Maurício Galliote envergonha raízes do Palmeiras ao dar espaço para a mensagem de Bolsonaro

trofeu

Jair Bolsonaro, que não compareceu a debates por estar colostomizado, levanta troféu de 15 Kg do campeão brasileiro de 2018.

 Me  vejo torcendo pela Sociedade Esportiva Palmeiras desde que lá pelos meados de 1965 meus tios colocavam o rádio a pilha para ouvir a equipe esmeraldina fazer frente ao Santos de Pelé, Dorval, Coutinho e Pepe. De lá para cá, passei muitas vergonhas e alegrias como qualquer outro torcedor de futebol.

Confesso que raramente vou a estádios, e a última vez que fui ver o Palmeiras jogar foi contra o Americano em Campos dos Goytacazes, em uma partida pouquíssimo memorável, mas que acho que acabamos vencendo.

De lá para cá, dada a distância de São Paulo e a indisposição para enfrentar a violência que rola nos estádios da capital fluminense, acompanho o Palmeiras pela TV, pelo rádio ou pelo computador. 

Nos últimos anos, o Palmeiras voltou a vencer, primeiro pelas mãos do milionário Paulo Nobre, e agora com Maurício Galliotte que vem sendo turbinado pela Crefisa e pela Faculdade das Américas (FAM) da senhora Leila Pereira. Confesso que ver essas duas empresas crescendo às custas de um financiamento barato às custas da camisa da camisa do Palmeiras já vinha me incomodando, pois somos um time que nasceu a partir do movimento de trabalhadores imigrantes.

Esse desconforto cresceu ao ver o jogado Felipe Melo fazer campanha para Jair Bolsonaro e a diretoria de Maurício Galliotte nem se coçar para dizer que, a despeito das posições pessoais, Felipe Melo não fala em nome de todos os palmeirenses. E falando em Felipe Melo, é duro para mim que já vi um meio campo composto por Dudu e Ademir da Guia ter que aturar a violência dele sendo cometida com a nossa camisa.  Aliás, é preciso lembrar que Ademir da Guia  sempre ostentou posições que  fizeram a maioria dos palmeirenses orgulhosos de suas tradições.

Resultado de imagem para palmeiras bolsonaro allianz

Agora, o que se passou ontem na entrega do troféu de campeão brasileiro de 2018 passou de todos os limites toleráveis.  É que a diretoria comandada por Maurício Galliotte passou de todos os limites aceitáveis ao dar espaço não apenas para Bolsonaro ocupar um espaço nobre que a maioria dos trabalhadores pobres que torcem pela Sociedade Esportiva Palmeiras terão recursos para frequentar, como também colocou o presidente eleito em meio aos jogadores campeões, numa demonstra de subordinação política a interesses que nada têm a ver com as tradições dos fundadores do nosso time.

E para que tudo isso? Primeiro,  nem se sabe se Jair Bolsonaro é realmente palmeirense, pois já posou com a camisa de inúmeras equipes em anos recentes, e recentemente foi ouvido dando o grito de “Vai curíntia” de forma bastante alegre.  Segundo, mesmo se ele fosse um palmeirense eventual, nada daria o direito dele se aproveitar da festa para promover sua mensagem de violência que vai contra as tradições do Palmeiras. 

Com o que permitiu ontem, Maurício Galliotte mereceria ser impedido de continuar presidindo o Palmeiras. Mas dificilmente haverá gente com culhões para impedir que Galliotte continue presidindo a Sociedade Esportiva Palmeiras. Mas  enquanto ele for presidente, me absterei de comprar qualquer material do Palmeiras, pois não darei um centavo para quem cobriu a nossa bandeira de vergonha. 

E, Galliotte, a história vai se lembrar de você, não como o presidente que nos levou a mais um campeonato nacional, mas como aquele que permitiu que um oportunista manchasse a nossa festa.

