Extinção de insetos põe em risco segurança alimentar

40% das espécies de insetos podem desaparecer nas próximas décadas por uso de agrotóxicos, monoculturas e mudanças no clima. O Atlas do Insetos, publicado pela Fundação Heinrich Böll, lança o alerta e mostra alternativas para preservá-los

atla dos insetos

Os insetos representam cerca de 90% das espécies de animais em todo o mundo, mas sua sobrevivência está em risco: 40% podem ser extintos nas próximas décadas, comprometendo diversos serviços ambientais como a polinização de espécies vegetais, o controle biológico de pragas agrícolas e a ciclagem de nutrientes, o que acabaria por ameaçar a segurança alimentar da humanidade. O Atlas dos Insetos, lançado pela Fundação Heinrich Böll, contextualiza as causas para o desaparecimento dos insetos e sugere alternativas para reverter a situação, a partir de práticas ecológicas que preservem a biodiversidade na agricultura e políticas públicas que promovam a proteção das espécies. 

Fruto do trabalho de 34 autores, entre cientistas brasileiros e estrangeiros, o Atlas alerta para os agrotóxicos como uma das principais causas de mortalidade entre os insetos. Dependendo do tipo, esses produtos podem causar mortalidade não só nas espécies alvo de sua ação (as chamadas pragas agrícolas), mas também a espécies benéficas como as abelhas, que podem ter seu sentido de orientação comprometido ou mesmo tornarem-se mais susceptíveis ao ataque de patógenos. Ou seja, apesar de vendido como solução, o agrotóxico afeta populações de polinizadores e pode trazer impactos na produção agrícola, já que 76% das plantas utilizadas para prover alimentos no país dependem da polinização feita por animais. Além disso, os chamados defensivos também podem reduzir a quantidade e variedade de insetos que se alimentam de pragas agrícolas e as controlam naturalmente, aumentando ainda mais a necessidade de aplicações de agrotóxicos, em um círculo vicioso.  

Especialistas também alertam para as mudanças climáticas, que prejudicam insetos benéficos como os polinizadores, mas podem tornar abundantes espécies consideradas pragas, e diminuir a tolerância de plantas agrícolas aos seus ataques. No Brasil, estudos relatam que a longevidade e capacidade reprodutiva de um pulgão que ataca forrageiras, Sipha flava, foram significativamente maiores quando os insetos foram mantidos em nível de CO2 alto e constante. Já uma pesquisa da Universidade de Seattle (EUA) calculou que as safras de arroz, milho e trigo diminuirão entre 10 e 25% por grau de aquecimento global como resultado de mudanças nas populações de insetosOutro estudo da Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES), citado no Atlas, demonstra que a produção de alimentos como melancias, abóboras, cacau e castanha-do-Pará pode sofrer um declínio de mais de 90% na ausência da polinização por animais.   

“As pesquisas apontam que o modelo convencional de agricultura está fortemente relacionado à acentuada taxa de declínio dos insetos, que vêm perdendo seus habitats devido ao desmatamento, às crescentes monoculturas e ao uso excessivo de agrotóxicos. Contraditoriamente, esse modelo pode nos levar à insegurança alimentar, uma vez que os insetos, pelas funções que desempenham nos ecossistemas, são responsáveis por grande parte da polinização.”, afirma Joana Simoni, coordenadora da área de agricultura da Fundação Heinrich Böll e editora do Atlas. 

Um caminho para a preservação dos insetos

Em oposição aos monocultivos e defensivos da agricultura tradicional, os autores do Atlas dos Insetos indicam a agroecologia como solução mais amigável para garantir a biodiversidade e a sobrevivência das espéciesO uso de agroecossistemas diversificados, por exemplo, aumenta o número de espécies e de interações nos cultivos, trazendo estabilidade às comunidades de insetos. No Brasil, há experiências bem-sucedidas em plantações de café intercaladas com árvores de ingá: além de produzir mais frutos, o café cultivado nestas condições é menos afetado pelo bicho-mineiro do cafeeiro.

Mas, além das boas práticas, a proteção dos insetos precisa de políticas públicas. O Relatório Temático sobre Polinização, Polinizadores e Produção de Alimentos no Brasil, produzido pela  (PBBES) em 2019, apontou a necessidade de uma política nacional de polinizadores ancorada na conservação da biodiversidade. No entanto, na contramão da preservação, o governo brasileiro já liberou 411 pesticidas apenas em 2021.

Biodiversidade de insetos no Brasil

Além dos milhões de insetos já catalogados, cientistas estimam que entre 3 e 5 milhões de espécies, sendo 1,5 milhão apenas de besouros, ainda aguardam descoberta em todo o mundo. O Brasil abriga aproximadamente 90 mil espécies catalogadas, quase 9% do total, possuindo a maior diversidade do planeta. No entanto, estimativas de um número real de insetos indicam que a fauna brasileira pode conter entre 500 mil e um milhão de espécies.

O país sofre com níveis alarmantes de doenças causadas por mosquitos, como a Dengue, a Zika e a Chikungunya. Entretanto, culpar apenas o Aedes aegypti é uma análise simplista, já que pesquisas indicam as mudanças climáticas, o desmatamento e a urbanização desordenada como fatores de risco para a proliferação de algumas espécies. O aumento da temperatura também pode desencadear surtos de gafanhotos, por afetar o desenvolvimento, comportamento e reprodução destes insetos. Desde o século XVII, há registros de ataques de gafanhotos no Brasil e a última grande ameaça aconteceu em agosto de 2020, quando nuvens de gafanhotos se deslocaram por Argentina e Paraguai, ameaçando entrar no país.

