Do glifosato ao glufosinato: o aprofundamento de um modelo de deterioração socioambiental na Argentina pelas mãos da “geração HB4”

trigo limpo

Por Coletivo Trigo Limpo

Este trigo, projetado para tolerar o estresse hídrico e o herbicida glufosinato de amônio, é um novo recurso técnico-científico para expandir um modelo de agricultura extrativista baseado no objetivo de produzir commodities e ganhar dólares, de mãos dadas com práticas que aumentaram a concentração de riqueza , a exclusão das populações rurais e indígenas, bem como a deterioração da saúde humana e do meio ambiente.

A recente resolução 2022-27APN-SABYDR#MAGYP publicada em 12.5.2022 autoriza a liberação comercial do Organismo Vegetal Geneticamente Modificado (OGM) trigo IND-ØØ412-7 (Hb4).

Este trigo, projetado para tolerar o estresse hídrico e o herbicida glufosinato de amônio, é um novo recurso técnico-científico para expandir um modelo de agricultura extrativista baseado no objetivo de produzir commodities e ganhar dólares, de mãos dadas com práticas que aumentaram a concentração de riqueza , a exclusão das populações rurais e indígenas, bem como a deterioração da saúde humana e do meio ambiente.

As práticas hegemônicas da agricultura industrial estão fortemente relacionadas ao desmatamento e contaminação por agroquímicos (Angelsen e Kaimowitz 2001), com a deterioração da fertilidade do solo, do patrimônio genético, com o despovoamento rural, com maior desigualdade, com a perda da soberania alimentar, e com o aumento dos conflitos territoriais, entre muitos outros problemas que podemos citar.

Na Argentina, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Pesca (MAGyP), desde a autorização da soja RR em 1996 até a primeira variedade transgênica de trigo aprovada em 2020, foram autorizados 62 eventos transgênicos. Cinquenta deles foram projetados para serem tolerantes a pesticidas. A maioria foi solicitada por 9 empresas transnacionais, lideradas pela Monsato-Bayer, que é responsável por 25 dessas variedades transgênicas. Além disso, é notável o aumento da introdução de caracteres combinados em variedades geneticamente modificadas que foram aprovadas em nosso país (também chamadas de “eventos empilhados” segundo Pilacinski et al. 2011). É o caso de várias variedades transgênicas nas quais foram introduzidos genes de tolerância conjunta ao glifosato e ao glufosinato de amônio. De acordo com o banco de dados MAGyP, existem atualmente 23 eventos transgênicos aprovados com tolerância conjunta a ambos os herbicidas, principalmente em variedades de milho, soja e algodão. Há também eventos de tolerância a outros herbicidas como dicamba e 2,4D, entre outros.

A isso se soma a recente aprovação do trigo transgênico HB4, tolerante à seca e glufosinato de amônio. A República da China aprovou recentemente a comercialização de soja tolerante à seca mais glifosato e glufosinato de amônio, um desenvolvimento produzido entre o CONICET e a empresa Bioceres, previamente aprovado na Argentina em 2018 (base de dados ArgenBio 2022). A notícia teve pouca repercussão na mídia, mas a aprovação da China, maior compradora de soja da Argentina (Sly 2017), sem dúvida resultará não apenas em maior contaminação por agroquímicos, o que por si só já é muito alto e inaceitável, mas também na expansão das lavouras de soja em detrimento dos ecossistemas semiáridos na Argentina. Desmatamento de ecossistemas secos tropicais e subtropicais (Grau et al. 2005; Aizen 2020) é uma prática claramente irresponsável no contexto dramático da mudança climática global que estamos passando (Siyum 2020). Nesse sentido, cabe destacar que os atuais modos de produção e apropriação da natureza em sinergia com as mudanças climáticas derivadas do aquecimento global e a consequente perda da biodiversidade, aproximam perigosamente a biosfera dos limites da possibilidade da própria vida. Por isso, é urgente pensar em novas formas de produzir alimentos saudáveis ​​em contextos socioambientalmente justos, ao invés de continuar repetindo a mesma receita que está gerando tantos problemas. Embora o desenvolvimento do trigo Hb4 seja promovido como uma solução combinada para o problema da seca e da fome, o resultado provável é que servirá apenas para aprofundar ambos os problemas,