Conselho Indigenista Missionário emite nota sobre declarações de Jair Bolsonaro sobre povos indígenas

Resultado de imagem para cimi povos indigenas

Acompanhei de perto o trabalho dos agentes do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) durante os anos em que realizei pesquisas de campo no estado de Rondônia. Ali pude ver de perto a dedicação ilimitada que o Cimi dispensava aos povos indígenas que corriam já na década de 1990 riscos permanentes pelo avanço da frente de colonização para a proximidade de territórios que eles ocupam desde muito antes dos conquistadores portugueses lançarem âncoras nas costas da Bahia.

Por isso, reputo como de extrema seriedade o conteúdo da nota pública que o Cimi lançou no dia de hoje acerca das declarações estapafúrdias do presidente eleito sobre os direitos dos povos indígenas, principalmente no tocante à demarcação de reservas que os protejam minimamente dos ataques desferidos por todos os saqueadores que operam quase que livremente no interior da Amazônia brasileira.

Mais do que nunca é precisa apoiar o Cimi e defender o direito de auto determinação dos povos indígenas brasileiros. Do contrário, o que assistiremos na Amazônia será mais um banho de sangue contra os nossos povos originários.

 

Nota do Cimi sobre as agressões do Presidente eleito contra os Povos Originários do Brasil

São graves e preocupantes as ideológicas, anacrônicas e recorrentes declarações do presidente eleito sobre os povos originários do Brasil

povos_indigenas_nota_cimiFoto: Guilherme Cavalli, Ascom Cimi

Bolsonaro insiste em equiparar os povos a animais em zoológicos, o que é, por si só, inaceitável. Ao fazer isso, o presidente eleito sinaliza que os povos podem ser caçados e expulsos por aqueles que têm interesse na exploração dos territórios indígenas e que pensam como ele.

O presidente eleito retoma o discurso integracionista, marca dos governos ditatoriais das décadas de 1960 a 1980. A ideologia do integracionismo deu margem para ações de agentes estatais e privados que resultaram no assassinato de ao menos 08 mil indígenas no período citado, como atesta o Relatório da Comissão Nacional da Verdade.

Ao afirmar que as demarcações de terras indígenas no Brasil teriam origem em pressões externas, o presidente eleito falta com a verdade. O fato é que a Constituição Brasileira de 1988, que em seu Artigo 231 reconhece a legitimidade e o direito dos povos indígenas à sua organização social, aos seus usos, costumes, crenças, tradições e às suas terras originárias; é a mesma Lei Maior de nosso país que obriga o Estado brasileiro a promover a demarcação, a proteção e fazer respeitar todos os seus bens nelas existentes.

Além disso, o presidente eleito tem a obrigação de saber, também, que o direito dos povos às suas terras é reconhecido oficialmente desde o Alvará Régio de 1º de abril de 1680, ainda durante o Período Imperial, bem como, desde 1934, em todas as Constituições brasileiras.

Ao insinuar que as demarcações de terras indígenas poderiam dar origem a novos países dentro do Brasil, o presidente eleito ignora o histórico de luta dos povos originários em defesa das fronteiras do nosso país ao longo da história. Demonstra ainda profunda ignorância quanto ao teor da nossa Carta Magna que elenca as terras indígenas como Bens do Estado brasileiro (Artigo 20), registrados como patrimônio da União nos Cartórios de Imóveis locais e na Secretaria de Patrimônio da União, de acordo com o Decreto 1775/96, que regulamenta os procedimentos administrativos correspondentes.

Além de extremamente desrespeitosas para com os povos, as declarações do presidente eleito dão guarida ideológica para a inoperância do Estado em efetivar o direito dos povos esbulhados historicamente de suas terras, bem como, para ações ilegais e criminosas de invasão, loteamento, venda e apossamento de lotes, desmatamento e estabelecimento de unidades de produção no interior de terras indígenas já regularizadas, que caracterizam a mais nova faze de esbulho possessório em curso no Brasil contra os povos.

Por fim, é inequívoco que as palavras do presidente eleito servem de incentivo e referendam as ações que atentam contra a vida dos Povos Indígenas no Brasil, antagônicas, portanto, ao dever do Estado de efetivar as demarcações, a proteção dos territórios e da vida destes povos.