Apesar disso, engana-se quem pensa que insetos são apenas fontes de crise. A dinâmica de colaboração com algumas espécies têm importância econômica e social. Como exemplo, as abelhas têm papel significativo em regiões de baixa renda brasileiras, já que grande parte dos apicultores são agricultores familiares. Outro destaque entre os insetos colaboradores são as joaninhas, conhecidas pela roupagem vermelha de bolinhas pretas, mas com relevância além da estética: atuam no controle biológico de espécies indesejáveis. 

Entre os colaboradores menos conhecidos, mas não menos importantes, temos os besouros chamados de “rola-bostas”. Eles atuam na dispersão de sementes e eliminam a presença de moscas nos pastos ao enterrar as fezes do gado. Cada cabeça de gado produz em média 50kg de fezes por dia. Se não fosse por este besouro, 4 bilhões de toneladas de fezes produzidas pelo rebanho brasileiro por ano ficariam acumuladas nos pastos.

Sobre o Atlas dos Insetos

Nesta terça-feira, às 19h, acontece o lançamento do Atlas dos Insetos, em live com a participação da doutora em biologia populacional pela Universidade de Amsterdam, pesquisadora da EPAMIG e membro do conselho editorial do Atlas, Madelaine Vezon; do doutor em engenharia de produção pela UFSC e membro da coordenação do Fórum Gaúcho de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos, Leonardo Melgarejo; e do Coordenador de Programas e Projetos da Fundação Heinrich Böll na área de Justiça Socioambiental, Marcelo Montenegro. A mediação será da jornalista, mestre em comunicação e editora do Jornal da USP, Luiza Caires. Transmissão ao vivo pelo Youtube: https://youtu.be/Q0V4yqCKPrY

A publicação contou com um conselho editorial formado por acadêmicos e pesquisadores de diversas regiões do Brasil. Participaram: Carlos Eduardo Oliveira de Souza Leite, agrônomo pela UFRRJ e coordenador-geral do SASOP; Dany Silvio Souza Leite Amaral, doutor em entomologia pela UFV e engenheiro da Prefeitura Municipal de BH; Madelaine Venzon, doutora em biologia populacional pela Universidade de Amsterdam e pesquisadora da EPAMIG; Maíra Queiroz Rezende, doutora em entomologia pela UFV e professora do IFNMG; Michela Costa Batista, doutora em entomologia pela UFV e orientadora no Programa de Pós-Graduação em Agricultura e Ambiente da UEMA; Pedro Henrique Brum Togni, doutor em entomologia pela UFV e professor adjunto da Universidade de Brasília; Ricardo Costa Rodrigues de Camargo, doutor em zootecnia pela UNESP e pesquisador da Embrapa; Tarita Cira Deboni, doutora em agronomia pela UPF e professora de agronomia na UFFS.

O material está disponível para download no site da Fundação Heinrich Boll: https://br.boell.org/pt-br/atlas-dos-insetos A versão impressa também pode ser solicitada gratuitamente.

Sobre a Fundação Heinrich Böll 

A Fundação Heinrich Böll é um think tank alemão que possui uma rede internacional com 32 escritórios pelo mundo e atuação em 60 países. No Brasil, atua ao lado de organizações feministas, coletivos de favelas, instituições de direitos humanos, justiça ambiental e movimentos agroecológicos. 

Além do Atlas dos Insetos, a Fundação também lançou o Atlas do Plástico e o Atlas do Agronegócio. Confira todos os dossiês no link: https://br.boell.org/pt-br/nossos-dossies

O apocalipse dos insetos: ‘Nosso mundo vai parar sem eles’

lagartaIlustração: Observer design / Alamy

Os insetos diminuíram 75% nos últimos 50 anos – e as consequências podem ser catastróficas em breve. O biólogo Dave Goulson revela os serviços vitais que realizam

Entrevista por Killian Fox para o “The Guardian”

Eu fui fascinado por insetos durante toda a minha vida. Uma das minhas primeiras lembranças é de encontrar, aos cinco ou seis anos, algumas lagartas listradas de amarelo e preto se alimentando de ervas daninhas no parquinho da escola. Coloquei-os na minha lancheira vazia e levei-os para casa. Eventualmente, eles se transformaram em belas mariposas magenta e preta. Isso parecia mágica para mim – e ainda parece.  

Em busca de insetos, viajei pelo mundo, desde os desertos da Patagônia até os picos gelados da Fjordland na Nova Zelândia e as montanhas arborizadas do Butão. Já observei nuvens de borboletas Swallowtails and birdwings sorvendo minerais nas margens de um rio em Bornéu e milhares de vaga-lumes piscando em sincronia à noite nos pântanos da Tailândia. Em casa, em meu jardim em Sussex, passei incontáveis horas observando gafanhotos cortejarem um companheiro e se despedirem de rivais, tesourinhas cuidam de seus filhotes, formigas ordenham melada de pulgões e abelhas cortadeiras cortam folhas para forrar seus ninhos.