Hoje sabemos que os problemas socioambientais que enfrentamos são de natureza complexa, envolvem múltiplos atores e se expressam em várias escalas de espaço e tempo. Por isso, sua abordagem requer um tratamento interdisciplinar e instâncias de participação democrática que possibilitem um diálogo horizontal entre o conhecimento científico e o conhecimento das comunidades e povos indígenas que lidam com esses problemas em seus territórios. Sabemos que a ciência tem contribuído para a melhoria da qualidade de vida das pessoas, mas também destacamos que muitos dos desenvolvimentos técnico-científicos atuais estão impactando negativamente, sendo funcionais ao atual sistema produtivo e grandes responsáveis ​​pela crise ambiental em que vivemos nos encontramos, nos encontramos imersos Ciência e Tecnologia, como qualquer outra atividade humana, não são neutras e, sem dúvida, são atravessadas por valores e interesses. Por isso, suas prioridades e seus significados devem ser objeto de um amplo debate social, que enseje acordos sobre como queremos viver em territórios que produzam alimentos saudáveis, com projeção para níveis mais elevados de equidade e justiça socioambiental . Mas esse debate necessário é notável por sua ausência.

É preocupante a insistente instalação da imagem de cientistas destacados para justificar o desenvolvimento de políticas que nada mais são do que funcionais aos interesses econômicos ligados aos setores concentrados do poder. Apelam-se a visões tendenciosas, setores particulares do campo acadêmico que partem de saberes que são fragmentos e reduções da realidade e que assumem interesses e critérios éticos particulares. Ao contrário, os demais setores que não concordam com essa visão hegemônica são constantemente menosprezados, apresentando-os como obstáculos ao desenvolvimento do país, ainda que o acúmulo de evidências científicas não acompanhe, mas contrarie essas visões hegemônicas, reducionistas e sem licença comunitária.

Após mais de 25 anos de sua instalação e constante expansão, os impactos do modelo soja são visíveis. Os benefícios da semeadura direta para a conservação do solo desmoronaram com a introdução do pousio químico à base de glifosato. Sucessivas evidências de deterioração nos agroecossistemas e na saúde surgiram, detectadas e denunciadas por cidades fumigadas e ilustradas pelos resultados de inúmeras investigações científicas. Também pelo triste destino sofrido nas últimas décadas pelas florestas do Chaco, seus habitantes e sua biodiversidade, devastada pela ganância ilimitada no que diz respeito ao desempenho econômico do agronegócio. Da mesma forma, a promessa de crescimento e bem-estar está em desacordo com os níveis crescentes de dependência econômica, com o aumento escandaloso da pobreza,

O nosso país, submerso numa das suas piores crises económicas, com custos sociais extremamente elevados, e no contexto de uma crise socioeconómica global marcada por interesses geopolíticos, assim como ganância e intolerância, enfrenta desafios profundos, sendo um dos principais a necessária a transição do modelo extrativista para formas de produção e consumo solidárias, amigas do meio ambiente e da saúde de nosso povo, que contribuam para o bem viver. Apesar disso, o governo nacional decide mais uma vez optar pela continuidade da expansão de um modelo agroexportador que aprofunda a primarização da economia, concentra a riqueza e privilegia os retornos de curto prazo de alguns sobre o bem-estar da população. Mesmo multiplicando a bateria de agroquímicos já utilizados: herbicidas, inseticidas e fungicidas, que, somado à aprovação da Hb4 de trigo e soja, autoriza formalmente o uso do glufosinato de amônio. Apesar de vários funcionários e pesquisadores afirmarem desde a primeira instância de aprovação do trigo Hb4 em 2020 que os transgênicos que conferem tolerância ao glufosinato de amônio a esse evento eram apenas marcadores residuais da técnica usada para introduzir tolerância à seca, e garantiram que o glufosinato não seria utilizado em culturas, não há dúvida de que isso não corresponde aos termos da aprovação ou à política de comercialização da empresa Bioceres. Os próprios fundamentos da Res.27/2022 do MAGyP mencionam um parecer que -referindo-se ao glufosinato de amônio-, afirma que “estima-se que isso será uma nova alternativa para otimizar o controle de plantas daninhas na cultura do trigo e aumentar a produtividade em situações de estresse hídrico”. O glufosinato de amônio é um produto químico cujo risco é classificado pelo SENASA como faixa azul (15 vezes mais tóxico que o glifosato catalogado na faixa verde).