Diante de tantas agressões, o Conselho Indigenista Missionário-Cimi manifesta irrestrita solidariedade aos 305 povos indígenas brasileiros e reafirma o compromisso histórico e inquebrantável de estar junto com os mesmos na defesa de suas vidas e seus projetos de futuro.

Brasília, DF, 01 de dezembro de 2018

Conselho Indigenista Missionário – Cimi

FONTE: https://cimi.org.br/2018/12/nota-do-cimi-sobre-as-agressoes-do-presidente-eleito-contra-os-povos-originarios-do-brasil/

Mudanças climáticas, uma realidade perigosa

É o que acredita a maioria dos habitantes dos EUA (eleitores republicanos inclusos)

Imagem relacionada

Uma pesquisa realizada pela Monmouth University mostra que a maioria dos habitantes dos EUA (78% dos entrevistados, ou seja quase 8 em cada 10 estadunidenses) acredita que as mudanças climáticas estão de fato ocorrendo, e 54% delas  pensam que elas representam um problema sério para a Humanidade [1].

A pesquisa mostra ainda que até entre os eleitores do Partido Republicano do presidente Donald Trump, a maioria (54%)  acredita que as mudanças climáticas estão de fato ocorrendo, o que vem a ser uma mudança significativa já que esse segmento é normalmente composto por céticos.

O predomínio entre os estadunidenses de que as mudanças climáticas estão ocorrendo e representam um sério problema para a Humanidade não cria apenas embaraços para Donald Trump, mas também para o futuro chanceler brasileiro, o cético embaixador Ernesto Araújo, que atribui a uma trama comunista a ideia de que a Terra está passando por uma mudança climática [2].  

4000

Ernesto Araújo, à direita, foi indicado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro, à esquerda, para ser o principal diplomata do Brasil. Sua nomeação poderia minar o papel de liderança do Brasil na mudança climática. Foto: Sergio Lima / AFP /

Essa posição cria ainda embaraços sérios para o Brasil que acabou de se desresponsabilizar da realização da 25a. edição da Conferência Climática da ONU em 2019 (a chamada COP25) [3]. É que se até entre o eleitorado dos republicanos há uma maioria que considera as mudanças climáticas um fato da realidade, como justificar que o país que possui a maior extensão de florestas tropicais possa assumir a retórica de que tudo não passa de uma trama comunista como sugere o futuro ministro de Relações Exteriores?

Falando na Conferência Climática da ONU que começou em Katowice, a COP24, é interessante o pessoal do Observatório do Clima que está participando do evento, principalmente em termos das medidas objetivas que o Brasil e seu futuro governo deveriam adotar a partir de 2019 [4].

De toda forma, há que se ver ainda o que acontecerá nos EUA a partir da tomada da Câmara  de Representantes pelo Partido Democrata. É que quando se trata das mudanças climáticas, os democratas são ainda mais firmes em reconhecer que estamos passando por uma importância no clima da Terra.


[1] https://www.monmouth.edu/polling-institute/documents/monmouthpoll_us_112918.pdf/

[2] https://blogdopedlowski.com/2018/11/15/the-guardian-novo-ministro-das-relacoes-exteriores-do-brasil-acredita-que-mudanca-climatica-e-uma-trama-marxista/

[3] https://blogdopedlowski.com/2018/11/28/sob-a-lideranca-de-bolsonaro-brasil-renega-organizar-conferencia-climatica-da-onu/

[4] http://www.observatoriodoclima.eco.br/nossas-expectativas-para-cop24/

 

Decisão do Brasil de não sediar reunião climática causa mal-estar diplomático

Na ONU, anúncio foi interpretado como um sinal da direção do governo Bolsonaro em assuntos ambientais