Mas estou assombrado pelo conhecimento de que essas criaturas estão em declínio. Já se passaram 50 anos desde que coletei essas lagartas no parquinho da escola e, a cada ano que passa, aparecem um pouco menos borboletas, menos abelhas – menos de quase todas as miríades de pequenos animais que fazem o mundo girar. Essas criaturas fascinantes e belas estão desaparecendo, formiga por formiga, abelha por abelha, dia a dia. As estimativas variam e são imprecisas, mas parece provável que a abundância de insetos tenha diminuído 75% ou mais desde que eu tinha cinco anos. A evidência científica para isso fica mais forte a cada ano, conforme estudos são publicados descrevendo o colapso das populações da borboleta monarca  na América do Norte, o desaparecimento de insetos florestais e prados na Alemanha, ou a contração aparentemente inexorável dos intervalos de abelhas e moscas no Reino Unido

Em 1963, dois anos antes de eu nascer, Rachel Carson nos avisou em seu livro Silent Spring que estávamos causando danos terríveis ao nosso planeta. Ela choraria ao ver o quanto piorou. Habitats de vida selvagem ricos em insetos, como prados de feno, pântanos, charnecas e florestas tropicais, foram demolidos, queimados ou arados até a destruição em grande escala. Os problemas com pesticidas e fertilizantes, ela destacou, tornaram-se muito mais agudos, com cerca de 3 milhões de toneladas de pesticidas indo para o meio ambiente global a cada ano. Alguns desses novos pesticidas são milhares de vezes mais tóxicos para os insetos do que qualquer um que existia na época de Carson. Os solos foram degradados, os rios obstruídos com lodo e poluídos com produtos químicos. A mudança climática, um fenômeno não reconhecido em sua época, agora ameaça devastar ainda mais o nosso planeta. Todas essas mudanças aconteceram em nossa vida, sob nossa supervisão, e continuam a se acelerar.

Poucas pessoas parecem perceber o quão devastador isso é, não apenas para o bem-estar humano – precisamos de insetos para polinizar nossas plantações, reciclar esterco, folhas e cadáveres, manter o solo saudável, controlar pragas e muito mais – mas para animais maiores, como pássaros, peixes e sapos, que dependem dos insetos para se alimentar. As flores silvestres dependem deles para a polinização. À medida que os insetos se tornam mais escassos, nosso mundo vai lentamente parando, pois não pode funcionar sem eles.

Cada vez mais, a maioria de nós vive em cidades e cresce vendo poucos insetos além de moscas, mosquitos e baratas, então a maioria de nós não gosta muito de insetos. Muitas pessoas têm medo deles. Eles são freqüentemente chamados de “rastejadores” ou “bugs”; criaturas desagradáveis, sujas, que vivem na sujeira e espalham doenças. Poucos, portanto, avaliam como os insetos são de vital importância para nossa própria sobrevivência, e menos ainda como os insetos são bonitos, inteligentes, fascinantes, misteriosos e maravilhosos.

abelhaUma abelha cortadeira em Hertfordshire. Fotografia: Nature Picture Library / Alamy

Os insetos existem há muito tempo. Seus ancestrais evoluíram na lama primordial do fundo do oceano, meio bilhão de anos atrás. Eles constituem a maior parte das espécies conhecidas em nosso planeta – as formigas sozinhas superam os humanos em um milhão para um – então, se perdêssemos muitos de nossos insetos, a biodiversidade geral seria, naturalmente, significativamente reduzida. Além disso, devido à sua diversidade e abundância, é inevitável que os insetos estejam intimamente envolvidos em todas as cadeias alimentares e teias alimentares terrestres e de água doce. Lagartas, pulgões , larvas de caddis flye os gafanhotos são herbívoros, por exemplo, transformando material vegetal em saborosa proteína de inseto que é muito mais facilmente digerida por animais maiores. Outros, como vespas, besouros terrestres e louva-a-deus, ocupam o próximo nível na cadeia alimentar, como predadores dos herbívoros. Todos eles são presas de uma infinidade de pássaros, morcegos, aranhas, répteis, anfíbios, pequenos mamíferos e peixes, que teriam pouco ou nada para comer se não fossem os insetos. Por sua vez, os principais predadores, como gaviões , garças e águias pesqueiras, que se alimentam de estorninhos insetívoros, sapos, musaranhos ou salmão, passariam fome sem insetos.

A perda de insetos na cadeia alimentar não seria apenas catastrófica para a vida selvagem. Também teria consequências diretas para o abastecimento alimentar humano. A maioria dos europeus e norte-americanos sente repulsa pela perspectiva de comer insetos, o que é estranho, já que consumimos camarões (que são bastante semelhantes, segmentados e com esqueleto externo). Nossos ancestrais certamente teriam comido insetos e, globalmente, comer insetos é a norma. Cerca de 80% da população mundial os consome regularmente, prática muito comum na América do Sul, África e Ásia, e entre os povos indígenas da Oceania.

Um forte argumento pode ser feito de que os humanos deveriam cultivar mais insetos em vez de porcos, vacas ou galinhas. A criação de insetos é mais eficiente em termos de energia e requer menos espaço e água. Eles são uma fonte mais saudável de proteína, sendo ricos em aminoácidos essenciais e mais baixos em gorduras saturadas do que a carne bovina, e temos muito menos probabilidade de pegar uma doença ao comer insetos (pense na gripe aviária ou COVID-19 ). Portanto, se desejamos alimentar os 10-12 bilhões de pessoas que estão projetadas para viver em nosso planeta até 2050, devemos levar a sério o cultivo de insetos como uma fonte mais saudável de proteína e uma opção mais sustentável para o gado convencional.