Para entender mais claramente qual é a lógica desses desenvolvimentos para perpetuar o agronegócio, é interessante conhecer o depoimento de quem os promove e se beneficia economicamente deles. Durante o 2020 China Formulation Innovation Summit, o diretor de P&D da Dow Chemical Asia Industrial Solutions, Dr. Jeff Mu, fez a seguinte pergunta para os participantes da indústria agroquímica da China: “Qual é o desenvolvimento sustentável da indústria agroquímica da China? A resposta do CEO Rajan Gajaría, vice-presidente executivo de Plataformas de Negócios da Corteva Agroscience, foi contundente “Não temos uma estratégia de sustentabilidade, temos um negócio que é sustentável”. De acordo com a meta para 2030 dessa empresa, sustentabilidade é uma espécie de interação entre sua produção e “soluções” para a sociedade como estratégia de negócios. Uma confissão de partes, retransmissão de provas. Da mesma forma, a empresa Bioceres comercializa seus novos eventos Hb4 soja e trigo como um “pacote tecnológico” que inclui o herbicida glufosinato de amônio, como pode ser visto em anúncios e treinamentos na WEB (ver:https://youtu.be/Jp2fBFJCVJE a partir do minuto 3.05).

Um aspecto fundamental para entender a tecnologia dos eventos empilhados é que, como na maioria das embalagens da agricultura transgênica, eles constituem uma “estratégia de negócios” para a venda cada vez maior de herbicidas e outros agroquímicos, sem levar em conta os danos que causam. causar saúde e meio ambiente. É importante considerar que muitas das empresas de sementes que produzem variedades transgênicas, principalmente as quatro maiores do mercado global (chamadas “Big 4”), também produzem e comercializam herbicidas, multiplicando assim seus lucros ao aumentar a dependência dos produtores ao impor a pacote tecnológico. Os valores éticos, políticos, sociais e ambientais associados a este tipo de lógica mercantilista nada têm a ver com o bem-estar do nosso povo,

No caso do glufosinato de amônio, Tianyu Dong (2020) mostrou que a exposição a esse herbicida durante o período pré-natal gera atividade locomotora reduzida, produzindo mecanismos de memória prejudicados e comportamentos semelhantes ao autismo em modelos experimentais de mamíferos. Outra investigação relevante do ano de 2018, publicada no International Journal of Environmental Pollution da Universidade Nacional Autônoma do México, constata que o glufosinato de amônio altera a qualidade (morfologia, mobilidade) e o DNA do esperma de mamíferos. De fato, a União Européia (Regulamento (CE) nº 1107/2009) determina que esta substância é proibida para todos os usos na categoria de “pesticidas”. Não há muito mais a acrescentar sobre os danos que -se não houver volta- este novo pacote tecnológico causará à saúde, apenas alertar sobre qual é o destino de grande parte das exportações argentinas de trigo: outros países pobres (ou poderíamos chamá-los de zonas de sacrifício). Dada a resposta de que as possíveis consequências deste pesticida se devem ao uso indevido ou à não aplicação de “boas práticas”, basta percorrer a bibliografia disponível para analisar em que locais e grupos de organismos, em que não devem ser encontrados, foram detectados os principais herbicidas aplicados, como é o caso do glifosato.

Por tudo isso, as políticas públicas relacionadas a esse problema fazem nascer a crença de que o Estado Nacional abandona a indelegável responsabilidade constitucional de proteger a população como um todo para proteger os interesses das empresas, em especial do grupo Bioceres e da empresa de serviços pesquisa e desenvolvimento (Indear ).