ONU CLIMA

ONU procura alternativa após desistência do Brasil Foto: AFP PHOTO / Jewel SAMAD

Por Jamil Chade, Correspondente do “O ESTADO DE SÃO PAULO

GENEBRA – A decisão do Brasil de não mais sediar a COP-25 em 2019 cria um mal-estar diplomático, obrigando a ONU a se apressar para procurar um novo lugar disposto a receber o evento e abrindo uma crise com parceiros que haviam dado seu apoio a Brasília. O presidente eleito Jair Bolsonaro disse que atuou diretamente na retirada da candidatura

Estado apurou que estava tudo planejado para que a entidade internacional chancelasse a conferência no País durante a reunião da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCCC, sigla em inglês) que ocorre a partir de segunda-feira, na Polônia e onde estarão 50 chefes-de-estado, chamada de COP-24. Não havia sequer outro candidato, diante de um acordo que foi costurado em diversas capitais. 

Mas, com a retirada da proposta brasileira, a entidade passou a se mobilizar para encontrar uma solução, enquanto governos estrangeiros não disfarçam a irritação com a postura do Brasil. 

Ninguém na entidade acredita, porém, que a decisão de cancelar a COP-25 tenha uma relação com a questão orçamentária, como indicou o governo brasileiro. “Esse é um sinal do que poderá ser a política de meio ambiente do novo governo brasileiro”, indicou um membro de alto escalão da entidade, na condição de anonimato.

“Tradicionalmente, todos sabem que o Brasil mantém uma prática diplomática de manter seus compromissos internacionais”, disse outra fonte. “Essa decisão é uma ruptura na postura do País”, lamentou.

Oficialmente, a candidatura do Brasil não era apenas um projeto nacional. O País, no fundo, representava a América Latina e havia sido escolhido pela região para receber o evento. Agora, os governos latino-americanos estão sendo obrigados a se reunir de forma emergencial para buscar uma solução e um país que possa receber o evento. 

“É uma pena essa decisão do Brasil”, comentou um diplomata latino-americano.

“Passamos meses debatendo o assunto e, justamente para que tivéssemos tempo, já escolhemos o Brasil há meses para que fosse a única candidatura. Agora, de última hora, Brasília cede ao novo governo e nos deixa na mão”, criticou, pedindo para não ser identificado e visivelmente irritado. 

A América Latina terá agora apenas dez dias para convencer algum governo da região a receber o evento, fazer os planos e apresenta-los aos demais países, o que de fato exige uma ampla infra-estrutura, preparações e recursos. Caso nenhum latino-americano se apresente, a ONU então terá de recuperar o evento e organizar a reunião em sua sede para assuntos climáticos, em Bonn. 

Essa eventual decisão, porém, fará com que a América Latina fique sem o encontro por anos, já que ele continuaria a ser sediado ao redor do mundo e respeitando uma rotatividade entre continentes.  

Oficialmente, a UNFCCC adotou um tom técnico ao comentar a decisão. “Sediar a COP é um compromisso logístico e financeiro significativo”, disse o vice-secretário-executivo da entidade, Ovais Sarmad. “A oportunidade de servir de sede respeita uma rotação entre os cinco grupos regionais”, explicou. “É a vez do Grupo da América Latina e Caribe (Grulac) a sediar a conferência em 2019”, disse.

“A secretaria da UNFCCC recebeu uma carta do Grulac apresentando a oferta do Brasil para sediar a conferência no ano que vem. Tal oferta teria sido aceita pelas partes na COP-24 em Katowice. Fomos recentemente informados que o Brasil está retirando a oferta”, afirmou Sarmad.

“O próximo passo será a discussão entre membros do Grulac se outro país na região é capaz de oferecer a ser sede da COP25”, alertou. “Se essa oferta não vier, então a conferência em 2019 será realizada na sede da secretaria da UNFCCC”, completou. 

Em Bonn, o Estado apurou que a decisão foi interpretada como um sinal da política que será adotada durante o governo de Jair Bolsonaro e vista com temor. A lógica é de que se o País que detém a maior floresta tropical do planeta não está disposto a apoiar as metas para combater as mudanças climáticas, o “efeito dominó” pode ser importante. 