Embora as sociedades ocidentais não comam insetos, nós os consumimos regularmente em uma etapa removida da cadeia alimentar. Peixes de água doce, como truta e salmão, alimentam-se fortemente de insetos, assim como aves de caça como perdiz, faisão e peru.

Além de seu papel como alimento, os insetos realizam uma infinidade de outros serviços vitais nos ecossistemas. Por exemplo, 87% de todas as espécies de plantas requerem polinização animal, a maioria entregue por insetos. As pétalas coloridas, o perfume e o néctar das flores evoluíram para atrair os polinizadores. Sem polinização, as flores silvestres não gerariam sementes e a maioria eventualmente desapareceria. Não haveria flores ou papoulas, dedaleiras ou miosótis. Mas a ausência de polinizadores teria um impacto ecológico muito mais devastador do que apenas a perda de flores silvestres. Aproximadamente três quartos dos tipos de culturas que cultivamos também requerem polinização por insetos, e se a maior parte das espécies de plantas não pudessem mais plantar sementes e morrer, então todas as comunidades na terra seriam profundamente alteradas e empobrecidas, uma vez que as plantas são a base de cada cadeia alimentar.

A importância dos insetos é freqüentemente justificada em termos dos serviços ecossistêmicos que eles fornecem, aos quais pode ser atribuído um valor monetário. A polinização sozinha é estimada em US$ 235 bilhões e US $ 577 bilhões por ano em todo o mundo (esses cálculos não são muito precisos, daí a grande diferença entre os dois números). Deixando de lado os aspectos financeiros, não poderíamos alimentar a crescente população humana global sem polinizadores. Poderíamos produzir calorias suficientes para nos manter vivos, já que safras polinizadas pelo vento, como trigo, cevada, arroz e milho constituem a maior parte de nossa comida, mas viver exclusivamente de uma dieta de pão, arroz e mingau nos faria sucumbir rapidamente deficiências de vitaminas e minerais essenciais. Imagine uma dieta sem morangos, pimenta malagueta, maçãs, pepinos, cerejas, groselhas pretas, abóboras, tomates, café, framboesas, abobrinhas, vagens e mirtilos, só para citar alguns. O mundo já produz menos frutas e vegetais do que seria necessário se todos no planeta tivessem uma dieta saudável.Sem polinizadores, seria impossível produzir em qualquer lugar perto das frutas e vegetais “cinco por dia” de que todos precisamos.


Os insetos também estão intimamente envolvidos na degradação da matéria orgânica, como folhas caídas, madeira e fezes de animais. Este é um trabalho de vital importância, pois recicla os nutrientes, disponibilizando-os mais uma vez para o crescimento das plantas. A maioria dos decompositores nunca são notados. Por exemplo, o solo do seu jardim – e particularmente seu monte de composto, se você tiver um – quase certamente contém incontáveis milhões de colêmbolos ( Collembola) Esses parentes minúsculos e primitivos de insetos, geralmente com menos de 1 mm de comprimento, são nomeados por seu truque inteligente de disparar até 100 mm no ar para escapar de predadores. Este exército de minúsculos saltadores faz um trabalho importante, mordiscando minúsculos fragmentos de matéria orgânica e ajudando a quebrá-los em pedaços ainda menores que são posteriormente decompostos por bactérias, liberando os nutrientes para as plantas usarem.

Outros insetos, os agentes funerários do mundo natural, são igualmente eficientes na eliminação de cadáveres. Com uma velocidade incrível, moscas como as bluebottles e as greenbottles localizam os cadáveres minutos após a morte, colocando massas de ovos que eclodem em poucas horas e se transformam em vermes que correm para consumir a carcaça antes que outros insetos cheguem. Seus parentes, as moscas de carne, têm uma vantagem nesta raça, pois dão à luz diretamente a larvas, pulando totalmente a fase de ovo. Os besouros enterradores e carniceiros chegam em seguida e consomem o cadáver e os vermes em desenvolvimento. Besouros enterrados arrastam os cadáveres de pequenos animais para o subsolo, depositam seus ovos neles e depois ficam para cuidar de seus filhotes. Esta sequência de eventos é suficientemente previsível até mesmo para ser usada por entomologistas forenses para julgar a hora aproximada da morte de cadáveres humanos quando as circunstâncias da morte são suspeitas.

springtail

Um springtail adulto. Fotografia: Nigel Cattlin / Alamy

Além de tudo isso, os insetos que vivem no solo ajudam a arejar o solo. As formigas dispersam as sementes, levando-as de volta aos ninhos para comer, mas geralmente perdem algumas, que podem germinar. As mariposas da seda nos dão seda e as abelhas nos dão mel. No total, os serviços ecossistêmicos fornecidos por insetos são estimados em pelo menos US $ 57 bilhões por ano apenas nos Estados Unidos , embora este seja um cálculo bastante sem sentido, já que, como EO Wilson disse uma vez, sem os insetos “o ambiente entraria em colapso” e bilhões morreriam de fome.

O biólogo americano Paul Ehrlich comparou a perda de espécies de uma comunidade ecológica ao lançamento aleatório de rebites da asa de um avião. Remova um ou dois e provavelmente o avião ficará bem. Remova 10, 20 ou 50 e, em algum ponto que não podemos prever, haverá uma falha catastrófica e o avião cairá do céu. Os insetos são os rebites que mantêm os ecossistemas funcionando.

