dificuldade de mudar de um provedor de nuvem para outro tem sido um fator importante para o domínio dos três principais provedores de nuvem dos EUA: Amazon, Microsoft e Google.

“Isso oferece aos usuários europeus a liberdade de escolha e oferece aos prestadores de serviços europeus uma enorme quantidade de visibilidade e oportunidades de mercado”, disse Altmaier.

No entanto, com quase 70% do mercado europeu dominado pelas grandes empresas de tecnologia dos EUA, é mais fácil falar do que fazer, disseram analistas. “Se você observar o mercado de nuvem do ponto de vista comercial, seria muito difícil excluir atores de nuvem não pertencentes à UE”, disse Candice Tran Dai, especialista da Fundação Global para Estudos e Pesquisas Cibernéticos. 

Por enquanto, a criação da nova plataforma européia será gerenciada por 22 provedores e usuários de nuvem da Alemanha e da França, incluindo ATOS, Bosch e Siemens, através de uma organização sem fins lucrativos que será instalada em Bruxelas em breve. O grupo apresentará regulamentos claros e requisitos de engenharia para a plataforma e, em seguida, convidará outras empresas da Europa e de outros países a participar da iniciativa.

“Esses membros fundadores se ofereceram voluntariamente para criar e estabelecer essa associação e seus estatutos e outras políticas como um serviço para a futura comunidade de membros”, disse Gerd Hoppe, membro do conselho executivo da Beckhoff Automation, em nome do grupo.

Competição forte

O projeto é o mais recente de uma série de esforços europeus para desafiar o domínio dos gigantes tecnológicos dos EUA no mercado – por exemplo, através de propostas francesas para impor um imposto digital às plataformas tecnológicas dos EUA. Esse sentimento foi reforçado pela crise do COVID-19, que interrompeu as cadeias de suprimento globais e, para muitos políticos europeus, sugeriu que seus setores haviam se tornado muito dependentes de empresas fora de seu controle. Como resultado, os governos alemão e francês em particular agora estão pressionando a noção de “soberania tecnológica”.

“Não somos a China, não somos os Estados Unidos, somos países europeus com nossos próprios valores e interesses econômicos que queremos defender”, disse o ministro da Economia da França, Bruno Le Maire, falando no evento de lançamento.

Apesar das palavras combativas, os criadores do projeto não estão excluindo as empresas americanas do esforço – de fato, dizem os analistas, seria tecnicamente difícil prosseguir inteiramente sem elas. Tanto a Amazon, o maior provedor de serviços em nuvem na Europa quanto o Google, participaram de grupos de trabalho técnicos do GAIA-X. E ambos estão felizes em continuar a fazê-lo, disseram seus porta-vozes.

A Microsoft, o segundo maior fornecedor da Europa, também pode participar. ” Estamos discutindo nossa participação e estamos convencidos de que podemos garantir a arquitetura tecnológica apropriada e atender aos princípios operacionais necessários e estamos ansiosos pela oportunidade de ajudar a fortalecer a soberania digital da Europa por meio de nossa contribuição ” , disse um porta-voz da Microsoft.

Na sua essência, Tran Dai, do Asia Center, acredita que as prioridades do programa não são desafiar frontalmente os concorrentes estrangeiros, mas criar uma estrutura técnica comum para serviços em nuvem na Europa, de acordo com as regras e valores europeus de proteção de dados. “Trata-se de padronização e harmonização”, disse Tran Dai. Mas, disseram

Além da cooperação franco-alemã

A idéia de estabelecer uma plataforma europeia de computação em nuvem surgiu em julho do ano passado, após uma conversa entre Altmaier e a chanceler alemã Angela Merkel. Em agosto, a França aderiu à iniciativa. Quase um ano depois, o GAIA-X finalmente está tomando forma, e os dois países estão chamando de o primeiro passo para estabelecer um ecossistema de dados europeu.

O GAI-X é “nada menos que um luar europeu na política digital”, disse Altmaier. Até o nome sugere isso, acrescentou, aludindo à deusa grega Gaia, adorada como a mãe da vida.

Para torná-lo verdadeiramente europeu, a França ea Alemanha espero que outros países europeus vão aderir à iniciativa o nce a plataforma está totalmente configurado. Isso permitirá que o GAIA-X se expanda e dê lugar aos países da UE que estabelecem um ecossistema de dados conjunto.

“O que queremos criar é uma infraestrutura de dados federada que garanta que valores europeus … como abertura, interoperabilidade, transparência sobre o uso dos dados e confiança sejam sempre garantidos”, disse Boris Otto, diretor executivo da Fraunhofer Instituto de Tecnologia de Software e Sistemas e uma das pessoas por trás do GAIA-X. Ele acredita que esses valores são atraentes para empresas fora da Europa, sugerindo que, assim como o GDPR foi exportado para todo o mundo, “coisas semelhantes acontecerão com o Gaia X”.

fecho

Este artigo foi originalmente escrito em inglês e publicado pela Science|Business [Aqui!].

Uso de hidroxicloroquina é associado a problemas cardíacos e mortes na França

O jornal francês “Le Parisien” publicou hoje (10/04) um artigo onde diz que muitos médicos franceses estão preocupados com os riscos associados à prescrição sistemática de hidroxicloroquina como arma anti-coronavírus. A razão para isso é simples: o risco de graves distúrbios cardiológicos nos pacientes.

cloroquina mortal

As preocupações da comunidade médica francesa se devem em boa parte à divulgação pelo Centro de Farmacovigilância da França que informou que desde 27 de março foram registrados 54 casos de problemas cardíacos, incluindo quatro fatais, relacionados à ingestão de hidroxicloroquina para combater a infecção causada pelo COVID-19.