“Países que hesitavam poderão usar o Brasil como um escudo conveniente e mudar de posição”, alertou um experiente negociador europeu. Poucos, porém, acreditaram na versão dada pelo governo de que o cancelamento tinha uma lógica de redução de gastos públicos. 

Para um diplomata, receber um evento como esse colocaria sobre o Brasil o foco da imprensa internacional sobre o que está sendo feito em termos de proteção à floresta e como o País enfrenta a questão das mudanças climáticas. “Nesse sentido, não nos foi uma surpresa que o governo Bolsonaro não queira falar do assunto”, disse. 

O encontro no Brasil já estava consolidada na agenda internacional. Em outubro, na ONU em Nova York, mais de 70 países em desenvolvimento tinham acertado o apoio à candidatura do Brasil ao evento.

FONTE: https://sustentabilidade.estadao.com.br/noticias/geral,decisao-do-brasil-de-nao-sediar-reuniao-climatica-causa-mal-estar-diplomatico,70002625646

Jair Bolsonaro presta continência a John Bolton. O que fará quando encontrar com o chefe dele na Casa Branca?

O jornal “Folha de São Paulo” publicou uma matéria hoje sobre a visita do assessor da Casa Branca, John Bolton, à residência do presidente eleito do Brasil, dando conta que antes da conversa começar, Jair Bolsonaro teria prestado continência à John Bolton [1].

continencia

Como John Bolton é apenas um assessor, dentre muitos, de Donald Trump, eu fico imaginando qual reverência Bolsonaro irá prestar a Donald Trump numa eventual visita à Casa Branca.

Para o pessoal que dizia que a bandeira do Brasil nunca será vermelha, a informação dessa continência implica que sob o governo de Bolsonaro, poderemos ver a nossa bandeira voltar a ser parecida com a bandeira que vigiu entre 15 e 19 de Novembro de 1989 (ver abaixo), apenas se trocando o verde e amarelo pelo vermelho, azul e branco.

Resultado de imagem para bandeiras do Brasil republica

E como conheço um pouco os estadunidenses, Bolton deve ter feito muitas piadas desse gesto ao narrar o encontro para seus superiores.  É que pode se dizer que se quiser dos republicanos, mas eles possuem senso de humor.


[1] https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/11/bolsonaro-se-encontra-com-assessor-de-trump-no-rio.shtml

Sob a liderança de Bolsonaro, Brasil “renega” organizar conferência climática da ONU

E ruma para se tornar pária ambiental mundial.

Resultado de imagem para cop25

O fato era mais do que previsível, mas mesmo assim não deixa de demonstrar os riscos que o Brasil está correndo de se tornar um pária ambiental no planeta. Falo aqui do abandono do pleito de organizar a 25a. Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (a COP 25) que deverá ocorrer em 2019, agora em lugar ignorado.

É que com o presidente eleito e seu ministro das relações exteriores se alinhando ao presidente estadunidense Donald Trump na negação das mudanças climáticas iria ser mesmo estranho vê-los participando dos trabalhos da C0P25 e, ainda por cima, em solo brasileiro.

Apesar da coerência, essa decisão terá econômicos e políticos para o Brasil mesmo antes de Jair Bolsonaro assumir o poder. O jornal “The Guardian” foi rápido no gatilho e já publicou um artigo na madrugada desta 4a. feira (28/11) sob o título ” Brasil renega em hospedar as negociações climáticas da ONU sob a presidência de Bolsonaro” [1]. A matéria assinada por Jonathan Watts acrescenta, entre outras coisas, que  “a reversão vem dois meses depois que o país concordou em sediar a conferência COP25 em 2019 – e um mês depois que o cético climático de extrema direita ganhou a eleição presidencial brasileira“. 

reneges

O problema para a já combalida brasileira é que esse abandono da COP25 sinalizará para muitos de nossos parceiros comerciais preocupados com as mudanças climáticas que vem mais desmatamento e outras formas de degradação ambiental sob a batuta de Jair Bolsonaro. E, isto, queiram, ou não, Bolsonaro ou seu ministro de Relações Exteriores que optaram por seguir o rumo negacionista do governo Trump, deverá impactar decisões em curso sobre novos investimentos proodutivos no Brasil. É que ao contrário dos EUA, o Brasil não tem nem musculatura econômica nem militar para impor as teses negacionistas sobre as mudanças climáticas.