Apesar de avisos terríveis como este, os insetos são muito menos estudados do que os vertebrados, e não sabemos nada sobre a maioria das espécies de 1 milhão que foram nomeadas até agora: sua biologia, distribuição e abundância são inteiramente desconhecidas. Freqüentemente, tudo o que temos é um “espécime-tipo” em um alfinete em um museu, com uma data e local de captura. Estima-se que haja pelo menos outras 4 milhões de espécies que ainda não foram descobertas. Que ironia cruel é que, embora ainda estejamos décadas longe de catalogar a impressionante diversidade de insetos em nosso planeta, essas criaturas estão desaparecendo rapidamente.

Os números são nítidos. Em 2015, fui contatado pela Krefeld Society, um grupo de entomologistas que, desde o final da década de 1980, capturavam insetos voadores em reservas naturais espalhadas por toda a Alemanha. Eles acumularam insetos em quase 17.000 dias de armadilhas em 63 locais e 27 anos, um total de 53 kg de insetos. Eles me enviaram seus dados para pedir minha ajuda na preparação para publicação em uma revista científica. Nos 27 anos de 1989 a 2016, a biomassa total (ou seja, o peso) dos insetos capturados em suas armadilhas caiu 75%. No meio do verão, quando na Europa assistimos ao pico da atividade dos insetos, a queda foi ainda mais acentuada, de 82%. A princípio pensei que devia haver algum tipo de engano, porque parecia uma queda dramática demais para ser crível. Sabíamos que a vida selvagem em geral estava em declínio, mas o fato de três quartos dos insetos terem desaparecido tão rapidamente sugeria um ritmo e escala de declínio que antes não haviam sido imaginados.

Em outubro de 2019, um grupo diferente de cientistas alemães publicou suas descobertas de um estudo de populações de insetos em florestas e pastagens alemãs ao longo de 10 anos de 2008 a 2017. Os resultados do estudo foram profundamente preocupantes. As pastagens tiveram o pior desempenho, perdendo em média dois terços de sua biomassa de artrópodes (insetos, aranhas, piolhos e mais). Nas florestas, a biomassa caiu 40%.

E em outro lugar? Há algo peculiar acontecendo na Alemanha? Parece altamente improvável. Talvez as populações de insetos mais bem estudadas do mundo sejam as borboletas do Reino Unido. Eles são registrados por voluntários como parte do Esquema de Monitoramento de Borboletas , o maior e mais antigo esquema de seu tipo no mundo. As tendências que revela são preocupantes. As borboletas da “zona rural mais ampla” – espécies comuns encontradas em fazendas, jardins e assim por diante, como prados marrons e pavões – caíram em abundância em 46% entre 1976 e 2017. Enquanto isso, especialistas em habitat, espécies mais agitadas que tendem a ser muito mais raras , como fritilares e fios de cabelo, caíram 77%, apesar dos esforços de conservação direcionados a muitos deles.

borboleta

Uma borboleta pavão em um jardim de Oxfordshire. Fotografia: Geoffrey Swaine / Rex / Shutterstock

Em todo o mundo, embora a maior parte das espécies de insetos – moscas, besouros, gafanhotos, vespas, efêmeras, rãs e assim por diante – não sejam monitorados sistematicamente, geralmente temos bons dados sobre as tendências populacionais de pássaros que dependem de insetos para se alimentar principalmente em declínio. Por exemplo, as populações de pássaros insetívoros que caçam suas presas no ar (ou seja, os insetos voadores que diminuíram tanto em biomassa na Alemanha) caíram mais do que qualquer outro grupo de pássaros na América do Norte, cerca de 40% entre 1966 e 2013 O número de andorinhas, gaviões noturnos comuns (nightjars), andorinhas de chaminé e andorinhas de celeiro diminuíram em número em mais de 70% nos últimos 20 anos.

Na Inglaterra, as populações do papa-moscas caíram 93% entre 1967 e 2016. Outros insetívoros outrora comuns sofreram de forma semelhante, incluindo a perdiz cinza (-92%), o rouxinol (-93%) e o cuco (-77%). O picanço-de-dorso-vermelho, um predador especialista em grandes insetos, foi extinto no Reino Unido na década de 1990. No geral, o British Trust for Ornithology estima que o Reino Unido teve 44 milhões de aves selvagens a menos em 2012 em comparação com 1970.

Todas as evidências acima referem-se a populações de insetos e seus predadores em países desenvolvidos e altamente industrializados. As informações sobre as populações de insetos nos trópicos, onde vive a maioria dos insetos, são esparsas. Só podemos imaginar quais são os impactos do desmatamento da Amazônia, do Congo ou das florestas tropicais do sudeste asiático na vida dos insetos nessas regiões. Nunca saberemos quantas espécies foram extintas antes de podermos descobri-las.

Interromper e reverter o declínio dos insetos, ou mesmo enfrentar qualquer uma das outras grandes ameaças ambientais que enfrentamos, requer ação em muitos níveis, desde o público em geral até fazendeiros, varejistas de alimentos e outras empresas, autoridades locais e legisladores no governo. Aqui na Grã-Bretanha, as recentes eleições e o debate do Brexit viram poucas discussões sérias sobre o meio ambiente, apesar da evidência convincente de que muitos dos maiores desafios que a humanidade enfrenta no século 21 estão relacionados à nossa sobreexploração insustentável dos recursos finitos do nosso planeta.