A matéria traz uma entrevista com o professor de farmacologia clínica Milou-Daniel Drici  que afirmou gostaria que todos os hospitais e médicos da França pensassem nisso antes de prescrever o tratamento com hidroxicloroquina para seus pacientes com Covid-19.

Drici estar preocupado com os efeitos indesejáveis, em particular afecções graves, às vezes fatais, no coração de certos pacientes, não param de aumentar na França em conexão com o uso deste medicamento. “Exceto no contexto de ensaios clínicos para avaliar esse medicamento ou no caso de pacientes hospitalizados em estado grave com o acordo colegial dos médicos, ele não deve ser prescrito”, insistiu o professor Drici.

Segundo ele, entre os potenciais efeitos indesejáveis da ​​hidroxicloroquina estão: náusea, vômito, erupções cutâneas, mas também ataques dermatológicos, oftalmológicos, psiquiátricos.

A matéria do “Le Parisien” informa ainda que o Centro de Farmacovigilância observou casos de desconforto, palpitações ou perda repentina de consciência, e que nos casos mais graves, o paciente sofreu arritmia cardíaca: o coração começa a bater de maneira anárquica e desordenada.  

O que se depreende do caso francês é que o uso de hidroxicloroquina não é a panaceia que os presidentes Donald Trump e Jair Bolsonaro têm insistentemente apregoado, e que, em muitos casos, em vez de curar o COVID-19, essa droga poderá causar a morte dos pacientes. 

Por isso é que em vez de se procurar por uma droga milagrosa, o que temos de fazer é seguir os protocolos da Organização Mundial da Saúde e aprofundar as medidas de isolamento social.  Do contrário, a contagem de mortos subirá exponencialmente no Brasil, como já ocorreu em outros países onde o sistema de saúde estava em situação menos precária do que o nosso se encontra após anos de sucateamento premeditado.

Jornal francês volta a denunciar uso abusivo de agrotóxicos no Brasil

soja agrtoóxicosColheita de soja na fazenda Morro Azul perto de Tangará da Serra, no Mato Grosso. Getty Images

Por Adriana Moysés para a RFI

O uso excessivo de agrotóxicos no Brasil continua em destaque na imprensa francesa. Na quarta reportagem de uma série dedicada ao desmatamento na Amazônia, o jornal regional Ouest France relata nesta segunda-feira (30) resultados de estudos científicos apontando o envolvimento do herbicida glifosato em abortos espontâneos e no aumento da mortalidade de recém-nascidos em áreas que concentram 80% da produção de soja no centro-oeste e sul do Brasil.

Jornal de maior tiragem da França, Ouest France cita a pesquisa publicada em fevereiro passado por Mateus Dias, Rudi Rocha e Rodrigo R. Soares, das universidades de Princeton (EUA), São Paulo e Columbia (EUA). O estudo colheu dados de áreas de cultura de variedades de soja geneticamente modificadas, fabricadas pela Monsanto, nas quais também foi associado um herbicida à base de glifosato, explica o diário.

“As populações de 1.119 municípios cercados por plantações de soja foram expostas direta ou indiretamente à molécula, seja por inalação no ar, pelo consumo de água ou de alimentos contaminados com glifosato. Nessas localidades, entre 2000 e 2010, houve uma alta da mortalidade infantil que aponta uma média de 557 mortes de recém-nascidos ou abortos espontâneos por ano”, reporta o diário francês. Outro estudo, realizado na Universidade do Piauí, demonstrou que 80% do leite materno recolhido em diferentes maternidades em duas regiões agrícolas do estado, distantes de 750 km uma da outra, continham glifosato ou outros perturbadores hormonais.

Doses excepcionais e arriscadas para a saúde

A reportagem do Ouest France, muito detalhada, mostra que três quartos das terras cultiváveis no Brasil são tratadas com agrotóxicos. Das 10 substâncias desse gênero mais utilizadas no país em 2016, quatro são proibidas na União Europeia. O glifosato é utilizado em larga escala no território brasileiro e em proporções muito maiores que o permitido na França. A legislação francesa prevê a utilização de apenas meio litro da substância por hectare, enquanto no Brasil, na Argentina, nos Estados Unidos e em outros países da região a proporção tolerada chega a ser 80 a 100 vezes superior.

No “Atlas Geográfico do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia”, elaborado pela professora Larissa Mies Bombardi, da Faculdade de Geografia da USP, a reportagem do Ouest France encontrou outro dado preocupante, relacionando o glifosato a taxas de suicídio.

“No Paraná, de 3.723 casos de intoxicação recenseados no período de 2007-2014, 1.631 foram por tentativa de suicídio, ou seja, 40% do total. As mesmas proporções são encontradas nos estados de São Paulo (844 tentativas) e Minas Gerais (957). Pior ainda em Pernambuco, onde ocorreram 1.145 tentativas de suicídio num total de 1.545 intoxicações. (…) O fato de dispor de produtos agrícolas tóxicos facilita o suicídio. É um veneno ao alcance das mãos.”

A reportagem relata ainda a indignação da ONU depois de o presidente Jair Bolsonaro liberar o uso de centenas de agrotóxicos. “O relatório do Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU lembra que o Brasil utiliza maciçamente moléculas proibidas em várias regiões do mundo e em doses excepcionalmente elevadas: enquanto a taxa máxima recomendada de glifosato por litro de água potável é de 0,1 miligrama, no Brasil ela é 5.000 vezes maior.”

Um leitor atento compreende facilmente por que a imagem da agricultura brasileira é péssima na França.

_____________________________________________________

Este artigo foi inicialmente publicado pela Rede França Internacional [Aqui!].