Aliás, importante nesse caso é ler a nota emitida pelo “Observatório do Clima” que é uma das organizações mais influente nos debates sobre as mudanças climáticas no Brasil [2] . A nota vai na mesma linha de constatar que a opção ideológica de negar as evidências científicas acerca do processo em curso de mudanças climáticas que, no caso do Brasil, deverá atingir a base produtiva agrícola e as populações mais social e economicamente frágeis.

Como bem afirma a nota do “Observatório do Clima”,  o futuro governo federal ao “ignorar a agenda climática, o governo federal também deixa de proteger a população, atingida por um número crescente de eventos climáticos extremos. Estes, infelizmente, não deixam de ocorrer só porque alguns duvidam de suas causas.

Ao latifúndio agro-exportador que tanto depende do comércio exterior, eu sugiro “já ir se acostumando” com a falta de mercados para seus produtos por causa das decisões tresloucados de quem o setor ajudou a colocar no poder.  A ver!


[1] https://www.theguardian.com/world/2018/nov/28/brazil-reneges-on-hosting-un-climate-talks-under-bolsonaro-presidency

[2] http://www.observatoriodoclima.eco.br/nota-oc-sobre-desistencia-brasil-de-sediar-cop25-da-conferencia-clima-da-onu/

 

 

Em novo artigo, futuro ministro das relações exteriores se candidata a ser o Don Quijote do Bolsonarismo

Palácio_Itamaraty_by_Diego_Baravelli

Pode dizer o que se quiser do futuro “ministro das Relações Exteriores” do governo Bolsonaro, o Sr. Ernesto Araújo, mas não que ele não esteja disposto a uma boa briga enquanto for “permanecido” no cargo para o qual foi indicado.

De onde depreendo isso? Da leitura do artigo abaixo que foi publicado pelo jornal “Gazeta do Povo” cuja inexpressividade em número de leitores forçou a passagem de diário impresso para um que sobrevive hoje na sua versão online.

Do artigo se depreende que Ernesto Araújo está pronto para a briga com o PT, com os marxistas culturais (sejam eles quem forem), com a grande mídia internacional e também com a Organização das Nações Unidas (ONU).

O interessante é que ele faz isso tudo em nome de um suposto “mandato popular na política externa”, um espaço que até pouco era ocupado apenas por profissionais capacitados e agora parece ter sido um entregue a uma espécie de “Don Quijote de la Derecha” disposto a enfrentar todos os moinhos de vento que encontrar pela frente.

Mas se não estiver disposto a acreditar em mim, não se faça de rogado ou rogada e passe para a leitura integral do texto publicado pela Gazeta do Povo. Mas se ficar confuso com a mistura de Gramsci, Lukács, Kojève, Adorno e Marcuse para supostamente caracterizar as influências marxistas na sua vida, não se deprima. Em termos de marxismo, o forte embaixador e futuro ministro de relações exteriores parece ser a ignorância e ódio.

Aguardemos o que Ernesto Araújo terá para nos dizer sobre “alarmismo climático”. Deve ser algo na linha do “Deus Trump” que ele diz adorar que foi “eu não acredito nisto” [1].

Mas uma coisa é certa: com tamanha disposição para a briga, Ernesto Araújo vai precisar de muita ajuda de algum Sancho Pança, seja ele quem for e onde estiver.

Mandato popular na política externa

Por Ernesto Araújo [2]

Se a prioridade, segundo o presidente eleito, é extrair a ideologia de dentro do Itamaraty, não lhe parece conveniente ter um chanceler capaz de compreender a ideologia que ali existe?