Para salvá-los, precisamos agir e agir agora. Podemos fazer isso de várias maneiras; alguns simples, outros mais difíceis de alcançar. Primeiro, precisamos engendrar uma sociedade que valorize o mundo natural, tanto pelo que ele faz por nós quanto pelo que ele faz por nós mesmos. O lugar óbvio para começar é com nossos filhos, incentivando a consciência ambiental desde a mais tenra idade. Precisamos tornar nossas áreas urbanas mais verdes. Imagine cidades verdes cheias de árvores, hortas, lagos e flores silvestres espremidas em todos os espaços disponíveis – em nossos jardins, parques municipais, loteamentos, cemitérios, à beira de estradas, cortes de ferrovias e rotatórias – e tudo livre de pesticidas.

Devemos transformar nosso sistema alimentar. Cultivar e transportar alimentos para que todos tenhamos o que comer é a atividade humana mais fundamental. A maneira como fazemos isso tem impactos profundos em nosso próprio bem-estar e no meio ambiente, por isso certamente vale a pena investir para acertar. Há uma necessidade urgente de revisar o sistema atual, que está falhando de várias maneiras. Poderíamos ter um setor agrícola vibrante, empregando muito mais pessoas e focado na produção sustentável de alimentos saudáveis, cuidando da saúde do solo e apoiando a biodiversidade.

As organizações governamentais responsáveis pela conservação da vida selvagem, como a Natural England , deveriam ser devidamente financiadas, mas viram enormes cortes no orçamento nos últimos anos. Os esquemas de monitoramento e pesquisas para entender as causas do declínio dos insetos também devem ser devidamente financiados pelo governo. E o Reino Unido deve desempenhar um papel de liderança nas iniciativas internacionais para lidar com as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade, estabelecendo um exemplo de boas práticas a serem seguidas por outros.

mosca do pinheiroA mosca do pinheiro, o inseto mais raro do Reino Unido. Fotografia: Henrik_L / Getty Images / iStockphoto

Devemos melhorar a proteção legal para insetos e habitats raros. No Reino Unido, a maioria dos insetos não tem proteção legal no momento. Por exemplo, a última população do inseto mais raro do Reino Unido, a mosca-do-pinheiro, está ameaçada por operações florestais privadas, sem recurso legal. Insetos raros devem ter o mesmo peso que pássaros ou mamíferos raros. O fato de serem pequenos não os torna sem importância.

Nosso planeta tem lidado muito bem com a nevasca de mudanças que provocamos, mas seria tolo supor que continuará a fazê-lo. Uma proporção relativamente pequena de espécies foi extinta até agora, mas quase todas as espécies selvagens agora existem em números que são uma fração de sua abundância anterior, subsistindo em habitats degradados e fragmentados e sujeitos a uma infinidade de problemas causados pelo homem em constante mudança. Não entendemos nada perto o suficiente para sermos capazes de prever quanta resiliência resta em nossos ecossistemas esgotados, ou quão perto estamos de pontos de inflexão além dos quais o colapso se torna inevitável. Na analogia dos “rebites em um avião” de Paul Ehrlich, podemos estar perto do ponto em que a asa cai.

Este é um extrato editado de Silent Earth: Averting the Insect Apocalypse, de Dave Goulson, publicado pela Vintage (£ 20). Para apoiar o Guardian e o Observer, peça sua cópia em guardianbookshop.com . Taxas de entrega podem ser aplicadas

Dave Goulson Q&A: ‘As abelhas têm vidas sociais realmente complicadas’

dave goulsonDave Goulson em casa em Sussex: ‘Nunca saberemos quantas espécies foram extintas antes de podermos descobri-las.’ Fotografia: Jeff Gilbert / Alamy

O que te viciou em insetos?
É difícil dizer com certeza. Meus pais não tinham um grande interesse por história natural, mas eles me encorajaram alegremente e me compraram livros de identidade. Eu morava no campo, então podia encontrar insetos com bastante facilidade. É constrangedor admitir agora, mas colecionei borboletas e matei as coitadas, enfiando alfinetes nelas, o que é realmente horrível e com razão considerado inaceitável. Mais tarde, percebi que não gostava de matá-los e comecei a criá-los e a liberar nuvens de borboletas. Nunca questionei realmente se faria algo em biologia. Era tudo que eu realmente estava interessado.

Você é mais conhecido por seu trabalho com as abelhas …
Eu me envolvi ao longo dos anos com todos os tipos de insetos diferentes, mas depois passei a me concentrar nas abelhas – em parte porque elas são muito inteligentes. As abelhas fazem todo tipo de coisas incríveis que outros insetos tendem a não fazer: elas podem navegar por grandes distâncias, podem memorizar e aprender, elas têm vidas sociais realmente complicadas.

O que o motivou a escrever este livro?
Quanto mais eu estudava as abelhas, mais claro ficava que elas estavam diminuindo. Portanto, minha pesquisa começou a se concentrar em por que isso estava acontecendo e o que poderíamos fazer a respeito. Mas se você publica artigos em jornais acadêmicos áridos, então ninguém os lê – exceto um punhado de outros acadêmicos. Pareceu um pouco fútil. Portanto, acho que este livro é o culminar de meus esforços até agora para tentar atingir um segmento mais amplo da sociedade.