Consequentemente, solicitamos ao Governo Nacional que revogue RESOL-2022-27-APN-SABYDR#MAGYP. Ao mesmo tempo, tendo aprovado a República Argentina por lei nacional o Acordo de Escazú (Lei nº 27.566), exigimos que ela honre os compromissos assumidos, facilitando o acesso à Informação e possibilitando instâncias para a participação pública nas decisões relacionadas a questões ambientais. sensíveis como os expostos aqui. Além disso, solicitamos que sejam promovidas leis, atualmente atrasadas no Congresso Nacional, que promovam e financiem o acesso a modelos alternativos de produção e consumo condizentes com abordagens agroecológicas, agricultura familiar, acesso à terra, entre muitas medidas que possam pensar como alternativas à pecuária industrial.

Bibliografia e links consultados

  • Aizen M. 2021. Desmatamento no Gran Chaco: a bomba de carbono que o mundo ignora. Mongabay, Jornalismo Ambiental Independente na América Latina.  https://en.mongabay.com/2021/06/deforestation-gran-chaco-carbon-bomb/
  • Schmidt, M., Toledo López, V., Tobías, M., Grinberg, E., Merlinsky, G.. Conflito socioambiental pelo uso de agroquímicos em Salta, Santiago del Estero e Santa Fe, Argentina. Cien Saude Colet [jornal online] (2021/mar). [Citado em 26/05/2022]. Está disponível em:  http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/conflictividad-socioambiental-por-uso-de-agroquimicos-en-salta-santiago-del-estero-y-santa-fe-argentina/17986 ? id=17986
  • Schmidt, M. e V. Toledo López. «Agronegócio, Impactos Ambientais e Conflitos pelo Uso de Agroquímicos no Norte da Argentina». Revista Kavilando, Vol. 10, No. 1, Fev. 2018, págs. 162-79,  https://www.kavilando.org/revista/index.php/kavilando/article/view/218 .
  • Angelsen, A. & Kaimowitz, D. (eds.). 2001. Tecnologias Agrícolas e Desmatamento Tropical. Editora CABI, Wallingford, Reino Unido
  • ArgenBio©, 2022. Conselho Argentino de Informação e Desenvolvimento de Biotecnologia. Culturas transgênicas aprovadas na Argentina. www.argenbio.org/cultivos-transgenicos (Acessado em 30 de abril de 2022).
  • Dong, T., Guan, Q., Hu, W., Zhang, M., Zhang, Y., Chen, M., … & Xia, Y. (2020). A exposição pré-natal ao glufosinato de amônio perturba o microbioma intestinal e induz anormalidades comportamentais em camundongos. Journal of Hazardous Materials, 389, 122152.
  • Grau HR, Aide TM & Gasparri NI 2005. Globalização e Expansão da Soja em Ecossistemas Semiáridos da Argentina. AMBIO: A Journal of the Human Environment 34(3), 265-266, (1 de maio de 2005). https://doi.org/10.1579/0044-7447-34.3.265
  • MAGyP, Ministério da Agricultura, Pecuária e Pesca, (acessado em maio de 2022)  https://www.argentina.gob.ar/agricultura/alimentos-y-bioeconomia/ogm-vegetal-eventos-con-autorizacion-comercial
  • Pilacinski W, Crawford A, Downey R, Harvey B, Huber S, Hunst P, Lahman LK, Macintosh S, Pohl M, Rickard C, Tagliani L & Weber N. 2011 Plantas com eventos geneticamente modificados combinados por melhoramento convencional: uma avaliação de a necessidade de dados regulamentares adicionais. Alimento Químico Toxicol. Jan;49(1):1-7. doi: 10.1016/j.fct.2010.11.004.
  • Siyum, ZG 2020. Dinâmica das florestas tropicais secas no contexto das mudanças climáticas: sínteses de drivers, lacunas e perspectivas de gestão. Processo Ecológico 9, 25 https://doi.org/10.1186/s13717-020-00229-6
  • Sly MJH (2017) A parcela argentina da cadeia de commodities da soja. Palgrave Comunicações. 3:17095 doi:10.1057/palcomms.2017.95.

Fonte: Coletivo Trigo Limpo –  colectivo.trigolimpio@gmail.com


compass black

Este texto foi originalmente escrito em Espanhol e publicado pela BiodiversidadLA [Aqui!]