Algumas pessoas gostariam que o presidente eleito Jair Bolsonaro tivesse escolhido um chanceler que saísse pelo mundo pedindo desculpas. Queriam uma espécie de Ministro das Relações Envergonhadas que chegasse aos parceiros dizendo algo como “Olhem, os brasileiros elegeram Bolsonaro. Não posso fazer nada, é a democracia. Sabem como é, o povo não entende nada. Mas fiquem tranquilos, pois aqui, na frente externa, nada vai mudar. Estou aqui para aguar todas as posições do presidente, para cozinhá-las e transformá-las no mesmo rame-rame que vocês já conhecem, cotinuarei falando a linguagem da ordem global. Estou aqui para não deixar nada acontecer”.

Alguém desse tipo é o chanceler que os comentaristas da imprensa tradicional – nutridos pela convivência com diplomatas pretensiosos – gostariam de ver. Alguém que enquadrasse o novo presidente, pasteurizasse as suas ideias, freasse o seu ímpeto de regeneração nacional, sob a desculpa de que política externa é algo demasiado técnico para ser entendido por um simples presidente da República, muito menos por seus eleitores.

Parece prevalecer nesses meios a tese de que um presidente pode mudar tudo, menos a política externa. Para eles, a política externa seria uma região fechada ao mandato popular, uma espécie de no-go zone fechada ao povo; o Itamaraty seria um Estado dentro do Estado, onde o Presidente só aparece como um convidado ilustre nos jantares oficiais, mas não tem voz efetiva, ou onde a voz do presidente – que é a sagrada voz do povo – sai dublada em idioma da ONU, e ao ser dublada perde o sentido, pois no idioma da ONU é impossível traduzir palavras como amor, fé e patriotismo.

Isso é um gigantesco equívoco. Em uma democracia, a vontade do povo deve penetrar em todas as políticas. Mas as pessoas daquele sistema midiático-burocrático, que gostam tanto de falar em democracia, não sabem disso. Perguntam-se, assustadas: “O que vão pensar de mim os funcionários da ONU, o que vai dizer de mim o New York Times, o que vai dizer o The Guardian, o Le Monde?”

E o povo brasileiro? Vocês não se preocupam com o que o povo brasileiro vai pensar de vocês? Sabem quem é o povo brasileiro? Já viram? Já viram a moça que espera o ônibus às 4 horas da manhã para ir trabalhar, com medo de ser assaltada ou estuprada? A mulher que leva a filha doente numa cadeira de rodas precária, empurrando-a de hospital em hospital sem conseguir atendimento? O rapaz triste que vende panos no sinal debaixo do sol o dia inteiro para mal conseguir comer? A mulher que pede dinheiro para comprar remédio, mas na verdade é para comprar crack e esquecer-se um pouco da vida? O outro rapaz atravessando a rua de muletas, com uma mochila toda rasgada às costas, na qual pregou o adesivo do Bolsonaro, talvez sua esperança de dar dignidade e sentido à sua luta diária? O pai de família com uma ferida na perna que não cicatriza nunca porque ele precisa trabalhar três turnos para poder alimentar os filhos?

Aí está o povo brasileiro, não está no New York Times. Se a política externa não se relaciona com o sofrimento, a paixão e a fibra dessas pessoas, então não serve para nada.

Alguns jornalistas estão escandalizados, alguns colegas diplomatas estão revoltados. Revoltados por quê? Porque pela primeira vez terão de olhar o seu próprio povo na cara e escutar a sua voz?

Você, leitor, diz que quer acabar com a ideologia em política externa? Eu também quero. Essa é a principal missão que o presidente Bolsonaro me confiou: “libertar o Itamaraty”, como disse em seu pronunciamento na noite da vitória. Mas você sabe em que consiste a ideologia que diz ser preciso eliminar? Você diz que é contra a ideologia, mas, quando eu digo que sou contra o marxismo em todas as suas formas, você reclama. Quando me posiciono, por exemplo, contra a ideologia de gênero, contra o materialismo, contra o cerceamento da liberdade de pensar e falar, você me chama de maluco. Mas, se isso não é o marxismo, com estes e outros de seus muitos desdobramentos, então qual é a ideologia que você quer extirpar da política externa? “A ideologia do PT”, você me dirá. E a ideologia do PT acaso não é o marxismo?