Eu imagino que seja fácil fazer as pessoas se interessarem por abelhas, mas é mais difícil para outros insetos menos fofos e obviamente úteis apelar?
É complicado. Há um número muito pequeno de insetos que as pessoas tendem a gostar – abelhas, borboletas, algumas mariposas, libélulas e gafanhotos – mas depois disso, você está realmente lutando. Ninguém nunca vai começar o Earwig Preservation Trust. Portanto, você precisa explicar às pessoas que esses insetos estão fazendo coisas vitais e que são realmente fascinantes. Se as pessoas gastassem um pouco mais de tempo de joelhos, apenas olhando para essas coisas, elas descobririam que elas não são tão nojentas, afinal. Além disso, nem sempre devemos olhar para os insetos da perspectiva do que eles fazem por nós. Eles têm tanto direito de estar aqui quanto nós.

Você enfatiza que grandes mudanças são necessárias em escala internacional, mas há coisas que os indivíduos podem fazer para ajudar os insetos de maneira mais local.
Absolutamente. Isso é muito diferente de muitas dessas grandes questões ambientais em que as pessoas se sentem completamente desamparadas. Com a mudança climática, se você andar em vez de dirigir, não perceberá que o planeta está melhorando. Mas plante algumas flores em seu jardim e você verá borboletas aparecendo. Pode ser pequeno, mas você fez algo positivo e funcionou. Se quisermos salvar o planeta, comece com o que está bem debaixo de nossos narizes.

Entrevista por Killian Fox

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Relatório pede redução no uso de agrotóxicos para impedir o colapso em populações vitais de insetos no Reino Unido

Quase 17.000 toneladas de agrotóxicos são pulverizadas no campo do Reino Unido a cada ano, alerta The Wildlife Trusts

flores silvestresFlores silvestres nos arredores de Ipswich, Suffolk (Getty)

Por Harry Cockburn para o The Independent

Os insetos estão sendo aniquilados rapidamente, arriscando o colapso do ecossistema com repercussões terríveis para a humanidade, de acordo com um relatório que pede novos e importantes alvos para preservar essas criaturas vitais e os ambientes que as sustentam.

O relatório Reversing the Decline of Insects, da Wildlife Trusts , revela o enorme impacto que a atividade humana está causando aos insetos e seus habitats e pede ações “em todos os níveis da sociedade, do local ao global”, para resolver o problema.

O relatório diz que, no Reino Unido, nos últimos 48 anos, 41% das espécies silvestres sofreram reduções fortes ou moderadas nos números. As principais causas desse declínio incluem a perda de habitat e o uso em escala industrial de agrotóxicos.

O país perdeu 97% de seus prados de flores silvestres desde a década de 1930 e 87% de seus pântanos. Ambos os habitats sustentavam uma enorme variedade de vida selvagem.

Para agravar a destruição desses ecossistemas está o fato de que 16.900 toneladas de agrotóxicos – produtos químicos tóxicos – são aplicadas ao campo todos os anos, e esse número não inclui agrotóxicos adicionais usados ​​em jardins, entre vilas e cidades ou naqueles que descem pela drenar.

O relatório exige novas regras ambiciosas sobre agrotóxicos que colocarão o Reino Unido à frente da UE, que está considerando planos de reduzir pela metade o uso geral de pesticidas até 2030.

Para fazer isso, o relatório pede apoio aos agricultores para que adotem práticas agrícolas amigas dos insetos e afirma que futuros acordos comerciais não devem corroer os padrões existentes de agrotóxicos.

O Wildlife Trusts também está exigindo um esforço nacional para fornecer um planejamento mais favorável à vida selvagem, incluindo o uso de um quarto de milhão de quilômetros de margens da estrada (que suportam 700 espécies de plantas – 45% de nossa flora nativa), bem como aterrar ao lado de linhas de trem para criar redes e corredores de vida selvagem que promovam a biodiversidade e a recuperação de insetos.

O relatório também diz que tornar os jardins e outras áreas urbanas mais favoráveis ​​à vida selvagem também “seria um grande passo à frente”.

Ele disse que uma reversão de fortunas poderia revitalizar insetos se:

  • É criada uma rede de áreas ricas em natureza, cobrindo pelo menos 30% do Reino Unido, e são estabelecidas metas juridicamente vinculativas para a recuperação da natureza, que são monitoradas e aplicadas
  • Os conselhos locais priorizam a recuperação verde e criam lugares mais ricos em natureza, onde os insetos podem prosperar e tornar cidades, vilas e paróquias livres de pesticidas
  • Todo mundo se esforça para se tornar um campeão de insetos

Craig Bennett, executivo-chefe da The Wildlife Trusts, disse: “Na minha vida, 41% das espécies selvagens no Reino Unido sofreram reduções fortes ou moderadas em seu número, e os insetos foram os que mais sofreram”.

“Isso teve um efeito enorme no resto do mundo natural. O papel vital que os insetos desempenham é prejudicado e tudo o que depende deles sofre, de ouriços a rouxinóis, flores silvestres a pântanos. ”

Ele também disse que o Brexit e o próximo Projeto de Lei da Agricultura eram uma oportunidade para implementar as políticas que protegerão o mundo natural do qual todos nós dependemos.

Ele disse: “Os atuais acordos comerciais ameaçam piorar uma situação ruim. Cabe ao governo garantir que mantemos nossos padrões ambientais atuais, não os deixe escapar e prejudicar a vida selvagem que nos resta. A Lei da Agricultura é uma oportunidade de ouro para estabelecer altos padrões legais e garantir que as práticas agrícolas amigas dos insetos sejam recompensadas.

“Queremos ver uma meta ambiciosa de redução de agrotóxicos e pelo menos 30% da terra sendo gerenciada pela natureza, para que os insetos possam se tornar abundantes mais uma vez. Estamos convidando todos a agir contra insetos e se tornar um campeão de insetos. ”

No relatório, os autores esclarecem como a prosperidade de nossa própria civilização depende da existência contínua de ecossistemas naturais em funcionamento.

Um parágrafo diz: “Somente no Reino Unido, temos mais de 27.000 espécies de insetos; gafanhotos, abelhas, peixes prateados, caddisflies, besouros, libélulas, mayflies, mariposas e muitos, muitos mais. A maioria de nós não lhes dá a menor atenção, mas elas são a forma de vida dominante na Terra, vivendo ao nosso redor, escavando o solo em nossos jardins e parques, zumbindo de flor em flor nos campos dos agricultores, mastigando lentamente as folhas em nossa floresta … Os insetos estão por toda parte, desempenhando papéis vitais, como polinizar flores silvestres e culturas, servindo como uma importante fonte de alimento para pássaros, morcegos, peixes, répteis e anfíbios, reciclando os nutrientes nos excrementos e cadáveres de animais, espalhando sementes, aerando o solo, comendo pragas e assim por diante. Seja como indivíduo, você gosta ou não de insetos, precisamos deles.

O principal autor do relatório, Professor Dave Goulson, da Universidade de Sussex, disse que o desaparecimento de insetos exige uma resposta de “todas as seções da sociedade”.

“Se acertamos em insetos, acertamos em todo o resto”, disse ele. “Os insetos são os canários da mina de carvão – o colapso deles é um sino de alarme que não devemos ignorar. É necessária ação de todas as partes da sociedade – todos precisamos mudar isso juntos. ”

O relatório observa que, na França, o governo introduziu recentemente uma legislação que proíbe agrotóxicos em vilas e cidades, após um movimento popular.

Legislação semelhante também está em vigor em Copenhague, Vancouver, Toronto e Barcelona.

Em Amsterdã, a proibição de agrotóxicos em terras públicas e um plano municipal de converter metade do espaço verde em flores nativas, juntamente com uma campanha para instalar hotéis de abelhas e plantar flores em jardins privados, levaram a um aumento na diversidade de abelhas 45% desde 2000.

“Podemos conseguir o mesmo no Reino Unido”, disseram os autores.

fecho

Este artigo foi originalmente escrito em inglês e publicado jornal “The Independent” [Aqui!].

Desaparecimento de insetos sinaliza para apocalipse ecológico na Europa

O jornal britânico “The Guardian” publicou hoje um artigo assinado pelo editor de ciência do “Observer”,  Robin McKie, tratando do desaparecimento de diferentes espécies de insetos nas ilhas britânicas, no que parece ser a sinalização de que há um apocalipse ecológico ocorrendo debaixo de nossos narizes, na medida em que espécie antes abundantes estão com suas populações em franca diminuição [1].

apocalipse ecológico

As estatísticas apresentadas por McKie são particularmente sombrias. Segundo ele, populações nativas de joaninhas estão caindo; três quartos de espécies de borboletas – como a dama pintada e a borboleta de Glanville – caíram significativamente em números; enquanto as abelhas, das quais existem mais de 250 espécies no Reino Unido, também estão sofrendo grandes quedas em suas populações, com grandes abelhões amarelos, abelhas solitárias de ceramistas e outras espécies declinando acentuadamente nos últimos anos. Outros insetos ameaçados incluem a cigarra New Forest, o besouro bronzeado e o besouro de óleo.  

Quanto às mariposas, os dados são particularmente alarmantes. A mariposa tigre, que já foi difundida no Reino Unido, registrou uma queda de 99% nos seus números entre 1968 e 2007 e agora está ameaçada de extinção, um destino que também já se abateu sobre outras espécies nas últimas décadas.

Tansy beetle 2.png

Um besouro bronzeado repousa sobre uma folha.

Este apocalipse dos insetos seria o resultado do impacto múltiplo dos impactos ambientais: poluição, mudanças de habitat, uso excessivo de agrotóxicos e aquecimento global. 

McKie sinaliza que este declínio na população de insetos poderá ter consequências cruciais no futuro da humanidade.  É que apesar de muitos insetos terem uma aparência inquietante,  eles estão colocadas na base da cadeia alimentar da vida selvagem, fato que os torna de vital importância para a composição e a natureza das áreas agrícolas.

Interessante notar que esse apocalipse ecológico já vem sendo sinalizado também com o desaparecimento de comunidades de aves que até recentemente possuíam populações consideráveis no continente europeu.

Somados os problemas com a diminuição das populações de insetos e aves sinalizam que as coisas não vão nada bem no tocante à manutenção da biodiversidade e, por extensão, dos sistemas produtivos agrícolas que, curiosamente, podem estar entre os principais vilões por essa hecatombe ecológica.


[1] https://www.theguardian.com/environment/2018/jun/17/where-have-insects-gone-climate-change-population-decline