Você aprendeu na escola que o marxismo prega a propriedade coletiva dos meios de produção, e deduz que, se o PT não prega o fim da propriedade privada, então não é marxista. Essa era, talvez, a posição do marxismo em 1917 – você está 100 anos atrasado na sua concepção do marxismo. Você se satisfaz com o que escutou de sua professora de História numa aula do ensino médio, nunca mais estudou nada sobre marxismo ou qualquer outra corrente ideológica, e agora vem pontificar e tentar me dizer o que é ou o que não é ideologia? Os marxistas culturais de hoje dizem que o “marxismo cultural” não existe e você acredita, simplesmente porque não tem os elementos de juízo e o conhecimento necessário. O fato é que o marxismo, há muito tempo, deixou de buscar o controle dos meios de produção material e passou a buscar o controle dos meios de produção intelectual – fundamentalmente, os meios de produção do discurso público: mídia e academia. Quem controla o discurso público, nos jornais e universidades, controla a vida social de maneira muito mais eficiente do que a obtida pelo controle das fábricas ou fazendas. Vencida na economia, a ideologia marxista, ao longo das últimas décadas, penetrou insidiosamente na cultura e no comportamento, nas relações internacionais, na família e em toda parte.

As coisas que eu critico, critico-as porque sei que são parte e continuação da ideologia que você diz repudiar. O alarmismo climático (sobre o qual falarei em outra oportunidade), o terceiro-mundismo automático e outros arranjos falsamente anti-hegemônicos, a adesão às pautas abortistas e anticristãs nos foros multilaterais, a destruição da identidade dos povos por meio da imigração ilimitada, a transferência brutal de poder econômico em favor de países não democráticos e marxistas, a suavização no tratamento dado à ditadura venezuelana, tudo isso são elementos da “ideologia do PT”, ou seja, do marxismo, que ainda estão muito presentes no Itamaraty. Mas, quando eu me posiciono contra todas essas pautas, você diz que eu sou ideológico e sustenta que eu não deveria fazer nada a respeito.

Se você repudia a “ideologia do PT”, mas não sabe o que ela é, desculpe, mas você não está capacitado para combatê-la e retirá-la do Itamaraty ou de onde quer que seja. Ao contrário, você está ajudando a perpetuá-la sob novas formas. Se a prioridade é extrair a ideologia de dentro do Itamaraty, não lhe parece conveniente ter um chanceler capaz de compreender a ideologia que existe dentro do Itamaraty? Alguém que estuda essa coisa nos livros, há muitos anos, e não simplesmente ouviu alguma referência num segmento do Globo Repórter? Muitos pensadores marxistas brilhantes estão há 100 anos trabalhando incansavelmente e programando a penetração da cultura social e política, de maneira velada, mas por isso mesmo profunda, em favor de seu projeto de poder – e você acha que para combater isso basta dizer “não existe mais ideologia no Itamaraty”, ou basta pronunciar “pragmatismo” como uma palavra mágica que se instalará sozinha? Gramsci, Lukács, Kojève, Adorno, Marcuse estão rindo da sua cara. Ou melhor, não estão rindo, porque marxista não tem senso de humor, mas você sabe o que quero dizer.

Você é contra a ideologia? Então é preciso alguém que entenda de ideologia. Para curar uma doença, não basta dizer que a detestamos, é preciso conhecer suas causas e manifestações, suas estratégias e seus disfarces.

Você é a favor da democracia? Então deixe o povo brasileiro entrar na política externa.

Ernesto Araújo, embaixador e diretor do Departamento de Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos do Itamaraty, assumirá o Ministério das Relações Exteriores em 1.º de janeiro de 2019.

Com informações da Gazeta do Povo [2]


[1] https://brasil.elpais.com/brasil/2018/11/27/internacional/1543283242_634443.html